30/04/2011 - 22:00h Boa noite


Sarah Chang – Salut D’Amour (Elgar)

30/04/2011 - 19:13h Pobre Ernesto…


Gregory Kunde – Povero Ernesto… Cercherò lontana terra… E se fia de Don Pasquale de Donizetti

30/04/2011 - 18:08h A Candidate in Peru Tacks Toward Brazil’s Course

By

Published: April 30, 2011

Meridith Kohut for The New York Times

Ollanta Humala, the leader in Peru’s presidential race, picked Brazil over Venezuela as a guide.


LIMA, Peru — In his failed 2006 bid for Peru’s presidency, Ollanta Humala donned red T-shirts, boasted of plans to assert state control over energy resources and blasted opponents for warming to the United States, using elements from the playbook that was then helping propel leftist political allies of Venezuela to electoral victories in Latin America.

But in a transformation this year that points to the eclipse of Venezuela by Brazil, Mr. Humala has swapped the red shirts for dark suits, explicitly rejected talk of seizing private companies and celebrated Brazil’s market-oriented economic model, while distancing himself from Venezuela’s president, Hugo Chávez.

Mr. Humala, 48, made the shift after hiring Brazilian campaign advisers tied to Brazil’s governing Workers Party. Now, in a surprise to Peru’s establishment, whose candidates split the vote in the first round in April, the strategy has helped make Mr. Humala, a former army officer who led a military revolt in 2000, the front-runner in polls in a tight race with Keiko Fujimori.

“The Venezuelan model is not applicable to Peru,” Mr. Humala said bluntly in a wide-ranging interview at his home here. If he is elected, he said, Peru will not join the Bolivarian Alliance for the Americas, or ALBA, the Venezuelan-led political bloc that includes Bolivia, Cuba and Nicaragua.

In contrast, Mr. Humala repeatedly praised Brazil and Brazilian companies, which are major investors in Peru’s mines, steel industry and hydroelectric projects, and the new Interoceanic Highway connecting western Brazil to Peru’s Pacific coast. All together, Brazilian investment here could climb above $30 billion over the next decade, according to the Brazil-Peru Chamber of Commerce and Integration.

“The Brazilian experience has delivered success and results by respecting freedom of the press, the adequate management of the macroeconomy, monetary stability,” Mr. Humala said. “Brazil has combined economic growth with social inclusion.”

Ahead of the June 5 runoff election, doubts surrounding Mr. Humala have accentuated a notable schism within Peru’s conservative elite.

Fearing a return to the authoritarianism and generalized corruption of the government of Ms. Fujimori’s father, Alberto Fujimori, who is jailed here after being convicted of human rights abuses, the Nobel laureate Mario Vargas Llosa said he preferred Mr. Humala, “unhappily and with fear,” over Ms. Fujimori, who has surrounded herself with her father’s old advisers. (In recent days, Ms. Fujimori has also spoken glowingly of Brazil’s economic and social policies.)

Prominent figures like Archbishop Juan Luis Cipriani of Lima have since lashed out at Mr. Vargas Llosa, Peru’s leading intellectual, for supporting Mr. Humala, and the established news media have mounted a barrage of coverage critical of his candidacy.

Undaunted by the controversy, Mr. Humala, speaking in a measured tone for more than 90 minutes in his spacious home, insisted that his transformation was genuine. But his family figures in this election, too.

Ollanta Humala has publicly disavowed the thinking of his father, Isaac Humala, a lawyer who espouses an ultranationalist ideology that calls for the supremacy of “copper-skinned” Peruvians, and the candidate said his own ideas were merely “nationalist in the context of consolidating the Peruvian nation.”

“Peru has changed, so we politicians must also change,” he said, referring to Peru’s recent economic boom. “Politicians cannot keep seeing ghosts, keep seeing cold wars and past schemes.”

Calling the United States a “brother country,” Mr. Humala further distanced himself from Venezuela’s president by saying he wanted to “qualitatively improve” ties with Washington, partly by engaging in a cooperative fight against drug trafficking in Peru, which is grappling with soaring cocaine production.

“We must work hand in hand,” Mr. Humala, dressed in a white shirt and jeans, said of Peru and the United States and of plans to strengthen ties with the Drug Enforcement Administration, which Venezuela and Bolivia have expelled. “We need to improve our intelligence cooperation.”

For Mr. Humala, who took 31.7 percent of the vote in the first round against 23.6 percent for Ms. Fujimori, it has been a struggle to lure middle-class voters in Lima and other cities to his side. His plan to raise taxes on mining companies to finance social programs appeals to poor voters in the mountain regions and tropical lowlands, but fears over his controversial past as a military officer, and doubts about his nationalist statements in the not-so-distant past, have many on edge.

“He isn’t what he intends to portray,” said Claudia Carrillo, 37, a secretary here. “Even if you burn a chicken’s beak, they’ll continue pecking.”

Mr. Humala still chafes at criticism of the military uprising he led in 2000, calling it an “insurgency” instead of a “rebellion.” Another episode that haunts Mr. Humala involves claims that he disappeared and tortured civilians while stationed at the Madre Mía counterinsurgency base in 1992 during the war against the Maoists of the Shining Path.

Human rights researchers found evidence implicating Mr. Humala, who operated at the time with the nom de guerre “Capitán Carlos,” in three cases of torture and in five disappearances, but Peruvian judicial authorities shelved their investigation after witnesses contradicted their own testimony.

Mystery still shrouds what happened at Madre Mía, after a military official was accused of bribing a witness in the case to retract his testimony. “I defended my country with honor,” Mr. Humala said when asked about his time as Capitán Carlos. “Justice proved my innocence.”

Mr. Humala’s family has also aroused doubts among some voters, especially over whether his recent distancing from Venezuela is merely cosmetic. He acknowledged that his wife, Nadine Heredia, had received a monthly stipend from a Venezuelan company. News media here reported that she got $4,000 a month from The Daily Journal, a now defunct Caracas newspaper.

“That’s all in the past, and the amount was no great thing,” Mr. Humala said.

Concerns over both Mr. Humala and Ms. Fujimori, 35, have many here trying to decipher which candidate poses fewer risks for Peru’s institutions, which remain fragile a decade after the collapse of Mr. Fujimori’s government and after centuries of exclusion. (The Constitution did not grant illiterate Peruvians the right to vote until 1979.)

“From the standpoint of liberal democracy, this is a terrible place to be,” said Steven Levitsky, a Harvard government professor who is teaching in Lima this year. Still, he said that Mr. Humala, whether wanting radical change or not, might face greater pressure from segments of society that oppose him than would Ms. Fujimori, who draws greater support from the news media and political and business sectors.

“It’s plausible that Humala won’t be like Chávez or Lula,” said Mr. Levitsky, referring to Venezuela’s leader and Luiz Inácio Lula da Silva, Brazil’s former president. “He could be more similar to Fernando Lugo in Paraguay,” another South American country where Brazil’s influence is growing, “an outsider who ended up moderating a lot.”

Still, choosing between Mr. Humala and Ms. Fujimori remains a dilemma for many voters, making the race Latin America’s most closely followed election this year.

“Both are so bad that they are a total disappointment,” said Hugo Flores, 58, a refrigerator salesman. “But if that’s what the people want, that’s what they’ll get.”

Andrea Zarate contributed reporting from Lima.

30/04/2011 - 11:11h PERÚ: Encuentro entre Ollanta Humala y empresarios de la Confiep

CLAVES

Proponen consejo consultivo

Ollanta Humala dijo que durante la reunión con los empresarios propuso la creación de un Consejo Económico Social.

Se trataría de un organismo de consulta integrado por diversas fuerzas económicas y sociales del país.

El objetivo, según Humala, es mejorar la estabilidad económica y política del país, “para que los cambios que un gobierno vaya a hacer tengan un órgano en el cual puedan consultarse, preverse y hacerse de manera gradual y consensuada”.

En su reunión en la Confiep, Humala estuvo acompañado por su jefe de plan de gobierno, Félix Jiménez, así como Kurt Burneo, Luis Arias Minaya y Óscar Dancourt, ex miembros del equipo técnico de Perú Posible.

ENCUENTRO ENTRE CANDIDATO DE GANA PERÚ Y EMPRESARIOS

Humala aclara algunas dudas pero deja otras por esclarecer

Se hicieron 50 preguntas, pero por falta de tiempo se respondieron solo 15. En la reunión se aclararon algunas dudas, pero varias quedaron pendientes

EL COMERCIO

En un nuevo intento por mostrar un cambio que no termina de cuajar, el candidato presidencial de Gana Perú, Ollanta Humala Tasso, se reunió ayer con los miembros de la Confederación Nacional de Instituciones Empresariales Privadas (Confiep), en el Swissotel de San Isidro.

Al final de la reunión de más de dos horas de duración, Humala se presentó ante los periodistas acompañado de Humberto Speziani, presidente de la Confiep, en un gesto que evidenciaba una actitud de acercamiento.

“Agradezco a la Confiep por haberme permitido venir y explicar nuestras posiciones políticas, nuestras posiciones de gobierno. Nosotros no somos dueños de la verdad y estamos también para aceptar y corregir lo que haya que corregir cuando cometamos errores. Creo que eso es parte del ser humano. Hemos dialogado, hemos escuchado puntos de vista muy interesantes de diferentes sectores del grupo empresarial”, señaló Humala.

El candidato presidencial reconoció que en el Perú se está dando un crecimiento económico sostenido y dijo que “hay que mantenerlo”.

POR CAMINOS DIFERENTES
El presidente de la Confiep, Humberto Speziani, calificó la reunión con Humala como “franca y honesta”.

“Para nosotros ha sido muy ilustrativo escucharlo, ha sido un conversatorio franco, honesto, hemos dado nuestras ideas. Los empresarios vamos por un camino un poco diferente, pero con el mismo objetivo de que el Perú alcance su plenitud con inclusión social, que se elimine la extrema pobreza, se disminuya la pobreza y seguiremos apostando por el Perú”, señaló Speziani.

Igualmente, el presidente de la Confiep sostuvo que le sugirieron a Humala que considere la posibilidad de firmar el Acuerdo Nacional.

MÁS DE 50 PREGUNTAS
Los miembros de la Confiep le hicieron 50 preguntas a Ollanta Humala, pero solo fueron respondidas 15 debido a la falta de tiempo.

La mayoría de interrogantes fue absuelta por los miembros del equipo técnico de Humala, incluidos los recientemente incorporados.

Luis Arias Minaya, ex jefe de la Superintendencia Nacional de Administración Tributaria (Sunat) durante el gobierno de Alejandro Toledo, por ejemplo, respondió a la pregunta sobre el impuesto a las sobreganancias mineras que implementaría un eventual gobierno de Humala. Arias sostuvo que “cualquier medida al respecto no será traumática, pues se dará de manera gradual y consensuada”.

Al respecto, el presidente de la Confiep declaró que la reunión con Humala “sirvió para aclarar algunas dudas, pero todavía quedan bastantes poresclarecer”. Speziani contó de que Humala se comprometió a enviar por escrito las 35 preguntas que faltan por responder, que se refieren principalmente al sector productivo.

Cuando se le preguntó a Speziani si consideraba que Humala había cambiado, contestó: “Escuché al señor Humala decir que no es el mismo del 2006, cuando era un militar con otro tipo de pensamiento”.

30/04/2011 - 10:54h 60 mil brasileiros dizem viver em uma união gay

Felipe Werneck, Wilson Tosta e Rejane Lima – O Estado de S.Paulo

Sessenta mil brasileiros declararam viver com cônjuge do mesmo sexo no Censo 2010. Foi a primeira vez que o IBGE levantou em todo o País o número de casais gays.

O número de 60.002 casais representa 0,16% do total de cônjuges do País. A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais realizou, durante coleta de dados do Censo, uma campanha para que os homossexuais declarassem sua condição.

Em 2007, o instituto incluíra a pergunta em uma contagem parcial realizada em municípios com até 170 mil habitantes. No Censo 2010, a maior concentração absoluta de casais formados por pessoas do mesmo sexo foi verificada na Região Sudeste (32.202).

O presidente do IBGE, Eduardo Nunes, citou o aumento do número de pessoas que se declararam pretas nos últimos levantamentos para explicar o que poderá ocorrer em relação aos casais do mesmo sexo nas próximas pesquisas.

“A declaração da proporção de população preta aumentou bastante, não porque aumentou a fecundidade nesse grupo, mas porque o sentimento de pertencimento cresceu, e a consciência é maior. Quanto maior é a consciência, maior é a resposta afirmativa”, declarou Nunes.

“É certo que nos próximos censos esse número tenderá a aumentar, o que não significará dizer que haverá mais casais do mesmo sexo se unindo.” Para o presidente do IBGE, o autorreconhecimento é maior à medida em que legislação brasileira se adapta às novas situações, com mudanças no Imposto de Renda, na Previdência Social e em seguros saúde prevendo direitos para casais do mesmo sexo. “Ao se perceber que esse direito é uma conquista de fato, também do ponto de vista social teremos mais informação.”

União. Moradores do Guarujá, na Baixada Santista, o administrador financeiro Ronaldo Costa, de 34 anos, e o funcionário público Luiz Eduardo dos Santos, de 39 anos, estão entre o crescente número de casais homossexuais que residem como cônjuges.

“Eu acho que o número é bem maior, porque nós não fomos contados no Censo, e nem outros dois casais de amigos nossos de São Paulo”, diz Costa. Ele conheceu seu parceiro há nove anos e em 8 de julho de 2006 assinou a “declaração de união homoafetiva”, documento que comprova a existência de união entre duas pessoas do mesmo sexo e garante direitos ao casal, como o reconhecimento de planos de saúde e na declaração como dependente no Imposto de Renda.

30/04/2011 - 10:47h A trabalhadores, Dilma promete fim da miséria e da inflação

Em pronunciamento do 1º de Maio, ela diz que manterá poder de compra do mínimo

Leonencio Nossa e Rafael Moraes Moura – O Estado de S.Paulo

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV na noite de ontem, às vésperas do 1.º de Maio, a presidente Dilma Rousseff anunciou o lançamento do programa Brasil Sem Miséria e defendeu “jogo duro” contra a inflação. Numa fala de 9 minutos e 45 segundos ela ressaltou que distribuição de renda, crescimento e combate à inflação e à miséria são “políticas permanentes” e que respeito à democracia e aos direitos humanos são “compromissos sagrados”.

A presidente citou quatro vezes o problema da inflação, destacando a importância de garantir o poder de compra do salário. “Garantir o poder de compra do salário significa jogar duro contra a inflação”, afirmou. “Esse é um dos fundamentos da nossa política econômica e dele jamais abriremos mão. Estamos, por exemplo, melhorando a qualidade do gasto público, com o desafio de fazer mais e melhor com menos recursos.”

Dilma disse que o País reagiu bem à crise financeira de 2008 e está preparado para “enfrentar as pressões inflacionárias que rondam, no momento, a economia mundial”. “Nada vai conseguir deter a marcha harmônica do Brasil para o futuro”, enfatizou. Disse que não haverá interrupção nos canteiros de obras dos principais programas de infraestrutura do governo – PAC e Minha Casa, Minha Vida.

No pronunciamento, Dilma “convocou” os brasileiros para vencer “a batalha contra a miséria”. “Essa é uma grande bandeira do meu governo”, afirmou. “Nas próximas semanas, daremos um passo importante para concretizá-la com o lançamento do programa Brasil Sem Miséria. Ele vai articular e integrar novos e antigos programas sociais, ampliar recursos e oportunidades e, muito especialmente, mobilizar todos os setores da sociedade para a luta decisiva de acabar com a pobreza extrema em nosso país.”

Dilma afirmou que o desafio é crescer de “forma harmônica e sustentável, sem gerar inflação ou outros tipos de desequilíbrio”. “Mas o maior de todos os desafios é não deixar milhões de brasileiros fora dessa era de prosperidade que se amplia e se consolida”. Esse foi o segundo pronunciamento da presidente em cadeia nacional de rádio e TV desde que assumiu o governo.

Festa. Em São Paulo, os preparativos para a comemoração do 1.º de Maio deixam evidente que o imposto sindical é o divisor de águas entre as centrais sindicais. Cinco entidades se uniram para organizar um evento único, mas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) não aderiu. Resolveu bater firme na tecla de que é o momento de eliminar o imposto, principal fonte de financiamento do movimento sindical.

Assim, a festa unificada – promovida pela Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores, Central Geral dos Trabalhadores do Brasil, Nova Central Sindical de Trabalhadores e Central Geral dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, será na Barra Funda, zona oeste da capital. Já o ato da CUT será no Parque da Independência, no Ipiranga. / COLABOROU MARCELO REHDER

30/04/2011 - 10:33h Maioria das famílias vive com menos de 1 salário per capita

Apesar de melhoria na última década, uma em cada sete residências vivia com até 1/4 de salário mínimo per capita

Wilson Tosta e Felipe Werneck – O Estado de S.Paulo

No País retratado em 2010 pelo IBGE, a maioria da população (60,7%) vivia em domicílios com renda familiar per capita de menos de um salário mínimo (no valor de R$ 510 na época), apesar de em dez anos ter diminuído o número de famílias nos extratos mais baixos de rendimento.

No ano passado, praticamente uma em cada sete residências tinha renda domiciliar per capita de até 1/4 de salário mínimo; uma em cada três, de meio a um; e mais de uma em duas tinha rendimento por pessoa de até um salário mínimo -em todos esses grupos sociais, porém, esses números significaram melhoria em relação à década anterior.

O instituto constatou que, após a faixa de um a dois salários, os resultados dos dois últimos censos se aproximaram, até convergir nos grupos depois de três a cinco salários – a antiga classe média, que ficou onde estava.

O aumento do salário mínimo na década – reajuste de 237,7% para uma inflação (pelo IPCA) de 89% – e os programas sociais são apontados como causas da melhoria de renda dos mais pobres ocorrida no período.

Desigualdade. Segundo o presidente do IBGE, Eduardo Nunes, os dados apontam para uma redução da desigualdade de renda. “O contingente brasileiro que em 2000 ganhava renda inferior a meio salário mínimo hoje é muito menor”, disse Nunes. Ele citou programas de transferência de renda e o aumento real do salário mínimo entre as principais causas da mudança.

Nunes explica que as faixas consideradas prioritárias pelo Bolsa-Família são próximas àquela que o IBGE usa como critério para a distribuição de renda: 1/4 do salário mínimo. Ele também destacou a expansão da economia na última década, com a criação de mais de 10 milhões de postos de trabalho.

Falhas. O avanço na renda dos mais pobres não foi acompanhado no mesmo ritmo – ou pelo menos em padrão semelhante – por outros indicadores sociais.

O País reduziu a sua proporção de analfabetos com 15 anos ou mais na década de 91-2000 (de 20,1% para 13,6%) do que entre os anos 2001 e 2010 (13,6% para 9,6%). A redução nessa velocidade é encarada com naturalidade por especialistas, que ressaltam o aumento da dificuldade em combater o analfabetismo, na medida em que o estoque de analfabetos diminui, concentrando-se em centros menos urbanizados e mais pobres.

A Região Nordeste é aquela com maior taxa de analfabetismo: 19,1% em 2010, contra 28,2% em 2000 e impressionantes 37,6% em 1991. Entre os nordestinos, em 2010, 47,1% dos analfabetos tinham 60 anos ou mais.

Também avançou em ritmo modesto o porcentual de domicílios particulares ligados a rede de esgoto ou fossa séptica – de 62,2% para 67,1%, apenas 4,9 pontos porcentuais em dez anos. Isso significa que, no ano passado, 32,9% das residências lançava seus dejetos sanitários diretamente e sem tratamento na rua ou no meio ambiente.

Trabalho infantil. O Censo 2010 mostra ainda que no ano passado havia 132 mil domicílios no País sustentados pelo trabalho feito por crianças de 10 a 14 anos. “Proporcionalmente aos 57 milhões de domicílios, esse número (132 mil) não é muito expressivo. Entretanto, ele reflete outra realidade que o IBGE revela sistematicamente: a presença de trabalho infantil na sociedade”, diz Nunes.

29/04/2011 - 22:00h Boa noite

Henryk Szeryng – Concerto para violino em D Maior, Op 77 de Brahms

29/04/2011 - 19:19h Procurarei uma terra longe…


Juan Diego Florez – “Cerchero lontana terra” Don Pasquale

29/04/2011 - 17:01h En reunión con la Confiep, Ollanta Humala propone la creación de un Consejo Económico y Social

Confiep le pidió a Ollanta Humala firmar el Acuerdo Nacional

Mientras, la Asociación de AFPs expresó su interés en discutir el fortalecimiento de la ONP propuesto por el humalismo


(Fuente: Canal N)

EL COMERCIO ON LINE

El candidato presidencial de Gana Perú, Ollanta Humala, sostuvo esta mañana una reunión con directivos de la Confiep y la Asociación de Administradoras de Fondos de Pensiones. Tras el encuentro, Humala Tasso declaró a la prensa que propuso al empresariado la creación de un consejo económico social que, como órgano consultivo para las fuerzas económicas y sociales del país, pueda emitir opinión acerca de los cambios necesarios para el país y su implementación gradual y consensuada, a fin garantizar la estabilidad económica y política.

Humala expresó que “no somos los dueños de la verdad” y que “estamos para aceptar y corregir lo que haya que corregir (…) reconocemos que hay que mantener el crecimiento”. No quiso opinar sobre la encuesta de Datum difundida hoy.

Por su parte, Humberto Speziani, presidente de Confiep, señaló que la reunión fue “muy instructiva“: “Los empresarios vamos por un camino que puede ser un poco diferente pero con el mismo objetivo, que el Perú alcance su plenitud, que haya inclusión social, que se elimine la extrema pobreza, que se reduzca la pobreza (…) vamos a seguir apostando por el Perú”. Asimismo, Speziani indicó que el gremio le sugirió a Humala la posibilidad de firmar el Acuerdo Nacional.

SOBRE LAS AFP
También presente en la reunión estuvo Beatriz Merino, presidenta de la Asociación de AFPs. Sobre las propuestas del humalismo en materia de pensiones, resaltó que los montos de las AFPs son intangibles, no pertenecen ni a las AFPs ni al Estado sino a los aportantes.

Añadió que las políticas que habrán de evaluarse en el próximo gobierno sobre el particular deben ser producto de un debate técnico y no político. “Humala ha reiterado que los fondos son intangibles; sin embargo, creo que hay un debate pendiente”, dijo. Esto último, en referencia a que Humala ha propuesto fortalecer la ONP. Merino aclaró que el sistema privado no puede pasar a ser un sistema voluntario y el público uno obligatorio, pues el flujo libre de aportantes es el que permite la rentabilidad de este sistema.

29/04/2011 - 11:44h Perú: El antojo del amo

El papel indecente de algunos dueños de medios

Por Augusto Álvarez Rodrich – LA REPÚBLICA

alvarezrodrich@larepublica.com.pe

BOGOTÁ. Aunque un clásico electoral es criticar sin razón a encuestadoras y periodismo, la verdad es que en el proceso actual la actuación de algunos medios es lamentable pues, así como los periodistas exigimos respeto a la libertad de expresión, la contraparte ineludible es ejercer el oficio con decencia, lo cual no está ocurriendo.

Esto ha producido un distanciamiento entre los periodistas que quieren desempeñarse con profesionalismo, decencia e integridad, y algunos propietarios de medios que han optado por una ruta distinta, es decir, el uso del periodismo –para vergüenza de sus antepasados– como el más vil de los oficios.

Su objetivo es respaldar en la segunda vuelta a Keiko Fujimori, lo cual sería una decisión editorial legítima si no fuera porque es asumida, simultáneamente, con una política informativa que desnaturaliza los hechos y miente con desparpajo.

Esto es lamentable porque, por un lado, viola un principio básico del periodismo: intentar acercarse a la verdad y no mentir a sabiendas. Y es más grave en el caso de la televisión pues, en ese medio, hablamos de espacios de dominio público.

En esta campaña de mentiras confluyen varios medios –de televisión, radio y prensa– que es fácil constatar que coinciden en temas, argumentos y oportunidades, lo cual recuerda, lamentablemente, a la manera como Vladimiro Montesinos organizaba a medios, broadcasters y periodistas corruptos para que actúen a su servicio. ¿Quién es hoy el gran guionista?

El objetivo es convertir a los periodistas en propagandistas de Keiko Fujimori, y botar a los que no se alineen. Esto ha producido despidos en Radio Líder de Arequipa y en Canal N, controlado por el Grupo El Comercio, el cual también ha amenazado, por el mismo motivo, a periodistas de América TV. No son los únicos lugares donde existe hoy este fenómeno penoso.

Esto se complementa con la contratación de última hora de comunicadores para encargarse de esa tarea sin obligarles a cumplir los principios periodísticos que supuestamente defienden los dueños pero que obvian cuando lo exige el bolsillo.

En este escenario lamentable para la prensa peruana, es alentadora la posición de algunos periodistas que –en vez de otros acomodados– se han plantado con decencia frente a propietarios que actúan sin ética, para enseñarles que, a diferencia de lo que están acostumbrados, no son loritos alquilados para decir lo que ellos se mueren de miedo de decir y que luego desmentirán si es que, al final, gana el candidato que denigraron, pues si bien tienen dificultades para conducir una empresa periodística con decencia, sí son diestros para el acomodo en función del mandato de su billetera.

Ojalá, finalmente, que este tema sea tratado hoy en el foro organizado por Ipys y el Consejo de la Prensa.

29/04/2011 - 11:26h Perú: Reabren investigación a Keiko por narcotráfico

Javier Soto – La 1ª

Fiscal Superior ordena reabrir investigación a candidata de Fuerza 2011 por encubrimiento de narcotráfico para favorecer a la familia Martínez Moreno, dueña de la compañía pesquera Hayduk. Keiko recibió 10 mil dólares como “donativo” de parte de clan “Olluquito”.

La Quinta Fiscalía Superior Especializada en Delitos de Corrupción de Funcionarios, a cargo de Óscar Hernán Miranda Orrillo, reabrió una investigación a la candidata de Fuerza 2011, Keiko Fujimori, por los presuntos delitos de encubrimiento de narcotráfico, cohecho pasivo propio y tráfico de influencias, por beneficiar a la familia Martínez Moreno, dueña de la compañía pesquera Hayduk, procesada por delito de tráfico de Drogas, por el caso conocido como “Olluquito”.

Por ello, dicho dictamen fiscal (Disposición N° 01-2011-5FSPDCF-MP, del 25-04-2011) anuló la disposición 01-2011, del 4-04-2011 de la Tercera Fiscalía Provincial Penal Corporativa, que despacha José Domingo Pérez Gómez, que ordenaba el archivo de la denuncia planteada contra Fujimori Higuchi.

En consecuencia, dispuso que la Tercera Fiscalía Provincial Penal Corporativa, ubicada en el jirón Lampa N° 597, Cercado de Lima, abra la correspondiente investigación preliminar, en sede fiscal, contra la denunciada postulante Fujimorista, por los ilícitos antes mencionados.

El tema materia del procesamiento a Keiko es el tristemente célebre caso Hayduk. Las procesadas por tráfico de Drogas, Ana Isabel y Mariana Jackeline Martínez Moreno, hijas del acusado por ese delito, Eudocio “Olluquito” Martínez, fueron beneficiadas por un irregular “derecho de gracia”, a los escasos cuarenta días de producirse sus respectivas detenciones.

Dicho “fallo”, ordenado por un juez penal de Lima, se sustentó en la Resolución Suprema N° 044-2000-JUS, del 1°-03-2000, rubricada por el padre de la denunciada, Alberto Fujimori, entonces Presidente de la República y el entonces ministro de Justicia, Alberto Bustamante Belaunde.

Por este ilegal “derecho de gracia” se cortó el proceso penal contra las hermanas Martínez Moreno, y las “puso en inmediata libertad”.

Al respecto, la denunciada Keiko Sofía es confesa de haber gestionado esta figura legal ante su padre, el entonces presidente Alberto Fujimori; y obtenido el beneficio, así como de recibir la suma de 10 mil dólares como “donativo”, de parte de estas dos mujeres, entonces procesadas por narcotráfico.

Ella ha alegado que la familia Martínez estaba siendo extorsionada por el entonces asesor presidencial Vladimiro Montesinos.

En cuanto al fallo rectificatorio, el fiscal superior Miranda Orrillo ha considerado que los elementos citados en la impugnación presentada por el denunciante, Guillermo Olivera Díaz, contra la resolución de la fiscalía provincial que ordenaba el “archivo” de la denuncia por prescripción, aunados a los que ahora se tiene, ameritan una investigación para corroborar las pruebas aportadas, sobre si se está dentro del plazo extraordinario de prescripción por interrupción de la misma.

En el delito de encubrimiento de narcotráfico, el plazo ordinario es 10 años, al mismo que se agrega la mitad, en caso haya actuaciones, que las hay, del Ministerio Público que la interrumpan, lo cual hace un total de 15 años.

Además, indicó, en base a la fecha de comisión del delito, denunciado en el dispositivo fiscal 1°-03-2000, el plazo extraordinario de prescripción recién vence el año 2015 y hay tiempo de sobra para investigar y castigar.

El abogado denunciante, Guillermo Olivera Díaz, resaltó a LA PRIMERA la valiente decisión del fiscal superior Óscar Miranda Orrillo de “ponerse los pantalones”, al reabrir la investigación contra Keiko, sin hacer oídos a las presiones mediáticas y de toda índole que invocan el pretexto “no interferir” con la campaña electoral presidencial.

“Además, la diligencia y expedición que ha puesto al caso el fiscal superior Miranda Orrillo, demuestra que no se tiene por qué anteponer como pretexto la campaña electoral presidencial para perseguir el delito. Esto significa que cuando hay un ilícito, nada tiene que ver que la persona involucrada en éste (Keiko Fujimori, en esta oportunidad) sea candidata de una elección presidencial”, puntualizó.


DETALLE

Durante el primer gobierno de Alberto Fujimori, en marzo de 1993, dos empleados de una agencia de aduanas denunciaron la existencia de droga en un cargamento de harina de pescado que la pesquera Hayduk enviaba a Colombia. Cuando la Policía acudió a investigar, descubrió 353 kilos de clorhidrato de cocaína en el cargamento. Ese mismo mes, luego de las pesquisas correspondientes, la Policía denunció el delito ante el Poder Judicial y, en abril, se abrió un proceso contra el presidente del directorio de Hayduk, Eudocio Martínez y sus hijas Ana y Mariana Martínez Moreno, entre otros.

29/04/2011 - 10:31h Pronatec terá 8 milhões de vagas

Agência Brasil – VALOR

de Brasília

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), lançado ontem pela presidenta Dilma Rousseff e pelo ministro da Educação, Fernando Haddad, prevê a criação de 8 milhões de vagas na educação profissional pública e privada até 2014. Isso significa multiplicar por oito o atual estoque de matrículas em ursos técnicos e profissionalizantes.

Para atingir o objetivo, o governo federal planeja distribuir bolsas de formação para trabalhadores, estudantes do ensino médio, beneficiários do Bolsa Família e reincidentes no seguro-desemprego, aumentar vagas gratuitas em cursos técnicos do Sistema S e em polos de ensino a distância, estender o Fundo de Financiamento Estudantil do Ensino Superior (Fies) para cursos técnicos. Além disso, União, Estados e municípios planejam ampliar suas redes de escolas profissionalizantes e empresas terão crédito subsidiado do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para matricular seus funcionários em programas de qualificação.

Promessa de campanha da presidente, o programa foi pensado inicialmente como ferramenta para melhorar o ensino médio, ampliando a formação do aluno, em cursos profissionalizantes integrados ao ensino regular. Os estudantes do ensino médio da rede pública poderão ter bolsas de formação caso não consigam vaga em instituição pública. O valor do auxílio varia com a carga horária do programa – de R$ 1.200 a R$ 5.400, cobrindo todo curso. Serão ofertadas 3,5 milhões de bolsas nos próximos quatro anos.

29/04/2011 - 10:04h Com o aval de Lula, Rui Falcão aceita presidir o PT até 2013

Partidos: Deputado substituirá José Eduardo Dutra que renuncia hoje ao cargo em reunião do diretório

Paulo de Tarso Lyra | VALOR

O deputado estadual Rui Falcão (SP) será o novo presidente nacional do PT com mandato até 2013. Ele vai substituir José Eduardo Dutra (PT-SE) que renunciará na reunião de hoje do diretório nacional do partido. A decisão de apoiar Falcão foi tomada ontem na reunião das principais correntes do partido – Construindo um Novo Brasil, Novos Rumos e PT de Luta e Massas. O Valor apurou que, ao término do encontro, a presidente Dilma Rousseff ligou para Falcão para dar os parabéns, prestar solidariedade e colocar-se à disposição dele e do PT.

Falcão resistia à ideia de assumir a presidência do partido. Deputado estadual reeleito por São Paulo, Falcão é primeiro-secretário da Assembleia Legislativa de São Paulo, um cargo importante que examina os contratos e distribui os cargos. Além disso, tem uma militância política muito forte no Estado, o que sempre fez com que optasse por não se mudar para Brasília, mesmo durante a campanha presidencial do ano passado.

Falcão acabou sendo escolhido praticamente por unanimidade. Os outros nomes colocados na disputa acabaram abrindo mão da presidência do PT: o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE) e o ex-secretário-geral da Presidência da República, Luiz Dulci. Costa optou por permanecer na liderança do partido e Dulci “não foi liberado” pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – ele está trabalhando no planejamento da fundação que Lula construirá com o acervo de seu governo.

Lula também foi consultado e avalizou a indicação de Rui Falcão. “Existe algum louco no PT que toma qualquer decisão sem consultar o ex-presidente Lula?”, brincou o deputado Jilmar Tatto (PT-SP). Para um dos vice-presidentes do PT, deputado José Guimarães (CE), o momento é de fortalecimento do PT. “Precisamos nos unir para a defesa do governo e o fortalecimento do partido para a disputa das eleições de 2012″, disse o parlamentar cearense.

Vários fatores colaboraram para que os pré-candidatos à presidência do PT tivessem cautela em colocar os nomes. Um dos principais foi o respeito que as diversas correntes têm por Dutra. “Ele merece toda a nossa solidariedade porque conduziu o processo vitorioso que elegeu Dilma Rousseff presidente”, declarou Guimarães. O processo todo também foi muito repentino. Apesar de Dutra estar licenciado da presidência do PT desde 22 de março, só duas semanas atrás esquentaram os rumores de que ele renunciaria ao cargo para o qual foi eleito em 2009. “Todo mundo foi pego de surpresa nesse processo”, confirmou o deputado Ricardo Berzoini (SP).

Falcão também assume o partido em um momento importante, no qual começa a ser discutida a eleição municipal de 2012. Os diretórios estaduais já começaram as negociações e ressentiam-se de um interlocutor oficial no diretório nacional. Falcão exercia a presidência interinamente durante a licença de Dutra, mas qualquer decisão passava a imagem de temporária. Agora, as alianças poderão ser tratadas de maneira efetiva.

Essa foi outra dificuldade para se encontrar um nome. O presidente do PT não pode dividir a direção do partido com outras atividades. “Ele vai ter que percorrer esse país para negociar os palanques, os candidatos, as prévias, em todos os municípios”, declarou o deputado Carlos Zarattini (PT-SP). Mas Falcão não vai renunciar ao cargo de primeiro-secretário da Assembleia Legislativa de São Paulo.

O diretório nacional do PT também vai aprovar hoje a refiliação do ex-tesoureiro Delúbio Soares. A carta de Delúbio pedindo a reintegração aos quadros partidários foi lida ontem na reunião da executiva nacional. A executiva preferiu não colocar o assunto em pauta, mas essa decisão será tomada em uma reunião que acontece na manhã de hoje, minutos antes da reunião do diretório nacional.

Além da confirmação de Falcão como presidente e a refiliação de Delúbio, o diretório nacional do PT também vai debater a conjuntura econômica do país. Foram convidados para o debate o ministro da Fazenda, Guido Mantega e o presidente do Ipea, Márcio Pochmann. Até o fim da tarde de ontem, apenas o segundo tinha confirmado presença.

Os petistas também vão discutir a reforma política. O partido defende o financiamento público exclusivo e o voto em lista fechada, em contraposição ao chamado distritão, proposto pelo PMDB. O relator da proposta, Henrique Fontana (PT-RS) encontrou uma alternativa engenhosa caso o voto em lista fechada não vingue: o eleitor poderia votar na legenda que mais lhe agrada e em um deputado que mais represente os seus interesses. Na prática, seriam dois votos para deputado federal.

29/04/2011 - 09:30h Alheia ao PSD, M’Boi Mirim protesta

VALOR

De São Paulo

“O Kassab vai mudar de partido, é? Por que ele vai sair do PSDB?”. A pergunta, ouvida nos arredores da Estrada de M’Boi Mirim, onde ontem moradores protestaram contra as condições do transporte e da rede pública de saúde, reflete a falta de preocupação de cerca de 500 mil paulistanos que vivem lá com os movimentos políticos do seu prefeito, que saiu do DEM em março para fundar o PSD. “Mas não vai mudar muita coisa. Entra governo, sai governo e a nossa situação continua a mesma”, disse a vendedora Ana do Carmo.

A Estrada de M’Boi Mirim, que liga os bairros Jardim São Luiz, Capão Redondo e Jardim Ângela, na Zona Sul, e as cidades de Itapecerica da Serra e Embu-Guaçu às regiões centrais da capital, é uma via de três faixas. Em uma delas funciona o corredor de ônibus mais lento da capital, que, sem pontos de ultrapassagem, transporta diariamente 350 mil pessoas a velocidade média de 15 km/h nos horários de pico. Após o terminal Jardim Ângela, a situação fica ainda pior: a via vira faixa única.

A duplicação, prometida na eleição de 2008 por Kassab, ainda não foi concluída. Há projetos para construção de monotrilho, do metrô até o Capão Redondo – principal reivindicação dos moradores – e canalização do córrego Ponte Baixa, com criação de um viaduto. Nenhum deles, porém, começou a sair do papel.

Mas o problema não é só a lentidão. “De manhã, demoro 40 minutos para conseguir pegar um ônibus. Passam uns três ou quatro antes, mas todos lotados”, contou a recepcionista Neusa Jesus de Lima, 39 anos, que sai de casa às 6h30 para chegar ao trabalho na estação Ana Rosa às 9h. Sobre os novos voos do seu prefeito e o entra e sai de vereadores dos partidos, ela pouco sabe. “Só vejo vereador em época de eleição.”

A única tentativa de melhorar o trânsito feita na atual gestão, reclamam moradores, foi a faixa reversível de 1,5 km que permite aos ônibus usar o outro lado da via das 5h30 às 8h30 para melhorar o fluxo no sentido do centro. Em 2006, o prefeito também reformou a rua, o que diminuiu o número de acidentes.

Para Amilton de Sousa Lopes, dono de um mercado entre a M´Boi Mirim e a Avenida Guarapiranga, a culpa pelo trânsito não é só da prefeitura, já que o governo estadual também deveria investir mais na região. Entretanto, ele não vê com bons olhos a movimentação de Kassab, que migrou de partido para concorrer ao Palácio dos Bandeirantes em 2014. “Ele teria mais chances de se tornar governador se pensasse mais na população do que em politicagem”, criticou.

29/04/2011 - 09:18h Alckmin defende debate ’sem pressa’ sobre fusão

Gustavo Uribe – O Estado de S.Paulo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), mostrou-se favorável ao debate sobre a fusão entre PSDB, DEM e PPS e destacou que este é um tema a ser discutido por essas legendas de oposição ao governo Dilma Rousseff. “Eu acho que é um tema a ser discutido”, disse ontem, após participar de evento para divulgar a campanha de vacinação 2011, na capital paulista.

Apesar da garantia de que “vê com bons olhos” a proposta, o governador ponderou que a fusão não precisa ocorrer agora. “Isso não tem pressa, não precisa ser feito agora. Enfim, é uma discussão partidária.”

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso admitiu nesta semana que existe a possibilidade de fusão entre PSDB e DEM, mas destacou que as conversas são “preliminares”. O presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), também considerou a hipótese, mas disse que as conversas ainda são informais.

Evasivas. O governador também fez um alerta nesta semana sobre o papel da oposição no Brasil e destacou que o País não tem vocação para a existência de um partido único. Indagado sobre a crise que atinge sua legenda em São Paulo, Alckmin tergiversou: “O PSDB não está em crise, é natural esse procedimento que ocorre. As pessoas têm liberdade (para sair da legenda)”.

Alckmin também foi evasivo quando perguntado sobre o papel do vice-governador Guilherme Afif Domingos, que foi afastado da Secretaria de Desenvolvimento Econômico para acomodar o DEM no governo estadual. “O doutor Afif fez um bom trabalho na pasta e combinei com ele que teremos atribuições relevantes e importantes para nos ajudar no governo”, afirmou, sem detalhar quais seriam as funções.

O tucano também evitou comentar as críticas feitas pelo ex-deputado estadual Ricardo Montoro, publicadas pelo Estado. O filho do ex-governador Franco Montoro assumiu que cogita deixar a sigla e que teme pelo futuro da legenda. “Nenhum comentário”, respondeu.

29/04/2011 - 08:56h Ex-tucanos de SP rumam para aliados federais

Partidos: Bancada do DEM na Câmara paulistana perde mais um e defecção já atinge seis vereadores do partido

Ana Paula Grabois | VALOR

De São Paulo

Em um cenário de enfraquecimento da oposição, a maioria dos seis vereadores do PSDB de São Paulo de saída da sigla deve migrar para partidos da base do governo federal. Apenas dois vereadores tucanos da capital paulista pretendem rumar para a legenda que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, decidiu fundar, o PSD – o presidente da Câmara Municipal, José Police Neto, e Souza Santos.

O vereador Juscelino Gadelha acertou sua ida ao PMDB e deve formalizar sua filiação na semana que vem. “Sou um tucano de pouca penagem que volta para o seu ninho, o PMDB”, disse Gadelha, que foi do partido entre 1998 e 2003. “Se o PMDB apoia o governo Dilma, vou acompanhar a agremiação”, disse. Ligado ao ex-governador de São Paulo, José Serra, o futuro pemedebista explicou que sua saída do PSDB tem como única razão o tratamento dispensado pelo grupo do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). “A nova direção do PSDB queria que a gente perdesse na urna no ano que vem, iam dar o troco”, afirmou. Em 2008, na disputa para prefeito da capital, os vereadores tucanos não seguiram com Alckmin e apoiaram Kassab, conforme acordo fechado com Serra.

O vereador Ricardo Teixeira também está em conversas avançadas com o PSB, outra legenda governista. Gilberto Natalini e Dalton Silva têm conversado com o PV. “É o partido que mais se aproxima do que eu penso. O PSD não é uma opção que se alinhe à minha história de vida ou ao meu futuro político”, disse Natalini. Da bancada de 13 vereadores, o PSDB ficará com apenas 7.

No DEM, o número de dissidentes aumentou ontem. O vereador Carlos Apolinário anunciou que pretende sair do seu partido. Será o sexto vereador do DEM a deixar a legenda. A bancada do partido na Casa ficará reduzida a dois parlamentares: Milton Leite e Sandra Mudalen. Apolinário se disse decepcionado com a direção nacional do DEM por não ter sido convidado à reunião de ontem da executiva nacional, em Brasília. “Não mereço o tratamento que tive, não abro mão disso. Ou me respeitam ou não sou democrata. Como me sinto à vontade em um partido onde sou inexistente?”, completou. ” Parece que estamos repetindo os erros do PSDB”, completou.

Apolinário disse que ainda vai pensar para qual partido migrará. “Vários partidos me convidam”, afirmou. Ele negou que irá para a sigla de Kassab, ao contrário dos cinco colegas da bancada que irão para o provável PSD. “Não vislumbro no PSD espaço para fazer política agora”, disse.

Apolinário fez críticas à escolha de Alexandre de Moraes para a presidência do diretório municipal paulista. Moraes foi secretário de Kassab até junho do ano passado e saiu brigado com o prefeito. “Ele nunca foi dirigente partidário, nunca foi eleito. Basta ser inimigo declarado do Kassab para ser escolhido”, afirmou.

O vereador Milton Leite, que ameaçou sair do DEM caso não conseguisse a presidência do diretório estadual, resolveu se manter na sigla. Na quarta-feira, convenceu o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), a abrir espaço nas executivas estadual e municipal a ele e a seus filhos, o deputado federal Alexandre Leite e o deputado estadual Milton Leite Filho. Saiu da reunião com a vice-presidência da executiva estadual paulista. O filho Alexandre foi para a vice-presidência municipal. O outro filho virou representante nos dois diretórios. Desde a saída de Kassab do DEM, há cerca de um mês, os diretórios da capital e estadual estavam vagos. “Se eu saísse, meus filhos também sairiam e o DEM perderia o direito de verificação de presença na Câmara Federal, porque a bancada cairia de 32 para 31.”

29/04/2011 - 08:28h Crise no PSDB atinge comando estadual

Resolvida a disputa no diretório municipal, agora problemas atingem direção da sigla no Estado: deputados querem mesmo tratamento dado a vereadores

Julia Duailibi – O Estado de S.Paulo

A exemplo dos vereadores paulistanos, a bancada de deputados federais do PSDB de São Paulo resolveu pleitear maior espaço na formação da nova Executiva estadual, que será eleita daqui a uma semana.

Inspirados pelas demandas dos vereadores, que conseguiram ampliar a influência na cúpula partidária municipal após racha que resultou na saída de seis parlamentares, os deputados decidiram pedir, na formação da Executiva estadual, o mesmo espaço obtido pelos colegas tucanos da Câmara Municipal. A palavra de ordem é “isonomia”.

Em almoço na terça-feira, no Senado, os deputados Luiz Fernando Machado, coordenador da bancada paulista, e Vaz de Lima e o senador Aloysio Nunes Ferreira avaliaram que os parlamentares devem ter mais representatividade na cúpula partidária, já que a presidência do partido ficará com um deputado estadual, Pedro Tobias, que conta com o apoio do governador Geraldo Alckmin.

A bancada federal quer na Executiva estadual pelo menos os cinco postos que os vereadores obtiveram na cúpula municipal. Entre eles, a vice-presidência, a primeira-tesouraria e a secretaria-geral, para a qual não há nome de consenso. O ex-governador José Serra chegou a ser procurado por deputados federais para tratar do assunto.

Eles aceitam eleger Tobias presidente estadual, mas querem indicar um nome da bancada para secretário-geral. Tobias defende a recondução do atual secretário-geral, César Gontijo. “Defendo ele de novo porque precisa ser alguém que toca o dia a dia do partido. E ele fez um bom trabalho. Quem tem mandato não toca muito a vida partidária”, afirmou Tobias. Para o deputado, o partido não deve usar como critério para a escolha do presidente e demais cargos o revezamento entre deputados federais e estaduais – o atual presidente é um deputado federal. Ele defende eleição direta, em que todos os tucanos possam participar. “Isso está sendo acertado. Todo mundo será acomodado”, disse Tobias. Os parlamentares acreditam que o grupo de Alckmin vai ceder espaço para evitar um novo desgaste político.

Acordo. Se não houver um acordo sobre o nome que ocupará a secretaria-geral do PSDB estadual, Gontijo pode ir para a votação durante a convenção estadual do partido, que ocorrerá no dia 7, na Assembleia.

Do lado da bancada federal, o nome cotado para o posto é o do deputado Vaz de Lima. Os deputados estaduais também querem indicar o secretário-geral. Geraldo Vinholi e Mauro Bragato são cotados, mas a tendência é que haja uma composição da bancada estadual com a federal.

28/04/2011 - 22:00h Boa noite


Henryk Szeryng – cigano (rhapsodie de concert) de Maurice Ravel

28/04/2011 - 19:18h Repete que você me ama


J.D. Florez & I. Rey “Tornami a dir che m’ami” de Don Pasquale

28/04/2011 - 09:20h Para frear crise, tucanos dão poder aos vereadores

Após perder seis parlamentares na Câmara paulistana, PSDB cede cargos importantes na Executiva a grupo que permaneceu na sigla

Julia Duailibi – O Estado de S.Paulo

Numa tentativa de estancar a crise que se arrasta por quase um mês, o PSDB abriu ontem espaço na cúpula partidária e conseguiu fechar acordo com vereadores paulistanos.

Em reunião na noite de ontem, a presidência municipal do partido costurou uma composição e cedeu aos vereadores cinco dos 18 cargos da nova Executiva. Para contemplar os parlamentares, o órgão foi ampliado – eram 15 postos na gestão anterior.

A secretaria-geral do partido, cargo que deflagrou a disputa interna, foi entregue ao vereador Adolfo Quintas. Ele estudava deixar o PSDB com o grupo de seis vereadores na semana passada. Os parlamentares também indicaram o segundo-vice-presidente, o primeiro-tesoureiro e um vogal. O líder do PSDB na Câmara, Floriano Pesaro, também terá espaço na Executiva, no posto que já era reservado à liderança.

O entendimento entre os vereadores e a cúpula do PSDB municipal, ligada ao governador Geraldo Alckmin, deve estancar a saída de mais vereadores do partido, que ficará com sete representantes na Câmara Municipal.

Durante a negociação, os aliados do governador também deram sinais de que ajudarão, na campanha do ano que vem, os parlamentares que ficaram. Os vereadores temem não conseguir se reelegerem ao enfrentar a máquina da Prefeitura, nas mãos de Gilberto Kassab. O PSD, a ser fundado pelo prefeito, é destino de pelo menos dois dos vereadores que saíram do PSDB.

Às vésperas da convenção municipal, dia 10 de abril, os vereadores perceberam que não teriam a presidência da sigla, como era o plano inicial. Passaram, então, a pleitear a secretária-geral, indicando Quintas. Mas houve a resistência de alguns aliados do governador que não queriam o cargo com o grupo, próximo de Kassab, o que alimentou o racha.

Pela primeira vez, a Executiva municipal tucana em São Paulo será composta por cinco vereadores. Para o presidente municipal, secretário estadual Julio Semeghini (Gestão Pública), foi fechado o acordo que havia sido proposto desde o início. “É aquele que desde o primeiro dia quisemos construir. É um acordo muito representativo”, afirmou.

Agora o PSDB paulista tenta articular um acordo para a eleição da Executiva estadual. A bancada de deputados federais quer a secretaria-geral do partido.

28/04/2011 - 08:59h ”Sinto um isolamento dentro do partido”

André Mascarenhas, estado.com.br – O Estado de S.Paulo

Ricardo Montoro, EX-DEPUTADO ESTADUAL E EX-VEREADOR

Filho do governador Franco Montoro (morto em 1999), o ex-deputado estadual Ricardo Montoro admite estar insatisfeito com o rumo tomado pelo novo diretório municipal em São Paulo, pivô da atual crise.

Que fatores levam o sr. a considerar deixar o PSDB?

Estou sentindo um isolamento dentro do partido. Fui vereador, deputado, secretário, e o partido me deu as costas.

O sr. concorda com a avaliação de que Alckmin é o responsável pelas defecções?

Eu não chegaria a nomear o governador. É um movimento que tem origem na eleição municipal de 2008, que o Kassab ganhou e o Geraldo perdeu. Essa é origem.

O que o sr. vai levar em conta para decidir?

Eu vou conversar com muita gente. O que eu quero deixar bem claro é que eu admito a possibilidade de sair. Mas eu ainda não saí e não tomei essa decisão. É um momento difícil e o que critico agora é essa falta de senso democrático que está tomando conta do partido.

Que avaliação o sr. faz da condução do partido pelo novo diretório municipal?

Está havendo um isolamento de um grupo. A saída de seis vereadores deveria ser profundamente lamentada por todo mundo. E não é. Parece que o pessoal acha que é isso mesmo. A saída de uma figura como o Walter Feldman, que é fundador do PSDB, e que tanto serviço prestou ao partido, deveria ser lamentada.

28/04/2011 - 08:47h A demolição do PSDB

EDITORIAL – O Estado de S.Paulo

O autor francês Jean-Paul Sartre (1905-1980) dizia que um romance não se escreve com ideias, mas com palavras. No que possa ter de verdade, a frase se aplica também à política, com uma diferença: em sentido estrito, a arte de conquistar e conservar o poder se faz com palavras e atos. A analogia vem a propósito dos solavancos mais recentes – e decerto não derradeiros – que abalam o PSDB, a agremiação que não sabe, entre outras coisas, o que fazer com o robusto patrimônio de 43,7 milhões de votos obtidos por seu candidato na última eleição presidencial.

De um lado, o ex-presidente e tucano emérito Fernando Henrique viaja pelo mundo das ideias em busca de bases conceituais para reconstruir o papel de sua legenda e dos aliados oposicionistas, depois da sua terceira derrota consecutiva para o PT de Lula em um decênio. De outro lado, no rés do chão da política partidária, atulhado do que nela há de mais velho, banal e, ainda assim, dominante – os cálculos de conveniência das ambições e vendetas pessoais -, o também tucano Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, toca a obra de demolição do enfermiço partido no seu berço e reduto mais consolidado.

Costumava-se dizer do seu correligionário José Serra que era uma figura politicamente desagregadora. Se foi, ou é, parece um aprendiz perto do rival que não se conforma até hoje com o apoio do outro ao afinal vitorioso concorrente do DEM, Gilberto Kassab, na eleição para prefeito da capital de 2008. Por conta disso e pelo aparente projeto de governar o Estado pela terceira vez, com um hiato entre 2007 e 2011, Alckmin se empenha em afirmar a hegemonia de seu grupo na seção paulista da legenda, tratando de confinar nas suas bordas os companheiros de diferentes lealdades.

Além disso – e aí já se trata dos prejuízos sofridos pelo interesse público -, deu de desmantelar políticas bem-sucedidas adotadas no interregno José Serra em áreas cruciais para a população, como educação e saúde. Chega a dar a impressão de querer apagar da história recente do Estado o período serrista. Essa política de demolição tem os seus custos, porém. Seis dos 13 membros da bancada do PSDB na Câmara de Vereadores paulistana deixaram o ninho na semana passada. E um tucano de primeira hora, o ex-deputado e secretário municipal de Esportes, Walter Feldman, acaba de fazer o mesmo.

Aqueles se guardaram de atribuir frontalmente ao governador a sua decisão. Mas este o acusou com todas as letras e argumentos ponderáveis. Argumentos que remetem à ascensão política do ex-prefeito de Pindamonhangaba pelas mãos de Mário Covas, de quem foi vice-governador e sucessor, depois de sua morte, e ao empenho de Alckmin em participar de todos os ciclos eleitorais da década passada: para governador, presidente, prefeito e novamente governador. Nem que para isso tivesse de implodir a aliança entre o PSDB e o DEM na citada eleição municipal de 2008. “Isso demonstra o seu apetite pelo poder”, apontou Feldman. “Essa é a verdade.”

A ironia é que, diante das baixas causadas pela iniciativa de Kassab de criar uma nova sigla, o PSD, o mesmo Alckmin que resistiu à parceria com o ex-PFL quando a agremiação tinha ainda razoável expressão política, agora, quando faz água, torna a recorrer aos seus quadros para recompor a equipe, depois de demitir o vice-governador e titular da estratégica Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Guilherme Afif, que resolveu acompanhar Kassab.

As fraturas no PSDB paulista ocorrem na pior hora e no pior lugar. Elas são um entrave para o soerguimento do partido, em sua dimensão nacional. Qualquer que seja o peso das ideias para o que Fernando Henrique chama “refazer caminhos”, as palavras e os atos que constituem a essência da política dependem de líderes dotados de coerência e carisma para proferi-las e praticá-los com credibilidade – e a crise paulista revela políticos que não estão à altura da tarefa. Sem líderes não se fortifica um partido, muito menos se chega às urnas com chances efetivas de sair delas vitorioso. Os erros de Alckmin não só o enfraquecem no plano regional, como sufocam as aspirações tucanas na esfera nacional. Assim os brasileiros não terão uma alternativa viável para o projeto de poder do PT.

27/04/2011 - 22:00h Boa noite


Christian Ferras – Berceuse de Fauré

27/04/2011 - 19:22h Com’e gentil


Juan Diego Florez – “Com’e gentil” de Don Pasquale