31/03/2008 - 18:16h Yuri Bashmet e os Solistas de Moscou

Benda – Grave Viola e Orquestra

31/03/2008 - 18:09h Treasury Rolls Out Overhaul of Financial Regulators

Brendan Smialowski for The New York Times
paulson.jpg
Treasury Secretary Henry M. Paulson Jr. presented a series of proposals to overhaul the regulation of Wall Street on Monday in Washington.

By STEPHEN LABATON – The New York Times

Published: March 31, 2008

WASHINGTON — Treasury Secretary Henry M. Paulson Jr. on Monday formally laid out an ambitious plan to overhaul the regulatory apparatus that oversees the nation’s financial system. Senior lawmakers and industry lobbyists predicted that most of the plan would run into difficulty.

The product of a lame-duck Republican administration facing a Democratically controlled Congress, the plan would consolidate federal agencies that regulate the nation’s securities and commodities futures markets and eliminate a third agency, the Office of Thrift Supervision, which oversees savings and loans. It proposes to create a commission that would set new minimum licensing standards for mortgage originators.

By his own account, Mr. Paulson, along with other senior officials, do not want lawmakers to act on the proposal until after the housing crisis is over — and that is likely to be after a new president takes office.

“Some may view these recommendations as a response to the circumstances of the day,” Mr. Paulson said in a speech Monday at the Treasury Department. “That is not how they are intended.”

Democratic leaders are already drafting bills to impose tougher supervision over Wall Street, and some say that Mr. Paulson’s plan does not go far enough in reining in risky practices among banks.

Insurance and some banking groups began over the weekend to formulate plans to oppose various provisions. And several features were criticized by regulators appointed by the Bush administration.

Senior lawmakers, while praising the administration for raising important points for further discussion, said the odds of a major overhaul in the remaining days of the Congressional session were long.

“Since this is opening day in baseball, I might as well make a baseball metaphor,” said Senator Christopher J. Dodd, the Connecticut Democrat who heads the Senate banking committee. “This is a wild pitch. It is not even close to the strike zone.”

Mr. Dodd and other Democrats were hoping to move legislation this week that would help homeowners facing foreclosure.

Still, elements of the Paulson plan — including a proposal to expand the authority of the Federal Reserve to examine investment banks and other financial institutions that have previously roamed free of federal oversight — clearly speak to the recent tumult on Wall Street that has hurt the economy. And President Bush, through his spokeswoman, urged Congress to quickly approve the proposed changes.

“Secretary Paulson has been working on this package for about a year, so it’s not like pulling a rabbit out of a hat,” Dana Perino, the White House press secretary, told reporters on Air Force One on Monday.

The administration’s proposal will do almost nothing to regulate the alphabet soup of sophisticated financial products that have fueled the financial crisis. And it will not rein in practices that have been linked to the mortgage crisis, like packaging risky loans into securities carrying the highest ratings.

Hedge funds and private equity firms, which have enjoyed freedom from government oversight for years, would finally fall under federal watch. But that oversight would be minimal, enabling the government to do little beyond collecting information until a widescale crisis has already occurred.

The checks and balances in the plan reflect the mindset of Mr. Paulson, the plan’s architect, who came to Washington after a long career on Wall Street, including a stint as chief executive of Goldman Sachs.

Mr. Paulson has worried that any effort to substantially tighten regulation could hamper the ability of American markets to compete with foreign rivals — and, in fact, the proposal stemmed from a series of policy discussions that began well before the current tumult that has rocked the nation’s economic underpinnings.

The plan began last year as an effort by Mr. Paulson to streamline the different and sometimes clashing rules for commercial banks, savings and loans and nonbank mortgage lenders.

“This blueprint addresses complex, long-term issues that should not be decided in the midst of stressful situations,” Mr. Paulson said in his remarks on Monday. “These long-term ideas require thoughtful discussion and will not be resolved this month or even this year.”

Mr. Paulson also deflected blame for the current tumult away from the Bush administration. “I do not believe it is fair or accurate to blame our regulatory structure for the current turmoil,” he said.

Under the plan, the Fed would have some authority over Wall Street firms, but only when an investment bank’s practices threatened the financial system as a whole. The Fed would be able to examine internal bookkeeping of brokerage firms, hedge funds, commodity-trading exchanges and any other institution that might pose a risk to the overall financial system.

The plan would also merge the Securities and Exchange Commission with the Commodity Futures Trading Commission, which regulates exchange-traded futures for oil, grains, currencies and the like. And the blueprint suggests several areas where the S.E.C. should take a lighter approach to its oversight, including allowing stock exchanges greater leeway to regulate themselves.

Some agencies within Washington’s patchwork system of financial regulation would be consolidated. One new agency, which the Treasury calls a “prudential financial regulator,” would focus on the safety of financial institutions that have explicit government guarantees. The other watchdog would oversee business conduct to protect public investors and customers of financial firms.

Congress would have to approve almost every element of the proposal, and Democratic leaders are already drafting their own bills to impose tougher supervision over Wall Street investment banks, hedge funds and the fast-growing market in derivatives like credit default swaps.

Administration officials acknowledged last week that they did not expect the proposal to become law this year, but said they hoped it would help frame a policy debate that would extend well after the elections in November.

31/03/2008 - 14:50h Miserere de Il trovatore, por Maria Callas

Maria Callas, Paris 1959

31/03/2008 - 14:44h Internet, avantages et inconvénients, par Sylvie Kauffmann

muralla_china1.jpg


Dimanche 23 mars, en pleine crise du Tibet, une information a commencé à circuler sur le réseau de messagerie instantanée Twitter : le site d’information de la BBC en anglais était soudain accessible depuis la Chine. A Londres, Steve Herrmann, son rédacteur en chef, a attendu quarante-huit heures pour s’assurer que ce changement n’était pas accidentel, puis, mardi, l’a annoncé sur le site. Pas de doute : au lieu du message d’erreur, rituel depuis près de dix ans, la page d’accueil de BBC News, ses photos de moines tibétains et ses reportages, en Chine ou dans le reste du monde, s’affichaient miraculeusement sur les écrans des internautes chinois comme s’ils étaient à Liverpool ou à Hongkong. Ce jour-là, le nombre de visiteurs à partir d’ordinateurs situés en Chine est passé d’une centaine à 20 000. Beaucoup y sont allés de leur petit commentaire, déposé à la fin des pages lues. Une semaine a passé, et le miracle continue.

Pourquoi ? Mystère. “Pour être honnêtes, nous n’en savons rien”, avoue Steve Herrmann. La BBC fait partie des médias dont la couverture des émeutes au Tibet a été critiquée publiquement par le pouvoir chinois. Pourquoi donc lui faire cette fleur, alors que tant d’autres sites occidentaux et asiatiques – dont celui de la BBC en mandarin – sont bloqués ? Dans l’empire du Milieu, la censure a ses raisons que la raison ne connaît pas. Elle les connaît d’autant moins que, comme disent les communicants, Pékin ne communique pas sur sa politique de contrôle de l’Internet.

Peut-être est-ce une façon de tenir un minimum d’engagements sur l’accès à l’information à l’approche des Jeux olympiques. Peut-être est-ce un moyen de montrer aux Chinois anglophones certes, mais néanmoins chinois, de quoi ces médias occidentaux sans foi ni loi sont capables sur le Tibet. A en juger par les réactions réprobatrices de lecteurs chinois sur le site de la BBC, si tel était l’objectif, il est atteint. Ou peut-être est-ce une façon de reconnaître qu’aucune muraille, aussi haute, aussi étanche soit-elle, ne peut totalement contenir la déferlante Internet.

Dans l’empire soviétique, un poste de radio à ondes courtes était le sésame de l’information libre, sur lequel on pouvait écouter Radio Free Europe, RFI, la BBC… quand elles n’étaient pas brouillées, bien sûr. Des dissidents se seraient damnés pour une photocopieuse. Aujourd’hui, l’Internet est à la photocopieuse ce que le satellite est à l’Aéropostale.

Un dirigeant asiatique vient de s’en apercevoir à ses dépens : Abdullah Badawi, premier ministre de Malaisie, qui a subi le 8 mars la mère de toutes les humiliations électorales. “Ma plus grosse erreur, vient-il de découvrir, a été de négliger l’Internet.” Le parti de M. Badawi s’était concentré sur les grands médias, télévision et presse écrite, propriétés soit de l’Etat soit d’amis du pouvoir. Ces grands médias s’étaient eux-mêmes concentrés sur la coalition au pouvoir au point d’ignorer l’opposition. Exclus des grands médias, les candidats de l’opposition se sont réfugiés sur Internet – où les électeurs les ont suivis. Pour les meetings, les SMS ont relayé l’Internet dans les campagnes, sous-équipées en ordinateurs. Les sites d’information indépendants, comme Malaysia-Today ou le très professionnel Malaysiakini, ont vu leur diffusion exploser. Jeff Ooi, célèbre blogueur pourchassé par la justice, a été élu député.

La Chine a aujourd’hui, selon les estimations d’un de ses propres instituts, dépassé les Etats-Unis en nombre d’Internautes : 228 millions en Chine, contre 217 aux Etats-Unis (ce qui ne fait jamais qu’un taux de pénétration de 16 % contre 69 % !). Comme le montre la crise du Tibet, le pouvoir chinois, grâce à une police de l’Internet forte de quelque 40 000 techniciens et la coopération d’entreprises occidentales comme Yahoo! et Google, est passé maître dans l’art de contrôler le cyberespace. Rien à voir avec l’amateurisme des dirigeants de Malaisie. Mais Pékin ne peut pas non plus faire comme les généraux birmans et couper l’Internet, purement et simplement : le rôle d’Internet dans la vie financière et économique du pays est désormais trop important. Aussi colossale soit-elle, la grande muraille de Chine ne peut être à toute épreuve.

De là à établir que l’Internet est l’arme fatale qui introduira la démocratie en Chine, il y a un pas que Zhou Yongming, chercheur à l’université de Wisconsin-Madison, se refuse à franchir. Il dresse un parallèle intéressant entre l’impact du télégraphe sur la participation politique sous la dynastie Qing à la fin du XIXe siècle et celui de l’Internet aujourd’hui. Les réformateurs, qui s’étaient appuyés sur le télégraphe, échouèrent. “La Chine, rappelle-t-il, a 5 000 ans d’histoire, 1,3 milliard d’habitants et un immense territoire. Fonder ses espoirs sur une seule et unique technologie est trop optimiste.” Morale de l’histoire, telle que la résume le professeur Zhou avec un sourire désarmant : la démocratisation en Chine ne se fera qu’à travers un changement fondamental du processus politique. “L’Internet peut faciliter cela, mais pas le dicter.” Désolé.

Post-scriptum.
Le Vietnam et la Thaïlande vont autoriser les Philippines à puiser dans leurs réserves d’urgence de riz. L’Inde et le Vietnam augmentent les prix du riz à l’exportation, pour protéger leur consommation intérieure. Partout en Asie, hausse des cours du riz et baisse des stocks : on redoute des pénuries et l’agitation sociale qui en résulterait..

Courriel : lettredasie@lemonde.fr.

Sylvie Kauffmann

31/03/2008 - 14:13h Gerdau quer comprar usina na França

O grupo Gerdau é “oficialmente” candidato à compra da usina metalúrgica de Gandrange, que pertence a Arcelor Mittal, o maior grupo siderúrgico do mundo. A notícia foi dada neste domingo pela Agência France Press, que cita como fonte Alain Sthal, responsável pelas negociações para tentar salvar o emprego de 595 trabalhadores.

Com um quadro de 1.108 funcionários, a usina de Gandrange corre o risco de ser parcialmente fechada, pois a Arcelor Mittal pretende transferir parte da produção a outros países. O caso tomou tamanha amplitude que o próprio presidente Nicolas Sarkozy visitou o lugar em fevereiro para garantir que o Estado está “pronto para investir na usina, com ou sem a Mittal”. A ministra da economia, Cristine Lagarde, se pronunciou hoje, garantindo que o “objetivo principal é salvar os empregos”.

A usina de Gandrange fica no nordeste da França e tem capacidade para produzir 1,04 milhão de toneladas de aço por ano. Ainda não existe informação sobre o valor que seria pago, mas segundo a France Press, o grupo brasileiro é, por enquanto, o único interessado na compra. A assessoria de imprensa da Gerdau, sediada em Porto Alegre, não tem nenhuma informação a respeito da transação. Fonte Mário Camera, Blog À francesa.

31/03/2008 - 14:06h LUCIAN FREUD

lucien_freud_after-cezane.jpg
AFTER CÉZANNE
(1999 – 2000) – óleo sobre tela – Irregular: comprimento 215 cm; altura no lado esquerdo 214 cm; no lado direito 173 cm
National Gallery of Australia, Canberra
Autor: Lucian Freud

Reflexões

31/03/2008 - 13:54h Ainda sobre os panelaços na Argentina

Oleo do Diabo
cacerolazo.jpg

Vamos esclarecer algumas coisas. O problema não está em pessoas da classe média argentina saírem às ruas batendo panela, embora eu ache isso um tanto ridículo. Os próprios blogueiros de buenos aires estão refletindo sobre os panelaços dos anos 90, que derrubaram ministros das fazenda. Adiantou alguma coisa? Na verdade, não. Derrubaram ministros, inclusive alguns bons ministros, que pegaram o abacaxi incomensurável cultivado pelo governo Menen, o otário que mais levou à sério as reformas neoliberais sugeridas pelos americanos. Aliás, por falar em americanos, nada como um dia após o outro. A cobra está sendo intoxicada pelo próprio veneno. Enquanto o mundo inteiro cresce, só os EUA têm crise, devido à estupidez neoliberal. O neoliberalismo é uma ofensa ao liberalismo. Não tem nada de liberal no neoliberalismo. Até mesmo a teoria do Estado mínimo é uma balela. O neoliberalismo tenta se vender como verdadeiro capitalismo quando não passa de uma tática semi-mafiosa na qual grupos financeiros ligados ao poder ganham milhões às custas de transferir par si a renda de milhões de trabalhadores e empresários.

Voltando à Argentina, o problema não está na panela. Está em quem bota fogo na panela. Em Buenos Aires, há manifestações quase diárias sobre tudo e todos. A maioria são sérias, com faixas explicativas, demandas específicas. Naturalmente, a maioria são de sem-terras pedindo terras, desempregados pedindo empregos, e assim vai. A diferença deste novo panelaço é justamente… a falta de demandas. As pessoas simplesmente saem batendo panelas pelas ruas, à noite, depois de ouvir pelo rádio e pela televisão que outras pessoas estariam indo às ruas “espontaneamente”. O conceito de “espontâneo”, naturalmente, possui um sentido muito especial. Esqueçamos o fato de ser falso, já que manifestações convocadas por locutores de rádio e televisão a cada 10 minutos não podem ser, tecnicamente, classificadas de espontâneas. Esqueçamos isso. O que os blogueiros argentinos, além da falsidade do caso, notaram é que, para a mídia argentina, a espontaneidade diferenciaria o panelaço das passeadas “organizadas” por sindicatos, movimentos sociais, associações e qualquer tipo de organização civil. São espontâneas. Tão espontâneas que as pessoas nem sabem o que estão fazendo lá. A causa da revolta, teoricamente, seria o discurso de Cristina atacando a greve dos agricultores. Bem, não quero entrar no mérito da política agrícola do governo argentino. Certamente, há quem defenda e quem ataque, com argumentos válidos para todos os lados. O caso, como sempre, virou guerrinha ideológica. Muitos lembraram, inclusive a Cristina, que estes agricultores que estão despejando leite na estrada e deixando estragar milhares de quilos de carne, sob o olhar complacente da mídia e dos ricos argentinos, foram os mesmos que defenderam e sustentaram a ditadura militar.

Os blogueiros portenhos estranharam outras coisas. A mídia repete que são pessoas comuns saindo às ruas, novamente distinguindo-os dos “animais” de sindicatos, movimentos sociais e associações. O que eles não notaram, mas eu notei, é a repetição da ladainha na mídia brasileira.

Já disse: em Buenos Aires, que tem características não reunidas em nenhuma cidade brasileira, que é ser capital política, administrativa, financeira, cultural e sindical do país, há manifestações, e grandes, quase todos os dias. Mas a mídia brasileira só quer saber do panelaço dos riquinhos.

31/03/2008 - 13:30h França: Delanoë, melhor líder para a esquerda?

Par La rédaction du Post

Le maire de Paris devance Ségolène Royal dans les sondages.

Selon un sondage LH2 réalisé pour Libération,  Bertrand Delanoë tire profit de sa réélection à la mairie de Paris, en terme de popularité.

Ségolène Royal et Bertrand Delanoë.
Ségolène Royal et Bertrand Delanoë.

Dans ce baromètre, le maire de Paris devance Ségolène Royal sur deux questions clés. Pour les sondés, il serait le meilleur leader de la gauche (avec 15 %) et le meilleur candidat au poste de premier secrétaire du parti (avec 21 %). Sur ces deux points, la présidente de la région Poitou-Charentes recueille respectivement 14 % et 19 % des sondages.

Qu’est-ce que cela veut dire ?
Concrètement, cela signifie que Bertrand Delanoë monte en puissance dans la course au leadership socialiste. Désormais incontournable, il se trouve au coude à coude avec Ségolène Royal, qui jusqu’à maintenant, disposait d’une certaine avance sur lui dans les sondages.

Conclusion :
Le prochain congrès du PS, qui se tiendra du 7 au 9 novembre, est déjà dans toutes les têtes. Même si la plupart des socialistes appellent à l’unité et à la réforme du parti, en évitant de s’engager dans une guerre fratricide entre Ségolène Royal et Bertrand Delanoë, la bataille entre ces deux poids-lourds est belle et bien lancée.

31/03/2008 - 11:48h “No quiero hacer el edificio más bonito, sino el lugar más hermoso”

jean_nouvel.jpg

Autor de edificios emblemáticos como la Fundación Cartier de París o la Torre Agbar de Barcelona, el arquitecto francés ha ganado el considerado Nobel de la Arquitectura por su “búsqueda continua”

ANATXU ZABALBEASCOA – Madrid – El País

Va a perder su aire de maldito. Jean Nouvel (Fumel, Francia, 1945) ha ganado el Premio Pritzker. Famoso desde que firmara un edificio junto al Sena, que abre y cierra sus ventanas como los objetivos de las cámaras fotográficas (el Instituto del Mundo Árabe, 1989) ha recorrido un largo camino inventando tipologías, como las viviendas Nemausus en Nimes, o construyendo iconos como la Torre Agbar de Barcelona o la exquisita Fundación Cartier de París. Una trayectoria tan insaciable a la hora de experimentar le ha reportado, naturalmente, proyectos más y menos acertados. Pero llama la atención que en plena expansión americana (tras el Teatro Guthrie en Minneapolis levanta la Tour Verre junto al MOMA) le haya llegado un premio al que parecía que iba a ser eterno candidato. Al otro lado del teléfono, un satisfecho Nouvel resta importancia a esa coincidencia. “No es EE UU, es mi edad. Cuando un arquitecto con ideas cumple 60 años, llega su edad de oro”. Desde ese momento dulce, se muestra incapaz de decidir qué edificio le ha dado el premio. “El jurado ha dicho que valoraba mi actitud: la búsqueda continua. Y yo me siento retratado. No soy capaz de destacar un edificio”, declara. Cuenta que un edificio es como una ciudad. “No sabría decir si es mejor Venecia, París o Nueva York. De las ciudades me gustan sus diferencias, como de las personas. Las hay con defectos, claro, pero si te gustan, te gustan en conjunto. Mi trabajo es como una familia, y una familia no es perfecta”.

Museu do Louvre em Abu Dabi

jean_nouvelmuseo_louvre_abu_dabi.jpg

Ha firmado casi 200 proyectos y sigue evolucionando porque, insiste, su único estilo es su actitud. “Cada proyecto es una aventura. Nunca sé si haré algo blanco o negro. Y esa incertidumbre me gusta”, asegura. Sin embargo, acostumbrados a sus negros metálicos, es difícil creer que vaya a pasarse al blanco… “Pues en el Museo Branly de París, he usado mucho el color”, bromea. “Claro que he hecho edificios sin color, como la Fundación Cartier, pero allí juegan los reflejos que ceden el protagonismo al contexto”. Lo que busca Nouvel investigando con sus edificios es “encontrar la pieza que le falta al puzzle. Mis edificios no quieren ser los más bonitos, quieren contribuir a formar el lugar más hermoso”. Lo llama la “política de la situación”: los vecinos son importantes. “Se debe aprender a convivir con ellos, aunque molesten. La arquitectura tiene que ser respetuosa con el contexto”.

Es el Pritzker número 30 y en 30 años de carrera ha dado muchos tumbos. La búsqueda no ha sido sólo profesional; personalmente, también ha sido un hombre revuelto: ha cambiado de socios, de estudio, de organización, y hasta de pareja tres veces. “Mi trabajo, por su naturaleza investigadora, está sujeto al cambio. Soy ambicioso, lo reconozco, pero uno debe serlo cuando construye. Un arquitecto debe trabajar a gusto. Y si me gustan las situaciones inesperadas debo aceptar los cambios que ofrece, o fuerza, la vida”.

Parque Central Diagonal Mar em Barcelona

jean_nouvelparque_central_diagonal_mar_barcelona.jpg

Si estuviera en sus manos conceder el Pritzker, apunta que se lo daría al minimalista suizo Peter Zumthor. Y, entre los premiados, cree que Frank Gehry fue el que más lo merecía. No sabe si Sarkozy se convertirá en el próximo Mitterrand. Pero cuenta que reunió a 12 arquitectos para contarles que quería a la arquitectura en el centro de su mandato. Y ya ha organizado un concurso de ideas para ordenar los suburbios del Gran París. “La clave es si considerará la arquitectura una cuestión política. Eso, más que las obras ostentosas, puede cambiar la ciudad y la vida de las personas. Veremos”. No responde a preguntas políticas. Dice estar a la izquierda, pero cree que la política se hace también diseñando.

En 2012 concluirá el Louvre de Abu Dabi. Construye en tres continentes. Ya era una estrella antes del premio. ¿Qué será después? “Siempre digo que es importante que mis edificios sean más famosos que yo. Si soy famoso no debe ser por ser calvo, sino porque he construido edificios que interesan a la gente y hacen preguntas. Quiero seguir investigando”.

31/03/2008 - 11:35h Maria Callas canta a cena final da Ópera Il Pirata de Bellini

Concerto em Hamburgo Maio 15, 1959. Regido por Nicola rescigno

31/03/2008 - 05:46h A era do trabalho barato na China acabou

Dexter Roberts – VALOR

banner_china.jpgO empresário Tim Hsu começou a fabricar lâmpadas há mais de 20 anos em Taiwan. E como dezenas de milhares de outros donos de fábricas em Taiwan, Hong Kong e Macau, ele posteriormente transferiu suas operações para a região de Guangdong, no delta do Rio da Pérola, no sul da China. Lá ele estabeleceu sua empresa, a Shan Hsing Lighting, num rincão sonolento de arrozais e granjas de patos denominado Dongguan. De lá para cá, a região cresceu e transformou-se na maior base industrial do mundo em uma série de setores, como os de produtos eletrônicos, sapatos, brinquedos, mobiliário e iluminação. A combinação de baixos salários, regulamentação mínima e uma moeda barata era imbatível. Hsu estava tão confiante no futuro de Guangdong como “fábrica do mundo” que investiu US$ 7 milhões em instalações maiores, que começaram a operar neste ano.

fab_china.jpg

Agora, muitos dos fabricantes chineses – entre eles a Shan Hsing – estão vivendo o tipo de reestruturação que dilacerou o coração dos EUA uma geração atrás. O mercado habitacional americano, que gerou demanda por tudo o que vinha da China – de móveis modulados a louças para banheiros-, despencou. Uma nova lei trabalhista chinesa que entrou em vigor em 1º de janeiro fez subir consideravelmente os custos em um mercado de trabalho já apertado. A disparada nos preços de commodities e energia, assim como o cancelamento, por Pequim, de políticas preferenciais para exportadores, prejudicaram os industriais. A valorização da moeda chinesa já tornou mínimas as margens, levou milhares de fabricantes para a beira da falência e pôs em risco o papel da China como o maior exportador de produtos baratos.

(mais…)

31/03/2008 - 04:19h Campanha online no Brasil? Não em 2008

blog_banheiro.jpg

Navegar Impreciso

Pedro Doria, pedro.doria@grupoestado.com.br

No final de fevereiro, obedecendo sua rotina em anos de eleição, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) soltou a resolução de número 22.718 que trata da propaganda eleitoral. No capítulo 4, artigo 18, afirma: ‘A propaganda eleitoral na internet somente será permitida na página do candidato destinada exclusivamente à campanha eleitoral.’

Foi com uma canetada, portanto, que o TSE proibiu em todo o território nacional o tipo de campanha online que ocorre nos EUA, na França e no Reino Unido. São os três países em que nasceu o conceito moderno de democracia. Dá para dizer que entendem alguma coisa do riscado. Nós, que vivemos de 1985 para cá o período contínuo de democracia mais longo da história, estamos apenas aprendendo. Quem estará certo? Eles ou nossos juízes?

Assim, teremos uma campanha sem YouTube, sem página de candidato no Orkut, sem Twitter.

blog_briga3.jpg

O ministro Ari Pargendler, que assina como relator a resolução, não está no Orkut. É uma questão geracional: não são tantos assim os homens com mais de 60 anos por lá. É possível que ele jamais tenha ouvido falar do Twitter. A maioria dos juízes nas mais altas cortes do País, tanto no STJ quanto no STF, utilizam um tanto de e-mail, um quê da web, mas não convivem com a internet de maneira íntima como a maioria dos jovens urbanos no Brasil. Portanto, não compreendem de fato como corre a comunicação em rede.

É importante que o TSE regule a forma como a campanha é feita. Mas, para fazê-lo, deve compreender aquilo com o que está lidando.

De telefone em telefone, no tribunal, ouvi repetido mais de uma vez o mesmo argumento: o objetivo do TSE é fazer com que as oportunidades entre os candidatos sejam iguais. Querem impedir que o poderio econômico de um não possa resultar em vantagens indevidas. Limitando todos os candidatos a um único site, conseguem isso.

Com uma regulamentação desastrosa, conseguiram justamente o contrário.

Se os juízes tivessem perguntado a qualquer técnico com mínima experiência, saberiam que alguns serviços, na internet brasileira, são muito caros. Banda para sites hospedados, por exemplo. Um candidato muito rico poderá enfiar quantos vídeos quiser em seu site e não ligará a mínima para o preço. YouTube e similares são a opção gratuita para que qualquer um com uma câmera de R$ 200 possa produzir e divulgar seus filmes.

Sistemas que facilitam o relacionamento como Orkut, como Twitter, são democráticos. Eles permitem com custos mínimos que qualquer candidato se apresente e que qualquer eleitor os procure. Facilita a interação entre político e cidadão. Melhor: são anti-spam. Só quem estiver interessado faz contato com o político. Candidato não impõe amizade nos Facebooks da vida. Quem tiver algo a dizer encontra, na internet, um veículo privilegiado. Mas, nessa eleição, não poderá usá-lo.

Por ignorância de como o mundo funciona, o TSE cometeu um erro muito, muito grave. Não é à toa que o eleitorado jovem está particularmente engajado na eleição que corre nos EUA. Os candidatos estão se comunicando com eles pelo meio de comunicação que adotaram. No Brasil, não é diferente. Seja na casa de um rapaz de classe média, seja num cybercafé da periferia paulistana, estão todos com 25 anos ou menos pendurados nos MSNs da vida. A partir desta canetada, a juventude foi cortada do diálogo eleitoral. Os juízes não perceberam que a internet tem que ser usada cada vez mais, não menos.

A Justiça brasileira não compreende a internet. Mas precisa. E rápido. Ela faz parte da realidade que os juízes têm a obrigação de julgar.

31/03/2008 - 04:13h José Carreras, o mito e o homem

Tenor espanhol fez o que pôde em apresentação em Curitiba, mas problemas técnicos evidenciaram problemas na voz

João Luiz Sampaio, CURITIBA – O ESTADO DE SÃO PAULO

O tenor espanhol José Carreras não precisou cantar uma só nota para conquistar a platéia presente a seu concerto na noite de sábado, em Curitiba. Bastou entrar no palco para ser ovacionado pelas mais de duas mil pessoas que estiveram no Teatro Positivo – ali estava uma das vozes mais belas da segunda metade do século 20, representante daquele punhado raro de artistas líricos cuja fama extravasa o mundo da ópera. Duas horas de música depois, no entanto, fica um gostinho melancólico nos ouvidos – o que vale mais, afinal: o mito ou o homem?

Carreras surgiu no cenário nos anos 70. Foi logo adotado pelo maestro Herbert Von Karajan – o belo timbre, a técnica refinada, um canto que saboreava cada palavra de personagens como o jovem apaixonado Rodolfo, de La Bohème, um de seus primeiros grandes papéis: enquanto Luciano Pavarotti e Plácido Domingo disputavam o posto de maior tenor da época, Carreras corria por fora. Até que, no fim dos anos 80, foi diagnosticado com leucemia, iniciando uma longa luta contra a doença. Saiu vitorioso e, o destino faz dessas coisas, voltou à cena ao lado justamente de Pavarotti e Domingo, iniciando, em 1990, a série de concertos dos Três Tenores, franquia mais bem-sucedida da história da ópera.

Ao chegar a Curitiba, Carreras falou sobre o projeto. Repetiu aquilo que os três sempre defenderam – o objetivo da iniciativa foi criar, com concertos ao ar livre, quase sempre para multidões, um novo público para a ópera. Quase 20 anos depois do surgimento da série, porém, cabe a pergunta: será que se criou um novo público para a ópera ou, na verdade, se criou um novo gênero, uma mistura de música popular e ópera, com estilos e interpretações próprias emprestadas de uma para a outra, gerando filhotes como Sarah Brightman, Andrea Boccelli, Charlotte Church?

O próprio Carreras, hoje, sobrevive à luz dessa mistura. Longe da ópera, o repertório de sua apresentação em Curitiba foi um mosaico de canções italianas, catalãs, operetas austríacas e espanholas, as chamadas zarzuelas. Individualmente, cada uma delas têm seu encanto: Marechiare, Era de Maggio, Musica Proibita, Chitarra Romana, Granada. Em conjunto, no entanto, formam um programa que esbarra no kitsch, com arranjos sinfônicos bonitos, sim, mas que matam a espontaneidade de sentimentos que, afinal, está na gênese de sua criação.

Carreras, não há dúvida, é um grande artista. Extrai o máximo dessas canções, constrói momentos dramáticos interessantes onde é possível fazê-lo. O belo timbre ainda aparece e é notável a maneira como consegue preservar contrastes na voz, que, se perdeu o brilho nas notais mais agudas, ganhou força nos graves. Mas as falhas no sistema de microfones, duplicando sua voz e causando efeitos incômodos sempre que o cantor se movimentava, se distanciando ou aproximando dos microfones posicionados no chão do palco, eram um lembrete constante de que aquele era um artista longe de seu auge, com problemas de sustentação e emissão. Carreras, por tudo que significou e ainda significa, merecia tratamento melhor por parte da produção do espetáculo.

Ao seu lado, participou do concerto a soprano chilena Veronica Villarroel. É um timbre encantador, espontâneo, bonito mesmo. Couberam a ela os únicos trechos de ópera da noite – entre árias de Adriana Lecouvrer e A Força do Destino, seu melhor momento foi “Un Bel Dì”, de Madame Butterfly. Juntos, ela e Carreras fizeram um dueto muito bonito, “Lippen Schweigen”, da opereta A Viúva Alegre, de Franz Léhar; e o mesmo vale para o dueto da zarzuela El Dúo de la Africana, de Manuel Caballero, com sua complicada mistura de ritmos tradicionais espanhóis. Foram os dois grandes momentos do espetáculo, no que colaborou a atuação da Sinfônica do Paraná, regida por Enrique Ricci, evidenciando a boa acústica do novo teatro.

Como bis, uma homenagem à música brasileira – Carreras cantou Manhã de Carnaval, Veronica escolheu Eu Sei Que Vou Te Amar. Mas a elegante inclusão de músicas brasileiras no programa virou patriotada barata com uma enorme bandeira brasileira descendo no fundo do palco ao som de Aquarela do Brasil, levando a platéia de VIPs e autoridades (aquelas que permaneceram até o final, pelo menos) ao delírio.

A pergunta do começo permanece. O que vale mais: o mito ou o homem? É bem provável que a resposta esteja em algum lugar no meio do caminho, o que a gente chama de realidade. Ou na escolha da emoção – lágrimas, afinal, podem surgir da mais profunda satisfação; ou da melancolia mais nostálgica.

31/03/2008 - 04:03h Conectados na rede

Projeto deve conectar rede escolar do País

O governo federal deve anunciar em abril a instalação de internet banda larga em todas as escolas do País. O coordenador do programa federal de Inclusão Digital, Cezar Alvarez, declarou na Câmara Americana de Comércio, na sexta-feira, que os acordos com operadoras de telefonia, responsáveis pela infra-estrutura tecnológica do projeto, estão em fase final de negociação. O programa receberá R$ 1 bilhão.

31/03/2008 - 04:00h ‘Tibete é estratégico para a China’

photo of Dr Andrew Martin Fischer

Andrew Martin Fischer: professor da London School of Economics;

Plano de governo é de assimilação: tibetanos são forçados a se ‘achinesar’ para se integrar ao sistema econômico

Cláudia Trevisan, PEQUIM – O Estado de São Paulo

O forte crescimento econômico do Tibete na última década – média de 12% ao ano – beneficiou principalmente os chineses da etnia han e marginalizou os tibetanos. Isso, aliado à forte repressão política, foi a origem dos protestos dos dias 14 e 15 de março em Lhasa, na opinião de Andrew Martin Fischer, da London School of Economics. Segundo ele, a estratégia de Pequim para a região é de assimilação – os tibetanos são forçados a se “achinesar” se quiserem se integrar ao sistema econômico. O Tibete é estratégico para Pequim por abrigar o platô Qinghai-Tibete, uma fonte crucial de abastecimento para o país – cujas outras reservas são escassas e mal distribuídas. Além disso, o território abriga o maior depósito de cobre da China e também é rico em minas de ferro, chumbo, zinco e cádmio – necessários para alimentar o voraz crescimento econômico da indústria chinesa.

Qual é o problema da estratégia chinesa no Tibete?

É uma região ocupada, essencialmente por chineses han e o Partido Comunista. A Região Autônoma do Tibete é governada a partir de uma mentalidade de segurança pública. É uma região estratégica, as decisões são tomadas em Pequim e a questão militar é muito importante. No fim dos anos 80, houve grandes manifestações, que foram reprimidas. Desde então, o governo segue a estratégia de impulsionar o rápido crescimento econômico e, ao mesmo tempo, impor uma política autoritária de forte controle da população.

A China usa o crescimento para tentar legitimar sua presença no Tibete, dizendo que a vida dos tibetanos agora é melhor do que antes.

O Tibete teve um crescimento econômico espetacular e superior à média da China nos últimos dez anos. Mas isso foi produzido basicamente por subsídios concedidos por Pequim e canalizados por meio de empresas chinesas ou do próprio governo, o que cria uma situação muito desigual e polarizada. Os que têm fluência em chinês, relações com chineses, com corporações chinesas ou fortes conexões políticas e econômicas na China se dão muito bem. Mas a maioria dos tibetanos não tem nada disso. Só 15% têm educação formal secundária e só esses podem ter algum grau de fluência em chinês. Mesmo os tibetanos mais educados têm dificuldade em competir com os migrantes chineses, porque estes tendem a ter um grau de educação superior ao dos mais educados tibetanos. É uma situação muito desigual, e as desigualdades são muito determinadas pela questão étnica.

As manifestações recentes refletem essa polarização?

Sim. Os protestos ocorreram principalmente em áreas urbanas, e provavelmente representam o descontentamento da população excluída do rápido crescimento. Quanto mais as áreas urbanas crescem, mais migrantes são atraídos. O problema é que os tibetanos têm um enorme atraso educacional em relação ao resto da China, porque a infra-estrutura educacional é muito pior. Mas mesmo que o governo promova a educação, a estratégia é de assimilação, de colocar cada vez mais a língua chinesa no sistema educacional, com o argumento de que, se os tibetanos forem competir com os migrantes, têm de aprender chinês. A educação tibetana vem sendo enfraquecida, o que tem um impacto cultural e provoca a sensação de que a única maneira de sobreviver nesse sistema é ser assimilado e perder sua cultura.

O que exatamente é essa estratégia de assimilação?

É reduzir gradualmente a educação média tibetana e introduzir cada vez mais a chinesa, minando as maneiras pelas quais a educação tibetana poderia se desenvolver. Mesmo se você decidir estudar tibetano muito bem, não conseguirá um emprego público, porque os concursos para os cargos são feitos em chinês. Se quiser competir nesse sistema, o melhor é ir para uma escola chinesa. Há uma enorme força nesse sistema para as pessoas se tornarem han, o que provoca frustração. Se você é um funcionário público em um local onde a maioria da população é tibetana e nem mesmo fala chinês, seria lógico que um dos requisitos para ocupar o cargo deveria ser falar tibetano. Mas isso não ocorre. Em 2006, houve uma manifestação de universitários em Lhasa, porque o governo ofereceu cem empregos públicos e apenas dois tibetanos foram selecionados, já que os chineses se saem bem melhor em exames feitos em chinês. Isso em um contexto em que 90% da população é tibetana. Os que saem das universidades têm dificuldade em competir no mercado. O governo não dá nenhuma proteção aos trabalhadores locais. Eles têm essa mentalidade de livre mercado, pela qual os tibetanos têm de competir com os migrantes, ainda que em condições bastante desiguais, o que cria uma situação muito discriminatória em todas as indústrias. As pessoas que estão no poder agora são muito mais linha-dura e querem assimilação em larga escala. Querem que os tibetanos sejam cada vez mais como os chineses. Ao mesmo tempo, estão adotando políticas repressivas muito fortes. Desde 1996, implantaram a educação patriótica nos mosteiros, que força os monges a denunciar o dalai-lama e também a receber educação política.

O que pode acontecer?

Pode ficar pior. A maneira como o governo está reagindo ao que ocorreu é quase como tentar transformar um fracasso em uma oportunidade, para desacreditar reivindicações de mais autonomia e promover políticas mais repressivas. É possível que o governo use o que ocorreu em uma política de relações públicas. No Ocidente, ninguém vai acreditar no governo, mas eu não creio que eles estejam falando com o Ocidente. O governo está falando com seus próprios membros. O Partido Comunista não é um organismo uniforme e é integrado por várias facções. Há uma facção mais linha-dura que deseja assimilar o Tibete e outra que é mais tolerante. O que estão fazendo é usar esses eventos para tentar desacreditar a outra facção e reforçar suas políticas. Não creio que o Tibete se torne independente porque os chineses jamais aceitarão isso. O que nós podemos esperar é que a facção linha-dura seja desacreditada e haja um movimento na direção de políticas preferenciais em relação aos tibetanos. Isso é o que podemos realisticamente esperar.

Quem é:
Andrew M. Fischer

Professor do Instituto de Estudos do Desenvolvimento (DESTIN) da London School of Economics (LSE)

É autor do livro “State Growth and Social Exclusion in Tibet: Challenges of Recent Growth”, publicado em 2005

Presta assessoria a vários governos sobre a situação e o desenvolvimento do território autônomo do Tibete

31/03/2008 - 03:49h No Rio, Molon é confirmado; em BH, PT aprova aliança

pimentel_aecio_lula.jpg

Acordo respaldado em BH

Marcelo Auler e Leonardo Werner – O Estado de São Paulo

Alessando Molon, escolhido pelo PT-Riomolon_alessandre.jpg

O deputado estadual Alessando Molon foi confirmado, em prévia com militantes do PT no Rio, como candidato da sigla à prefeitura municipal. Ele concorreu com o ex-deputado federal Vladimir Palmeira e obteve 5.606 votos do 8.173 votos depositados em zonas eleitorais da sigla. Resultado de acordo entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador Sérgio Cabral, a candidatura unirá PT e PMDB na disputa de outubro. A decisão será legalizada em junho, em convenção.

Ontem, foram confirmadas também as expectativas em Belo Horizonte, onde filiados do PT mineiro escolheram delegados que, no próximo dia 6, devem aprovar a aliança com o PSDB, capitaneada pelo prefeito da capital mineira, o petista Fernando Pimentel, e o governador tucano Aécio Neves.

Encerrada a votação às 21 horas, a chapa “PT Pelo Entendimento” – a favor da aliança – teve 85% de 2.600 votos. A chapa contrária “PT Tucano Não” teve 15%. A chapa vencedora ganhou o direito de indicar a mesma proporção dos 430 delegados. Fruto de forte polêmica, a aliança tem de ser submetida a instâncias nacionais do PT.

31/03/2008 - 03:32h Mordaça

Parecer do TSE proíbe a busca de votos pela internet

Segundo documento, que será votado pelo tribunal, os candidatos não poderão usar ferramentas eletrônicas

blog_briga2.jpg

Felipe Recondo, BRASÍLIA – O Estado de São Paulo

Um parecer técnico da assessoria especial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) proíbe que os candidatos às eleições municipais deste ano se valham das várias ferramentas da internet para angariar votos. O documento veda a publicação de blogs, o envio de spams com as propostas dos candidatos, o chamado e-mail marketing, a participação do político no Second Life, o uso do telemarketing, o envio de mensagens por celular e a veiculação de vídeos em sites como o You Tube.

A razão central para a proibição dessas tecnologias, de acordo com o parecer, é a falta de legislação específica para tratar do assunto.

“Certo é que, conforme senso comum, se algo não é proibido, em tese, deveria ser facultado. Contudo, se a lei não proíbe determinadas práticas de propaganda eleitoral, também não as autoriza”, diz o parecer. “No campo da propaganda eleitoral, o que não é previsto é proibido”, concluiu o documento do Tribunal Superior Eleitoral.

A resolução do TSE para as eleições deste ano define somente que o candidato deve registrar no tribunal uma página na internet para sua campanha. O endereço desse site deve conter o nome e o número do candidato. A lei eleitoral, por sua vez, trata apenas da campanha em sites mantidos por empresas de comunicação social e para eles dá o mesmo tratamento dispensado às emissoras de televisão, rádios e mídia impressa, como jornais e revistas. As multas para o descumprimento da lei são, inclusive, as mesmas para todos os meios – em alguns casos, pode chegar a R$ 106.410,00.

Sobre blogs, e-mail marketing e telemarketing não há legislação. Por isso, a manifestação do TSE poderá ser determinante. Mas, para que essas proibições tenham efeito, esse parecer, em resposta a uma consulta do deputado federal José Aparecido (PV-MG), precisa ser incluído na pauta do tribunal e aprovado pelos ministros. Ainda não há previsão quando isso será feito.

Se a consulta não for considerada pelo tribunal, por fazer muitas perguntas de uma vez ou porque uma resolução do próprio TSE tratou do assunto, mesmo que de forma superficial, os candidatos repetirão as práticas da campanha passada. Caso contrário, a propaganda na internet ficará restrita ao site oficial do candidato a partir de 6 de julho deste ano.

RAZÕES

Em alguns pontos do parecer, os técnicos do TSE afirmam que as tecnologias poderiam até ser liberadas, se existisse alguma lei sobre o tema. No caso dos spams, por exemplo, o parecer informa que a tendência seria liberá-lo, assim como são legais as cartas enviadas pelos políticos às casas de eleitores em época de eleições.

Entretanto, até que um projeto que tramita na Câmara sobre o assunto não seja aprovado, essa modalidade de propaganda deveria ser proibida, de acordo com a avaliação da assessoria do tribunal. O mesmo vale para o Second Life, mas, para essa tecnologia recente, não há sequer projeto tramitando no Congresso.

Em relação aos blogs, o parecer permite a publicação, desde que o candidato opte por não ter outra página na internet. Os dois, diz o documento, não seria permitido, já que o site precisa ser registrado com antecedência no tribunal.

DINHEIRO VIA WEB

Uma das inovações que o parecer proíbe terminantemente é a captação de recursos pela internet. Na campanha deste ano dos Estados Unidos, os pré-candidatos montaram uma estrutura para arrecadar receitas via internet. No Brasil, porém, a lei obriga que partidos e candidatos tenham os recibos de todas as doações feitas.

Na internet, isso não seria possível, ao menos por enquanto. Mas o tribunal não descarta que nas próximas eleições essa novidade chegue às eleições brasileiras.

“A proposição, embora passível de reflexão para um futuro que pode até mesmo ser breve, não há como ser viabilizada no momento, por ausência de disposição legal nesse sentido e não contar a Justiça Eleitoral, a quem compete a análise da prestação de contas de campanha, dos recursos tecnológicos necessários”, dizem os técnicos na consulta formulada ao tribunal eleitoral.

31/03/2008 - 03:18h Tupi e mais tupi

Toda Mídia

NELSON DE SÁ – nelsondesa@folhasp.com.br

MAIS…
O “Washington Post” de ontem noticiou a conclusão de Elliott Gue, editor da “Energy Strategist”, que deu o petróleo em águas profundas como “a última fronteira” no setor e o Brasil como “um dos atores dominantes nos próximos anos”, com a descoberta da reserva de Tupi.
Segundo Gue, a Petrobras é “reputada amplamente como a estatal de petróleo mais bem gerenciada” e “está na dianteira de novo boom de produção”. Em suma, diz o “WP”, “fique de olho no Brasil”.

… E MAIS TUPI
Na mesma linha, Bloomberg e outras agências ecoaram no fim de semana que a Petrobras fez novo achado, agora “ao sul de Tupi”.

31/03/2008 - 03:08h Aprovação a Lula atinge 55% e bate recorde desde Collor

lula_positivo.jpg Aumento foi de 5 pontos em relação a novembro; desaprovação também cai, para 11%

Recuperação da aprovação no Sul, que subiu 11 pontos, e ampliação de prestígio do petista no Nordeste (68%) alavancaram popularidade

RANIER BRAGON – FOLHA DE SÃO PAULO

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva alcançou a maior popularidade em seus cinco anos e três meses de governo, atingindo índice que supera com folga o obtido por todos os seus antecessores desde Fernando Collor (1990-1992), pelo menos, mostra pesquisa nacional realizada pelo Datafolha. A aprovação de Lula é de 55%, apesar de a saúde ter sido eleita a área em que o governo apresenta seu pior desempenho.
Os números da pesquisa -feita entre os dias 25 e 27 com 4.044 entrevistados em 24 Estados, mais o Distrito Federal- indicam que a popularidade recorde do petista foi alavancada por uma recuperação da aprovação no Sul, tradicionalmente uma das regiões mais críticas a ele (aprovação subiu 11 pontos percentuais, para 52%), e pela ampliação do seu prestígio no Nordeste, onde alcançou 68% de avaliação positiva.
É o Nordeste a região mais atendida proporcionalmente pelo Bolsa Família -31,3% das famílias da região recebiam o benefício em 2006, contra média nacional de 14,9%. No Sul, um fator que pode explicar o desempenho de Lula é a recuperação do setor agrícola.
Em relação à última pesquisa Datafolha, de novembro, Lula obteve crescimento de cinco pontos percentuais em sua avaliação positiva (50% à época), o que mostra que a crise dos cartões corporativos não representou abalo na imagem do presidente ou do governo.
A desaprovação também é uma das menores em todo o governo: só 11% consideram seu desempenho ruim ou péssimo. O governo obteve nota média 7 dos entrevistados -melhor resultado desde quando assumiu.
Pesquisa do Ibope divulgada na quinta apontou igualmente índice recorde de aprovação do governo -58% contra 50% da anterior, de dezembro.

Antecessores
A análise do desempenho do governo Lula por meio das pesquisas Datafolha, desde sua posse (2003), mostra que o período em que a aprovação ficou mais ameaçada foi na crise do mensalão, no final de 2005, quando o seu índice de “ótimo e bom” atingiu o nível mais baixo, 28%, e chegou a ser superado pelos que consideravam o governo ruim ou péssimo, 29%.
Desde então, houve uma recuperação que tomou corpo na campanha eleitoral de 2006.
Em março de 2000, quando o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso completava também cinco anos e três meses, o Datafolha registrava só 18% de aprovação a FHC (e 43% de reprovação), um terço do que Lula alcança agora.
Na ocasião, FHC começava uma lenta recuperação da popularidade abalada por causa da crise econômica que se seguiu à desvalorização do real, em 1999. Ele deixou o governo, em 2002, com 26% de aprovação -o pico foi em 1996 (47%).
O antecessor, Itamar Franco (1992-1994), teve a mais alta popularidade justamente ao deixar o governo -41%. Fernando Collor, cassado sob acusação de corrupção, nunca atingiu índice superior a 36%. O Datafolha começou em 1990 a fazer pesquisas nacionais de avaliação do governo federal.

Pontos fracos
O Sudeste foi a única região em que Lula não teve crescimento de popularidade -o índice dos que consideram o governo “bom ou ótimo” só oscilou de 46% para 47%, dentro da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O índice de aprovação também subiu menos nas regiões metropolitanas (de 45% para 49%) do que nas cidades do interior, de 54% para 60%.
Em relação à escolaridade, a avaliação positiva subiu sete pontos entre os que têm ensino médio (chegando a 52%) ou ensino superior (47%). Levando-se em conta a renda, a maior alta foi alcançada entre os que ganham de cinco a dez salários mínimos (de 43% a 50%).

30/03/2008 - 16:36h Olhando a foto

marta_abav2.jpgkassab_alckmin.jpg

A pesquisa Datafolha sobre as eleições municipais em São Paulo permite algumas reflexões e motivaram diversos comentários no blog. Dois elementos mostram pequenas mudanças em relação a pesquisa anterior e penso que eles guardam relação entre si. A avaliação de ruim e péssimo do prefeito Gilberto Kassab aumenta em 4 pontos e a intenção de voto em Marta Suplicy aumentou também em 4 pontos. Os demais elementos mudaram dentro da margem de erro que é de 3 pontos para mais ou para menos.

Penso que guardam relação no seguinte sentido, o julgamento da atual administração municipal do PSDB e DEM força a comparação com a administração anterior do PT, comandada por Marta Suplicy. Nesta comparação é que intervêm, como fato recente, o deterioro do transporte público e o aumento dos congestionamentos na cidade. O ex-governador e ex-candidato a presidente, Geraldo Alckmin, não aparece associado a gestão da cidade e nesta fase sua situação permanece fixada num determinado patamar.

É significativo o crescimento da intenção de voto em Marta Suplicy nas classes médias, onde se verifica também uma oscilação negativa para Alckmin. Aqui pode estar influenciando a crise entre Alckmin e Serra, concomitantemente a um crescimento da avaliação positiva do governo federal do qual Marta Suplicy faz parte. Fora o que concerne, também neste setores médios, o impacto da incompetência demo-tucana em matéria de gestão do trânsito.

Uma coisa curiosa é a rejeição do prefeito Kassab. Apesar de contar com a simpatia dos meios de comunicação e de ser sempre apresentado positivamente, além da pesquisa coincidir com ampla campanha do DEM na TV e rádios assim como da própria prefeitura, a rejeição de Kassab está no mesmo patamar dos que afirmam que em nenhum caso votariam em Marta Suplicy, na casa dos 27-29%. Efeito provável da polarização indicada no começo desta nota. Alckmin é rejeitado por 15%, e não por 9% como erroneamente informa Noblat.

No caso de Marta confirmar sua candidatura e Kassab e Alckmin igualmente, esta polarização continuará operando com a “situação” dividida com dois candidatos e a “oposição” agrupada em torno da candidatura do PT. O candidato Kassab defendendo o balanço da gestão demo-tucana e o ex-governador centrado na promoção de sua imagem, construída na base da proteção erigida pela mídia sobre sua gestão ao frente do Estado. O conteúdo de oposição da candidatura do PT, na medida em que o balanço do atual governo municipal continuar negativo, pode alavancar um crescimento da candidatura de Marta, mais ainda que os resultados positivos do governo federal reforçam a imagem globalmente positiva deixada na administração municipal.

Luis Favre

30/03/2008 - 15:33h Ministra do Turismo promove o Brasil entre agentes e operadores de Xangai

Ministra do Turismo promove o Brasil entre agentes e operadores de Xangai Xangai (27/03) – A ministra do Turismo, Marta Suplicy, encerrou hoje sua viagem à China com o Seminário de Promoção do Destino Brasil, que contou com a participação de 100 operadores e agentes de viagem, no Le Royal Méridien Shanghai. A ministra apresentou os destinos turísticos das cinco regiões brasileiras e, levando em conta o interesse dos chineses, destacou o ecoturismo, os roteiros culturais e de compras. Durante o encontro, foi exibido um filme, produzido pelo Ministério do Turismo e Embratur, com roteiros temáticos − sol e praia, ecoturismo, cultura, esporte e eventos e negócios.

Além das atrações brasileiras conhecidas internacionalmente, como Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu, o carnaval e o futebol, a ministra apresentou aos presentes a grande variedade de destinos turísticos que o Brasil oferece. Da Amazônia às Missões Jesuítas no Rio Grande do Sul, dos Lençóis Maranhenses ao Pantanal e Bonito, das praias do Nordeste às de Santa Catarina, as belezas naturais do país foram mostradas aos profissionais chineses.

O patrimônio histórico e arquitetônico brasileiros foi lembrado com imagens de Brasília, Salvador e das cidades históricas de Minas Gerais. As manifestações culturais foram lembradas com o Festival de Parintins os carnavais do Rio de Janeiro, da Bahia e de Pernambuco, além da música e dança. São Paulo foi mostrada não só como uma cidade de negócios, mas também como destino rico em oferta de espetáculos e outras atrações culturais e de gastronomia. Sem falar das opções para compras que a capital paulista oferece, do artesanato brasileiro às grifes internacionais.

Perguntada sobre como via a possibilidade de crescimento do fluxo de turistas entre o Brasil e a China, a ministra declarou que acredita ser muito importante fazer com que o povo chinês conheça mais o Brasil e que vá criando uma imagem e desenvolvendo um sonho de visitar o país.

“As pessoas viajam para lugares que antes conheceram por imagem, sons e outras informações. O trabalho que começaremos a fazer durante as transmissões dos jogos de futebol do Campeonato Brasileiro para os países da Ásia, apresentando pequenos filmes de destinos turísticos brasileiros na abertura das transmissões e no intervalo das partidas, criará no turista chinês esse conhecimento do Brasil“, disse a ministra, ao acrescentar que “o que queremos já vem acontecendo com os brasileiros em relação à China. Com a aproximação dos jogos olímpicos, assistimos mais e mais programas na televisão sobre a China, suas cidades, seu povo e sua cultura. Isso alimenta no brasileiro a vontade de vir para cá e conhecer o país. Confio muito num trabalho de médio e longo prazos, tijolinho por tijolinho, que fará com que o Brasil atraia uma parcela maior do grande número de chineses que já viajam pelo mundo”.

Ao lado do embaixador Marcos Caramuru, cônsul-geral do Brasil em Xangai, a ministra Marta Suplicy adiantou, ainda, que o Brasil já vem desenvolvendo seu planejamento da Copa de 2014, um evento que transcende o esporte para se constituir em excelente oportunidade para o turismo e promoção do País.

Balanço da viagem
– Marta Suplicy visitou a China com o propósito de promover o Brasil como destino turístico e acompanhar os preparativos para os Jogos Olímpicos de Beijing de 2008 e a Expo 2010, em Xangai. Esses eventos são de grande interesse, considerada a necessidade do Brasil de se preparar para sediar a Copa de 2014.

Além de conhecer os projetos elaborados para Beijing e Xangai, os encontros oficiais mantidos pela ministra trouxeram outros resultados positivos. Foi iniciado um processo para a instalação de um escritório de promoção do Brasil na China e estabelecido o compromisso entre as autoridades de turismo de Xangai e o Ministério do Turismo para o desenvolvimento de um programa para capacitar cozinheiros brasileiros a produzirem os pratos tradicionais da culinária chinesa.

Durante a viagem, em encontros com Air China e com a Administração Nacional de Turismo da China (CNTA), também foi tratada a necessidade de ampliação da oferta de vôos e de assentos entre os dois países, para acompanhar e promover o crescimento do fluxo turístico.

Fonte MinTur

30/03/2008 - 15:27h Crivella e Jandira lideram disputa no Rio

Apoiado por Lula e Cabral, Alessandro Molon (PT) fica atrás de principais pré-candidatos, aponta pesquisa Datafolha

No cenário sem o nome do PMDB, Fernando Gabeira (PV), Solange Amaral (DEM) e Chico Alencar (PSOL) estão tecnicamente empatados

MARCELO BERABA – FOLHA DE SÃO PAULO

Lançado terça-feira à noite candidato da aliança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com o governador Sérgio Cabral (PMDB) para a Prefeitura do Rio, o deputado estadual Alessandro Molon (PT) teve só 1% das intenções de voto na pesquisa feita quarta e quinta-feira pelo Datafolha. O senador Marcelo Crivella (PRB), com 20%, e a candidata do PC do B, Jandira Feghali, com 18%, lideram a pesquisa, tecnicamente empatados. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para cima ou para baixo.
Este é o resultado de um dos quatro cenários experimentados pelo Datafolha na pesquisa que fez para a eleição carioca. Neste cenário, que não inclui Eduardo Paes (PMDB), secretário de Cabral, os deputados federais Fernando Gabeira (PV), lançado pelo PSDB e pelo PPS, Solange Amaral (DEM), apoiada pelo prefeito Cesar Maia, e Chico Alencar (PSOL) estão empatados com 9%, 9% e 8%, respectivamente.
Eduardo Paes -que deixou o PSDB com a promessa de ser o candidato de Cabral e foi rifado para facilitar a aliança do PT com o PMDB- tem 10% das intenções de votos nos dois cenários em que aparece -em um deles, com Vladimir Palmeira como possível candidato do PT e, no outro, com Alessandro Molon.
O desempenho do senador Marcelo Crivella praticamente não varia nos quatro cenários, ficando entre 19% e 20%. Jandira Feghali tem o seu pior percentual, 15%, quando o candidato do PMDB é Eduardo Paes (10%) e o do PT é Vladimir Palmeira (1%).
O melhor desempenho de Marcelo Crivella se dá entre os que têm baixa escolaridade (29%) e os mais pobres (23%). Já Jandira Feghali e Fernando Gabeira estão bem entre os que têm curso superior (25% e 21%, respectivamente) e os mais ricos (Gabeira chega a 30% entre os que ganham mais de dez salários mínimos e Jandira tem 28% entre os que ganham de 5 a 10 mínimos).

Tempo na TV
O quadro eleitoral do Rio não é definitivo. É possível que haja mudanças de candidatos e novas alianças em função do tempo gratuito na TV. O PT faz hoje uma eleição prévia para decidir que candidato lança, Alessandro Molon ou Vladimir Palmeira. A candidatura Palmeira obrigará o PT e o PMDB a rediscutirem a aliança eleitoral.
Embora com índice baixíssimo de intenção de votos (1%), o candidato escolhido pelo PT será competitivo caso seja mantida a aliança com o PMDB. Juntos, os dois partidos terão quase um terço do horário eleitoral gratuito, além dos apoios de dois fortes cabos eleitorais, Cabral e Lula.
Crivella e Jandira Feghali, cujos partidos compõem a base de apoio do governo federal e esperam que Lula seja neutro na eleição carioca, terão pouco mais de um minuto cada um caso não ampliem suas alianças.
Solange Amaral e Fernando Gabeira, ambos com 9% ou 10% em qualquer cenário prospectado, terão, respectivamente, por volta de 3 a 6 minutos de TV, o que deve dar visibilidade às suas campanhas.
O senador Marcelo Crivella tem o maior índice de rejeição entre os 13 candidatos pesquisados (28%). Depois dele seguem Solange Amaral (18%), Fernando Gabeira (16%), Coronel Jairo (PSC, 15%), Jandira Feghali (13%), Chico Alencar (11%), Eduardo Paes (10%) e Paulo Ramos (PDT, 9%). Felipe Bornier (PHS) e Vladimir Palmeira têm 7%. Marcos Aurélio Silva (PR), Carlos Lessa (PSB) e Molon registram 6% de rejeição. Foram entrevistados 644 eleitores na pesquisa.

30/03/2008 - 14:57h Graciela

logo_arte_foto1.jpg

Auto-retrato com peixe, Pachuca, 1996
(Graciela Iturbide)

A fotógrafa mexicana Graciela Iturbide foi distinguida com o Hasselblad Foundation International Award in Photography, no valor de 500 mil coroas suecas (51 mil euros).
O júri deste ano justificou a atribuição do prémio assim:

Graciela Iturbide is considered one of the most important and influential Latin American photographers of the past four decades. Her photography is of the highest visual strength and beauty. Graciela Iturbide has developed a photographic style based on her strong interest in culture, ritual and everyday life in her native Mexico and other countries. Iturbide has extended the concept of documentary photography, to explore the relationships between man and nature, the individual and the cultural, the real and the psychological. She continues to inspire a younger generation of photographers in Latin America and beyond.

Graciela Iturbide começou por fazer fotografia documental e, pouco a pouco, foi introduzindo detalhes surrealistas aos seus trabalhos. Passou depois para paisagens geométricas e abstractas. Os seus últimos projectos são “uma síntese poética” destas duas tendências, refere o comunicado de imprensa divulgado pela Hasselblad Foundation. “Iturbide criou uma iconografia forte e pessoal com os seus auto-retratos, representações de plantas e pássaros. Poesia visual e magia andam juntas em todo o seu corpo de trabalho fornecendo uma forte ligação entre as suas preocupações pessoais e uma realidade mais ampla. Iturbide usa símbolos especificamente relacionados com a geografia da América Latina para falar de temas sociais universais, como a morte e a vida. Cria fotografia em forma de cerimónia pessoal e de uma maneira muito convidativa”, diz o mesmo texto.
O prémio e a medalha de ouro serão entregues em Gotemburgo, na Suécia, no dia 25 de Novembro, dia em que inaugura uma nova exposição do trabalho de Graciela Iturbide no Hasselblad Center, na mesma cidade.

Para ver um vídeo sobre a atribuição do prémio a Iturbide clique aqui.

Álbuns seleccionados:
#Los Que Viven en la Arena (Those Who Live in the Sand), 1981;
#Sueños de Papel (Dreams of Paper), 1985;
#Juchitán de las Mujeres (The Women of Juchitán), 1989;
#En el Nombre del Padre (In the Name of the Father), 1993;
#Images of the Spirit, 1996;
#La Forma y la Memoria (Form and Memory) 1996;
#Graciela Iturbide, 2002;
#Pájaros (Birds), 2002;
#India México, 2002;
#Naturata, 2004;
#Eyes to Fly With, 2006;
#Roma (Rome), 2007;
#Juchitán, 2007.

Casa de Frida Kahlo, Cidade do México, 2007
(Graciela Iturbide)

30/03/2008 - 03:48h Marta sobe e divide liderança em São Paulo com Alckmin

martalula_josecruz-abr.jpg

alckmin_fhc.jpg

kassab_serra2.jpg

Petista tem 29% das intenções de voto, contra 28% do tucano e 13% de Kassab

Na pesquisa espontânea, sem a sugestão de nomes, a ex-prefeita subiu de 7%, em novembro, para 15%; Alckmin foi de 4% para 8%

CATIA SEABRA FOLHA DE SÃO PAULO

Candidata do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ministra Marta Suplicy (PT) subiu quatro pontos percentuais e lidera -empatada com o tucano Geraldo Alckmin- a corrida pela Prefeitura de São Paulo, revela pesquisa Datafolha. Até fevereiro em ligeira desvantagem, a ex-prefeita conta hoje com 29% das intenções de voto contra 28% de Alckmin.
O instituto ouviu 1.089 pessoas nos dias 25 e 26 de março. Em comparação à pesquisa anterior -realizada no dia 14 de fevereiro-, Alckmin sofreu uma oscilação negativa de um ponto. Marta, por sua vez, passou de 25% para 29%.
Nesse cenário, que inclui os ex-prefeitos Paulo Maluf (PP) e Luiza Erundina (PSB), o prefeito Gilberto Kassab (DEM) tem 13% da preferência -uma variação positiva de um ponto em comparação a fevereiro.
Maluf tem 8% e Erundina, 7%. Votos nulos e em branco somam 7%.
Marta divide a liderança com Alckmin nos quatro cenários apresentados. Como a margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos, em fevereiro os dois estavam tecnicamente empatados.
Agora, ressalta o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, “há um rigoroso empate entre os dois”.
“Nas pesquisas anteriores, não era tão claro. Havia uma leve vantagem de Alckmin. Hoje, não existe mais”, afirma Paulino, acrescentando que, “se a eleição fosse hoje, não seria possível fazer um prognóstico”.
Segundo Paulino, a tendência de crescimento de Marta pode ser expressa na evolução da pesquisa espontânea (sem apresentação dos nomes dos potenciais candidatos).
Em novembro, ela aparecia com 7% da preferência, enquanto Kassab contava com 10%. Agora, quatro meses depois, ela tem 15% contra 11% do prefeito. Em comparação com fevereiro, ela passou de 10% para 15%. De novembro para cá, Alckmin passou de 4% para 8%.
“Esse crescimento revela que a exposição que a ministra teve no intervalo de duas pesquisas deu resultado”, avalia Paulino.
Ainda segundo o Datafolha, Marta teve uma variação positiva em todos os segmentos de eleitores em comparação a fevereiro.
O crescimento mais significativo aconteceu entre os eleitores com renda familiar mensal superior a dez salários mínimos. Marta passou de 15% para 24%, um aumento de nove pontos percentuais.
Também com 24%, Kassab teve a mesma variação (de nove pontos) entre esse eleitorado. Foi nesse estrato que Alckmin registrou sua maior queda: 12 pontos. Em fevereiro, o tucano tinha 40% entre os eleitores com renda familiar superior a dez mínimos. Agora, tem 28%.
Marta teve uma variação positiva de quatro pontos entre os entrevistados com renda de cinco a dez mínimos. Alckmin, uma oscilação negativa de três pontos percentuais.
A pesquisa também registra uma aumento significativo -de oito pontos percentuais- de Marta entre os eleitores com nível médio de escolaridade. Nesse segmento, ela passou de 26% para 34%.
Alckmin, por sua vez, sofreu uma queda de cinco pontos, de 32% para 27%.
Em comparação a fevereiro, a petista também apresenta um crescimento de seis pontos entre os eleitores de 16 a 24 anos, faixa em que tanto Kassab como Alckmin tiveram uma queda de cinco pontos.
O Datafolha apresentou outros três cenários. Sem Paulo Maluf, Marta aparece com 30% das intenções contra 29% de Alckmin. Nesse quadro, Kassab tem 15% de preferência e Erundina, 9%.
Num terceiro quadro -agora, sem Erundina- Marta (30%), Alckmin (29%) e Kassab (15%) repetem os mesmos índices do cenário anterior. Só que é Maluf que aparece com 9%.
Num quarto cenário, sem Erundina e Maluf, Alckmin e Marta têm 32% cada um. Kassab, 17%.

29/03/2008 - 17:16h Marta sobe e lidera corrida em São Paulo com Alckmin, aponta Datafolha

da Folha Online

A ministra do Turismo, Marta Suplicy (PT), subiu quatro pontos percentuais e divide a liderança com o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) na corrida à Prefeitura de São Paulo. É o que revela a nova pesquisa Datafolha, publicada na Folha de domingo (30) –que chegou às bancas de jornal na tarde deste sábado. A íntegra da reportagem é disponível para assinantes do UOL e do jornal.

Marta aparece com 29%, em empate técnico com o tucano, que tem 28%, um ponto percentual abaixo do registrado no levantamento anterior (fevereiro). Até então, o tucano tinha “leve vantagem”, diz o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino. “Hoje, não existe mais”, diz. Mas a simulação de segundo turno continua dando vitória de Alckmin sobre Marta (53% a 41%).

O prefeito Gilberto Kassab (DEM) está com 13% da preferência –na pesquisa de fevereiro, aparecia com 12%. Na próxima segunda-feira (31), ele completa dois anos no cargo e registra a maior taxa de aprovação de sua administração (38%).

A pesquisa mostra ainda Paulo Maluf (PP) com 8% (dois pontos a menos) e Luiza Erundina (PSB) com 7% (um ponto a menos).

O instituto ouviu 1.089 pessoas nos dias 25 e 26 de março. A margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.