31/05/2011 - 22:00h Boa noite


Ave Verum Corpus, de Mozart, por Leonard Bernstein

31/05/2011 - 19:15h Cessa di piu resistere


Juan Diego Florez “Cessa di piu resistere”, da opera Barbiere di Siviglia

31/05/2011 - 18:00h Coisas brancas

http://leclownlyrique.files.wordpress.com/2009/12/rene-pena-serie-white-things-2002.jpg

(c) René Pena Serie White things, 2002

31/05/2011 - 17:00h Queria experimentar no seu corpo todos os lugares do mundo juntos

Cristiane Neder

(para Lorraine Williams)

Queria experimentar
todas as alturas do mundo
ao seu lado,
e perder o medo
de andar pelo céu
e conversar com os anjos.
Queria voar
e cair
sem paráquedas
para te abraçar
bem apertado,
e sentir o vento denso
das cordilheiras do Himalaia
e o silêncio e o calor
do Deserto do Saara,
pois no seu corpo
há todos os lugares belos
do mundo juntos
tatuados,
há todas as maravilhas
imaginadas e sonhadas
do planeta terra
na sua mais exata perfeição,
pois por onde você passa
sua pele recebe a energia
de cada lugar especial,
e registra na tua pele
um pouco de cada cultura.

31/05/2011 - 14:34h Mario Vargas Llosa renuncia a seguir escribiendo en El Comercio

LA REPÚBLICA

Mario Vargas Llosa renuncia a seguir escribiendo en El Comercio

“Ese medio se ha convertido en una máquina propagandística a favor de Keiko Fujimori, y viola a diario las nociones de objetividad, con la intención de impedir de cualquier forma que gane Ollanta Humala la presidencia”, expresó Mario Vargas Llosa en una carta dirigida al director de El Comercio, en donde le anuncia que solicitó a El País no le envíe más sus columnas al diario peruano.No volverán a aparecer más columnas de Mario Vargas Llosa en el diario El Comercio. El premio Nobel le escribió una carta al diario El País, propietario de los derechos universales de sus textos en donde le pide que “cese de enviar sus colaboraciones al periódico El Comercio“.

Esto lo informó a través de una carta dirigida al director del diario El Comercio, Francisco Miro Quesada Rada.

En la misiva, el novelista indica que esta separación, que es la segunda pues en 1995 se desligó del diario, será “definitiva”, y alega una serie de razones, basándose en la línea editorial del citado medio impreso:

“Desde que el puñado de accionistas encabezados por la Señora Martha Meier Miro Quesada, tomó el control de este diario y del grupo de canales y diarios que posee, dichos medios se han convertido en una máquina propagandística a favor de la candidatura de Keiko Fujimori”, indica el autor de La Guerra del Fin del Mundo.

Además, agrega que  debido a una serie de acciones que violan cualquier mínima noción de objetividad, que se ejecutan, según dice, desde El Comercio, “no puede permitir que su columna (Piedra de Toque), siga apareciendo en esta caricatura de lo que debe ser genuinamente un órgano de expresión libre, pluralista y democrático“.
Mario Vargas Llosa renuncia a seguir escribiendo en El Comercio

31/05/2011 - 13:57h Peru: Spot final da campanha de Ollanta Humala


Vamos con Ollanta a Ganar – Spot de Cierre de Campaña

31/05/2011 - 11:23h Perú: Mejor Ollanta una vez que Fujimori cuatro veces

Por Augusto Ortiz de Zevallos – LA REPÚBLICA

Porque Keiko fue parte (y primera dama) de esos tres gobiernos de Fujimori: el inicial interesante, el segundo golpista y dictatorial que corrompió y asumió todos los poderes y se los llevó al SIN. Y el tercero fraudulento, tras la vergonzosa “elección” del 2000. Y en esta campaña no solo no los objeta sino que los reivindica. Y se hace acompañar del mismo elenco.

Porque Ollanta no ha sido ni gobierno ni corrupto ni corruptor.

Porque los miedos que se fabrican con sofismas asombrosos como este: ¿qué garantías tenemos los peruanos de que Ollanta no hará lo que Fujimori hizo? Y que ya sabemos que se hará de nuevo, pues según Martha Chávez Fujimori es inocente y el culpable es el presidente del PJ que se atrevió a condenarlo. Y según esa misma y asombrosa ex presidenta del Congreso, el Ejecutivo puede, y debe, cerrar el Congreso si le parece (y ahora, con 10 parlamentarios menos que Ollanta y sin mayoría posible, sin duda busca repetir el 92).

Porque con Fujimori, Keiko gobernará Fujimori, Alberto, el jefe de la dinastía y de esta campaña hecha y controlada desde la insólita chacra de cinco estrellas que tiene en la Diroes. De donde saldrá inmediatamente, y probablemente acompañado de Vladimiro Montesinos, para gobernar.

Porque cuando Montesinos y Fujimori no hubo PJ, porque los fallos se redactaban en el SIN; ni Fiscalía, salvo para los enemigos; ni Poder Electoral, porque Portillo cocinaba las ánforas y los cómputos; ni Legislativo, pues todo se manejaba con bipper para los propios y con transfuguismos para comprar los ajenos. Ni hubo el Cuarto Poder de la prensa pues, como todos vimos, se compraba periódicos enteros, canales de TV y toda clase de titulares con lluvia de dólares en cajas de leche.

Y se inventaba en ellos desde vírgenes llorando hasta todos los posibles infundios, plagando los quioscos con una carroñera que consiguió el 2000 tumbar primero a Andrade y después a Castañeda, pero ya no pudo con Toledo, y entonces hubo ese fraude para perpetuar indefinidamente ese régimen. Con la complicidad de Hugo Chávez, quien, al caerse todo y aparecer la presidencia digna y limpia de Valentín Paniagua, protegió y escondió a Montesinos, mientras pudo.

Porque los peruanos tenemos memoria y dignidad, porque incluso los muy pobres ya disciernen mucho más de lo que creen los autoritarios, y no se les compra con miedos, polos, leche y galletas, en vez de ideas y propuestas de inclusión.

Porque nuestros jóvenes no se merecen esto. Y en todo caso, como nos dijo Serrat en Lima antes de que la derecha primaria le boicoteara su recital, habrá que preferir el miedo a la vergüenza. Hoy no hay que tener miedo a un Ollanta decantado y que visiblemente ha dejado atrás las dicotomías simplistas y los esquematismos del etnocacerismo de otros Humala, y eso se evidencia en los apoyos reflexivos y políticamente generosos que ya recibe de políticos de trayectorias democráticas y con representatividad. Me refiero a Toledo, Fuerza Social, Acción Popular, Yehude Simon, Somos Perú, César Acuña. Y de la izquierda madura.

La democracia, ante esta dicotomía, no tiene dudas. Prefiere a Ollanta bien acompañado. Y esto se evidencia en la apertura al diálogo con personajes importantes de la civilidad como Beatriz Merino.

Porque los programas de gobierno, en el mundo entero y en democracia, pueden corregirse y se corrigen y ajustan. Esto se hace hoy en Inglaterra, entre conservadores y liberales; en España entre socialistas y regionalismos vascos, canarios o catalanes; en Alemania, entre democristianos y liberales. Así se afianzaron las democracias chilena y española, así se reinventó Lula, para crecer enormemente con un país socialmente en paz. Una cosa es el programa-base de un partido y otra el programa de la gobernabilidad que emerge, para quienes respetan las ánforas, de lo que mandan las ánforas. De los resultados que llevan a conformar mayorías.

Ollanta, como demócrata y ya no como caudillo totémico, debe sumar y no aislarse, y eso vuelve lógico lo que ha ocurrido y legitima a plenitud sus compromisos adicionales asumidos con la democracia, con el Acuerdo Nacional y con figuras que todos respetamos.

Porque la izquierda moderna y ya no dogmática como fue la nuestra (esa que el tan lúcido como querido Carlos Iván Degregori decía que se había suicidado el 90) cuando se pluraliza gobierna bien y hace crecer a los países. Lagos y Bachelet lo hicieron, lo ha hecho notablemente Lula. Lo hacen Mujica en Uruguay y Lugo en Paraguay. Y no lo hace Chávez, cuya dictadura tiene la misma entraña que la de los Fujimori.

Porque no hay que creer en la ceguera reiterada y rentista de nuestra derecha, que cree todavía en Odría y en racismos selectivos. En exclusiones, en guetos y en que todos los caminos conducen a Miami.

Porque esta vez tiene razón MVLL, además de su coraje de siempre, en marcar distancias con quienes lo usaron y traicionaron cambiando libertades por ventajas, silencios y favores. Para nuestra mediocre oligarquía, como se ve, a Mario hay que invitarlo a todos los cocteles y darle todos los honoris causa para tomarse fotos con él, pero no hacerle caso cuando piensa, opina y escribe, porque entonces es un fabulador.

Porque los políticos oportunistas que ahora se cuelgan de Keiko quieren no perder poder, negocios, y, algunos, impunidad.

Quieren y ofrecen lobbys. Son lobos disfrazados de abuelitas para esta caperucita naranja que va a necesitar ministros con otras caras que las ya conocidas, en esa película que ya vimos y en esos videos que muchos prefieren ignorar y olvidar.

Porque el Perú felizmente ya no se cree que deba seguir la Inquisición. Ni en que haya sido nunca santa. Y sí cree mayoritariamente en libertades personales y en la libertad de elegir sin miedo.

Porque la negligencia con Puno, para que allá no haya elecciones y no se cuenten esos votos estratégicos para Humala, se parece demasiado a lo que se cocinó en la reciente elección municipal, cambiando a última hora las instrucciones para validar actas electorales y apostando a que anulando el 20 % de los sufragios en la periferia de Lima perdiese Susana Villarán. Así que ya conocemos estos cuentos, hoy disimulados como esa vez.

Porque es mejor para nuestros hijos construir futuro, con creatividad, juventud, apertura e inteligencia, que hacer refritos con miedos. Y es mejor tener memoria. Y votar por lo que uno quiere y espera, en un país que quiere cambios y no que todo siga igual.

Porque el Perú de hoy es un reto y una esperanza. Construir esa posibilidad de que hablaba Basadre. Y entender e integrar ese Perú profundo que él siempre reivindicó. Ante esta dicotomía: construir esperanza o cuidar negocios, él no habría dudado.

31/05/2011 - 10:55h Perú: ’A Keiko no le interesa el dolor’

Testimonio. Habla Victoria Vigo, una de las miles de mujeres afectadas por las esterilizaciones. El médico que esterilizó a Victoria Vigo le dijo que había cumplido órdenes de sus superiores de aplicar la política de planificación familiar de Fujimori.

María Elena Hidalgo – LA REPUBLICA

“Yo he sido esterilizada en 1996, durante el gobierno de Alberto Fujimori. No es verdad que el caso se ha terminado. El Estado peruano se ha comprometido a investigar y a sancionar a los responsables. Y eso todavía no ocurre”, expresó Victoria Vigo, una de las víctimas del programa de planificación familiar compulsivo que aplicó el régimen de Fujimori para supuestamente reducir la pobreza.

Durante el debate presidencial, la candidata Keiko Fujimori afirmó que el caso de las esterilizaciones, a las que fueron sometidas 314 mil mujeres, en particular andinas, campesinas y analfabetas, fue archivado por la fiscalía y defendió a los miembros de su equipo técnico, los ex ministros de Salud Alejandro Aguinaga y Marino Costa.

Lo que no dijo es que el Estado peruano se comprometió en el 2003 con la Corte Interamericana de Derechos Humanos a investigar y castigar a los autores del programa fujimorista de planificación familiar. En el 2009, el fiscal Jaime Schwartz archivó 2 mil 064 denuncias de esterilizaciones forzadas con el argumento de la supuesta prescripción de los delitos. La Corte de San José ha instado al Perú para que cumpla con su compromiso de judicializar el caso. En la práctica, las esterilizaciones masivas, que inutilizó de por vida a miles de mujeres, es un crimen impune.

“Lo que Keiko Fujimori demuestra con lo que dijo en el debate es que no le interesa el tema. No le interesa el dolor de las mujeres afectadas por las esterilizaciones. Ella ha dicho que los responsables son los médicos que se equivocaron y no el gobierno. ¿Pero acaso más de dos mil médicos pueden equivocarse? Imposible”, expresó Victoria Vigo.

En 1996, después de dar a luz y de perder a su recién nacido, el médico que atendía a Vigo, Nicolás Angulo Silva, aprovechó para ligarle las trompas sin su consentimiento. Días después, un técnico le confió que había sido esterilizada y desde entonces lucha para conseguir la condena del médico que la perjudicó.

“Durante su defensa, el doctor Nicolás Angulo dijo que lo hizo obedeciendo las órdenes de sus superiores, que era parte de la política de planificación familiar”, anotó.

“Lo que ha dicho Keiko Fujimori es repetir el argumento del ex ministro Alejandro Aguinaga. Está desinformada o sabe lo que pasó y miente”, explicó Victoria Vigo: “Mi dignidad fue arrebatada por el gobierno de Fujimori. Ella debe saber que las mujeres esterilizadas somos tratadas como inútiles por no poder tener hijos”.

Respecto a Alejandro Aguinaga y Marino Costa, integrantes del equipo de campaña de Fuerza 2011, Victoria Vigo usó expresiones duras: “Son personas inescrupulosas. No tienen ética para ser médicos porque autorizaron esterilizaciones contra la voluntad de las mujeres y ahora pretenden regresar con el gobierno de Keiko Fujimori”.

Victoria Vigo es vocera de las mujeres afectadas por las esterilizaciones ante la Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH), instancia ante la que ha ratificado su demoledor testimonio: “Las esterilizaciones masivas del fujimorismo son un crimen impune”, ha dicho.

Para recordar

Rafael Rey. El 10 de setiembre de 1995, el congresista Rafael Rey pidió al entonces presidente Alberto Fujimori y al ministro Eduardo Yong Motta que se sometan a una vasectomía, para demostrar que la operación era sencilla y reversible. “Lo que hay detrás de todo esto es un engaño. Es truco viejo, se está mintiendo al pueblo. No hay derecho a mutilar a una persona sin que lo sepa”, subrayó Rey. Sin embargo, ahora minimizó las esterilizaciones olvidando que en esa época Keiko era primera dama de la nación.

Hay 2,064 denuncias

1]”El caso de las esterilizaciones forzadas no está cerrado. El 2003 el Estado peruano se comprometió a investigar y tomar todas las medidas para que las víctimas tengan justicia y eso no se ha conseguido hasta ahora”, afirmó la abogada Marisabel Sedano, de la organización Demus.

“En el 2010, el Estado peruano informó ante la CIDH que el caso terminó, pero el organismo rechazó el informe. Es imposible archivar 2,064 denuncias”, anotó.

El presidente de la Asociación Nacional de Médicos del Ministerio de Salud (Minsa), Jesús Bonilla Yaranga, aclaró a Keiko Fujimori que los responsables de las esterilizaciones no son los médicos, sino los ex ministros Alejandro Aguinaga, Marino Costa Bauer y Eduardo Yong Motta.

31/05/2011 - 10:35h Narcotráfico cresce no Peru e ameaça fronteira do Brasil

Crime: Plantações de coca migram da região andina para a Amazônia; dois agentes da PF foram mortos

Reuters

Mulher junta folhas de coca em San Francisco, sul do Peru; país tem mais de 60 mil hectares de área plantada de coca


Humberto Saccomandi | VALOR

De Lima

O narcotráfico está em forte crescimento no Peru, mas o tema está passando ao largo das campanha eleitoral. Agora em junho, a ONU deve apontar o país como o maior produtor mundial de cocaína, superando a Colômbia. E, segundo fotos de satélite, a produção da folha de coca, antes concentrada nos vales andinos, já chegou à Amazônia peruana, bem perto da fronteira com o Brasil. Mas nenhum dos dois candidatos à Presidência tem propostas claras de como enfrentar o narcotráfico. Esse é o assunto que mais preocupa o Brasil na relação com o Peru.

As autoridades brasileiras já perceberam a escalada do problema na extensa fronteira de quase 3.000 km entre os dois países. Em novembro, na região da tríplice fronteira com o Peru e o Colômbia, houve um confronto com traficantes peruanos e dois policiais federais brasileiros foram mortos. Em janeiro, a Polícia Federal capturou o peruano que chefiava o tráfico do lado peruano, numa operação na qual novamente houve confronto armado.

“O narcotráfico vive um momento de apogeu no Peru. Isso começou em 2008, quando se sentiram no Peru os efeitos do combate ao narcotráfico na Colômbia”, disse Jaime Antezana, principal pesquisador peruano de questões relacionadas.

Ele teme que o país sofra um duplo processo de colombianização e mexicanização. Por colombianização, ele entende a infiltração de pessoas ligadas ao narcotráfico na política e nas instituições públicas. Por mexicanização, a formação de poderosas milícias do narcotráfico que poderiam enfrentar as forças de segurança.

Segundo Antezana, com as eleições deste ano já se pode falar de uma “narcobancada” no Congresso, com entre 10 e 15 congressistas, e de narcoprefeitos pelo país. Ele não citou nomes. Pablo Escobar, o famigerado líder do cartel colombiano de Medellín, chegou a ser senador. Antezana relata ainda o crescente número de confrontos armados graves entre traficantes e as forças de segurança peruanas; foram 8 em 2009 e 11 em 2010.

Apesar disso, o tema mal é abordado na campanha eleitoral, que se encerra com o segundo turno presidencial, neste domingo. No último debate, anteontem, os dois candidatos fizeram promessas vagas de reforçar as forças de segurança e atacar a lavagem de dinheiro para combater o narcotráfico, mas pesam sobre eles graves incertezas.

Keiko Fujimori é filha do ex-presidente Alberto Fujimori, em cujo governo foi montado um esquema de narcotráfico dentro do Estado peruano, liderado pelo então chefe do serviço secreto, Vladimiro Montesinos. O ex-presidente e Montesinos estão presos, mas muitos peruanos temem que um eventual governo Keiko seja tomado por gente ligada ao seu pai.

Ollanta Humala, um ex-militar, promete mais recursos aos militares para combater o tráfico, mas ao mesmo tempo acena com vários benefícios aos produtores de folha de coca, inclusive um perdão para a produção além do limite legal, que acaba virando matéria-prima para a cocaína.

No Peru, assim como em outros países andinos, existe uma produção legal de folha de coca, usada para consumos tradicionais, como o chá de coca ou mascar a folha, hábito muito difundido nas áreas mais altas do país.

No ano passado, a ONU já apontou o Peru como o maior produtor de folha de coca do mundo. Segundo relatório da ONU, em 1999 o país tinha 38 mil hectares de área plantada de coca. Em 2009, eram 60 mil hectares, contra 59 mil na Colômbia. Mas, devido a diferentes técnicas de processamento da folha, a Colômbia ainda reteve a liderança no potencial de produção de cocaína.

Este ano, com a continuada repressão ao cultivo na Colômbia, a produção da folha no Peru deve superar em muito a colombiana. Com isso, o país deve assumir o primeiro lugar na produção de cocaína.

O mais importante, porém, é o incremento da produtividade. “Em 2000, estima-se que o Peru produzia 43 mil ton de folha de coca. Já em 2009 teriam sido 128 mil ton. Houve mudanças importantes nas técnicas de produção. Não é mais aquela produção artesanal, com uma planta aqui, outra ali. Hoje usam-se técnicas de cultivo modernas, fertilizantes”, disse Antezana. Ele estima que o potencial de produção de cocaína no Peru tenha passado de 141 toneladas, em 2000, para 317 toneladas em 2007.

O narcotráfico no Peru era tradicionalmente dominando por colombianos, que compravam a pasta-base peruana. Mas, por volta de 1995, os cartéis colombianos começam a ser desmantelados. “Em 2000, chegam ao Peru os mexicanos. Há uma correlação entre essa chegada e o crescimento do cultivo de coca. Os mexicanos não querem a pasta-base, eles compram a cocaína. E têm duas exigências: alta qualidade, o que levou a um aperfeiçoamento dos laboratórios no Peru, e alto volume”, diz Antezana.

As autoridades peruanas ainda não acreditam na formação de cartéis no país. “São os colombianos e mexicanos que vêm aqui negociar a droga para distribuí-la”, afirmou o ex-candidato presidencial Pedro Pablo Kuczynski.

Mas Antezana não está tão seguro disso. Segundo ele, já há a formação de clãs que controlam a produção em áreas do Peru. Além disso, grupos peruanos controlam a distribuição de cocaína na periferia de Buenos Aires e disputam o controle no Paraguai, o que poderia ser o embrião da formação de cartéis peruanos. “No Brasil, a distribuição é feito por grupos brasileiros”, diz ele.

“Entre 2005 e 2007 houve uma série de choques entre a polícia argentina e clãs peruanos. Isso significa que já eram organizações fortes e poderosos, que podiam enfrentar as forças de segurança argentinas”, diz Antezana. “Há o risco de que surjam no Peru organizações que controlem toda a cadeia da cocaína.”

Segundo uma autoridade brasileira, que pediu para não ser identificada, o combate ao narcotráfico pelo governo peruano é precário e ineficaz. Chega a faltar gasolina para veículos das forças de segurança. “Não temos um Estado lutando contra o narcotráfico. Há uma sensação de impunidade aqui”, disse Antezana. “Por isso, a produção da cocaína está migrando para cá.”

O governo peruano nega a condescendência com o narcotráfico e diz que a repressão na Colômbia é mais eficiente devido à forte ajuda financeira e técnica dos Estados Unidos. E alega que Washington se preocupa menos com o Peru, pois a droga peruana vai principalmente para a Europa e países sul-americanos, enquanto que a Colômbia abastece primordialmente o mercado americano.

No início de seu governo, o atual presidente peruano, Alan García, chegou a sinalizar com uma política de forte combate ao narcotráfico, mas esse ímpeto cedeu depois da aprovação pelo Congresso americano do acordo de livre comércio entre EUA e Peru, no final de 2007.

Esse forte incremento do narcotráfico no Peru preocupa o governo brasileiro. “As plantações de coca estão chegando à região de fronteira com o Brasil, a área conhecida como trapézio amazônico. Detectamos várias plantações do lado peruano, em fotos por satélite”, disse outra autoridade brasileira, que também pediu para não ser identificada.

Ainda não está claro o que fez a produção chegar à Amazônia peruana. Em geral, as folhas produzidas na selva tem um teor de alcaloide, princípio ativo da droga, menor que as folhas produzidas nos vales andinos.

Antezana diz que isso pode ter ocorrido para facilitar o contato com traficantes brasileiros que visitam regularmente a região de fronteira. Autoridades brasileiras especulam ainda que pode se tratar de uma espécie de coca melhorada, que teria um teor alto de alcaloide mesmo plantada na selva. Ainda não foram feitas operações de erradicação na região, de modo que não se conhece a planta.

“Muita gente crê que se pode conviver com o narcotráfico. Por isso, não é um tema importante na campanha eleitoral”, disse Antezana. “Mas basta ver o que está acontecendo no México.”

Além de atuar na repressão na fronteira, Antezana espera do Brasil uma ajuda maior na luta contra a pobreza nas regiões produtoras de coca no Peru. “Se não houver uma política de desenvolvimento econômico e social da zona andina, o combate ao narcotráfico não é sustentável.”

Um executivo de uma grande empresa brasileira concorda com essa avaliação e cita as quatro hidrelétricas no Peru (duas em construção e duas em fase de projeto) que devem vender parte de sua energia ao Brasil. “Essas obras vão gerar muitos empregos em regiões pobres e produtoras de coca.”

Um autoridade brasileira cita ainda a construção da rodoviária interoceânica, que ligará a região central do Peru ao Acre, como um novo eixo de desenvolvimento. Apesar de a rodovia não estar completamente pronta (falta uma ponte, que deve ser inaugurada até julho), o movimento do lado peruano já atingiu a meta prevista para 2013.

Antezana, porém, está pessimista. “Vejo um câncer se instalando silenciosamente no meu país, e ninguém faz nada.”

31/05/2011 - 09:23h Tucano de SP defende que PSDB se nacionalize

Cristiane Agostine e Samantha Maia | VALOR

De São Paulo

Aliado do governador Geraldo Alckmin (SP), o dirigente do PSDB de São Paulo e secretário estadual Edson Aparecido defendeu ontem a estratégia vitoriosa na convenção nacional do PSDB, que reelegeu o deputado Sérgio Guerra (PE) na presidência do partido e colocou o ex-senador Tasso Jereissati (CE) na presidência do Instituto Teotônio Vilela (ITV). Na análise de Aparecido, o partido tem de deixar de se concentrar em São Paulo e reforçar sua estrutura em outros Estados para disputar a eleição de 2014.

“São Paulo não pode achar que vai ter sempre a hegemonia. O PSDB precisa ser mais nacional”, disse Aparecido, secretário de Desenvolvimento Metropolitano. “Fortalecer o partido em outros Estados não é uma tática errada. Está corretíssima”, afirmou, ao analisar a convenção do sábado. “Não adianta: [caso contrário ] a gente vai continuar ganhando em São Paulo, mas perdendo a Presidência.” Na convenção, Serra perdeu a disputa pelo ITV. O tucano foi indicado para presidir o conselho político do partido.

O interlocutor de Alckmin defendeu a realização de prévias para 2014. “O PSDB deve consultar os filiados. Se tiver mais de um candidato, faz uma prévia. Se tivéssemos feito primária para presidente nas duas últimas eleições, talvez o partido estivesse unido”, disse. “Evitou-se a disputa e deu no que deu”, completou. O tucano comemorou o fim da convenção, depois de “cinco meses de problemas diários”. “Todos os partidos têm disputa. No nosso, [a disputa] vira crise”, disse.

31/05/2011 - 08:31h PSD estará contra o PT na maioria das capitais

Eleições: Sigla de Kassab será oposição a petistas em 14 cidades

Ailton de Freitas/Agência O Globo

Kassab e Kátia Abreu: senadora deve se lançar à Prefeitura de Palmas pelo PSD e convidou o prefeito, Raul Filho, expulso do PT, para entrar no partido


Cristian Klein | VALOR

Rota de fuga de políticos da oposição que querem se abrigar no governo federal, o PSD terá um comportamento distante do PT nas eleições de prefeituras-chave no ano que vem. Em apenas cinco das 26 capitais, o partido criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, figura num cenário mais claro de aliança com o PT ou com grupos políticos aos quais petistas estão alinhados. Todas pertencem ao Nordeste: Aracaju, Fortaleza, Maceió, Salvador e São Luís. Em sete capitais, a situação está indefinida ou é de ambiguidade, entre as quais as três maiores: São Paulo, Rio e Belo Horizonte. Em mais da metade, 14 capitais, o PSD deverá marchar contra o PT. É o mesmo número de cidades em que a legenda surge com pré-candidatos.

Nas 14 capitais onde estão em lados opostos, a situação reflete a incompatibilidade entre petistas e adversários tradicionais de mudança para o PSD. São egressos de partidos como o PSDB e o DEM que, se no plano nacional podem mudar de posição sem muita turbulência, não tem como fazer com que o eleitor esqueça o histórico de rivalidade sem grande estranhamento.

Teresina, no Piauí, é um caso exemplar. Ali, a flexibilidade do PSD é grande. O futuro presidente estadual do partido, o deputado federal Júlio César Lima, tenta convencer o colega da Câmara Hugo Napoleão (ambos de saída do DEM) a concorrer à prefeitura. Como Napoleão está reticente, Lima afirma que o PSD pode compor com o PTB, do prefeito Elmano Férrer; com o PSB, que cogita lançar o vereador Rodrigo Martins, sobrinho do governador Wilson Martins; e com o PSDB, de Firmino Filho. “Em política tudo é dinâmico. Vamos ver quem tem mais aceitação popular”, diz. Uma aliança com o PT, contudo, é praticamente descartada. “Até temos uma relação com o ex-governador e senador Wellington Dias, mas com o partido, o PT, fica mais difícil pela nossa história”, afirma Lima, ao citar sua trajetória e a de Napoleão. Ambos pertenceram à Arena e a todas as siglas que dela descenderam: PDS, PFL e DEM.

Em Palmas, no Tocantins, a senadora Kátia Abreu deverá se lançar à prefeitura. Sua ida para o PSD foi marcada pelo anúncio surpreendente da adesão à base do governo federal, ao qual se opôs ferrenhamente durante os anos Lula. Mas, na capital, ela e o PT ainda se mantêm a léguas de distância. Sinal disso é o convite de Kátia Abreu para que o prefeito Raul Filho, expulso do PT, ingresse no PSD. O prefeito tornou-se persona non grata no partido depois que, no ano passado, apoiou a candidatura de João Ribeiro (PR) ao Senado em detrimento à do correligionário Paulo Mourão.

Nas três capitais do Sul, a relação também será de oposição entre PT e PSD. Fruto do modo como o partido de Kassab está entrando na região, pelas mãos de rivais tradicionais dos petistas.

Em Florianópolis, Santa Catarina, a chamada Tríplice Aliança (PSDB, PMDB e agora PSD no lugar do DEM), que sustenta o governador Raimundo Colombo, líder do PSD no Estado, tem os petistas como adversários históricos. Em Curitiba, o PSD fará uma composição com o PSDB e o PSB do prefeito Luciano Ducci, que busca a reeleição, ou terá candidatura própria, que pode ser a do ex-deputado federal tucano Gustavo Fruet, que se notabilizou nacionalmente como inimigo petista durante as investigações do escândalo do mensalão, em 2005. Em Porto Alegre, o PT não deve se aliar nem ao prefeito José Fortunati (PDT), que dirá ao PSD caso a legenda seja controlada pelo PP ou pelo ex-governador Germano Rigotto (PMDB).

A ambiguidade na relação entre PT e PSD prevalece em sete capitais, três das quais são as maiores. O prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, de casa, dá exemplo da estratégia camaleônica que delineou para o partido, que segundo ele é “independente”, nem de esquerda, centro ou direita. Ao mesmo tempo em que se diz fiel a uma possível candidatura de seu aliado tucano, o ex-governador José Serra, Kassab constrói pontes que permitam uma aliança com o PT. Reflexo disso é o apoio ao nome do seu secretário do Verde, Eduardo Jorge (PV), ex-petista.

No Rio, a situação também é indefinida, mas por outras razões. O amplo bloco de apoio à reeleição de Eduardo Paes (PMDB) hoje inclui o PT. Mas a entrada do ex-candidato a vice-presidente de José Serra, Indio da Costa, como vice na chapa de Paes pode levar ao rompimento e a um voo solo dos petistas.

Nem tanto pela origem dos integrantes do PSD ou pelo histórico de rivalidade com o PT, a situação em Belo Horizonte é indefinida por natureza, para quase todos, dado o imbróglio decorrente da eleição de Márcio Lacerda (PSB), em 2008, apoiado tanto por petistas quanto por tucanos. A união improvável, que agora tende a se desfazer, torna o cenário incerto.

O deputado federal Geraldo Thadeu (ex-PPS) resume o farto cardápio do PSD. A sigla pode lançar seu colega Alexandre Silveira (também de saída do PPS). Pode apoiar o prefeito caso ele fique com o PSDB. Pode também com o PT. E o nome da oposição, o deputado Leonardo Quintão (PMDB), estaria descartado? “Por que não?”, pergunta Thadeu, para acrescentar. “Eleição municipal tem características próprias. O próprio Aécio não apoiou o Márcio Lacerda sendo o vice do PT?”

Em Campo Grande, o PSD está nas mãos de Antônio João Hugo Rodrigues, dono do maior grupo de comunicação do Mato Grosso do Sul, que quer realizar o sonho de ser prefeito. Devido a atritos, uma aliança com o bloco capitaneado pelo governador André Puccinelli (PMDB), em torno da sucessão do prefeito Nelsinho Trad, é inviável. A aproximação com o PT é antiga. Antônio João foi suplente e exerceu o mandato de senador por quatro meses em substituição a Delcídio Amaral. Mas uma coligação com o partido no Estado passa pelas pretensões de outro cacique, o ex-governador Zeca do PT, com quem também já teve desavenças.

Diante desse quadro, o empresário neófito na política mostra suas preocupações. “Pretendo disputar com coligação. Meu problema não é dinheiro. É que não tenho tempo de TV”, diz.

Como dois terços do tempo de propaganda gratuita no rádio e na TV são baseados na bancada eleita para a Câmara dos Deputados na eleição anterior, o PSD em 2012 terá direito a apenas o tempo mínimo: um terço dividido igualmente entre todos os partidos ou coligações que apresentarem candidatos.

A dificuldade não impede, pelo menos por enquanto, que em 14 capitais haja pretensões de candidatura própria do PSD.

Isso não ocorre, contudo, nas cinco cidades em que a sigla está afinada com o grupo do PT. Nestes casos, o PSD sabe que irá na esteira dos petistas ou de seus aliados.

Na Bahia, por exemplo, o deputado federal José Carlos Araújo (ex-DEM) afirma que o partido está apenas começando e não há condições para lançar um nome. No máximo, tentar emplacar o vice na chapa petista, que seria o deputado estadual Alan Sanches, de saída do PMDB. “O partido é novo. Não dá para ter pretensões na capital. Mas, no interior, vamos ter candidatos próprios com o apoio do PT”, afirma.

30/05/2011 - 22:00h Boa noite


Franz Lang Lang – Schubert – “Wanderer-Fantasie”

30/05/2011 - 19:15h Para me aproximar de Maria


Juan Diego Flórez – Pour me rapprocher de Marie

Gaetano Donizetti
LA FILLE DU RÉGIMENT

Marie – Natalie Dessay
Tonio – Juan Diego Flórez
Sulpice Pingot – Alessandro Corbelli
La Marquise de Berkenfield – Felicity Palmer
Hortensius – Donals Maxwell
La Duchesse de Crackentorp – Marian Seldes

Conductor – Marco Armiliato
Stage director and costumes – Laurent Pelly
Sets designer – Chantal Thomas
Dialogue – Agathe Mélinand
Lights – Joël Adam

Metropolitan Opera, New York

30/05/2011 - 08:28h Derrota faz Dilma corrigir estratégia política

Governo : Resultado da votação do Código Florestal leva Planalto a repensar a forma como se relaciona com os aliados

Paulo de Tarso Lyra | VALOR

De Brasília

A derrota na votação do Código Florestal na Câmara levou o governo a admitir que errou na coordenação política e na relação com a base aliada no Congresso. Os líderes não comandaram os deputados, os ministros não deixaram claras suas posições, as opiniões da presidente Dilma Rousseff não chegaram ao plenário da Câmara. O desastre levou o Palácio do Planalto a repensar sua atuação: a presidente, que até o dia 23 de maio tinha recebido apenas dez parlamentares, almoçou na quinta-feira com a bancada de senadores do PT e nesta semana vai reunir-se com senadores pemedebistas.

A princípio, a pauta da conversa com os senadores – Dilma receberá toda as bancadas que apoiam o governo – será a tramitação do Código Florestal na Casa. Mas não será uma estratégia passageira, decidida em momento de crise. O governo avalia que precisa mudar a forma como se relaciona com seus aliados. “A derrota no Código é o resultado dessa desorganização. Perdemos até no discurso: os verdadeiros derrotados foram os ambientalistas, não nós. Mas ninguém acredita nisso”, lamentou um assessor graduado do governo.

Apesar disso, o diagnóstico de que tudo estava errado não foi imediato. No dia seguinte ao da votação, o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, ligou irritado para o vice-presidente, Michel Temer. Em uma conversa muito dura, transmitiu um recado claro de Dilma: “A presidente quer saber se o PMDB é ou não governo”. Temer não se intimidou com o questionamento e também reagiu irritado: “O PMDB é governo. Mas você sabe que a votação do Código não é um assunto de governo e oposição.”

A relação direta entre os dois começa a ser restabelecida lentamente. Já havia um descontentamento por parte do PMDB com o fato de, após conduzir as primeiras negociações sobre o Código Florestal, Temer ter sido alijado das negociações finais. Mas na quinta-feira, durante café da manhã com os pemedebistas dissidentes, o vice pediu um voto de confiança em Palocci e conseguiu, por enquanto, demover os correligionários de apoiar uma CPI para investigar o chefe da Casa Civil.

A relação com o PMDB pode ser tensa, mas poucos acreditam em um rompimento do partido com o governo. Basicamente, porque isso seria uma tática suicida para a legenda e a decretação de um racha interno. “Sempre haverá uma parte do PMDB apoiando o governo Dilma. Quem quiser briga, acabará isolado na legenda”, acredita uma ex-autoridade que acompanhou de perto as articulações para trazer o PMDB para a chapa presidencial de Dilma.

Não está claro, ainda, se a nova postura do governo na relação com os aliados significará uma mudança de atitude de Palocci. Nas conversas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o PT e outros senadores aliados houve muita reclamação sobre o chefe da Casa Civil, considerado por boa parte dos queixosos como alguém inacessível ou pouco afeito ao diálogo com o Congresso.

Um experiente analista da cena política brasiliense acredita que Palocci tornou-se alvo de ataques por passar a imagem – ou não ter forças para desmistificar a versão corrente – de ser extremamente poderoso, quase um fiador do governo Dilma. “Como é quase impossível derrubar-se um presidente, fica mais fácil bater em ministros poderosos. Mas é preciso lembrar que quem tem voto é o presidente, não um ministro”, afirmou uma fonte credenciada. “Enquanto as pessoas acharem que ele é poderoso, Palocci continuará na berlinda”, completou.

Aliados do ministro refutam a tese de que Palocci assumiu uma posição de supremacia: “O poder que ele eventualmente tem é o poder dado pela presidente Dilma Rousseff.” Argumentam, por exemplo que a Casa Civil atual está muito mais ‘desidratada’. Saíram de sua atribuição o gerenciamento de grandes programas, como o PAC e o Minha Casa, Minha Vida, permanecendo, na essência, apenas a análise jurídica dos projetos coordenados pelo governo e o assessoramento direto à presidente.

O poder de Dilma não está ameaçado nem mesmo com a recente incursão de Lula a Brasília. O ex-presidente conversou com senadores de todos os partidos – há quem considere isso um exagero, preferindo que a atuação dele ficasse restrita ao PT -, jantou com Dilma e Palocci e foi o principal artífice da mudança de estratégia política do governo.

Essa não é a primeira vez que Lula ajuda a pupila. Quando o governo negociava com as centrais sindicais o reajuste do salário mínimo, Lula chamou as centrais de “oportunistas”, em entrevista em Dacar, onde participava do Fórum Social Mundial. “Ele tem uma relação com a Dilma de pai e filho. A vinda dele à Brasília foi para mostrar que a presidente não está sozinha e repetir o bordão: mexeu com a Dilma, mexeu comigo”, disse um amigo do ex-presidente.

29/05/2011 - 22:00h Boa noite

Alfred Brendel – Franz Schubert – Sonata para piano D. 960

29/05/2011 - 19:13h Tutto è sciolto…Ah perchè non posso odiarti


Vincenzo Bellini
LA SONNAMBULA

Amina – Natalie Dessay
Elvino – Juan Diego Flórez
Il Conte Rodolfo – Michele Pertusi
Lisa – Jennifer Black
Teresa – Jane Bunnell
Alessio – Jeremy Gaylon

Conductor – Evelino Pidò
Director – Mary Zimmerman

Metropolitan Opera, New York
March 21, 2009

29/05/2011 - 10:41h Perú: Ollanta obtiene ligera ventaja

Recta final. Semana decisiva para captar los votos que faltan para ganar elección. Con una diferencia de menos de dos puntos, lo que suceda en los próximos días será determinante para definir al ganador de la elección presidencial.

Imasen_ultima1


Rocío Maldonado – LA REPÚBLICA

La última encuesta nacional urbano rural de Imasen –exclusiva para La República– muestra que Ollanta Humala obtiene el 43,8% de intención de voto frente al 42,5% de Keiko Fujimori, es decir, solo 1,3% separa a ambas candidaturas, por lo que cualquier acontecimiento de esta semana será determinante para inclinar la balanza hacia un lado u otro.

Al considerar solo los votos válidos, el candidato de Gana Perú obtiene el 50,8% de los sufragios frente al 49,2% de su oponente de Fuerza 2011, con lo cual la ventaja de Humala Tasso se eleva en seis décimas.

Giovanna Peñaflor, directora de Imasen, refirió que la distancia entre los dos aspirantes presidenciales es bastante reducida, y considerando los márgenes de error del estudio estamos ante un empate estadístico.

“En una situación de tanto equilibrio todo puede ser determinante: los votos del extranjero, que exista una zona que no vote, el debate, lo que digan o no digan los voceros, o también que aparezcan audios o videos comprometedores”, advirtió.

En ese sentido, dijo que la huelga en Puno y la posibilidad de que allí no se realicen las elecciones terminarían perjudicando más a Ollanta pues, si bien ambos aspirantes pierden votos, es conocido que esta zona es uno de los bastiones del nacionalismo.

Debate vital

Otro elemento decisivo para orientar el voto –mencionó Peñaflor– es el debate que se realizará hoy entre los candidatos a la presidencia de la República. “Será vital para consolidar las imágenes que han tratado de construir en estas semanas, para ganarse la confianza de la gente que no cree tanto en ellos y fundamentalmente para construir un liderazgo con miras a los próximos cinco años. En los debates hay que ser propositivos y plantear diferencias claras. En la campaña muchos aspectos han sonado parecidos y la gente quiere comparar claramente de qué están hechos uno y otro”, dijo.

Corrupción y DDHH

El sondeo muestra también que la población esperaba mayoritariamente que los temas de corrupción y derechos humanos se aborden de manera directa en la polémica. Un 75,7% y un 78,0% respectivamente se mostraron a favor de incluirlos en la discusión.

Además el 32,3% de los entrevistados dijo que no tratar el tema de corrupción beneficia a la candidata de Fuerza 2011, frente al 14,2% que consideró que beneficia a su oponente de Gana Perú.

En cuanto a los derechos humanos, el 26,8% sostuvo que obviar el tema favorece a Fujimori Higuchi frente al 16,9% que dijo que beneficia a Humala Tasso.

Imasen_ultima2

Indecisos

El estudio de Imasen, realizado entre el 23 y 27 de mayo y que utilizó la metodología de simulación de voto (con cédula), muestra que a una semana de las elecciones los votos blancos, nulos y viciados alcanzan el 13,7% del electorado.

Al respecto, Peñaflor mencionó que existiría un 10% de electores que marcaron una de las dos opciones que todavía podría cambiar de opinión, puesto que no se observa un voto sólido.

“Mi impresión, por los datos que también aparecen en la encuesta, no es de votos totalmente sólidos o consolidados, en el sentido de que no son votos con fuertes identificaciones emocionales positivas sino que son votos construidos recientemente, hace pocos días o semanas, y en un clima de polarización tal que a la larga pueden variar dependiendo, por ejemplo, del debate o de lo que suceda en los próximos días”, expresó.

Lima vs provincias

El sondeo de Imasen, el último que puede ser difundido a través de los medios de comunicación por disposición legal, muestra que Humala Tasso continúa teniendo su mayor caudal de votos en la zona sur del país, donde contabilizando solo votos válidos tiene un 65% de respaldo frente al 35% de Fujimori Higuchi. También es muy fuerte en el centro con un 60% de apoyo frente al 40% de su contendora.

En contraposición, la candidata de Fuerza 2011 gana en Lima con un 58,1% de respaldo frente al 41,2% del aspirante de Gana Perú.

En el norte, la pelea está muy pareja, pues Fuerza 2011 logra el 50,5% de sufragios frente al 49,5% de Gana Perú.
Se confirma también la percepción que tiene la ciudadanía de que Ollanta Humala gobernaría para los pobres, mientras que Keiko Fujimori privilegiaría a los sectores más pudientes.

29/05/2011 - 10:14h Encuesta nacional de El Comercio: Keiko Fujimori: 50,5%; Ollanta Humala 49,5%

EL COMERCIO

Estudio de opinión realizado por Ipsos Apoyo muestra empate técnico. Un 12% de los electores no votará por ningún candidato

Keiko Fujimori, Ollanta Humala
(Fotos: AP)

A siete días de la segunda vuelta, Keiko Fujimori mantiene una ligera ventaja sobre Ollanta Humala. Según la última encuesta de El Comercio, realizada por Ipsos Apoyo, en intención de voto, Fujimori pierde dos puntos y cae a 41%, mientras que Humala se mantiene en 39%.

Las declaraciones del ex vocero Jorge Trelles, la denuncia contra su suegro y una agresiva contracampaña habrían afectado a la lideresa de Fuerza 2011. Los votos blancos y viciados(12%), así como los indecisos (8%) se incrementan.

En el simulacro de votación, la diferencia se reduce a un punto: Keiko obtiene 50,5% y Ollanta 49,5%.

ANÁLISIS
Alfredo Torres, director de la encuestadora Ipsos Apoyo, precisó que el respaldo que ha perdido la candidata Fujimori se ha desplazado hacia el voto nulo. En tanto, el postulante de Gana Perú conserva su intención de voto sin variación.

“La dificultad para romper el empate aparentemente estriba en que la mayor parte de los electores no confía en la sinceridad de ambos postulantes”, escribió Torres en la columna que acompaña la encuesta de El Comercio.

FICHA TÉCNICA
El estudio de opinión se realizó entre el 21 y el 27 de mayo del 2011 y tuvo como muestra a 1990 personas. El margen de error es de +/- 2,2% y el nivel de confianza es de 95%.

29/05/2011 - 09:28h Beltrame, sobre UPPs: ‘Nada sobrevive só com segurança. É hora de investimentos sociais’

UPP Social?

Elenilce Bottari e Liane Gonçalves – O GLOBO

RIO – Quase como um ritual de batismo, ao assumir a Secretaria de Segurança do Rio, em 1 de janeiro de 2007, o delegado José Mariano Beltrame ouviu de empresários e de representantes de órgãos públicos de todas as esferas de governo um conhecido discurso: o de que a falta de segurança e a presença de grupos armados impediam investimentos sociais nas favelas cariocas. Hoje, 17 UPPs depois e diante da expectativa de 300 mil moradores das favelas pacificadas, ávidos por dignidade, é a vez de Beltrame reclamar. Mostrando uma angústia incomum para um homem normalmente fechado e se dizendo chateado com a demora na chegada de investimentos sociais e de infraestrutura às comunidades, o secretário falou ao GLOBO sobre os objetivos do programa das Unidades de Polícia Pacificadora, anunciou novas metas para o próximo triênio e alertou para o problema da falta de participação da sociedade na inclusão das favelas:

- Nada sobrevive só com segurança. Não será um policial com um fuzil na entrada de uma favela que vai segurar, se lá dentro das comunidades as coisas não funcionarem. É hora de investimentos sociais.

Que balanço o senhor faz hoje das UPPs?

JOSÉ MARIANO BELTRAME:Embora as UPPs estejam agradando, eu tenho meus temores em relação ao pós-UPP. Aquilo a que efetivamente a UPP se presta nada mais é que proporcionar, viabilizar a chegada da dignidade ao cidadão. Essa é a razão da existência da UPP: criar um terreno fértil para a geração de dignidade. É isso que vai garantir o projeto, e não apenas a presença da polícia.

O senhor não acredita então que as UPPs estejam garantidas?

BELTRAME:Se não houver investimentos maciços na dignidade dos cidadãos, na geração de perspectivas para aquelas pessoas, não digo que o programa vá dar errado, mas não é a polícia que vai garantir o sucesso de tudo isso. A UPP criou um ambiente para a sociedade começar a pagar a dívida que todos temos com essas áreas até então excluídas.

O senhor está sempre percorrendo as UPPs. Sente-se o administrador do programa?

BELTRAME:A gente cuida do projeto como se fosse um filho. O melhor feedback é ouvir os moradores dessas comunidades. As reportagens sobre UPPs são ótimas, mas é ainda melhor ouvir das pessoas frases assim: “Secretário, meu netinho vai fazer 2 anos. O senhor acredita que até agora ele nunca ouviu um só tiro?”

O que o senhor vê que o angustia?

BELTRAME: Na Cidade de Deus, por exemplo, vi lixão a céu aberto, porco e criança vivendo no mesmo ambiente, que parece Bangladesh. Há muita sujeira, muita desordem na questão habitacional. Fizeram uns conjuntinhos de qualidade muito baixa e entregaram aquilo à população, que hoje começa a fazer puxadinhos. Parece que ali não há ninguém fiscalizando. Aí o que acontece? Nesses lugares, a PM, através do capitão (comandante da UPP), se torna a presença física do Estado, 24 horas por dia. As pessoas vão lá no capitão reclamar do puxadinho, da van clandestina, do piloto de moto que faz transporte e não tem capacete. Isso desgasta o capitão, porque eles vão lá cobrar coisas que não são da competência da polícia.

Que critérios têm de ser definidos para garantir o sucesso do projeto?

BELTRAME: Talvez a garantia de que essas comunidades vão passar a contar com luz, sistema de esgoto e água, além de coleta de lixo. O sucesso do projeto depende de investimentos maciços, e estes não estão sendo feitos na velocidade necessária.

O senhor se sente responsável pelas 300 mil pessoas beneficiadas diretamente pela pacificação. Isso lhe tira o sono?

BELTRAME: Isso me preocupa. A UPP mexe com o que há de mais valioso nas pessoas, que é a esperança. E a gente precisa ter senso de responsabilidade. Essas pessoas, com a chegada da polícia, podem começar a pensar que agora o Estado está presente ali. E esse Estado tem que se apresentar de forma mais palpável, de um jeito forte. É algo que me preocupa porque a gente está mexendo com o imaginário das pessoas. Isso não é brincadeira.

O senhor vive a angústia dessas pessoas que esperam por melhorias?

BELTRAME: Vivo. Eu vivo essa angústia. Vou lá nas comunidades e saio mal com certas coisas que vejo. Mas também saio muito gratificado por outras coisas, como o depoimento daquela avó a que me referi antes.

Essa falta de perspectivas prejudica o seu trabalho?

BELTRAME: Eu acho que sim, porque as pessoas passam a ver na construção da esperança aquele homem fardado. E só. É nele que as pessoas vão. Então começam a perguntar ao capitão por serviços que são da Cedae, da Light, da CET-Rio. Hoje, por exemplo, eu tenho policiais que, mesmo estando de serviço, dão aula de esportes. Eu apoio essa iniciativa, porque não vou deixar as crianças sem esporte. Mas gostaria que o responsável por esse setor assumisse essa tarefa, me liberando dois ou três policiais para exercerem a sua função.

Mas o senhor não conta com a parceria de empresários?

BELTRAME: Tenho grandes parceiros, como a OGX, do Eike Batista. Tenho a Firjan e a Light. As suas ações são visíveis nessas comunidades. Eu posso estar cometendo uma injustiça, mas agora tudo é o Complexo do Alemão, onde não há UPP. Eu gostaria que tudo que está acontecendo no Alemão ocorresse nas comunidades com UPPs na Tijuca e em outros bairros. Mas foi tudo para o Alemão. Até banco já abriram lá. Poderiam abrir no Morro dos Macacos, no Salgueiro.

O senhor pede ajuda ao governador Sérgio Cabral, reclama com ele?

BELTRAME:Peço, reclamo. O governador liga para essas pessoas, para os secretários, é um parceiro meu.

Na UPP Social, o que o senhor considera mais urgente?

BELTRAME: Eu não gosto do nome UPP Social. UPP é UPP. Falaram em alguma entrevista e colou, mas sou contra, porque a UPP não é social, ela proporciona o social, permite que o social aconteça. Além disso, se a UPP Social começar a não acontecer, pode me levar junto. E eu não quero isso.

O senhor teme pela sobrevivência do projeto se não houver a participação de outros setores?

BELTRAME: Eu acho que nada sobrevive só com segurança. Não será um policial com um fuzil na entrada de uma favela que vai segurar, se lá dentro das comunidades as coisas não funcionarem. É hora de investimentos sociais. Quando me perguntam o que podem fazer, eu digo: vá lá e veja. Pode entrar, pode visitar. Uma pessoa sozinha talvez não consiga fazer muito, mas se houver outras… Posso estar enganado, mas acho que o ambiente que nós temos hoje permite que a gente pense grande.

Em algum momento o senhor pensou em abandonar o cargo?

BELTRAME: Nunca pensei, a gente tem proposta. Eu achava que no fim do ano era o momento em que poderíamos sair. Digo poderíamos porque não estou sozinho. Isso talvez fosse bom para mim, José Mariano. Mas temos projetos. Sair seria uma coisa egoísta. Não vou jogar a toalha. Eu brigo muito, mas isso desgasta.

O estado não poderia dar incentivos a empresas que quisessem investir maciçamente nas comunidades?

BELTRAME: Eu acho que você precisa perguntar isso ao Villela (o secretário estadual de Fazenda, Renato Villela). Acho que já viram o resultado da política de segurança na saúde pública. Na medida em que as pessoas dão menos tiros, há menos mortos e menos feridos (atendidos nas emergências dos hospitais). A rede hoteleira às vezes me acena, dizendo que o resultado é fantástico.

O senhor acha então que, se a prefeitura ou os empresários não colaborarem, o projeto das UPPs ficará capenga?

BELTRAME:O que eu quero é fomentar o programa, para que ele decole definitivamente. Acho que, quanto menos dignidade tiver o cidadão, mais difícil será. Você pode fazer um cinturão de policiais para manter a ordem, mas também não é isso que a sociedade quer.

E a vida pessoal, como fica?

BELTRAME: Eu não tenho tempo para eles (mulher e filhos). Hoje, o meu programa preferido, que já é difícil, é ficar em casa dormindo. Mas fico muito feliz de ir à rua e as pessoas me cumprimentarem. Eu sou muito agradecido.

Quais as próximas metas?

BELTRAME: Trabalhar firme em cima do desvio de conduta, da corrupção. Investir ainda em tecnologia, educação e capacitação, que são tão difíceis. Estudar como realizar ocupações como a do Alemão, como fazer UPPs. É abrir os currículos, ver quem são os professores, rever com eles disciplina por disciplina. Vamos rever tudo, os cursos de formação de praças, de oficiais, de delegados, de inspetores.

Até alguns anos atrás, a polícia pagava a informantes com materiais apreendidos em operações. Essa polícia está mudando?

BELTRAME: Talvez esse não seja um trabalho para um secretário. Mas nesse sentido as UPPs também me empolgam. Durante mais de 40 anos, nossa política era de entrar e sair das comunidades, com três facções criminosas brigando entre si e com a polícia. E o que aconteceu? Acabamos tendo, ao longo de décadas, uma polícia para fazer guerra, e não para prestar serviços. Agora nós já temos uma polícia prestadora de serviços.

29/05/2011 - 08:59h Lula vê governo ‘ingênuo’ e avisa que ‘Kassab é Serra’

Ex-presidente acredita que tucano está por trás do ‘vazamento’ de dados da empresa de consultoria do ministro da Casa Civil

Vera Rosa – O Estado de S.Paulo

Em conversas mantidas com ministros, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o governo foi “ingênuo” ao acreditar no prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (ex-DEM). Ao ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, Kassab prometeu apurar se houve vazamento de dados fiscais da empresa de consultoria Projeto pela Secretaria de Finanças. Palocci é o dono da Projeto.

“Esse Kassab é Serra. Não se iludam!”, afirmou Lula, numa referência ao ex-governador de São Paulo, José Serra (PSDB). O prefeito deixou o DEM e fundou o PSD, que nasceu com a bênção do Palácio do Planalto. No governo de Dilma Rousseff, Kassab é visto como potencial novo aliado.

Foi com essa avaliação que Palocci, acusado de multiplicar o próprio patrimônio em 20 vezes nos últimos quatro anos, telefonou para o prefeito e pediu a ele averiguação sobre possível vazamento dos dados da Projeto. Kassab disse que mandaria investigar o caso, mas, de acordo com auxiliares de Dilma, a promessa não foi adiante.

Lula acredita que Serra está por trás do que chama de “vazamento”. No Planalto, petistas lembram que Mauro Ricardo Costa, secretário de Finanças da Prefeitura, é aliado de Serra. Quando o tucano era governador, Costa foi secretário da Fazenda.

“É preciso verificar o que há de quebra de sigilo nesse episódio e onde está o cerne da luta política. É isso o que queremos enfrentar”, insistiu o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

Serra nem tomou conhecimento das suspeitas. Antes do contra-ataque, o ex-governador – que perdeu a eleição para Dilma – disse achar normal um político ganhar dinheiro fora do governo.

Em nota, a Secretaria de Finanças explicou que os acessos às informações da Projeto foram feitos pela própria empresa ou por servidores que realizaram “procedimentos demandados pelo próprio contribuinte”, como recolhimento de tributos e retificação de lançamentos fiscais.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a Projeto faturou R$ 20 milhões em 2010, quando Palocci coordenou a campanha de Dilma, sendo metade dessa cifra entre novembro e dezembro, após a eleição. No governo, comenta-se que várias notas fiscais de serviços prestados pela empresa foram canceladas e, portanto, o faturamento teria sido menor.

29/05/2011 - 08:33h Serra perde queda de braço em novo comando do PSDB

Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Conchavos. Sérgio Guerra e Aécio cochicham com FHC; Serra disse que desunião enfraquece


Grupo de Aécio resiste e não entrega direção do ITV, instituto tucano, ao ex-governador, que agora vai presidir Conselho Político

Christiane Samarco, Edna Simão, Felipe Recondo e Marta Salomon – O Estado de S.Paulo

O ex-governador José Serra saiu ontem derrotado na briga interna pelo comando do PSDB e pela liderança na fila de pré-candidatos da legenda ao Planalto em 2014. No novo balanço de poder, definido ontem na convenção nacional do partido em Brasília, o grupo político do senador Aécio Neves (MG) ficou com o comando de postos-chave na máquina partidária. A saída para a disputa interna foi entregar a Serra a presidência do Conselho Político, apontado por muitos como prêmio de consolação. A decisão, confidenciaram tucanos, coloca Serra mais próximo da disputa pela Prefeitura de São Paulo.

O deputado Sérgio Guerra (PE) segue na presidência da sigla. Para a primeira-vice foi escolhido o ex-governador Alberto Goldman, aliado de Serra. Aécio trabalhou e conseguiu manter na secretaria-geral o deputado Rodrigo de Castro (MG).

Recuo. Depois de uma madrugada tensa de negociações, Serra acabou forçado a recuar da pretensão de presidir o Instituto Teotônio Vilela (ITV). O grupo ligado a Aécio não abriu mão de entregá-lo ao ex-senador Tasso Jereissati (CE). Para acomodar Serra e não expor o racha na convenção, os caciques do partido turbinaram o Conselho Político tucano e destinaram a presidência do colegiado a Serra.

O novo conselho terá poderes para deliberar sobre alianças nacionais, fusões e incorporações partidárias, além de definir o processo de escolha dos candidatos a presidente e vice-presidente da República, quando solicitado pela Executiva Nacional. Mas Serra terá poder de mando limitado, porque nenhum grupo terá maioria no colegiado.

Na lista dos seis conselheiros estão o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o próprio Aécio, representando o Congresso, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, como ex-candidato a presidente, e seu colega de Goiás, Marconi Perillo, representando os oito governadores do partido. Também terá lugar o presidente do PSDB.

Razões. A queda de braço em torno do ITV, agora comandado por um aliado de Aécio, foi o pano de fundo da convenção que reelegeu Guerra ontem. A disputa antecipou 2014, em uma espécie de primeira etapa das prévias partidárias que irão escolher o candidato tucano à sucessão de Dilma Rousseff. O objeto real do duelo entre aecistas e serristas era o controle da estrutura partidária para a construção de uma candidatura presidencial. O ITV conta com um orçamento de R$ 10 milhões e o grupo de Aécio temia que Serra utilizasse a estrutura do instituto para pavimentar seu projeto de 2014.

Com auditório cheio de convencionais, Aécio, Serra, Alckmin e FHC chegaram juntos ao evento, depois de quase três horas de reunião costurando o acordo para a formação do Conselho Político. “Brigamos muito até há pouco, é verdade; mas agora estamos aqui juntos”, reconheceu FHC. “Nunca se precisou tanto de uma oposição forte e unida”, disse, no mesmo diapasão, Geraldo Alckmin. O quarteto foi recepcionado por um coro que ora pedia um “tucano na Presidência”, ora “Aécio presidente”.

No palanque, todos os discursos foram de união partidária. “Prevaleceu aqui o que o PSDB tem de sobra: espírito público”, declarou Aécio, ao destacar que “o PSDB só tem condições de chegar lá (na Presidência) unido”. Serra adotou o mesmo tom: “Nossa desunião fortalece o adversário, trai nossos princípios e esteriliza nossas ações”. “As diferenças são normais, mas não podem falar mais alto do que a nossa união. Antes de ser oficial da política, sou soldado. E contem com esse soldado em qualquer momento”, completou.

Apesar da aparência de unidade, o racha foi exposto de forma clara e o risco de ruptura ficou iminente. Na noite de sexta-feira, o embate fez subir a temperatura da crise interna a tal ponto que as três maiores estrelas do PSDB de São Paulo – FHC, Alckmin e Serra – ameaçaram boicotar a convenção. Foi um alívio quando Serra desembarcou de madrugada de ontem na capital.

28/05/2011 - 22:00h Boa noite


Horowwitz – Concerto para piano N° 3 de Rachmaninov. Regente: Zubin Mehta

28/05/2011 - 19:17h La Sonnambula


Natalie Dessay – Ah! non credea mirarti – “Ah, non giunge” arias de La Sonnambula de Bellini

28/05/2011 - 18:40h Buster Keaton

buster keaton

Buster Keaton

28/05/2011 - 18:02h O incômodo papel de apontar a ruína

Enredo da obra está repleto de pessoas cujo desejo de ser livre acaba por torná-las miseráveis – e aos que vivem do seu lado

William Deresiewicz – O Estado de S.Paulo

Jonathan Franzen é, por seu próprio relato, uma alma dividida. “Ocorre”, ele escreveu certa vez, “que eu me inscrevo em dois modelos totalmente diferentes de como a ficção se relaciona com o público”. Um era o modelo Status: arte elevada, gênio, Flaubert; o outro era o modelo Contrato: acessibilidade, prazer, a comunidade de leitores. As duas coisas pelas quais Franzen se notabiliza (além, é claro, de The Corrections – no Brasil, As Correções -, seu best-seller ganhador do National Book Award de 2001) criaram controvérsias públicas que surgiram dessa mesma divisão interior. A primeira foi seu ensaio para Harper”s de 1996 que renunciava ao romance de crítica cultural em favor de “escrever ficção pela diversão e o entretenimento da coisa”, embora conseguisse fazê-lo de forma que o deixava parecendo exatamente o tipo de ideólogo com o qual não queria ser confundido. A segunda pode ser chamada de l”affaire Oprah – a revogação do convite a Franzen por aquela figura temível com base numa acusação de elitismo grave, durante o qual ele sobressaiu como um esnobe para as massas e um ignorante para o meio literário. Ele não parecia saber onde queria estar, e, com isso, renunciando tanto aos intelectuais como ao povão, sem agradar a ninguém por querer agradar a todo o mundo, ele conseguiu encalhar numa zona desmilitarizada individual que personificava sua ambiguidade.

Desse conflito e de uma série de cognatos – emocional, político, geográfico, até – Franzen concebeu seu novo livro. Freedom (publicado no Brasil como Liberdade) apoia-se num triângulo amoroso. Walter é “o cara mais amável de Minnesota”, um advogado e ativista ambiental que cresceu como filho de uma mãe martirizada e um pai alcoólico e agressivo nas cercanias soturnas da Iron Range. Patty é a esposa que ele conheceu na escola, uma atleta hipercompetitiva que, emocionalmente tolhida por uma infância negligenciada numa família autocentrada de gente bem-sucedida de Nova York, estava à espera de alguém para tomar conta dela. Richard é o curinga, o melhor amigo de Walter: um roqueiro indie carismático e fútil, com um rosto assustadoramente bonito que o deixa parecido com Muamar Kadafi. O casamento desandado de Walter e Patty, a amizade complexamente competitiva de Walter e Richard, o caso amoroso muito adiado, intermitente e absolutamente tortuoso de Patty e Richard – isso constitui o centro da trama juntamente com a história do filho de Walter e Patty, que se vê envolvido, em seu bairro revitalizado de Saint Paul, com a garota trabalhadora da casa ao lado.

Os leitores de As Correções reconhecerão alguns temas-chave: dinâmica familiar e seu impacto em filhos adultos, o Meio-Oeste e o Leste urbano (Walter e Patty se mudam para Washington, D. C.; Richard para Jersey City), os infortúnios da classe média ascendente; o conflito entre dever e prazer. Franzen continua soberbo na exposição da textura psicológica da experiência cotidiana: as oscilações da alma, as lutas pelo poder na vida doméstica, as jogadas de xadrez do comportamento amoroso. Mas se o terreno, e a mente que o mapeia, são aqueles do romance anterior, os contornos são diferentes. As Correções enfoca as relações filiais, Liberdade as românticas, incluindo o caso de Walter com sua assistente indiano-americana bem jovem (nomeada, com um aceno a Nabokov, Lalitha). Em As Correções, contemporâneos (ele nasceu em 1959) ainda estão lidando com seus pais. Em Liberdade, eles estão lidando não só uns com os outros, mas também com seus próprios filhos adultos.

O enfoque numa única família, e a convergência da trama para um jantar de Natal, dá forma à amplitude intelectual do romance anterior. Aqui, um elenco mais frouxamente estruturado de personagens e um esquema cronológico menos definido afligem uma narrativa de extensão comparável com uma sensação de esticamento. A história começa por volta de 1980 e avança, com flashbacks, até 2004, depois serpenteia o resto do percurso até o presente. Franzen parece reconhecer o problema da organização. O romance abre do ponto de vista dos vizinhos de Walter e Patty – uma sequência de 32 páginas com a trama perfeita de um conto – muda para o diário de Patty (escrito por ela a pedido de seu terapeuta), segue com uma longa seção intermediária que é intitulada 2004, mas cobre, na verdade, um período de vários anos, retorna ao diário de Patty, e termina, mais uma vez, da perspectiva de um vizinho.

A arquitetura do livro é impressionante, mas não resolve de fato os problema da dispersão. Falta ao romance o controle de As Correções, como se evidencia também nos materiais da trama. Nada da imaginação travessa do livro anterior. As Correções era sombrio, mas a própria brutalidade de sua candura resultava num humor rude que não está presente aqui. Liberdade fica no nível das passagens menos bem-sucedidas do romance anterior. A julgar pelos dois volumes de não ficção que Franzen publicou desde As Correções – How to Be Alone (2002), uma coleção de ensaios, e A Zona do Desconforto (2006), um livro de memórias -, o novo romance dramatiza toda uma série de conflitos entrelaçados que vão até a compreensão por Franzen de seu lugar no mundo.

Richard, o roqueiro, trava a batalha de Status e Contrato. Celebrado por sua obstinada retidão estética durante os anos de obscuridade por uma coterie de fãs, Richard vê sua identidade implodir após conquistar um sucesso popular inesperado por volta da mesma idade (passando dos 40) e mesma época (as vizinhanças do 11 de Setembro) que Franzen. Acuado por um jovem fã, Richard larga uma peroração exibicionista improvisada sobre a hipocrisia da subversão pop. Os dilemas profissionais de Walter são muito óbvios. Um bilionário texano observador de pássaros quer gastar uma fortuna para proteger sua espécie favorita, a mariquita-azul, adquirindo uma extensão de terras desabitadas em West Virginia, e Walter, vendo uma chance de realmente fazer alguma coisa por uma mudança, concorda em dirigir a operação. (A trama sai diretamente dos próprios compromissos ambientais de Franzen e de sua aglutinação em torno da questão do hábitat aviário, tal como se lê em A Zona do Desconforto, que fala de sua paixão como observador de pássaros.)

O filho de Walter e Patty, Joey, um jovem republicano em formação que se envolve num esquema duvidoso para fornecer peças de caminhão para a invasão iraquiana, triplica a questão de Franzen. Quando se consegue pôr os próprios ideais em prática, eles são desfigurados pelos sistemas nos quais precisam operar. Mas há uma oposição mais profunda em operação aqui também. Pureza ideológica, estética ou alguma outra, também podem ser uma fachada para a misantropia. Recusar-se a se engajar em sistemas pode ser apenas um desculpa para se recusar a engajar-se com pessoas. Por sistema, leia-se, aliás, comunidade. O Homo franzenius é com frequência um solitário. Joey resiste à devoção de sua namorada. A galinhagem de Richard evita a intimidade. Após o colapso de seus planos em West Virginia, Walter se enfurna numa cabana por seis anos. Franzen escreveu sobre seu próprio impulso ao autoisolamento e admite que seu entusiasmo inicial pela natureza foi, em grande parte, um anseio para se afastar de outras pessoas. Na geografia da imaginação de Franzen, comunidade está para solidão como Meio-Oeste está para Nova York, o lugar onde ele cresceu está para o lugar onde agora vive.

A depressão está em toda parte em Liberdade, como está em As Correções. Ela é hereditária, na análise de Franzen, mas não somente isso. Se depressão é agressão voltada para dentro, e raiva é agressão voltada para fora, então mesmo Walter, o paradigma da “amabilidade”, tem outra opção, e todo o fiasco em West Virginia, junto com o colapso de seu casamento, se torna uma oportunidade estendida para exercitá-la.

Depressão e raiva: são esses os polos da dialética emocional de Franzen. Alfred e Gary em As Correções, Walter e Patty aqui – todos eles oscilam nesse pêndulo. E assim como a depressão como sentimento corresponde à amabilidade como estratégia social, a raiva corresponde ao oposto de ser amável: dizer a verdade. Esse é o papel autoatribuído a Walter: ser um panaca ou, em outras palavras, ser honesto. Ele é o sujeito que vê através do egoísmo de Patty, na escola, e lhe diz para deixar de manipular Walter. Ele é o sujeito que interpela Walter sobre seus sentimentos pela adorável Lalitha. E ele, é claro, é o artista, o narrador da verdade profissional.

E assim o círculo se fecha, de volta a Status versus Contrato, arte como honestidade brutal versus arte como construção de comunidade. O notável na escrita de Franzen é a maneira como ela consegue operar em ambos os lados da linha divisória. Sua prosa é exemplarmente bonita. Mas a beleza oculta uma profunda raiva política, que tem como mira seu próprio público, a classe média liberal. Franzen é o sujeito que sorri para você toda manhã, mas secretamente o odeia.

Mas a amabilidade e a raiva são igualmente genuínas e, para Franzen, igualmente válidas. Por raivoso que ele seja conosco, ele é igualmente raivoso consigo mesmo. Porque é amável, ele sente as pretensões de ambos os lados: de princípio e concessão, solidão e comunidade, Nova York e Meio-Oeste.

Solidão e autovalorização, raiva ideológica e pureza ideológica: todas convincentes, todas em última análise imaturas. As histórias de Gary, Chip e Denise em As Correções, de Richard e Patty aqui, tratam todas da luta, contra as próprias inclinações e a tendência da cultura, para crescer. Quase só entre escritores proeminentes que atingiram a maturidade nas duas últimas décadas – ou, ao menos, os homens proeminentes -, Franzen se comprometeu com os valores da maturidade: responsabilidade, moderação, trabalho duro, autocontrole. O fato de serem quintessencialmente valores do Meio-Oeste não é, decerto, acidental. O fato de Franzen lutar com eles é o que torna seu drama interior digno de acompanhamento. Quase se pode sentir ele não querendo mais ser um adulto imaturo americano.

Mas maturidade (como Contrato, e amabilidade, e comunidade) é finalmente o que ganha sua anuência, e a grande questão de Liberdade é que ela deve receber nossa anuência política também. O desejo de liberdade, na visão de Franzen, não é nada além de um anseio adolescente de irresponsabilidade e incoerência. O romance está cheio de pessoas cuja liberdade não só as torna miseráveis, como torna miseráveis todas as que as cercam também. A liberdade americana, o romance insiste, é a ruína do mundo, e a liberdade humana é a ruína do planeta. Isso não é uma coisa bonita de se ouvir, e o polemismo prejudica sua realização artística, mas é certamente algo que não conseguimos ouvir com muita frequência. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

WILLIAM DERESIEWICZ É AUTOR DE A JANE AUSTEN EDUCATION (PENGUIN PRESS 2011)