Música domina o cérebro humano, diz neurologista

O GLOBO ENTREVISTA
Oliver Sacks

De todos os animais, o homem é o único dotado de ritmo, capaz de responder à música com movimentos.
É também o único a apresentar um cérebro adaptado para compreender complexas estruturas musicais e ainda se emocionar com elas. Músicos apresentam alterações em regiões cerebrais jamais vistas em outros profissionais. Para o neurologista britânico Oliver Sacks, a musicalidade é tão primordial à espécie quanto a linguagem e entender a relação entre música e cérebro é crucial para a compreensão do homem.

Em seu mais novo livro, “Alucinações musicais” (Editora Companhia das Letras), o especialista relata casos de pessoas que reagem à música de formas incomuns. Há os que simplesmente não conseguem ouvi-la. E há os que a ouvem o tempo todo, mesmo quando nenhuma melodia está tocando.

Há gente que passou a ouvir os sons de forma diferente após ser submetido a uma cirurgia cerebral. E mesmo os que desenvolveram um incomum talento musical. Nesta entrevista, Sacks conta que há um vasto caminho ainda a percorrer para que se possa entender completamente esses fenômenos. Mas uma coisa, diz, é fato: “A música se apossou de muitas partes do cérebro humano.”

Roberta Jansen

O GLOBO: O senhor concorda com Charles Darwin quando ele diz que a música teve um papel importante na evolução? Especificamente na seleção sexual, como um atrativo a mais para o sexo oposto? OLIVER SACKS: Como o comportamento e as suscetibilidades não deixam registros fósseis, é difícil saber como nossos ancestrais se comportavam.
Mas estou inclinado a pensar que a música surgiu muito cedo na espécie humana, tão cedo quanto a linguagem. Linguagem e música são fontes de comunicação primordiais.

O senhor discorda, portanto, de Steven Pinker e de outros especialistas que sustentam que a música é um subproduto do aparato sensorial, prazerosa mas dispensável? SACKS: Sim, discordo de Pinker.Não vejo a música como algo acidental e trivial, como um subproduto da linguagem.A música está presente em todas as culturas e apresenta, nos seres humanos, aspectos únicos que não têm paralelo na linguagem. Falo do ritmo, do fato de respondermos à música com movimentos. Nenhum outro animal faz isso. É preciso ver o ritmo como algo primordial na evolução humana.Porque todos os seres humanos respondem a ele. A música une as pessoas. E há conexões específicas no cérebro para isso.

Unir as pessoas poderia ser uma vantagem evolutiva? SACKS: Não posso dizer que a musicalidade humana se desenvolveu para unir as pessoas.Mas algo surgiu, se mostrou vantajoso e houve a seleção dessa característica. É claro que a musicalidade é uma vantagem evolutiva. Nenhum outro animal dança com ritmo, mas qualquer criança o faz. Isso pode ter sido um fenômeno quando surgiu, todos esses pequenos seres dançando.

De que forma isso é marcado no cérebro humano? SACKS: Muitas partes do cérebro se desenvolvem com a percepção, o aprendizado e a imaginação do ritmo. De novo, nenhum outro animal tem a capacidade de ouvir e analisar sons complexos, com tons, semitons, ritmos, palavras.Essa habilidade é especificamente humana. Mesmo pessoas que sofrem de mal de Alzheimer ou tiveram um derrame respondem à música.Várias estruturas do cérebro se relacionam a isso.

De que forma? SACKS: A música se apossou de muitas partes do cérebro humano. É possível ver como o cérebro se modifica em resposta à música. Estudos com imagens do cérebro já comprovaram a ampliação de determinadas regiões no cérebro de músicos. Vendo imagens de cérebros, não dá para dizer quem é matemático ou escritor. Mas dá para dizer facilmente quem é músico quando essas estruturas ampliadas aparecem.

Há alguma parte do cérebro especialmente voltada para música? SACKS: Não há uma só parte do cérebro. A música está em todo mundo, por todo o cérebro, envolve várias partes desse órgão e não necessariamente as mesmas. Isso é que é o mais incrível.

Mas há também os que não respondem de forma alguma à música, não é? SACKS: Sim, há algumas pessoas que não percebem musica e ficam muito impressionados com os relatos. Há outros que não ouvem determinados tons ou semitons. Essas amusias ocorrem em razão de danos no cérebro. Parte da rede que está faltando.

E as alucinações musicais? Até que ponto elas poderiam ser interpretadas como um problema psicológico? SACKS: Quando uma pessoa tem alucinação musical (ouve música que ninguém mais está ouvindo), a primeira coisa que pensa é que ficou louco, que está ouvindo coisas. Mas é um processo completamente diferente de ouvir vozes como os esquizofrênicos. Eles recebem ordens, é bem diferente e as pessoas enfatizam isso. Alucinações musicais são bem comuns, são como velhas memórias que tocam na mente. Não é uma doença mental.

Por que a música muitas vezes provoca uma reação emocional? Como o cérebro é capaz de diferenciar uma melodia triste de uma alegre? SACKS: Um dos maiores poderes da música é controlar emoção, desenvolver, provocar respostas emocionais. Anatomicamente, podemos dizer que algumas regiões do cérebro afetadas pela música estão perto daquelas ligadas às emoções, envolvidas nas percepções dos cheiros que despertam memórias. Mas ainda não está claro como essas respostas emocionais ocorrem.
Não se sabe ainda o quanto depende da cultura.

Tags: , , , , ,

32 COMENTÁRIOS PARA "Música domina o cérebro humano, diz neurologista":

Comentado por Savya em 06/10/2007 - 00:13h:

Olá! Sou a Dra. Savya, faço parte de um grupo de pesquisadores de alucinações musicais do HCFMUSP gostaria de saber se alguém tem alucinações musicais e perda auditivas? O O. Sacks é expert no assunto e nós aqui no Brasil estamos começando a pesquisar isso também. Aguardo respostas.

Comentado por Laura em 22/10/2007 - 22:24h:

Dra . Savya

Sinto algo que acho meio estranho.
� algo meio recente.

Quando fico ansiosa v�m em minha mente sequ�ncias de m�sica, repetitiva.

N�o � sempre a mesma m�sica, s�o pequenos trechos mas isso me deixa mais ansiosa.

Comevcei h� tempos atr�s, tamborilar os dedos, sem perceber, com a sequ�ncia.

Depois consegui conter o tamborilar, ma as sequ�ncias continuam.

Na segunda-feira passada fui � uma homeopata, por sinal muito boa, e comentei o fato. J� havia falado disso com o psiquiatra pois estou numa fase de ansiedade.Mas ele n�o fez coment�rio algum e disse que isso era coisa para terapia.

Achei que ele ou n�o tinha feed-back para rseponder ou n�o � atencioso.

J� a homeopata, quando comentei falou do livro Alucina�es Musicais e vou compr�-lo para ver se entendo esse processo.

Acho que se eu compreender o porqu� tenho isso, pode passar.

Comentado por Laura em 22/10/2007 - 22:25h:

Dra . Savya

Sinto algo que acho meio estranho.
É algo meio recente.

Quando fico ansiosa vêm em minha mente sequências de música, repetitiva.

Não é sempre a mesma música, são pequenos trechos mas isso me deixa mais ansiosa.

Comevcei há tempos atrás, tamborilar os dedos, sem perceber, com a sequência.

Depois consegui conter o tamborilar, ma as sequências continuam.

Na segunda-feira passada fui à uma homeopata, por sinal muito boa, e comentei o fato. Já havia falado disso com o psiquiatra pois estou numa fase de ansiedade.Mas ele não fez comentário algum e disse que isso era coisa para terapia.

Achei que ele ou não tinha feed-back para rseponder ou não é atencioso.

Já, a homeopata, quando comentei falou do livro Alucinações Musicais e vou comprá-lo para ver se entendo esse processo.

Acho que se eu compreender o porquê tenho isso, pode passar.

Comentado por viviane em 31/05/2008 - 07:59h:

Interessante, a música pode lembrar sensações e tambem promover sensações, até, sexuais!!!!!!!!!!! e existe uma sensação muito boa com certos tipos de música que eu nem sei dar um nome! mas é pura diversão!

Comentado por DEBORA MAILA em 16/09/2008 - 15:46h:

MÚSICA FAZ BEM PARA A ALMA…….

Comentado por Sandra Kison em 21/11/2008 - 12:55h:

Sou tecladista, professora de musica ha mais de 20 anos. gostaria de saber como estao as pesquisas em relação ao “ouvido absoluto” se ainda há controversias qto ao fato de podermos desenvolver o ouvido absoluto ( que eu acredito que sim) ou se ele já nasce com nós. Mesmo sabendo que o ouvido absoluto não é o mais interessante para um musico profissional, e sim o ouvido relativo, gostaria de saber mais sobre o absoluto, como funciona em nosso cerebro etc …eu tenho o ouvido absoluto e precisei desenvolver o relativo para poder trabalhar com a musica profissionalmente. Se alguem souber de algum material sobre as pesquisas, por favor entrem em contato. Obrigada.

Comentado por Elisa em 30/01/2009 - 23:18h:

Dra Savya, minha mãe tem acuidade auditiva diminuida e tem apresentando sintomas de alucinação musical.
Gostaria de obter mais informações.
Por favor, poderia me enviar email ou endereço para contatos?
Grata
Elisa

Comentado por jose leite em 03/03/2009 - 17:28h:

olha gostei do que li sobre a neurologia da musica. brevemente entrarei em contato para mais aprendizados, estou fazendo uma monografia em Sobre o aprendizado da inglesa através da musica.

Comentado por Catarina em 20/04/2009 - 11:13h:

Estou faezendo sobre com a música pode ser um instrumento eficaz na educação de crianças prtadoras de necessidades especiais.Gostaria de saber qual a sua em relação a esse tema e se você têm artigos que falam sobre o mesmo.Preciso o mais rápido possivél.Obrigado

Comentado por FABIO(guitarrista) em 21/04/2009 - 16:03h:

sou adepto de uma teoria de Freud,que diz:tudo está relacionado à perpetuação da espécie.Acredito que,assim como a luta,o desenho e a dança,a música surgiu nos ancestrais como uma forma de dizer que eram mais evoluídos que os outros.Pois se voce consegue emitir e perceber formas sonoras mais complexas,isso quer dizer que voce tecnicamente é mais evoluído,e isso serve como um fator atrativo para o sexo oposto,acarretando numa maior chance de perpetuação de seus genes.mas isso é um conceito que serve para explicar o surgimento da música nos ancestrais,hoje a música já ganhou muitos outros sentidos e funções nos seres humanos,pois o cérebro já evoluiu muito e não se resume mais somente à perpetuação da espécie.mas onde eu quero chegar,é que a música é indispensável para os seres humanos há muito tempo.

Comentado por LUIZ em 11/05/2009 - 00:36h:

Muito me intriga o fato de algumas pessoas, mesmo sem estudo de teoria e sem prática musical, cantam dentro do ritmo, ou seja, para usar a terminologia da arte musical, dividem corretamente, isto é, não adiantam nem atravessam o compasso.

Existem relatos de explicações científicas a respeito?

Comentado por LUIZ em 11/05/2009 - 00:44h:

Quanto à reação emocional da pessoa ao ouvir música, ouso discordar do mestre Favre, porque a música só comunica agitação e calmaria, conforme o andamento, as síncopas, quiálteras, ligados,contratempos etc. A reação emocional pertine exclusivamente a reflexos condicionados: depende das circunstâncias em que o indivíduo ouviu determinada composição e outra assemelhada.

Comentado por LUIZ em 11/05/2009 - 00:46h:

Corrigindo: …. discordar do mestre Olíver Sacks…

Comentado por ABCDEFGH em 13/05/2009 - 19:30h:

“o homem é o único dotado de ritmo”
“Falo do ritmo, do fato de respondermos à música com movimentos. Nenhum outro animal faz isso”
“Nenhum outro animal dança com ritmo”
Não é verdade exemplo disso é a cacatua

Comentado por Rap do Trabalhador (analfabeto?) « Embromation Blog em 02/06/2010 - 10:52h:

[...] nem ameacei começar a procurar mais coisas do tipo para não ter alucinações musicais que não quero [...]

Comentado por izaira em 19/07/2010 - 13:57h:

alucinação musical, é?
bem, ouço música o tempo inteiro, desde que me entendo por gente. nem preciso ligar aparelho algum. só ligo algum, quando quero ouvir algo novo dos outros, algo que acabou de sair do forno de alguém.
ouço músicas que já existem e o que não existe! por isto, componho muito!
escuto, escuto e escuto e isto não me atrapalha em nada. ao contrário, muitas vezes, nestas músicas, estão respostas ou revelações de algos que me preocupavam ou que eu ansiava perceber.
amo música. quando soube que os outros não eram assim, uma radiola ambulante na “cachola”, tomei um susto.
vivo da música, vivo com música, sou música!
gracias a la vida!

Comentado por Sandra em 30/08/2010 - 01:10h:

Eu não vejo cores na música, mas sim texturas. Dependendo do instrumento que toca ou do tipo de voz, linha melódica, etc, eu vejo formas diferentes no espaço, se entrelaçando. Não sei ao certo se seria um tipo de sinestesia ou produto da imaginação…

Comentado por Roosevelt em 12/09/2010 - 15:00h:

Interessante a coisa de somente o ser humano ser dotado de rítmo. fiz parte de uma cavalaria, quando de serviço, lembro madrugada nas baias (box onde ficam os cavalos)eu começava tocar violão bem baixinho, as veze cantando um samba, e os cavalos viravam com a cabeça para fora do box, para o corredor, e de repente estavam quase todos assim balançando a cabeça como se acompanhassem o rítmo.

Comentado por marina em 12/10/2010 - 03:28h:

descobri que certas músicas eletronicas e repetitivas, me deixam como que em transe, me tiram a energia produtiva, como se fosse hipnóticas, me dão sono. isso é possivel?

Comentado por Getúlio Lúcio em 21/04/2011 - 03:57h:

Sou músico profissional a 12 anos, tenho algumas alucinações com a música. as veses quando estou destraido, olhando para algum lugar começo a escutar alguma música boa e fico imaginando essa música e automaticamente me imagino tocando essa música e derrepente eu desperto daquela destração. É ótimo sentir isso, não sinto nada de ruim, pelo contrário.

De uma coisa, pelo menos EU, tenho certeza: a música não é coisa deste mundo, não é algo que com pesquisas, etc, vamos conseguir entender, não é com fotos do cérebro que vamos achar a origem dos processos que acontecem em nosso cérebro quando escutamos, tocamos ou fazemos música. Não estou desprezando os cientistas que acompanham e fazem um trabalho perfeito na área e que contribuiram para o entendimento de várias questões a muito tempo não explicadas sobre nosso cérebro. Mas se a história de que até Lúcifer era músico no reino de Deus for verdade e que O rei Daví louvava, dançava, tocava para Deus e entretia Deus (como é falado na bíblia), Não vamos conseguir entender tão cedo. Pois é algo divino, algo inalcansável pelo entendimento humano. A Música é uma arte, é um dom, e vem de Deus. não precisamos saber de onde veio ou como surgiu o processo que ocorre em nosso cérebro quando execultamos uma música, só precisamos saber que eles existem.

Comentado por Daniel em 21/07/2011 - 00:53h:

Não há dúvida de que a música é algo divino e muito profunda. Existem coisas que realmente jamais conseguirão serem explicadas. Sou violoncelista e quero aqui compartilhar o que acontece comigo: As notas estão em meu cérebro e a qualquer hora do dia escuto-as. Ás vezes quando estou caminhando na rua ou em qualquer lugar. Elas despertam em mim, é como se uma pequena luz se ascendesse em meu cérebro. Cada uma tem um brilho específico. Em cada peculiar brilho encontro a diferença entre elas. O nome da nota aparece junto com o seu brilho that comes from my brain.

Comentado por Adriano em 03/09/2011 - 18:32h:

Olá, eu estava procurando por assuntos desse tipo, eu comecei meus estudos de musica à um tempo atrás e por motivos de outras ocupações acabei os deixando de lado, mas eu consigo ver as notas quando são tocadas e principalmente eu as relaciono com as quintas (ex: C{dó}, G{sol}) sendo que o que eu estudei foi muito básico nada aprofundado eu sei algumas escalas.

Comentado por Neide Poinho Sainz de Vicuña em 11/05/2012 - 11:00h:

Olá! Há 4 meses ouço música na minha cabeça, 24 hs d dia.Músicas tocadas com diferentes instrumentos e às vêzes com coral. Tenho um grau de surdez elevado, mas uso ap.auditivo e nem lembro que sou. Trabalho ativamente como gerente de uma Loja.Só qdo estou em lugar silencioso ou vou dormir, que o som (na minha cabeça) aumenta muito e já estou ficando irritada com esta música constante.Angustiada por não saber o que significa. Já fui tb em C.Espírita. Disseram-me ser mediunidade.
Neurologistas, parecem não saber. Estou tomando um calmante natural comprado sem receita,pq do contrário, não iria conseguir dormir com esta música.Estou ficando preocupada e com receio de que, se for um desalinhamento de rede de neurônios, como li em literatura sobre o assunto. E se desalinhar ainda mais, o que vai ser do meu cérebro? Se alguém puder dar alguma dica, por favor entre em contato comigo.

Comentado por como arrumar uma Namorada em 17/09/2012 - 19:26h:

Olá a todos. Eu só estava a navegar na Internet por diversão
e veio em cima de seu site. Pós fantástico. Muito obrigado por compartilhar sua experiência!
É bom saber que algumas pessoas ainda colocar isso em um esforço para gerenciar
seus sites. Eu vou ter a certeza de verificar novamente

Comentado por laura em 23/10/2012 - 23:48h:

Sou musicista, estudo trompa há mais de cinco anos, e eu escuto música sem ela estar tocando, ninguém escuta mas eu sim. Tenho muita sensibilidade auditiva tanto que não posso música no fone porque meu ouvido doí…meu amigos acham que eu sou louca, escuto tudo muito baixo,meu ouvido se irrita com sons altos!

Comentado por sergio de angelis em 11/12/2012 - 14:29h:

intao, dra. posso te dar uma dica . acate se quizer. as musicas de louvor a deus altissimo, nos da paz alegria contentamento. deus ama a musica . foi ele quem a enventou no ceu, a biblia diz q os anjos cantam… bom enfim se alguma musica te tras ansiosidade nao e de deus , e secular, musica mundana. cuidado ,,, lucifer a serpente o diabo chamado assim na biblia era musico no ceu antes de ser banido. um aviso deus te ama , e ja esta te avisando, so tera alegria contentamento se acreditar senao ficara no sofrimento , aconteceu isso comigo tbem. principalmente musica de trilhas de novelas cuidado, se cuide jesus ama vc.

Comentado por sergio de angelis em 11/12/2012 - 14:34h:

quero deixar bem claro q nao e ruim escutar musica. minha esposa toca piano e escuta musica sem estar tocando dedilha os dedos sempre ama a musica , musica realmente e divina. quero dizer se ela esta te deixando anciosa. amnguatiada, intao e isso cuidado ja expliquei no outro comentario se cuide.

Comentado por samantha em 18/12/2012 - 20:27h:

Hoje conversando com o meu noivo comentei com ele que escuto música enquanto fazemos amor. Já tinha percebido isso muitas vezes, mas nunca parei para pensar se isso é ou nao normal e resolvi pesquisar para saber se existe algo sobre o assunto. Isso não me incomoda na realidade é diferente, mas será q se trata de alucinação musical? Nunca ouvi falar disso.

Comentado por Jheicy em 07/04/2013 - 13:10h:

As vezes quando eu toco uma mUsica eu fico ouvindo uma outra voz e o meu ouvido fica vibrando, como se alguém estivesse tocando comigo mas há ninguém ,eu Quero saber o que e isso……

Comentado por Frederico em 01/08/2013 - 15:55h:

Gostaria de saber se essas musicas que ouço o tempo todo,vai parar.Se e uma doença,e se tem cura?

Comentado por Phillippi em 26/08/2013 - 01:06h:

Eu também vivo com musicas em meus ouvidos,mas esta habilidade veio em mim desde os 7 anos de idade e até hoje esta sempre comigo

Por alguns comentarios,eu fiquei feliz por haver mais gente como eu,apesar de meu pai ser um colecionador de discos raros de musica americana,e a minha mãe ser ecletica de ritmos

Acho que foi pelos dois que este tipo de disturbio habitacional se desenvolveu na minha mente

Dependendo das minhas emoções,a musica muda pela minha mente,o que tem me ajudado em algumas coisas,e como que minha mente tem altos pensamentos inacabaveis,eu quero na verdade saber o que é isso aliado aos meus ouvidos absolutos,sendo que as musicas ficam em tom baixo e que consigo ouvir o ambiente por onde fico em grau normal

Comentado por Neide Sainz de Vicuña em 18/09/2013 - 00:32h:

Olá, Dr Savya, li o que você escreveu em 2007,sobre estudos que faz sobre “alucinações musicais”.Expus um comentário meu, que tenho tal fenomeno, em 2012. Li também vários comentários de pessoas que passam pela mesma situação.Fui a vários médicos, alguns nem sabiam nada sobre este assunto. Fazem já mais de 2 anos que ouço estas músicas e ao longo deste tempo fui analisando várias nuances sobre o fenomeno. Mas respostas, orientações ou comentários de quem anda pesquisando sobre o assunto, nada! A não ser algo vago dito pelo Dr Oliver Sacks.A Senhora que estuda o assunto e pediu nos manifestássemos, não tem algo ainda para dizer a todos nós que nos manifestamos prontamente ao seu pedido? Agradeceria se tivesse! Passa o tempo…. as músicas continuam….. e estamos sempre com uma pergunta em mente:”que raios será isto agora”!

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO: