31/03/2010 - 23:00h Dilma continuando Lula

http://www.info.planalto.gov.br/imagens/Fotografia_imagens/foto_grande/31032010G00043.JPGlula1

BRASÍLIA – A ex-ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência da República, discursou nesta quarta-feira em nome dos ministros que deixaram seus cargos para concorrer nas eleições de outubro.

A seguir, os principais trechos do discurso de Dilma:

” Eu fiz um imenso esforço para falar de improviso. Mas, se eu falar de improviso, vão acontecer duas coisas: uma parte eu vou esquecer. A outra parte eu vou chorar. Vou seguir um roteiro. Pode ser que eu continue esquecendo e chorando.”

” Uma alegria triste. Alegria porque saímos de um governo que nós consideramos um dos governos que mais fez pelo povo deste país. E tristeza porque nós abandonamos hoje este que foi um dos trabalhos, para muitos, aqui, há sete anos e meio, triste porque estamos partindo.”

” Mas, se o nosso coração sente essa estranha alegria triste, o senhor pode ter certeza que a alma da gente está cheia de otimismo, de esperança e de fé. O senhor nos deu, a cada um de nós, o privilégio de participar de um dos momentos mais decisivos da história do nosso país. Um momento em que o povo se reencontrou consigo mesmo, sobre a liderança de um dos líderes mais populares e, talvez, o mais brasileiro de todos os líderes deste país.”

” Ao seu lado, presidente, a minha geração e a geração dos que me sucedem, conseguiu realizar seus sonhos. Sonhos que começam na dura resistência à ditadura, que passam pela redemocratização, que passam por todas as lutas e os movimentos sociais por direito, dignidade, justiça e liberdade neste país e soberania.”

“Com o senhor, nós vencemos e vamos vencendo a cada dia. Vencemos a miséria, a pobreza, vencemos a submissão, vencemos a estagnação, vencemos o pessimismo, o conformismo e a indignidade.”

” Nós convivemos com a diferença ”

“Vencemos porque seu governo mostrou que o verdadeiro desenvolvimento é filho da democracia e irmão da liberdade.”

” O povo brasileiro sempre nos ensina a ser fortes. No governo nós aprendemos também a ser persistentes. Com a alegria do nosso povo, nós aprendemos muito. Com o senhor, nós aprendemos que nós temos de ser otimistas. Com nosso povo, aprendemos que temos de ser resistentes. E com o senhor aprendemos que temos de ser corajosos. Por tudo isso, podemos dizer que em apenas sete anos e meio nosso governo mudou o Brasil.”

“Nós sabemos que aqueles que lamentam, os viúvos do Brasil que crescia pouco, da estagnação, fingem ignorar o que esta mudança é uma mudança substancial. Têm medo. Eles não sabem o que oferecer ao povo, que hoje é orgulhoso, e tem certeza que sua vida mudou. Não aceita mais migalhas, parcelas ou projetos inacabados. No nosso governo, o povo não é coadjuvante. Ele é o centro de nossas atenções e é o protagonista da sua própria história.”

” Deixamos o governo (…) renovando nosso compromisso com as bandeiras que abraçamos e com o julgamento que fizemos cada vez mais de lutar para melhorar a vida do nosso povo. Esta tarefa ficou mais fácil depois dos caminhos abertos pelo governo. ”

” Nós nos despedimos, mas não somos aqueles que estão dizendo adeus. Somos aqueles que estão dizendo: até breve”.

” Nós não vamos nos dispersar. Nós, cada um dos ministros aqui presentes, temos um legado a defender onde quer que estejamos, lutando e exercendo a militância que tivermos de exercer. ”

” Sob sua inspiração, presidente, quem fez tanto está pronto para fazer mais e melhor. Estamos simplesmente dizendo até breve. Hoje, nós sabemos que o Brasil é um país pronto para dar um novo e decisivo passo rumo a um futuro de prosperidade econômica e social.”

” A democracia não é a consolidação do silêncio, mas a manifestação de múltiplas vozes. ”

” Não importa, agora, perguntar por que alguns não têm orgulho dos governos que participaram. Eles devem ter seus motivos. Mas nós podemos sempre saber que temos um patrimônio, nós que fizemos parte da era Lula. Vamos carregar essa história e contá-la para nossos netos.”

” Eu tive o privilégio de conviver com o sr., presidente. De privar dos momentos duros e dos momentos de vitórias e conquistas. ”

” O Brasil deixou de ser aquele país em que o futuro nunca chegava. É o futuro que chegou e nós chegamos junto. Isso não tem preço, presidente. É isso que sempre vai fazer de nós orgulhosos desta experiência. VAi fazer de nós aqueles que sabem também que agora trata-se de ampliar aquele futuro que chegou no presente.”

31/03/2010 - 22:00h Boa noite


Julian Bliss (clarinete) sob regência de Jiri Belohlavek, no primeiro movimento do Concerto para Clarinete de Mozart

31/03/2010 - 21:29h Jan Saudek

http://www.hotels-in-bratislava.com/blog/uploaded_images/jan_saudek-760530.jpg

http://www.arcadja.com/artmagazine/en/wp-content/gallery/080321-jan-saudek/jan-saudek-3.jpg

http://images.artnet.com/WebServices/picture.aspx?date=20081114&catalog=149028&gallery=111402&lot=00185&filetype=2

http://img.photobucket.com/albums/v506/VitorM/TheLovers2-JanSaudek1987.jpg

http://images.artnet.com/WebServices/picture.aspx?date=20080220&catalog=130732&gallery=110889&lot=00006&filetype=2

http://www.6nf.ca/sorrow/saudek01.jpg

http://himmelweg.blog.lemonde.fr/files/2008/01/jan-saudek-knife.1200572666.JPG

31/03/2010 - 20:10h Porque o amor leva ao suicido

Pourquoi l’amour mène au suicide

Agnès Giard – les 400 culs

Pourquoi certaines personnes se mettent-elles en couple alors qu’elles souffrent ensemble? Pourquoi ce qui les sépare les unit-elles? A la recherche de sa mère suicidée, Sandrine Fabbri explore dans un livre intitulé La Béance le mystère de ces amours impossibles, ces amours qui naissent du vide entre les sexes.

Kroll-baiser

A l’âge de 11 ans, Sandrine Fabbri, journaliste et écrivain, perd sa mère dans des circonstances traumatisantes : sa mère se jette par la fenêtre du 4eme étage. Nous sommes un 13 juillet. 27 ans plus tard, un 13 juillet, le père de Sandrine Fabbri décède à son tour, comme s’il avait choisi, du fin fond de son coma, cette date précise pour retrouver sa femme dans la mort. Entre les deux, une béance. Sandrine part alors sur les traces de ses parents, afin d’élucider le mystère de ces vies brisées. Dans un récit autobiographique proche du polar noir, au fil d’une enquête menée sur le fil du rasoir, Sandrine reconstitue la vie de sa mère afin de comprendre.

Tout commence par une énigme. A l’âge de 23 ans, sa mère, la belle Sylvia renonce à sa folle jeunesse, à ses amants et à ses robes de bal pour épouser un homme qui lui fait la cour avec insistance, pour un homme dont elle pressent qu’il ne la rendra pas heureuse. Cet homme s’appelle Natale Fabbri (traduction en Italien de son vrai nom, Darko Kovac). C’est un homme d’origine slovène, à la rigueur toute machiste, au mutisme imperturbable, à la galanterie raide et sévère. “Il voulait fonder une famille, explique Sandrine. Et il l’a choisie, elle qui ne voulait que jouir de la vie. Pourquoi ? Et elle, pourquoi l’a-t-elle épousé si, dès le début, elle partait ? Pourquoi a-t-elle cédé, lui a-t-elle cédé ? Qu’est-ce qui lui a plu dans cet homme ? Personne jamais ne m’a donné de raison valable. Ou ne s’est donné la peine d’en chercher. Elle n’aurait pas dû l’épouser. Point. Malgré les danses, malgré les caprices, malgré la galanterie. C’était une erreur. C’est tout, pourquoi chercher plus loin. Mais on ne commet pas une telle erreur, une erreur mortelle, sans rime ni raison.

Le récit de Sandrine Fabbri a quelque chose d’universel. Tout le monde a dans sa famille l’exemple d’une femme qui est restée avec un homme, pour son plus grand malheur. Peut-être parce qu’il l’aimait ? Et même si cet amour avait quelque chose d’étouffant ? Tout le monde a dans sa famille un suicide. Et tout le monde se demande : pourquoi.

Pourquoi se sont-ils mariés, alors qu’ils se faisaient du mal. Pourquoi n’ont-ils pas divorcé. Pourquoi ont-ils transformé leur union en prison, jusqu’à ne plus trouver d’autre issue que la mort ? A l’âge de 23 ans, une jeune femme volage et libérée épouse un homme qui cache une faiblesse honteuse derrière son machisme. Du jour au lendemain, elle arrête de travailler, de sortir, de s’amuser, de boire, de faire la folle… et elle devient folle. Trois séjours en hôpital psychiatrique. Des prises quotidiennes de médicaments. Puis le suicide. Sandrine Fabbri reste seule avec son père, qui se contente de répéter : “Elle m’a aimé jusqu’à la fin”. Pour lui, ça ne fait aucun doute. Cette chute n’était qu’un accident. Un terrible accident. Sandrine, elle, grandit dans cette atmosphère de déni avec le sentiment terrible d’avoir à venger sa mère. Sa mère sacrifiée sur l’autel du mensonge. Mais quel non-dit se cache derrière le suicide ? Quel lourd secret a poussé Sylvia du haut du 4e étage ?

Au XIIIe siècle, le mot béance signifie “désir, intention”. Et c’est d’ailleurs toujours ainsi qu’on utilise ce mot, dans une langue un peu relevée. “Souvent, les objets semblent soumis à une force d’attraction qui les retient aux lisières du cadre, comme pour laisser place à un vide central et surexposé”, explique par exemple ce critique d’art – Jean-Baptiste Para – au sujet d’une artiste qui représente le désir comme “l’espace entre les choses, cette béance où elles se tiennent et où elles découvrent comme l’écho d’une déchirure intérieure”. Ce vide qui sépare l’homme de la femme créé une attraction entre eux. De la même manière, peut-être, que ce vide qui nous sépare des étoiles nous incite à grandir, à nous lever, à rêver d’ailleurs. C’est le vide qui nous fait créer. “Ce vide est encore le ciel, quand le ciel est l’autre nom d’une tension vers l’absolu qui fait croître les humains vers leur propre humanité”, dit Jean-Baptiste Para. Ce vide est “l’irreprésentable énergie du désir” qui nous pousse parfois vers ceux qui sont à des années-lumières de nous.

Pas de désir sans déchirure, sans séparation, peut-être même sans blessure. La plupart des mythologies le répètent. Pour que le désir naisse, il faut séparer l’homme de la femme, le ciel de la terre et établir une frontière nette entre les choses. On connait la Genèse : “Au commencement, Elohim créa le ciel et la terre. Puis Elohim sépara la Lumière des Ténèbres. Ensuite Elohim dit: «Qu’il y ait une voute entre les Eaux et qu’elle sépare les Eaux en deux»”… A l’opposé de ce processus de claire différenciation qui autorise la vie, on trouve d’autres récits dans les textes anciens qui assimile l’indifférenciation à la mort. Ainsi dans l’Evangile des Egyptiens, Lorsque Salomé demande au Seigneur quand seront révélées les vérités sur la fin, il répond : “Quand vous foulerez au pied les voiles de votre pudeur, quand les deux sexes deviendront un seul, quand le sexe masculin sera comme le sexe féminin et qu’il n’y aura plus ni l’un ni l’autre”. “Cette indifférenciation dangereuse menace dans tous les mythes”, précise Serge Cassen, archéologue, chercheur au CNRS qui, dans Exercice de Stèle, cite un texte celte de Mag Tured en Irlande. Ce texte annonce la fin du monde quand “le fils ira dans le lit du père / le père ira dans le lit du fils / chacun sera le beau-père de son frère”.

“Autres récits, autres mythes eurasiatiques, continue Serge Cassen : Cronos tranche le sexe de son père Ouranous, et du membre divin à la surface des eaux sort le sperme qui, mêlé à l’écume marine, forme une jeune fille (Aphrodite). Cronos détruit ainsi la trop grande proximité de Gaia (la Terre) et Ouranous (le Ciel) dont les embrassements excessifs bloquaient le processus de génération, les deux ne faisant plus qu’un par ce coït incessant. Désormais, avec Aphrodite, l’amour s’accomplit par l’union des principes qui restent distincts et opposés, où les contraires s’ajustent et s’accordent, mais ne fusionnent pas.”

On retrouve cette idée d’une différenciation primordiale dans la plupart des récits fondateurs en Afrique, en Amérique, en Asie ou dans le Grand Nord. Certains de ces mythes justifient d’ailleurs les pires coutumes, telles que l’excision : il faut bien éliminer dans la femme ce qui la rend si proche de l’homme, n’est-ce pas ? Son clitoris (un gland miniature) doit être coupé, “afin que s’instaure une distance minimale, pour éviter la rencontre du même avec le même”. Je ne sais pas si la circoncision relève de la même logique. S’agit-il, en enlevant le prépuce, de donner une apparence plus virile au sexe masculin, celle d’un pénis définitivement décalotté ? “Frères et sœurs doivent tout autant être séparés”, insiste Serge Cassen qui souligne l’universalité du tabou de l’inceste et la longue tradition des jumeaux légendaires qui finissent toujours par s’affronter: “Pollux doit déleguer à Castor la moitié de son immortalité, Zethos domine Amphion, Romulus tue Remus, Cain Immole Abel. Toujours l’un est sacrifié et l’autre devient le héros fondateur.” Tous ces mythes énoncent une même vérité: qu’il faut diviser les êtres pour qu’adviennent l’amour, le désir et la pro(création). Et que les êtres ne sont attirés les uns vers les autres que parce qu’ils pensent pouvoir ainsi reconstituer une unité perdue. Ce que René Descartes résume en une phrase dans Les Passions de l’âme.

Le principal désir est celui qui vient des perfections qu’on imagine en une personne qu’on pense pouvoir devenir un autre soi-même : car, avec la différence du sexe, que la nature a mis dans les hommes ainsi que dans les animaux, elle a mis aussi certaines impressions dans le cerveau qui font qu’en certain âge et en certain temps on se considère comme défectueux et comme si on n’était que la moitié d’un tout dont une personne de l’autre sexe doit être l’autre moitié: en sorte que l’acquisition de cette moitié est confusément représentée par la nature comme le plus grand de tous les biens imaginables”. Descartes oublie les homosexuel(le)s au passage, mais qu’importe. Reprenant l’image platonicienne de l’androgyne primitif, l’être parfait formé de deux corps étroitement imbriqués (mâle-femelle, femelle-femelle, ou mâle-mâle), Descartes explique le désir comme une sorte d’instinctive tentative de combler le manque. Nous ne sommes complet qu’à deux, dit-il. L’altérité nous ronge. C’est cette sensation d’inachèvement qui nous pousse les uns vers les autres. Et c’est pour entretenir cette indispensable béance que la plupart des sociétés dans le monde ont mis en place l’idée que l’homme devait se différencier de la femme non seulement sur le plan biologique mais sur le plan symbolique.

Sans en être vraiment conscients, nous sommes déterminés par des mythes à trouver plus attirant l’homme qui vient d’ailleurs, l’homme à des années-lumière, et la femme qui vient de Vénus. Nous voulons un(e) partenaire différent(e) mais complémentaire. Nous le/la choisissons suivant le principe des pleins et des creux, afin que l’autre pallie nos faiblesses et comble nos attentes. Ce que les sexes disent de la façon la plus concrète, en s’emboitant, nos coeurs le formulent en métaphores ambigües: “Je me pétrifie d’amour!… Je ne fais plus qu’un dans sa beauté !” (Céline, Mort à crédit)… Aimer et mourir.

La Béance, de Sandrine Fabbri, éd. d’en bas. Exercice de stèle, de Serge Cassen, éd. Errance.

Explorant la même douloureuse énigme que le livre de Sandrine Fabbri, le film japonais La Chambre noire raconte l’histoire d’un homme dont la femme s’est suicidée et qui passe sa vie à courir après des femmes, dans l’espoir de comprendre la seule qui lui ait échappé. C’est un classique plutôt atypique des Roman Porno (film érotico-romantique) de la Nikkatsu.

Illustration : Eric Kroll.

31/03/2010 - 19:56h Água

[Toni+Frissell.jpg]
© Foto de Toni Frissel. Weeki Wachee spring. Flórida, 1947. Fonte Images & Visions

31/03/2010 - 19:30h Ernani

Placido Domingo na ópera Ernani, de Verdi

31/03/2010 - 19:03h Epicédio à Palavra ou No princípio era o Verbo

De Pedro Archer – publicada por Carlos Vinagre – Incomunidade

Ávida se eleva por detrás do cipreste,
O auripurpúreo céu fende fulgente,
Alva e taciturna, astro remanescente,
A funérea Lua na mortalha celeste.

E tu, que lasso jazes, Verbo infausto e errante,
Ante as álgidas ermas lousas sepulcrais,
Dormindo, arredando, das almas triviais
A rude inveja-luz dum passado distante.

Ergue-te, ó indómito defunto! É hora!
Extingue-te da morte e envagina a espada
Brilhante ao raiar sombrio da nocturna luz!

E eis que assim renasce como outrora, agora…!
Perece enfim a imbele modorra, imaculada,
Com Hercúlea força corre a Palavra a flux.

Por: Pedro Archer

31/03/2010 - 18:01h Melodia ao crepúsculo


Melodie au Crepuscule – Fapy Lafertin & Tim Kliphuis

31/03/2010 - 17:09h Empresas começam a retirar o bisfenol A, substância potencialmente cancerígena, das mamadeiras

Atenção

O Globo

Bisfenol A, substância  cancerígena, começa a ser retirada das mamadeiras / Foto do The  Independent

RIO – Diversas marcas ainda vendem mamadeiras feitas com bisfenol A (BPA), uma espécie de resina nociva à saúde encontrada na maioria dos plásticos. Para muitos cientistas, a substância pode estar por trás do aumento de algumas doenças, entre elas o câncer de mama, os distúrbios cardíacos, a obesidade e a hiperatividade. Na Inglaterra, empresas de mamadeira estão silenciosamente retirando o bisfenol A de seus produtos, como mostra a reportagem publicada hoje no jornal “The Independent”.

A venda de plásticos contendo este tipo de fenol é proibida no Canadá e em alguns estados americanos. O Food and Drug Administration (FDA), órgão regulador americano, fez um alerta e pediu que os pais reduzissem a exposição de seus filhos a embalagens plásticas, mamadeiras, chupetas, copinhos e até brinquedos contendo a substância. Um estudo feito pela Universidade de Cleveland indica que 90% dos adultos têm traços de bisfenol A no organismo.

Leia mais: EUA alertam para risco de substância usada nos plásticos

O BPA é usado em plásticos para dar sua forma e é utilizado na fabricação da maioria dos produtos que contém o material. Isto inclui computadores, celulares, copos, potes, estantes, brinquedos e peças de carro, entre outros. Somente na Inglaterra, a substância está presente em quase todos os produtos infantis.

A Breast Cancer UK iniciou uma campanha na Inglaterra exigindo a retirada do bisfenol A de todos os produtos infantis. Segundo Clare Dimmer, diretora da instituição, “o cinismo das grandes empresas é impressionante. Apesar dos inúmeros problemas de saúde listados por pesquisadores e do alerta do FDA, os fabricantes continuam afirmam que é perfeitamente seguro usar a substância”.

De acordo com cientistas independentes, o BPA pode ser um dos motivos pelo aumento de diversas doenças como o diabetes, problemas de fertilidade e a má formação fetal. Uma das maiores preocupações é com o bisfenol A em grávidas e em crianças pequenas. A substância pertence a uma classe de químicos que podem atraplhar as funções endócrinas e alterar o funcionamento do hormônio feminino estrogênio.

Enquanto o fenol ainda não é proibido, a pesquisadora Vyvyan Howard, da Ulster University, sugere que os pais usem mamadeiras, potes e copinhos de vidro para alimentar seus filhos. As grávidas também devem limitar a exposição ao BPA.

- A evidência de que o bisfenol A faz mal é grande. Todos, principalmente grávidas e crianças pequenas, devem evitar estes produtos – diz a pesquisadora.

Nos Estados Unidos, as seis maiores empresas de mamadeiras pararam de usar o bisfenol A em sua produção, após o alerta do FDA e da pressão de ONGs e grupos científicos. Entre as mamadeiras importadas, a Phillips Avent fabrica uma versão com polipropileno e sem BPA. A marca Born Free afirma que sempre produziu mamadeiras sem bisfenol A. A Mothercare pretende lançar uma linha de mamadeiras sem a substância até o fim de 2010. A Nuk vai parar de produzir produtos para crianças com este fenol até o fim do ano e a linha Tommee Tippee produz mamadeiras sem BPA desde o início do ano. A empresa, que produz várias linhas da Disney, alega que vai retirar o bisfenol destas mamadeiras até o fim de 2009. No Brasil, a substância é liberada, e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária permite que as empresas utilizem até 0,6 mg por quilo do produto.

31/03/2010 - 16:42h Relação dívida sobre PIB deve fechar 2010 em 40%, diz Altamir

Leia mais: Dívida pública média dos países da OCDE vai atingir 100% do PIB (ver Dívida de países ricos infla com a crise)

***


Segundo chefe do Departamento Econômico (Depec) do BC, Altamir Lopes, meta de superávit deve ser cumprida

Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, da Agência Estado

BRASÍLIA -

O chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, Altamir Lopes, previu, nesta quarta-feira, 31, que a tendência é de desaceleração da relação entre a dívida líquida do setor público e o Produto Interno Bruto (PIB). Segundo ele, a dívida líquida do setor público deve fechar o ano de 2010 em 40% do PIB. Em fevereiro, a dívida líquida subiu para 42,1%, mas deve fechar o mês de março em 42% do PIB, de acordo com a previsão do chefe do Depec.

A previsão de dívida líquida em 40% do PIB no ano foi feita por Altamir Lopes com base nos seguintes parâmetros: cumprimento da meta cheia do superávit primário das contas do setor público (3,3% do PIB); juros médios de 10,08%; câmbio, ao final do ano, de R$ 1,80; IGP-DI de 6,8%; e crescimento do PIB de 5,80%.

O chefe do Depec destacou que a projeção de 40% leva em conta um aumento dos juros, uma vez que a taxa dos juros médios, até fevereiro, estava em 9,28%. “Ao final do ano teremos, de fato, uma tendência de desaceleração da dívida líquida do setor público”, afirmou Lopes.

Meta do superávit

Lopes avaliou que o superávit primário das contas do setor público no bimestre – de R$ 17,044 bilhões – é bastante expressivo e indica cumprimento da meta de 3,3% de superávit primário das contas do setor público. Segundo ele, apesar de ainda estar longe da meta o superávit primário de 2,21% em 12 meses, até fevereiro, a tendência agora é de aumento do porcentual.

O chefe do Depec previu uma melhoria do superávit primário com o processo de recuperação das receitas. Segundo ele, o superávit de R$ 859 milhões nas contas do setor público, em fevereiro, “é relativamente baixo”, considerando-se o processo de recuperação de receitas que já está acontecendo.

Lopes atribuiu esse resultado menor, de fevereiro, ao desempenho das contas do Governo Central (Governo Federal, Banco Central e INSS). Segundo ele, o governo federal teve que pagar royalties e fez elevadas transferências de recursos para Estados e municípios, o que impactou o resultado.

Essas transferências mais elevadas ajudaram, segundo ele, as contas dos Estados, que apresentaram um superávit primário de R$ 3,719 bilhões.

O chefe do Depec observou que se, por um lado, o resultado do Governo Central foi ruim, por outro, os governos estaduais apresentaram resultado positivo. Ele classificou de “ruim” o resultado das estatais federais, que apresentaram um déficit primário de R$ 2,002 bilhões.

Altamir Lopes atribuiu o resultado ruim das empresas estatais federais ao pagamento de dividendos.

31/03/2010 - 16:16h PCdoB articula aliança com Paulo Skaf para o governo e incomoda PT em SP

Claudio Leal – Terra Magazine

As articulações do PCdoB com o presidente da Fiesp e pré-candidato do PSB ao governo paulista, Paulo Skaf, provocam divergências entre comunistas e a direção nacional do PT. Nasce incômodo também da candidatura do cantor Netinho de Paula ao Senado, que concorre no mesmo campo da ex-prefeita paulistana Marta Suplicy (PT).

O líder do governo na Câmara Federal, Cândido Vaccarezza (PT-SP), chegou a defender o nome do comunista Aldo Rebelo em lugar de Netinho, no que foi rebatido pelo ministro dos Esportes, Orlando Silva. O presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, e a presidente estadual, Nádia Campeão, abriram os diálogos com Skaf. Dentro do partido, há opiniões opostas quanto aos frutos da aliança.

Na semana passada, numa reunião do comitê político do PCdoB, o delegado Protógenes Queiroz (responsável pela Operação Satiagraha), o pré-candidato ao Senado Netinho de Paula, o vereador Alcides Amazonas e Nádia Campeão, defenderam o apoio a Skaf. Na avaliação do grupo, essa candidatura ajudaria a dividir os votos do PSDB no Estado. Para além disso, consideram importante a união em torno do “socialista”. Aliado nacional da legenda, o senador Aloizio Mercadante concorrerá ao governo pelo PT.

Como parte das articulações, Protógenes Queiroz, candidato à Câmara Federal, tomou café-da-manhã com Paulo Skaf na última segunda-feira, na Fiesp. O encontro durou mais de três horas. Ontem foi a vez de Nádia Campeão conversar durante uma hora com o provável aliado. A nova rodada de debates do comitê político do PCdoB vai ocorrer depois da Semana Santa, em 5 de abril.

31/03/2010 - 15:54h PT de Minas defende candidatura própria ao governo do Estado em carta a Lula

‘Acreditamos que Minas também merece ter o PT administrando seu destino’, afirmam representantes do partido em manifesto entregue ao chefe de gabinete do presidente

Eduardo Kattah, de O Estado de S. Paulo

Representantes do PT de Minas Gerais entregaram nesta terça-feira, 31, a Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um manifesto e a resolução aprovada recentemente em apoio a uma candidatura própria ao governo do Estado, informou o Diretório Estadual do partido. “Acreditamos que Minas também merece ter o PT administrando seu destino”, diz o manifesto, assinado pelos pré-candidatos Fernando Pimentel e Patrus Ananias, além de prefeitos, vice-prefeitos, deputados federais e estaduais.

Segundo o PT-MG, no encontro com Carvalho, foi entregue também uma pesquisa realizada nos dias 27, 28 e 29 de março pelo Instituto Sensus, que “demonstra a viabilidade eleitoral de uma candidatura própria petista em Minas.”

Na disputa com o PMDB de Hélio Costa pela indicação do cabeça-de-chapa, o PT iniciou um processo para tentar ganhar tempo e convencer o presidente Lula a apoiar uma candidatura própria no segundo maior colégio eleitoral do País. Costa é, entre os pré-candidatos, o mais bem colocado nas pesquisas de intenção de voto e Lula já teria manifestado uma preferência pelo peemedebista para não ameaçar o acordo nacional em torno da candidatura presidencial de Dilma Rousseff.

No manifesto, Costa ou o PMDB não são citados. “Em Minas Gerais, o PT tem candidatos, que podem fazer mais e melhor por nossa terra e nossa gente”, diz o texto.

A comitiva petista era composta pelo presidente estadual do partido, deputado federal Reginaldo Lopes, e por uma comissão de negociações integrada por apoiadores das duas pré-candidaturas do PT ao governo. “O partido deixou para trás antigas diferenças e hoje está unido em torno de um forte ideal: oferecer o melhor para Minas Gerais”, afirmam os petistas no manifesto.

31/03/2010 - 11:36h O trololó desmascarado

31/03/2010 - 11:07h Gabrielli: não é justo Rio ter 80% dos royalties


Presidente da Petrobras critica sistema atual e compara recursos fluminenses aos da Bahia, mas discorda da emenda Ibsen

Ronaldo D’Ercole – O GLOBO

SÃO PAULO e RIO. O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse ontem que considera injusta a forma como os royalties do petróleo são distribuídos atualmente entre os estados brasileiros. A afirmação foi feita durante evento com empresários, em resposta à pergunta de um dos participantes, que quis saber a opinião de Gabrielli sobre a emenda Ibsen.

Ressaltando tratar-se de uma posição pessoal, e não da empresa que dirige, ele afirmou que o sistema de distribuição atual, em que o Rio de Janeiro leva 80,9% dos royalties recolhidos sobre todo o petróleo produzido no país, “está errado”.

Em defesa da mudança nas regras atuais, Gabrielli citou a disparidade que existe entre o que a Bahia, seu estado natal, recebe de royalties e o que é embolsado pelas prefeituras e o governo do Estado do Rio.

— Manter os critérios atuais em que o Rio de Janeiro levou, em participações especiais e royalties, em 2009, R$ 7,5 bilhões, e o meu estado, a Bahia, levou R$ 240 milhões, não é uma distribuição justa.

Cabral não quis comentar declarações de Gabrielli No entanto, para Gabrielli, o modelo proposto pela emenda do deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS), que não diferencia os royalties distribuídos aos estados e municípios produtores de petróleo dos demais, também está equivocado.

— Não concordo com a emenda Ibsen também, porque o distributivismo total não está correto — disse.

O presidente da Petrobras lembrou que, como estabelece a Constituição, os recursos da exploração do petróleo pertencem à União, aos estados e aos muncípios. Mas ele insistiu que esse dinheiro precisa ser mais bem distribuído: — Agora, (a Constituição) não diz que têm de ser recompensados na desigualdade que existe na distribuição atual.

Dizendo não usar o termo “estado produtor”, porque são áreas onde “está localizada a atividade de exploração e desenvolvimento da produção” de petróleo, Gabrielli defendeu a diferenciação na distribuição do royalties, porque efetivamente nessas localidades o impacto é maior: — É preciso lembrar que o royalty ocorre como pagamento de um produto que vai se exaurir em determinada localidade.

Então, é necessário que aquela localidade tenha um recurso maior que outras.

O governador do Rio, Sérgio Cabral, não quis comentar as declarações do presidente da Petrobras sobre a suposta injustiça na divisão dos royalties.

Depois de Gabrielli detalhar as estratégias da estatal para a exploração do petróleo da camada do pré-sal, que irão consumir R$ 88 bilhões em investimentos somente este ano, e um total de R$ 249,8 bilhões até 2014, outro empresário perguntou se ele não temia que esses planos fossem mudados na eventualidade de uma vitória da oposição nas eleições presidenciais.

Em resposta, Gabrielli observou que a Petrobras tem 56 anos e é uma empresa disciplinada, e que sempre “planejou além dos governos”.

Mas reconheceu que todo governo pode dar uma orientação própria à companhia. Por isso, disse que seria interessante que os candidatos tornassem públicos seus projetos para a Petrobras: — Só espero que haja clareza do que o (próximo) governo vai fazer com a Petrobras, se vai querer privatizar, se vai querer inibir o crescimento dela, se vai querer que ela continue fazendo o que faz.

‘Não tem plano B. Nós vamos buscar dinheiro no mercado’ Em sua exposição aos empresários, Gabrielli afirmou que a estatal está próxima do seu limite de endividamento, e que por isso terá de capitalizarse ainda este ano. Sobre os riscos de a proposta de capitalização que tramita no Congresso, cujos recursos contemplam também o pagamento da “cessão onerosa” ao governo, ele afirmou: — Não tem plano B. Nós vamos buscar dinheiro no mercado. O que se está discutindo (no Congresso) é dimensionar o valor da capitalização para quitar também a cessão onerosa.

31/03/2010 - 10:43h Concurso aberto. Envie sua réplica

“Serra ironiza Lula e diz que Rodoanel não tem problema com TCU” (manchete do Estadão)

Acordo com Ministério Público para obras no rodoanel de São Paulo será monitorado pelo TCU Folha de  Propriedades
O Tribunal de Contas da União vai monitorar o termo de ajuste de conduta assinado pelo Ministério Público Federal com empresas e órgãos responsáveis pelas obras do trecho sul do Rodoanel de São Paulo. O termo foi assinado com base em apuração do TCU e evita prejuízos com pagamentos indevidos, além de garantir a finalização das obras sem aumento de preço. O ajuste ainda foi considerado pelo TCU uma forma de se evitar a interrupção de repasse de recursos para a construção do trecho sul do rodoanel, que já tem 90% das obras concluídas. Em auditoria feita em 2009, o TCU constatou a realização de pagamentos adiantados que ultrapassavam 236 milhões de reai, pagamentos por serviços não incluídos no contrato e alterações de projeto com reflexos econômicos sobre o orçamento original e o custo real da obra. O TCU também está apurando outras irregularidades verificadas em auditoria de 2008, ainda não finalizada. TCU: Fiscalização a serviço da sociedade.

Voz do Brasil Benefícios da atuação do TCU Folha de  Propriedades
O Tribunal de Contas da União é o órgão que fiscaliza o correto uso do dinheiro público em benefício da sociedade. Para prestar contas de suas ações, o TCU encaminha a cada três meses relatório de atividades ao Congresso Nacional. No terceiro trimestre deste ano, o relatório destaca que as ações do tribunal de contas renderam benefícios à sociedade de mais de nove bilhões de reais. Isso significa que para cada real gasto com o tribunal, o país economizou trinta e quatro reais. O documento ressalta a atuação preventiva do tribunal para evitar graves prejuízos aos cofres da União, principalmente na fiscalização de obras. Durante o ano, foram fiscalizadas mais de duzentas obras de grande porte em todo o país. Entre elas estão as obras do Rodoanel em São Paulo e da Usina Nuclear Angra três no Rio de Janeiro. Somente nessas duas obras as orientações do TCU evitaram um prejuízo potencial de quatrocentos e sessenta milhões de reais, sem a necessidade de paralisação dos trabalhos. TCU: fiscalização a serviço da sociedade.

Contribuição de marcioablima via twitter

31/03/2010 - 10:40h Concurso aberto. Envie sua réplica: Omissão, verdade e mentira no discurso do Serra na inauguração do Rodoanel Sul de SP

Isso que estão espalhando de que o Serra impediu os professores de entrar na inauguração é um mal-entendido. Segundo informações fidedignas do Dimenstein, o homem dos 3,7 milhões de reais, o que o Serra quis fazer foi evitar expor os professores a riscos, pois poderia cair um viaduto do Robanel em suas cabeças… Foi o que saiu em http://wp.me/py9tu-nL

Jefferson

O rodízio retira das ruas 20% dos carros de dentro do cinturão das marginais todos os dias da semana, e não resolve. Uma redução de 15% diminuiria a média de 250Km para 220Km de congestionamentos médios diários. Grande porcaria!! São Paulo é inviável, insustentável, produto da megolamania dos eleitores do PRI paulista e seus kassabinhos de estimação.

Geraldo Mendes

31/03/2010 - 10:38h S&P dá grau de investimento ao Estado do Rio

É a primeira unidade da Federação a alcançar a classificação. Para agência internacional, indicadores fluminenses melhoraram

Emanuel Alencar – O GLOBO

A agência internacional de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) informou ontem que concedeu grau de investimento ao Estado do Rio de Janeiro. A nota é dada a, por exemplo, empresas e países considerados seguros para se investir. O Brasil recebeu a classificação há dois anos, em abril de 2008, apenas quatro meses antes da explosão da crise financeira mundial, em setembro daquele ano. No país, para se ter uma ideia, o Brasil, a Vale e a Petrobras são grau de investimento. Segundo o governo estadual, nenhum estado do país tinha alcançado a classificação até o momento.

A S&P atribuiu o rating de crédito de emissor ‘BBBrsquo; na escala global e o rating de crédito de emissor ‘brAAA’ na Escala Nacional Brasil. Isso quer dizer que os títulos que o governo emitir são recomendados a investidores. Os grandes fundos de pensão americanos, por exemplo, por regras próprias, só podem aplicar em papéis com a nota.

Em relatório, a agência informa que a gestão das finanças “aprimorou de maneira significativa a capacidade operacional do Estado do Rio de Janeiro, melhorando seus indicadores fiscais e financeiros”. Mas ressalta que, “apesar de contar com um elevado nível de receitas próprias, a flexibilidade fiscal do estado continuará sendo restringida pelo grande volume de endividamento e pela contínua pressão de gastos”.

Ainda segundo o relatório, a economia do Rio é forte e diversificada, “cujo PIB per capita estima-se que seja 25% superior ao do Brasil”. A agência diz ainda que o desenvolvimento dos campos de petróleo na camada pré-sal no Estado “continuará oferecendo suporte à sua economia no médio prazo”.

Cerco a doações pode render R$ 390 milhões ao estado De Nova York, o secretário estadual de Fazenda, Joaquim Levy, comemorou: — O investment grade (grau de investimento) dá ao Rio condições muito mais favoráveis para conduzir suas políticas de investimento, que prevêem grandes projetos de infraestrutura, inclusive para os jogos Olímpicos e Copa do Mundo — disse Levy. — Estamos muito felizes.

Vale ressaltar a importância da transparência e da mudança de gestão que implementamos.

De olho em aproximadamente R$ 390 milhões que deixaram de ser recolhidos pelo governo do Rio desde 2005, a Secretaria estadual de Fazenda está apertando o cerco aos devedores do Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e por Doação de Quaisquer Bens e Direitos (ITD). A secretaria acaba de enviar cerca de 17 mil correspondências a quem, desde 2005, informou em suas declarações do Imposto de Renda (IR) ter feito doações sobre as quais não houve recolhimento do imposto. A base de cálculo é o valor venal do bem, título ou crédito, sobre o qual incide uma alíquota de 4%.

O valor total das doações indicado nas declarações supera R$ 9,8 bilhões — o que reverteria R$ 390 milhões aos cofres públicos. Entre elas, estão valores em espécie (dinheiro), ações, quotas de empresas, joias. Quem recebe um bem imóvel por doação ou herança também é obrigado a recolher.

Levy ressaltou que haverá anistia aos contribuintes que pagarem até 30 de abril.

31/03/2010 - 10:17h PAC-2: Estado de Rio quer R$ 3,6 bi para mais obras

Novas favelas a serem contempladas incluiriam as da Tijuca

Rogério Daflon, Gustavo Paul e Eliane Oliveira – O GLOBO

RIO e BRASÍLIA. O vice-governador Luiz Fernando Pezão disse ontem que o estado espera receber R$ 3,6 bilhões da segunda fase do PAC para investir esses recursos em saneamento e reurbanização de favelas e na melhoria do sistema de transporte urbano. A lista inclui favelas da Zona Sul (Leme), da Zona Norte (Tijuca, Mangueira, Juramento e Kelsons) e da Zona Oeste (Batam e Rio das Pedras). O governo também pretende abrir novas frentes de trabalho na Rocinha e nos complexos do Alemão e de Manguinhos.

— Ao fazer as intervenções, fomos descobrindo novas demandas dessas comunidades — disse Pezão.

Segundo o presidente da Empresa estadual de Obras Públicas (Emop), Ícaro Moreno, na Rocinha uma das ideias é fazer uma via com duas pistas na Estrada da Gávea. Há ainda projeto de mais dois planos inclinados, elevando o total para quatro.

Metrô e despoluição da Lagoa também contemplados

O Porto do Rio será o mais beneficiado com recursos do PAC-2, com vistas à Copa de 2014. O ministro da Secretaria Especial de Portos, Pedro Brito, revelou ao GLOBO que, dos R$ 740 milhões a serem gastos em obras nos terminais portuários brasileiros, R$ 314 milhões serão destinados ao porto carioca, para aumentar a capacidade de recepção de navios.

O governo federal decidiu incluir o corredor TransCarioca no PAC-2. O projeto, com custo estimado em R$ 1, 6 bilhão, prevê um corredor exclusivo de ônibus articulados (BRTs). O governo federal quer incluir o Aeroporto Internacional Tom Jobim, o que ainda está sendo avaliado pela prefeitura. Ao longo da TransCarioca serão instaladas 36 estações e dois terminais para embarque e desembarque de passageiros. A obra inclui dois mergulhões, quatro viadutos e a urbanização da área adjacente, entre outros detalhes. A previsão é de que o empreendimento seja iniciado ainda em 2010, para ser concluído em três anos.

Entre os projetos que o governo do estado quer beneficiar com recursos do PAC-2, Pezão citou ainda as linhas 3 e 4 do metrô, a despoluição da Baía de Guanabara, da Lagoa Rodrigo de Freitas e da Lagoa de Jacarepaguá.

— É provável que não sejam aproveitados todos os projetos, mas temos a nosso favor a realização da Copa do Mundo no Brasil e o fato de sediarmos as Olimpíadas — disse Pezão.

31/03/2010 - 10:09h Concurso aberto. Envie sua réplica: Omissão, verdade e mentira no discurso do Serra na inauguração do Rodoanel Sul de SP

Augusto Da Fonseca

Rodoanel de São Paulo

O Serra entregou ontem o trecho Sul do Rodoanel de São Paulo (o trecho em azul marinho, na imagem). Em seu discurso, utilizou omitiu informação relevante e utilizou argumento verdadeiro e um forte argumento falso e eleitoreiro.

1. Omissão


No release do portal do governo de São Paulo, não há uma menção sequer ao fato de que o Rodoanel de São Paulo é uma das grandes obras do PAC – aquele programa que as Organizações Serra (Globo, Folha, Estadão e Veja, entre outros) insistem em dizer que não sai do papel.

No balanço de três anos do PAC (período 2007-2009) a situação da obra era a seguinte:

RESULTADOS

- Realizados 44% de pavimentação e 66 obras de arte especial
- Lote 1 – realizados 12 km de terraplenagem e executados 67% da pavimentação. Concluídas 20 OAEs e em execução, 2 passagens superiores, 4 viadutos e 12 pontes
- Lote 2 – realizados 7 km de terraplenagem no eixo principal e 2 km nos ramos de acesso na interligação com a Via Anchieta, e 24% da pavimentação. Concluídas 6 OAEs e em execução: 12 passagens inferiores, 5 pontes e 6 viadutos
- Lote 3 – realizados 6 km de terraplenagem e 37% da pavimentação. Concluídas 10 OAEs e em execução 9 passagens superiores, 2 pontes e 5 viadutos
- Lote 4 – realizados 17 km de terraplenagem e executados 49% da pavimentação. Concluídas 30 OAEs e em execução 6 pontes, 12 PIs e 4 passagens superiores
- Lote 5 – realizados 18 km de terraplenagem e 32% da pavimentação. Em execução 1 passagem superior, 7 pontes e 4 viadutos


Segundo as Organizações Serra, via Contas Abertas, essa obra não seria concluída no prazo, dado ao que tinha sido gasto até então. No entanto, aí está a obra.

Do mesmo modo acontecerá com grande parte das obras que têm prazo para o segundo semestre deste ano. As Organizações Serra afirmam que não serão concluídas. Mas é bastante provável que sejam, pelo simples motivo de que não falta dinheiro. Ao contrário das obras do Avança Brasil do FHC e do Serra que tinha 35% das obras paralisadas em 2002 por falta de recursos financeiros.

Dos R$ 3,6 bilhões gastos nessa obra, R$ 1,2 bilhão são recursos do Orçamento da União. Ou seja, a rodovia é estadual e o governo federal entendendo a importância dela para a logística e para a redução do Custo Brasil, aplicou 1/3 do valor da mesma.

Governo federal petista para governo estadual tucano. Mostrem um exemplo que seja de atitude semelhante do FHC ou do próprio Serra para com governos de oposição.

2. Verdade


“Este é um ganho tremendo para o interior, para o litoral e para outros estados do Brasil porque caminhões que vêm para o litoral paulista não vão precisar mais atravessar a cidade de São Paulo”


De fato, qualquer obra de contorno de cidades de médio e grande porte é vital para a logística de passagem. Se o caminhão não vai para a cidade de São Paulo não tem porque entrar no trânsito infernal cultivado pelos tucanos há quinze anos.

Entretanto, muitos caminhões terão que entrar em São Paulo, já que não há Centros de Distribuição (CD) de cargas próximos ao Rodoanel. Se existissem, as carretas iriam para esses CDs, permitindo a desagregação das cargas fracionadas e sua logística em direção à capital em caminhões menores para distribuição das mercadorias para o comércio e a indústria.

3. Falso e eleitoreiro


“A obra também será responsável pela significativa redução dos congestionamentos”


Em alguns sites apareceu a informação de que haveria uma redução de 15% dos congestionamentos.

Como todos sabem, em São Paulo – incluindo a Região Metropolitana – o motivo dos congestionamentos é o volume gigantesco de automóveis circulando, sem restrição alguma. É assim em todas as grande cidades.

O Serra e o Kassab vêm há tempos tentando colocar a culpa dos congestionamentos nos caminhões. O que não faz sentido algum.

São menos de duzentos mil caminhões contra cinco milhões de automóveis.

Para reduzir os congestionamentos tem que fazer como Londres: criar o pedágio urbano e elevar os preços de estacionamento nas áreas de maior fluxo de automóveis. Não há outra alternativa; nem mesmo triplicar a oferta de trens e metrô resolve.

Anotem aí e me cobrem depois: a redução de congestionamento, se houver, será irrisória!


Augusto da Fonseca

http://festivaldebesteirasnaimprensa.wordpress.com/

31/03/2010 - 09:53h Copa e Olimpíadas dão trabalho aos cariocas

Rio já acumulou 9.583 novas vagas no primeiro bimestre deste ano; é o segundo melhor resultado da década

http://2.bp.blogspot.com/_8Us7czZwmqg/Sga9W-u22kI/AAAAAAAACD0/Ar9cbMdLk3A/s400/charge2009-copa2014.jpg

A previsão divulgada este mês pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) é otimista: o mercado de trabalho brasileiro deve gerar este ano dois milhões de vagas, o dobro das 995 mil criadas em 2009. Na cidade do Rio, que se prepara para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, a expectativa de abertura de novos empregos formais é ainda mais animadora, impulsionada pela recuperação econômica ocorrida no início do ano.

Após fechar 2009 sob os efeitos da crise econômica mundial, com o pior saldo entre trabalhadores admitidos e desligados dos últimos seis anos (51.540 novos empregos, contra 84.147 em 2008), o município do Rio acumulou 9.583 novas vagas no primeiro bimestre deste ano. É o segundo melhor resultado da década.

Os dados, levantados pelo Rio Como Vamos (RCV) no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, mostram que, em 2009, 706.242 funcionários foram desligados na capital, e 757.782 contratados (12% deles para o primeiro emprego).

O saldo da cidade representa 58% dos novos empregos gerados no ano em todo o estado, que fechou em 88.875 vagas. Já em 2010, o saldo de janeiro foi de 3.799 novas vagas, seguindo a tendência nacional, com o melhor resultado para o mês nos últimos dez anos. No mês seguinte, foi de 5.784, o quarto melhor fevereiro da década.

“Perspectivas de longo prazo são muito boas” Giselle Vilela, de 27 anos, moradora do Engenho Novo, viveu na pele as incertezas econômicas do ano passado e a recuperação deste início de ano. Em maio de 2009, foi demitida do emprego de propagandista no qual estava há mais de um ano. Era contratada de uma empresa que prestava serviço a uma multinacional, cujo contrato não foi renovado.

Em setembro, ela conseguiu emprego em outra terceirizada, para atender um laboratório de medicamentos fitoterápicos, com salário menor que o anterior. Já em janeiro, pediu demissão para ser representante comercial de um laboratório homeopático, agora com rendimento maior.

— Para uma época de crise, fechar o ano com saldo de empregos positivo é um resultado razoável. Este ano começou bem, com clara recuperação, e as perspectivas de longo prazo são muito boas, com projetos e investimentos que temos em andamento não só na capital, mas em toda a Região Metropolitana — avalia o economista, pesquisador do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS) e conselheiro do RCV, André Urani, que, no entanto, mostra uma preocupação. — A perspectiva é promissora, mas essa onda boa pode ser interrompida se a perda dos royalties do petróleo for confirmada e não houver nenhuma compensação fiscal para o estado.

Trabalhadores precisam de qualificação profissional O secretário municipal de Trabalho e Emprego, Augusto Ribeiro, mantém confiança e otimismo: — A cidade vive um momento excelente e a tendência de crescimento do mercado de trabalho formal é muito boa.

As obras do programa Minha Casa, Minha Vida e de preparação para a Copa e as Olimpíadas vão gerar muitos empregos, assim como os próprios Jogos. Há previsão de que 120 mil vagas relacionadas aos dois eventos sejam abertas por ano no Brasil até 2016. Acredito que 70% serão no Rio.

Economista-chefe do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas, Marcelo Néri, compartilha do otimismo.

Segundo ele, alavancado justamente por projetos como PAC, Copa e Olimpíadas, o mercado de trabalho no município está passando por um processo de transição da informalidade, que é uma característica carioca, para um modelo formal.

Mas para que esse processo continue, com a abertura de novas vagas de emprego com carteira assinada e com a formalização de quem hoje trabalha por conta própria, ele ressalta que é preciso que os governos invistam em educação, qualificação, apoio aos empreendedores e microcrédito.

— O Rio foi um dos primeiros municípios a aderir à lei federal do empreendedor individual (EI), no ano passado, e ao programa do microcrédito, que começou pelo Nordeste.

Isso é muito positivo para incentivar o trabalhador informal a se tornar EI, com CNPJ e os benefícios dessa condição.

Mas é fundamental a conjunção dos três níveis de governo para oferecer perspectivas a quem ingressa nessa modalidade de formalização. Também é preciso investir em educação e qualificação. A educação é o passaporte para o mercado de trabalho — diz Néri.

O secretário municipal de Trabalho concorda. Ribeiro diz que o principal problema detectado entre candidatos às vagas de emprego oferecidas em programas oficiais é a falta de instrução. O segundo, é a falta de qualificação profissional.

Ele conta que muitos dos que dizem ter o ensino fundamental apresentam dificuldade para ler e escrever. Para ajudar na qualificação de quem busca emprego, a secretaria oferece cursos. Este ano serão 10 mil vagas.

Comércio e serviço são as áreas com mais vagas

Indústria é outro setor importante, com 8,59% dos trabalhos com carteira assinada.

Mais de 60% das vagas dos empregos formais no município do Rio estão nas áreas de comércio e serviço. Os dois setores são predominantes na grande maioria das regiões administrativas (RAs), como mostra levantamento do Rio Como Vamos. As únicas exceções são Centro e Rio Comprido, onde o maior percentual está em administração pública e autarquias.

RAs como Copacabana, Santa Teresa, Lagoa, Vila Isabel e Complexo da Maré têm mais de 90% dos empregos formais em comércio e serviço.

Outro setor importante para a cidade é o da indústria, que, no entanto, é responsável por apenas 8,59% dos trabalhos com carteira assinada.

A RA com maior participação é Santa Cruz, com 36,17% dos empregos concentrados na indústria, contra os 52,48% de comércio e serviço.

A seguir vem Vigário Geral (29,91%), Inhaúma (28,63%) e Região Portuária (28,29%).

Com a inauguração da Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), justamente em Santa Cruz, prevista ainda para este semestre, o perfil do mercado de trabalho da RA poderá ser alterado. Quando estiver operando com força total, a empresa vai gerar 3.500 empregos diretos.

A CSA que, segundo o secretário Augusto Ribeiro, deve atrair outras empresas para a região, poderá mudar não só o perfil do mercado de trabalho da RA, mas de toda Zona Oeste que, acredita, se transformará em alguns anos num pólo industrial. Atualmente, a Área de Planejamento 5 (Zona Oeste) concentra cerca de 30% da população carioca, mas é responsável por apenas 6% dos empregos formais da cidade, contra 43% do Centro, 17% da Zona Sul e 10% de Barra e Jacarepaguá.

Cariocas querem mais geração de emprego Para o conselheiro do Rio Como Vamos André Urani, a Zona Norte, com 38% da população e 20% dos empregos, precisa, além da revitalização urbanística já planejada pela prefeitura, de projetos de recuperação econômica, para ampliar a oferta local de trabalho.

A presidente do RCV, Rosiska Darcy de Oliveira, destaca a importância da mobilização da população: — Na pesquisa de percepção que o Rio Como Vamos fez ano passado, perguntamos aos entrevistados quais as três questões que necessitavam de mais atenção do governo municipal. Geração de emprego foi apontada em primeiro lugar por 41%, o que mostra a expectativa da população e a responsabilidade do gestor público. Precisamos agora torcer e lutar para manter os recursos dos royalties no estado, para que as boas perspectivas para os próximos anos não sejam ameaçadas.

Nessa luta, a mobilização da população, que já se mostrou forte na passeata do dia 17, precisa ser mantida.

31/03/2010 - 09:47h A réplica do dia

“Serra ironiza Lula e diz que Rodoanel não tem problema com TCU” (manchete do Estadão)

De fato. As obras do Serra têm problema com o IPT e a polícia, dado os 7 mortos da cratera do metrô de SP
Comentário de: Alexandre Bueno, no Estadão 2.0



Concurso aberto. Envie sua réplica

31/03/2010 - 09:05h PIB da França recua 2,2% em 2009, seu pior desempenho desde o fim da 2.ª Guerra Mundial

Mesmo com o resultado negativo, desempenho francês foi o melhor entre as maiores economias da União Europeia no ano passado

Andrei Netto – O Estado de S.Paulo

CORRESPONDENTE/ PARIS
A economia da França, a segunda maior da União Europeia, teve em 2009 seu pior desempenho desde o fim da 2.ª Guerra Mundial, em 1945. O recuo de 2,2% no Produto Interno Bruto (PIB) foi confirmado ontem, em Paris, pelo Instituto Nacional de Estatística e Estudos Econômicos (Insee).

Apesar do índice pífio, a atividade resistiu melhor que em outras potências do bloco, como Alemanha e Reino Unido, e o desempenho no quarto trimestre aponta uma perspectiva positiva para este ano.

Os dados relativos ao último período de 2009 só foram divulgados de forma oficial ontem, embora projeções semelhantes tivessem sido publicadas em fevereiro.

Segundo cálculos do Insee, a economia do país cresceu 0,6% no quarto trimestre, 0,2% no terceiro e 0,3% no segundo ? quando se encerrou a recessão técnica no país.

A retomada tímida da atividade econômica, entretanto, foi insuficiente para apagar a queda do PIB do primeiro trimestre, que havia chegado a -1,3%.

“Na média do ano, o PIB recuou 2,2%, ou seja, a mais forte baixa do pós-guerra”, confirmou o Insee em seu relatório.

Poder aquisitivo. Apesar dos dados macroeconômicos negativos, o poder aquisitivo dos franceses surpreendeu, crescendo em meio à crise.

Em 2009, a capacidade de consumo aumentou 2,1%, acelerando o ritmo de alta, que em 2008 havia aumentado 0,7%. Já a massa salarial se manteve estável no ano passado, mesmo com a onda de demissões na indústria.

“O dinamismo do poder aquisitivo é explicado por dois fatores: de um lado, os impostos sobre a renda e o patrimônio, em claro recuo, e de outro o aumento do volume de recursos empregados nos programas sociais, que cresceram 4,8% no ano passado”, explicou o Insee.

Na França, a recessão foi interrompida mais cedo e foi menos severa que em outros países da Europa. A título de comparação, a Alemanha, maior economia do bloco, sofreu um revés de 4,9% em 2009, de acordo com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI).

No Reino Unido, a estimativa é de que o recuo tenha sido tão grave quanto o alemão: 4,9%, de acordo com o escritório estatístico britânico (ONS).

Apesar da crise de endividamento e dos déficits acentuados, as previsões dos três países são melhores para 2010. Na França, o Insee projeta um crescimento de 1,4%. Na Alemanha, a expectativa é de crescimento de 1,2% do PIB neste ano.

No Reino Unido, a perspectiva de crescimento se situa entre 1% e 1,5%, de acordo com as últimas projeções reveladas pelo ministro de Finanças, Alistair Darling.

31/03/2010 - 08:40h Até os ruralistas da UE aprovam o etanol

Agroenergia: Mas, como não poderia deixar de ser, a grande central agrícola europeia que proteger produtores locais

http://blogdofavre.ig.com.br/wp-content/uploads/2008/05/biocombustivel2.jpg

Assis Moreira, de Genebra – VALOR

A poderosa central agrícola europeia Copa-Cogeca recebeu favoravelmente um novo estudo europeu que confirmou os reflexos positivos dos biocarburantes sobre a redução de gases de efeito-estufa. Apesar da chancela, o grupo insiste em garantir uma boa parte da produção aos próprios europeus.

O relatório do Instituto Internacional de Pesquisa sobre Políticas Alimentares (IFPRI), por encomenda da União Europeia, mostrou que o etanol de cana-de-açúcar do Brasil é o mais eficiente para reduzir as emissões – mesmo levando-se em conta os efeitos indiretos do uso da terra -, e projetou importações “consideráveis” procedentes do Brasil.

Em comunicado, a Copa-Cogeca destacou que os biocombustíveis reduzem as emissões, diminuem a dependência europeia do petróleo e “promovem o emprego nas áreas rurais”.

A central identificou a expansão do consumo de biodiesel a partir de oleaginosas e de etanol a partir de cereais ou beterraba misturado à gasolina. E considera que a alta da demanda de matérias-primas agrícolas utilizada para produzir o biocarburante na UE até 2020 só necessita de um “leve” aumento da utilização de terras aráveis, entre 0,07% e 0,08%. Ou seja, a política europeia na promoção de biodiesel e etanol não terá efeito significativo no uso da terra em escala global.

Mas, contrariando o relatório, o grupo sustenta que esse efeito será maior se a liberalização do comércio dos produtos aumentar – ou seja, quer manter a maior fatia para os biocarburantes europeus, mesmo que a produção seja flagrantemente insuficiente para que a UE alcance suas metas.

A central agrícola europeia se apoia em pedir proteção, ainda mais no rastro de uma pesquisa da UE junto a 27 mil pessoas, divulgada ontem, que mostrou que os cidadãos europeus querem que o bloco gaste mais em subsídios para ajudar seus agricultores.

Os subsídios agrícolas na UE consomem 40% de um orçamento de US$ 175 bilhões por ano. Um novo orçamento está para ser negociado para os próximos anos. A maior surpresa é que 40% dos britânicos, dados como liberais, defendem mais ajuda para os agricultores, ante apenas 25% dos franceses. A França é o país que mais recebe subsídios agrícolas na UE.

De seu lado, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), que reúne usinas sobretudo do Centro-Sul do Brasil, acredita que a conclusão do relatório do IFPRI na defesa de um comércio mais aberto para os combustíveis renováveis permitirá que a política de biocombustíveis da Europa cumpra com seu comprometimento de reduzir as emissões de carbono no setor de transportes, principalmente porque o biocombustível mais eficiente em termos de redução de emissões será utilizado: o etanol de cana do Brasil, que reduz as emissões de gases de efeito-estufa em até 90% se comparado à gasolina.

Emmanuel Desplechin, representante-chefe da Unica na UE, ressalva que o estudo traz também imprecisões. Entre elas, o tipo de terra para a expansão da cana, que não levou em consideração o Zoneamento Agroecológico da cultura no Brasil, que previne a expansão de canaviais sobre qualquer tipo de vegetação nativa.

Desplechin nota que outro estudo publicado em 2008 pela Universidade de Wageningen, na Holanda, prevê que cerca de 62% da expansão da cana no Centro-Sul do Brasil ocorrerá principalmente sobre áreas de pastagem, enquanto 37,8% se dará em terras ocupadas por outras culturas.

Já a Copa-Cogeca ressalvou que o estudo divulgado pela UE é marcado por várias incertezas, diante do fosso entre dados disponíveis e ausência de validação concreta das análises. A central considera especialmente “irrealista” anunciar que os rendimentos europeus cairão 10%, em média, até o ano de 2020.

31/03/2010 - 08:20h Cada vez mais perto do etanol celulósico

Empresa traz para o Brasil enzimas capazes de auxiliar na produção de álcool a partir do bagaço de cana

Foto: Luiz Juttel/CTBE


Leandro Costa – O Estado de S.Paulo

A produção do etanol celulósico – o etanol extraído a partir da biomassa, como o bagaço de cana, por exemplo – pode finalmente ganhar escala industrial. Esse processo, que já é estudado há pelo menos uma década no mundo, pode aumentar em pelo menos um terço a produção de etanol no País, atualmente em 24 bilhões de litros, e tornar mais próxima a consolidação do mercado externo de biocombustíveis.

A Novozymes Latin America, multinacional de biotecnologia de origem dinamarquesa, que há dez anos estuda o desenvolvimento de enzimas capazes de aproveitar os resíduos agrícolas para produzir o etanol celulósico ou de segunda geração, como também é chamado, apresentou, durante o F. O. Licht”s Sugar & Ethanol 2010, na semana passada, em São Paulo (SP), sua nova tecnologia.

São duas enzimas que devem baratear o processo de hidrólise das biomassas. É esse processo que vai permitir às usinas obter glicose a partir dos resíduos da cana e ampliar, assim, a produção do biocombustível. “Já testamos a eficiência das enzimas em plantas de demonstração nos Estados Unidos, usando palha de milho. Agora, vamos comprovar a sua eficiência no Brasil, com o bagaço de cana”, diz o presidente da empresa na América Latina, Pedro Luis Fernandes.

Parcerias. A empresa diz que irá buscar parcerias com centros de referência, como o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC ), de Piracicaba (SP), e o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), de Campinas (SP), para montar plantas de demonstração, para simular o processo de produção do álcool celulósico em escala industrial.

O CTBE, por exemplo, irá concluir até o meio deste ano a primeira planta para experimentos com o etanol celulósico do País. “O prédio está quase pronto e as máquinas já chegaram. Até 2011 pretendemos realizar um grande experimento, com participação da comunidade científica”, diz o diretor do CTBE, Marcos Buckeridge.

Segundo ele, diferentemente de uma planta de demonstração, onde é possível apenas simular o ambiente industrial, a usina piloto em questão permitirá também o desenvolvimento de cada etapa do processo.

Buckeridge, que também é coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) do Bioetanol, diz que as descobertas nessa área têm avançado muito. “Em todo o mundo há o desenvolvimento de novas enzimas, o que pode baratear a produção do etanol de segunda geração. No ano passado, só o INCT investiu US$ 1 milhão e temos várias enzimas em ponto de descoberta científica”, revela.

Desafios. O esforço coordenado de pesquisa é outro fator que faz Buckeridge acreditar que o álcool celulósico tenha potencial para deslanchar. Segundo ele, apesar de o desenvolvimento das enzimas ser um ponto fundamental, há outros desafios, como a melhoria genética das leveduras que vão fazer a fermentação da glicose obtida da biomassa. “As leveduras que fermentam a glicose do caldo da cana não digerem a glicose vinda da biomassa da mesma forma. Por isso, temos trabalhado também na pesquisa de novas leveduras”, diz o pesquisador Buckeridge.

O programa de cana do Instituto Agronômico (IAC-Apta) também tem se voltado para o tema. Segundo o especialista em melhoria genética e diretor do Centro de Cana do IAC-Apta, Marcos Landell , já estão sendo identificadas variedades de cana que possuem alta produção de celulose e poderiam se encaixar bem na nova indústria. Entre elas, duas variedades lançadas recentemente merecem destaque, para o pesquisador: a IAC 91-1099 e IACSP 95-5000. “Elas têm o perfil biológico de alta produção de biomassa”, diz Landell.

O fato de o Brasil ter uma agroindústria de açúcar e álcool bem desenvolvida, além de matéria-prima abundante, põe o País em vantagem também em relação ao etanol celulósico. É o que pensa o gerente de Desenvolvimento Estratégico e Industrial do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), Jaime Finguerut.

Mais perto. “Nós não temos os milhões de dólares dos americanos, que pesquisam as enzimas na palha de milho. Mas estamos mais perto da linha de chegada”, diz. “Só o que precisamos fazer é acoplar o processo de hidrólise nas nossas usinas, que já são eficientes. O bagaço atualmente já está dentro da dinâmica das usinas. Moído, picado e pronto pra virar álcool”, diz Finguerut, citando o fato de que em outros países é preciso montar todo o processo logístico das biomassas.

31/03/2010 - 08:05h Colisão de partículas reproduz início do universo e abre nova era da Física

O maior  acelerador de partículas do Mundo quer descobrir os segredos da matéria e  da origem do Universo
O maior acelerador de partículas do Mundo quer descobrir os segredos da matéria e da origem do Universo

Jamil Chade – O Estadao de S.Paulo

CORRESPONDENTE / GENEBRA

Num evento que abriu um nova era da Física, o Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern) promoveu ontem, num túnel subterrâneo na fronteira entre a Suíça e a França, colisões de partículas para tentar reproduzir condições existentes na origem do universo, na maior e mais cara experiência científica já feita. O experimento vai permitir, em tese, que cientistas descubram o que aconteceu um nanossegundo após o Big Bang, 13,7 bilhões de anos atrás.

Dois feixes de prótons circulando em direção oposta no túnel de 27 quilômetros do Grande Colisor de Hádrons (LHC), cada qual com energia de 3,5 TeV (trilhões de elétrons-volt), colidiram e liberaram uma energia recorde de 7 TeV. As partículas são aceleradas a uma velocidade tão alta que cada próton dá 11 mil voltas por segundo no anel.

“A última revolução que tivemos na Física ocorreu há cem anos, com a teoria da relatividade. Hoje, a porta foi aberta e o que fizemos nessas primeiras horas foi apenas espiar o que existe do outro lado. Eu posso garantir: o novo território é fascinante”, afirmou Jurgen Schukraft, responsável por um dos detectores. O professor da Uerj e colaborador do Cern, Alberto Santoro, é da mesma opinião: “Hoje, iniciamos uma nova era.”

Cientistas deixaram claro que os resultados ainda levarão meses, senão anos, para serem decifrados pela máquina de US$ 10 bilhões que levou 16 anos para ser construída. Ontem, tudo o que os cientistas conseguiram foi permitir que as partículas se chocassem a uma energia sem precedentes. Mesmo que dezenas de pistas sobre os segredos da natureza tenham sido geradas, ninguém ainda soube decifrá-las.

Santoro explicou que a grande preocupação nas próximas semanas será calibrar o equipamento para permitir a exatidão dos dados. Outro cientista brasileiro, Denis Damazio, indicou no início da noite que os trabalhos com ciência pura já haviam começado. “As melhores informações já foram selecionadas e começam a ser avaliadas. Já começamos a fazer física”, disse.

Cada colisão entre as partículas criou uma explosão – chegaram a ser contabilizados 50 choques por segundo. O volume de dados gerados a cada dois segundos equivale ao de um arquivo em DVD.

Quatro detectores gigantes – Alice, Atlas, CMS e LHCb – foram instalados e cada um ficará responsável por tentar mapear uma área do desconhecido.

Na agenda do Cern está o trabalho de decifrar alguns dos quebra-cabeças mais profundos da humanidade: a origem da massa, como forças no universo se mantêm coesas e, principalmente, a presença de matéria negra.

Caberá ao experimento Alice descobrir o que ocorreu no momento após o Big Bang. O objetivo não é o de entender o passado, mas saber como a expansão do universo ocorre e, portanto, desvendar o futuro do mundo.

No centro do debate está ainda a comprovação da partícula bóson de Higgs. “Se identificarmos que ela existe, estaremos dando uma nova visão para o universo”, afirmou Guido Tonelli, responsável pelo projeto CMS. A partícula teria um papel profundo na estruturação do universo e sua identificação explicaria por que a matéria tem massa.

O acelerador só atingirá sua potência total em 2013. Por enquanto, apenas mostrou que funciona e que é seguro. Na primeira tentativa de colocar o LHC em operação, em setembro de 2008, um sério acidente comprometeu o equipamento . No fim de 2009, o acelerador voltou a funcionar com metade da potência.

PERGUNTAS & RESPOSTAS

1.
O que é o LHC?
É o maior acelerador de partículas já construído. A estrutura promove colisões de partículas chamadas prótons.

2.
O que os pesquisadores procuram?
As colisões de prótons produzem partículas ainda menores, que surgem e desaparecem em frações de segundo. Elas são fundamentais para entender como o universo funciona.

3.
As descobertas terão alguma aplicação prática?
Os cientistas não sabem qual será o impacto das descobertas. Mas poderão ter aplicações médicas ou na indústria.

4.
Quais dúvidas teóricas podem ser respondidas?
Entre os principais objetivos do experimento estão encontrar as partículas que compõem a matéria escura, o bóson de Higgs – partícula que dá massa às demais – e determinar se realmente existem minúsculas dimensões ocultas no espaço.