31/01/2010 - 22:00h Boa noite


Howlin’ Wolf (acomapanhado de Willie Dixon e Hubert Sumlin) – Smokestack Lightning

31/01/2010 - 19:25h Drinkin’ TNT ‘n’ Smokin’ Dynamite


Carlos Santana e Buddy Guy – Drinkin’ TNT ‘n’ Smokin’ Dynamite

31/01/2010 - 18:44h Uma noite de amor

Marília Kubota – Escritoras Suicida

De Noite o cheiro das flores é secreto e malvado. O perfume estilhaça o escudo da escuridão: Desde as pevides se elabora o arrebatamento. Estou dentro ou fora de mim? Certo perfume me persegue ou eu o persigo, por ser o anúncio de um tempo diluído. Em outras épocas senti a doçura de um manacá ou jasmins enchendo a rua. As flores são frágeis, mas a fragilidade guarda a doçura, sua força secreta.

Não sei onde buscar a Noite. Encosto suavemente a orelha no ombro e me posto à janela. Noite antiga, sempre esteve aqui. Não é que nasceu num tempo, como eu. Sempre existiu, e seu mistério.

O dia é compreensível, turno de lavor. Mas a Noite? Suspensa entre os dias, ou uma ponte em que seres suspeitos se movem, como fantasmas arrastando lençóis. Em parte da Noite a vida desacontece para os pobres mortais. Não é à toa que ao acordar, nada lembremos. O que aconteceu na história para adquirirmos a capacidade de sonhar? Por que depois de ter aprendido a ordenar o mundo ainda precisamos do caos?

A loucura a que nos entregamos todas as noites pode ser domesticada de dia. Os cientistas criam uma vida melhor. Mas e aqueles que não disciplinam a imaginação? Aqueles para quem o mundo primitivo existe concomitante com o civilizado?

São loucos ou poetas. Há muitos impeditivos para sonhadores. Vivemos em tal tempo de dispersão que hoje os sonhadores são falsamente cultuados. Multidões anseiam ser insanas ou artistas. Porém não têm o germe da imaginação independente.

Quem sonha com vida de artista pensa que basta se revelar à Noite para se descobrir. Porém à grande Noite não se entrega. Porque se entregar é não entender.

Não entender nos torna pequeninos. Em vez de vaidosos por causa do conhecimento ou descoberta da beleza, nos humilhamos diante da ignorância.

Servir o mistério é superar as noites dos homens. As noites intranqüilas, em que anseiam, mais que tudo, despertar de seus dias. Para isto, os pobres mortais desejam mais que nunca sair da obscuridade. Não sabem que apenas mergulhando na mais profunda treva conhecerão.

O quê? Ah, os livros esotéricos descrevem. O íntimo, que há tanto viemos perseguindo, o que alguns chamam Deus, seria nós mesmos? Felicidade é conhecer, como diz qualquer almanaque místico, a verdade interior.

Porém, os ambiciosos, em vez do caminho místico, do silêncio, preferem lutar com a linguagem. Linguagem é comunhão de espíritos. Quando falha a palavra, ou ela serve ao Mal, a força domina. Mas quando a beleza ressuscita, os deuses despertam e se dirigem para a fonte, espantando fantasmas. A Noite é a fonte primordial. Precisamos sonhar e também viver sonhos sem sentido. Do contrário a vida se extingue.

31/01/2010 - 15:43h Corrida descalça traz polêmica para as pistas


Estudo de Harvard defende a prática, mas especialistas divergem e alertam que ela não é para qualquer um

http://farm3.static.flickr.com/2252/2155794102_4862626277.jpg?v=0

Carlos Albuquerque – O GLOBO

Foi uma notícia de impacto, para deixar muita gente com o pé atrás. Um estudo da Universidade de Harvard, divulgado semana passada pela revista “Nature”, sugere que correr descalço pode ser bom para os pés por causa da forma como eles atingem o solo, bem diferente do modo como isso acontece quando a pessoa está calçada.

Embora não seja o caso de jogar fora aquele tênis bacana, comprado recentemente, e sair descalço pelas pistas da cidade, a pesquisa reforça a crescente discussão sobre o tema — correr com tênis versus correr descalço — e pode ajudar a colocar uma pedra no sapato da indústria esportiva.

Na pesquisa, a equipe liderada por Daniel Lieberman, professor do Departamento de Biologia Evolutiva da Universidade de Harvard, analisou o desempenho biomecânico de corredores nos Estados Unidos e no Quênia. Os pesquisadores descobriram que, embora as pessoas corram de formas distintas, a maior parte dos que correm descalços tem a tendência de tocar o chão primeiro com a parte central ou a frente do pé, o que Lieberman chama de “pisada frontal”.

Já 75% dos corredores que usam tênis pisam primeiro no solo com os seus calcanhares.

Os autores do estudo sugerem que esse movimento pode ocasionar lesões.

— O que nos motivou para essa pesquisa, que levou três anos para ser concluída, foi uma pergunta bem simples: “Como os humanos corriam antes dos tênis?” — conta Lieberman.

— Para isso, recrutamos, nos EUA, pessoas que correm tanto descalças como usando tênis, e as colocamos numa pista interna, filmando seus movimentos. Na África, fizemos o mesmo, realizando os testes e as gravações em pistas ao ar livre.

Pisada descalça seria mais suave e menos brusca O estudo indica que pisar com a frente ou a parte central do pé requer mais força na panturrilha e nos músculos dos pés, mas por outro lado oferece também “uma pisada mais suave, menos impactante”.

A evolução, segundo os autores, ajudaria a explicar isso, já que o pé do gênero humano desenvolveu o seu formato característico há quatro milhões de anos, talvez mais, em resposta à caminhada descalça, aprimorando posteriormente sua anatomia por causa da necessidade de correr distâncias maiores, há dois milhões de anos.

— Esse tipo de pisada frontal pode ser considerada mais natural, na medida em que todo mundo (no caso, hominídeos) corria assim há dois milhões de anos — explica o pesquisador.

— Verificamos que aqueles que correm descalços sofrem um impacto menor quando tocam o solo. Por isso, nossa hipótese é que esse jeito de correr pode ser bom para as pessoas, estejam elas correndo descalças ou não. É importante ressaltar que esse não é um estudo sobre danos aos pés e que precisaríamos de mais dados para afirmar que correr descalço é melhor do que correr calçado. Mas será interessante acompanhar as próximas pesquisas nesse sentido. É um tema que ainda vai render boas discussões.

Nos EUA, o assunto já tem rendido boas e acaloradas discussões.

Parte delas gira em torno do livro “Born to run”, do jornalista e ex-correspondente de guerra Christopher McDougall, lançado ano passado.

Após sofrer lesões ao correr, o autor optou por aposentar os tênis e reuniu uma série de histórias e estudos para justificar sua decisão. Segundo os trabalhos citados por McDougall, pelo menos um em cada três corredores sofre anualmente lesões nos pés. Isso ocorreria porque a parte posterior dos calçados esportivos, geralmente elevada para propiciar conforto, altera a pisada do corredor, levando-o a jogar mais peso do que o recomendado sobre o calcanhar. Assim, o tênis enfraqueceria tendões e ligamentos, tornando-os mais suscetíveis a lesões.

— Temos que lembrar que os tênis de corrida, desenhados com a ajuda da bioengenharia, só começaram a aparecer nos anos 70 — ressalta o pesquisador William Jungers, do Departamento de Ciência Anatômica da Universidade Stony Brook, em Nova York. — Eles foram feitos assim para amortecer o calcanhar para o impacto e ajudar a estabilizar a pisada. Pisar com os calcanhares é bastante doloroso e é por isso que os corredores descalços evitam fazê-lo.

De acordo com Jungers, que comentou o estudo para a “Nature”, embora ainda associada a um modismo, a corrida descalça ou com um mínimo de proteção já tem praticantes entusiasmados nos EUA.

— Tanto é que a indústria dos calçados esportivos já começa a responder a isso, como é o caso dos tênis Five Fingers da Vibram.

A Nike também está produzindo calçados minimalistas para corredores — diz Jungers.

Tênis é defendido para pessoas acima do peso Mas a polêmica caminha, lado a lado, com esse tipo de estudo.

O pesquisador Rogerio Teixeira da Silva, mestre e doutor em Ortopedia e Medicina Esportiva pela Unifesp, por exemplo, critica a metodologia do trabalho de Harvard.

— Acho que a metodologia desse trabalho é discutível. Teria que ser estudado um número bem maior de pessoas. Além do mais, é um trabalho de biomecânica, não um estudo clínico.

Falta, ainda, a média de peso dos atletas. O biotipo do queniano é diferente do americano.

São coisas que podem influenciar os resultados. Dessa forma, não vejo como incorporar isso no dia a dia.

Embora ressalte que a corrida descalça possa tornar a circulação de sangue mais eficiente e seja “de fato, mais natural”, o coordenador do Centro de Estudos em Medicina da Atividade Física e do Esporte (Cemafe), Turíbio Leite, ressalta que a prática não é para todos.

— Acredito que o correr descalço resgate alguma coisa natural, desde que, evidentemente, exista um solo favorável onde a pessoa vai pisar.

Mas é diferente e mais complexo pensar nisso nos dias atuais e na vida urbana. Muita gente começa a correr porque está com excesso de peso. Se ela for correr sem um tênis apropriado, capaz de amortecer o seu peso, ela vai ter prejuízo com isso.

Não alheio à polêmica, Daniel Lieberman concorda que correr descalço não é para qualquer um.

— E quem quiser fazer a transição, deve fazê-lo com muito cuidado. Mas no final são os corredores que decidem a melhor forma para se exercitar e se divertir. Ainda há muito o que aprender sobre isso

31/01/2010 - 11:27h Ciro é aposta de Lula para São Paulo

Presidente não desistiu de convencer deputado e vê nele o único com chances de dar palanque forte para Dilma

http://blogdofavre.ig.com.br/wp-content/uploads/2009/10/Lula_Dilma_Ciro.jpg

Eugênia Lopes – O Estado SP

Com a candidatura de Ciro Gomes (PSB-CE) à presidência da República praticamente descartada, o presidente Luiz Inácio da Silva não desistiu de convencer seu ex-ministro a disputar o governo de São Paulo. Lula pretende se reunir esta semana com Ciro para fazer uma última tentativa de ver o deputado do PSB candidato ao governo paulista.

Mesmo diante de resistências localizadas do PT, o presidente está convicto de que Ciro é o único com chances reais de dar um palanque forte para Dilma Rousseff, pré-candidata petista à sua sucessão, no Estado.”São Paulo é quase um palanque nacional. A eleição em São Paulo é definida pela disputa nacional”, diz o deputado José Genoino (PT-SP).

Para ganhar tempo, Lula combinou com o presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a contratação de pesquisa eleitoral para analisar a performance dos candidatos à Presidência da República e avaliar o potencial da candidatura de Ciro. A pesquisa deverá ser feita pelo Ibope e realizada depois do Carnaval. A decisão sobre o futuro político do deputado será tomada até março.

“A ideia é ver qual dos candidatos se beneficia mais com a retirada da candidatura de Ciro Gomes”, resume o líder do PSB na Câmara, Rodrigo Rollemberg (DF). “A maioria dos votos do Ciro são do Serra e não da Dilma”, antecipa o deputado Marcio França (PSB-SP).

A previsão do socialista é baseada em pesquisa eleitoral contratada há cerca seis meses pelo PSB, segundo a qual os votos de Ciro Gomes migrariam para José Serra, governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência. A candidatura de Dilma seria pouco beneficiada com a eventual desistência de Ciro na disputa à sucessão presidencial.

“O PSB entende que duas candidaturas da base, a de Ciro e a de Dilma, é mais eficiente do que uma eleição plebiscitária. Mas vamos analisar a pesquisa para só então definir o que fazer”, diz o líder Rollemberg. “O melhor é uma eleição plebiscitária. E para a estratégia nacional, o melhor é o Ciro não ser candidato”, acrescenta Genoino.

Sem o aval de Lula, é improvável que Ciro dispute a sucessão presidencial. O PSB sozinho não tem tempo de televisão, uma vez que não contará com o apoio de partidos aliados, como o PC do B e o PDT, já fechados com a candidatura da petista Dilma Rousseff.

Na avaliação do Palácio do Planalto, Ciro é o único capaz de suplantar o favoritismo de Geraldo Alckmin, candidato do PSDB ao governo paulista. Ao mesmo tempo, o deputado poderá funcionar como linha auxiliar na campanha de Dilma ao ser escalado para “bater” em Serra. Outra hipótese aventada por correligionários do ex-ministro é que Lula pode deixar Ciro de “stand by” se a aliança com o PMDB naufragar. Ciro seria uma opção como vice-presidente na chapa encabeçada por Dilma.

Na disputa pelo governo de São Paulo, parte dos petistas aponta que a chapa ideal para confrontar com os tucanos é encabeçada por Ciro, com Aloizio Mercadante (PT) e Gabriel Chalita (PSB) candidatos ao Senado.

Está prevista para amanhã uma reunião entre o PC do B, PDT, PSB, PR e PT – partidos dispostos a lançar candidato único à sucessão paulista. Um dos cotados, Mercadante já avisou: “O caminho que construí é concorrer ao Senado.”

31/01/2010 - 11:00h Sem assumir candidatura, Serra investe em publicidade e tenta nacionalizar sua gestão

Comedido no discurso e ágil na propaganda

Flávio Freire – O Globo

http://img.estadao.com.br/fotos/38/DF/03/38DF03FD6508450BBFEB0A9678EE676D.jpgSÃO PAULO. Por mais que evite assumir a candidatura à Presidência da República, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), não tem poupado energia — e propaganda — neste período de pré-campanha com contornos eleitorais bem definidos. Se nos últimos dois meses o tucano posou em retroescavadeira para inaugurar canteiros de obra e acelerou a entrega de apartamentos populares, a campanha tucana começou muito antes e com a indisfarçável tarefa de nacionalizar o governo paulista.

Começava o ano de 2009 quando, numa estratégia de marketing, o setor de comunicação do governo paulista decidiu apresentar aos eleitores do Acre e do Paraná o trabalho da Sabesp, estatal responsável pelo saneamento básico que atua exclusivamente em território paulista. Com o Rodoanel, um dos carros chefes do governo, o roteiro foi o mesmo, e as imagens de enormes viadutos invadiram televisores até na Paraíba. Resultado: o PT questionou o Ministério Público sobre a propaganda, que deixou de ser veiculada.

— O governador José Serra vai apostar todas as suas fichas no currículo de gestor, por isso ele lançou essa ofensiva publicitária. Ele vai querer mostrar que funciona administrativamente — analisa o cientista político Rubens Figueiredo. — O problema é que esse tipo de estratégia sempre vai dar margens para críticas da oposição.

Refratário à ideia de que deve lançar seu nome em contraponto à candidatura governista, Serra preferiu reforçar sua agenda a declarar que é o nome do PSDB na disputa. Os compromissos oficiais parecem ter inflado nos últimos dois meses. Ele mesmo disse dias atrás que pretendia trabalhar “como nunca” neste início do ano.

Alguns palanques depois, afirmou que seu governo “fez tanto que não dá para inaugurar tudo”.

Nesse compasso, o governador paulista não para de ir para a rua.

Nesta última semana, acordou cedo para despachos internos, antes de uma série de inaugurações. Anunciou a entrega de 15 novos postos do Banco do Povo (foram apenas duas agências nos três primeiros anos do governo) e ainda 325 apartamentos da CDHU em Itanhaém, no litoral paulista. Antes, Serra também esteve em Atibaia e São Bernardo do Campo, onde participou da cerimônia de entrega de chaves de moradias populares.

Os eventos são marcados por um grande aparato, muitas vezes contando até com apresentadores que distraem a plateia.

Na virada do ano, o governador paulista deu uma de suas maiores tacadas, num claro sinal de que a intenção de concorrer à Presidência não é assunto assim tão improvável.

Com investimento de R$ 50 milhões, encomendou sete peças publicitárias que enalteciam algumas de suas principais obras, como a calha do Rio Tietê, o Rodoanel e a linha 4 do Metrô.

Obra do metrô: menina dos olhos do tucano As obras do Metrô parecem a menina dos olhos do tucano. No último dia 17, Serra pôs capacete e assumiu uma retroescavadeira como símbolo da inauguração do canteiro de obras da futura estação Adolfo Pinheiro, prevista para ser entregue à população apenas em 2012.

Ainda assim, o pré-candidato tem preferido dizer que, ao contrário dos demais políticos, os tucanos são conhecidos por não fazer propaganda de suas gestões. Em evento recente, quando anunciou R$ 250 milhões para pequenas obras nas escolas estaduais, antes do início das aulas, disse que o PSDB não tem por hábito fazer propaganda de suas administrações.

— Tucano é nota 100 em matéria de esconder as coisas — dissera ele, que entregava naquele mesmo instante material escolar com o logotipo do governo paulista

Infográfico da revista Época: gastos comparativos da União, do governo Serra e da prefeitura de Kassab com publicidade

Publicidade_comparativo

31/01/2010 - 10:21h Descaso e incompetência

Piscinões_orçamento

jornal AGORA

31/01/2010 - 10:09h Se você não cuidar o bicho vai pegar, pois com Kassab um terço dos distritos está sob ameaça de dengue

EDITORIAL JORNAL DA TARDE

O avanço da dengue na capital

Em dezembro do ano passado um estudo do Ministério da Saúde previa o agravamento da situação da dengue em todo o País – um alerta para as autoridades tomarem as medidas necessárias para conter a disseminação da doença. Agora, a julgar pelo resultado de um trabalho feito pela Secretaria Municipal da Saúde, a capital paulista é uma das primeiras cidades importantes em que aquela previsão está se concretizando.

A Secretaria constatou que um terço (32) dos 96 distritos da capital paulista está sob ameaça da dengue. Em três deles, situados na zona norte – Jaraguá, Perus e Pirituba -, há risco de surto da doença e os outros 29 estão em estado de alerta. Esses números não deixam dúvida de que o quadro é preocupante, como mostra reportagem do Jornal da Tarde.

Segundo os especialistas, o calor, o acúmulo de lixo e as fortes chuvas favorecem a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, o que aumenta consequentemente o risco de surto da doença. Como nenhum desses elementos constitui novidade – estamos no verão -, eles não podem servir de desculpa. A explicação pelo fato de a maior e mais rica cidade do País ter chegado a essa situação dever ser buscada no comportamento das autoridades. Além de elas saberem – quem não sabe? – que calor e chuva fortes são indissociáveis do verão, tiveram conhecimento do citado estudo do Ministério da Saúde.

Ele constatou que dobrou o número de pessoas que vivem nas cidades em que a situação é mais vulnerável – de 947.160, em 2008, para 2.015.791 em 2009. E mais – a situação de 71,3% dos municípios estudados foi considerada de risco ou de alerta em 2009, e no ano anterior essa porcentagem ficara em 47,8%. Tudo isso apontava para um agravamento do quadro neste começo de ano, mas providências tomadas pelo poder público não parecem ter levado em conta esse alerta.

O que se tem de fazer para combater a dengue é mais do que conhecido, e há muito tempo. Além da ação contínua dos agentes de saúde, os especialistas não se cansam de repetir que a população tem não só de ser esclarecida sobre a importância de não manter reservatórios como pneus, vasos e garrafas e a proteger as caixas d’água, como estimulada a fazer isso. E, como diz a coordenadora do Programa Municipal de Combate e Controle da Dengue, Bronislawa de Castro, esse “combate tem de ser um trabalho feito o ano todo”. Se, mesmo assim, hoje a situação é grave a ponto de um terço dos distritos da capital estarem como estão, só pode ser porque as autoridades não fizeram o que deveriam ou o fizeram sem empenho e a abrangência necessários. É preciso repensar a ação de combate à dengue e corrigir os erros.

30/01/2010 - 22:00h Boa noite


Howlin Wolf – How Many More Years

30/01/2010 - 19:02h Etta James


Etta James – At last


Beyonce no papel de Etta James, no filme Cadillac Records

AT LAST

At last, my love has come along
My lonely days are over
And life is like a song
Oh, yeah, at last
The skies above are blue
My heart was wrapped up in clovers
The night I looked at you
I found a dream that I could speak to
A dream that I can call my own
I found a thrill to rest my cheek to
A thrill that I have never known
Oh, yeah when you smile, you smile
Oh, and then the spell was cast
And here we are in heaven
For you are mine
At last


I just wanna make love to you

I JUST WANNA MAKE LOVE TO YOU

I dont want you to be no slave;
I dont want you to work all day;
But I want you to be true,
And I just wanna make love
to you.
Love to you
Love to youOoooohhooh
Love to you

All I want to do is wash your clothes;
I dont want to keep you indoors.
There is nothing for you to do
But keep me makin love to you.
Love to you
Love to youOoooohhooh
Love to you
And I can tell by the way you walk that walk;
I can hear by the way you talk that talk;
I can know by the way you treat your girl
That I can give you all the lovin in the whole wide world!
All I want you to do is make your bread!
Just to make sure youre well-fed!
I dont want you sad and blue!
And I just wanna make love to you.
Love to you
Love to youOoooohhooh
Love to youOoooh.

And I can tell by the way you walk that walk;
And I can hear by the way you talk that talk;
And I can know by the way you treat your girl
That I could give you all the lovin in the whole wide world!
Oh, all I wanna do – All I wanna do is cook your bread!
Just to make sure that youre well-fed!
I dont want you sad and blue,
And I just wanna make love to you.
Love to you
Love to youOoooohhooh
Yeah, love to youOoooh.
Love to you

30/01/2010 - 14:09h Para Kassab é tudo pela propaganda

Os quadros publicados pela revista Época são significativos da prioridade número um de Kassab. Publicidade e propaganda tem verbas equivalentes à soma de todo o dinheiro previsto para construção de piscinões, corredores de ônibus, obras de emergência contra enchente, para áreas de risco e construção, ampliação e reforma de equipamentos para saúde.

É significativo também o montante em dinheiro alocado a propaganda na prefeitura de Kassab, quando comparado com os gastos federais e estaduais. Kassab gasta proporcionalmente 11 vezes a mais em publicidade que o governo federal e o dobro do que gasta o próprio Serra (o que já é mais que o triplo do gasto federal em publicidade).

A cada R$1.000 do orçamento, são gastos por Kassab em publicidade R$4,55. Serra gasta em propaganda R$1,62 e o governo federal R$0,40. Os dados são da revista Época. LF

Kassab_propaganda_Epoca
Kassab_propaganda_Epoca2

30/01/2010 - 13:25h Revista Época: “Uma cidade que só Kassab não enxerga”

Kassab_frases_Epoca

30/01/2010 - 13:02h Revista Época: uma leitura para enxergar São Paulo

Época_Capa_Kassab

30/01/2010 - 12:23h Com Ciro no páreo, Dilma sobe 8% em pesquisa

Jornal da Tarde (JT) – grupo Estado

Pesquisa Vox Populi divulgada pelo Jornal da Band, da TV Bandeirantes, mostra crescimento de 8% da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), em relação ao levantamento realizado em novembro, em um cenário com Ciro Gomes (PSB) na disputa do primeiro turno da sucessão presidencial. O governador José Serra (PSDB), pré-candidato tucano, caiu 2 pontos no período.

Segundo o instituto, Dilma registra 27% das intenções de voto, ante 19% da pesquisa realizada em novembro. Serra continua em primeiro lugar, mesmo com queda de 34% para 32%. Ciro aparece em terceiro com 11% – na anterior tinha 13% – e Marina Silva (PV) dobrou, chegando a 6%. Na prévia de dois meses atrás, aparecia ainda na disputa Heloísa Helena (PSOL), com 6%. Sem Ciro na disputa, Serra aumenta a vantagem, chegando a 38% contra 29% de Dilma e 8% de Marina.

Segundo turno

Em um provável segundo turno entre os candidatos do PT e PSDB, Serra seria eleito com 46% dos votos, contra 35% de Dilma. Sobre possível transferência de votos, a pesquisa mostra que 30% dos eleitores votariam em candidato indicado por Lula.

DISPUTA

7 pontos é a diferença de José Serra (PSDB, 34%) para Dilma Rousseff (PT, 27%) na simulação de 1º turno feita pelo Vox Populi para a Bandeirantes

30/01/2010 - 11:15h Após garoto morrer sugado, Kassab proverá grade para o bueiro

A Subprefeitura de M’Boi Mirim, extremo sul da capital, deve instalar hoje uma proteção no bueiro onde um garoto de 11 anos caiu e foi arrastado pela correnteza, na noite de anteontem. O corpo do estudante Carlos Gabriel Ferreira do Rosário foi encontrado na Barragem da Usina Piratininga, próxima da Avenida Nossa Senhora do Sabará, a cerca de 12 km do local da queda. Gabriel é a terceira pessoa a cair em bueiros por falta de proteção e o segundo a morrer em decorrência desse tipo de acidente na capital.

De acordo com a subprefeitura, ontem foi colocada uma proteção provisória no local e hoje uma grade será fixada para evitar novos acidentes. O menino seria velado ontem no Cemitério São Luís, também na zona sul, e será enterrado às 10 horas de hoje.

Na tarde de quinta-feira, Gabriel estava brincando na chuva com mais duas crianças. Segundo a prima dele, a doméstica Simone Ferreira Mateus, de 29 anos, o estudante quis molhar o pé na água, mas escorregou e foi levado pela força da enxurrada para dentro da galeria de água pluvial destampada. No trajeto, engoliu muita água e se machucou. “Ele morreu afogado e com traumatismo craniano”, contou a prima. O corpo foi reconhecido pela mãe, Ana Cristina Ferreira do Rosário, à 1h de ontem, no Instituto Médico Legal.

Luto

A família do menino está chocada com a morte da criança, especialmente a avó paterna, Maria Batista, de 74 anos, e o tio paterno, Marildo, que o tratava como filho. Gabriel foi criado pela avó e pelo tio desde de bebê e morava com eles.

Para Simone, fica a lembrança do menino extrovertido, que colocava bigodes ou trocava os olhos das pessoas nas fotos digitalizadas que a doméstica mantém em seu computador. “Ele pegava o meu celular e gravava um monte de música de funk. Era disso que ele gostava”, relembrou, emocionada, durante o velório.

Sempre sorridente e sempre agitado, Gabriel ficava pouco tempo em casa. Quando parava, ia para a frente da televisão assistir a programas infantis.

Na rua, um dos seus passatempos favoritos era soltar pipa. Mas quando ia para a casa do primo, o instalador de som Wesley Ferreira de Almeida, de 25 anos, gostava de ajudá-lo a lavar a moto. “Depois, a gente passava o fim de semana inteiro jogando videogame”, disse Wesley.

Para a família, um acidente fatal no bueiro da Rua Professor Horácio Quaglio era uma questão de tempo. Em nota, a Subprefeitura de M’Boi Mirim lamentou o falecimento de Carlos Gabriel e, além de assegurar a proteção à galeria, também informou que promoverá nova operação cata-bagulho na região nos próximos dias.

Velado o corpo do menino morto após cair em bueiro

SPTV 2ª edição

Uma cerimônia triste que reuniu amigos e parentes. O corpo de Carlos Gabriel Ferreira do Rosário, de 11 anos, foi velado no fim da tarde no Cemitério São Luiz.

Foi velado hoje o corpo do menino de 11 anos que caiu num bueiro durante a chuva de ontem no Parque Santo Antônio, zona sul da capital. Moradores do bairro temem que tragédias como esta voltem a acontecer.

Uma cerimônia triste que reuniu amigos e parentes. O corpo de Carlos Gabriel Ferreira do Rosário, de 11 anos, foi velado no fim da tarde no Cemitério São Luiz.

O menino foi arrastado pela correnteza do córrego e entrou em um bueiro. “Nós estávamos brincando, tomando banho de chuva e aí ele caiu e bateu a cabeça”, fala Beatriz Olímpio da Silva, 12 anos.

A força da água era tanta que os bombeiros só encontraram o corpo quatro horas depois num córrego que passa na Usina Piratininga, região do Campo Grande, a 12 quilômetros de onde o menino caiu.

Maria do Carmo Ferreira Miranda, tia do Gabriel, conta que chegou a alertar o sobrinho sobre o perigo que estava correndo:

“Eu falei Gabriel, entra meu filho. A chuva está muito forte. Daqui a pouco começaram a gritar que ele tinha ido embora”.

A tarde, um funcionário de uma empresa contratada pela prefeitura de São Paulo foi medir o bueiro para construção de uma tampa provisória. Medida que segundo moradores, não resolve o problema. Na região onde moram muitas crianças, a maioria dos bueiros está destampada.

“Não tem nenhum proteção, na rua de cima tem uma creche e até mesmo esse horário da chuva é o que desce criança vindo da escola com mãe e tudo e a força da água”, fala Daniel Feliciano de Andrade, porteiro.

30/01/2010 - 10:42h Represas transbordando por inprevidência?

Comitê deu alerta há 5 meses

Órgão diz ter pedido o extravasamento das águas em setembro, pois represas estavam cheias

Luísa Alcalde e Rodrigo Brancatelli – JORNAL DA TARDE

Membro do subcomitê da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê Cabeceiras, que engloba os municípios de Salesópolis, Biritiba-Mirim, Poá, Ferraz de Vasconcelos, Arujá, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Suzano e Itaquaquecetuba, José Arraes, afirma ter alertado o governo em setembro, antes das chuvas de verão, que as barragens do Sistema Alto Tietê estavam excessivamente cheias.

O questionamento teria ocorrido, segundo ele, durante reunião do comitê da qual participam também representantes do Daee e da Sabesp. O alerta estaria documentado em ata. “No início do ano, praticamente secaram o Tietê e encheram os reservatórios. Em Mogi, o rio ficou meses com apenas 20 centímetros de lâmina de água. No final do ano, as barragens já estavam muito lotadas para a época”, afirma.

Segundo ele, o normal seria o vazamento controlado das represas ter começado por volta de setembro para que agora, no verão, elas estivessem mais vazias para receber as águas das chuvas, não transbordarem e não chegarem a esta época com 90% da capacidade preenchida. “O único jeito agora foi abrir as comportas, pois as represas estão cheias e vão transbordar. Aliás, em Mogi e em Jundiaí já extravasaram”, afirma.

“Há 13 anos acompanho esse processo e sei que reservam cotas nas barragens, prevendo as cheias de verão. Em 2009, não fizeram isso. O resultado foi que chegamos a dezembro com a quase totalidade das barragens cheias”, explica. O governo tem afirmado que as barragens foram mantidas cheias pois havia risco de estiagem em 2009 e que não dava para prever as chuvas atípicas que assolam o estado.

Depois de represas do Sistema Cantareira transbordarem e 1.376 famílias abandonares suas casas em Atibaia, Bragança Pedreira, Morungaba e Amparo, agora é o sistema de produção do Alto Tietê que causa uma nova preocupação para Sabesp e prefeituras locais. No começo do ano, 55,5% da capacidade dessas represas estava sendo utilizada. No dia 15, era 78,8%. Ontem, o volume armazenado já chegava a 89,1% no início da tarde – segundo a própria Sabesp, se as chuvas continuarem atípicas, as regiões ribeirinhas das cidades de Suzano, Mogi das Cruzes e Itaquaquecetuba também terão alagamentos.

A Defesa Civil Estadual já recebeu alerta da Sabesp e pediu aos municípios mapeamento detalhado das áreas que poderão ser atingidas. “Temos um ótimo sistema de comunicação com a Defesa Civil para evitar problema maiores”, diz Paulo Massato, diretor metropolitano da Sabesp. “Se continuar chovendo e as represas não aguentarem tanta água, tenho certeza que o sistema de prevenção vai funcionar tão bem quanto funcionou em Atibaia.”

Moradores abrem comporta de usina

Diego Zanchetta – JT

Cerca de 30 moradores do Parque das Nações e do condomínio Santa Mônica, em Atibaia, invadiram na madrugada de ontem a hidrelétrica do centro empresarial da cidade e abriram 40 centímetros de uma das duas comportas da barragem. Foram liberados 5 mil litros de água por segundo a mais no Rio Atibaia. Segundo as famílias, um dos vertedouros era mantido fechado havia dois meses para obras de manutenção, o que estaria aumentando a retenção de águas nas margens do rio.

O operador da usina confirma que o vertedouro estava fechado para a instalação de bobinas, mas nega que a medida tenha contribuído para as enchentes.

Seis homens com cordas ajudaram a puxar a madeira da comporta. Por volta das 8 horas, eles comemoravam e diziam que o nível do rio e das ruas alagadas só não subiu mais por causa da ação.

Com o apoio de três advogados, os moradores esperaram do lado de fora até amanhecer, quando empresários e o operador do local, após reunião com as famílias, concordaram em manter os 40 cm abertos até segunda-feira. Na terça, o local será vistoriado por técnicos da Secretaria Estadual dos Recursos Hídricos. A invasão não foi registrada na polícia.

Em seguida, os moradores saíram em protesto pelo centro. Cerca de 70 deles pediram o fechamento da usina ao prefeito José Denig (PV). Ele se comprometeu a pedir um estudo ao Estado. Para a prefeitura, as enchentes são reflexo da abertura dos vertedouros dos Reservatórios Atibainha e Jaguari e chuvas. A Sabesp responsabiliza as chuvas.

29/01/2010 - 23:12h Pesquisa Vox Populi para presidente

O ‘Jornal da Band’  divulgou pesquisa Vox Populi para Presidente, realizada entre os dias 14 e 17 de Janeiro.

Cenário 1:

Serra – 34%;
Dilma – 27%;
Ciro – 11%;
Marina – 6%.

Cenário 2:

Serra – 38%;
Dilma – 29%;
Marina – 8%.

Segundo Turno:

Serra – 46% (igual à pesquisa precedente);
Dilma 35% (3 pontos a mais que na pesquisa anterior da Vox Populi).

29/01/2010 - 22:00h Boa noite


Abertura de Egmont, de Beethoven. Regente: Leonard Bernstein, Orquestra Filarmônica de Viena

29/01/2010 - 20:02h A fotógrafa e a modelo

Judy_Dater
© Foto de Judy Dater. A fotógrafa Imogen Cunningham dando aula sobre fotografia de nudez com a modelo Twinka Thiebaud. Califórnia, 1974.

Essa célebre fotografia foi feita em Yosemite, na Califórnia, em 1974. Na imagem, vemos Imogen Cunningham (1883-1976), conhecida como uma das maiores fotógrafas norte-americanas, dando uma aula sobre fotografia de nudez. A aluna Judy Dater viu sua chance e registrou a imagem de Cunningham e a modelo Twinka Thiebaud. A foto correu o mundo. Fonte Images & Visions

29/01/2010 - 19:29h I am easily assimilated


Candide – O Tango da velha senhorita (Me assimilo rapidamente – I am easily assimilated) – Musical, Versão de Broadway em 1985 – New York Philharmonic. Regente: Marin Alsop.

The Old Lady: Patti LuPone


I am easily assimilated (Me assimilo rapidamente), de Candide. Compositor e regente: Leonard Bernstein – Christa Ludwig

I was not born in sunny Hispania,
My father came from Rovno Gubernya.
But now I’m here, I’m dancing a tango;
Di dee di! Dee di dee di!
I am easily assimilated.
I am so easily assimilated.

I never learned a human language.
My father spoke a High Middle Polish.
In one half-hour I’m talking in Spanish:
Por favor! Toreador!
I am easily assimilated.
I am so easily assimilated.

It’s easy, it’s ever so easy!
I’m Spanish, I’m suddenly Spanish!
And you must be Spanish, too.
Do like the natives do.
These days you have to be
In the majority

Tus labios rubi
Dos rosas que se abren a mi,
Conquistan mi corazon,
Y solo con
Una cancion.

Mis labios rubi
Dreiviertel Takt, mon tres cher ami,
Oui ou, si si ja ja ja, yes yes, da da.
Je ne sais quoi!

Me muero, me sale una hernia!

A long way from Rovno Gubernya!

Mis/Tus labios rubi
Dos rosas que se abren a mi,
Conquistan mi corazon,
Y solo con
Una divina cancion.
De tus labios rubi!
Rubi! Rubi!
Hey!

29/01/2010 - 19:00h Fugir para a rotina

Daniela Lima – Escritoras Suicidas

Saí do cinema meio tonta, procurando me apoiar nas paredes, mas e a bombinha, cadê? [A asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas. Em indivíduos suscetíveis essa inflamação causa episódios recorrentes de tosse, chiado, aperto no peito e dificuldade para respirar.] Esqueci em casa ou acabou. Droga! A minha rotina é uma espécie de ante-sala da vida, onde nada acontece: passado e presente; sonho e realidade quase imiscíveis. Mas essa calmaria, esse nada, é uma espécie de contagem regressiva para um colapso, eu sei. De repente: escuro.

Acordo com um rosto desconhecido muito próximo ao meu, demoro a decodificar a imagem: dois olhos vivos e negros, diferentes dos meus que não têm brilho, mais parecem uns ocelos, opacos e mortos; o nariz dele é pequeno, bonito e proporcional; os lábios estão rachados, quase sangrando — a matéria viva querendo escapar. Ei, moça, tudo bem com você? Tudo, tudo bem. Foi só uma tontura. Mas você ficou desmaiada um tempo. Quanto tempo? Não sei. Mas muito? Não, não muito. Isso acontece sempre? Algumas vezes. Você não deveria andar sozinha por aí, ainda mais nessa época do ano. Carnaval. É, no carnaval as pessoas piram, sei lá. Vou tentar levantar. Oquei, se apóia em mim. Tá.

Um prédio de seis andares. Antigo. E, por Deus, tinha banheira! Sempre quis ter uma banheira em casa. E poder ficar imersa na espuma, em silêncio, ouvindo apenas o barulho que vem de mim, a rotina do organismo, o coração bombeando sangue para o meu corpo, oxigenando, impedindo que eu apodreça — muitas vezes pedi baixinho para que ele parasse; para que a força que faz com que essa bomba funcione falhasse e então eu:.

Era a primeira vez que entrava na casa dele, mas o meu corpo interpretava aquele momento como um retorno — era íntima da rotina e dos detalhes pequenos e, portanto, indivisíveis: as infiltrações, os livros e o barulho do ventilador de teto. Déjà vu. Quantas vezes eu já estive aqui? Percebia fragmentos de mim nas grossas camadas de poeira sobre os móveis e nos cantos do apartamento: o inevitável é leve. E nós, moço, somos inevitáveis, como a chuva e a morte.

29/01/2010 - 18:09h Hasta la vista, JD

Cristina Civale – Civilización & Barbarie

28/01/2009
Hace unas horas acaba de morir a los 91 años el escritor norteamericano JD Salinger.

salinger2.jpg

Fue toda una leyendas de la literatura. Salinger mantuvo en reclusión personal, separado de toda relación con la vida intelectual y las prácticas de la vida literaria en Estados Unidos y del resto del mundo desde 1965.

Su rechazo fue absoluto frente a los tres pilares de la industria anglosajona del libro: se negaba a hablar con los medios de comunicación –diarios, revistas, radio, TV y cine–. Mantuvo, además, una relación con la industria editorial que fue mediada por decenas de demandas legales y judiciales y sostuvo un rechazo total por las modas y gustos de la academia y la literatura universitaria.

Seguramente seguirá siendo luego de su muerte uno de los autores más leídos por los jóvenes de habla inglesa y de gran parte del mundo.

Cada año, se vendieron cientos de miles de ejemplares de los únicos cuatro libros a los que autorizo su circulación legal.

Se negó a publicar una sola letra mas desde 1965 y nadie sabe escribió durante todos estos años.

Salinger se convirtió en una lectura iniciática de varias generaciones y es una influencia poderosa en la formación del carácter de muchos adolescentes que se descubren al leer su novela icónica “The catcher in the rye”.

Su libro “9 cuentos” creó un parámetro en los cuentistas de culto que eligen publicar sus libros con el mismo número de relatos. Aunque el talento no es una cuestión de cifras.

Hasta la vista, Mr Salinger, desde este humilde blog “sudaca”.

Publicado por Cristina Civale

29/01/2010 - 17:22h O peso da cidade

A Fundação FotoColectania, sediada na Espanha, abriu a exposição coletiva sobre a fotografia latino-americana do século XX, em Buenos Aires, na Argentina. A mostra contém obras da artista plástica mineira Rosângela Rennó, além de quadros do retratista Horacio Coppola, de 104 anos, um dos maiores ícones da fotografia argentina e famoso por suas imagens de Buenos Aires, sobretudo da década de 30. Conhecido por suas lendárias fotos do revolucionário Che Guevara, o cubano Alberto Korda também é destaque da exposição, que ainda traz o artista Pablo Ortiz retratando os marginalizados do México em suas fotografias. Fonte Images & Visions

Vista de la exposición sobre la fotografía latinoamericana del siglo XX que la Fundación FotoColectania ha presentado hoy, en la que se incluyen obras del retratista de Buenos Aires Horacio Coppola, el cubano Alberto Korda, que se dio a conocer por sus

Vista de la exposición sobre la fotografía latinoamericana del siglo XX de la Fundación FotoColectania, de Barcelona

http://fotografeumaideia.com.br/site/images/stories/autores/horacio_coppola/horacio_coppola_4.jpg

Horacio Coppola

Barcelona, 27 ene (EFE).- La transformación de las grandes metrópolis latinoamericanas en los últimos cien años sirve de hilo conductor de la exposición fotográfica inaugurada hoy en la Fundación Colectania de Barcelona, en la que se incluyen unas ochenta imágenes de la colección Ana Gamazo de Abelló.

El retratista de Buenos Aires Horacio Coppola; el cubano Alberto Korda, que se dio a conocer por sus fotos del Che Guevara; Geraldo de Barros, representante de la fotografía vanguardista brasileña, o Sergio Larrain, el mejor ejemplo de la fotografía chilena, son algunos de los autores presentes en la muestra, que podrá visitarse hasta el día 29 de mayo.

http://www.bartschi.ch/images/work/large/03086.jpg
Geraldo de Barros

Ana Gamazo de Abelló ha explicado en rueda de prensa que inició su colección fotográfica, que cuenta con unas 420 piezas, en el año 2002, una vez consolidadas las de pintura y dibujos, con la intención de recuperar “copias de época” de artistas procedentes de Latinoamérica.

Junto con el experto francés Alexis Fabry, comisario de la exposición, empezaron a investigar sobre el terreno, “viajando a los países que nos interesaban a la búsqueda de fotografías especiales y únicas, tanto de autores conocidos como de otros que merecía la pena hacer visibles”.

En la actualidad, la colección contiene imágenes que van desde el año 1895 hasta 2008, principalmente de países como México, Venezuela, Argentina y Brasil.

La exposición de Colectania, bajo el título de “El peso de la ciudad”, es la primera de estas características que ofrece la coleccionista Ana Gamazo y se ha querido que fuera representativa tanto cronológica como geográficamente de las transformaciones de las grandes ciudades de Sudamérica como Buenos Aires, México D.F, o Sao Paulo.

http://www.diversica.com/cultura/imagenes-notas/interiores/coppola.jpgUno de los fotógrafos destacados es el argentino Horacio Coppola (foto à esquerda e acima), nacido en Buenos Aires en 1906, que recibió el encargo en 1936 de plasmar la capital de su país con motivo del 400 aniversario de su fundación.

También hay obra del mexicano Manuel Álvarez Bravo; de la fotorreportera más importante de Argentina, Adriana Lestido, o de la brasileña Rosangela Rennó, que trabaja sobre materiales que encuentra de otros autores y los adapta para sus composiciones.

[Carlos+Suárez.jpg]

Rosangela Rennó (foto Images & Visions)

Son curiosas, por otra parte, las imágenes del mexicano Antonio Caballero, que trabajaba en la realización de fotonovelas, y que consigue unas obras en las que teatralidad y realismo se mezclan.

Daniel González, de Venezuela; la peruana Milagros de la Torre; el brasileño Gaspar Gasparian; el cubano Jose A.Figueroa; el colombiano Lunga (Luis Gaitán) o el uruguayo Mario Schettini son otros de los autores representados en la muestra.

[Gaspar+Gasparian.jpg]

Gaspar Gasparian

Alexis Fabry ha recordado que el proceso para conseguir esta colección siempre seguía los mismos parámetros: “A la vez que comprábamos una foto nos acercábamos a la realidad de esos países, sin ir a las grandes galerías porque lo que buscábamos no estaba allí”.

Por su parte, Ana Gamazo ha apuntado que muchas de las imágenes son de personas, porque “me gusta mucho la gente y lo que ocurre en la calle, más que los paisajes o las cosas muy geométricas”.

Con respecto al futuro de la colección, Ana Gamazo de Abelló ha avanzado hoy que tiene mucho interés en ampliarla con la obra de artistas africanos, un continente que conoce bien y al que viaja a menudo.

lestido.jpg

Lo que se ve
Fotografías 1979-2007
Adriana Lestido

29/01/2010 - 16:54h Da Vinci travesti?

http://www.lib-art.com/imgpainting/5/4/12745-mona-lisa-leonardo-da-vinci.jpg

A maldição Da Vinci
Historiadores voltam a tentar desenterrar artista

O GLOBO

Há cinco séculos discute-se quem seria a mulher de sorriso enigmático retratada em Mona Lisa, obra-prima de Leonardo da Vinci.

http://www.eupodiatamatando.com/wp-content/uploads/2007/09/monalisa_leonardo_da_vinci.jpgA explicação mais aceita é que se trate de Lisa Gherardini, mulher de um comerciante florentino. Mas nem todo mundo se convenceu e alguns historiadores acreditam que a resposta pode estar com o próprio Leonardo. E para isso querem analisar o crânio do gênio da Renascença, para confirmar — ou descartar — a suspeita de que a Mona Lisa é um retrato do próprio artista.

Uma equipe do Comitê Nacional Italiano para a Herança Cultural pediu permissão a autoridades francesas para abrir o túmulo do artista, enterrado no castelo Amboise, no Vale do Loire, na França.

Outras tentativas de exumar Leonardo já foram feitas antes, mas essa é a primeira vez que um grupo prestigiado de pesquisadores faz o pedido.

— Se conseguirmos encontrar o crânio, podemos reconstruir a face de Leonardo e compará-la com a de Mona Lisa — explica o antropólogo Giorgio Gruppioni, integrante do comitê italiano.

Antes da recriação do rosto, a equipe teria outro desafio à frente: certificar-se que o túmulo de Da Vinci é realmente ocupado pelo pintor. O renascentista foi enterrado originalmente em uma igreja, que, em 1789, foi demolida durante a Revolução Francesa. Seus restos mortais, então, teriam sido levados a uma pequena capela do castelo Amboise em 1874.

Mas nem mesmo as inscrições presentes no local dão certeza se aquele seria realmente o descanso definitivo do artista. Ele morreu em Cloux, em 1519, aos 67 anos. Leonardo passou os últimos três anos de sua vida na França, onde estava a convite do rei Francisco I.

Caso o corpo seja exumado e o crânio tenha sido preservado, haverá uma tentativa de extrair DNA, que será comparado com os de descendentes da família de Da Vinci em Bolonha, na Itália. Se for comprovada a identidade, peritos poderão recriar a face e compará-la com a de Mona Lisa.

29/01/2010 - 14:53h Panorama daqui e acolá

de Brasília – Panorama Político – O GLOBO

Lula é o senhor

O PSB entregou a candidatura de Ciro Gomes nas mãos do presidente Lula. O PSB só terá candidato se for para ajudar Dilma Rousseff (PT). Mas o martelo não será batido antes de março. Depois de conversar com Ciro e Lula, o governador Eduardo Campos resume: “A coordenação é do presidente.

O PSB só terá candidato se Lula ajudar. O PSB sozinho não vai. Precisamos dê tempo na televisão e, para isso, ele tem que liberar alguns aliados

‘O caso eu conto, como o caso foi’

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, recebeu uma ligação ontem às 7h.

Era o presidente do DEM, Rodrigo Maia, exasperado: “O que esse Roberto Freire tá pensando? Vai tirar lasquinha por causa do mensalão de Brasília? Se é assim, a oposição não pode ter candidato. E o mensalão de Minas? E a (governadora) Yeda (Crusius)?”. Assustado, Kassab balbuciou: “Você tem razão. Vou resolver isso aí”. Freire levou um puxão de orelhas. Às 14h, a assessoria de imprensa do presidente do PPS ligou para a coluna: “O Roberto pediu para dizer que não está articulando pelo Itamar Franco. Ele está trabalhando pelo governador José Serra”. Então, fica combinado assim.

Leia a integra da coluna Panorama Político no jornal O Globo – ILIMAR FRANCO com Fernanda Krakovics, sucursais e correspondentes

E-mail para esta coluna: panoramapolitico@oglobo.com.br