31/08/2011 - 22:00h Boa noite


A Major Piano Concerto, K. 488, number 23, Zoltán Kocsis at the piano

with the Virtuosi di Praga under Jirí Behlohlávek

31/08/2011 - 19:16h Ópera dos três centavos


HELEN SJÖHOLM e BRYN TERFEL – TANGOBALLAD, da ópera dos três centavos

31/08/2011 - 18:21h Eric Keller

Eric_keller2
Eric_Keller1

Eric Keller

31/08/2011 - 17:40h Nishinomiya, Akita Perfecture

Issei Suda, Nishinomiya, Akita Perfecture, vintage gelatin silver print, 1976

Issei Suda – Nishinomiya, Akita Perfecture

31/08/2011 - 17:00h DESCRIÇÃO HONESTA DE MIM PRÓPRIO BEBENDO UM WHISKY NO AEROPORTO, DIGAMOS DE MINEÁPOLIS

CZESŁAW MIŁOSZ

Os meus ouvidos escutam cada vez menos as conversas, os meus
[olhos enfraquecem, continuando porém insaciados.

Vejo as pernas delas de mini-saia, de calças,
[ou de tecidos vaporosos,

Espreito cada uma, os seus rabos e coxas, pensativo,
[embalado por sonhos porno.

Ó lascivo velho jarreta, estás com os pés para a cova
[e não para os jogos e brincadeiras da juventude.

Mas não é verdade, faço apenas aquilo que sempre fiz,
[compondo as cenas desta terra, movido pela
[imaginação erótica.

Não desejo justamente estas criaturas, desejo tudo,
e elas são como um sinal de convívio extático.

Não tenho culpa de sermos feitos assim, metade de
[contemplação

desinteressada e metade de apetite.

Se depois de morrer for para o Céu, lá, terá de ser como aqui,
apenas hei-de livrar-me dos sentidos entorpecidos
[e dos ossos pesados.

Transformado em puro olhar, continuarei a absorver
[as proporções
do corpo humano, a cor dos lírios, a rua parisiense
[na madrugada de Junho.
Enfim, toda a inconcebível, a inconcebível pluralidade
[das coisas visíveis.

31/08/2011 - 10:55h Perú: Más de mil millones de soles para programas sociales


S/. 1.429 millones. Presupuesto 2012 prioriza Pensión 65, Cuna Más, Beca 18, Samu y Juntos. Ayer, martes, el Congreso recibió los proyectos del MEF. Los sectores Educación y Salud son los más beneficiados. Se tomó en cuenta el impacto de la crisis mundial.

Redacción. La República

Ayer el Ejecutivo envió al Congreso el proyecto del Presupuesto Público para el 2012, el cual asciende a S/. 95.535 millones, 8% más que los recursos asignados para el presente año (5% más en términos reales).

De ese monto, unos S/. 1.429 millones se destinarán a los cinco programas sociales prometidos en la campaña electoral de Gana Perú para posibilitar la inclusión social.

Prioridad del gobierno

El mayor esfuerzo estará enfocado en la extensión del programa Juntos, el cual reparte S/. 100 mensuales a las familias en extrema pobreza. La meta del gobierno de Ollanta Humala es llegar a 1.077 distritos en el 2014, pero para el 2012 solo se alcanzarán los 856 distritos con un presupuesto de S/. 822 millones, beneficiando a 743 mil hogares; es decir, 236 mil hogares más que en el 2011.

El programa Pensión 65 tendrá un monto de S/. 241 millones, que servirá para transferir S/. 250 mensuales por hogar, o S/. 175 por adulto mayor de 65 años sin pensión de jubilación. Para el 2012 se beneficiará a 167 mil adultos mayores de Cusco, Puno, Huánuco, Lima Metropolitana y Callao.

También está el programa Cuna Más, con S/. 190 millones de presupuesto, monto que alcanzará para mejorar la educación de 57 mil niños de 0 a 3 años en condiciones de pobreza. Para los jóvenes, el programa Beca 18 contará con una partida de S/. 136 millones. Ello contribuirá a que 5 mil jóvenes pobres logren estudiar en una universidad.

Para el Sistema de Atención Móvil de Urgencia (Samu), el Ejecutivo dispuso S/. 40 millones, focalizando el servicio de salud en la población rural de Huancavelica y Puno, así como en el distrito limeño de San Juan de Lurigancho.

Más de mil millones de soles para programas sociales
http://e.larepublica.pe/image/2011/agosto/31/ecc01.jpg

Sectores beneficiados

Tal como anticipó el ministro Miguel Castilla, el sector Educación es el que más recursos tiene, con un presupuesto de S/. 15.252 millones. Salud también obtiene una cifra considerable con S/. 8.658 millones.

Asimismo Transportes recibe una buena tajada, sumando S/. 10.059 millones. En tanto, el sector agropecurio recibe S/. 2.472 millones, destinados en su mayoría (60%) al aprovechamiento de los recursos hídricos. El sector Vivienda tendrá S/. 1.243 millones, con énfasis en el acceso a viviendas para los más pobres (80%).

Presupuesto por resultados

El enfoque de presupuesto por resultados representa el 44% para el 2012, profundizando así la reforma metodológica y apuntando progresivamente a extenderla al 100%.

En el Presupuesto 2012 el aporte del canon y sobrecanon minero crece 51%, alcanzando los S/. 9.112 millones. Para los gobiernos regionales, los recursos ascienden a S/. 2.142 millones. Para los gobiernos locales el monto es de S/. 6.570 millones.

El presupuesto fue trabajado considerando la incertidumbre internacional. Por ello el MEF considera un ahorro de S/. 8.493 millones para enfrentar cualquier expansión de la crisis mundial.

31/08/2011 - 10:40h El Perú obtendrá financiamiento en condiciones más favorables

http://e.elcomercio.pe/66/impresa/img/2011/08/31/ecpr310811a01.jpgSTANDARD & POOR’S MEJORÓ NOTA DE LA DEUDA SOBERANA, ERA BBB- Y AHORA ES BBB

Agencia destacó continuidad de modelo pero advirtió contra el populismo

Por: Azucena León Torres – EL COMERCIO

Miércoles 31 de Agosto del 2011

De forma sorpresiva, la agencia Standard & Poor’s elevó la calificación de riesgo de la deuda soberana del Perú en moneda extranjera, que era de BBB- y ahora es BBB. La mejora refleja la expectativa que tiene la calificadora de que el gobierno de Ollanta Humala no cambiará la política fiscal y monetaria.

“Este hecho se reafirma con la decisión de mantener en la presidencia del Banco Central de Reserva (BCR) a Julio Velarde y elegir ministro de Economía a Luis Miguel Castilla, un reputado economista graduado de la Universidad de Harvard”, señaló el analista de S&P Richard Francis en un comunicado difundido ayer por la tarde.

Esta decisión significa que las probabilidades de que el Perú incumpla con el servicio de su deuda son cada vez más escasas. La nueva calificación permitirá que más fondos de inversión pueden comprar los instrumentos peruanos.

La calificadora auguró que el Perú tendrá éxito “para atraer inversiones en los sectores de gas y minería, frente a las vulnerabilidades políticas y externas del país” y no descartó volver a subir la calificación si “el crecimiento económico se acelera y el desempeño fiscal no cede víctima de potenciales desavenencias políticas, entre otros factores” .

No obstante, advirtió que si por el contrario, el Gobierno sucumbe al populismo bajarán las calificaciones del Perú.

La mejora de la nota soberana nos coloca en una mejor situación que Brasil (cuya calificación se mantiene en BBB- ) pero por debajo de Chile, cuya nota es A.

BENEFICIOS A LA VISTA
Si bien es cierto se trata de una noticia esperada por el mercado, incluso por el ministro de Economía, Luis Miguel Castilla, quien en entrevista con El Comercio señaló que el Perú obtendría este año una mejora en la calificación crediticia, sorprendió que esta se diera a menos de un mes del cambio de gobierno.

“El Perú ameritaba una mejora en su ráting crediticio hace tiempo, pero sorprende que esta se dé en forma tan rápida. Sin duda, es una muy buena noticia, pues revela que los inversionistas han recibido en forma positiva las señales emitidas por el gobierno y que ven con buenos ojos el rumbo que seguirá la economía”, señaló Alonso Segura, gerente de estudios económicos del Banco de Crédito del Perú.

Para César Peñaranda, director ejecutivo del Instituto Economía y Desarrollo Empresarial de la Cámara de Comercio de Lima, la noticia es un reconocimiento a la buena situación por la que atraviesa el país. “El Perú tiene potentes indicadores macroeconómicos que lo colocan por encima de muchos países en la región: un buen perfil de deuda, un fondo de estabilización fiscal por US$6.000 mlls. y divisas por casi US$50.000 mlls. Esos son factores que lo convierten en un país de gran atractivo para los inversionistas”, dijo.

¿Pero, cuáles son los beneficios de esta mejora en la nota soberana? El analista jefe del BBVA Continental Hugo Perea explicó que además de permitir al gobierno y a las empresas privadas, acceder a líneas de financiamiento en mejores condiciones, la actual administración podrá destinar mayores recursos a infraestructura y al desarrollo de distintos programas sociales.

“Las mejoras crediticias permiten reducir el esfuerzo financiero [considerado en el presupuesto] por el servicio de deuda. Eso significa que esa diferencia podrá destinarse a otras iniciativas que redunden en un beneficio para la población”, acotó.

PRECISIONES

La Cepal rebajó su proyección de crecimiento regional para el 2011 y aconsejó prudencia a los países.

El organismo bajó de 4,7% a 4,4 % su previsión de crecimiento por los posibles efectos de las turbulencias que agitan los mercados.

31/08/2011 - 10:29h América Latina está sob crescente ameaça das drogas

Por John Paul Rathbone e Adam Thomson | Financial Times – VALOR

Em meio à alta vertiginosa dos preços das commodities na década passada, são notáveis duas exceções: a heroína e a cocaína.

Os dois produtos têm desafiado a inflação de maneiras que somente os microprocessadores para computadores conseguem igualar: os narcóticos estão mais baratas, em termos reais, do que há 20 anos. Esse é apenas um exemplo de um fracasso mundial nas tentativas de limitar a oferta de drogas ilegais. Embora a luta tenha custado bilhões de dólares e milhares de vidas, o comércio – e seus efeitos sobre aqueles que usam os produtos -, pouco diminuiu. A produção cresceu e o consumo mundial acompanhou a produção. De estimados 272 milhões usuários de drogas ilegais em todo o mundo, cerca de 250 mil consumidores perdem a vida a cada ano.

Os EUA continuam sendo o maior mercado mundial de drogas e a Europa está avançando rapidamente. É cada vez mais aceito que a política de proibição conhecida como “guerra às drogas” desfechada 40 anos atrás pelo presidente americano Richard Nixon “fracassou” – como afirma inequivocamente recente relatório da Comissão Mundial para Políticas Antidrogas -endossado por três ex-presidentes latino-americanos, um ex-secretário-geral da ONU e um ex-presidente do Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA).

ONU estima que o lucro anual dos traficantes com a venda de cocaína no mundo chega a US$ 85 bilhões

Isso está criando ansiedade em Washington e outras capitais ocidentais. Mas, na América Latina, maior centro de produção e comercialização, as consequências desse fracasso continuam a crescer. Na América Central, os níveis de violência são piores, segundo algumas estimativas, do que no Afeganistão ou no Iraque.

A paz social e política está sob ameaça. “Um tsunami de tráfico de drogas abateu-se sobre a região”, diz Kevin Casas-Zamora, ex-vice-presidente da Costa Rica. Para o general Douglas Fraser, chefe do Comando Sul dos EUA, o crime organizado alimentado pelo tráfico de drogas é a mais grave ameaça na América Central.

Pouca gente sugere que a região esteja prestes a se tornar uma coleção de narco-Estados com governos usurpados pelos cartéis, mas esse é um risco para a Guatemala, Honduras e El Salvador, o mais gravemente afligido entre os países da América Central. A maioria das economias de um continente antes associado a dívidas externas e hiperinflação registra substancial crescimento econômico. Enquanto países desenvolvidos estão atolados em alto endividamento e baixo crescimento, a América Latina tornou-se um motor da economia mundial. Mas a maioria das democracias latino-americanas é jovem. O México, segunda maior economia na América Latina, fez sua transição democrática apenas dez anos atrás, o Brasil, a maior, há apenas 25 anos. Isso torna esses países particularmente vulneráveis à corrupção e à violência.

Pelo menos ficaram no passado os dias em que os países eram “certificados” pelos EUA com base em sua capacidade de reduzir a produção de drogas. A maconha é agora o maior plantio comercial na Califórnia, com vendas estimadas de US$ 14 bilhões por ano.

Mesmo assim, o Ocidente continua a impor considerável pressão sobre a região. Os latino-americanos têm suas próprias muito fortes razões para fortalecer o Estado de direito. Os benefícios econômicos e políticos “seriam enormes”, diz Agustín Carstens, presidente do Banco Central do México. O Banco Mundial estima que o custo do crime e da violência na América Central equivale a 8% de seu Produto Interno Bruto (PIB).

Mas muita gente na região cansou da abordagem tradicional, centrada em criminalização e repressão, mas que produziu escassos resultados. Com efeito, o consumo local de drogas está aumentando; o uso de cocaína na América Latina agora está quase igual ao nível europeu, embora ainda seja metade do americano.

Em primeiro lugar, a intensidade da violência que sempre eclipsa o comércio e as tentativas para controlá-la são grotescas: decapitação, desmembramento e chacina aleatória de inocentes. El Salvador, o país mais sangrento na região, registrou 71 homicídios por 100 mil habitantes em 2010, segundo estatísticas nacionais; no Brasil foram 25. Nos EUA, a taxa de homicídios foi inferior a seis; na Europa, não chegou a dois.

Em segundo lugar, combater traficantes pressiona países carentes de recursos que o mundo desenvolvido assume como universais. O continente continua a ser uma das regiões mais desiguais do mundo. Mesmo no México, membro da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o governo define sua taxa de pobreza em 46%.

Terceiro, essa luta cria, nas instituições repressivas, tensões que não conseguem suportar. O serviço policial mexicano foi efetivamente “balcanizado” pela Constituição, de modo que existem forças distintas para os 32 Estados do país e para cada um dos seus 2,3 mil municípios. Em algumas forças policiais na América Central, os agentes da lei têm de comprar munição com seu próprio dinheiro.

Muitas instituições em nações mais ricas sofreriam dificuldades se confrontadas com uma operação transnacional sofisticada que, de acordo com estimativas da ONU, gera US$ 85 bilhões anuais em lucros apenas com a cocaína – o equivalente a seis vezes o lucro da Coca-Cola no ano passado.

“O combate à corrupção e à droga é semelhante ao uso de uma borracha de má qualidade”, diz Malcolm Deas, da Universidade de Oxford, um historiador especializado em temas colombianos que tem assessorado presidentes desse país. “A borracha sempre fica suja e uns pedacinhos dela esfarelam.”

Em todo o mundo, está emergindo o reconhecimento de que as políticas proibicionistas do século passado não funcionaram e que, enquanto as drogas permanecerem ilegais e, portanto, fornecidas por empreendedores criminosos, é improvável que tais políticas sejam eficazes.

Até mesmo a presença de 100 mil dos soldados mais bem treinados pouco serviu para ajudar a estancar o fluxo de opiáceos provenientes do Afeganistão, que responde por cerca de dois terços da produção mundial de heroína. Mau tempo e pragas nas culturas contribuíram mais para reduzir a oferta, no ano passado, do que quaisquer esforços das tropas da Otan ou da polícia afegã.

Quanto à América Latina, a única história de sucesso até agora é a da Colômbia, e apenas quando aferida por uma queda do número de homicídios, mas não pelo volume exportado de drogas ilegais. Além disso, o sucesso de Bogotá deu-se graças a condições irreproduzíveis em outros lugares.

Primeiro, houve um grande afluxo de fundos dos EUA. Os US$ 6 bilhões gastos com o atual programa de ajuda ao Plano Colômbia, de combate ao narcotráfico e à insurgência, totalizam cerca de 6% do PIB da Colômbia em 2000 (ano em que o esquema começou). Por outro lado, a iniciativa americana equivalente no México soma US$ 1,4 bilhão, menos de 0,2% do PIB mexicano em 2010.

Em segundo lugar, nos 20 anos passados, Bogotá empreendeu um esforço sustentado e quase sobre-humano à custa das vidas de um número elevado de policiais e juízes. Bogotá beneficiou-se do fato de sua polícia ser unificada, quando começou a enfrentar seriamente o problema do crime organizado, algo inexistente em muitos outros países. “Se as forças policiais estão fracionadas, o narcotraficantes simplesmente as atacam seletivamente”, enfatiza o general Oscar Naranjo, comandante da polícia colombiana.

Em terceiro lugar, os EUA e a Europa disponibilizaram treinamento e apoio de inteligência no terreno, na Colômbia, o que seria impraticável na maioria da América Latina. Quando Álvaro Uribe, então presidente da Colômbia, aceitou, em 2009, autorizar os militares americanos a usar bases aéreas no país para ajudar as forças locais a caçar traficantes, isso provocou, em toda a região, protestos contra o “imperialismo ianque”. A Constituição do México proíbe que tropas estrangeiras operem no país, embora um pequeno número de militares aposentados do Exército dos EUA tenham sido recentemente mobilizados para lá para contornar tais obstáculos legais, segundo o “The New York Times”.

Finalmente, mesmo quando a repressão tem êxito, isso simplesmente exporta o caos para outros países. “Quanto mais sucesso temos com a interdição, mais o crime organizado vai para outros lugares”, diz Laura Chinchilla, presidente da Costa Rica.

Cada vez mais pessoas, e não apenas libertários e hippies, defendem uma reconsideração radical da política antidrogas. Os EUA, por exemplo, foram capazes de ignorar os piores efeitos do seu problema por muitos anos. Na prática, a atitude era de que, enquanto não houvesse bombas explodindo ou balas voando em Washington, Nova York ou Los Angeles, a violência não importava. Mas, num mundo mais globalizado, Washington está cada vez mais na defensiva – e defronta-se com a possibilidade de a violência atravessar a fronteira.

Não há clareza sobre que medidas deveriam ser tomadas. É pouco provável que mais dinheiro seja investido contra o problema, tendo em vista a condição das finanças americanas. Campanhas de prevenção contra o uso de drogas também não deram resultados satisfatórios. Elas “têm boa relação custo-benefício, porém não são muito eficazes”, destaca Mark Kleiman, um professor da UCLA, e autor do recentemente publicado “Drugs and Drug Policy: What Everyone Needs to Know”. O debate sobre a legalização está atolado em temores legítimos sobre o risco de crescimento das taxas de dependência.

Uma alternativa promissora, e barata, seria estrangular o fluxo de armas dos EUA para o sul. O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, lamentou recentemente o fato de que revólveres desmontados podem ser despachados pela Fedex para seu país. No México, 70% das armas apreendidas vêm dos EUA. No entanto, esse debate nunca decola devido à posição de muitos americanos que invocam o direito constitucional de portar armas. Como disse Calderón, em visita a Washington em março: “Eu respeito a Segunda Emenda, mas pedimos: ‘não vendam armas a criminosos mexicanos’”.

Algumas autoridades na região acreditam que, enquanto elas tomam medidas contra o problema, o Ocidente parece menos disposto a fazer sacrifícios. O México, por exemplo, iniciou reformas, em sua polícia, que exigirão mudanças constitucionais, ao passo que nos EUA a proibição às vendas de fuzis semiautomáticos, que expirou em 2004, ainda não voltou a vigorar. Muitos acreditam que o Ocidente também fracassou no combate à lavagem de dinheiro. Como observou Carlos Slim, magnata mexicano das telecomunicações: “É injusto que os países produtores de drogas fiquem com todos os problemas e que os países consumidores fiquem com os lucros”.

Não há solução mágica capaz de resolver o problema das drogas. Porém muitos na região acreditam que, quanto mais tempo os países ocidentais se abstiverem de assumir um papel significativo na redução da violência associada às tentativas de frear o desejo de seus cidadãos de consumir drogas ilícitas, mais se tornará evidente que eles têm sangue em suas mãos. Forças de segurança e traficantes envolveram-se numa espécie de “corrida armamentista”, diz o relatório GCDP. “É preciso romper o tabu sobre o debate e reformas. A hora de agir é agora.”

31/08/2011 - 09:59h Novas hidrelétricas aquecem mercado de máquina pesada

Por Eduardo Laguna | VALOR

De São Paulo

Há cerca de dois meses, o cais de Vitória do Xingu, no Pará, recebe quase que semanalmente uma quantidade expressiva de maquinário pesado usado em construção. São máquinas e equipamentos que saem do porto de Belém e fazem uma viagem de aproximadamente 80 horas pelo rio Xingu até chegar ao local, de onde partem para as obras do maior projeto hidrelétrico em curso no país: a usina de Belo Monte.

O primeiro lote aportou ali no dia 5 de julho com dez tratores, sete motoniveladoras, sete rolos compactadores, cinco pás carregadeiras, cinco escavadeiras e três retroescavadeiras – equipamentos da chamada linha amarela da indústria de bens de capital.

Até o momento, aproximadamente 700 máquinas pesadas foram contratadas para Belo Monte, incluindo uma encomenda de 540 caminhões fechada com a Mercedes-Benz. Já as máquinas da linha amarela são da Caterpillar, compradas por meio da Sotreq, revendedora da fabricante americana. Segundo o consórcio responsável pelas obras da usina – liderado pela Andrade Gutierrez -, metade do maquinário tem entrega prevista até dezembro.

Empresas avaliam que as necessidades das hidrelétricas em obras vão além do volume que já foi contratado

Belo Monte é o empreendimento mais importante, mas não é o único que está ajudando a engordar as carteiras de pedidos na indústria de bens de capital. Para a construção da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira, foram contratados 44 tratores, 65 escavadeiras, 15 gruas e 229 caminhões.

Na usina de Teles Pires, cuja licença ambiental de instalação foi concedida pelo Ibama este mês, a Odebrecht, responsável pelas obras, já comprou 80 caminhões, onze tratores, 14 escavadeiras e 19 máquinas de perfuração de solo, além de 18 caminhões tipo fora-de-estrada da Randon.

Essa última encomenda se soma a outros 30 caminhões entregues pela Randon nas obras da usina de Santo Antônio. “Nossa relação com hidrelétricas vem desde a construção das barragens de Itaipu, quando nossas máquinas também foram utilizadas”, conta Norberto Fabris, diretor de implementos e veículos da empresa, sediada em Caxias do Sul (RS).

Executivos do setor de máquinas e equipamentos avaliam que as necessidades das hidrelétricas em obras vão além do que já foi contratado, algo que abre a possibilidade para novos negócios nos próximos meses. Yoshio Kawakami, presidente da Volvo Construction Equipment (VCE) na América Latina, cita planos de colocar os caminhões articulados da marca em Teles Pires. Diz também que Belo Monte ainda vai ter “necessidade significativa” desse tipo de veículo, capaz de operar em áreas de difícil acesso. “É uma oportunidade que vemos, mas ainda não fechamos nada.”

O braço de máquinas para construção do grupo sueco Volvo – que espera alcançar neste ano uma receita superior a US$ 700 milhões na América Latina – já negociou de 30 a 40 caminhões para as obras das usinas de Santo Antônio e Jirau, também no rio Madeira.

Na Randon Veículos, Fabris diz que negocia mais vendas relacionadas a obras de hidrelétricas, mas de porte inferior aos últimos contratos anunciados. “Existe a possibilidade de algo mais”, afirma o executivo, que prevê vender 110 caminhões neste ano.

De acordo com o consórcio construtor de Belo Monte, novos lotes de caminhões poderão ser encomendados no futuro, mas no momento não há previsão de outros pedidos. Dos 540 caminhões negociados com a Mercedes-Benz, 398 são do tipo fora-de-estrada, que podem enfrentar condições extremas de operação.

Estimativas da Sobratema, entidade que coleta informações sobre esse mercado, apontam consumo de 77,82 mil equipamentos de construção este ano. Disso, 27,35 mil unidades da linha amarela. Segundo índices conjunturais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção de bens de capital para construção evoluiu 19% no primeiro semestre.

A expectativa de investimentos robustos em infraestrutura já levou alguns fabricantes estrangeiros – como as asiáticas Hyundai, Doosan, Sany e XCMG – a anunciar planos de montar fábricas no país. (Colaborou Marcos de Moura e Souza, de Belo Horizonte)

31/08/2011 - 09:55h Otimista, China acelera compra de commodity

Por Jack Farchy e Javier Blas | Financial Times de Santiago e Londres – VALOR

Empresas e investidores chineses estão aumentando suas compras de commodities industriais como o cobre, em uma demonstração da confiança na economia global que contrasta com a turbulências nos mercados do Ocidente.

A onda de compras está dando suporte aos preços de metais e minérios, após a queda nas cotações das commodities no último mês – em meio a preocupações com uma recessão. Importantes executivos de tradings, companhias mineradoras e bancos afirmam que os consumidores chineses aproveitaram a recente baixa nos preços para refazer seus estoques.

“A China está muito menos pessimista em comparação às pessoas no Ocidente”, disse Raymond Key, chefe de negócios com metais do Deutsche Bank. “Eles estão fazendo estoque na baixa, especialmente de cobre.”

Segundo um executivo de uma trading chinesa, “não há dúvida de que alguns traders estão comprando [cobre] recentemente”.

O aumento da procura pelo metal beneficia as maiores nações exportadoras, incluindo o Chile e o Peru, e mineradoras com Freeport-McMoRan Copper & Gold, BHP Billiton e Xstrata. Tradings como a Glencore e Trafigura também saem ganhando.

Os preços do cobre atingiram o menor nível em oito meses no início de agosto, caindo a US$ 8.846 por tonelada. Mas recuperaram mais de 9% desde então, e chegaram ontem a US$ 9.225.

A China responde por 38% da demanda mundial pelo produto e tem o poder de levantar o mercado mesmo em momentos de retração dos compradores ocidentais. Apesar disso, traders vêm alertando que os consumidores chineses podem se retirar a qualquer momento do mercado se acharem que os preços cairão ainda mais.

As compras da China revertem a tendência registrada no primeiro semestre deste ano, quando consumidores reduziram suas aquisições de metais. No período, o governo apertou o crédito, o que dificultou as compras e derrubou as importações em 37% nos primeiros sete meses do ano, em comparação a 2010.

A Glencore, maior negociador de commodities do mundo, apontou que os que os estoques no país asiático caíram pelo menos à metade desde o começo do ano.

A demanda chinesa nas últimas semanas tem sido impulsionada por uma alta do iene. Mas traders afirmam que grandes compradores locais têm tido mais acesso a crédito, o que ainda não ocorre com os pequenos.

31/08/2011 - 09:28h O plano Dilma

Por Cristiano Romero – VALOR

O aumento do superávit primário em 2011 foi apenas o primeiro lance da estratégia do governo para o fortalecimento das contas públicas nos próximos anos. A presidente Dilma Rousseff vai se empenhar, agora, na criação de mecanismos para controlar a evolução dos gastos com o custeio da máquina pública.

Paralelamente, adotará medidas para preparar o mercado e o próprio governo para a aguardada queda da taxa de juros nos próximos meses e anos.

As prioridades do governo agora passam pelo Congresso. São elas: aprovar a criação do fundo de pensão dos funcionários públicos; criar um limite para a evolução das despesas de custeio; passar o projeto de lei que limita a expansão anual do gasto com salários do funcionalismo.

Agenda inclui mudanças na dívida e na poupança

Se aprovadas, as medidas terão impacto fiscal relativamente modesto no curto prazo, mas ajudarão a conter a expansão da despesa corrente ao longo do tempo. Além disso, darão previsibilidade ao desempenho das contas públicas.

Em outra frente, o governo vai trabalhar em duas medidas delicadas, mas fundamentais para a convivência do país com um regime de juros baixos. Uma delas é a mudança do mecanismo de remuneração da caderneta de poupança, que, hoje, é TR mais 6% ao ano. Do jeito que está, a regra cria um piso para a redução dos juros no Brasil. A ideia é atrelar a sua correção a um percentual da taxa básica de juros (Selic).

Um outro tema sobre o qual o Ministério da Fazenda vem trabalhando é a desindexação da dívida pública. O plano é diminuir o uso de Letras Financeiras do Tesouro (LFT) como indexador da dívida. Emitidas pelo Tesouro, as LFTs são títulos de renda fixa, cujo rendimento é pós-fixado e dado pela variação da taxa Selic.

Toda vez que o Banco Central (BC) aumenta a Selic, a despesa do Tesouro com juros cresce imediatamente. Em 2002, quando o país enfrentou severa crise de confiança, as LFTs representavam 60,8% do estoque da dívida pública. Nos anos seguintes, com a estabilização, a participação caiu, sucessivamente, até chegar a 32,6% do total em julho deste ano. A ideia é reduzi-la ainda mais.

O plano, segundo fonte graduada, é chegar a 2014 com apenas 5% ou 6% de estoque de LFT. Trata-se de uma meta excessivamente ambiciosa. Uma das razões é que o estoque de operações compromissadas é de R$ 424 bilhões e está todo atrelado à Selic. O BC faz essas operações – venda de LFTs com compromisso de recompra – para enxugar liquidez no mercado. Grande parte do montante atual de compromissadas decorre da compra de reservas cambiais, seguro que o Brasil usa para enfrentar crises.

Eliminar simplesmente as LFTs seria abrir mão, em tese, do mecanismo que hoje dá conforto ao país em períodos de turbulência. Ainda assim, é possível, desde que a situação fiscal seja reforçada, reduzir o estoque de LFTs, se não para o nível mencionado, pelo menos a um patamar bem inferior ao atual.

“Vamos adotar estímulos à desindexação de curto prazo em títulos públicos e privados”, contou um técnico. “Toda vez que o BC aumenta os juros, a potência da política monetária é menor que a de outros países, por causa da indexação dessa estrutura de papéis à Selic.”

A travessia do Plano Dilma não é simples. Se fizer o que pretende, desagradará categorias fortes dos funcionários públicos, que já planejam greves em Brasília antes de conhecer as medidas. Depois, à própria base parlamentar de apoio ao governo, uma vez que é quase impossível conciliar austeridade fiscal com interesses fisiológicos e clientelísticos, típicos da coalizão que hoje apoia a presidente. Há ainda a caderneta de poupança, cuja mudança tende a ser explorada de forma populista pela oposição.

A presidente julga não agir no vácuo. Ela quer aproveitar o ganho de popularidade que vem obtendo junto à sociedade, graças à postura adotada em relação a malfeitorias cometidas por aliados no governo, para adotar neste momento as ações mais duras de seu mandato. Há, também, a justificativa da crise financeira mundial que se avizinha. Nas conversas que vem tendo, ela menciona o fato de que os países europeus que abriram a guarda na área fiscal estão agora sofrendo os piores efeitos da turbulência.

A presidente calcula que, como o país entrará agora em período pré-eleitoral, ela terá 18 meses para tocar uma agenda fiscal mais apertada. Seu objetivo é criar condições para o Comitê de Política Monetária (Copom) reduzir a taxa de juros. Estima-se que, se o governo der a musculatura fiscal necessária, o Copom poderá reduzir a taxa Selic real para 3% até 2014 — hoje, está em torno de 6,18%. Com isso, o Tesouro Nacional diminuiria a despesa anual com juros em cerca de R$ 90 bilhões.

Ironicamente, em 2005, quando os então ministros Antônio Palocci (Fazenda) e Paulo Bernardo (Planejamento) propuseram ao presidente Lula um plano para zerar o déficit público em alguns anos, Dilma, então ministra da Casa Civil, torpedeou a proposta, classificando-a de “rudimentar”.

“A presidente Dilma incorporou a ideia de que um fiscal forte é a base do sucesso”, assegura um interlocutor frequente. “[Se ela fizer o que está prometendo], nos próximos 10, 15 anos, o Estado abrirá espaço para o desenvolvimento do país.”

Cristiano Romero é editor-executivo e escreve às quartas-feiras

E-mail cristiano.romero@valor.com.br

31/08/2011 - 09:06h “É uma recessão longa e severa”


Economista e professor universitário avalia que, na melhor hipótese, EUA voltarão a crescer normalmente só em 2013


Marcos Issa-24/8/2011
Testemunha. 'Greenspan (ex-presidente do Fed) falhou na supervisão do sistema', diz Handorf - Marcos Issa-24/8/2011
Testemunha. ‘Greenspan (ex-presidente do Fed) falhou na supervisão do sistema’, diz Handorf


31 de agosto de 2011

Leandro Modé – O Estado de S.Paulo

ENTREVISTA William Handorf, ex-diretor do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA)

Professor da Universidade George Washington, o economista americano William Handorf foi testemunha privilegiada do processo que, em 2008, culminou no estouro da bolha imobiliária americana. Era diretor do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) entre 2001 e 2006. Na função que exercia, não votava nas decisões de política monetária (taxa de juros). Mas participava do dia a dia da instituição.

Especialista justamente em finanças do setor imobiliário, Handorf conta que, pouco antes de deixar o Fed, provocou os colegas. Para ele, estava claro que a instituição falhava na supervisão do sistema financeiro. Durante uma exposição, afirmou: “Acredito que estamos entrando em uma nova fase que mostrará falhas na supervisão. Digam-me se – e por que – estou errado.” Segundo ele, a reação foi de incredulidade.

Handorf avalia que a economia americana só vai recuperar a vitalidade, na melhor das hipóteses, em 2013. Até lá, afirmou, a taxa de desemprego continuará elevada (hoje está na casa dos 10%). “É uma recessão longa e severa.” Ele conversou com o Estado após dar palestra num evento da Fecomércio em São Paulo. A seguir, os principais trechos da entrevista.

O sr. acredita que o Federal Reserve adotará mais uma rodada do chamado afrouxamento quantitativo (QE3)? Se adotar, terá efeito positivo na economia?

Se vão adotar ou não, é uma questão que cabe ao Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed. Se eles deveriam fazer ou não, minha resposta é a seguinte: a probabilidade de que funcione é muito pequena. As taxas de juros nos EUA já estão muito baixas.

O Fed acertou ao informar publicamente, em sua última reunião de política monetária, que a taxa de juros vai ficar baixa ao menos até 2013?

Se eu fosse um integrante do Fed com direito a voto, teria sido mais um a discordar (dos dez diretores do Fed que votaram, três foram contrários). Não há dúvida de que o Fed tem de manter os juros baixos, pois o mandato do BC americano não é apenas para manter a inflação baixa. Deve também dar atenção ao crescimento. É algo que faz o Fed ser diferente de muitos bancos centrais. Mas, apesar disso, não se pode brincar com a inflação. É uma experiência, aliás, que vocês brasileiros conhecem bem. Leva um tempo muito longo para a inflação e as expectativas baixarem.

Cresceu a probabilidade de uma nova recessão nos EUA?

Sim. No ano passado, a probabilidade de uma recessão era de 5%. Diria que, nos últimos seis meses, essa chance cresceu para 20%. O cenário eleitoral contribuiu para essa elevação.

Como assim?

Já de olho na eleição, o Congresso e o Executivo demoraram para encontrar um acordo sobre o aumento do teto da dívida. O gatilho para esse assunto – o rebaixamento da nota de classificação de risco pela agência Standard & Poor”s – foi apenas simbólico. Mas indica, de qualquer maneira, que temos problemas no país. Goste-se ou não dessas agências, é uma opinião respeitada no mercado.

O sr. disse, em sua apresentação, que a questão do emprego é a chave para a economia americana hoje. Por quê?

Cerca de 8 milhões de americanos perderam seus empregos durante a recessão. Alguns empregos têm sido criados tanto no setor público quanto no privado, mas em quantidade insuficiente. O problema é que os EUA precisam criar entre 1 milhão e 2 milhões de empregos por ano apenas para dar conta da imigração e dos jovens que entram no mercado. Ou seja, enquanto todos esses empregos não forem criados, com salários minimamente razoáveis, será difícil imaginar uma recuperação.

Quando o sr. imagina que o cenário para o emprego nos EUA apresentará melhora?

Provavelmente não antes de 2013, talvez só em 2014. É uma recessão longa e muito severa. Não é uma recessão que se resolverá facilmente, pois há algo que continua machucando a economia: o setor imobiliário, que demanda enorme contingente de mão de obra.

O sr. foi diretor do Fed.

Fui diretor. Não votava nas decisões do Fomc.

Trabalhou na época em que Alan Greenspan era o presidente.

Sim, em parte. Fui diretor entre 2001 e 2006 (Greenspan deixou o cargo justamente em fevereiro daquele ano).

Como avalia o trabalho dele? Naquela época, ele era uma espécie de deus do mercado.

Greenspan não era uma espécie de deus. Era um deus. Concordo com a maneira como Greenspan comandou a política monetária, mas ele falhou na supervisão do sistema. Ele não reconheceu o alto risco dos empréstimos hipotecários. Se fosse eleger as cinco causas principais da crise, colocaria em primeiro lugar o papel do Fed. Certa vez, minha mulher me viu chegar em casa chateado após uma reunião em que havia falado sobre o alto risco daqueles empréstimos e as consequências para o mercado. A percepção era de que tudo estava bem. No fim de meu período no Fed, fiz uma colocação, não era um discurso formal, em que disse: “O Fed tem uma longa história de falhas em política monetária e na política de supervisão. Acredito que estamos entrando em uma nova fase que mostrará falhas na supervisão. Digam-me se – e por que – estou errado.”

E qual foi a reação?

Foi de incredulidade. Como um diretor do Fed poderia dizer aquilo? O homem a quem fiz a pergunta ficou indignado.

Quando os EUA voltarão a crescer de acordo com o potencial?

Os EUA precisam crescer de 3% a 4% ao ano para criar os empregos necessários. Ficaria surpreso se isso acontecesse antes de um ano e meio ou dois.

E o Brasil nesse cenário?

Não gostaria de falar sobre o Brasil. Meu foco de análise são os Estados Unidos. O que se pode dizer, genericamente, é que o Brasil tem uma classe média emergente muito grande, que vai gerar demanda doméstica.

30/08/2011 - 22:00h Boa noite


Sir Colin Davis – Orchestra of The Royal Opera House Covent Garden

Sarastro • Alfred Reiter
The Queen of the Night • Anna Kristiina Kaappola
Papageno • Klaus Häger
Papagena • Nadine Lehner

Staatsopernchor Staatskapelle Berlin
Conductor • Julien Salemkour
Directors • Bernward Konermann and Walter Rösler

K620 • Die Zauberflöte (The Magic Flute, La Flûte enchantée), by Wolfgang Amadeus Mozart

30/08/2011 - 19:22h An die Musik


Elisabeth Schwarzkopf – “An die Musik” de Schubert

30/08/2011 - 18:27h Desenhos


Zdzisław Beksiński – fonte blog Elisandre

30/08/2011 - 17:57h Marcel Mariën

“Les conséquences de ce qu’on ne fait pas sont les plus graves.”

Marcel Mariën

(Às consequências do que não fazemos são as mais graves)

“Branca

e muda

vestida de pensamentos

que você

me atribui”

Marcel Mariën - Sculpture Friends, 1974

30/08/2011 - 17:00h O homem deu nome a todos os animais

Daniel Hevier

O homem deu nome a todos os animais,
canta Bob Dylan
e eu tento nomear
tudo quanto tenho em mim:
todos esses
tigres,
lobos,
chacais,
serpentes,
gaviões,
pôneis,
babuínos,
crocodilos,
lagartos,
manadas de cavalos,
pombos.

… …

toda essa menagerie
conhecida como
a alma masculina.

30/08/2011 - 08:58h Superávit adicional virá do excesso de arrecadação

Ruy Baron/Valor/Ruy Baron/ValorGuido Mantega: governo encaminhará nos próximos dias ao Congresso projeto alterando a Lei de Diretrizes Orçamentárias

Por Ribamar Oliveira | VALOR

De Brasília

A presidente Dilma Rousseff informou ontem os líderes da base política do governo no Congresso, durante reunião no Palácio do Planalto, que não gastará toda a receita extra que o Tesouro obteve de janeiro a julho deste ano. Dilma decidiu, com a maior parte desses recursos, elevar o superávit primário deste ano em R$ 10 bilhões. Segundo avaliação da área técnica, no entanto, a presidente deixou uma “gordura” que permitirá uma flexibilização de algumas despesas, principalmente daquelas consideradas obrigatórias, até o fim do ano.

Somente em junho e julho deste ano, a “arrecadação extra” obtida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil somou R$ 14,8 bilhões. Esse “extra” decorreu de antecipações de pagamentos feitos por empresas por conta do chamado Refis da Crise e do pagamento, feito pela Vale, no montante de R$ 5,8 bilhões, referentes a débitos da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Esses recursos foram considerados como arrecadação “extra” deste ano porque não estavam previstos nas estimativas da Receita Federal.

O governo alegou que houve, em junho, uma redução de R$ 3,9 bilhões das chamadas receitas não administradas, principalmente de dividendos de empresas estatais. Essa redução foi entendida, por boa parte dos analistas, como uma forma de “esconder” receita para não ser obrigado a elevar os gastos ou de adiar para o próximo ano uma parte da arrecadação de dividendos.

O “excesso líquido” de receita em junho teria sido, segundo o governo, de R$ 3,9 bilhões. Em julho, a “receita extra” administrada pela Receita Federal foi ainda maior, de R$ 8 bilhões. Ainda não se sabe qual foi a queda da receita não administrada, se é que ela existiu. De qualquer maneira, os técnicos acreditam que houve, nesses dois meses, uma “receita extra líquida” superior aos R$ 10 bilhões que serão utilizados na elevação do superávit primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência).

Uma parte desse “excesso” já foi utilizada na elevação de despesas, conforme o relatório de avaliação de receitas e despesas relativo ao terceiro bimestre, encaminhado pelo governo ao Congresso Nacional. No relatório, o governo informa que utilizou R$ 1,5 bilhão para cobrir a complementação da União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e R$ 1,75 bilhão para pagar despesas de defesa civil e prevenção a desastre e para restos a pagar de créditos extraordinários de exercícios anteriores.

Quando anunciou, em fevereiro, o contingenciamento de R$ 50 bilhões nas despesas orçamentárias deste ano, o governo alegou que a medida era necessária porque a arrecadação prevista não garantiria a meta de superávit primário de R$ 81,76 bilhões do governo central. Como a receita “bombou” nos primeiros sete meses, o argumento não se sustenta mais.

No fim de setembro, o governo terá que encaminhar ao Congresso Nacional o relatório de avaliação de receitas e despesas relativo ao quarto bimestre. Nesse relatório, o governo teria de admitir a existência desse “excesso” de arrecadação e, como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), reduzir o contingenciamento dos gastos. Para evitar que isso ocorra, Dilma decidiu elevar a meta de superávit primário. Dessa forma, a presidente impedirá o aumento das despesas.

Para mudar a meta fiscal, Dilma encaminhará ao Congresso nos próximos dias um projeto alterando a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), segundo informou ontem o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Na reunião do conselho político do governo, a presidente pediu apoio dos líderes da base governista para a mudança na LDO.

O esforço fiscal adicional, anunciado ontem por Dilma, não significa, portanto, novos cortes de despesas ou a criação de tributos. Ele será feito unicamente com a decisão da presidente de não gastar toda a receita excedente que já está no caixa do Tesouro Nacional. As fontes consultadas não descartam também a possibilidade de que ocorra novo “excesso” de arrecadação até o fim do ano, o que aumentaria a “gordura” que o governo deixou para bancar eventuais despesas consideradas essenciais.

Em 2008, a arrecadação também apresentou um resultado bem acima do previsto, principalmente em virtude do forte crescimento da economia brasileira, antes da crise internacional. Na época, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva utilizou o “excesso” de receita para criar o Fundo Soberano do Brasil (FSB), medida que indicava despesas no futuro. A presidente Dilma preferiu utilizar parte da receita “extra” para aumentar, simplesmente, a poupança do governo para pagar os juros das dívidas públicas.


Cenário passa a ser benigno para queda de juros, diz Mantega

Por João Villaverde | VALOR

De Brasília

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, aproveitou o anúncio da expansão do superávit primário de 2011, ontem, para passar três mensagens. Ao Banco Central (BC), Mantega afirmou que a melhora do quadro fiscal brasileiro decorrente da ampliação do primário “vem para abrir espaço para a redução da taxa de juros, o que, por sua vez, reduziria os gastos do governo com juros”. Aos parlamentares, o ministro da Fazenda afirmou que o aperto promovido pelo governo “caminha no sentido de impedir que haja elevação de gastos correntes que eventualmente poderiam ser aprovados no Congresso”. Finalmente, aos sindicalistas, Mantega afirmou que a medida não representa corte de gastos. “Trata-se de um ajuste para garantir a geração de empregos, não estamos cortando investimentos ou programas sociais”, disse.

O governo está se preparando para uma recessão mundial que durará de dois a três anos, afirmou Mantega. “Os países ricos, infelizmente, vão crescer pouco. É para neutralizar os problemas que eles vão nos remeter que estamos adotando essas medidas cautelares”, afirmou o ministro, para quem o BC tem, a partir de hoje, um cenário mais benigno para cobrar juros inferiores à atual taxa de 12,5% ao ano.

Segundo Mantega, a meta “atualizada” do superávit primário deste ano, de R$ 127,9 bilhões, deve ajudar o BC a reduzir as taxas de juros, “ainda muito altas” no Brasil. “Mas o BC vai reduzir os juros no médio prazo, quando ele achar que for oportuno, tendo a inflação controlada”, disse. Cauteloso, não quis dimensionar o que considera médio prazo – ” o que considero médio prazo é o que o BC considera médio prazo” – disse o ministro, numa demonstração de sintonia com o BC.

A ampliação em R$ 10 bilhões da meta de superávit primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) foi definida entre o ministro da Fazenda e a presidente Dilma Rousseff na noite do domingo, em conversa por telefone. Ficou acertado que a medida, que circulara na Fazenda na semana passada, seria apresentada aos dirigentes das seis maiores centrais sindicais e aos parlamentares da base aliada, em duas reuniões no Palácio do Planalto. Sindicalistas e parlamentares reuniram-se ontem pela manhã com Dilma, Mantega, e os ministros da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, Relações Institucionais, Ideli Salvatti, e Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

De acordo com um dirigente sindical, Dilma abriu a reunião com a previsão de que a crise internacional se estenderá por mais dois anos. Assim, a resposta do governo deve se concentrar, agora, na política monetária, e não na expansão fiscal. “Trata-se de uma crise totalmente diferente daquela que vivemos e enfrentamos em 2008, por isso temos de atuar de maneira distinta, alterando os paradigmas de nossa política econômica”, afirmou.

Os sindicalistas receberam as medidas com ceticismo. “O governo está tentando encontrar uma alternativa ao grande câncer da economia, que é a elevada taxa de juros”, afirmou Antônio Neto, presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB). Outro dirigente sindical criticou a opção pelo aperto fiscal. “Se para enfrentar a crise de 2008 e 2009 o governo expandiu os gastos e fez desonerações, o que produziu o forte crescimento de 2010, porque agora o expediente mudou?”, disse.

Na reunião com Dilma, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique, afirmou que o governo “pode manter uma política fiscal ativa [não rigorosa] e ao mesmo tempo reduzir os juros”.

Hoje, as centrais realizarão atos em frente a sede do Banco Central em Brasília pela redução dos juros. A CUT fará uma manifestação ao meio-dia. As demais, capitaneadas pela Força Sindical, presidida pelo deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), farão uma “sardinhada” às 15h.

União segura investimentos e despesas têm alta moderada

Por Sergio Lamucci | VALOR

De São Paulo

O esforço fiscal da União neste ano também se sustenta em moderação das despesas, embora a grande contribuição venha da disparada das receitas (ver acima). Pelo menos até agora, contudo, o governo federal lançou mão da velha fórmula de segurar principalmente os investimentos, que de janeiro a julho totalizaram R$ 24,5 bilhões, 2,4% a menos que no mesmo período de 2010. As despesas correntes (como aposentadorias, pessoal e custeio) avançam a um ritmo mais fraco que em 2010, mas ainda assim aumentam a uma velocidade superior a dois dígitos.

Para o ano que vem, a expectativa é de nova aceleração dos gastos, já que há medidas contratadas que elevam os dispêndios, como o reajuste de 14% do salário mínimo.

O economista-chefe da corretora Convenção, Fernando Montero, diz que o ajuste fiscal deste ano é de “péssima qualidade e é transitório”, mas considera que se trata do esforço possível. “Pelo lado das despesas, o ajuste se dá em cima da queda nominal do investimento, num ano em que o salário mínimo não teve aumento acima da inflação [o que alivia um pouco gastos com aposentadorias e outras despesas sociais] e em que o governo segura as emendas parlamentares”, resume ele, destacando também a explosão de receitas nos últimos dois meses – foram R$ 37 bilhões de mais receitas líquidas entre junho e julho em relação a igual bimestre de 2010.” Para ele, a decisão de elevar em R$ 10 bilhões o superávit primário é positiva, mas não é um grande sacrifício, dado o recente ganho de arrecadação.

O economista Mansueto Almeida, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), também vê precariedade no ajuste. “Mesmo com a queda dos investimento e sem aumento real para o salário mínimo, as despesas totais ainda crescem 4,5% em termos reais.”

De janeiro a julho, as despesas com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) somaram R$ 151,5 bilhões, 10,8% a mais que nos sete primeiros meses de 2010. Apesar de o reajuste nominal do salário mínimo, que impacta dois terços dos benefícios do INSS, ter sido de 6,9% em 2011 os gastos com aposentadorias aumentam quase 11% porque há um crescimento do número de beneficiários de cerca de 4% ao ano, diz Montero.

Os gastos com pessoal subiram 11,1% no período de janeiro a julho, para R$ 104,4 bilhões, uma alta forte, mas que tende a ficar menor no acumulado do ano. Como houve um aumento mais expressivo para uma parte do funcionalismo em julho de 2010, a comparação dos sete primeiros meses deste ano com igual intervalo do ano passado se dá em cima de uma base mais fraca, explica Almeida.

As outras despesas de custeio, grupo sobre o qual o governo tem maior controle (ao lado dos investimentos), tiveram alta de 11,6% de janeiro a julho. É menos que os 23,9% mesmo período de 2010, mas não é um aumento desprezível. Já os gastos com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), onde estão o abono e o seguro-desemprego, subiram 20% no ano, para R$ 19,6 bilhões. De janeiro a julho de 2010, aumentaram 4,9% sobre igual período de 2010.

O economista Felipe Salto, da Tendências Consultoria, vê com bons olhos a decisão do governo de aumentar o superávit primário neste ano, por indicar que o governo optou por não transformar essa arrecadação extra em despesas. Como Almeida e Montero, porém, ele sente falta de medidas fiscais relativas ao ano que vem. O anúncio recente da política industrial, o Plano Brasil Maior, implica renúncias fiscais na casa de R$ 25 bilhões, enquanto o aumento do salário mínimo deve custar mais R$ 23 bilhões aos cofres da União, calcula Almeida, considerando o impacto sobre o INSS e outros programas sociais. “Também é provável que o governo eleve os investimentos em R$ 5 bilhões a R$ 10 bilhões.” Para Almeida, sem aumentos muito fortes de receita, a meta de superávit primário de 2012, próxima a 3% do PIB, não será cumprida. Salto acabou de reduzir a sua previsão de 2,6% para 2,2% do PIB, em função do programa Brasil Maior.

Para Montero e para Salto, a medida anunciada ontem pelo governo não é suficiente para o Comitê de Política Monetária (Copom) baixar os juros na reunião de hoje e amanhã. Montero considera que o BC deve esperar um pouco mais, possivelmente não baixando a Selic nem mesmo no encontro de outubro. A inflação ainda preocupa.

Já o economista-chefe da Votorantim Corretora, Roberto Padovani, viu na decisão da Fazenda um esforço do governo para deixar claro que a combinação de política monetária e fiscal de fato mudou. “É mais um sinal neste ano de que o governo pretende avançar na política fiscal, para dar mais liberdade para a política monetária, o que não ocorre há anos”, afirma Padovani. Para ele, porém, o BC não deve reduzir a Selic na reunião de amanhã e quarta-feira. A instituição, segundo Padovani, costuma antecipar seus passos. Desse modo, o corte tenderia a ocorrer em outubro, acredita ele.

30/08/2011 - 08:35h Dirceu descarta racha na base governista

Por Daniel Rittner | VALOR

De Brasília

O ex-ministro e deputado cassado José Dirceu descartou, ontem, um racha na base governista, disse que o país “não está vivendo nenhuma crise política” e garantiu enfaticamente apoio à presidente Dilma Rousseff. Para ele, o mal-estar do Palácio do Planalto com alguns aliados tem duas causas. “É um governo de coalizão com muitos partidos e o sistema político brasileiro está esgotado”, afirmou.

No que se refere ao primeiro ponto, Dirceu minimizou a declarada neutralidade do PR e disse que é “evidente” um movimento de aproximação com o PMDB, nas últimas semanas. Mesmo no caso do PR, conforme avaliou o ex-ministro, responsável pela montagem da aliança no primeiro governo Lula, “três senadores não vão deixar de votar com o governo”. “O PV também se aproximou e até o presidente Fernando Henrique [Cardoso] estendeu as mãos à presidente Dilma”, acrescentou.

Para ele, no entanto, a “solução real” só pode vir com uma reforma política que inclua o voto em lista. Sem a reforma, comentou Dirceu, “nós já conhecemos o resultado: nomeações dirigidas, emendas dirigidas, licitações fraudadas”. “Os vereadores já começam a pedir dinheiro para os deputados um ano antes da eleição, os deputados [pedem] aos governadores, e todo mundo [pede] às empresas. Nem as empresas suportam mais o custo das campanhas. É irracional, se elas podem pagar dez vezes menos. É só votar na lista ou, se não quer votar na lista, estabelecer o sistema alemão, que é o distrital misto, metade na lista e metade no sistema distrital.”

Dirceu foi o principal orador de seminário sobre infraestrutura organizado pelo consultor José Augusto Valente, ex-secretário de Política Nacional de Transportes, no primeiro governo Lula, e diretor da agência T1. Também dissertaram Guilherme Lacerda, ex-presidente da Funcef, e executivos da MRS, da Santos Brasil e da Viação Itapemirim.

Alvo de uma reportagem publicada no fim de semana pela revista “Veja”, segundo a qual articula com ministros e parlamentares contra Dilma, o ex-ministro reagiu e disse que a tese “é de morrer de rir”. “Pode ter alguém que apoie tanto quanto eu [o governo Dilma]. Mais, é difícil. Até as pedras sabem que eu sou governista.” Quanto aos encontros, Dirceu afirmou que tem “todo o direito” de fazer política.

À plateia que o ouvia, formada por dirigentes de associações empresariais, Dirceu fez um diagnóstico da conjuntura econômica e considerou que “a hora decisiva do governo é agora”. Defendeu corte de juros a partir da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, hoje e amanhã. O ex-ministro pediu redução de três pontos percentuais da Selic, nos “próximos meses”, e desaconselhou um relaxamento fiscal. Para ele, o governo deve se esforçar em cumprir a meta de superávit primário, de 3,3% do PIB, no ano que vem, sem descontar os investimentos do PAC.

Diante do novo aprofundamento da crise internacional, Dirceu disse que o governo evitou “o erro de fazer grandes cortes na área social e elevar os juros”, preferindo medidas macroprudenciais e preservando investimentos não só do PAC, mas dos planos plurianuais da Petrobras e da Eletrobras. Ele também elogiou o BNDES e afirmou que a política industrial foi uma “primeira resposta” para aumentar a competitividade. “É impossível imaginarmos que só com medidas cambiais e de juros vamos enfrentar a concorrência internacional. Temos que aumentar a competitividade, como aconteceu com setores da nossa indústria, que conseguiram sobreviver, como brinquedos, móveis, têxteis, confecções. Isso é crédito barato, BNDES.”

29/08/2011 - 22:00h Boa noite


Don Giovanni – abertura – James Levine

29/08/2011 - 19:19h Acredito em um Deus cruel


Bryn Terfel – Credo in un Dio crudel – Otello (Verdi)

29/08/2011 - 18:54h Emil Schildt

emil_Schildt
Emil Schildt

29/08/2011 - 17:00h Peçonhenta

Daniela Moares

Serpenteia, cobra! Serpenteia!
Ofídio sem igual, na umidade mórbida e pegajosa de minhas cavidades coronárias,
tu vais pintando teu rastro ondulatório,
vais fomentando em mim um ataque cardíaco.
Es indubitavelmente traiçoeira, maldita!

Teus olhos divagam a tua suntuosidade,
expirando e renascendo o bailar cancionista do andar
Me es todo feitiço. Feitiço carnal que destila um odor de fatalidade.

Atormenta-me com a lembrança de que sou mortal,
enquanto passeias pelo meu corpo nu, de que danças
em mim como eu fosse tua casa.

Ah, criatura rastejante! Pudera eu balançar sobre meu ventre!
Pudera eu comer somente pó!
Mas te como e te engulo com voracidade,
até que chegues a morar nas paredes de minh’alma.
Te faço penetrar pela garganta e tu me picas a língua.
Que dor! Que bruxaria!

Teu veneno me transforma…minha pele tem escamas!
Oh! Me consumiu este réptil idolatrado!
Evoco, agora, sempre esta bacante em meus
pensamentos dissolutos, ttanscendentais, tão imorais, tão maculados!
Sou toda veneno e já não me contenho frente a pés tão suculentos.

Paixão dovoradora… cobra coral!

29/08/2011 - 10:29h Lula articula apoio sindical a Haddad

Por Caio Junqueira | VALOR

De Brasília

Idealizador da candidatura do ministro da Educação, Fernando Haddad, a prefeito de São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estruturou uma cúpula informal de pré-campanha de petistas que, como ele, são oriundos do meio sindical. Ela é formada por políticos e sindicalistas da Grande São Paulo, motivo pelo qual seus correligionários batizaram a estratégia de “Operação ABC”.

À frente deste grupo estão o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, e o de Osasco, Emídio de Souza, ambos ex-sindicalistas. O braço operacional é o vice-presidente estadual do PT e vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques.

Juntos, já conseguiram a adesão de três vereadores petistas sindicalistas de São Paulo. Alfredo Cavalcante, o Alfredinho, ex-funcionário da Ford de São Bernardo do Campo e ex-diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Francisco Chagas, diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas, Farmacêuticas e Plásticas de São Paulo e Região. E Carlos Neder, médico ligado ao Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde (SindiSaúde-SP).

O objetivo desse grupo é utilizar a força dos sindicatos do ABC paulista para deflagrar o movimento pró-Haddad para dentro dos sindicatos do município de São Paulo ligados à CUT e, consequentemente, para a militância petista. Esse movimento, avaliam, é necessário, tendo em vista que o ministro não tem nem grupo político dentro do diretório paulistano e nem uma militância organizada para trabalhar pelo seu nome. Por essa razão, buscaram nos municípios vizinhos com tradição sindical a capilaridade necessária para fazer crescer o nome de Haddad no PT.

“O que está havendo é dirigentes do PT com origem sindical ajudando neste primeiro movimento de levar o Haddad para os bairros, os diretórios zonais, as plenárias. Para que ele possa se apresentar e mostrar sua cara”, afirma Marques, considerado dentro do PT como homem de confiança de Luiz Marinho.

Ele inclusive articulou para que Haddad comparecesse, na quarta-feira, à 13ª plenária estadual da CUT em Guarulhos. A central aceitou, mas houve uma avaliação posterior dos petistas de que configuraria conflito de interesse, uma vez que ele teria de sair de Brasília para participar no meio da semana de um ato de sua pré-campanha.

A CUT-SP diz não ter um nome ainda para apoiar, mas é inegável que a opinião de Lula e Marinho exerce grande influência sobre os sindicatos. “Evidente que a opinião do Lula e do Marinho tem muito peso e acaba tendo um reflexo em outras pessoas. Nós sempre ouvimos o Lula e damos muito valor para as posições que ele toma”, afirma o presidente da CUT-SP, Adi dos Santos.

Tamanha é a dimensão da força-tarefa sindical em favor de Haddad que ela acabou por acirrar as divergências internas dentro do PT paulista. Lideranças do partido no Estado veem nesse movimento uma estratégia de Marinho e Emídio para, tal qual o ministro, garantirem a preferência de Lula por eles nas eleições de 2014. Por essa avaliação, Marinho busca ser o ungido de Lula para a disputa ao Palácio dos Bandeirantes, enquanto Emídio se cacifa para a única vaga que haverá no PT para o Senado.

Além da benção de Lula, ambos, segundo um petista, juntam-se agora para enfraquecer o grupo do deputado federal João Paulo Cunha para as eleições internas do PT em 2013, determinantes para a escolha dos nomes em 2014.

João Paulo sempre controlou sua corrente em São Paulo, a Construindo Um Novo Brasil (CNB). Entretanto, após ser atingido pelo escândalo do mensalão em 2005, Marinho passou a ser o quadro em ascensão da CNB no Estado. Tanto que nas eleições de 2010 Emídio se afastou dele devido às preferências de cada um nas eleições para a Assembleia Legislativa e não se empenha em angariar votos para ele em Osasco, a base eleitoral dos dois.

Um deputado ligado a Marinho, contudo, tem outra avaliação. Diz haver grande dificuldade em alguns petistas de aceitar que Lula optou por Haddad; que no horizonte está a candidatura de Emídio a presidente do PT-SP em 2013, função incompatível com o cargo de senador; e que Marinho tem chances de se candidatar a governador, mas dentro de um cenário em que o “candidato natural”, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, não queira se candidatar.

O próprio Emídio diz não haver qualquer projeto para 2014 por trás da candidatura Haddad: “O que há é uma discussão sobre o futuro do PT e a disputa na capital influencia toda a Grande São Paulo. Queremos um candidato competitivo e que dialogue conosco.” Segundo ele, “Haddad dialoga muito bem com um setor relutante a nós, como intelectuais e a classe média” e que “nosso problema é fazer esse diálogo e ampliar o diálogo com outros setores”.

Marta falta a um terço das caravanas petistas

Por De São Paulo

Pela segunda semana consecutiva, a senadora e pré-candidata à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, faltou ontem à caravana organizada pelo PT para mobilizar a militância na capital paulista. Das dez atividades de pré-campanha já realizadas pelo partido, Marta não compareceu a três. A ausência reforçou os rumores de que a petista estaria desanimada com a falta de apoio dentro do PT e que poderia desistir de levar a disputa à prévia.

Dos cinco pré-candidatos petistas, Marta foi a única a não participar da caravana em Cidade Ademar, na zona sul. A ausência se deu poucos dias depois de a senadora conversar com a presidente Dilma Rousseff e com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre 2012. No encontro com Lula, Marta demonstrou divergências com o ex-presidente, que defendeu um nome novo em 2012 e a permanência da petista no Senado.

Ontem, a justificativa da ausência de Marta foi dada pelo senador e pré-candidato Eduardo Suplicy, que disse que ela estava com os netos. Ex-marido de Marta, Suplicy recebeu a informação por uma assessora da senadora. Apesar de não participar ontem, a petista foi aos eventos na sexta-feira e no sábado. A assessoria da parlamentar disse que ela continua candidata.

O PT pretende definir o candidato depois das 36 caravanas com a militância, evitando as prévias.

O presidente nacional do PT, deputado Rui Falcão (SP), e o presidente do diretório municipal, vereador Antonio Donato, evitaram falar sobre uma eventual desistência de Marta, mas lembraram da conversa que pré-candidatos tiveram com Lula, na semana passada, e da defesa do ex-presidente por uma nova candidatura. Ex-prefeita, Marta disputou a eleição municipal três vezes. “Ela está desanimada”, opinou o deputado federal e pré-candidato Carlos Zarattini.

O pré-candidato e ministro da Educação, Fernando Haddad, intensificou a articulação de sua pré-campanha e passou o fim de semana em reuniões com parlamentares e líderes de movimentos sociais. Haddad faltou à primeira caravana, no início do mês. Os mais assíduos são Zarattini, Suplicy e o deputado federal Jilmar Tatto, que insistem na realização de prévias. (C.A.)

29/08/2011 - 09:33h Lula viaja à Bolívia para interceder junto a Evo

Por Fabio Murakawa | VALOR

De São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente da Bolívia, Evo Morales, se encontram hoje na cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra. Eles devem discutir o impasse em torno de uma estrada financiada pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) no país vizinho.

Lula e Morales são as principais estrelas de um seminário com líderes de entidades empresariais bolivianas, no qual o ex-presidente proferirá uma palestra sob o tema “Integração Regional e Desenvolvimento Social dos Países Latino-Americanos”. O evento é patrocinado pela construtora brasileira OAS, responsável pela obra viária que ligará os Departamentos de Beni e Cochabamba, cortando ao meio um território indígena em um de seus trechos. O líder boliviano também falará. A visita do ex-presidente também coincide com a estreia no país do filme “Lula, o Filho do Brasil”.

Após as palestras, Lula e Morales terão um encontro reservado. O governo boliviano não divulgou os tópicos da conversa entre os dois, mas o Valor apurou que o tema principal do encontro será a rodovia de 306 km, orçada em US$ 415 milhões, US$ 332 milhões dos quais financiados pelo BNDES. O embaixador do Brasil na Bolívia, Marcel Biato, e o diretor-superintendente da área internacional da OAS, Augusto César Uzêda, também estarão em Santa Cruz.

Segundo fontes familiarizadas ao tema, Lula tentará convencer Morales a adotar uma postura menos beligerante em relação aos indígenas, que se recusam a permitir que o trecho 2 da rodovia atravesse o seu território.

Os índios promovem há cerca de duas semanas uma marcha rumo a La Paz em protesto contra a estrada. Eles dizem não ter sido consultados sobre o trecho de 177 quilômetros que atravessará o Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis) e temem o avanço de colonos e cocaleiros sobre a reserva. Para aumentar o clima de desconfiança dos indígenas, o governo admitiu neste mês que estudos apontam para a existência de petróleo na região.

Morales, por sua vez, vem atacando os nativos, acusando-os de estarem a serviço de ONGs estrangeiras com interesses na região e dos Estados Unidos, além de traficarem madeira.

O presidente chegou, inclusive, a divulgar em uma aparição na TV registros com telefonemas “suspeitos” entre lideranças indígenas e a embaixada americana. O conselheiro da embaixada William Mozdzierz foi chamado pelo governo a dar explicações.

O Valor apurou que, na avaliação do governo brasileiro e da própria OAS, a postura de Morales só dificulta o entendimento entre seu governo e os índios, o que coloca em risco o andamento das obras da estrada – fruto de um acordo costurado em 2008 por Lula, em seu segundo mandato, e o presidente boliviano.

“Lula é um conciliador por natureza. Ele vai tentar mostrar ao presidente Evo Morales que acirrar os ânimos com os indígenas só dificulta o seu objetivo principal, que é o de concluir a estrada”, disse uma fonte do governo brasileiro.

Outra missão de Lula será acalmar Morales sobre rumores de que o BNDES está retendo o financiamento à rodovia por conta da falta de acordo com os indígenas, disse outra fonte. O banco brasileiro ainda não fez nenhum desembolso relacionado à obra, alegando que as obras recém começaram e que as verbas são liberadas de acordo com a execução dos trabalhos.

Os indígenas, por outro lado, vêm pressionando o governo brasileiro para que o dinheiro do BNDES não chegue. Há duas semanas, dezenas de manifestantes fizeram um protesto em frente à embaixada brasileira em La Paz, gritando palavras de ordem contra a estrada e acusando a postura “imperialista” do Brasil. Uma comissão de lideranças indígenas chegou a ser recebida pelo embaixador Marcel Biato e pediu, sem sucesso, que o diplomata intermediasse contatos entre eles e a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, além de representantes do BNDES.

O encontro de hoje entre Lula e Morales foi precedido de outra reunião, na última sexta-feira, entre o presidente da Bolívia e o diretor da OAS Uzêda, em La Paz. O Valor apurou que a empreiteira vem cobrando o governo boliviano por um atraso de US$ 60 milhões em repasses da agência estatal Administradora Boliviana de Carreteras relacionados à estrada.

Em entrevista ao Valor, Uzêda confirmou o encontro com Morales, mas negou que houvesse atrasos e que a estrada boliviana estivesse em pauta. “Vamos discutir outros projetos de nosso interesse na Bolívia”, afirmou.

As obras da estrada, que ligará San Ignácio de Moxos (Beni) a Villa Tucunari (Cochabamba), já começaram em seus trechos 1 e 3, nos dois extremos da rodovia. O trecho principal, no entanto, é 2, que atravessa o Tipnis – uma reserva indígena de 1 milhão de hectares, onde vivem de 10 mil a 12 mil indígenas de três diferentes etnias.

O trecho 2 responde por cerca de 40% do valor total da estrada e tem o início dos trabalhos marcado para 2012. A conclusão da estrada está prevista para 2014.