31/03/2009 - 22:00h Boa noite

Nelson Freires executa o segundo movimento da Sonata em C major Op. 53, de Beethoven, Waldstein

31/03/2009 - 20:09h In memoriam

[hellen9.jpg]
Hellen Levitt (foto de autor desconhecido)

Helen Levitt, uma das mais importantes fotógrafas do Século XX, que capturou momentos de lirismo nas ruas de sua nativa Nova York, faleceu aos 95 anos enquanto dormia em sua casa, em Manhattan no último domingo, dia 29 de março. Sua morte foi confirmada por seu irmão, Bill Levitt. Nascida em agosto de 1913, Levitt cresceu no Brooklyn, em Nova York. Depois de sair colégio ela foi trabalhar para um fotógrafo comercial. Ela comprou uma máquina fotográfica Leica e começou a fotografar as crianças nas ruas. Ainda uma jovem fotógrafa apaixonou-se pela vida de um bairro pobre, que percorreu assiduamente fotografando as brincadeiras das crianças na rua, seus desenhos no chão e nas paredes e as suas ousadias numa festa de Carnaval – em plena crise econômica na primeira metade do século passado e entre as duas Guerras Mundiais (crise dos finais dos anos 30 e começos dos anos 40. Depois de uma breve experiência no cinema, voltou novamente ao mundo que se sentia mais à vontade onde permaneceu durante mais de 70 anos.

Fonte Images & Visions

31/03/2009 - 19:29h The House Of The Rising Sun

The Animals em The House Of The Rising Sun

31/03/2009 - 18:07h Como uma flor vermelha, a abrir


Maria Tesera M. Carrilho

Na noite pálida
e na madrugada
anunciada
sobressais tu,
meu amor

O riso e as lágrimas
envolventes
misturam-se
em catadupas quentes
e no meio do riso cheio
insolente até,
sobressais tu,
meu amor

Apologia, para quê?
tudo está concentrado
vivido
consumado
por causa de ti
e em ti,
meu amor

Contigo
o leito do rio distancia-se
e no meio
sobressais tu
no teu esplendor
como uma flor
plena e vermelha
a abrir…

O Esplendor das Madrugadas, 1998 – Lisboa, Portugal

31/03/2009 - 15:52h Sarkozy fala errado em francês, mas os jornais de lá corrigem antes de publicar

Interessante artigo publicado no portal Rue89. O tema é a repetição de erros nas falas do presidente da França. O “chiquerrrrrimo” Sarkozy massacra a língua de Molière.

Mas o que acontece com as frases mal construídas, com sintaxes erradas e outros desastre gramaticais das falas presidenciais francesas?

Os jornais simplesmente as escrevem corretamente, corrigindo os erros.

Mas, não seria o caso de reproduzir tal qual, -pergunta a jornalista- insinuando que esse erros são cometidos para bancar o homem da rua, o igual a você. É que Sarkozy tem diploma, governa a “culta” França e os erros podem ser uma tentativa de passar por homem do povo. Mas a mídia da França não deixa passar os erros gramaticais do presidente. A daqui também não, mas o motivo é outro.

E pensar que aqueles que ficam zombando de nosso presidente, sonham com um presidente reconhecido pelo seu diploma… na Sorbonne!
LF

Les médias doivent-ils réécrire Sarkozy quand il fait des fautes?

Par Guillemette Faure | Rue89

Parfois, le président Nicolas Sarkozy massacre la langue française. Le week-end dernier, Le Parisien a publié un petit best-of de ses dernières trouvailles syntaxiques.

Par exemple, défendant le bouclier fiscal devant des ouvriers d’Alstom, dans le Doubs :
« Si y en a que ça les démange d’augmenter les impôts… »
Ou alors parlant des études des élites :
« On se demande c’est à quoi ça leur a servi ? »
Plus couramment, il ampute la moitié des négations, comme dans :
« J’ai pas été élu pour augmenter les impôts. »

Petites corrections

Or que se passe-t-il quand Nicolas Sarkozy est publié ? Son français est corrigé.

Quand Nicolas Sarkozy dit « j’ai pas été élu pour augmenter les impôts », Le Monde corrige en « je n’ai pas été élu ».

Puis « s’il y en a que ça démange d’augmenter les impôts » (Le Monde n’est quand même pas allé jusqu’à écrire « que cela démange »), La Tribune et Le Figaro remettent aussi le Président en français dans le texte.Sarko et ses fautes de langage

On pourra se dire que c’est l’usage de repeigner du français oral pour qu’il soit lisible à l’écrit. Parfois, quand un bout de phrase est trop incompréhensible, le journaliste peut s’en sortir d’un lâche « (…) », ou d’un recours au style indirect.

Tiens, par exemple à Rue89, pour présenter la vidéo de cet épisode, on écrit « Sarkozy se demande à quoi servent les études » plutôt que « Sarkozy se demande “c’est à quoi ça leur a servi” ».

Plus honnête de le publier tel quel ?

Mais n’y a-t-il pas deux poids, deux mesures ? Quand c’est la vraie France qui parle, la presse tend à laisser des vrais grumeaux d’authenticité, voire des « sic » attestant d’un article contenant des vrais morceaux de terroir.

Comme par exemple dans ce reportage du Monde sur les Contis :
»« C’est la faute à la globalisation, depuis Maastricht, tout s’est cassé la gueule », assure Bruno Feron à son vieux copain François Langny, 40 ans, dix ans de ‘Conti’ derrière lui. « Le gouvernement, de toute façon, il a des billes à droite, à gauche… », répond l’ami. « Surtout à droite, ouais… » »
Il y aurait une autre raison à reproduire les mots de Nicolas Sarkozy tels quels. Après tout, l’anglais écorché de George Bush en disait long sur son discours anti-élite, sur la façon dont ce fils de président, petit-fils de sénateur, avait voulu se réinventer en brave gars texan.

On peut aussi penser que Sarkozy bouscule la syntaxe pour jouer le type ordinaire. L’écrire tel quel, ce serait en rendre compte. C’est d’ailleurs ce que fait Jean Veronis sur son blog, quand il explique que Sarkozy marque un retour au parler popu, bien qu’il ait grandi dans des beaux quartiers. « M’enfin, m’ame Chabot ! », « les Français, s’y voulaient pas que j’réforme, y fallait pas qu’y votent pour moi ! »

31/03/2009 - 15:33h Capitalismo anglo-americano em julgamento

The New York Times
March 29, 2009
From top to bottom: Keystone/Getty Images; Ron Edmonds/Associated Press; Charles Platiau/Reuters

PARTNERS Roosevelt and Churchill cast the postwar mold; Bill Clinton and Tony Blair extended its triumph in the late 1990’s; now Barack Obama and Gordon Brown defend it.

Anglo-American Capitalism on Trial

By JOHN F. BURNS and LANDON THOMAS Jr. – The New York Times

Published: March 28, 2009

LONDON — Sitting in a gilded upper room at 10 Downing Street last week listening to Prime Minister Gordon Brown outline his ambitions for reforming the world economy had something of an out-of-this-world feeling. With Mr. Brown seated beneath a 16th-century oil painting of Queen Elizabeth I, it was tempting to imagine for a moment that Britain was again rising grandly to the challenges of the age, in the way of Good Queen Bess.

The occasion was a briefing for reporters on the Group of 20 summit meeting to be held Thursday at a conference center in the London docklands, close to the historic City of London, Britain’s financial hub. Mr. Brown was intense, and prolific with facts. He was also visibly exhausted, hours before leaving on a five-day, 20,000-mile trip to Europe, the United States and Latin America before the conference.

The event for which he was preparing is as weighty as any London has hosted in decades. It will be attended by President Obama and the leaders of 21 other nations, including Europe’s wealthiest countries and Russia, China, and India. Organizers say that those attending generate 80 percent of the world’s wealth, making the gathering a potential powerhouse for global reform.

The meeting is too short — a single day — to make more than a start on fixing the weaknesses in the international financial system that contributed to the current crisis. But it will help determine the extent to which the economic model shaped largely by Britain and America after World War II — call it Anglo-American capitalism — survives as the touchstone for economic growth worldwide.

For Mr. Brown, it is a make-or-break moment. His government faces an election within 14 months that current polls suggest could bring a crashing end to more than 12 years of Labor rule. While Mr. Obama will be judged in time on how well he can negotiate America’s way out of the financial crisis, Mr. Brown carries the added burden of having overseen Britain’s economy as chancellor of the exchequer for a decade before becoming prime minister in 2007. From that comes a belief, common in Britain, that he is one of those mainly responsible for the country’s current woes.

Partly because of the heavy burden of government debt built up during his stewardship, and the uncurbed recklessness of the country’s banks, Britain’s recession is already the harshest in Western Europe. The Brown government has committed tens of billions to the recapitalization of Britain’s banks and a raft of stimulus measures, pushing its budget deficit to levels unknown sinde World War II without any sign yet that the economy’s plunge has been slowed.

But Mr. Brown has a plan, set out at the briefing. His goal at the G-20 meeting is to make a start on reforming, and eventually saving in more regulated form, the model of the Anglo-American free-market system. It is a plan that Mr. Brown hopes will give Canary Wharf a place in history somewhat like Bretton Woods, the New Hampshire resort where, in July 1944, the United States and Britain led other nations in creating the International Monetary Fund, the first of a group of international organizations that became the pillars of the postwar international system.

In many ways, the new order was the legacy of Franklin D. Roosevelt and Winston Churchill, embodying the common beliefs in freedom that had bound the wartime alliance, as they had infused the wider bonds between what Churchill called “the English-speaking peoples” since the flowering of liberal thought in the 17th and 18th centuries.

Just as Roosevelt and Churchill shared that bond, so, now, do Mr. Obama and Mr. Brown. Both men, reacting to events on Wall Street, in the City and in other financial centers, have spoken, with unaccustomed asperity, of the greed and irresponsibility of bankers, hedge-fund managers and others who, the two men have as much as said, have betrayed the system and come close to wrecking it.

Now, the conviction that the system must be rebuilt to curb future excesses forms a starting point for the reforms that will come under discussion in London. Like Mr. Brown’s, President Obama’s message to his own compatriots has focused on ways of revitalizing the system, often to the exasperation of those among their supporters who would favor more radical measures.

Even as both men have embarked on enormous increases in public-sector spending, they have maintained that solutions to the crisis lie in reawakening the markets and recapitalizing the banks, rather than having the government take them over, and in placing financial institutions under closer supervision rather than tearing at the system’s foundations. And both, when they respond to public anger at the private sector, have seemed more geared to managing that anger than stoking it.

Still, Mr. Brown may not have strengthened Washington’s confidence in him as a partner with his habit of tailoring his remarks to popular predilections on opposite sides of the Atlantic. In New York and Washington, he has been lionized for his pathfinding decision last fall to recapitalize Britain’s banks, a step later followed by the Bush and Obama administrations. He has responded by emphasizing Britain’s close ties to America, and the two countries’ responsibility to lead in reforming the system they gave the world. He frequently mentions his summer vacations on Cape Cod.

But at home, and on his visits to Continental Europe, the prime minister seems, as often as not, to cast America as the villain. In response to a wave of opposition demands that he apologize for his failings as chancellor of the exchequer, he has insisted that Britain’s financial woes, and the world’s, came “from America,” as though Britain was as much a victim as it was a perpetrator of its ills through the venality of its own financial institutions and its failures of regulatory oversight.

Speaking to the European Parliament last week before flying to New York, he flattered legislators by saying that “we in Europe are uniquely placed to lead the world” in meeting the challenges of remaking the world’s economic system, not only because the union’s 500 million people constitute “the greatest and biggest single market in the world,” but because of European moral sensibilities. Without mentioning the United States, he implied that the moral contagion that has afflicted market economies ran counter to a common European belief that “liberty, economic progress and social justice advance together, or not at all.”

As chancellor, Mr. Brown celebrated the “light touch” regulation of the City of London under which American banks and investment houses flocked to build up their London operations. He appeared, to his critics on Labor’s left, to have accepted a Faustian deal under which the unbridled excesses of the City were tolerated because they generated windfall tax revenues that allowed Labor to splurge on public sector spending.

But in Strasbourg, France, the prime minister seemed to fall back on his roots as the son of a Scottish preacher, and as a student politician of the radical left, focusing on the demons that detractors believe are inherent in the capitalist system. Europe, he told the legislators, had learned the truth that “riches are of value only when they enrich not just some communities, but all.” He added: “As we have discovered to our cost, the problem of unbridled free markets in an unsupervised marketplace is that they can reduce all relationships to transactions, all motivations to self-interest, all sense of value to consumer choice and all sense of worth to a price tag.”

If the implication was that Gordon Gekko-style greed was an American contagion, Mr. Brown is far from alone in Europe. Among some of those who worked through the boom years in the City of London, the moment when matters began to get out of hand under the international financial architecture that began to take shape at Bretton Woods can be dated to the collapse of the Soviet Union. One result, these people now say, was an American triumphalism that translated, in the financial world, to the kind of free-for-all Mr. Brown spoke about in Strasbourg.

Not that London needed encouragement. The Big Bang that liberated financial institutions in the City had come in 1986, sweeping away the cobwebbed traditions of centuries and putting London, at last, in a position to compete with, and in some cases outmatch, Wall Street’s most aggressive practices. The genteel if not downright sleepy practices of post-imperial Britain gave way to what one British banker from that era described as the end of Anglo-American capitalism, and the beginning of a more virulent “American-Anglo” form.

“We were star struck — the American way had become more glamorous,” said George G. Blakey, a stockbroker who has written a book on the history of the London Stock Exchange. “This was the beginning of globalization, and this new American culture swept away everything I had been accustomed to.”

Now, a wave of voices around the world would like a new Big Bang to sweep away the Bretton Woods template and the era of Anglo-American dominance it ushered in. Prime Minister Vladimir Putin of Russia has suggested as much, to nobody’s great surprise, and even France’s otherwise pro-American president, Nicolas Sarkozy, has said the “Anglo-Saxon” presumption of dominance should be abandoned.

Against this background, what the British and American leaders will be attempting at the G-20 conference, along with their partners from around the world, will be to begin building a new global financial system that curbs the rampant and often conscienceless free-marketeering of the past 20 years with a new sense of accountability and restraint, but without extinguishing the spirit of enterprise that arrived in America with the Pilgrims who landed at Plymouth Rock.

It is a task some have likened to rebuilding an aircraft in midflight, and on its success may depend the future well-being of much of the world’s population of 6.5 billion, not to mention the fragile political prospects of Mr. Brown.

31/03/2009 - 15:08h A União Europeia contra a homofobia pede à Igreja não lutar contra os direitos dos homossexuais

Obispos en la manifestación contra el matrimonio gay en 2005


Bispos na manifestação contra o casamento gay em 2005 na espanha – foto Luis Magán

La UE alerta de episodios de homofobia en la escuela, el trabajo y la atención sanitaria


El informe pide a la Iglesia que no luche contra los derechos del colectivo homosexual y que los contenidos escolares enseñen sobre diversidad sexual

CARMEN MORÁN – Madrid – El País

La Agencia de Derechos Fundamentales (FRA, en sus siglas en inglés) de la Unión Europea alerta de la homofobia que se vive en todo su territorio, una discriminación por razón de orientación sexual que afecta a los escolares, al ámbito laboral y a la atención sanitaria. Los episodios de violencia, acoso y discriminación siguen ejerciéndose contra gays, lesbianas, bisexuales y transexuales en toda la comunidad europea, avisan, y se insta a los políticos a tomar medidas contra ello. El director de la agencia, Morten Kjaerum, recuerda que en algunos países se han registrado contra dichos colectivos agresiones físicas e incluso mortales que no se compadecen con los principios de igualdad de trato que la UE lleva a gala.

Algunas sedes de estos colectivos también sufren ataques, saqueos, incendios, y desfiles como los del Orgullo Gay tienen que sortear trabas en algunos países cuando no son directamente prohibidos.

El informe, publicado hoy por la agencia, denuncia la “incitación al odio” que ejercen algunos personajes públicos con sus declaraciones, “un fenómeno especialmente inquietante dado que ejerce un efecto negativo sobre la opinión pública y da pábulo a la intolerancia”. Y se detiene el informe en las actitudes de las autoridades religiosas, muy variables entre los distintos países. “En algunos países”, dice, “los representantes de la Iglesia se implican en los debates sobre los derechos de los homosexuales y a menudo se movilizan y luchan contra el acceso a estos derechos”. Esto ha ocurrido en España, cuando los obispos se manifestaron en contra del matrimonio gay o de sus derechos para tener y criar hijos. Sin embargo, el informe cita como buena práctica las marchas homosexuales en las que han participado miembros de la Iglesia.

También en el ámbito escolar, se exige a los Estados miembros que se aseguren de que los programas escolares incluyan las cuestiones de orientación sexual donde “el colectivo aparezca representado con respeto y dignidad”. Se pide además que se proteja a los alumnos contra episodios de acoso e intimidación dejando claro que esas actitudes no se tolerarán. Y se recomienda proporcionar a los jóvenes de diversas identidades sexuales la información necesaria para que no se sientan discriminados.

“Sabemos que el número de incidentes denunciados a la policía u otras autoridades es muy escaso, lo que se traduce en impunidad para los delitos, de tal forma que la justicia no resarce a las víctimas y las autoridades se abstienen de adoptar las medidas necesarias para hacer frente a estos delitos y evitar que se repitan”, ha dicho Morten Kjaerum. El director de la agencia ha exhortado a los Gobiernos a investigar estos delitos y a proporcionar formación para luchar contra ellos, a la policía.

“Además, debemos promover campañas que sensibilicen a toda la ciudadanía sobre la diversidad y la no discriminación, puesto que para presentar una denuncia es preciso que el interesado conozca previamente los derechos que jurídicamente le asisten”, ha añadido Kjaerum.

A pesar de ello y de las diferencias que se dan entre los países miembros, la agencia constata que también hay buenas prácticas en algunos territorios y se felicita de que los políticos acompañen a los que participan en las marchas del Orgullo Gay o de que se hayan incorporado medidas para poder denunciar de forma anónima en algunos países. Cita a aquellos países que han incorporado el matrimonio entre homosexuales así como el acceso a procrear y criar a sus hijos. Destaca que entre todos ellos, la discriminación se hace más evidente hacia los transexuales. Son más reticentes a reconocer los derechos de estos colectivos y evitar las discriminaciones los hombres que las mujeres, y las personas entradas en edad que los jóvenes.

Tras las conclusiones de este informe, la UE sugiere que se amplíe la legislación contra la discriminación y que se adapte la normativa europea en caso de no haberse hecho ya. España está en estos momentos trasponiendo una directiva de la UE que se convertirá en la Ley contra la Discriminación, un proyecto en el que trabaja actualmente el Ministerio de Igualdad.

Anastasia Crickley, presidenta del Consejo de Administración de la FRA, concluye: “Todos en la Unión Europea deben vivir libres de miedo y discriminación, independientemente de su orientación sexual. Insto a todos los Gobiernos de la UE a que apoyen la nuevas propuestas de legislación comunitaria contra la discriminación”.

31/03/2009 - 12:17h Podem não ser todos brancos, nem de olhos azuis, mas para o New York Times é o “Capitalismo de Fala inglesa em julgamento”

http://rlv.zcache.com/speak_english_tshirt-p235724965696425276trlf_400.jpg

No artigo embaixo, Paul Krugman, prêmio nobel de economia e articulista do New York Times, investe contra a soberbia norte-americana na conduta das finanças do mundo. Para ele “os EUA de hoje se parecem com o Bernie Madoff das economias: durante muitos anos, eles foram respeitados, admirados até, mas acabaram se revelando ter sido uma fraude o tempo todo”.

Ele menciona um recente artigo publicado no New York Times que tinha como título “Capitalismo de Fala Inglesa em Julgamento”. Para Krugman, mesmo que também existam responsáveis da crise em países que falam outras línguas, não espanta uma manchete como essa, vista a particular responsabilidade do sistema anglo-saxão de desregulação na dimensão e profundidade da crise atual.

Aparentemente, nos Estados-Unidos, nenhum jornal escreveu contra o “racismo” do The New York Times. Ninguém atacou a discriminação, nem reproduziu fotos de líderes de países com outras línguas, igualmente responsáveis do sistema “fraudulento” de gestão financeira (por exemplo Berlusconi na Itália ou Chirac, na França).

É verdade que os de Fala Inglesa, nem todos de pele branca e olhos azuis, tampouco podem ser coletivamente responsabilizados pela crise. LF

31/03/2009 - 11:49h A reputação manchada dos EUA

http://images.fanpop.com/images/image_uploads/Barack-Obama-barack-obama-738861_1600_1200.jpg

Paul Krugman, The New York Times *

Há dez anos, a capa da revista Time estampava Robert Rubin, então secretário do Tesouro, Alan Greenspan, então presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), e Lawrence Summers, então vice-secretário do Tesouro. A revista chamou a trinca de “comitê para salvar o mundo”, creditando-lhe a condução do sistema financeiro global numa crise que parecia aterrorizante na época, embora pareça um pequeno solavanco comparada ao que estamos enfrentando hoje.

Os três homens naquela capa eram americanos, mas ninguém estranhou isso. Afinal, em 1999, os Estados Unidos eram o líder inconteste da resposta global à crise. Esse papel de liderança só em parte se baseava na riqueza americana; num grau importante, ele refletia também a estatura da América como um modelo exemplar. Todos achavam que os EUA eram o país que sabia lidar bem com as finanças.

Como os tempos mudaram.

Pouco importa o fato de que dois membros do comitê desde então sucumbiram à maldição da capa da revista, o colapso de reputação que amiúde acompanha a notoriedade na mídia. (Summers, que ocupa hoje a chefia do Conselho Econômico Nacional, continua prestigiado.) Bem mais importante é a extensão em que nossas pretensões à solidez financeira – pretensões com frequência invocadas quando fazemos preleções a outros países sobre a necessidade de mudarem suas atitudes – se mostraram vazias.

Aliás, os EUA de hoje se parecem com o Bernie Madoff das economias: durante muitos anos, eles foram respeitados, admirados até, mas acabaram se revelando ter sido uma fraude o tempo todo.

É penoso ler hoje uma palestra feita por Summers no início de 2000, quando a intensidade da crise econômica dos anos 1990 estava diminuindo. Discutindo as causas daquela crise, Summers apontou coisas que faltavam aos países em crise – e que, por implicação, os EUA possuíam. Essas coisas incluíam “bancos bem capitalizados e supervisionados”, e “contabilidade corporativa transparente e confiável”. Bem, bem.

Um dos analistas que Summers citou na palestra, alias, foi o economista Simon Johnson. Num artigo do número corrente da revista The Atlantic, Johnson, que foi economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) e hoje leciona no Massachusetts Institute of Technology (MIT), declara que as dificuldades atuais dos EUA são uma “recordação chocante” de crises em lugares como Rússia e Argentina – incluindo o papel-chave desempenhado pelo capitalista de compadrio.

Nos EUA, como no terceiro mundo, ele escreve , os “interesses econômicos de elite – financistas, no caso dos EUA – jogaram um papel central na criação da crise, fazendo especulações cada vez maiores com o respaldo implícito do governo, até o colapso inevitável”. Mais alarmante, eles agora estão usando sua influência para impedir precisamente os tipos de reformas que são necessários e urgentes para tirar a economia da queda livre.

Não espanta, pois, que um artigo no New York Times de domingo sobre a resposta que o presidente Barack Obama receberá na Europa tenha sido intitulado “Capitalismo de Fala Inglesa em Julgamento”.

Agora, a bem da verdade, é preciso dizer que os EUA não foram o único país onde os bancos extrapolaram. Muitos líderes europeus ainda se recusam a admitir os problemas econômicos e financeiros do continente que são, provavelmente, tão profundos como os nossos – embora as redes de segurança social muito mais sólidas de suas nações signifiquem que nós provavelmente experimentaremos um sofrimento humano maior. Seja como for, é um fato que a crise custou aos EUA muito de sua credibilidade, e, com ela, muito de sua capacidade de liderar.

E isso é uma coisa muito ruim.

Como muitos outros economistas, venho reavaliando a Grande Depressão à procura de lições que possam nos ajudar a evitar uma repetição. E uma coisa que se destaca da história do início dos anos 1930 é a extensão em que a resposta mundial à crise foi debilitada pela incapacidade de cooperar das principais economias do mundo.

Os detalhes de nossa crise atual são muito diferentes, mas a necessidade de cooperação não é menor. Obama captou isso com extrema correção na semana passada, quando declarou: “Nós todos vamos ter de dar passos para levantar a economia. Não queremos uma situação em que alguns países façam esforços extraordinários e outros países não”. Essa é, contudo, a precisa situação em que nos achamos. Eu acredito que mesmo os esforços econômicos dos EUA não são adequados, mas eles têm sido bem maiores que a maioria dos outros países ricos têm se mostrado disposta a fazer. E a cúpula do G-20 desta semana seguramente será uma ocasião para Obama repreender e espicaçar os líderes europeus, em particular, para que estes joguem seu peso na solução da crise.

Mas os líderes estrangeiros não se mostram hoje muito dispostos a ser censurados por autoridades americanas, mesmo quando – como neste caso – os americanos estão certos.

A crise tem causado muitos prejuízos. E um deles são os danos à reputação dos EUA, um ativo que perdemos no exato momento em que nós, e o mundo, mais precisamos dele.

*Paul Krugman é articulista

31/03/2009 - 10:34h Material de construção ficará até 8,5% mais barato

http://www.sxc.hu/pic/m/m/mt/mterraza/432564__construcao.jpg

 

Renée Pereira e Chiara Quintão – O Estado SP

 


Grandes redes de lojas de material de construção prometem repassar a redução do IPI aos consumidores, assim que a medida entrar em vigor na quinta-feira. Na média, os preços de 30 itens terão queda entre 5% e 8,5%, calcula a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco). “Em 48 horas, teremos uma série de empresas anunciando os novos preços com a redução do imposto. Em uma semana, isso será uma realidade em quase todo o setor”, afirma o presidente da associação, Claudio Conz.

link Geografia da crise: as medidas pelo mundo

Para Conz, a desoneração anunciada ontem, aliada a medidas como o pacote habitacional e a simplificação dos financiamentos com recursos do FGTS, terá efeito psicológico importante para o consumidor. “As medidas trazem mais confiança à população nesse momento de incerteza na economia.”

CORTE IMEDIATO

Para recuperar parte do prejuízo, algumas das principais redes de varejo devem iniciar uma briga pelo consumidor e não pretendem esperar o estoque acabar para repassar a redução do IPI. “Vamos cortar os preços antes mesmo de recebermos produto novo da indústria”, diz o diretor de Mercadorias e Marketing da Telhanorte, Marcelo Roffe. Segundo ele, todos os produtos com redução de preços serão identificados nos pontos de venda.

Na Dicico, os preços também serão reduzidos logo após a entrada em vigor da medida. Antes disso, a empresa pretende iniciar hoje a veiculação de anúncios para avisar o consumidor sobre a redução do imposto nos materiais de construção. Na quinta-feira, vai estrear uma campanha com os novos preços dos produtos.

A C&C deverá eleger alguns produtos para repassar imediatamente a redução do IPI. Nos demais casos, a rede vai esperar o estoque acabar e receber novas mercadorias. O diretor-geral da empresa, Jorge Gonçalves Filho, avalia que a desoneração e o pacote habitacional devem aumentar a demanda entre 10% e 15%. Segundo o executivo, a expectativa é que a redução do IPI tenha efeito semelhante ao de veículos. “A economia está necessitando de boas notícias como essa”, diz Raul Penteado, diretor-geral da Deca, fabricante de metais e louças sanitários.

A única crítica de alguns representantes do setor foi o prazo de três meses para a redução do imposto. O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Melvyn Fox, pretende discutir com o governo a ampliação do prazo, como ocorreu no setor automobilístico.

31/03/2009 - 09:59h “Gestão” Kassab: em um único medicamento a fraude foi de R$67 mil

A nota embaixo foi corrigida as 12,45 Hs. Os valores estavam errados e são R$67 mil.

Entre ontem e hoje, os jornais noticiam a dimensão da fraude solta na “gestão” da saúde de Kassab.

Como os jornais inicialmente se deixaram levar pela antecipação feita pela própria administração, do grau de podridão e descontrole, na área; vale lembrar que o esquema fraudulento foi arrebentado pela ação da polícia e do MP na operação “Parasitas”, mostrando a ação combinada entre empresários e prefeituras, incluída a da “gestão” Kassab.

Agora, depois da polícia contar com gravações e provas das falcatruas, sindicância interna da “gestão” descobre superfaturamento de até 310% em remedios.

Em um único medicamento que custa R$6,50, comprado pelos “gestionários” demo-tucanos por R$71,10, o ganho dos fraudadores foi de R$67 mil.

Deve ser o que no jargão demo-tucano denomina-se “gestão séria do dinheiro público”. LF

http://www.thepassiranews.blogger.com.br/81015kassab.jpg

Editorial  AGORA – 31/03/2009

Não tem remédio: é fraude

A Prefeitura de São Paulo descobriu como funcionava um esquema para fraudar os cofres municipais com compras de medicamentos. Espertalhões metiam a mão no processo de licitação.

De um lado, empresas combinavam os preços que iam oferecer nos leilões de compra da prefeitura. Desse jeito, elas garantiam que o custo do remédio seria alto qualquer que fosse o vencedor da licitação.

Com o preço vitaminado, um medicamento que custa R$ 6,50 na praça foi comprado pela prefeitura a R$ 71,10. Como a compra foi feita em volumes grandes, a diferença embolsada pelos fraudadores numa única operação foi de R$ 67 mil.

Mas há centenas de processos como esse sob suspeita. Na varredura feita pela Secretaria da Saúde, até agora foram analisados 50 processos -em oito deles foi encontrada alguma falcatrua. Outros 137 casos estão na fila da checagem.

O único lado bom nisso tudo é que a prefeitura foi capaz de identificar a pilantragem _depois de ter recebido um toque da Polícia Civil e do Ministério Público. A partir daí, promete implantar um sistema de compras de remédios mais rigoroso.

Esse tipo de fraude, porém, não ocorreria sem a participação de gente de dentro da prefeitura. Até agora, a investigação não forneceu nomes, mas é preciso que os trambiqueiros respondam na Justiça por seus desvios e sejam expulsos da administração.

Embolsar a grana da saúde é o fim da picada.

Prefeitura de SP investiga superfaturamento de até 310%

Sobrepreço foi constatado em produtos hospitalares comprados de cinco empresas

 

Marcelo Godoy – O Estado SP – 30/3/2009

 


Investigação feita pela Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo identificou oito contratos das empresas supostamente envolvidas na chamada máfia dos parasitas com “indícios de fraude e superfaturamento” de até 310% nos preços de produtos hospitalares fornecidos à Prefeitura. Por ordem do secretário da pasta, Januário Mantone, os processos serão alvo de investigação específica e foram encaminhados ao Ministério Público Estadual (MPE) e à inteligência da Polícia Civil de São Paulo.

A decisão foi tomada depois que a Comissão Especial de Averiguação Preliminar (CEAP) concluiu seu primeiro relatório sobre os 187 contratos do período de 2003 a 2008 com cinco empresas suspeitas. Os donos das empresas negam irregularidades. Quatro deles que haviam sido presos na Operação Parasitas – feita em outubro de 2008 para investigar empresas supostamente envolvidas em fraudes em licitações na área da saúde – receberam da Justiça o direito de responder as acusações em liberdade.

O sistema de compras, o almoxarifado, as licitações e as pesquisa de preços da secretaria passaram por um pente fino. A comissão sugeriu mudanças que foram, de imediato, determinadas pelo secretário. O objetivo de Montone é evitar problemas criados pela falta de controle e fragilidade do sistema atual. O Estado teve acesso ao relatório de 30 páginas feito pela CEAP. A comissão analisou 50 contratos e encontrou “fragilidades principalmente nos processos de pesquisa de preços e logística”.

Seis páginas do relatórios detalham as irregularidades encontradas. No pregão vencido pela empresa Biodinâmica para o fornecimento de instrumentos cirúrgicos ao Hospital Tiradentes, a comissão verificou superfaturamento de 316% em um dos lotes e de 301% em outro. “Há ainda o fato de a empresa ter entregado instrumentais de qualidade duvidosa, conforme relatório da unidade.”

DIRECIONAMENTO

A compra de Ganciclovir (antiviral) 250mg da empresa Halex Istar também foi alvo da apuração. A CEAP constatou que, no pregão 444/08, “o descritivo está direcionado para o produto da Halex Istar”. A comissão não sabe se isso fez com que o preço do produto fosse abusivo, mas diz que “o valor negociado com uma empresa distribuidora da Halex Istar e vencedora do item foi de R$ 60,00 e para o mesmo produto o valor contratado por esta pasta foi de R$ 140, com a própria fabricante”.

Além de questionar o fato de o fabricante ter feito um preço maior que o distribuidor do remédio, a comissão afirma que “cabe ressaltar ainda que, na pesquisa de mercado atual, a CEAP pesquisou ata vigente no Estado do Rio Grande do Norte do mesmo produto e da mesma marca por R$ 39,80.”

Em outro caso, a pasta constatou, por meio de nota fiscal recebida da Secretaria da Fazenda, que a Velox comprava o remédio fluconazol 2mg/ml (antipúngico) por R$ 6,50 do fornecedor Danimed e revendia o produto à Prefeitura por R$ 71,10, o que correspondente um valor 993,85% superior. “Para esta comissão é uma diferença abusiva.” Um hospital particular de São Paulo paga pelo mesmo medicamento R$ 23,90.

Em outro caso, um funcionário da secretaria comprou uma tal quantidade de armários roupeiros que eles não cabiam no Hospital Tiradentes. A comissão constatou que havia a falta de 128 armários. Há suspeita ainda de direcionamento da pesquisa de mercado – todas as empresas consultadas forneceram valores em torno de R$ 5 milhões -, conforme registrou a presidente da CEAP, Dirce Shimomoto.

31/03/2009 - 09:31h “Gestão” Kassab: Não tem luz no final do tunel

http://img397.imageshack.us/img397/4305/julioprestes016dr.jpghttp://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/0/04/SalaSaoPaulo.jpg/800px-SalaSaoPaulo.jpg
http://ipt.olhares.com/data/big/250/2503540.jpg http://oglobo.globo.com/fotos/2008/09/17/17_MHG_sp_cracolandia.jpg

Entrando no quinto ano, o projeto Nova Luz ainda não saiu do papel. A cracôlandia continua a mesma, a nova luz é a velha “escuridão”.

Ontem na belíssima Sala São Paulo teve uma cerimonia de homenagem ao rabino Henri Sobel. Homenagem merecida, diga-se de passagem. Na sala, beleza e esplendor de um teatro a altura de São Paulo. Obra de Mário Covas. O público chega e sai de carro, se olhasse ao seu rededor, poderá tomar consciência da incompêtencia demo-tucana. Mas provavelmente muitos nem olhem mais…

Toda a região, fora a Pinacoteca ao lado e a própria estação da Luz, vive o espetáculo da desolação, das drogas e da prostituição. De dia, comerciantes lutando por preservar a vitalidade de um bairro decrépito e abandonado.

Durante os 4 anos do mandato de Marta Suplicy a recuperação e revitalização do centro foi esforço diário. Com o dinheiro do BID e a participação da prefeitura, com projetos e ação, o Mercado municipal foi recuperado, a nova sede da prefeitura foi instalada, a Praça da Sé foi recuperada e sua iluminação refeita, o prédio do São Vito foi liberado para recuperação, o Parque do pedro começou a ser recuperado e assim pela frente.

Entrando no quinto ano de administração demo-tucana podemos constatar que quase nada foi implementado. Levaram quatro anos para entregar a antiga sede da prefeitura para uma ONG fazer um museu. O São Vito está parado e vazio. Os estacionamentos previstos no Mercado municipal ainda… previstos.

E a Nova Luz? Pois bem a Nova Luz ainda está apagada.

Após quatro anos, o projeto “É um novo projeto, voltou à estaca zero. É uma nova criança”, afirma o líder do DEM na Câmara.

É o que se denomina “choque de gestão”, eficiência administrativa e planejamento.

A balela dos demo-tucanos para manipular a classe média ignorante da incompetência, descaso, amadorismo e falta de rumo dos que se apresentam como expressão da modernidade.

Uma lição das coisas.

Boa leitura do artigo do Estadão de hoje, uma pequena amostra a mais.

Luis Favre

http://3.bp.blogspot.com/_zOAxGMzhbJ4/R5to0QdgItI/AAAAAAAACBk/oaFWQo4xMk0/s400/SP_Cracolandia.jpg

Projeto Nova Luz retrocede na Câmara

Ele terá de ser debatido novamente em audiências e comissões

Diego Zanchetta e Vitor Hugo Brandalise – O Estado SP


Nove meses após ser levado pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) à Câmara, o projeto de concessão urbanística da Nova Luz retrocedeu. O novo texto enviado na sexta-feira ao Legislativo, que protege o perímetro da região da Santa Ifigênia da desapropriação do bairro, terá de passar novamente pelas comissões de Constituição e Justiça e de Política Urbana. Novas audiências para o debate do projeto devem ser marcadas, segundo o líder do partido do prefeito, Carlos Apolinário.

“É um novo projeto, voltou à estaca zero. É uma nova criança”, comparou Apolinário. Com a mudança, a bancada do PT pretende tentar prorrogar as discussões sobre a concessão até o segundo semestre. Para o vereador Antonio Donato (PT), o prefeito mostra “descompasso” em suas ações prioritárias. “Parece definitivamente que o governo não sabe o que quer para a região”, criticou Donato.

A desapropriação da Nova Luz foi anunciada pela primeira vez em maio de 2005 pelo então prefeito José Serra (PSDB). A revitalização da área conhecida como Cracolândia também se tornou uma das bandeiras de Kassab. O plano engloba a recuperação de 750 imóveis previstos para serem desapropriados e R$ 2 bilhões de investimentos na área. Passados quatro anos, contudo, a maior parte do projeto segue no papel. Por vias da região, como nas Alamedas Glete e Helvetia, por exemplo, o cenário é o mesmo de uma década atrás: dezenas de jovens moradores de rua fumando crack à luz do dia, alguns poucos bares e quase nenhum morador.

A concessão da Nova Luz poderia criar ainda 25 mil empregos diretos. Só que o projeto que prevê os incentivos fiscais para quem for para a região também precisa ser votado na Câmara. O líder de governo, José Police Neto (PSDB), argumenta que não haverá atraso no projeto, apesar do novo trâmite legislativo que o texto vai seguir. “Vamos votar a legalidade na CCJ o quanto antes”, disse.

Questionado ontem pela manhã sobre o possível atraso, Kassab declarou estar confiante na aprovação da Câmara. “É muito importante o projeto para a revitalização do centro e quanto mais cedo tivermos o início da instalação, melhor, até por causa da crise econômica”, disse o prefeito.

30/03/2009 - 22:00h Boa noite

Nelson Freire toca o primeiro movimento da Sonata em C major Op. 53 de Beethoven, “Waldstein”

30/03/2009 - 20:32h Ágora 10 anos

http://mail.mailig.ig.com.br/mail/?ui=2&ik=059ef31cd9&view=att&th=120592bd215ab85e&attid=0.2&disp=inline&zw
Celso Frateschi no espetáculo “Sonho de um Homem Ridículo”, que estreia dia 3 de abril e marca o início da programação comemorativa dos 10 anos do Ágora
 http://mail.mailig.ig.com.br/mail/?ui=2&ik=059ef31cd9&view=att&th=120592bd215ab85e&attid=0.3&disp=inline&zw&AuthEventSource=SSO

ÁGORA TEATRO COMEMORA SUA PRIMEIRA DÉCADA DE
ATIVIDADES COM O PROJETO “AGORA + 10”, A PARTIR DE 03/04

Nova montagem ”Sonho de um Homem Ridículo, de Dostoievski,
com Celso Frateschi, abre a programação, nesta sexta-feira

Uma revisão crítica de sua produção nessa primeira década de atuação, que possa nortear os trabalhos nos próximos anos. Essa é a síntese do “Agora + 10”, evento que celebra os 10 anos de atividades Ágora Teatro.

A programação, elaborada pelos diretores do espaço, Celso Frateschi, Roberto Lage e Sylvia Moreira – entre abril e dezembro – traz espetáculos teatrais, ciclos de debates e seminários, lançamento de livro e cursos. A abertura acontece com três montagens em abril: dia 3, “Sonho de um Homem Ridículo,” espetáculo-solo com Celso Frateschi, dirigido por Roberto Lage, baseado em conto de Dostoievski; dia 4, “GL. 5,17: Um Experimento no Purgatório”; e no dia 4, “A Missa do Galo”. Esses dois últimos espetáculos fazem parte do projeto “Machadianas” e são baseados em contos de Machado de Assis. (ver sinopses e fichas técnicas a seguir).

Conceito – Celso Frateschi explica o eixo conceitual do “Ágora mais 10”: “é a depuração dos nossos pressupostos estéticos experimentados nos 10 anos de trabalho. Para tanto, serão revisitadas quatro de nossas principais montagens: ‘Sonho de um Homem Ridículo’ de Dostoievski; ‘Antes do Café’ de Eugene O’Neill; ‘Ricardo III’ de Shakespeare; e ‘Don Juan’ de Molliere”.

É importante salientar que não se tratam de reestreias, mas sim de espetáculos completamente novos, com base no pressuposto da “busca pela menor grandeza”, conceito inspirado no verso de Bertolt Brecht. “Tal busca sempre esteve presente nas nossas montagens e julgamos que depois de dez anos de trabalho seja o momento de refletir sobre ela, sobre como a desenvolvemos e radicalizá-la para enfrentarmos os nossos próximos dez anos”, analisa Sylvia Moreira.

Para Frateschi, revisitar esses espetáculos emblemáticos para a história do Ágora “significa estranhá-los e recolocá-los num contexto diferente daquele em que foram criados. Serão montagens onde a depuração estética irá gerar novas adaptações, uma vez que trabalharemos sobre o que já foi trabalhado. Nossa intenção é criar as bases para um salto de qualidade em nosso trabalho artístico”.

Machadianas – Paralelamente às novas montagens do repertório revisitadas, serão apresentados seis espetáculos do projeto “Machadianas”, baseados em textos de Machado de Assis. “A proposta é trabalhar na busca da teatralidade das formas narrativas para ampliar a comunicação entre o palco e a platéia contemporânea”, explica Robero Lage. O “Machadianas” – que está em sua terceira edição – conta com a criação de diversos núcleos de trabalho, em que diretores e atores se dedicam à criação dos espetáculos, sob a coordenação de Roberto Lage e com a direção de arte de Sylvia Moreira.

Publicação e Debates – Em maio, no dia 6 (quarta-feira), ainda como parte do evento “Ágora+10”, será lançado o livro “Teatro Paulistano século V”. A publicação é o resultado de um painel de debates promovido pelo Ágora, sobre o vigor do teatro paulistano contemporâneo. No mesmo dia, tem início o primeiro dos dois ciclos de debates programados: “Teatro, vinho e pensamento”. “Serão colocadas em discussão questões estéticas e filosóficas que nos provocam como artistas”, adianta Frateschi. O segundo encontro acontece no encerramento da programação, em novembro e vai abordar o tema “A cidade teatralizada”.

ÁGORA +10 – SINOPSES, FICHAS TÉCNICAS E SERVIÇOS
Rua Rui Barbosa, 672 – Bela Vista – Telefone: 3284-0290

“SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO”

Estreia: 03 de abril – Temporada: até 21 de junho.
Sextas e Sábados às 21h. Domingos às 19h

SINOPSE – Peça baseada no conto de Dostoiévski. Segunda metade do século XIX. Um homem do subterrâneo. Cenário e personagem típicos do autor russo, um dos principais narradores da alma humana. Nosso herói sabe que é ridículo desde a infância – motivo de desprezo e zombaria de seus semelhantes- e já não tem mais nenhum interesse na continuação da sua existência. Num dia inútil como todos os outros, em que mais uma vez esperava ter encontrado o momento de meter uma bala na cabeça, foi abordado por uma menina que clamava por ajuda. Ele não só recusa o apoio à criança, como a espanta aos berros. Ao voltar para casa, não consegue dar fim a sua existência. Adormece e sonha. Ele narra como conheceu a verdade em toda a sua glória e mostra como tudo aquilo deve ter sido real, pois as coisas terríveis que sucederam não poderiam ter sido engendradas num sonho.

A MONTAGEM – A adaptação se preocupa em manter o texto original de Fiódor Dostoiévski, que faz parte do livro Diário de um Escritor, publicado pela primeira vez em 1877. Propõe um espetáculo que explora o essencial das questões humanas de Dostoiévski, estabelecendo um diálogo direto com o contemporâneo. Sua arquitetura cênica é construída a partir da rua, do cortiço, do paraíso e do inferno – elementos da obra-, numa composição que sugere o onírico, onde o sentido do sonho é recuperado através do espanto ao colocar em um mesmo plano, o imaginário do contemporâneo e a infância da humanidade. O real e o sonho se justapondo em um diálogo permanente durante o jogo cênico. O ator solitário em cena é uma opção estética inerente ao tema, que aborda a solidão e a sua superação.

FICHA TÉCNICA
Dramaturgia e interpretação: Celso Frateschi
Direção: Roberto Lage
Cenário e figurino: Sylvia Moreira
Corpo: Vivien Buckup
Luz: Wagner Freire
Trilha sonora: Aline Meyer

SERVIÇO
Duração: 75 minutos
Capacidade: 80 lugares
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada)
Recomendação etária: 12 anos
Ágora Teatro – Sala Gianni Ratto

“GL. 5,17: UM EXPERIMENTO NO PURGATÓRIO” (Machadiana)
Estréia: dia 4 de abril
Temporada: até 17 de maio.
Sextas e sábados às 23h e domingos às 21h

SINOPSE – O Diabo decide criar a sua igreja – “escritura contra escritura, breviário, contra breviário” – e após comunicar a Deus sua intenção, desce à terra para atingir seus propósitos.

A MONTAGEM – A investigação foi pautada pelo estudo do narrador multifacetado, a razão da genialidade da literatura machadiana; “um misto de poeta, guerreiro e profeta” – e agregou outros contos de temática religiosa. A direção ousou em transferir o gênio narrativo ao teatro, e adotou a metáfora do pregador hipócrata num surto de honestidade “que retira da experiência o que ele conta; sua experiência ou a relatada pelos outros, e incorpora as coisas narradas à experiência dos seus ouvintes” citando Benjamim, o que resultou num roteiro de cenas que inclui também o imaginário do ator – o pós-cena – e que não pretende criar nada de novo, como citado no Eclesiastes, tanto lido por Machado, “nada de novo debaixo do sol”. Busca criar uma teia desaforada que confunde o discurso do intérprete com o do autor e beira o despropósito. Iniciativa de um teatro narrativo que não se limita ao palco, de atores que insinuam uma sedução para compreender a platéia e serem compreendidos por ela.

FICHA TÉCNICA
Baseado nos contos de Machado de Assis
Direção: Tânia Granussi
Coordenação: Roberto Lage
Elenco: André Martins, Daniela Perim e Wilson Canhas
Direção de Arte: Sylvia Moreira

SERVIÇO:
Duração: 60 minutos
Capacidade: 45 lugares
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada)
Recomendação etária: 12 anos
Ágora Teatro – Espaço Ágora

“A MISSA DO GALO” (Machadiana)
Estreia dia 4 de abril. Temporada até 17 de maio
Sextas e Sábados às 21h30. Domingos às 19h30
SINOPSE
No conto, um acontecimento da adolescência do Sr. Menezes ainda o perturba depois de muitos anos. Um encontro a sós com uma mulher casada e mais velha apresentou, na ótica de Menezes, uma manancial de possibilidades que terminaram por não realizarem-se. Memórias truncadas de uma certa noite envolta em desejos, sensualidade e insinuações.

A MONTAGEM – A direção busca estabelecer um diálogo entre a tradição humana de contar histórias, transmitindo conhecimento, experiência e vivência com modernas técnicas de interpretação e encenação. O processo de criação coletiva, a utilização de partituras corporais, a troca de papéis entre os atores, a precisão das marcações e o distanciamento crítico dos interpretes estão a serviço da busca de um equilíbrio entre a composição estética, a transmissão do enredo e o estímulo à reflexão proposta por Machado de Assis.

No que diz respeito ao aspecto temático, a direção buscou ressaltar elementos que considera chaves na obra de Machado de Assis; destacando-se o papel da memória, mais precisamente de sua falibilidade, na consolidação da personalidade presente. “A Missa do Galo” parte-se da análise das características individuais de cada personagem Machadiano do século XIX para a proposição de uma reflexão sobre o indivíduo e a sociedade de hoje, especialmente evidenciando forças que acabam por interromper a realização da vida em todas as suas possibilidades.

FICHA TÉCNICA
Baseado no conto homônimo de Machado de Assis.
Direção: Luiz Eduardo Frin
Coordenação: Roberto Lage
Elenco: Arô Ribeiro e William Rosa.
Assistente de Direção: Carolina Soledad
Direção de Arte: Sylvia Moreira
Iluminação: Roberto Lage e Luiz Eduardo Frin
Direção musical e Trilha original: Charles Raszl
Produção de Trilha sonora: Rafael Agra

SERVIÇO:
Duração: 60 minutos
Capacidade: 50 lugares
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada)
Recomendação etária: 12 anos
Ágora Teatro – Sala Edith Siqueira

30/03/2009 - 19:51h Sexual healing

Marvin Gaye – Sexual Healing


30/03/2009 - 18:56h Úteis dias, os da poesia

Poesia dos Dias Úteis

Poemas de Vasco Costa Marques e de outros

 

Armindo Rodrigues

 

Nada é sagrado.
Nada é inamovível.
Nada é verdade só porque alguém o diz,
nem,
provado que o é,
senão enquanto vale.
Nada é silêncio apenas de cerrar
os ouvidos teimosos.
Nada é inteiramente flor ou estrume.

30/03/2009 - 17:58h Apetite musical?

Uma paródia do primeiro movimento da 5° sinfonia de Beethoven. Salomão Schwartzman, em plena forma, enviou a descoberta hilária para os gourmets da boa música. Aproveitem e bom apetite cultural. LF

Shanghai Taro Dance Company

30/03/2009 - 17:37h “…E Deus Criou Gisele”

http://oglobo.globo.com/fotos/2009/03/30/30_CHB_gisele-0905-p.jpg

… And God Created Gisele

http://www.vanityfair.com/images/blogs/2009/03/h-giselecover.jpg

How does the world’s most successful supermodel—darling of the cameras, advertisers, and tabloids, and worth an estimated $150 million—make her life even more fabulous? By marrying star quarterback Tom Brady, then setting her sights on a higher consciousness. As Gisele Bündchen embarks on her next chapter, the exuberant 28-year-old beauty tells about her secret engagement, the shock of finding out Brady’s ex-girlfriend was pregnant with his baby, and how they’re working out the bi-coastal routine of a new family.

by Leslie Bennetts – VANITY FAIR May 2009

Gisele Bundchen

Gisele poses above the New York City skyline on the Plaza hotel’s Royal Terrace Suite balcony. Photographs by Mario Testino; styled by Sarajane Hoare.

Bounding down the stairs of her Greenwich Village town house to greet a visitor, Gisele Bündchen commands the shock value of a close encounter with a giraffe: you can hardly believe an earthly creature is built this way.

Everything about her is so elongated and slender—those impossibly attenuated limbs! the swanlike neck!—that she seems almost preposterous, like a cartoon figure. Nearly six feet tall by the age of 13, she spent her childhood being teased by classmates who called her Olive Oyl.

But Popeye’s rail-thin girlfriend never tantalized anyone with the luscious curves that catapulted Gisele to stardom in her late teens, replacing the pale, wasted “heroin chic” of that era with “the return of the sexy model.” Since then, the tanned, athletic Brazilian beach babe who seemed born to wear a bikini has become the world’s most successful supermodel, amassing a fortune estimated at $150 million; last year alone, according to Forbes, Gisele earned $35 million. The 16th-richest woman in the entertainment industry, she has been featured on more magazine covers than any other model and has appeared as the face of more than 20 brands internationally, with current contracts including Dior, Versace, Max Factor, Ebel watches, and the Dolce & Gabbana fragrance The One.

Gisele Bundchen

More photos: A retrospective of Gisele’s appearances in our pages, and Gisele off the catwalk. Also: Video from Gisele’s September 2007 cover shoot. Photograph by Patrick Demarchelier.

Is Gisele the most beautiful woman in the world? Vote in our online poll.

At 28, Gisele has already spent 14 years in front of the cameras, not to mention in the gossip columns—and now she’s begun a whole new chapter of her life. On February 26, seven days after our cover was shot, she married New England Patriots quarterback Tom Brady in a private twilight ceremony at a Catholic church in Santa Monica that was followed by a small gathering at the couple’s home in Brentwood.

Although the union had the iconic inevitability of typecasting, all-American-style—“the jock marries the prom queen,” as one Web site put it—the news surprised even their friends. Earlier the same week, Gisele had been partying at Carnival in Rio de Janeiro, where she made an appearance for Pantene hair-care products that was widely photographed—and then she suddenly turned up married in Los Angeles. But Gisele, who once described her ideal wedding as “a simple ceremony,” always knew she didn’t want an enormous extravaganza. “I don’t like parties. I prefer something more intimate, just for the closest people.”

Which was precisely what she got. Crestfallen, the paparazzi press had to settle for an after-the-fact description of Gisele’s attire: “The bride, 28, donned a form-fitting ivory lace strapless gown with a trumpet skirt, scalloped edges, long train and a floor-length veil with attached handmade satin roses and attached satin headband, all by Dolce & Gabbana. Her three dogs also wore matching Dolce & Gabbana floral lace collars,” Us Weekly reported.

To Gisele, getting married was merely a formality. “I already feel that way,” she told me a few days before the wedding. “We’ve been together over two years; we’ve been living together. My idea of that is you have a partner who’s got your back. When I’m weak, you can be strong; when I’m strong, you can be weak. That’s what I believe marriage is. Loving someone, you want to grow with them, share with them, share the same values, the same feelings about things, the same beliefs.”

And Gisele—who was raised in a large Catholic family by parents who have been married for 37 years—is convinced she has found her soulmate in Brady. “He’s very close to his family,” she said. “He’s Catholic. His parents have been married 40 years. He’s got a pure heart. That’s all that matters—he’s got the purest heart. I feel grateful because I have a lot of love in my life. I found the person I’m sharing my life with. I have a good man.”

In the months leading up to the wedding, the tabloids buzzed excitedly with rumors of impending nuptials, claiming that Brady had proposed on a private jet on Christmas Eve or that he had gotten down on one knee with a diamond solitaire in mid-January—neither of which was true, according to Gisele, who says they were secretly engaged for considerably longer but she avoided wearing her ring in public because she didn’t want to draw any more attention to herself. The fact that their stealth wedding remained dignified and discreet, and that the news didn’t leak until after it was over, represented a noteworthy victory over the celebrity media that have remained obsessed with Gisele’s every move since she became Leonardo DiCaprio’s girlfriend nine years ago.

Heightened by the raging “Leo-mania” that followed Titanic’s popularity as the highest-grossing film of all time, the irresistible pairing of gorgeous supermodel and heartthrob superstar kept the gossip columns in overdrive throughout their five-year relationship, which was fraught with dramas that included an eight-month breakup, a reconciliation, and recurring reports of Gisele’s exasperation at Leo’s womanizing ways.

Even the end of their romance, in 2005, failed to stem the flow of slavering updates: Leo still can’t believe Gisele dumped him because he refused to make a commitment! Leo drunk-dials Gisele just to hear her voice! Leo wants his current girlfriend, Israeli model Bar Refaeli, on the cover of the Sports Illustrated swimsuit issue—just to irritate Gisele!

But Gisele herself had moved on. At the end of 2006, she fell in love with Tom Brady—an event she describes as practically instantaneous. “I knew right way—the first time I saw him,” she says. “We met through a friend. The moment I saw him, he smiled and I was like, That is the most beautiful, charismatic smile I’ve ever seen! We sat and talked for three hours. I had to go home for Christmas, but I didn’t want to leave. You know that feeling of, like, you can’t get enough? From the first day we met, we’ve never spent one day without speaking to each other.”

Until then, Gisele was happy to be on her own. “I’d been single for a year, and I wasn’t looking for a relationship,” she says. “I’d always been in serious relationships, but you learn a lot about yourself when you’re by yourself, and I was enjoying that process. But you don’t choose.”

Not when it comes to a coup de foudre, anyway. Does she believe in love at first sight? “I believe in feeling connected. Love is something that grows, that comes from nourishment; it builds. But there is a great feeling that happens, that is telling you, I don’t want to leave this room! Whatever that’s called, that’s what happened.”

Their initial bliss was soon dispelled by an unwelcome development. Brady had recently broken up with his girlfriend of the previous three years, Bridget Moynahan, a model and an actress. Soon after he got involved with Gisele, Moynahan announced that she was pregnant with Brady’s child and would have the baby on her own.

“It was definitely a surprise for both of us,” Gisele acknowledges with a rueful smile. “In the beginning you’re living this romantic fantasy; you’re thinking, This can’t be true, it’s so good! And then, Whoops—wake-up call!” She rolls her eyes. “We were dating two and a half months when he found out, and it was a very challenging situation. Obviously, in the beginning, it’s not the ideal thing.”

Moynahan’s pregnancy made Gisele wonder whether she should encourage Brady to re-unite with his former girlfriend. “You question at times—‘Should I stay here? Maybe you should work this out,’” she admits. “But when people break up, it’s for a reason.”

In retrospect, she believes that dealing with the challenge only strengthened her commitment to Brady. “I think it was a blessing, because otherwise I don’t think I would have known what he was made of, and he wouldn’t have known what I was made of,” she says. “I wouldn’t have seen the integrity in him—the way he was a good person through all the times. I was like, You have the heart in a good place! It made me feel more in love with him; it made me realize who he was. Our relationship has become so much stronger, and I think I wouldn’t be as certain as I am today if it weren’t for that.”

GISELE BUNDCHEN
http://www.vanityfair.com/images/style/2009/05/gisele-0905-pp01.jpg

30/03/2009 - 17:18h Governo Lula enfrentando a crise: desoneração de impostos para carros e construção. Acordo com montadoras para evitar demissões

Anticrise

Governo reduz impostos para carros, motos, cimento e aumenta taxação de cigarros

 

http://img.zapcorp.com.br/conteudo/img_1_200903021101498459841.jpghttp://blog.sindpd.org.br/up/s/si/blog.sindpd.org.br/img/montadoras_carros.jpg

O Globo, com Valor e Reuters

SÃO PAULO – O governo brasileiro divulgou nesta segunda-feira novas medidas anticrise que preveem a ampliação, por mais três meses, da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis e caminhões, iniciada em dezembro; a suspensão da cobrança de Cofins (3%) para motocicletas; a redução de impostos para construção civil e o aumento do IPI e do PIS/Cofins sobre cigarros.

- Esta medida foi muito bem-sucedida, porque houve uma recuperação rápida da atividade. A indústria automotiva é importante para o país, porque é uma cadeia produtora que chega a representar 23% do PIB industrial – disse Mantega.

Esta medida foi muito bem-sucedida, porque houve uma recuperação rápida da atividade


As medidas, anunciadas em São Paulo pelos ministros da Fazenda, Guido Mantega, do Desenvolvimento, Miguel Jorge, e pelo presidente em exercício, José Alencar, entram em vigor no dia 1º de abril, com exceção do aumento do IPI sobre o cigarro, que entra em vigor em 30 dias.

Segundo Mantega, o aumento da taxação dos cigarros deve gerar alta de cerca de 30% no preço final do produto. O valor da nova alíquota do IPI para o cigarro ainda não foi definido.

O ministro da Fazenda acrescentou que, desta vez, em conjunto com o benefício fiscal, haverá um acordo com as montadoras para a não demissão dos trabalhadores.

O pacote de medidas, segundo Mantega, representará uma renúncia fiscal do governo de R$ 1,5 bilhão

O aumento do preço do cigarro é uma vantagem porque, a rigor, reduz a capacidade de compra de cigarro pelo fumante. Se ele fuma menos, está prejudicando menos sua saúde


- O aumento do preço do cigarro é uma vantagem porque, a rigor, reduz a capacidade de compra de cigarro pelo fumante. Se ele fuma menos, está prejudicando menos sua saúde, e isso é bom também – disse Alencar, que se recupera de uma cirurgia para retirada um tumor no abdômen.

Mantega anunciou também que haverá redução do IPI para diversos itens de segmento de construção, como cimento (de 4% para zero), tintas e vernizes (5% para zero), revestimento não-refratário (5% para zero), massa de vidraceiro (10% para 2%) e chuveiro elétrico (5% para zero), entre outros.

Para as motocicletas, haverá diminuição da alíquota da Cofins. O objetivo do governo é reduzir preços para compensar a redução do crédito bancário.

- O setor de motos não tem, como o de automóveis, bancos das montadoras e depende do crédito bancário – explicou o ministro Miguel Jorge.

Ainda como incentivo fiscal, Mantega comunicou a redução da alíquota de Imposto de Renda para as pessoas jurídicas instaladas na Zona Franca de Manaus, bem como para as empresas do setor de papel e celulose e para a fabricação de materiais escolares, como lápis, canetas, apontadores e lapiseiras.

Sindicalistas negociaram condiçõesSindicalistas disseram que negociaram a inclusão da questão do emprego com os ministérios da Fazenda, do Planejamento e do Trabalho. Segundo José Carlos Pinheiro Neto, vice-presidente da General Motors no Brasil, o acordo permite a implementação de Programa de Demissão Voluntária e também a demissão de trabalhadores temporários ao fim de seus contratos.

- É o preço do acordo – disse Pinheiro Neto, acrescentando que houve muita negociação e que o entendimento só foi fechado na tarde da última sexta-feira.

30/03/2009 - 16:23h Blue Eyed Greed? Olhos azuis gananciosos?

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/bc/The_worship_of_Mammon.jpg
The Worship of Mammon by Evelyn De Morgan

Maureen Dowd – New York Times

As international lunacy goes, it was hard to beat the pope saying that condoms spread AIDS.

But Brazil’s president, known simply as Lula, gave it his best shot.

At a press conference Thursday in Brasilia with Prime Minister Gordon Brown of Britain — who has a talent for getting himself into dicey spots — Lula started off coughing from some cheese bread he’d wolfed down. Then he suddenly turned accusatory.
“This crisis was caused by the irrational behavior of white people with blue eyes, who before the crisis appeared to know everything and now demonstrate that they know nothing,” charged the brown-eyed, bearded socialist president.

As the brown-eyed Brown grew a whiter shade of pale, Lula hammered the obvious point that the poor of the world were suffering in the global crash because of the misdeeds of the rich.
“I do not know any black or indigenous bankers,” said Lula.
He also told CNN he would press this theme at the G-20 meeting in London this week. He says his past as a poor, hungry, unemployed lathe operator gives him special insight.
“I lived in houses that were flooded by water,” he said, adding, “Sometimes, I had to fight over space with rats and cockroaches, and waste would come in when it flooded.”

The “Lula lulu” by the “Brazil nut,” as The New York Post dubbed it, became big news just as President Obama met at the White House with Vikram Pandit and a cadre of white-bread bankers who have taken the bailout — some of whom, like Jamie Dimon, have distinctly blue eyes.

And it is true, of course, that the upper-crust, underwhelming Anglo-Saxon leaders who allowed America’s financial markets to morph into louche casinos, George W. Bush and Dick Cheney, were very, very white men with blue eyes.

As the Who sang: “No one knows what it’s like to be the bad man, to be the sad man behind blue eyes. No one knows what it’s like to be hated, to be fated to telling only lies.”

Every time Cheney looks into the camera with those ice-blue eyes and says President Obama is making us less safe, it sounds as if he’s secretly hoping we do get attacked just to prove his point that Obama is weak, even if he has to go up in smoke, too.
(When I double-checked the color of Cheney’s eyes, his daughter Liz Cheney jokingly e-mailed back, “Sorry, but that information is classified.”)

Before President Obama, whose brown eyes are opaque when you look into them, presidents have been more known for blue eyes. The ones with brown eyes, Richard Nixon and L.B.J., came a cropper.

Throughout history, whether it’s images of Jesus that don’t look Middle Eastern or Barbies who don’t look ethnic, blue eyes and white skin have often been painted as the ideal.

The cerulean-eyed Paul Newman once wryly predicted his epitaph: “Here lies Paul Newman, who died a failure because his eyes turned brown.”
Surveys show that people with blue eyes are considered more intelligent, attractive and sociable.

A 2007 University of Louisville study concluded that people with blue eyes were better planners and strategic thinkers — superior at things like golf, cross-country running and preparing for exams — while people with brown eyes had better reflexes, making them good at hockey and football.

Lula’s rant underscored an ancient rivalry.

When I was little, growing up in a house that prominently displayed a blue-eyed Jesus and a blue-eyed J.F.K., I felt my brown eyes were far less attractive than my brothers’ blue ones.

I obsessed on it so much, cutting out a picture of a beautiful brown-eyed model and keeping it in my scrapbook, that my mother finally reassured me:
“You look at blue eyes. You look into brown eyes.”

Later, of course, there would be the thrill of Van Morrison serenading a “Brown-Eyed Girl.”

Before Barack Obama, when I interviewed the brown-eyed sons of immigrants who were thinking of running for president, Mario Cuomo and Colin Powell, they seemed torn about taking the big plunge, given how far they had come in relation to their dads.

I asked Governor Cuomo if he was leaving the field to “the privileged blue-eyed WASPs” like Bush senior and Dan Quayle who felt entitled and never worried about their worthiness.

Barack Obama and his family have already had a profound effect on the culture in terms of what is beautiful and marketable. Black faces are popping up in all kinds of ads now — wearing straw boaters and other prepster outfits in Ralph Lauren ads.

With Michelle urging students to aim for A’s and the president promising to make school “cool,” brown eyes may finally — and rightfully — overtake blue as the windows of winners.

A version of this article appeared in print on March 29, 2009, on page WK10 of the New York edition.

30/03/2009 - 15:16h Cerveja busca nova publicidade

http://2.bp.blogspot.com/_LXxI52_pibU/SMWf5uL4ylI/AAAAAAAAAbg/xUIAwqai340/s400/mulher+na+publicidade+de+cerveja.jpg

Empresas admitem que fórmula atual está se esgotando e público não diferencia marcas

 

Marili Ribeiro – O Estado SP

 


Se no Brasil foi a indústria de eletrodomésticos que criou um bordão publicitário capaz de se perpetuar no repertório nacional, com o “não é assim uma Brastemp”, nos EUA foi a indústria cervejeira que conseguiu esse feito. Por lá, a expressão “wassup” (algo como “o que há de novo?”) consagrou a propaganda da marca Budweiser e acabou sendo usada, como paródia, até mesmo na campanha de Barack Obama à presidência.

Embora o mercado cervejeiro nacional seja robusto o suficiente para gerar ícones de comunicação, os próprios fabricantes assumem que há uma certa padronização nos anúncios. As companhias têm até pesquisas mostrando isso, mas preferem não falar sobre elas.

“A fórmula básica do anúncio de cerveja oscila entre um clima de malandragem e uma bela bunda”, ironiza Adilson Xavier, presidente da agência de publicidade Giovanni+DraftFCB.

Essa tendência gerou uma receita básica que acaba por confundir o público, como apontam as pesquisas feitas para avaliar a eficiência dos comerciais – o consumidor identifica que é cerveja pelas condições gerais, mas não difere mais uma marca da outra. Esse resultado, na opinião de Xavier, vem da própria ditadura dos indicadores surgidos nas pesquisas de avaliação dos comerciais.

O publicitário explica que esses indicadores mostram que o universo dos cervejeiros é formado por homens que se juntam para falar de mulher. “Isso levou a padrões de comportamento que acabam por dar um toque de mesmice aos anúncios”, diz. “No exterior, as campanhas de cerveja recorrem ao humor de maneira inteligente.”

Há, porém, elementos que justificam a diferença de comportamento dos mercados nacional e estrangeiro. Um deles é o fato de que, no exterior, há uma ampla variedade de tipos de cerveja e preços. Aqui, a expansão do mercado é recente no setor, que sempre foi dominado pela cerveja do tipo pilsen.

As propagandas das marcas premium, que vêm ampliando seu mercado nos últimos cinco anos, ocupam principalmente as páginas de revistas e jornais. “São veículos que atingem uma audiência mais qualificada”, justifica Marcel Sacco, diretor de marketing do Grupo Schincariol, dono da popular NovaSchin, mas também das premium Devassa, Eisenbahn e Baden Baden.

A acirrada competição pelo bebedor padrão de cerveja igualou a comunicação e a líder AmBev – dona das marcas Skol, Brahma e Antarctica -, está incomodada com o nivelamento, admitem seus executivos nos bastidores. “Não é mais estratégia essencial concentrar a comunicação dos produtos em comerciais na TV aberta”, diz a diretora de inteligência de mercado da AmBev, Paula Lindenberg. “Cada vez mais buscamos aplicar recursos em pontos de conexão com o consumidor.”

Ricardo Morici, diretor de marketing da Femsa, dona das marcas Kaiser, Sol e Xingu, diz que, se a propaganda estava muito parecida aos olhos dos consumidores, já há um claro movimento para mudá-la. “A eficiência da comunicação está em causar impacto e todos estamos atrás disso”, diz.

Os executivos das cervejarias defendem que suas campanhas em cartaz ainda funcionam – é sempre a do concorrente que não vai muito bem. Mas nenhum abre os resultado das avaliações de percepção da eficiência publicitária. Luiz Pegorin, responsável por pesquisas desse tipo no instituto Ipsos, explica que o comercial funciona quando indica capacidade de se sobressair em meio aos outros e de ser lembrado pelo público.

FRASES

Adilson Xavier
Presidente da Giovani+DraftFCB

“No exterior, as campanhas de cerveja apelam para outros valores e recorrem ao humor de maneira inteligente”

Paula Lindenberg
Diretora da AmBev

“Não é mais estratégia essencial concentrar a comunicação dos produtos na TV aberta”

30/03/2009 - 14:34h Acredite, máquina pública não está inchada

Número de servidores no Brasil está abaixo do de países desenvolvidos e emergentes

LETíCIA NOBRE DA EQUIPE DO CORREIO BRAZILIENSE

Breno Fortes/CB/D.A Press – 21/5/08
Cosmo Balbino, servidor da UnB: faltam médicos e professores

 Uma pesquisa sobre emprego público, realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), chegou a uma conclusão surpreendente: a máquina pública brasileira não está inchada. Comparada à de países desenvolvidos e com os da América Latina, a proporção de servidores públicos na faixa da população economicamente ativa é uma das menores (10,7%), segundo dados computados em 2005.

Em países como Dinamarca e Suécia, mais de 30% dos ocupados estão trabalhando para o estado. Em outros que têm o setor privado como alicerce, caso dos Estados Unidos, o percentual é de 14,8%, também usando dados de 2005. O pesquisador Fernando Augusto de Mattos, observa que a adoção do Estado de Bem-Estar Social por vários países europeus no período pós-Segunda Guerra Mundial fez com que o setor público passasse a ter um peso significativo na promoção do emprego e da qualidade de vida da população. A necessidade de políticas sociais universalistas fez a participação dos empregos públicos crescer mais nos países desenvolvidos do que nos subdesenvolvidos.

Na América Latina, onde a realidade social se assemelha à nacional, o Brasil está em 8º lugar de acordo com dados de 2006 da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). Na Argentina, essa relação é de 16,2%; no Paraguai, 13,4%, e no Panamá, primeiro colocado da lista, 17,8%. O processo de democratização recente também pesa na estrutura, comenta o pesquisador. O levantamento leva em consideração todos os trabalhadores empregados pelo Estado em um sentido mais amplo, incluindo administração direta, indireta e estatais de todo tipo.

Diferenças
Os índices dos emergentes — países que também guardam alguma semelhança com o Brasil —, como Índia (68,1%) e África do Sul (34,3%), ficam muito acima do nível nacional. Há um grave problema de formalização de empregos nesses países, comenta Mattos. Na Índia, por exemplo, o alto percentual está relacionado com o elevado contingente de forças militares e de segurança interna. Além da informalidade, o país carrega um baixo grau de desenvolvimento industrial em contraste com a ocupação agrícola.

O economista do Dieese Tiago Oliveira explica que o estudo questiona o discurso de que o Brasil tem um estado inchado, que surgiu nos anos 90. “A idéia de um país pesado e ineficiente caiu sobre o serviço público e se perpetua até hoje.” Porém, observa Oliveira, “ao mesmo tempo em que as pessoas dizem isso, vão aos postos de saúde e esperam por horas, por falta de médicos ou veem os filhos voltarem mais cedo para casa por falta de professores”.

O pesquisador do Ipea Fernando Mattos afirma que o resultado da pesquisa mostra a necessidade de ampliação do acesso da população aos serviços públicos e, por consequência, da ampliação do quadro de pessoas que realizam esses serviços.

Qualificação
Apesar de os números desmistificarem o discurso da máquina inchada, nenhum dos especialistas descarta que há desequilíbrio entre áreas administrativas: algumas têm excessiva carência. Há um déficit grande nas áreas de saúde, educação, mas também nas de auditores fiscais e previdenciários ou mesmo na fiscalização das fronteiras”, alerta Tiago Oliveira. A qualidade, que não foi alvo da pesquisa do Ipea, é lembrada. “Não se pode esquecer que o bom serviço prestado à população depende da qualificação dos servidores”, pondera Mattos.

Servidor da Universidade de Brasília há 32 anos, Cosmo Balbino é contrário à ideia de inchaço do setor público. Para ele, o baixo índice brasileiro diante dos registrados em muitos países não é um indicador ruim. “O Estado sofre de uma carência de médicos e professores. Desde que haja qualificação profissional, não há necessidade de muitos empregados”, avalia. “Com a terceirização do serviço público, há perda de qualidade profissional porque não há critérios rígidos para contratação.”

Balbino entende que o processo de adequação tecnológica dos cargos públicos, incluindo a UnB, resultou numa menor carência de trabalhadores. “A tecnologia acabou com muitos empregos.” Dessa forma, ele sugere uma alternativa para solucionar a falta de vagas de trabalho. “Hoje em dia, há condições de se ter bons salários com poucas pessoas”, avalia.

Emprego formalizado

O avanço da formalização do trabalho no Brasil, tanto no estoque de empregos públicos quanto no de privados, também justifica a baixa relação entre o total de trabalhadores e aqueles que estão a serviço do Estado. Entre 2003 e 2006, a ocupação com carteira assinada cresceu 13,3% nas seis principais regiões metropolitanas, segundo dados do IBGE. Em 2003, o índice foi de 39,7% e, no último levantamento, de janeiro deste ano, o percentual avançou para 49,4%.O crescimento do emprego formal aconteceu tanto no setor privado quanto no público. O governo está eliminando, inclusive, o vinculo precário dos terceirizados que estão nas atividades-fim, observa Tiago Oliveira, economista do Dieese. A estruturação das carreira nos cargos governamentais moraliza o perfil do serviço público e isso aconteceu, principalmente, nos municípios, diz Fernando Mattos, coordenador da pesquisa do Ipea sobre o serviço público.

Angela Torres, analista de comunicação social de uma empresa pública, confirma a diminuição de empregados públicos com relação ao resto da população nos últimos anos. “Quando eu entrei, havia 50% a mais de funcionários na minha instituição. Foi um progresso natural, pois era possível fazer o mesmo trabalho com menos pessoas”, afirma. Completando 24 anos de trabalho no Serpro, Torres enfatiza a utilidade desse setor. “Uma das coisas principais é servir a sociedade, seguir as políticas públicas que atendem o cidadão”, conclui.

Quase 7% da população que vive no Centro-Oeste estava contratada pelo Estado, em 2007. Percentual acima da média nacional (5,36%). A concentração de atividades no Distrito Federal e a promoção de concursos públicos nos estados e municípios impacta no índice, justifica Fernando Mattos.

Entretanto, o desenvolvimento econômico dos estados nortistas fez com que a região se destacasse na recente aceleração do crescimento do quadro de empregos públicos e contribuísse para a atual distribuição. Há 14 anos, o Brasil tinha 7,8 milhões de servidores públicos. Desses, 525 mil estavam no norte do país, ou 6,73% do total. Na apuração de 2007, a participação passou a ser de 8,69% ou 883 mil servidores num universo de 10,1 milhões.

30/03/2009 - 13:30h “Gestão” Kassab: De 9 obras anunciadas em 2008, com previsão de entrega no 1º semestre deste ano, nenhuma está pronta. Custo aumentou e intervenções só ficarão prontas em abril de 2010

Corredores de ônibus: pacote de Kassab não sai do papel

FELIPE GRANDIN, felipe.grandin@grupoestado.com.br

Nenhuma das nove obras do pacote para melhorar o trânsito nos corredores de ônibus anunciado pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) em agosto do ano passado, durante sua campanha à reeleição, começou a ser feita. O início das intervenções em corredores e terminais estava marcado para novembro e as obras deveriam ficar prontas nesta semana, após investimento de R$ 8,1 milhões.

Agora, a Secretaria Municipal de Transportes (SMT) estima que as intervenções sejam entregues em abril de 2010, pelo valor de R$ 15,4 milhões. As obras, portanto, devem ser concluídas com um ano de atraso, a um custo quase duas vezes maior que o previsto.

No dia 5 de agosto do ano passado, dois meses antes da eleição municipal, Kassab e o secretário de Transportes, Alexandre de Moraes, anunciaram o pacote de obras para aumentar a velocidade dos ônibus e melhorar o acesso de passageiros aos terminais. A divulgação aconteceu em um evento no cruzamento das Avenidas Rebouças e Brigadeiro Faria Lima, onde estava prevista a principal mudança. Na ocasião, a Prefeitura informou que as obras começariam três meses depois.

Questionada, inicialmente a SMT negou o atraso (leia ao lado). Depois, justificou a demora e o aumento de custos afirmando que “os novos projetos passaram a englobar a parte de acessibilidade e de melhoria no trânsito do entorno dos terminais” e que “os processos licitatórios também enfrentaram recursos que acabaram por alongar os prazos”.

A nova previsão de investimento não leva em conta uma das obras anunciadas, retirada do pacote e incluída no projeto de implantação do corredor exclusivo para ônibus da Avenida Celso Garcia, na zona leste. Foi excluída a construção de duas paradas na Avenida Carvalho Pinto, para reduzir as baldeações feitas no Terminal da Penha. Dos itens do pacote é o mais atrasado: seu projeto ainda nem foi concluído.

As nove obras não são de grande porte, mas, juntas, deveriam aumentar em 10% a velocidade dos ônibus, beneficiando cerca de 3 milhões de passageiros por dia, segundo a SMT. No lote, estão incluídas intervenções nos corredores Rebouças e Santo Amaro, em três terminais e em avenidas movimentadas da capital.

Até o momento, apenas uma está sendo contratada, a reforma do Terminal Jardim Ângela, na zona sul. O projeto prevê a ampliação da plataforma externa, a construção de uma nova plataforma de embarque, a reconstrução da calçada e a instalação de oito abrigos. O custo é de R$ 800 mil. Apesar de estar em estágio mais avançado, será uma das últimas a ser entregue, em fevereiro de 2010.

A primeira obra a ser concluída é também a mais importante, no cruzamento das Avenidas Rebouças e Brigadeiro Faria Lima, na zona sul. O trecho é considerado o principal gargalo do corredor Rebouças, por onde passam 506 mil passageiros por dia. A parada existente no local será substituída por uma plataforma maior, que permitirá o embarque e desembarque dos dois lados. Com isso, pretende-se impedir a formação de filas de ônibus. O projeto tem custo estimado de R$ 1,5 milhão e deve ser entregue em agosto.

A obra mais cara equivale a quase todo o investimento previsto inicialmente no pacote. Serão aplicados R$ 7 milhões na reforma do Terminal de Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte.

30/03/2009 - 13:09h Editorial do JT: Os dois lados do adensamento

http://urbanistas.com.br/sp/wp-content/uploads/2009/01/parabens-sp.jpg

Em 12 dos 91 distritos da cidade já foi atingido o limite de verticalização permitido pelo Plano Diretor, como mostrou reportagem de O Estado de S. Paulo, e, tendo em vista que a criação de uma cidade compacta – dentro de determinadas condições – tem o apoio da maioria dos especialistas, as autoridades municipais estudam uma forma de liberar novas áreas para que isto seja possível.

Como uma das formas de organizar o crescimento da cidade, a Prefeitura decidiu há alguns anos cobrar pelo direito de construir além do que estabelecem as leis de zoneamento e de uso e ocupação do solo. Com isso, atingem-se dois objetivos – favorece-se a verticalização e conseguem-se recursos para a melhoria do sistema viário, urbanização de favelas, implantação de parques e outras obras de interesse da cidade. De acordo com o Plano Diretor de 2002, as edificações podem ter área construída de até uma vez o tamanho do terreno. É possível construir até quatro vezes o tamanho do terreno, se o empreendedor pagar por isso. É a chamada outorga onerosa. Mais de 2 milhões de metros quadrados de construção foram negociados nos últimos seis anos, segundo essas regras, entre empreendedores e a Prefeitura, que recebeu R$ 300 milhões.

A verticalização vem se fazendo rapidamente, mas o mesmo não acontece com os investimentos em benefício da população que ela possibilita. Naquelas áreas da cidade em que se concentrou o interesse das grandes construtoras, houve adensamento – com aumento do trânsito, poluição ambiental e sonora -, mas não a contrapartida das melhorias. Ou seja, até agora o resultado prático dessa política correta limitou-se quase só à proliferação de grandes empreendimentos imobiliários.

Esse dado tem de ser levado em conta no estudo que a Prefeitura está fazendo em conjunto com a Secretaria dos Transportes Metropolitanos para mudar as regras imobiliárias, a fim de favorecer a verticalização e o adensamento. Afirma o secretário de Desenvolvimento Urbano, Miguel Bucalem, que “uma cidade compacta pode ser interessante para todos, caso haja transporte público e condições viárias adequadas para que os bairros sejam adensados”. De fato, o adensamento em regiões que dispõem de boa infraestrutura e de transporte é uma forma de evitar o deslocamento de grandes contingentes de população para áreas longínquas da periferia, onde falta tudo.

É de esperar que a ideia que Bucalem tem do problema prevaleça nas conclusões daquele estudo. Favorecer a expansão imobiliária em bairros com boa qualidade de vida, sem investir na malha viária e no sistema de transporte, não corresponde aos interesses da cidade. O adensamento é uma boa ideia, desde que leve em conta os interesses dos dois lados.

30/03/2009 - 12:33h Plano Diretor: quem pagará a conta?

http://oglobo.globo.com/fotos/2008/03/17/17_MHG_sp_diretor2.jpg

Evaniza Rodrigues* e Heitor Marzagão Tommasini** – JT

A Prefeitura de São Paulo encaminhou à Câmara Municipal o Projeto de Lei 671/2007, que trata da revisão do Plano Diretor Estratégico (PDE). De tão ruim e ilegal, a proposta teve um resultado positivo: reuniu, até o momento, 134 entidades representativas da sociedade civil organizada, de diferentes setores, em um movimento social exigindo a retirada do projeto da Câmara Municipal para que, posteriormente, a Prefeitura refaça os procedimentos numa nova revisão do Plano, respeitando a lei e garantindo os instrumentos de participação social.

Cinco entidades (Movimento Defenda São Paulo, Instituto Pólis, União dos Movimentos de Moradia, Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos e Federação das Associações Comunitárias do Estado de São Paulo) promoveram no Judiciário uma ação civil pública pedindo que o processo de revisão fosse refeito dentro da lei. O Ministério Público Estadual manifestou-se favoravelmente aos argumentos das entidades e a Defensoria Pública, que ingressou na ação, questionou a forma como a atual revisão do PDE fora realizada pela Prefeitura.

Uma das ilegalidades salientes é o descumprimento do artigo 293 do atual PDE, que limita essa revisão à adequação das ações estratégicas, com possíveis acréscimos de áreas para aplicação de instrumentos urbanísticos. A Prefeitura, extrapolando tais limites, elaborou um novo plano, sem implementar o atual. Isso revelou falta de condição de avaliar o que é bom, o que seria passível de adequação e correção.

Essa revisão retirou do PDE seu caráter social, subtraindo a parte que trata das políticas públicas setoriais, como emprego e renda, segurança urbana, desenvolvimento humano e qualidade de vida, entre outros itens importantes.

O atual projeto também excluiu as Zonas Especiais de Interesse Social; ampliou as áreas onde mais prédios poderão ser construídos; retirou a base territorial para definir onde devem ser aplicados os instrumentos de cumprimento da função social da propriedade; e retirou ou modificou artigos que tratam da participação social nas decisões sobre a cidade, num evidente retrocesso democrático.

Em vez de uma revisão no sentido de aperfeiçoar o PDE atual, a Prefeitura decidiu contrariar a norma e refazer tudo, não atendendo ao interesse público e colocando em risco o planejamento estratégico da cidade, sua sustentabilidade urbana, social e econômica. Privilegiou os investimentos do capital imobiliário e excluiu a população mais pobre – e, no futuro, todos nós teremos que pagar essa conta.

* MEMBRO DA COORDENAÇÃO DA UNIÃO NACIONAL POR MORADIA POPULAR E CONSELHEIRA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

** ADVOGADO E DIRETOR EXECUTIVO DO MOVIMENTO DEFENDA SÃO PAULO E CONSELHEIRO AMBIENTALISTA DO CONSEMA/SP