30/06/2011 - 22:00h Boa noite


Yuja Wang – Gretchen am Spinnrade, transcrição de Franz Liszt a partir do trabalho de Schubert

30/06/2011 - 20:19h Fantasias

http://leclownlyrique.files.wordpress.com/2011/06/john-gutmann.jpg
John Gutmann

30/06/2011 - 19:13h Regina coeli laetare


Philippe Jaroussky: Regina coeli laetare (G. A. Rigatti)

30/06/2011 - 12:41h El agua por fin será una realidad

En ocho distritos. En una semana funcionará la planta de tratamiento en Huachipa. Más de dos millones de limeños aún no cuentan con agua potable. Por el momento compran este caro recurso de los camiones cisternas.

http://e.larepublica.pe/image/2011/junio/29/s01.jpg

Luis Neyra O. – LA REPÚBLICA

En los alrededores de los dos centros penitenciarios de Lima, ubicados en San Juan de Lurigancho, decenas de familias sufren una larga condena. No son peligrosos delincuentes con arresto domiciliario, son personas libres con la gran diferencia de que a ellas se les sigue privando, desde hace 20 años, del servicio de agua potable y alcantarillado. Y, aunque el presidente Alan García prometió y aseguró que el “agua sería para todos”, cinco años después recién será una realidad en 8 distritos de Lima.

La quinta zona del extenso asentamiento humano Juan Pablo II es el reflejo de esta frustrante situación. Allí encontramos a Ana Luisa Calero Malpartida (19), lavando la ropa de su esposo y su hijo de tres años con la poca agua que sustrae de un viejo cilindro de plástico. Esta mujer cuenta que necesita dos cilindros llenos para poder cocinar los alimentos, para el aseo personal y para el servicio higiénico. Para esta última ocupación el agua que usa es la que sobra del lavado de la ropa.

El agua es más cara

“Pagamos el agua más cara del mundo”, añade su vecina Ana María Micola Gómez (32). Y no le falta razón, pues al día cada familia de este pobre este sector de la población de Lima Este gasta dos soles para que el camión cisterna les llene un cilindro. Y ellos necesitan dos como mínimo para vivir. En resumida cuenta pagan entre 112 y 140 soles (2.50 por cilindro) por un líquido de dudosa procedencia.

Planta de tratamiento

El ministro de Vivienda, Juan Sarmiento, informó que esta situación empezará a cambiar este 8 de julio con la puesta en funcionamiento de la “Planta de Tratamiento de Huachipa-Ramal Norte”.

La obra, que se viene construyendo desde noviembre del 2008, beneficiará a 2 millones 400 mil habitantes de Chosica, San Juan de Lurigancho, Comas, Carabayllo, Los Olivos, Puente Piedra, San Martín de Porres y el Callao que hasta el momento no cuentan con este importante servicio. Sarmiento explicó que la planta de tratamiento, ubicada a la altura del kilómetro 8 de la autopista Ramiro Prialé, en Huachipa, ha generado una inversión de 271 millones de dólares. El ministro sostuvo que la Planta de Huachipa incluye aproximadamente 10 kilómetros de túneles, así como un reservorio de agua de 126 metros de diámetro, y su capacidad total de almacenamiento es de 108 mil metros cúbicos de agua, lo que equivale a más de 15 mil 400 camiones cisterna. “El proyecto aportará 5 metros cúbicos por segundo adicionales de agua potable para la capital, lo que permitirá que los limeños, en particular los del cono norte, tengan agua potable durante las 24 horas del día, mejorando así la calidad de vida, señaló.

Tratarán agua del Rímac

Cabe señalar que la planta de tratamiento de Huachipa captará el agua del caudal del río Rímac, el cual se incrementará en la época de estiaje (nivel mínimo del caudal) con los aportes que haga la represa de Huascacocha para su captación, tratamiento y producción a favor de un gran sector de la población limeña que ya no puede vivir 20 años más sin agua.

Reacción

“La Planta de Huachipa es una de las obras más emblemáticas del gobierno y la más moderna de Sudamérica”.

Juan Sarmiento
Ministro de vivienda

Se usará 7 mil toneladas de acero

La Planta de Tratamiento de Huachipa es considerada la obra “más grande de Sudamérica” por su dimensión. Se ha calculado que tiene mil 200 metros de extensión y ha sido construida con 7 mil toneladas de acero y más de 100 mil toneladas de concreto.
El ministro Sarmiento resaltó que la oferta de agua potable en Lima se incrementará de 20,5 m3/seg. (con la producción de La Atarjea, que aporta 18,5 m3/seg. y de la planta Chillón, con 2m3/seg.) a 25,5 m3/seg.

La megaconstrucción ha generado empleo (directo e indirecto) para 5600 trabajadores. El diseño y construcción de este proyecto están a cargo del consorcio Huachipa (integrado por la empresa Construcoes e Comercio Camargo Correa Brasil y OTV de Francia).

30/06/2011 - 12:00h Perú: Falacias sobre el salario mínimo

http://e.larepublica.pe/image/2011/junio/29/e01.jpg

Por Humberto Campodónico – LA REPÚBLICA

En los últimos 5 años el salario mínimo fue aumentado en tres oportunidades: en enero del 2006 subió de 460 a 500 soles mensuales; en enero del 2008, subió a 550 soles mensuales y en febrero del 2011 subió a S/. 600/mes. En total, el salario mínimo ha aumentado en 30%, bastante menos que el PBI en el mismo periodo.

¿Pero cómo está el salario mínimo real, es decir, lo que los trabajadores reciben una vez descontada la inflación? Las estadísticas del Ministerio de Trabajo lo miden en relación a un año base (que han fijado en 1994=100) y éstas nos dicen que estaba en 249 en enero del 2006 y está ahora (a mayo del 2011) en 256. Por tanto, su aumento en términos reales no es de 30% sino de solo 2,8% (256/249).
Se podría decir, sin embargo, que si bien el salario mínimo casi no ha aumentado en estos últimos 5 años, eso sí podría haber sucedido en años anteriores. Pues no. De acuerdo a estadísticas del Ministerio de Trabajo (elaboradas por Julio Gamero), el salario mínimo ha caído de S/. 1400 en 1981 hasta los S/.600 en que está ahora (ver gráfico).

Este enorme deterioro se debió fundamentalmente a dos causas: 1) la hiperinflación de 1987 a 1991, originada en el primer gobierno de Alan García, cuando bajó hasta 400 soles mensuales y, 2) las leyes antiobreras de Fuijmori en el periodo 1992-94, que recortaron los derechos sindicales y permitieron la proliferación de las “services”, lo que hizo que el salario mínimo bajara hasta S/. 180/mes.

De allí en adelante el salario mínimo recuperó una parte de su poder adquisitivo anterior, llegando a S/.600/mes, cifra muy lejana a los S/.1400 de hace 30 años. Esa es la realidad de las cosas. Según Ipsos-Apoyo, un hogar del sector E de Lima gana S/. 730 mes (se considera que dos personas trabajan), lo que no le alcanza y necesitaría S/. 1350/mes para vivir, lo que no se cubre con los dos salarios mínimos actuales (1).

Además de lo señalado, los gobiernos no cumplen con la Ley 27711 y la Ley 28318 (ambas del 2004), que establecen aumentos del salario mínimo cada dos años, mediante una fórmula que toma en cuenta la productividad y la proyección de la inflación futura, la misma que es determinada por el Consejo Nacional del Trabajo.

¿Por qué? Simple y llanamente porque los gobiernos se zurran en los derechos de los trabajadores, lo que no sucede en Chile, Colombia, Brasil y Argentina –que tienen una institucionalidad similar– porque allí sí se cumplen las leyes laborales. Esta es la realidad.

La cuestión es que el aumento del salario mínimo tiene un efecto directo positivo sobre el aumento de la demanda interna, que es clave para el crecimiento económico. Lógico, con un salario tan bajo el nivel de demanda insatisfecha es enorme, motivo por el cual casi el 100% del aumento se destinará al consumo, lo que incluye la producción de las micro y pequeñas empresas.
De otro lado, tampoco es cierto que el aumento del salario mínimo constituye un “sobrecosto” laboral que impide la formalización. En efecto, el DL 1086 (Ley MYPE) que dado para la formalización (reduciendo vacaciones, sueldos y CTS) no ha surtido efecto pues ésta no ha aumentado: solo el 2,53% de las microempresas se acogió a esa ley (2). Lo que sí ha sucedido es que más trabajadores pierdan sus derechos

(1) ¿Por qué son tan bajos los salarios?, www.cristaldemira.com, 21/3/2011. (2) “PPK: Gato por liebre”, 18/3/2011.

30/06/2011 - 11:48h Interoceánica, una visión diferente

Por Jorge Lazarte C. (*) – LA REPÚBLICA

Decir que el Corredor Interoceánico del Sur facilitará en el corto plazo, el comercio de productos brasileños hasta la costa del Pacífico y de allí a los mercados de Asia y viceversa, no es lo más correcto. La verdad es diferente. Los brasileños así lo han entendido desde un principio y asumieron el proyecto IIRSA como una visión de largo plazo.

Lo cierto es que la Interoceánica Sur favorece, en primera instancia, la integración entre los pueblos del sureste del país, lo cual es muy importante, y abre la posibilidad de que éstos inicien, a través del estado fronterizo de Acre, desde Porto Velho y por el río Madeira–que es como se conoce en Brasil a la prolongación del río Madre de Dios, que sale al Amazonas y de allí directamente al Atlántico– el comercio de productos peruanos hacia Europa y los países árabes, como ya lo están haciendo los estados brasileños de Acre y Rondonia. Esto no debe ser motivo de discusión y así debe ser entendido por todos, sin exageraciones ni grandilocuencias. La salida peruana al Atlántico no es un sueño lejano, ya es una realidad que está en nuestras manos y debemos utilizarla sin pérdida de tiempo.

El concepto inicial de que la Interoceánica serviría para que los productos brasileños, principalmente la soya, pudieran salir al Pacífico, siempre estuvo desfasado y fuera de la realidad, empezando porque en Acre, el estado fronterizo, no se produce soya, y principalmente, porque a nosotros, los peruanos, no nos interesa hacer carreteras para promover las exportaciones brasileñas.

Esto no quiere decir que a largo plazo, 50 años o más, pueda haber un intercambio comercial importante entre el Perú y el Brasil y de que desde nuestra costa los productos brasileños puedan salir hacia el oriente. Para ello la actual carretera Interoceánica habrá cumplido su objetivo: abrir el camino que permita incrementar el tráfico de manera de justificar una supercarretera que haga realidad un gran transporte de mercancías, que la actual no permite. A partir de entonces podría ser más factible la salida de grandes volúmenes de productos brasileños a través del Perú.

Brasil está enterado de que la Interoceánica no le será de gran utilidad en los años inmediatos, pero su visión va más allá. Mira con entusiasmo la concreción de la vía para su aprovechamiento en el futuro, cuando las condiciones así lo permitan. Por lo pronto, sabe que es un primer gran paso para sus objetivos como potencia regional y así debemos entenderlo y actuar nosotros.
Más allá de esta aclaración al discurso oficial sobre la Interoceánica, no cabe duda que esta vía tiene importancia crucial para la integración de los pueblos del sureste del país. De hecho, los primeros resultados ya se perciben y, por eso mismo, se deben tener en claro las metas para los años próximos.

Los peruanos debemos aprovechar al máximo la Interoceánica para consolidar nuestros propios procesos. Son muchos los aspectos beneficiosos que trae esta carretera. Eso está probado, aunque muy pocos políticos lo hayan mencionado en sus campañas.

Las carreteras tienen enorme gravitación en aspectos sociales, más allá de lo meramente económico. Por ejemplo, tienen incidencia en la salud y en la educación. Hace solo 5 años, una persona que requería tratamiento médico especializado en Puerto Maldonado podía fallecer porque su traslado al Cusco, Puno o Arequipa podía demorar hasta 15 días a causa de la ausencia de vías adecuadas de transporte. Eso ha cambiado sustancialmente con la Interoceánica. Ahora, en un buen vehículo, se ha reducido el viaje a tan solo 10 horas entre Puerto Maldonado y el Cusco. Lo mismo podrá ocurrir con la educación, los maestros ya no emplearán tanto tiempo en sus viajes desde las ciudades importantes a sus centros de trabajo y podrán dedicar más tiempo a sus labores pedagógicas.

Obviamente no quedan al margen los beneficios comerciales, ya que el sureste peruano tiene posibilidades de exportar productos de gran necesidad para los estados de Acre y Rondonia, como son el cemento y productos alimenticios, por señalar algunos.
Por estas razones, las autoridades deben dejar el discurso lírico para abocarse al mejor aprovechamiento de la vía a fin de impulsar el desarrollo del sur del país, sin demagogias ni exageraciones que, a la larga, solo podrían traer decepción en la población.

(*) Ing. Consultor en Vialidad y Especialista en Transporte Terrestre.

30/06/2011 - 11:36h La América mestiza se une

Por: Juan Velit Granda, Internacionalista – El Comercio

Abraham Lincoln solía decir: “Si no estamos unidos ahora, nos derrotarán por separado mañana”. En la esencia de esta frase creemos descifrar el mensaje que ha enviado el presidente electo Ollanta Humala con sus viajes al exterior.

Apenas se tuvo noticias de su triunfo electoral se prepararon los arreos para acercarse a las naciones con las que tenemos relaciones privilegiadas y algunas “hipotecas”, a decir de José Antonio García Belaunde, nuestro ilustre canciller.

Pero el mensaje era suficientemente claro para que todos puedan entenderlo. No vamos a explicar las señales que se han dado en las visitas a los diferentes países. Fronterizos algunos y con relaciones históricas otros, ni al orden en que se realizaron, porque ya han sido expuestas por analistas más doctos que este escriba.

Vamos a dar solo una pincelada al complejo proceso de globalización y de integración que está sonando como una clarinada de alerta en este instante crucial para Latinoamérica.

La globalización se manifiesta actualmente en la puesta en marcha de una concepción democrática occidental que se sostiene en la existencia de partidos políticos, elecciones libres, parlamentos con iniciativas, libertad de expresión, derechos humanos, Estado de derecho, autonomía del Poder Judicial y un largo etcétera.

En un interesante libro escrito por el parlamentario andino y destacado estudioso de temas internacionales Juan Mariátegui, titulado “Globalización e integración latinoamericana”, se habla de la urgencia de fortalecer los esfuerzos para que la integración de la América mestiza se inicie lo antes posible para estar mejor premunidos de los blindajes necesarios en las negociaciones con bloques más poderosos.

Uno de los desafíos que nos obliga la hora presente es el de tener que afrontar, los países medianos y pequeños, el tema de la cooperación norte-sur. Nos referimos, principalmente, a las relaciones de las potencias mundiales con los países en vías de desarrollo.

Nosotros tenemos antecedentes históricos de integración. Desde que finalizaron las campañas libertarias de los países latinoamericanos se iniciaron los intentos de confederación entre nuestras nacientes repúblicas como la Gran Colombia, Provincias Unidas de Centroamérica y la Confederación Perú-Boliviana, que fracasaron por las pugnas políticas, las percepciones de amenaza, las intervenciones extranjeras y el recelo de las clases gobernantes de perder poder.

En los últimos tiempos, especialmente desde 1960, aparecieron una serie de señales que evidenciaban los esfuerzos integradores como la Asociación de Latinoamericana de Libre Comercio (Alalc) y el Mercado Común Centroamericano (MCCA).

Posteriormente, una larga lista de siglas ha continuado con la voluntad política de unirnos. Tal vez los que tienen mayor relevancia en la región sean la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi), el Sistema Económico Latinoamericano y del Caribe (SELA) y la creación de organizaciones intergubernamentales como la Comunidad Andina (CAN) y el Mercado Común del Sur (Mercosur).

En el 2004, en el Cusco, a iniciativa de los presidentes Alejandro Toledo y Luiz Inácio Lula da Silva, se crea la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur). Es la primera vez que los países latinoamericanos convergen en una fórmula integradora sobre la base de dos bloques, la CAN y el Mercosur, con la ausencia de EE.UU.

El inicio de cualquier marcha es con un primer paso. Estamos en el momento histórico de darlo.

30/06/2011 - 11:24h Eleições em 3 estados mexicanos serão termômetro para votação de 2012

Coahuila, Nayarit e Estado do México devem manter governo do Partido Revolucionário Institucional

Efe – Agência Estado


Eruviel Ávila, do PRI, é um dos favoritos no Estado do México


MÉXICO – As eleições do próximo domingo para escolher os governadores de três estados mexicanos são tidas pelos analistas como um bom termômetro para o pleito presidencial de 2012.

Os três estados, Coahuila, Nayarit e o Estado do México, sempre foram governados pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI), e pesquisas e analistas indicam que muito provavelmente continuará desta forma.

A joia da coroa será o Estado do México, que conta com o maior contingente de eleitores do país e que é governado atualmente por “um dos aspirantes mais claros à Presidência”, indicou o jornalista Salvador García Soto, especialista em temas políticos.

Trata-se do popular Enrique Peña Nieto, do PRI, tido por muitos como o candidato que devolverá o poder ao partido, que o perdeu em 2000 após 71 anos ininterruptos de governo.

O nome escolhido para tentar fazer a sucessão de Peña Nieto foi o de Eruviel Ávila, prefeito do município de Ecatepec e que segundo algumas pesquisas tem vantagem de quase 30 pontos sobre seus adversários, o conservador Luis Felipe Bravo Mena (ex-secretário do presidente Felipe Calderón) e o esquerdista Alejandro Encinas (ex-prefeito da capital).

Seus partidos, o Partido da Ação Nacional (PAN) e o Partido da Revolução Democrática (PRD), rejeitaram formar uma coalizão para tentar pôr fim ao histórico de triunfos do PRI, como fizeram nos últimos anos em vários estados.

Em Coahuila, as pesquisas indicam que será eleito Rubén Moreira, irmão do ex-governador Humberto Moreira, que deixou o cargo no ano passado com alto índice de aprovação para assumir a presidência nacional do PRI.

Já Nayarit, segundo García Soto, é o único dos três estados onde pode haver uma surpresa. Se a participação for alta, pode ser eleita a candidata conservadora, Marta Elena Garcia.

No domingo também haverá eleições de caráter municipal no estado de Hidalgo, enquanto Nayarit e Coahuila elegerão ainda deputados estaduais.

30/06/2011 - 11:12h Acordo antidroga entre Brasil, EUA e Bolívia não sai do papel

Governos Dilma e Evo dão explicações distintas para demora em executar o plano de cooperação

Brasília vê ‘ajustes’ necessários e La Paz dá tarefa como ‘pronta’; entrave seria receio boliviano com os EUA

ANDREA MURTA – FOLHA SP

DE WASHINGTON

A demora na assinatura de um acordo pronto há mais de um mês entre Brasil, Bolívia e EUA para monitoramento de drogas no país andino suscita desde cobranças a Brasília até sugestões de novo racha interno em La Paz quanto à inclusão de Washington.
Posições oficiais sobre a razão do atraso são conflitantes. O vice-ministro boliviano da Defesa Social, Felipe Cáceres, diz que tudo está pronto e só “depende do Brasil”.
Analistas estranham a lentidão brasileira em rever o acordo. À Folha, o governo brasileiro negou que ele esteja emperrado.
Segundo o Ministério da Justiça, ele segue o seu “trâmite normal” e passa por “alguns ajustes jurídicos e financeiros”.
Contudo, o governo não detalhou se os ajustes são parte do processo ou foram pedidos por uma das partes.
Há suspeitas de que a revisão do texto visa amainar desconfianças dos bolivianos.
O objetivo declarado do acordo é “desenvolver um sistema integrado de controle da redução de cultivos ilícitos de coca e identificar novas zonas onde esses cultivos tenham sido expandidos”.
A função dos EUA, segundo rascunho do memorando a que a Folha teve acesso, é fornecer equipamento de GPS e aparelhos de medição a laser, além de treinamento dos seus operadores.
O Brasil oferecerá “imagens [de satélite] e capacitação”, além de fundos de valor não revelado. O país tenta incluir os EUA em um pacto trilateral dessa natureza há anos e luta contra a desconfiança da Bolívia.
Funcionários do governo local indicaram aumento das diferenças internas em La Paz quanto ao texto do memorando. O possível envio de especialistas americanos ao país preocupa setores de La Paz.
“Enquanto o Ministério de Governo e o Vice-Ministério de Segurança Social apoiam, outros creem que será aberta brecha para retorno da presença física de agentes da DEA [agência antidrogas americana, expulsa em 2008] à Bolívia”, disse à Folha um analista local que acompanha de perto as negociações.
“Se voltarão não é certo, mas terão acesso às imagens de monitoramento via satélite, e isso incomoda por aqui. Há dúvidas de segurança nacional e até filosóficas.”
A DEA foi expulsa após acusação de espionagem e apoio à oposição ao presidente Evo Morales. Washington manteve cooperação por meio de assistência financeira, mas o volume dos aportes vem caindo.
Negociadores brasileiros sabem que o Brasil será usado como espécie de “garantia” pelos bolivianos contra os americanos, mas acham que contar com suporte político e financeiro dos EUA em um país cuja política antidrogas é questionada internacionalmente compensa o risco.

Colaborou ISABEL FLECK, de São Paulo

29/06/2011 - 22:00h Boa noite


Yuja Wang – Melodia de “Orfeu e Eurídice” de Christoph Willibald Gluck

29/06/2011 - 19:16h Fra le procelle


Fra le procelle (Vivaldi) – Philippe Jaroussky, Jean-Christophe Spinosi & Ensemble Matheus.

29/06/2011 - 08:43h “Problema de Dilma não é a base mas a falta de rumo do governo”

Silvia Costanti/Valor

Afif: “Mexer para trás na Previdência, uma medida radical, é um erro que FHC e os outros governos cometeram”

Vandson Lima e Cristian Klein | VALOR

O vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, já foi do Partido Liberal (PL), pelo qual concorreu à Presidência da República, em 1989, e obteve a sexta colocação, com 3,2 milhões de votos. Seguiu a maior parte de sua trajetória política pelo Partido da Frente Liberal (PFL, desde 2007 como DEM), sempre associado ao ideário do Estado mínimo. Agora às voltas com a criação do PSD, partido que servirá para muitos como janela de adesão ao governo do PT em âmbito federal, Afif, em entrevista ao Valor, revisa sua trajetória e faz a defesa de um Estado forte, embora “não gordo”, que atenda às necessidades da nova classe média emergente no Brasil, consumidora de saúde e educação públicas. Diz não ser favorável a privatizações nestas áreas.

Avalia que as dificuldades enfrentadas pela presidente Dilma Rousseff junto ao Congresso Nacional, onde tem maioria, se dão pela ausência de rumo do governo: “Você tem uma base ampla sem um objetivo claro. Por falta de objetivo, essa base acaba trabalhando muito mais te pressionando. Eu já previa isso”.

Afif evita críticas ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que o demitiu, em abril, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. E diz que, em São Paulo, “por uma questão histórica”, muito dificilmente PSD e PT estarão juntos na eleição pela prefeitura da capital, em qualquer um dos turnos. Abaixo, os principais trechos da entrevista:

Valor: O senhor foi do Partido Liberal (PL, hoje PR), depois do Partido da Frente Liberal (PFL, hoje DEM) e agora cria o PSD, que não se diz de direita, nem de esquerda. O Estado mínimo, defendido por partidos liberais, está ultrapassado?

“[Aliança] com o PT [em São Paulo] é mais difícil, pela tradição, mas pode acontecer em outros Estados”

Guilherme Afif Domingos: A minha tese sempre foi a de fazer um Estado forte, que não é Estado gordo. É aquele que cumpre a missão fundamental. Eu quero a educação nas mãos do Estado, distribuída nos seus níveis. Porque eu não passo toda a educação fundamental para os municípios, com recursos, tecnologia, para efetivamente atenderem essa demanda? É papel do Estado, não estou falando em privatização ou terceirização do ensino, de jeito nenhum. Estou falando de delegação de ensino nos vários níveis de poder. Na saúde, fazer prevalecer um sistema de SUS com mais recursos, e não recursos desviados para uma série de outras funções que não deveriam estar aqui [no Estado]. Função da Justiça é indelegável e precisamos de uma Justiça que funcione. Segurança pública então, meu Deus, o cidadão não vai andar armado. É o maior investimento que você tem que fazer para garantir os direitos e obrigações. E infraestrutura básica, esta sim delegável, fazendo PPPs, concessões, levando em conta que o que é público, eu posso ter concessão desde que eu faça o subsídio da tarifa. Agora, porque eu tenho que pegar grandes recursos públicos para fazer hidrelétricas? Para fazer ferrovia, se eu poderia atrair os capitais privados e só trabalhar em cima de subsídio? É porque tem muita mamata nesse jogo, tem muito consultor [irônico] nesse jogo.

Valor: PT e PSDB estão de olho no eleitorado da nova classe média. Como o senhor avalia o impacto político destes novos estratos?

Afif: É uma classe que ascende ao consumo. Que antes só consumia leite. Agora toma iogurte. É uma classe que passa a aspirar uma casa própria, uma geladeira, um fogão novo. Mas tenho quase certeza que é uma consumidora de educação pública. De saúde pública. É a principal consumidora de segurança pública. Que, por sinal, formam os quatro deveres fundamentais do Estado, além da Justiça, de trabalhar por igualdade de oportunidades. Em segundo lugar, há a consciência de que ele é um pagador de impostos. Tudo que você carregar em cima da empresa vai compor o custo de um produto final. No fim das contas, quem paga é o consumidor. Esta máquina arrecadadora pesa em cima de quem consome.

Valor: E como o PSD vai propor melhorar a prestação de serviços do Estado coibindo a sanha arrecadatória?

Afif: Você não parte para a ideia de reduzir impostos de cara. Se não atacar antes o problema de custos e desperdício do Estado, você vai criar uma condição terrível, que é a volta da inflação – menos arrecadação com o mesmo gasto. Aí a classe que mais sofre é essa, porque ela volta ao consumo básico, porque é a que menos tem condição de se defender.

Valor: O corte de gastos deveria ser onde?

Afif: Primeiro na estrutura dos desperdícios e aí eu volto ao princípio de você chamar Estados e municípios para nós estudarmos delegações específicas para efeito daquilo que deve ser feito. É racionalizar o processo de gastos.

Valor: Mas o que pesa nos gastos do governo é Previdência, programas sociais. Vai cortar aí?

Afif: Previdência no Brasil era superavitária, portanto o Brasil tinha investimento. O superávit da Previdência era carreado para o processo de investimento. Hoje é zero. Qual foi a atitude tomada para mudar o desbalanceamento total da previdência do funcionalismo público em relação à do cidadão comum? Partir para uma medida radical, mexer para trás. Isso é um erro que o [ex-presidente] Fernando Henrique [Cardoso] cometeu lá em 1994 e os governos continuam cometendo. Quando você mexe para frente, não berram, porque ninguém entrou. Nesses últimos 16 anos, o que não entrou de gente na máquina pública com os mesmos privilégios agravados do problema da aposentadoria?

Valor: Com que prefeitos o PSD já fechou para as eleições de 2012?

Afif: É cedo para falar. A primeira etapa foi trazer lideranças, especialmente do Congresso, porque o deputado federal é a medida de fundo partidário, tempo de TV. E cada um está trazendo os seus estaduais e seus prefeitos.

Valor: Mas, se pensarmos em um prefeito do DEM, por exemplo, que queira mudar para o PSD, porque vislumbra ser parceiro da base de governo, está cansado de viver à míngua, sem contatos com ministérios, como convencê-lo que poderá fazer isso se a principal liderança, o prefeito Gilberto Kassab, bate de frente com um homem forte do governo, Gilberto Carvalho, como no caso do ex-ministro Antonio Palocci?

Afif: Não acredito que tenha havido qualquer estremecimento por causa disso. O Kassab é o cara que tem mais diálogo com o governo. O PT mesmo falou pra parar de discriminar o PSD. Só o PT municipal [de São Paulo] continua. O PT veio pro centro, acabou esse negócio de radicalismo, sabem que, para crescer, tem que fazer aliança.

Valor: E a briga com o Alckmin? O PSD tem aliciado aliados preferenciais dos tucanos nos municípios paulistas?

Afif: Não é verdade. Vou explicar por quê. Foi o Estado onde nós menos fizemos carga. Para acabar com essa história de que é mais um partido paulista. O PSD está nascendo forte em 20 Estados. Será forte em São Paulo, mas acho que a equipe do governador [Alckmin] fez uma má-avaliação, quando do surgimento do partido, de que ele seria oposição ao governo, quando era na verdade uma dissidência ao DEM, não ao PSDB. Todo este carnaval está sendo feito pelo remanescente do DEM. É o medo que eles têm de surgir um partido forte, porque se decretou, efetivamente, a decadência do DEM. Nós mexemos com as placas tectônicas da política brasileira.

Valor: É verdade que o governo de São Paulo está ameaçando deixar à míngua os prefeitos que migrarem para o PSD?

Afif: Pode estar acontecendo no nível das lideranças regionais, mas, por iniciativa do governador, duvido. Tanto que tenho o melhor relacionamento com o Alckmin. As circunstâncias que me afastaram da secretaria foram muito mais por pressão do DEM e do entorno do governador. Eu tenho diálogo permanente com o [secretário da Casa Civil, Sidney] Beraldo. O meu diálogo com o governador vai logo, logo permitir a ele entender que o PSD é um parceiro importante em São Paulo.

Valor: Mas vai ser um possível parceiro tanto do PSDB quanto do PT em São Paulo?

Afif: Com o PT é mais difícil, pela tradição, mas pode acontecer em outros Estados como, por exemplo, na Bahia, onde o Otto Alencar é vice-governador de Jaques Wagner. Em São Paulo pode acontecer em prefeituras pelo interior, como já acontecia com o DEM. Em Carapicuíba, por exemplo, o prefeito é do PT e o vice, do DEM. No interior, só há dois partidos: “nós” contra “eles”. Na capital é mais difícil. Mas numa eventualidade de segundo turno é possível.

Valor: Em 2012, supondo que o candidato do PSD não chegue a segundo turno, que seja entre Serra e um candidato do PT, quem vocês apoiarão?

Afif: José Serra, sem dúvida.

Valor: Então não tem essa chance de aproximação com o PT?

Afif: Depende. E se for o contrário? E se um candidato da nossa coligação for ao segundo turno e o PT vier conosco? Pode acontecer.

Valor: Eduardo Jorge seria esse candidato?

Afif: É um exemplo. É uma figura adorável, amigo do Serra e defende, com equilíbrio, a causa ambiental em meio a um bando de desequilibrados da bandeira verde. Mesmo não sendo do partido, pode fazer parte do nosso bloco.

Valor: E se o segundo turno for entre um candidato do PT e um tucano do secretariado de Alckmin, como Bruno Covas ou José Aníbal, vocês apoiarão quem?

Afif: Eu acho mais difícil partir para hipótese do PT, por ser um adversário mais histórico.

Valor: Como o senhor vê o embate dentro do PSDB, entre os grupos de Serra e Aécio Neves?

Afif: Eu gosto muito do Serra, o acho uma grande figura, mas ele arriscou o tudo ou nada na candidatura à presidência. Não tinha nem plano B. As reivindicações dos dois lados são legítimas.

Valor: Como o senhor rebate as críticas à falta de ideologia do PSD?

Afif: Sempre disse que esses carimbos, de esquerda e direita, são coisas do século passado. Onde já se viu o PT defendendo privatização de aeroporto? Estão acanhados pra burro, mas defendendo.

Valor: Que prejuízos o senhor viu e que consequências teve ou terá para a base do governo Dilma essa crise pela qual o governo federal passou com a saída do Palocci?

Afif: Uma vez eu li [o livro] “A tirania do status quo”, do [casal] Milton e Rose Friedman, no qual eles diziam que nas democracias os governos têm um ano de estado de graça, que é o primeiro, no qual ele está vindo da transfusão de votos, então tem força. E vejo que o governo Dilma perdeu muito rapidamente este primeiro ano. Com esta visão errática. Se for tentar fazer no segundo ano já não consegue. As reformas fundamentais estão sendo rapidamente sacrificadas.

Valor: Isso não prejudica o projeto do PSD, que surgiu muito como um partido parceiro?

Afif: Mas quem disse que ele é parceiro de um projeto? Ele pode ser parceiro de um projeto que venha ao encontro do anseio de um partido emergente. Primeiro, não somos beligerantes. Segundo, não somos automaticamente adeptos. Queremos ser um partido com uma visão de independência, não beligerante.

Valor: Qual é sua opinião sobre uma das teses correntes que afirma que essa primeira crise do governo Dilma ocorreu porque a base é ampla demais e difícil de satisfazer? Uma base tão grande acaba levando à paralisia?

Afif: Se você sabe para onde quer ir você consegue usar uma base tão ampla para traçar o caminho. Então, isso é que preocupa. Você tem uma base ampla sem um objetivo claro. Por falta de objetivo, essa base acaba trabalhando muito mais te pressionando do que você a pressionando.

Valor: Esse é um dos problemas do governo Dilma?

Afif: Acho que é o maior. A ausência de rumo. Eu já previa isso. É uma manutenção, um “déjà vu”, aquilo que já estava sendo feito, os programas sociais…

Valor: Que rumo o senhor esperava que ela tomasse e está demorando a tomar?

Afif: Ter um controle dos gastos públicos visando o enxugamento de estrutura, abrindo campo para o investimento.

28/06/2011 - 22:00h Boa noite


Evgeny Kissin- Liebestraume n° 3 de Liszt

28/06/2011 - 20:05h Carinho da igual

Notívaga Noturna

Eu quero mais é um carinho da igual.
Beber dessa doçura ímpar feminina-letal.
Trocar tocando seios que se bicam, magnéticos.
Saborear teus cheiros de menina, elétricos.

Eu quero mais é essa doçura sem igual.
Derreter nesses carinhos não homem-sexuais.
Beijar trocando línguas que se roçam, nirvanescas.
Acariciar tua púbis de menina – e sonhar, quixotesca.

Eu quero mais é esse prazer indizível que é teu prazer também.
Esse trocar de iguais tão diferentes de tudo – e tão bom.
Essa magia incandescente que só nasce de pólos-poros-peles iguais,
Que se tocam-retocam-retrocam criando amor.

Eu quero mais é beber dessa magia de nós duas,
Nuas e eternas,
Ternamente nuas,
Virando uma.
Criando mel-de-vida.
Fabricando amor.

28/06/2011 - 19:23h Como nuvem que fuje do vento


Philippe Jaroussky: Come Nube Che Fugge Dal Vento (Handel)

28/06/2011 - 18:56h Petite mort

G9ML9482
Ron Tetteroo

28/06/2011 - 18:05h Tua mão em mim

Marina Colasanti


Você me acorda no meio da noite
e eu que navegava tão distante
cravada a proa em espumas
desfraldados os sonhos
afloro de repente entre as paradas ondas dos lençóis
a boca ainda salgada mas já amarga
molhada a crina
encharcados os pêlos
na maresia que do meu corpo escorre.
Cravam-se ao fundo os dedos do desejo.
A correnteza arrasta.
Só quando o primeiro sopro escapar
entre os lábios da manhã
levantarei âncora.
Mas será tarde demais.
O sol nascente terá trancado o porto
e estarei prisioneira da vigília.

Ilustração de Eugénia Tabosa

Gargantas abertas, Editora Rocco, 1998 – Rio de Janeiro, Brasil

28/06/2011 - 16:27h PERU: Roadmap for the early Humala administration

Eurasia group

President-elect Ollanta Humala will soon appoint moderate figures for key economic and political posts in his administration, and that will be an important signal that he will not pursue radical policies. Nevertheless, Humala may soon have to face a trade-off between his fundamental goals of pursuing change while maintaining macroeconomic stability. During his first months in office, he will announce measures that will increase spending, such as an expansion of social programs. But he will probably increase spending gradually and seek to keep it within the parameters of Peru’s fiscal responsibility law, at least in the near to medium term. Nevertheless, Humala’s popularity looks set to drop during his first year in office due to high expectations of change among the electorate and the challenges he will face in delivering on campaign promises. This will increase political pressure on Humala, generating more incentives to pursue an expansive fiscal policy and take measures that could worsen the environment for investment.

Ollanta Humala will begin his administration by signaling that he will pursue relatively moderate policies, and by reaffirming his commitment to macroeconomic stability, a market economy and the rule of law. Such moderation is probably sincere and will be a function of several factors. First, he believes that maintaining macroeconomic stability and attracting private investment are both prerequisites for the generation of the conditions needed to achieve his social and economic goals. Second, he is well aware that most voters prefer moderate change over radical change. According to a recent Ipsos/Apoyo poll released on 16 June, 61% of voters think that Humala’s government should be like that of Brazil’s former president Luiz Inacio Lula da Silva, while only 11% said it should be like that of Venezuela’s President Hugo Chavez. Third, he will need the technical expertise and political support of centrist political forces in congress where his coalition won only 36% of seats (particularly from former president Alejandro Toledo’s group) to implement policy.

Humala’s key advisors will be moderate

One important signpost of policy direction under Humala will be the appointments for key cabinet posts. He is likely to announce as early as this week moderate and reasonably respected figures. His transition team, led by Vice-president Marisol Espinoza, provides some hints on who will be his most influential advisors. Kurt Burneo, who was Alejandro Toledo’s main economic advisor and became the main voice on economic matters in Humala’s second-round campaign, will lead the economic team with the help of Oscar Dancourt and Felix Jimenez, who will oversee financial and budget issues, respectively. Burneo looks like the strongest candidate to head the Ministry of Finance. He has experience in office and is generally perceived as a moderate, but also believes that the state should play a larger role in the economy and invest more in social programs, a point of view which helped him win Humala’s trust. In an interview over the weekend, Espinoza stated that the minister of finance would be from her party, but this doesn’t seem to exclude Burneo, who has been working closely with Humala since the beginning of the second round campaign. In fact, Humala stated yesterday that is up to him to make appointments, suggesting some discomfort with Espinoza’s comments.

Dancourt and Jimenez are also likely to occupy important posts in the administration. Dancourt has experience as a central bank official and is perceived as someone who has good technical credentials, which make him a good fit for president of the central bank’s board. Humala has made a strong commitment to maintaining the autonomy of the central bank and is aware that higher inflation could undermine popular support for him. But he also seems to believe that the current president of the central bank’s board, Julio Velarde, is too conservative. Felix Jimenez is a longtime Humala advisor with clearer leftist positions, but his background probably makes him a less likely candidate than Burneo to fill the post of minister of finance. Still, he will probably be appointed to a post in the ministry, where he would work with Burneo, possibly focusing on budget issues and the allocation of resources for Humala’s social and industrial policies.

There is probably a higher risk that Humala’s appointment to head the Ministry of Mines and Energy will have stronger nationalist views given his desire to increase taxes on mining and prioritize the domestic market in the supply of natural gas. Nonetheless, strategic decisions for the sector will probably be taken by his inner circle of advisors. Humala looks likely to pick one of three figures who are participating in the transition team: leftist former legislator Manuel Dammert, who has a track record of opposing privatizations and exports of natural gas; Humberto Campodonico, a leftist engineer and intellectual who is a longtime Humala advisor and has advocated supplying the domestic market first; and Herrera Descalzi, a former minister of mines and energy who joined the Humala campaign after the second round and is perceived as having more moderate views.

Relatively moderate figures predominate in Humala’s inner circle of political advisors and strategists. His main political operator will probably be legislator Daniel Abugattas, who has developed close ties with Humala and who played a central role in the campaign. As a former businessman, he has relatively moderate policy views. There is speculation that he could become head of the Council of Ministers (a post also known as prime minister), whose role has varied in past administrations from a more political one-for example, as the point person for relations with congress-to one more focused on administrative coordination between the different ministries. But Humala may opt to keep Abugattas in congress, where he would lead efforts to advance the administration’s legislative agenda, possibly as president of congress. Given Humala’s lack of majority in congress, he will need a strong leader there. In that case, Humala could opt for someone with a more administrative profile for the post of prime minister, perhaps Ambassador Luis Chiquihuara, who is in charge of affairs related to this post in the transition team. Despite some speculation that Humala could appoint to the post respected independent lawyer Beatriz Merino, who was prime minister under Toledo and currently is head of the association of private pension companies, we see this as unlikely given Humala will probably pick someone with closer ties to him.

Another member of Humala’s inner circle is Salomon Lerner, a businessman who has been one of his key strategists and point person with the business community. There is speculation that he could become the presidency’s general secretary or even that he will not occupy a post in government, but he will probably continue to be an important advisor, even if an informal one. Finally, Humala’s wife Nadine Heredia, who has played a role as a political advisor and strategist, will probably be a very influential figure. Early speculation that she could run in 2016 to succeed Humala indicates that she will be a key advisor and influential figure within his administration.

A gradual increase in spending

Humala will most likely announce during his first months in office some measures to implement key campaign promises that would lead to more spending, but he will seek to reassure voters and markets that this can be reconciled with responsible fiscal policy. Humala’s advisors say that in order to meet their social and economic goals, the overall tax burden would have to increase by three or four percentage points of GDP, but spending will probably increase gradually. He will focus initially on expanding social programs that can have a significant social and political impact at a relatively low cost. The most important initiatives to be announced would be an expansion of existing cash transfer social programs, one which the largest is called Juntos, and the creation of a new, non-contributive pension benefit for the elderly called Pension 65. Humala’s advisors estimated the cost of the new pension benefit at 0.8% of GDP and a substantial expansion of Juntos would probably cost much less (the program, which the previous Alan Garcia administration had already expanded substantially, currently benefits almost 500,000 families and its cost represents about 0.15% of GDP). Relatively strong economic growth-estimated to be somewhere between 5% and 6.5% this year and a bit lower in 2012-will help boost tax collection. So a Humala administration would probably have some fiscal room to increase spending without violating Peru’s fiscal responsibility law which established a 1% of GDP cap on the public sector deficit, at least in the near term.

Humala will look to the mining sector as an additional source of revenue and will seek to expand the role of the state in other strategic sectors. While he has provided few details on specific measures, Humala has signaled that his administration will not seek to take over private assets. He has also hinted that he is moderating his views. For example, the policy document his campaign issued during the second-round campaign (called Hoja de Ruta, or roadmap) softened the wording about his plans to hike taxes on mining and says his administration will seek to keep the tax burden competitive. While the document maintains the position that the administration will renegotiate natural gas contracts to prioritize supply to the domestic market, Humala has signaled more moderation in fuel pricing policy. During the campaign he promised to lower the price of liquefied petroleum gas (LPG), but now says that this will come over time as LPG is replaced with locally produced (and cheaper) natural gas.

Humala’s approval ratings will probably decline during his first year in office

While Humala will most likely start his term with high popular support, his approval ratings look set to decline during his first year in office, something that could lead him to face some policy trade-offs relatively early in his administration. According to the latest Ipsos/Apoyo poll, 70% of respondents approve of Humala as president-elect, which is significantly higher than the 51.5% of votes he had in the second-round run-off. This is due in part to the good will that presidents-elect usually enjoy, but there is also much expectation that Humala will be able to deliver on his campaign promises. Fulfilling such expectation will be challenging given that it will involve addressing difficult structural issues. For example, according to the Ipsos/Apoyo poll, most voters believe Humala should focus primarily on fighting corruption and crime. While Humala will probably announce initiatives on both fronts, delivering results will take time. Given that corruption remains well-rooted in the Peruvian state, it would not be a surprise if some high-profile scandal emerges in the near term, and that would disappoint many voters who have overly optimistic expectations about Humala.

In addition, Humala could lose some support because of social conflicts. Such issues, which have typically involved local complaints against natural resources projects, are commonplace in Peru and sometimes turn violent, as occurred recently in the southern region of Puno, where locals protested against mining concessions. Humala will certainly make efforts to consult more with local communities and diminish conflicts, but resolving the underlying structural issues that motivate conflicts won’t be easy, so new tensions are highly likely and could hurt Humala’s approval ratings.

If trends seen during the last two administrations are any indication of the future, Humala could see a rapid decline in support. This happened under both Alejandro Toledo and Alan Garcia, who started with approval ratings above 60%, but saw them decline sharply during their first year in office (see graphs attached).

Support for Humala looks unlikely to drop as much as support for previous presidents, however. The popular measures he will announce in the beginning of his administration will help maintain support for him among the poor, who constitute his social base, and create a perception that he is pursuing change. From a structural perspective, economic improvements and the social programs of past administration could be slowly reducing popular dissatisfaction with the political class, which has been widespread in Peru. One possible indication that this is occurring is the fact that Alan Garcia’s approval rating bottomed out at a higher level than Toledo’s did. While Toledo’s approval rating dipped below 10% in his third year in office, Garcia’s lowest popularity was around 20%. It is important to note that both saw a recovery in their approval ratings toward the end of their terms.

Policy repercussions

This means that a decline in Humala’s approval ratings probably wouldn’t lead to a fundamental policy changes, but it would increase incentives for him to deepen his social and statist policies, contributing to a negative turn in economic policy. We have made the case that he will not be radical, but that he will push the limits on both macro and microeconomic policy when facing difficult trade-offs between maintaining macroeconomic stability and pursuing his goal of expanding the role of the state in the economy. If his approval rating drops, he will have a greater incentive to do so as a way to recover some political ground.

For macroeconomic policy, this means that Humala would pursue an increasingly expansive fiscal policy. He will expand social programs, invest more heavily in infrastructure, increase public sector wages, and seek a greater role for state-owned companies. He could, however, move more aggressively on all those fronts if needed to boost popular support. Humala probably wouldn’t go as far as completely abandoning Peru’s fiscal responsibility law as a reference for fiscal policy. But he could very well violate the 1% limit on deficit-it is important to remember that there is no severe penalty for doing so. He is unlikely to undermine the autonomy of the central bank, but if it tightens monetary policy enough to dampen economic growth, political pressure on the central bank and tension with the executive would increase.

Humala’s sector specific policies could also take a more negative direction. For example, he would have a greater incentive to extract more rents from the mining sector to finance new spending. It would probably take at least a few months before his government has a tax proposal ready to send to congress, so Humala’s declining approval rating would increase the risk that he will opt for an aggressive tax hike. His weaker political standing could force him to make some concessions in order to win congressional approval for the proposal given that he will need support for centrist parties. However, this could increase the risk that he will take a tough position in talks with companies who have tax stabilization agreements as he seek to renegotiate the terms of these contracts (they represent about 25% of Peru’s mining production). Humala could also take a tough position on negotiations with natural gas producers to redraft existing contracts and prioritize supply to the domestic market, and more actively seek to develop the state’s capacity to operate in the hydrocarbons sector.

Erasto Almeida

28/06/2011 - 11:29h Juiz converte união estável em primeiro casamento civil gay no Brasil


Casal homossexual de Jacareí (SP) obtém na Justiça o direito de oficializar casamento civil e adotar sobrenome comum; juiz se baseou em artigo da Constituição, segundo o qual a família é a base da sociedade, além de recentes decisões do STF e da ONU


Thiago Leon/O Vale
Thiago Leon/O Vale

Pioneiros. Casal José Sérgio e Luiz André conseguiu converter união estável em casamento


Gerson Monteiro – O Estado de S.Paulo

ESPECIAL PARA O ESTADO
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP)

Um casal homossexual de Jacareí (SP) conseguiu na Justiça o direito de converter sua união estável em casamento civil – fato inédito na história do País. A decisão do juiz Fernando Henrique Pinto, da 2.ª Vara da Família e das Sucessões, foi registrada ontem.

O casal José Sérgio Sousa Moresi e Luiz André Sousa Moresi, que mantém um salão de beleza em Jacareí, no Vale do Paraíba, vai retirar hoje – Dia Mundial do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) – a certidão de casamento civil, sob o regime de comunhão parcial de bens, num cartório da cidade. Eles estão juntos há oito anos e haviam oficializado a união estável em maio, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que equiparou a união estável homossexual à heterossexual.

“Se no mundo ainda vige forte preconceito contra tais pessoas e se as mesmas têm de passar por sofrimentos internos, familiares e sociais para se reconhecerem para elas próprias e publicamente como homossexuais – às vezes pagando com a própria vida -, parece que, se pudessem escolher, optariam pela conduta socialmente mais aceita e tida como normal”, diz o juiz em sua sentença, que levou em conta o Artigo 226 da Constituição Federal, segundo o qual a família é a base da sociedade e tem proteção especial do Estado.

Além da decisão do STF, o juiz se baseou em uma resolução histórica do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), destinada a promover a igualdade dos seres humanos, sem distinção de orientação sexual, aprovada no último dia 17.

Para José Sérgio, presidente da ONG responsável pela Parada Gay no Vale do Paraíba, a decisão judicial marca uma nova vida. “Agora somos um casal oficialmente reconhecido. É uma emoção muito grande, estamos muito felizes”, comemora. “Há 15 anos que militamos por esse direito”, emenda Luiz André. A igualdade de direitos permitiu ao casal compartilhar os sobrenomes Sousa (de Sérgio) e Moresi (de Luiz André).

“É interessante constatar que a primeira decisão favorável tenha ocorrido em uma cidade do interior e não numa metrópole”, afirmou Adriana Galvão Abílio, presidente da Comissão da Diversidade Sexual e Combate à Homofobia da OAB-SP e vice-presidente dessa comissão na OAB Nacional.

Outro caso. Na semana passada, um pedido do casal paulistano Lula Ramires e Guilherme Amaral Nunes de conversão do contrato de convivência afetiva – celebrado em 2008 – para casamento civil foi negado pela juíza Renata Mota Maciel. Antes disso, o Ministério Público também havia emitido parecer desfavorável. Desta vez, um promotor do MP de Jacareí emitiu parecer favorável à conversão da união homoafetiva em casamento civil.

Luiz André conta que ficou preocupado ao saber que o pedido do casal paulistano foi negado. “Fiquei cruzando os dedos. Achei até que pudesse servir de precedente para a decisão. Mas não foi. Esse é um momento histórico, que dedico a todos os ativistas. É fruto de uma luta de uma vida inteira”, disse.

Luís Arruda, da Frente Paulista contra a Homofobia, vê na decisão do juiz de Jacareí um estímulo para que outros casais homossexuais façam o pedido de conversão. Segundo ele, o caso deve ter repercussão em Brasília. “Acho que vai ser um processo. Alguns juízes vão decidir a favor, outros contra, e isso vai chegar ao STF outra vez.” / COLABOROU OCIMARA BALMANT, ESPECIAL PARA O ESTADO

PARA ENTENDER

Veja as diferenças

1.União estável
A escritura é registrada em um cartório de notas e não altera o estado civil, ou seja, os dois continuam solteiros.

2.Casamento
É registrado no cartório de registros públicos, altera o estado civil e torna o cônjuge um “herdeiro necessário”, ou seja, confere mais direitos na hora de repartir a herança.

28/06/2011 - 08:37h Entre Brics, Brasil lidera crescimento renda-PIB

Francine De Lorenzo | VALOR

De São Paulo

A evolução da renda per capita em comparação com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil é a melhor entre os Brics (grupo que ainda inclui Rússia, Índia, China e África do Sul), disse ontem o economista Marcelo Neri, do Centro de Políticas Sociais da FGV. Para ele, o país foi o único entre a elite dos emergentes a crescer reduzindo a desigualdade social.

Segundo os números apresentados durante o 1º Fórum BID para o Desenvolvimento da Base da Pirâmide na América Latina e Caribe, em São Paulo, os rendimentos medidos pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) tiveram um crescimento anual de cerca de 1,8 ponto porcentual acima do PIB entre 2003 e 2009, enquanto na China o avanço veio dois pontos abaixo da expansão da economia durante o intervalo. Segundo Neri, a renda real entre os brasileiros mais pobres cresceu 68% de 2001 a 2011, enquanto a dos ricos avançou 10% em igual período.

O estudo mostra que a taxa de crescimento da renda dos 20% mais ricos no Brasil é inferior à registrada nos demais Brics, ao mesmo tempo em que a taxa de crescimento da renda dos 20% mais pobres só é menor que a contabilizada pela China.

Desde 2003, o país ganhou quase 50 milhões de consumidores, o equivalente a uma Espanha. Somente nos 21 meses encerrados em maio passado, 13,3 milhões de brasileiros foram incorporados às classes A, B e C, somados aos 36 milhões que migraram entre 2003 e 2009. “Isso é reflexo do crescimento econômico com redução da desigualdade social durante muitos anos. O que está por trás é o aumento da educação e do trabalho formal, a redução da natalidade e o ciclo eleitoral”, explicou Neri. “Todo ano de eleição a renda média do brasileiro sobe muito.”

Simultaneamente, a base da pirâmide social vem diminuindo com rapidez. Apenas no último ano a redução foi de quase 12%. “O grande passaporte para a saída da pobreza é a educação”, disse o economista da FGV, lembrando que programas do governo federal como o Bolsa Família também contribuem para essas mudanças no cenário.

O levantamento mostra ainda que a probabilidade de se migrar da classe E (renda familiar até R$ 751,00) para níveis mais altos da pirâmide social é de 27% para quem tem até um ano de estudo, enquanto que para aqueles que permanecem na escola por 12 anos ou mais esse percentual chega a 53%.

Já a chance de permanecer nas classes ABC no período mais recente é 2,8 vezes maior que a apresentada no início da série da pesquisa. Nas capitais, a chance de permanência no alto da pirâmide é 25% maior que nas áreas periféricas do país, embora esse índice venha caindo.

O estudo apresentado pelo economista da FGV ainda destaca que a cidade considerada “mais rica” do Brasil é Niterói, no Rio de Janeiro, onde 30,7% da população faz parte da classe A. Na sequência aparecem no ranking da pesquisa as cidades de Florianópolis (27,7%), Vitória (26,9%), São Caetano (26,5%), Porto Alegre (25,3%), Brasília (24,3%) e Santos (24,1%). “A região Sul é a que apresenta a menor desigualdade social no Brasil”, afirmou Marcelo Neri.

27/06/2011 - 22:00h Boa noite

G.Gershwin – I.Frolov
Fantasia on themes opera’s “Porgy and Bess” by Julia Igonina, violin, with Presidential Orchestra of Belarus, conductor V.Babarykin

27/06/2011 - 19:26h Ecco l’atra palude


Philippe Jaroussky: Ecco l’atra palude (Monteverdi)

27/06/2011 - 11:49h Interior paulista será desafio do PT em 2012

Eleições: As cidades de Campinas e Ribeirão Preto sintetizam dificuldades eleitorais do partido em São Paulo

Cristiane Agostine e Vandson Lima | VALOR

De São Paulo

No comando de apenas 10% das prefeituras de São Paulo, que concentram 17% do eleitorado estadual, o PT enfrentará dificuldades na eleição de 2012 para avançar no interior. Ao iniciar a articulação para as disputas municipais no Estado, o partido esbarra em dois polos estratégicos eleitoral e economicamente: Campinas e Ribeirão Preto. A aposta petista continua sendo na região metropolitana, que nesta eleição servirá de palco para uma disputa acirrada com o PSDB.

Em Campinas, maior cidade do interior paulista, com o terceiro maior eleitorado do Estado, o escândalo envolvendo a gestão de Hélio de Oliveira Santos, o Dr. Hélio (PDT), respinga diretamente no PT, com a suspeita de participação do vice-prefeito, o petista Demétrio Vilagra, em um suposto esquema de fraude em licitações. O PT nacional, estadual e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acompanham de perto o caso e temem que as investigações do Ministério Público Estadual inviabilizem o partido na cidade, pela terceira vez.

Vilagra era cotado como pré-candidato para a sucessão de Dr. Hélio, mas as denúncias, que levaram o vice à prisão temporária, reduziram as chances de o PT ter candidato próprio. O diretório municipal está fragmentado e parte do comando apoia o lançamento do deputado estadual Gerson Bittencourt (PT), ex-secretário de Dr. Hélio. Outra ala do partido, minoritária, cogita o lançamento do presidente do Ipea, Marcio Pochmann. A avaliação de dirigentes de Campinas, no entanto, é pessimista quanto ao cenário eleitoral para o PT.

O escândalo envolvendo Vilagra é mais um revés na história do PT em Campinas, cidade com 765 mil eleitores. O município foi emblemático para o partido nos anos 80, com uma das primeiras vitórias em uma grande cidade do país. O sindicalista e fundador do PT Jacó Bittar foi eleito em 1988, mas no terceiro ano do mandato foi pressionado a deixar a legenda, acusado de cometer irregularidades na construção do metrô com o então governador Orestes Quércia (PMDB), morto em 2010.

O partido passou por anos de desarticulação e derrotas e só voltou ao governo em 2000, com a vitória de Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, ex-vice-prefeito de Bittar e responsável pelas denúncias contra ele. O segundo revés veio menos de dois anos depois da eleição de Toninho, com o assassinato do prefeito em 2001. A vice Izalene Tiene, também petista, foi criticada do início ao fim da gestão e não tentou se reeleger. Seu grupo no PT se enfraqueceu e perdeu espaço para petistas da capital paulista, que tomaram o diretório e o aproximaram de Dr. Hélio e da chamada “República do Mato Grosso do Sul” (veja mais nesta página). Na prefeitura, com a vice e cargos, o partido enfrenta seu terceiro desafio.

O diretório municipal quer deixar a gestão, na qual participa com duas secretarias e cerca de 80 cargos de confiança, mas o comando nacional petista resiste. O presidente estadual do PT, deputado Edinho Silva, age para tentar amenizar o conflito e postergar a saída do governo. Dirigentes da sigla, no entanto, temem um desgaste maior para o partido e o que “está por vir com as investigações do MP”.

Na região, o PSDB tem se articulado para buscar ligações das denúncias de Campinas com cidades vizinhas consideradas fortalezas petistas, como Sumaré e Hortolândia. “Essas cidades não têm eleitorado muito grande, mas influenciam o entorno. Conquistar esses municípios seria derrubar um ‘bunker’ do PT”, diz um dirigente do PSDB no Estado.

Em Ribeirão Preto, polo do agronegócio do interior paulista e berço político do ex-ministro Antonio Palocci, o PT está minguando. Desde que Palocci saiu da política municipal, em 2002, o diretório não conseguiu se reestruturar. A votação na disputa local caiu de 56%, quando Palocci elegeu-se prefeito pela segunda vez em 2000, com votação recorde, para 8% em 2008. Em 2010, o diretório não lançou candidato à Câmara dos Deputados. A cidade tem 407 mil eleitores.

Vinculado à força política de Palocci, o partido se enfraqueceu na cidade à medida que o ex-ministro se afastou da política local e, posteriormente, se desgastou no plano nacional. A queda do petista do Ministério da Fazenda, em 2006, por denúncia de quebra de sigilo do caseiro Francenildo Costa, e a recente saída da Casa Civil, com a divulgação de que seu patrimônio foi multiplicado por 20 em quatro anos, se refletiram em Ribeirão Preto e diminuíram as chances eleitorais do PT local para 2012.

O presidente estadual do PT analisa que a situação do partido na cidade é “muito difícil”. “O PT não vai se recuperar da noite para o dia. A direção nacional está consciente. Perto do que já tivemos, perdemos muito”, diz Edinho.

Um dos nomes cogitados para 2012 representaria uma derrota a Palocci: o do juiz aposentado João Agnaldo Donizeti Gandini, que abriu processo contra Palocci para investigar o suposto superfaturamento na compra de molho de tomate com ervilha. O caso foi emblemático contra o petista, mesmo depois de Palocci livrar-se da acusação no âmbito criminal. Outros nomes cogitados pelo PT local são o do ex-secretário de Palocci e presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Galeno Amorim, e de Feres Sabino, petista derrotado em 2008 na disputa municipal.

O PT monitora outro problema no interior paulista. O prefeito de Taubaté, Roberto Peixoto (PMDB), preso na semana passada pela Polícia Federal, tem como vice a petista Vera Saba, política considerada “obtusa” pela direção petista. Mesmo ao assumir o comando da cidade estratégica do Vale do Paraíba, com 207 mil eleitores, Vera não deve ter o respaldo do PT. A petista tem uma relação turbulenta não só com o PT, mas também com o PMDB.

Apesar das dificuldades em São Paulo, o PT estadual minimiza os problemas. Segundo recente pesquisa realizada pelo diretório, o partido tem a preferência de 30% da população na maior parte do Estado. O percentual é semelhante ao registrado pelo candidato do PT ao governo do Estado em 2010, ministro Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), que recebeu 35% dos votos.

A sigla definiu setembro como meta para escolher seus pré-candidatos para 2012. Segundo o presidente do diretório estadual, o PT melhorou e ampliou sua estrutura no Estado, ao acabar com 140 comissões provisórias e criar diretórios em 23 cidades onde não existia. “É impossível não crescer em 2012″, diz Edinho.

Apesar da dificuldade registrada nas eleições passadas de conquistar o eleitor de classe média, o objetivo petista no próximo ano é a nova classe média, que ascendeu economicamente durante o governo Lula. Na lista de cidades com esse perfil, Edinho Silva destaca São José do Rio Preto, São Carlos, Araçatuba e Registro, além dos municípios da região metropolitana.

Para tentar avançar no Estado, a legenda busca alianças mais conservadoras, com o PMDB, PR e PSD – articulado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Com a morte do ex-governador Orestes Quércia, que comandava o PMDB paulista e resistia à aproximação com o PT, os petistas miram nas parcerias com pemedebistas. O PT quer usar a capilaridade do aliado para entrar no interior e conta com o apoio do vice-presidente Michel Temer (PMDB), principal influência no diretório paulista do PMDB.

O PT está à frente de 65 prefeituras, mas apenas 15 delas têm mais de 100 mil habitantes. Esse grupo está concentrado na região metropolitana.


Região metropolitana é alvo de disputa

Cristiane Agostine, Samantha Maia e Vandson Lima | De São Paulo

O PSDB intensificou a ofensiva em busca de votos na região metropolitana de São Paulo, área em que está concentrado 47,7% do eleitorado, e levará como bandeira para a eleição de 2012 a expansão do Bilhete Único Metropolitano. De olho no reduto petista, o governador Geraldo Alckmin definiu como meta a unificação do transporte intermunicipal da maioria das 39 cidades da região com os trens do metrô e da CPTM até o fim do ano, às vésperas do início das disputas municipais.

O bilhete único faz parte de um pacote de projetos estratégicos politicamente para o governo tucano. O PSDB tem dois objetivos: construir vitrines eleitorais na região dominada pelo PT e obter mais recursos do governo federal para o Estado. Na região metropolitana, excluída a capital, 57% do eleitorado está em cidades comandas por petistas.

No fim do próximo mês, Alckmin deve lançar a primeira etapa da integração do sistema de transporte estadual, com o teste do uso do bilhete único nos ônibus intermunicipais e em uma estação de metrô. Em seguida, expandirá a conexão às demais estações do metrô e da CPTM. A previsão do governo é de que haja desconto nas passagens para a população. “No fim vai ficar mais barato”, diz o secretário de Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido. “O subsídio virá do Estado e dos municípios. Não tem muito jeito”.

Alckmin concentrou ações no ABC paulista, berço político do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Há dez dias, o governador anunciou investimentos de R$ 6,3 bilhões na região, com obras de grande escala em mobilidade urbana e combate às enchentes.

Ao assumir o governo, Alckmin já havia acenado à região ao criar a Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano para a Grande São Paulo, Grande Campinas e Baixada Santista. Entre os planos, está o de levar o metrô para fora da capital paulista. Em 2014, quando Alckmin poderá tentar a reeleição, o governo estadual deverá anunciar as obras de expansão da linha 4 do metrô até Taboão da Serra.

Em Guarulhos, segunda cidade mais populosa do Estado, o prefeito Sebastião Almeida (PT) diz que a aproximação com o governo estadual é “bem-vinda”: “Precisamos de ações integradas e acho louvável que o governo tenha acordado e passado a pensar de uma forma coletiva”. O PT está em sua terceira gestão consecutiva na cidade. “Falta investimento estadual em tudo. Na área de segurança, os problemas ficam com a prefeitura. Em drenagem, as obras realizadas pelo Estado em outro município trazem impacto aqui sem que a gente saiba do planejamento”, diz.

O Bilhete Único Metropolitano é prioridade para o prefeito, para quem o projeto depende apenas de vontade política. “Temos tecnologia, o sistema de bilhete único já existe nos ônibus da cidade. Estamos preparados para integrar”, diz Almeida, que tentará a reeleição em 2012, mas diz não estar preocupado com a investida do governo estadual em cidades governadas pelo PT. “Acho que tudo o que o Estado fizer na cidade que lhe permita tirar dividendos políticos é natural. Tem que fazer isso”. No município, o PSDB deve lançar à disputa o deputado federal Carlos Roberto, que em 2008 saiu da condição de azarão e quase venceu Almeida no segundo turno, amealhando 43,3% dos votos.

O secretário de Desenvolvimento Metropolitano considera natural a disputa nas eleições das obras feitas em parceria entre Estados e municípios. “O prefeito que obteve o benefício vai fazer propaganda da ação que teve. Nós também vamos fazer a nossa”, diz Aparecido.

“A ofensiva dos tucanos é forte, mas estamos nos preparando. Somos fortes nas regiões metropolitanas”, observa o presidente do PT de São Paulo, deputado Edinho Silva. “É onde está o eleitorado típico do PT e devemos crescer ainda mais, com essa nova classe C “. O PT investirá na reeleição de seus prefeitos, como Luiz Marinho, em São Bernardo do Campo, Mário Reali, em Diadema, Oswaldo Dias, em Mauá e Sebastião Almeida, em Guarulhos. Duas grandes apostas do partido são o deputado federal João Paulo Cunha, em Osasco, e o deputado estadual e sindicalista Carlos Grana, em Santo André. Na capital, o partido está dividido entre as candidaturas da senadora Marta Suplicy e do ministro Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia). Corre por fora o ministro da Educação, Fernando Haddad.

Já o PSDB espera destronar o PT em São Bernardo com o deputado federal William Dib, que foi prefeito da cidade entre 2003 e 2008 pelo PSB. O deputado estadual Orlando Morando, segundo colocado na última eleição em 2008, também pleteia o posto. Outro ex-prefeito em quem os tucanos apostam é o deputado Celso Giglio, que tentará chefiar pela terceira vez a cidade de Osasco. Em Diadema, Santo André e Mauá, a situação do partido é mais complicada, sem candidatos que despontem como favoritos.

Do secretariado de Alckmin, pelo menos dois nomes devem ir às urnas em 2012. Em São José dos Campos, cidade comandada pelo PSDB desde 1996, o partido deve recorrer novamente a Emanuel Fernandes, secretário de Planejamento e prefeito da cidade entre 1997 e 2004, quando fez seu sucessor, Eduardo Cury (PSDB), em seu segundo mandato. Paulo Alexandre Barbosa, secretário de Desenvolvimento Econômico, provavelmente será o candidato em Santos.

Do secretariado estadual pode sair mais um candidato à prefeitura de São Paulo. Bruno Covas e José Aníbal, secretários de Meio Ambiente e Energia, respectivamente, são cotados caso o ex-presidenciável José Serra não concorra.

Situação em Campinas preocupa partido

De Campinas

Na tentativa de se manter no cargo, o prefeito de Campinas, Dr. Hélio (PDT), busca apoio no PT e cobra a fatura por ter apoiado o partido e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em crises do governo petista e nas eleições.

Como prefeito, Dr. Hélio defendeu a manutenção do PDT na base do governo Lula em 2003, quando o ex-governador Leonel Brizola, morto em 2004, se rebelou contra a gestão. Durante a crise do mensalão, em 2005, defendeu Lula e o então ministro da Casa Civil, José Dirceu. Em 2006, articulou a campanha de reeleição de Lula no interior paulista, ao comandar um comitê suprapartidário, ação repetida em 2010, para a eleição presidencial de Dilma Rousseff.

É respaldado por essa parceria que o prefeito alicerça sua defesa. Nesta semana, o presidente do PT paulista, Edinho Silva, prestará depoimento como testemunhas de defesa do pedetista. Dirceu defendeu Dr. Hélio depois que a gestão virou alvo de investigação do Ministério Público Estadual.

As denúncias indicam fraudes em licitações na empresa pública de saneamento Sanasa com a prefeitura. A primeira dama, Rosely Nassim Santos, e o vice-prefeito, Demétrio Vilagra (PT), seriam os mentores do esquema.

Espalhado pela prefeitura, está um grupo de mato-grossenses-do-sul que, segundo as investigações, sustentariam o esquema. Vários têm passagens por prefeituras do Mato Grosso do Sul – em especial de Corumbá, cidade natal de Dr. Hélio- e também pelo governo do Estado.

A chamada “República do MS”, no governo campineiro desde 2005, conta com o ex-presidente da Sanasa Luiz Aquino, delator do esquema e amigo de infância do prefeito; o diretor de Planejamento Ricardo Cândia, ex-prefeito de Corumbá, é apontado como braço-direito da primeira-dama nas fraudes; Francisco de Lagos, ex-secretário de Campo Grande na prefeitura de Lúdio Coelho (PSDB), era coordenador de Comunicação da prefeitura de Campinas; o ex-diretor técnico da Sanasa, Aurélio Cance Junior, que seria responsável pela arrecadação de dinheiro de obras, é irmão do atual superintendente de Gestão da Informação do governo de André Puccinelli (PMDB), André Luiz Cance, e foi vereador em Campo Grande.

Com o cenário desfavorável para o PDT e PT, projeta-se Jonas Donizette (PSB), deputado federal mais bem votado no município em 2010, com 16% dos votos. Donizette concorreu à prefeitura em 2004 e 2008.

No PSDB, o deputado federal Carlos Sampaio, que disputou a prefeitura nas últimas três eleições, é cotado, assim como a deputada estadual Célia Leão. O vereador Artur Orsi ganhou projeção como principal articulador do movimento pela saída do prefeito.

O ministro dos Esportes, Orlando Silva (PCdoB), que transferiu seu título eleitoral para Campinas, era considerado pré-candidato dos governistas antes do escândalo. Participou com regularidade de eventos na cidade em 2010 e sua esposa, a atriz Ana Petta, nasceu e mora em Campinas. Mas, segundo integrantes da sigla, dependeria do andamento tranquilo das obras para a Copa em 2014 e Olimpíada em 2016, além do apoio do prefeito, o que, dada a circunstância, não é desejo de nenhum candidato. (CA e VL)

27/06/2011 - 11:24h Desenvolvimentismo x ortodoxia: convergências

Esse modelo é garantia de que o Brasil sustentará o ciclo de crescimento em curso.

Cézar Medeiros – VALOR

Convergências entre a ortodoxia e o desenvolvimentismo vem experimentando transformações gradativas entre 2003/2011.

Durante a primeira fase do governo Lula, entre 2003-2005, a política macroeconômica ortodoxa foi predominante em relação à retomada do crescimento devido às necessidades de impedir o recrudescimento da inflação, minimizar a vulnerabilidade externa e os desequilíbrios das contas públicas herdados do governo anterior. Porém, o novo governo iniciou a implementação de políticas de inclusão social via programas de transferência de renda (Bolsa Família, Luz para Todos, Pronaf, microcrédito, bancarização, etc.), bases para expansão do mercado interno.

A nova equipe econômica passou a contar com maior participação do segmento desenvolvimentista no processo da tomada de decisões. A partir de 2006 foram lançadas políticas de valorização do salário mínimo, política industrial e tecnológica – Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) -, programas de investimentos em infraestrutura – Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o lançamento da Estratégia Nacional de Defesa (END) com forte viés industrial e tecnológico. No entanto, a ortodoxia liderada pelo BC ainda foi predominante com o argumento da necessidade de preservação do poder aquisitivo das classes trabalhadoras.

Em outras palavras: nestes dois primeiros períodos, a manutenção do poder aquisitivo, particularmente das classes E, D e parcela da C, sintetiza a convergência entre as duas equipes ou duas linhas de pensamento econômico. Entre 2008-2010, diante da crise internacional, políticas anticíclicas foram adotadas e resultaram em avanços na convergência.

Medidas como controle da inflação e expansão do emprego exigem significativas elevações da produtividade

O desenvolvimentismo ganha maior força com o aumento dos gastos fiscais e a redução, ainda que tardia, da Selic e dos depósitos compulsórios. Além disso, foram adotadas: desonerações fiscais para setores dinâmicos (automóveis, bens duráveis, materiais de construção); projetos de infraestrutura contemplados pelo PAC; uso intensivo dos bancos oficiais, seja via reforços do orçamento do BNDES, para implementação de investimentos prioritários do PAC, da PDP e do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). O BB e CEF foram fortalecidos para expandir o crédito e para adquirirem carteiras de empréstimos de bancos menores; os planos de investimentos das empresas estatais (Petrobras, Eletrobras, etc,) foram ampliados e acelerados. Em 2009 o governo lançou ousado programa de habitação popular (Minha Casa Minha Vida).

No final de 2010, o Banco Central passou a adotar medidas macroprudenciais – da combinação de instrumentos de política monetária: juros, compulsórios, prazos e maiores exigências de capital das instituições financeiras.

As medidas adotadas durante os 120 primeiros dias do governo Dilma, fortalecem, ainda mais, as convergências entre o desenvolvimentismo e a ortodoxia. De um lado, estão previstos cortes superiores a R$ 50 bilhões no orçamento federal, mas preservadas e aprofundadas as prioridades sociais, e os investimentos estratégicos.

Do outro lado, o Banco Central vem anunciando mudanças metodológicas para controlar a inflação. Além do boletim Focus, já vem utilizando informações das classes produtoras e de instituições para-acadêmicas (CNI, FGV, etc), mas, principalmente de seus próprios indicadores e do comportamento de indexadores, capazes de verificar o comportamento de preços internos e os impactos da evolução dos preços internacionais. Vem também sinalizando avanços metodológicos para compatibilizar o controle da inflação com o crescimento econômico.

Nesse contexto, cabe esperar que o BC aperfeiçoe seus mecanismos de acompanhamento setorial. As projeções sobre o comportamento da demanda, devem ser acompanhados de projeções de oferta por setor, capazes de identificar, precocemente, aqueles que poderão apresentar esgotamentos da capacidade instalada, o que possibilitará ao governo promover investimentos setoriais, seja por meio de estímulos fiscais e creditícios, seja flexibilizando, seletivamente, depósitos compulsórios.

Ou seja: o BC começa a reservar espaços para políticas de crescimento e o governo procura aprimorar e otimizar a programação orçamentária.

Nesse contexto, é de se esperar que, diante dos novos indicadores de preços, o BC tenha encerrado o processo de elevações da taxa Selic e que, pós acomodação das taxas de crescimento e de preços de commodities, comece a praticar a flexibilização seletiva de redução das taxas de juros e de depósitos compulsórios, bem como de fixação de prazos para empréstimos na direção da retomada do crescimento.

É necessário chamar a atenção, contudo, que compatibilizar o controle da inflação, a expansão do nível de emprego, do poder aquisitivo das classes de menor renda, de aumentos reais do salário e da renda disponível contemplados no modelo de estruturação de um amplo mercado interno de massas, exigem significativas elevações da produtividade. Ousados programas para educação e para maior qualificação profissional; políticas industriais/tecnológicas avançadas; reformas dos sistemas tributário, previdenciário e trabalhista; aceleração dos projetos de infraestrutura (logística – rodovias, ferrovias, aquavias, portos, aeroportos -, energia, comunicações, saneamento básico, etc.).

Conclusão, quanto maior a convergência entre o desenvolvimentismo e a ortodoxia, maior a garantia de que o Brasil sustentará o novo ciclo de desenvolvimento em curso: crescimento acompanhado de maior competitividade da estrutura produtiva e da estruturação de uma ampla sociedade de classe média via aumento do poder aquisitivo das classes E, D e C.

Cézar Medeiros é doutor em Economia pelo IE-UFRJ

27/06/2011 - 11:03h Plano que amplia área agrícola peruana começa a sair do papel

Infraestrutura : Projeto conduzido pela Odebrecht irriga área desértica

Juan Andrés Marsano, diretor da Odebrecht no Peru: irrigação e leilão de terras


Fernando Lopes | VALOR

De São Paulo

Quase nove décadas depois de vislumbrado e oito anos após os primeiros passos concretos para mais uma retomada, o Projeto Olmos, que tem por objetivo ampliar a fronteira agrícola peruana, começa efetivamente a tomar forma. Conduzido pela brasileira Odebrecht, o projeto contempla a execução de um intrincado planejamento que permitirá a irrigação de cerca de 43,5 mil hectares em uma região desértica do país e um leilão de terras para atrair empresas agrícolas interessadas, além da geração hidrelétrica de energia.

A ideia de tornar viável a transposição de águas da bacia do Atlântico para a árida região de Olmos, no departamento de Lambayeque, noroeste peruano, foi visualizada pela primeira vez em 1924. Nas três últimas décadas diferentes atores deram início a obras nesse sentido, sempre sem continuidade. Na primeira metade da década passada, a Odebrecht venceu a concorrência para realizar a transposição de águas em si, e em abril de 2009 teve o sinal verde do governo local para tocar a parte da irrigação, incluindo construção, operação e manutenção da infraestrutura hidráulica. Com essa concessão, a empresa ficou responsável pelo leilão das terras, aprovado em janeiro deste ano.

Juan Andrés Marsano, diretor da Odebrecht no Peru, lembra que as obras da transposição tiveram início em março de 2006, a cargo da concessionária Trasvase Olmos. Um túnel de 20 quilômetros sob a Cordilheira dos Andes está sendo construído, e quando os últimos 1,4 mil metros forem escavados, até o primeiro trimestre de 2012, 400 milhões de metros cúbicos de água por ano chegarão à região, localizada a 900 quilômetros ao norte de Lima, a capital do país. Segundo a empresa, mais de 200 mil pessoas serão beneficiadas.

A própria Odebrecht tem ligações com o Projeto Olmos há décadas. Em 1970, fechou contrato para desenvolvê-lo, o primeiro no país. Na época, diz Marsano, os investimentos foram considerados elevados demais e o planejamento não foi adiante. Pequenas etapas das obras do túnel transandino foram realizadas na década de 80, mas o orçamento era magro e novamente não houve continuidade. Até 2006. Com a irrigação, o aporte no projeto está calculado hoje em cerca de cerca de US$ 275 milhões.

Conforme o executivo, a fonte mais importante de financiamento do projeto será justamente o leilão para atrair empresas interessadas em produzir na região que será beneficiada pela transposição de águas. Dos 43,5 mil hectares que serão irrigados, 5,5 mil são de uma área conhecida como “Vale Velho”, têm proprietários e não serão leiloadas. Os demais 38 mil serão disputados por empresas nacionais ou estrangeiras que estiverem interessadas nas condições favoráveis ao plantio de culturas como cana, algodão, pimenta, pimentão, aspargos, legumes e frutas.

Até o dia 8 os interessados têm de se qualificar para participar da concorrência e apresentar seus projetos. Já são mais de 300 empresas registradas, conforme Marsano. No dia 27 de julho serão conhecidos os vencedores. Pelas regras definidas, serão leiloados 51 lotes e o valor total a ser arrecadado deverá atingir US$ 117 milhões. A diferença (US$ 143 milhões) será financiada pela Odebrecht. Os vencedores farão contratarão os serviços de água e, assim, a empresa brasileira terá o retorno de parte dos aportes que vai financiar.