30/09/2011 - 22:00h Boa noite


Boris Berezovsky – Rachmaninov – Preludes (excerpts)

30/09/2011 - 19:13h Cançoneta


Philippe Jaroussky & Friend – Canzonneta Española, de Rossini

30/09/2011 - 17:51h Durex ministerial

Perú

Rumores y preocupaciones por la duración del gabinete.

Por: Augusto Álvarez Rodrich – La República

Lo último que se le ocurriría a un presidente que a los dos meses lo aprueba el 70% y que todavía no ha tenido una crisis política relevante es cambiar ministros, pero especular con esos relevos es un deporte que el periodismo nacional practica con entusiasmo y desenfado.

Un diario dijo que Salomón Lerner dejaría el premierato en febrero, pero ni se tomó la molestia de precisar el motivo, lo que sería indispensable para entender por qué alguien que parece disfrutar tanto –en el buen sentido– de la jefatura del gabinete, y que se ha vuelto pieza indispensable para la construcción de confianza con la inversión privada, podría quererse ir tan pronto. Los primeros jefes de gabinete suelen durar unos dos años. No se ven razones para una partida tan temprana de Lerner.

Susana Baca estuvo en la cuerda floja por los compromisos artísticos previos a asumir el Ministerio de Cultura. De los primeros 63 días, estuvo 31 de viaje. Pero el martes pasado, el premier Lerner lanzó algo parecido a un ultimátum cuando dijo que, por esa razón, se iba a revisar su nombramiento.

La reacción fue veloz: Baca anunció el final de sus viajes y, a partir de ahora, su dedicación ministerial a tiempo completo. Por ello, la atención se va a dirigir a continuación hacia su agenda pendiente, que no es sencilla por promesas como la conversión del Canal 7 en medio del Estado y no del gobierno.

Aída García Naranjo también es atacada por una oposición –que aún anda corriendo como pollo sin cabeza– por la muerte de tres niños en Cajamarca por consumir alimentos del Pronaa. Habría votos para interpelarla pero no para censurarla.

Daniel Mora en Defensa exhibe posiciones muy discordantes del gobierno sobre derechos humanos, remuneraciones y pensiones militares. Si hubiera un rifa para una expulsión del gabinete, Mora ya se habría comprado todos los boletos.

A un inquieto Kurt Burneo –que aún no sabe si se queda en Produce o se va al flamante Ministerio de Inclusión Social que Gana Perú se lo quiere agarrar– podría no disgustarle acabar de carambola en el MEF en un contexto de movidas contra Miguel Castilla como las comentadas ayer en su columna por Mirko Lauer y que podrían alcanzar hasta a Julio Velarde en el BCR.

Pero el presidente Ollanta Humala cometería un error grave si, en el contexto actual, hiciera cambios en el MEF y el BCR. No se cambia de caballo a mitad del río especialmente si este viene cargado por la turbulencia externa.

No se ven, en resumen, motivos sólidos para relevos en el gabinete en el corto plazo, pero los rumores generan preocupación, tal como lo reporta un informe reciente de Scotiabank que señala que “aún persiste en parte de los empresarios e inversionistas incertidumbre respecto de la durabilidad del gabinete ministerial en el tiempo”.

30/09/2011 - 17:46h Contagiosa alegria


Yue Minjun

30/09/2011 - 17:39h Com maior aprovação no Sul, governo Dilma é ótimo ou bom para 51%

Andrea Jubé, da Agência Estado

O governo Dilma Rousseff foi avaliado como ótimo ou bom por 51% dos entrevistados, de acordo com a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) encomendada ao Ibope e divulgada nesta sexta-feira, 30. O levantamento anterior, de julho, indicava aprovação de 48%. A melhoria na avaliação cresceu mais entre os eleitores da região Sul, que teve os maiores índices de ótimo ou bom, de 57%.

No Nordesde, o índice ficou em 52%, a frente ainda, embora dentro da margem de erro, do Sudeste, com 50%. Na pesquisa anterior, a aprovação no Sul era de 45%. Já no Nordeste, a aprovação era maior, de 52%. O Ibope realizou 2.002 entrevistas em 141 municípios entre os dias 16 a 20 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos. Em relação à pesquisa feita em março, a avaliação positiva do governo Dilma caiu cinco pontos porcentuais, de 56% para 51%.

A fatia dos entrevistados que consideram o governo ruim ou péssimo oscilou dentro da margem de erro da pesquisa, de 12% para 11%, em relação à rodada anterior, divulgada em julho. O governo é melhor avaliado entre os entrevistados com mais de 50 anos, faixa em que 55% consideram-no ótimo ou bom. “Quanto menor o nível de renda familiar do entrevistado, melhor a avaliação do governo Dilma”, diz a análise da pesquisa.

Dilma. A aprovação pessoal da presidente Dilma também cresceu e passou de 67% para 71% em relação à rodada anterior, divulgada em julho. A desaprovação da presidente caiu quatro pontos porcentuais, de 25% em julho para 21%, na pesquisa divulgada hoje. Segundo a CNI/Ibope, Dilma é melhor avaliada entre os entrevistados de 50 anos ou mais (75% de aprovação) e entre aqueles que cursaram somente até a quarta série do ensino fundamental (77%). Para o gerente de Pesquisas da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, “faxina” contra a corrupção promovida pelo governo federal contribuiu para a alta de popularidade da presidente.

Atualizado às 14h52

30/09/2011 - 17:34h Aloysio Nunes expõe na internet fogo amigo entre tucanos

Em seu perfil no Twitter, decisão do partido de não mostrar José Serra e o senador nas propagandas partidárias irritou o político

30 de setembro de 2011 | Agencia Estado

Enquanto os governadores e a cúpula do PSDB estão reunidos nesta sexta-feira, 30, em Goiânia para tentar acertar a sintonia fina do maior partido de oposição e discutir temas como os rumos da sigla, a conjuntura nacional e internacional e as eleições, o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira utilizou seu perfil no Twitter para criticar o partido e alimentar o fogo amigo entre os tucanos.

Numa crítica contundente e com alvo certeiro, Aloysio reclamou que ele e o governador José Serra foram ignorados nas recentes inserções partidárias da legenda que estão sendo veiculadas na mídia. “Vamos bem assim… “, profetizou o senador mais votado no Brasil nas eleições gerais de 2010.

“Há quase uma década sem representação no Senado, o PSDB paulista me ignorou na propaganda política que está no ar”, diz Aloysio no twitter. E continua nos ataques: “A propaganda do PSDB ignora também o líder político com a trajetória e o prestígio popular de José Serra. Vamos bem assim…” Ainda em sua página no microblog, o senador tucano diz que resolveu “passar recibo publicamente” porque sequer foi consultado a respeito da propaganda tucana.

As reações ao chamado fogo amigo tucano no Twitter não ficaram restritas apenas aos seguidores anônimos do senador Aloysio Nunes. Tucano de alta plumagem, o agrônomo e ex-secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Xico Graziano disse em sua página no microblog: “Nossa senhora, Aloysio Nunes botou a boca no trombone. Vai voar pena entre os tucanos!”

29/09/2011 - 22:00h Boa noite


Philippe Jaroussky & Friend, Gautier Capucon – Romance, de Rachmaninov

29/09/2011 - 20:08h La Diva del Imperio


Philippe Jaroussky & Friends – La Diva del Imperio, de Satie

29/09/2011 - 15:12h Perú: Votorantim hará inversión millonaria en Milpo y Cajamarquilla

DESEMBOLSARÁ US$3.200 MILLONES


Primer ministro Salomón Lerner se reunió con ejecutivos de esta empresa

Jueves 29 de Setiembre del 2011

EL COMERCIO

La minera brasileña Votorantim Metais invertirá US$3.200 millones en sus operaciones peruanas Milpo y Cajamarquilla en los próximos cinco años, informó el primer ministro Salomón Lerner Ghitis.

En rueda de prensa con corresponsales extranjeros, Lerner dijo que los gerentes de Votorantim para América Latina y Brasil le comunicaron el martes esta decisión, que se orientará a nuevas inversiones en la productora polimetálica Milpo (donde Votorantim tiene una participación de 50%) y al financiamiento de las ampliaciones de la refinería de Cajamarquilla (que es controlada al 100% por la brasileña), donde se contempla la construcción de una nueva refinería de plomo.

Se debe indicar que Milpo tiene operaciones en Junín, Arequipa, Ica y Chile. En tanto, la refinería de Cajamarquilla se ubica en Lima.

MEGAGENERADORA
Con respecto a las inversiones en otros sectores, el primer ministro mencionó que otra empresa, a la que no identificó, está interesada en la construcción de una hidroeléctrica de 750 megavatios en el valle de los ríos Apurímac y Ene (VRAE), donde espera invertir US$1.700 millones.

MÁS DATOS
La brasileña Votorantim tomó el control de Milpo en agosto del año pasado, tras realizar una oferta pública de acciones.

La refinería de Cajamarquilla fue adquirida por Votorantim en el 2004.

29/09/2011 - 14:56h Supermercados brasileños están en busca de proveedores directos en Perú

REPRESENTANTES DE CINCO CADENAS LLEGARON AL PAÍS


Para aprovechar oportunidad deben formarse cooperativas

Jueves 29 de Setiembre del 2011

EL COMERCIO

Las cadenas de supermercados Pão de Açúcar, Makro, Walmart, Sams Club y Roldão de Brasil quieren comprar directamente uvas frescas, espárragos, alcachofas y pimientos en conserva, según señala Antonio Castillo, consejero comercial del Perú en Brasil.

De acuerdo con Castillo, estas compañías, que participan en la feria Expoalimentaria 2011, buscan dejar de lado a los intermediarios -lo cual es positivo para los productores peruanos porque les permite un mayor rango de negociación- para reducir sus costos en aproximadamente 30%. “Ambas partes ganan”, indica.

Según Miguel Vega Alvear, presidente de la Cámara de Comercio Perú-Brasil (Capebras), el prescindir de intermediarios es una estrategia que los supermercados brasileños han adoptado desde hace algunos años, con el propósito de ofrecer productos de alta calidad a precios competitivos para los consumidores finales.

Vega Alvear también detalló que estas cadenas, en búsqueda de abastecedores directos en el Perú, han puesto en marcha un plan de expansión hacia zonas como Acre, Rondonia, Mato Grosso y Amazonas, las cuales están cerca a la frontera con nuestro país y “necesitan proveedores para toda esta zona”, afirma.

DIFICULTADES
En opinión de Juan Carlos Mathews, director de la Maestría en Gestión de Negocios Globales de la Universidad del Pacífico, la intención de estos supermercados es positiva, pero pueden toparse con el inconveniente de que, en el Perú, los productores no cuentan con el volumen suficiente como para abastecer la gran demanda que tienen.

“En el país, lo que hay son acopiadores y, generalmente, son empresas grandes las que lo hacen, envasan y venden estos productos”, señala.

Mónica Watson, gerenta general de la Cámara Nacional de Comercio, Producción y Servicios (Perú-Cámaras), afirma que, para lograr incluir a los pequeños productores ubicados en las zonas cercanas a Acre, Rondonia, Matto Grosso y Amazonas, debe habilitarse un programa de asociatividad para que puedan aprovechar las oportunidades que brinda el mercado brasileño.

“Esta zona de Brasil solo produce carne de res, y ellos necesitan proveedores de ajos, cebollas, aceitunas, alcachofas, entre otros productos que el Perú tiene. Si se quiere garantizar el desarrollo de la zona sur del país a través del comercio, el cual se dinamizará además con la carretera Interoceánica, pues esta es la oportunidad para crear cooperativas y juntos atender este mercado”, afirma.

PRODUCTOS
Antonio Castillo menciona que hay una lista de 38 productos que han sido priorizados por el Estado, y ahora las dificultades para el ingreso han sido superadas.

Entre ellos se encuentran los ajos, cebollas, aceitunas, orégano, la quinua y otros.

Según dijo el consejero comercial del Perú en Brasil, está por iniciarse el trámite para levantar las dificultades que tienen el maíz gigante del Cusco, el pimiento, la alcachofa, las fresas, el durazno, la granadilla, las flores y los cítricos para entrar al mercado brasileño. Cabe indicar que, por el momento, estos productos no pueden hacerlo bajo la presentación en fresco sino en conservas.

MÁS DATOS
Empresas brasileñas también quieren asociarse con productores de granos como la quinua y la kiwicha, así como de otros productos nutracéuticos, para elaborar barras energéticas.

La mejor temporada para vender cebollas a Brasil es entre mayo y julio.

Antonio Castillo precisa que, para la venta de uvas peruanas, la mejor época es entre octubre, noviembre y diciembre.

LA CIFRA

US$90 millones importa Brasil en aceitunas. De ellas, solo el 19% es del Perú.

29/09/2011 - 14:17h Peru cria novo regime tributário para mineradoras

As empresas do setor passarão a pagar impostos com base no lucro operacional e os royalties pagos pelas companhias serão substituídos
28 de setembro de 2011

Agência Estado

LIMA – O presidente do Peru, Ollanta Humala, assinou nesta quarta-feira a lei que estabelece o novo regime tributário para as mineradoras que opera no país. A reforma era uma das promessas de sua campanha eleitoral. Durante a cerimônia de assinatura, Humala sancionou os três novos impostos que serão aplicados às mineradoras caso a caso, dependendo de se elas assinaram ou não acordos de estabilização fiscal com o governo.

As empresas do setor passarão a pagar impostos com base no lucro operacional, e não mais com base na receita. Os royalties pagos pelas companhias serão substituídos e os novos impostos vão se basear em uma taxa marginal.

Humala, que assumiu o posto em julho deste ano, disse que a arrecadação do governo com impostos poderá ter um crescimento de US$ 1,1 bilhão por ano. Segundo ele, a entrada em vigor dos novos impostos ajuda a solidificar as relações entre o governo e o setor privado, ao remover incertezas. Segundo ele, os recursos obtidos pelo governo serão usados principalmente para financiar obras de infraestrutura.

Para o economista-chefe do Banco de Crédito, Alonso Segura, os novos impostos não deverão afetar significativamente a competitividade do Peru. “Mas teremos de ver o que acontece na prática”, ressalvou.

Segundo o primeiro-ministro peruano, Salomon Lerner Ghitis, as mineradoras planejam investir pelo menos US$ 30 bilhões em novos projetos ou na expansão de minas no país nos próximos cinco anos.

As informações são da Dow Jones. (Renato Martins)

29/09/2011 - 12:15h SP: Organizações sociais recebem da Prefeitura por consultas não realizadas


Ambulatórios de especialidades geridos por OSs descumprem metas de atendimento – na AMA Vila Izolina Mazzei, apenas 42% do serviço contratado no primeiro semestre foi prestado

29 de setembro de 2011

Adriana Ferraz, de O Estado de S.Paulo

Os ambulatórios de especialidades da cidade de São Paulo administrados por Organizações Sociais (OSs) não cumprem as metas de atendimento estabelecidas pela Prefeitura. Segundo relatórios oficiais do primeiro semestre deste ano, as seis unidades realizaram, em média, apenas metade das consultas pagas pelo município. Apesar disso, a verba mensal continua sendo repassada às entidades – ou seja, elas recebem, mas não ofertam os serviços à população.

A situação mais crítica ocorre na zona norte. Na Assistência Médica Ambulatorial (AMA) Especialidade Vila Izolina Mazzei, apenas 42% das consultas previstas para o período foram realizadas. A expectativa era de que 50.220 pacientes fossem atendidos, mas só 21.478 receberam atendimento. A situação mais confortável é a da AMA Jardim São Luiz, na zona sul, onde quase 70% da meta foi cumprida (mais informações nesta página).

Nos seis primeiros meses do ano, R$ 330,5 milhões foram pagos às entidades que comandam postos de saúde ou ambulatórios de especialidades na capital – a divisão por unidade não é informada pela Prefeitura. Pelas regras estipuladas, o repasse às OSs está relacionado ao cumprimento das metas quantitativas e qualitativas do atendimento. Mas, apesar das condições atuais, os valores pagos mensalmente não foram reduzidos.

O município tem 15 AMAs Especialidades, que devem ofertar consultas nas áreas de ortopedia, cirurgia vascular, cardiologia, endocrinologia, neurologia, urologia e reumatologia. As outras nove unidades são administradas por meio de convênios, que não estabelecem metas de atendimento. Por isso, a amostragem não inclui toda a rede.

Segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde, porém, as conveniadas realizaram um número maior de consultas neste ano: a média mensal chegou a 4.548 atendimentos, contra 3.976 das unidades de OSs.

O déficit no serviço de especialidades agrava ainda mais a situação dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) na capital, que já é crítica na área de emergência – a falta de clínicos e pediatras em postos de saúde é recorrente. Último relatório da secretaria, apresentado em março, aponta que a demanda reprimida para ortopedia, por exemplo, chega a 41.612 consultas. Outras 7.743 pessoas aguardam a chance de se submeter a uma cirurgia vascular.

Para o promotor de Justiça Arthur Pinto Filho, os dados devem servir de alerta ao município, que precisa fazer os devidos descontos no valor do contrato se, de fato, o serviço não está sendo oferecido. A Comissão de Saúde da Câmara Municipal pede a mesma postura do município. Na quarta-feira, 28, os dados de produção das AMAs foram apresentados durante audiência pública na Casa pela vereadora Juliana Cardoso (PT), que pediu maior fiscalização sobre a verba repassada.

Respostas. A Associação Congregação de Santa Catarina, responsável pela gestão da AMA Vila Constância, reconhece o não cumprimento da meta e afirma que o baixo porcentual está relacionado ao índice de pacientes que agendam, mas não vão às consultas. Já a SPDM informou que a Prefeitura responderia por ela. A Cejam não foi localizada e as demais entidades não responderam ao Estado.

A Secretaria Municipal da Saúde afirmou que fará o desconto se a análise de todos os serviços contratados ficar aquém do desejado. O secretário adjunto da Saúde, José Maria da Costa Orlando, diz que cada serviço tem um peso financeiro. “Não é porque uma determinada OS não atingiu a meta de consultas que tenho de fazer um desconto completo sobre o contrato. Há indicadores que são sempre avaliados e cada um tem um peso.”

Orlando reconhece, porém, que os números de produção estão baixos. Ele atribui o não cumprimento das metas a diversos fatores, entre eles, a falta de médicos no mercado para contratação. “Esse problema é generalizado, principalmente quando de trata de clínicos e pediatras, até mesmo na iniciativa privada.”

Para o secretário, a população também tem a sua parcela de “culpa”, quando falta às consultas. O índice atual de faltas é de 17%. Mas, apesar das falhas, o município diz que o modelo das OSs está evoluindo.

Agendamento em AMA da zona norte demora até dois meses

Agendar uma consulta na AMA Vila Izolina Mazzei, na zona norte de São Paulo, demora cerca de dois meses, dependendo da especialidade médica. Enquanto áreas como cardiologia e endocrinologia são mais ágeis, pacientes enfrentam dificuldades para agendar consulta com reumatologista ou urologista.

A aposentada Raimunda Santos Pereira, de 68 anos, passou por uma consulta com um reumatologista na unidade e precisou fazer exames. Ela tem artrite e osteoporose – sofre com dores nas juntas e articulações.

No dia 6 de julho, ela agendou o retorno para ontem, 28 de setembro, quase três meses depois da primeira consulta. Mas, ao chegar ao local, soube que a reumatologista não atende na unidade às quartas-feiras – e sim às sextas. Para driblar o erro, a aposentada conseguiu ser encaixada em um horário de amanhã. “É um absurdo. Além de demorar quase três meses para marcar consulta, ainda marcam na data errada. Tenho de pegar duas conduções para chegar até aqui, é um sacrifício subir essa ladeira.”

O aposentado José Lima Santos, de 63, demorou quase dois meses para agendar uma consulta com urologista. E, apesar de o médico ter pedido que ele volte em três meses, não conseguiu deixar o retorno agendado ontem. “Ainda não abriram a marcação para os próximos meses. Terei de voltar aqui só para isso”, diz. /Fernanda Bassette

28/09/2011 - 22:00h Boa noite


Boris Berezovsky – Chopin

28/09/2011 - 21:09h What are you


Philippe Jaroussky – Natalie Dessay – What are you M. Leg

28/09/2011 - 11:42h Marta propõe mudança no FGTS

Waldemir Barreto / Agência Senado - 15/9/2011/Waldemir Barreto / Agência Senado - 15/9/2011Senadora quer repartir com trabalhadores o lucro obtido com a aplicação do FGTS: “O projeto proporciona ao trabalhador sua real condição de cotista do fundo”


Por Raquel Ulhôa | VALOR

De Brasília

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) apresentou projeto de lei para permitir que o trabalhador seja beneficiado com o lucro obtido a partir da aplicação dos depósitos das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Para a senadora, trata-se de corrigir uma “injustiça histórica”, já que o trabalhador é cotista do fundo, mas não participa dos seus lucros.

A proposta – aguardando designação de relator na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, onde tramita em caráter terminativo (aprovada, vai direto à Câmara dos Deputados se não houver recurso para ir a plenário) – altera a lei 8.036, de 11 de maio de 1990, que dispõe sobre o FGTS. Determina a distribuição de no mínimo 50% do resultado financeiro positivo que exceder a um por cento do patrimônio Líquido do FGTS do exercício anterior ao da apuração do resultado.

A distribuição às contas dos trabalhadores será feita proporcionalmente aos respectivos saldos. O percentual do resultado positivo a ser repartido, de no mínimo 50%, pode ser de até 100%, a critério do Conselho Curador do FGTS, que tem representantes de trabalhadores, empregadores e do governo.

“Esse dinheiro é do trabalhador, não tem por que ficar parado no sistema financeiro. Em vez de enricar banco, vai melhorar a vida do trabalhador”, diz a senadora, ex-prefeita de São Paulo (2001 a 2004) que disputa no seu partido nova candidatura ao cargo em 2012.

Mantendo sua disposição de concorrer às prévias do PT que vão escolher o candidato a prefeito do partido – a despeito da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo nome do ministro da Educação, Fernando Haddad-, Marta se mostra entusiasmada em atuar na área econômica, que diz ser nova para ela.

“Quando fui deputada, cuidava mais de assuntos ligados a mulher e gays. São áreas que tenho de cuidar. Estão carimbadas na minha testa, eu as prezo e são importantes no meu mandato. Mas fui prefeita de São Paulo, meus interesses aumentaram. Tenho mais interesse agora de pensar em coisas na área econômica, que favoreçam os trabalhadores, as cidades”, afirma.

Com relação ao FGTS, a senadora lembra que, nos últimos anos, várias propostas têm sido apresentadas na Câmara dos Deputados e no Senado, com o objetivo de tentar aumentar a participação do trabalhador nos recursos. Mas, em geral, eles apresentam o risco de afetar o equilíbrio financeiro do fundo. Ela considera o projeto que está apresentando “uma alternativa viável para aumentar o retorno do FGTS para o trabalhador”.

Segundo os cálculos da assessoria da senadora, a proposta poderia resultar em uma rentabilidade adicional de 1,5% ao ano às contas vinculadas, além da remuneração atual (TR mais 3% ao ano). “É proporcionar ao trabalhador sua real condição de cotista do fundo”, diz Marta, sobre a distribuição do lucro do FGTS.

28/09/2011 - 11:36h Parceria de países sul-americanos vai construir laboratório subterrâneo nos Andes

México esta ao norte da linha do Equador, mas a manchete…

O chamado projeto Andes envolve cientistas de Argentina, Brasil, Chile e México e custará custará US$ 15 milhões

28 de setembro de 2011

Efe -Agencia Estado

Veja também:
link Saiba mais sobre o projeto
link Partícula viaja mais rápido que a luz
link Cientistas debatem descoberta na Suíça

BUENOS AIRES – Um grupo de cientistas vai estudar os segredos do universo em um laboratório subterrâneo de física de partículas que será instalado em um túnel na cordilheira do Andes em uma região entre a Argentina e o Chile.

O projeto Andes envolve cientistas de Argentina, Brasil, Chile e México que receberam o apoio de colegas americanos e europeus em troca da cooperação no estudo da “matéria escura”, os neutrinos e outras partículas subatômicas, explicou o coordenador da iniciativa, o físico franco-argentino Xavier Bertou.

Também “há grande interesse” em usar o laboratório para estudos de impacto dos raios cósmicos sobre o envelhecimento celular, de geofísica – para criar uma rede de sismógrafos entre a Argentina e o Chile – e de meio ambiente, com base em medições de baixíssima radioatividade, explicou o cientista.

A construção do laboratório custará US$ 15 milhões, “o equivalente a 2%” do custo do túnel rodoviário Água Negra, que unirá a cidade de Iglesia, na província argentina San Juan, à chilena de Vicuña.

O túnel que começará a ser construído no ano que vem, terá 14 quilômetros de extensão e um laboratório que será instalado a mais de 1.500 metros abaixo da superfície.

Segundo o site do projeto, em uma caverna principal serão feitos dois ou três experimentos maiores, enquanto uma cavidade secundária abrigará três ou quatro andares destinados a estudos variados, cortados por túneis de acesso que ocuparão 2.500 metros quadrados da superfície subterrânea.

Possivelmente será construída uma terceira caverna em forma de poço, com 15 a 20 metros de diâmetro e 20 de profundidade para experimentos maiores, informou.

Bertou afirmou ainda que falta pelo menos US$ 5 milhões para equipar o laboratório para estudos de física de partículas. Segundo ele, “grande parte” desses estudos só pode ser feita em locais abaixo de rochas que protegem da interferência dos raios cósmicos (que produzem os neutrinos).

Os neutrinos são partículas subatômicas que atravessam a Terra em uma velocidade de bilhões de quilômetros por segundo, e entender seu comportamento “é fundamental” para o estudo da física, acrescentou Bertou.

Os cientistas acreditam que 85% da matéria do universo é composta por “matéria escura”, cujas características são totalmente desconhecidas.

O coordenador do projeto Andes ressaltou que atualmente há mais de dez laboratórios subterrâneos no hemisfério norte, entre eles o italiano Grande Sasso, onde foram medidos os neutrinos que, aparentemente, “são mais rápidos que a luz”.

O laboratório localizado no hemisfério sul permitirá que sejam feitos estudos cruzados dos neutrinos. “Devido ao movimento da Terra, alguns estudos ganhariam muito se fossem feitos nos dois hemisférios para que os eventos extrassolares possam ser triangulados”, disse Bertou.

O projeto Andes tem o potencial de incentivar a criação de empresas de alta tecnologia, como aconteceu nas regiões próximas aos laboratórios na Europa, disseram os cientistas.

28/09/2011 - 11:28h Empreiteiras da China planejam entrada no mercado brasileiro

VALOR

De Genebra

Depois de décadas de forte crescimento das operações na Ásia e na África, empresas de construção da China agora estão de olho no mercado brasileiro, e do resto da América Latina, para expandir os negócios. Chunhe Diao, presidente da China International Contractors Association (Cica), que reúne empresas do setor com contratos de US$ 134 bilhões no exterior em 2010, disse ontem que várias empresas chinesas examinam operações de fusão ou aquisição no Brasil, visando especialmente projetos de infraestrutura.

“O Brasil é um dos mercados que vamos explorar para crescer, e temos interesse também em construção de usinas, estradas e petróleo”, afirmou o executivo ontem em Genebra. Ele participou de um seminário focado na estratégia internacional chinesa e avisou que os investimentos chineses no exterior “estão apenas no começo”.

Nada menos de 800 empresas sócias da Cica participam de projetos internacionais, apoiadas pelo crédito barato que Pequim fornece para ganharem licitações. Os contratos externos das empreiteiras chinesas passaram de US$ 2,5 bilhões em 1990 para US$ 134,4 bilhões no ano passado e provavelmente US$ 150 bilhões este ano.

O plano chinês procura combinar comércio e investimentos. Diao afirmou que a China tem excesso de produção de aço, cimento e outros produtos, sugerindo indiretamente que quer ter mais companhias operando no exterior pode ajudar a escoar esse excesso.

No Brasil, um dos projetos que interessa aos chineses é o do trem-bala, estimado em R$ 33 bilhões, para o qual Pequim está disposto a entrar com financiamento.

Qitao Liu, presidente da China Communications Construction Company, confirmou que a empresa continua interessada em participar do leilão do trem-bala. Em relação ao financiamento da obra,, disse que isso estava sendo tratado “no mais alto nível”, indicando que a participação poderia vir de decisão política.

O China ExIm Bank financia, por exemplo, 85% da construção de ponte sobre o rio Danúbio, na Sérvia. Dois terços da construção de um cassino nas Bahamas, também nas mãos de construtoras chinesas, são financiados por Pequim.

Para Changgi Wu, professor da Universidade de Pequim, o interesse da China pelo Brasil “é enorme”. Conta que, no ano passado, acompanhou alunos empresários ao Rio, todos interessados no país. Segundo ele, um empresário, que foi seu aluno, produz pisos de madeira no Brasil e está ficando cada vez mais rico. “Ele agora comprou terreno na floresta”, disse.

Os investimentos diretos estrangeiros (IDE) da China pularam de US$ 1 bilhão em 2000 para mais de US$ 60 bilhões no ano passado. Cerca de 70% foram na Ásia, outra fatia importante na África. O plano estratégico de Pequim prevê aquisições e fusões no exterior de pelo menos US$ 100 bilhões por ano, nos próximos cinco anos. É uma maneira de usar as reservas internacionais, de US$ 3,2 trilhões, e que podem duplicar até 2013.

Empresas como China National Machinery e China Railway Construction também participaram do seminário em Genebra, todas interessadas em expansão nos mercados emergentes. A mensagem principal dos chineses, trazida pelo vice-ministro de Comércio, Jian Chen, foi para os governos deixarem Pequim investir e não levantarem barreiras, sob o pretexto de segurança nacional.

Na Europa em crise, o primeiro contrato de uma gigante chinesa da construção na Europa terminou em fiasco. A empreiteira Covec está bem implantada na Ásia, tem operações na África, mas faltava a Europa. Ganhou licitação para a construção de uma estrada ligando a fronteira alemã a Varsóvia, para a Eurocopa de 2012.

A proposta chinesa era imbatível, bem mais barata que o previsto pelo governo polonês. Empresários poloneses reagiram, denunciando dumping e, na prática, um preço político, para que a Covec entrasse no mercado europeu. O grupo chinês disse que o preço era baixo em razão dos métodos de trabalho. Só que, depois de iniciar a obra, viu que não daria conta da tarefa. Quis renegociar o contrato, o que foi rejeitado pelo governo polonês, e teve que voltar para Pequim.” (AM)

27/09/2011 - 22:00h Boa noite


Ivo Pogorelich – Sonata para piano N° 46 de Haydn

27/09/2011 - 19:26h Oratório

Theodora – Oratorio in Three Acts
G. F. Handel
Act III, scenes 6-7
18-Didymus – aria -Didymus, Theodora – duo
19-Irene and Chorus

Conductor – William Christie
Director – Peter Sellars
Theodora – Dawn Upshaw
Didymus – David Daniels
Valens – Frode Olsen
Septimus – Richard Croft
Irene – Lorraine Hunt
Orchestra of the Age of Enlightenment

27/09/2011 - 13:11h Bolivia: Após repressão de protesto indígena, Evo suspende construção de estrada


Ministra da Defesa condena ordem do governo para usar a força e renuncia

27 de setembro de 2011

TALITA EREDIA – O Estado de S.Paulo

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou ontem à noite a suspensão da construção de uma estrada numa reserva indígena no norte do país e qualificou de “imperdoável” a violenta repressão policial contra a marcha indígena que se opõe à rodovia. O anúncio foi feito horas após a ministra da Defesa Cecilia Chacón renunciar em resposta à violência usada pelo governo contra a marcha.

O presidente, também indígena e ex-líder dos produtores da folha de coca, negou ter instruído a repressão policial contra a marcha. Ele também disse que a construção da estrada só será retomada se for aprovada em referendo pelos departamentos envolvidos: Cochabamba e Beni.

“Lamentamos e repudiamos os excessos cometidos ontem (domingo). Não compartilho dessa violência e dos abusos contra nossos irmãos indígenas que estavam na marcha”, disse Evo, acrescentando que pediu uma investigação sobre a denúncia de que uma criança morreu nos confrontos. A Conferência Episcopal da Bolívia confirma a ocorrência.

A licitação do projeto foi vencida pela construtora brasileira OAS (mais informações nesta página), que conta com uma verba de US$ 332 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) e já iniciou as obras nos trechos fora do parque. A estrada é parte de um dos projetos que deve ligar o Brasil ao Oceano Pacífico.

A demissão da ministra é a primeira baixa do governo do presidente Evo Morales desde o início do protesto, em agosto. Em carta, Cecília disse não compactuar com a repressão da marcha ordenada pelo governo. “Não posso justificá-la nem defendê-la enquanto existam outras alternativas no âmbito do diálogo”, afirmou a ministra.

O presidente da Confederação de Povos Indígenas da Bolívia (Cidob), Adolfo Chávez, disse ao Estado por telefone que policiais impediam o avanço dos 1.700 manifestantes desde a semana passada na região da cidade Yucumo, a cerca de 300 quilômetros de La Paz, destino final da marcha dos indígenas.

No domingo, policiais receberam ordem para dissolver a marcha e repreenderam os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo. Organizadores foram detidos e levados para a cidade de Rurrenabaque, onde os moradores ocuparam o aeroporto local e libertaram os líderes do protesto.

O ministro do governo, Sacha Llorenti, além de desmentir a morte de um menor, rejeitou versões de que outras 40 pessoas – entre elas 7 crianças – estivessem desaparecidas. Llorenti disse ainda que a polícia interveio para evitar o confronto dos indígenas com partidários de Evo. Segundo ele, o excesso de violência será investigado.

Apoio

Protestos em apoio aos indígenas espalharam-se pela Bolívia. Ontem, foram realizados atos em Cochabamba, Sucre e em Santa Cruz. A Central Obrera Boliviana, maior organização sindical do país, convocou uma greve geral para amanhã.

A estrada de mais de 300 quilômetros vai ligar os Departamentos de Beni e Cochabamba e deve dividir o Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), onde vivem três comunidades indígenas.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil (Itamaraty) manifestou preocupação com a violência na Bolívia e incentivou as negociações internas sobre o traçado da rodovia.

A chancelaria brasileira ainda reforçou a disposição do Brasil de cooperar com a obra, “um projeto de grande importância para a integração nacional da Bolívia, que atende aos parâmetros relativos a impacto social e ambiental previstos na legislação boliviana”. / COM EFE e REUTERS

Comunidades temem invasão de cocaleiros

Grupos afirmam que expansão da fronteira agrícola para produção de coca coloca em risco a reserva indígena
27 de setembro de 2011

TALITA EREDIA – O Estado de S.Paulo

Embora levante a bandeira das causas indígenas e tenha incentivado a aprovação de uma nova Constituição que favorece os nativos, o presidente boliviano, Evo Morales, diz que a estrada que atravessará a reserva florestal é essencial para a economia. Os indígenas, entretanto, argumentam que o governo violou seus direitos ao não fazer uma consulta prévia e dizem que não tem sentido realizar o plebiscito depois que o projeto já está em construção.

Gonzalo Colque, diretor da Fundação Terra, ligada aos indígenas, disse ao Estado que existe um temor muito grande com relação ao aumento da pressão demográfica e da expansão da fronteira agrícola sobre o território indígena. “São temas discutidos além da questão da proteção legal do parque. O maior deles é a invasão de assentamentos ilegais na região, principalmente para o cultivo da coca.”

Mais de 13 mil indígenas moxeños, yurakarés e chimanes vivem na reserva de 1,1 milhão de hectares. Segundo Colque, entretanto, as comunidades não vivem próximas da área do projeto da estrada, mas temem o que a rodovia deve atrair para a região.

“A estrada vai transformar o parque num grande loteamento para os cocaleiros cultivarem mais coca e aumentarem a produção de drogas. O projeto vai destruir a biodiversidade e principalmente destruir a vida de três comunidades indígenas”, afirma o presidente da Confederação de Povos Indígenas da Bolívia (Cidob), Adolfo Chávez.

Hoje, a viagem entre San Ignacio de Moxos, em Beni, e Villa Tunari, em Cochabamba, dura dias. “A estrada é positiva. Não existe nenhuma ligação entre o norte e o centro do país e todos concordam que é preciso investir em infraestrutura para promover a economia”, diz Colque. “O problema é que temos uma Constituição que reconhece o direito dos povos indígenas e o governo colocou seus interesses econômicos acima dos direitos indígenas e não consultou a população sobre o projeto.”

Segundo Colque, depois do impasse, o governo chegou a pedir sugestões de traçado para os povos indígenas. “A verdade é que as comunidades locais não têm obrigação de arcar com os custos de estudos que ofereçam alternativa ao projeto original.”

Execução brasileira

A construção da obra foi dividida em três trechos, e a construção da parte que atravessa o parque está congelada. O BNDES ainda não liberou a verba correspondente ao trecho do parque e César Uzêda, diretor da Área Internacional da OAS, afirma que a construção só será iniciada quando o impasse interno e as pendências ambientais forem solucionadas pelo governo boliviano.

A empresa brasileira afirma que todos os estudos técnicos de impacto ambiental foram realizados pela OAS. Segundo Uzêda, as licenças ambientais dos trechos 1 e 3 da obra foram aprovadas e ambos devem ser entregues em 2013.

Uzêda afirma ainda que a verba dos BNDES para o trecho 2 será liberada apenas quando a licença ambiental sobre a construção no parque for aprovada. A previsão de início das obras é de agosto de 2012, e a entrega em 2014. “Cabe ao governo sentar com as comunidades e discutir qual é o melhor traçado da via para a população local e controlar o impacto futuro na região”, afirmou Uzêda.

27/09/2011 - 12:12h Secretário agora diz ter falado em ’situação hipotética’ Acusação foi feita em vídeo

27 de setembro de 2011

O Estado de S.Paulo

O secretário estadual de Meio Ambiente e pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), voltou atrás e disse ontem que não recebeu oferta de propina pela liberação de emenda. “Falei em uma hipótese e que não deveria ser aceita. Não disse que aquele caso aconteceu em específico. Retifico o que falei. Estava dando um exemplo hipotético do que fazer num caso como aquele”, disse Bruno Covas.

Em entrevista gravada à coluna Direto da Fonte, concedida há cerca de um mês, o secretário deu a declaração ao responder se já havia passado por situação envolvendo corrupção (www.estadao.com.br/e/bruno). “Ah, já. Uma vez, consegui uma emenda parlamentar de R$ 50 mil para obra de um município. Assinamos o convênio e depois o prefeito veio perguntar com quem ele deixava os 5 mil”, contou. “Respondi: ‘Doa para a Santa Casa, eu que não vou ficar com isso’. Não sei se ele contou para os outros, mas foi o único caso que eu tive na Assembleia”. Para a cúpula tucana, o secretário recuou após a repercussão da declaração.

Na última sexta-feira, o Estado mostrou que o deputado estadual Roque Barbiere (PTB) havia denunciado que pelo menos 30% dos seus colegas da Assembleia Legislativa de São Paulo estavam ganhando dinheiro por meio da venda de emendas e fazendo lobby de empreiteiras junto a administrações municipais.

A revelação foi feita no dia 10 de agosto, ao programa Questão de Opinião, em um canal da internet. Foram 40 minutos de depoimento concedido ao entrevistador Arthur Leandro Lopes. “Não é a maioria, mas tem um belo de um grupo que vive e sobrevive e enriquece fazendo isso”, afirmou.

Durante a entrevista, gravada em vídeo, Barbiere disse que não ia citar os nomes dos envolvidos, porque não era “dedo-duro”. No entanto, garantiu: “Mas existe, existe do meu lado, existe vizinho, vejo acontecer. Falo para eles inclusive para parar”.

Após a revelação, Barros Munhoz (PSDB), presidente da Assembleia, disse que a denúncia de Barbiere “caiu como uma bomba” na Casa.

O Ministério Público do Estado abriu inquérito para investigar o caso. A Assembleia paulista abriga 94 parlamentares. Segundo as contas do deputado, cerca de 30 pares seus se enquadram no esquema de tráfico de emendas.

Barbiere, também conhecido como Roquinho, cumpre o sexto mandato consecutivo de parlamentar estadual e integra a base aliada do governo Geraldo Alckmin (PSDB). Ele está na política há 29 anos.

27/09/2011 - 12:01h Em busca do bumbo perdido

Por Raymundo Costa – VALOR

O PSDB perdeu três eleições presidenciais consecutivas, mas aumentou percentualmente sua participação no eleitorado nacional. Ainda assim, a tendência é que os tucanos não alcancem o número de votos necessários para voltar a ocupar o Palácio do Planalto, nas eleições de 2014, mantida a taxa de crescimento do partido nas eleições para presidente da República realizadas desde 2002, a primeira vencida pelo Partido dos Trabalhadores.

Essa é uma das conclusões a que chegou a pesquisa encomendada pelo PSDB ao sociólogo Antonio Lavareda, que deve servir de parâmetro para os tucanos em seu processo de reestruturação partidária. O PSDB já marcou para o fim de outubro a realização de um congresso nacional para dar a partida no projeto 2012. O objetivo é começar a reestruturação pelas bases municipais, em declínio desde 2000. E a meta é a eleição de mil prefeitos.

Se o número de votos válidos nos candidatos a presidente do PSDB cresceu a cada eleição, desde 2002, muito embora os tucanos tenham perdido as três, a base municipal teve uma trajetória inversa. O número de votos válidos (e de prefeitos) do PSDB diminuiu depois da eleição de 2004, a última em que pode contar com os benefícios de ter sido governo entre 1995 e 2003.

Pontos fortes e fracos do PSDB para as eleições de 2012

Para presidente, o percentual dos votos válidos dos candidatos tucanos foi 38,7% (2002), 39,2% (2006) e 43,9% (2010). Nessa toada, a tendência é que o candidato tucano, nas eleições presidenciais de 2014, fique com 45,8% dos votos válidos. Ou seja, um percentual ainda insuficiente para tirar o PT do Planalto.

Para prefeito, a tendência é de declínio. Em 2004, o PSDB teve 16,5% dos votos válidos, percentual que, em 2008, caiu para 14,6%. Nesse ritmo, a projeção é que os tucanos cheguem às eleições municipais do próximo ano com 14,3% dos votos válidos, segundo o estudo de Lavareda. Atualmente, são 793 prefeitos. Eles já foram 990.

Para interromper e alterar essa tendência, o deputado Sérgio Guerra, presidente nacional do PSDB, propõe uma “mudança de rumos” tanto no padrão de organização como no padrão de comunicação dos tucanos. A base seria o trabalho de Lavareda – além das pesquisas quantitativa e qualitativa, foram realizadas entrevistas com mais de 30 líderes tucanos. “Ganhamos eleitoralmente, mas não ganhamos um discurso político”, diz Sérgio Guerra.

Pernambucano, 63 anos, economista por formação, o deputado Sérgio Guerra foi reeleito para a presidência do PSDB no contexto de uma nova maioria, entre os tucanos, na qual a pré-candidatura presidencial do senador Aécio Neves (MG) é majoritária.

Guerra quer mudar o jeito de ser tucano. “É preciso mudar nosso vocabulário, que é hermético, nos expandirmos na nova mídia”, diz, referindo-se à internet, na qual os tucanos apanham feio do PT, segundo Guerra. “Vamos abrir o PSDB, a nossa imagem é a de partido de caciques, de cúpula”. A proposta de Guerra é o PSDB reconstruir a base municipal em declínio, apropriar-se dos créditos das realizações dos oito anos em que esteve no governo e se fazer compreendido pelo eleitorado.

“O PSDB não consegue se fazer compreendido. O PT e o PV são mais compreendidos em sua natureza do que o PSDB”, diz Guerra. Segundo a pesquisa de Lavareda, 72% dos entrevistados sabem o que significa a sigla PT, enquanto outros 59% não têm dificuldades para associar imediatamente o PV aos verdes e às questões ambientais. Apenas 28% reconhecem a sigla PSDB.

No universo pesquisado, 69% fizeram uma avaliação positiva do conceito “Social-Democracia”, mas ele não é relacionado aos tucanos. “O Brasil não tem a noção de que nós somos o partido da social-democracia”, diz Sérgio Guerra. “É preciso que nossos atributos sejam reconhecidos. O PSDB deve se projetar para o futuro, mas precisa ter uma trajetória reconhecida como tal: o que fizemos, quem nós somos”.

“Cometemos um erro, nossas marcas não foram apropriadas pelo PSDB”, diz Guerra, tomando o cuidado de não fazer recriminações. “Ao longo dos anos foi se firmando no meio do povo que as coisas boas tinham origem no PT”, especula, antes de citar um exemplo concreto: os medicamentos genéricos, criação de José Serra, quando ministro da Saúde, que 40% da população credita ao governo Fernando Henrique Cardoso e outros 40% ao governo Lula.

Guerra traz o exemplo na ponta de língua – trata-se de um afago em José Serra, adversário que tanto ele como Aécio Neves preferem próximo a ter como inimigo nas eleições de 2014. Mas a pesquisa de Lavareda revela outros dados interessantes sobre a percepção que a opinião pública tem dos governos tucano e petista. Hoje, 66% dão o crédito a FHC pelo Plano Real, enquanto 17% o atribuem a Lula. O saldo é de 49 em favor do PSDB. Mas quando se fala do Bolsa Família, o saldo pró-Lula é de 60 (75% a 15%). Presidente, FHC sempre reclamou que o PSDB não batia bumbo para os feitos do governo.

O diagnóstico de Lavareda aponta a correlação entre percentuais de voto e mostra como é forte a influência que a eleição de prefeitos tem na eleição de deputados federais. Daí o investimento a ser feito em 2012: a eleição da bancada na Câmara, dois anos depois, é que define o tempo de televisão do partido e sua cota no fundo partidário.

Desde 1998, quando o PSDB reelegeu FHC e fez uma bancada 99 deputados, a representação do partido, a exemplo do que ocorreu com o número de prefeituras, também diminuiu: 71 (2004), 66 (2006) e 53 (2010).

Guerra enxerga nos números razões para ser otimista. Nos 80 municípios com mais de 200 mil eleitores, totalizando 48,9 milhões de votos (36,2% do eleitorado em 2010), José Serra ganhou a eleição para presidente em 40 cidades que não são governadas pelo PSDB, “o que sinaliza a possibilidade de crescimento”, diz o deputado. Em 29 dos 40 municípios em que Serra foi o mais votado o prefeito é de um partido da base de sustentação do governo. Dos 80 municípios, os tucanos só elegeram prefeito em 13, nas últimas eleições.

Raymundo Costa é repórter especial de Política, em Brasília. Escreve às terças-feiras

E-mail raymundo.costa@valor.com.br

27/09/2011 - 11:51h Bruno Covas vai a prévias ‘irreversíveis’


Com 4 pré-candidaturas, PSDB só espera confirmação de que Serra não será candidato para começar debate, diz presidente municipal

27 de setembro de 2011

DAIENE CARDOSO, AGÊNCIA ESTADO – O Estado de S.Paulo

Deputado estadual mais votado em São Paulo, o secretário de Meio Ambiente, Bruno Covas, oficializou ontem sua pré-candidatura à Prefeitura pelo PSDB. Agora são quatro pré-candidatos referendados pela executiva estadual – além de Bruno, José Aníbal, Ricardo Tripoli e Andrea Matarazzo. O presidente do diretório municipal, Júlio Semeghini, dá como inevitável a realização de prévias.

“Dificilmente não teremos prévias. Um acordo é muito difícil, é praticamente impossível neste momento”, disse Semeghini, após evento em que Bruno anunciou a pré-candidatura. O próprio secretário, contudo, admitiu que há uma hipótese de abrir mão da pré-candidatura. “Se o (ex-governador José) Serra quiser ser candidato, ele está num patamar acima de todos.”

Serra precisa anunciar formalmente que não pretende disputar a eleição municipal para que o partido comece a debater as prévias. “Deixando claro que não é candidato, o partido se preparará para os novos desafios”, afirmou Semeghini. Serra poderá se manifestar até um mês antes da realização das prévias.

De acordo com o presidente do diretório municipal, sem o fator Serra, a escolha do candidato por votação interna é consenso entre os caciques tucanos. “Existe uma grande unidade que há muito tempo não se construía”, ressaltou Semeghini.

Os quatro pré-candidatos já foram referendados pela executiva estadual do partido e devem passar agora pela executiva municipal. As prévias devem ocorrer entre dezembro e março. “Não estamos preocupados se o PT vai lançar candidato antes ou não. A gente quer estar muito unido”, ressaltou Semeghini.

Em evento no diretório estadual, Bruno Covas disse viver mais tempo em São Paulo que na sua terra natal, Santos. “Só não tinha devidamente formalizado o meu domicílio eleitoral. Agora tenho. Agora sou paulistano por inteiro”, disse. Acompanhado da mãe, Renata Covas, e do tio Mario Covas Neto, o Zuzinha, chegou à sede do diretório estadual aos gritos de “prefeito”.

Em discurso, ressaltou sua ligação com o avô, o governador Mário Covas. O tucano também defendeu a bandeira da renovação na política e disse estar motivado para disputar o pleito com outros novatos: “Isso marca o grande diferencial da eleição do ano que vem: pessoas novas, novas ideias e propostas”.

Mudança. Semeghini esteve ontem na casa do senador Aloysio Nunes Ferreira para saber se o parlamentar, pressionado pelo grupo serrista, realmente não será candidato. Aloysio, que antes se encontrara com Alckmin, reafirmou que não mudará o título do interior para a capital. “É uma posição muito coerente. Fortalecerá as prévias, pois não deixa dúvidas sobre sua intenção de não disputar”, disse Semeghini. / COLABOROU JULIA DUAILIBI

26/09/2011 - 22:00h Boa noite


Gautier Capucon – Variações sobre um tema de Rossini, de Paganini

26/09/2011 - 19:13h El Desdichado


Philippe Jaroussky & Karine Deshayes El Desdichado, Saint Saens