31/12/2011 - 22:00h Feliz 2012


Cinema Paradiso


Gilda


Gilda


Top hat

31/12/2011 - 17:57h Ollanta Humala y Dilma Roussef, personalidades del año 2011

SEGÚN ENCUESTA DEL GRUPO DE DIARIOS DE AMÉRICA (GDA)

Ollanta Humala, figura clave en América Latina

Comparte el primer lugar del sondeo con presidenta Dilma Rousseff

Estudio toma opiniones de directivos y editores de once periódicos

Los presidentes del Perú, Ollanta Humala Tasso, y de Brasil, Dilma Rousseff, respectivamente, son los personajes más relevantes de América Latina en 2011, según una encuesta del Grupo de Diarios de América (GDA), que reúne a once importantes diarios de la región.

El estudio incluye las opiniones y respuestas de los principales directivos periodísticos de estos medios de comunicación, tomadas entre noviembre y diciembre de este año.

Humala y Rousseff empataron, con 22 votos cada uno, en la categoría Personajes más Relevantes para Latinoamérica. El primero, porque “cambió su imagen y logró acceder a la presidencia del Perú”; y la segunda, porque “salió a combatir de frente la corrupción”, según publicó ayer La Nación de Argentina.

Ambos dignatarios, que comparten una buena relación y afinidad, iniciaron sus gobiernos en 2011 y tienen aún un amplio mandato por delante.

Otras personalidadesEn el segundo lugar, por el personaje más relevante de la región, se dio otro empate, esta vez entre la presidenta de Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, y el dignatario colombiano, Juan Manuel Santos.

Luego, en la tercera ubicación –según los directivos de los diarios del GDA– figura la lideresa estudiantil chilena Camila Vallejo.A escala mundial, la encuesta ubica a la canciller alemana, Angela Merkel, como la personalidad más relevante, por su importante rol en los esfuerzos para superar la crisis de la eurozona.

Aparece también el presidente de Estados Unidos, Barack Obama, quien “tras un intenso año de crisis económica mundial luchará para lograr la reelección en noviembre de 2012″.

En tercer lugar, figura el egipcio Wael Ghonim, ciberactivista y joven ejecutivo de Google, quien “se transformó en uno de los impulsores de la revuelta que derrocó a Hosni Mubarak, en Egipto”.

Apoyo social

En Andahuaylas, el Presidente Humala se desplazó ayer a la cancha de fútbol de Cuncataca, donde se desarrolló una campaña de ayuda social.

Allí, Ollanta Humala visitó los módulos instalados por representantes y servidores de los ministerios de Salud, Trabajo, Defensa, Interior, Justicia, Agricultura, Vivienda, Construcción y Saneamiento, del Ambiente y Cultura.Asimismo, Transportes y Comunicaciones, de la Mujer y Desarrollo Social y el Ministerio de Desarrollo e Inclusión Social, el Reniec y Defensa Civil.

Reacciones

Juan Varilias Velásquez. Presidente de Adex
“El buen manejo económico y el impulso a las reformas sociales explican el reconocimiento al presidente Ollanta Humala como personaje más relevante de América Latina en 2011. Su estilo de gobierno –caracterizado por la continuidad del modelo económico, las reformas sociales y el cumplimiento de promesas– es bien recibido en los ámbitos local e internacional. Lo interesante es que está cumpliendo lo ofrecido.

“Jorge Bayona Medina. Embajador del Perú en Brasilia 

“El balance de la relación bilateral entre el Perú y Brasil durante este año es muy positivo. Entre tanto, las perspectivas para la cooperación y el intercambio bilateral en 2012 son de las mejores. Los presidentes Dilma Rousseff y Ollanta Humala se han reunido hasta en tres oportunidades en los últimos meses, lo que demuestra la afinidad existente entre ellos y el reconocimiento de la importancia de la agenda bilateral.”

Fecha:31/12/2011

30/12/2011 - 22:00h Boa noite


Por una cabeza -

30/12/2011 - 17:45h Amores perros

Por: Mirko Lauer – La República

Con el fin del año ha llegado a Lima una extraordinaria novela. El hombre que amaba a los perros, del cubano Leonardo Padura (Tusquets, Buenos Aires, 2011) le da un giro contemporáneo a la conocidísima historia del asesinato de León Trotsky en México a manos de un agente infiltrado en su círculo íntimo por José Stalin, 1940.

Parte del giro está en que el narrador es un cubano que vive en La Habana, presenta al lado del relato histórico su propia vida diaria en la dictadura burocrática contemporánea de los hermanos Castro, y expresa una suerte de simpatía objetiva hacia el lado humano de Trotsky, la víctima de esta historia.

El otro giro es que se trata de una obra de tema político deliberadamente escrita en la forma de una novela de serie negra policial. Padura no omite los contenidos de la enemistad Stalin-Trotsky, pero el tema central es la cacería misma, evocada desde los años 80 como un secreto peligroso, acaso por estar el narrador en Cuba.

El último cubano célebre que narró el asesinato de Trotsky fue Guillermo Cabrera Infante. Su novela Tres tristes tigres (1964) presenta una parodia de cómo tratarían el tema diversos escritores cubanos. Entonces evocar los crímenes de Stalin era una provocación en la isla, aun si el XX Congreso desestalinizador del PCUS había sido ocho años antes.

Hoy las cosas son diferentes. El autoritarismo del régimen cubano nunca ha podido, y en verdad tampoco querido, ni remotamente competir con la vesania del alcohólico Stalin y sus ejecutores. Padura se las ingenia para reconocer esto y a la vez para tender un largo arco de relación entre el horror soviético y las playas tropicales.

Es inevitable que el lector llegue a la conclusión de que todo sistema staliniano, radical o moderado, necesita uno o varios Trotskys para mantener las cosas en su sitio. Los hermanos Castro se libraron de sus críticos y detractores muy temprano, con eficacia y sin la truculencia del colega georgiano. Pero la comparación llegará tarde o temprano.

El libro tiene el ritmo y la estructura de las policiales modernas, y esok inevitablemente influye en nuestra percepción del célebre asesinato. Lo que suele ser presentado como una pugna ideológica aquí aparece sobre todo como la conspiración de un asesino compulsivo, que empieza devorando fichas y termina comiéndose el tablero mismo.

Por eso si bien hay en el texto un Stalin infame, no hay en cambio un Trotsky heroico (el tiempo de la novela empieza después de su caída en desgracia). La naturaleza de la víctima rara vez es relevante en el discurso de la serie negra; es la mentalidad del protagonista lo que nos hace avanzar en la lectura.

30/12/2011 - 17:00h Diálogos na Amazônia

O fotógrafo Araquém Alcântara e o chef Alex Atala lançam livro de expedições

ANTONIO GONÇALVES FILHO – O Estado de S.Paulo

O fotógrafo Araquém Alcântara e o chef Alex Atala têm experiências em comum no território amazônico. O avô do último, um aventureiro inglês, foi mandado à Amazônia boliviana por uma empresa londrina que comprava látex dos caboclos. Passou alguns anos por lá, casando-se com uma índia boliviana. O próprio Alex, seguindo o exemplo do avô, já se aventurou em inúmeras expedições amazônicas, chegando a ser sequestrado por índios, experiência pela qual passou igualmente o fotógrafo Araquém, que completa 40 anos de carreira lançando com o chef Atala o livro Amazônia.

Também em parceria e pela mesma editora, TerraBrasil, fundada pelo fotógrafo, ele lança o livro Cachaça, que tem prefácio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e texto do sommelier Manoel Beato (leia abaixo). Não são apenas curiosas parcerias – uma com um especialista em gastronomia e outra com um respeitado degustador de vinhos que, desde 2008, apresenta o programa Adega Musical, na Rádio Eldorado. Os dois livros revelam um Brasil que poucos conhecem – e, como se diz, é preciso conhecer para preservar, não só a natureza da Amazônia, mas a cultura da degustação, tanto da comida amazônica como da mais típica bebida brasileira, a cachaça.

A história da relação entre Araquém, Atala e a Amazônia já tem mais de 30 anos. Ambos fizeram uma centena de viagens à região no período. Araquém se descobriu fotógrafo da natureza ao topar com uma onça bebendo água num igarapé, em 1979. Desde então, decidiu que iria fotografar não só a floresta amazônica como todos os parques nacionais, a exemplo do que fez Ansel Adams (1902-1984) nos parques americanos. Atala teve também num momento epifânico, intuindo que seu trabalho missionário seria o de cruzar o que ele chama de “a próxima grande fronteira do sabor”. Hoje, inclui em seus pratos ingredientes da Amazônia, como a pripioca (uma raiz aromática), a folha do jambu, o tucupi e o cupuaçu, que apresentou à cultura gastronômica europeia, revolucionando suas tradições culinárias.

Assim como Araquém, que descobriu a dificuldade de se fotografar os parques amazônicos sem ser incorporado gradativamente ao ambiente, Atala concluiu que não daria para descobrir o gosto da Amazônia em restaurantes. Há dois anos, num lugar já fotografado por Araquém, Cabeça de Cachorro, no Noroeste da Amazônia – tema de um livro homônimo em parceria com o médico Drauzio Varella -, Alex topou com uma índia baré, a dona Brasi, que vendia seus quitutes na feirinha de São Gabriel da Cachoeira. Foi com ela que descobriu uma receita de tucupi com saúva depois levada a um encontro gastronômico na Bélgica. A princípio desconfiados do formigão, chefs e críticos de gastronomia fizeram cara feita para a saúva, mas essa resistência foi vencida na primeira garfada.

O livro Amazônia não é, porém, um exercício apologético. Araquém fotografa a exuberância da região com um olho e a sua destruição com outro – 20% da maior floresta do planeta, ou o equivalente a duas Alemanhas e três Estados de São Paulo, lembra o fotógrafo, já desapareceram. O registro da paisagem e dos seres que habitam a floresta, justifica o fotógrafo, faz parte de sua luta política pela preservação ambiental. Ela o fez decidir, na hora de escolher a foto da capa do livro, pela imagem de um indiozinho com um caju na boca e uma tiara feita com penas de urubu-rei, da tribo zoé. Esses índios, que ocupam terras próximas ao Rio Cuminapanema, no Pará, formam, segundo ele, uma tribo de 230 pessoas, só contatada em 1995.

Visitando os confins da Amazônia em suas expedições, o fotógrafo acumulou acervo de 150 mil imagens e já publicou cinco livros. “Comecei fotografando a Amazônia como se estivesse na janela de um foguete, mas estou indo cada vez mais longe em busca de tribos isoladas para fazer um livro que vai se chamar Iauaretê.” O nome evoca o conto de Guimarães Rosa sobre um tio do narrador que se transforma em onça, bicho mágico na cosmovisão dos povos da floresta. Antes disso, a carreira de Araquém já registra sua primeira incursão internacional no cinema. Ele aparece no primeiro filme em 3D rodado na Amazônia por uma equipe francesa, a história de um macaco que cai de uma avião próximo ao Monte Roraima. E sobrevive. O filme de Thierry Ragobert, Amazônia, Planeta Verde, estreia em 2013.

30/12/2011 - 15:55h Com Paes, PMDB tenta consolidar hegemonia no Rio

Favorito para 2012, com apoio de 18 partidos, prefeito impulsiona gestão com publicidade astronômica, obras da Copa e da Olimpíada

30 de dezembro de 2011

ALFREDO JUNQUEIRA / RIO – O Estado de S.Paulo

Embalado por uma coligação de 18 partidos, obras monumentais para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 e por investimentos recordes em publicidade institucional, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), é candidato favorito à reeleição na disputa eleitoral do ano que vem.

Na mais recente pesquisa do Ibope, encomendada pela Band e divulgada esta semana, Paes lidera com 36% das intenções de voto e tem a mais baixa rejeição entre os candidatos, com apenas 29% (leia mais ao lado).

A vitória do peemedebista representaria a consolidação da hegemonia do partido no Estado, onde já controla desde 2007 o governo, com Sérgio Cabral, e administra outros 35 dos 92 municípios fluminenses – que reúnem 57,47% da população.

Paes aplicou R$ 98,42 milhões em publicidade em seus três primeiros anos de gestão – os dados de 2011 estão consolidados até dezembro. Outros R$ 28,74 milhões estão reservados no orçamento municipal.

O valor já usado pelo atual prefeito em propaganda representa uma elevação de 2.450% em comparação com o que foi gasto pelo seu antecessor, Cesar Maia (DEM), entre 2005 e 2008.”Pensei até que fosse mais. Ele (Cesar Maia) não fez publicidade nenhuma nos últimos quatro anos dele”, alegou. “Eu acho importante o governo se comunicar e vou continuar comunicando”, afirmou o prefeito.

O cenário político permite ao prefeito até ironizar quando fala sobre a campanha eleitoral: “Quem disse que eu sou candidato à reeleição?” Mas Paes é candidato. A interlocutores, diz que gostaria de ser prefeito do Rio para sempre.”Vamos lá. A vida como ela é: eu não perco um minuto da minha vida pensando em adversários. Eu cuido do meu governo. Tenho um ano e 16 dias de mandato para cumprir. Vou trabalhar para fazer tudo direitinho até o fim”, disse o prefeito ao Estado no dia 14 de dezembro.Ao avaliar seu governo, Paes comemorou: “Eu não vou ser modesto. São tantas mudanças, tantos avanços, que posso dizer que arrebentamos”. Apesar do entusiasmo, reconhece ter problemas a resolver nas áreas de saúde e transporte.Entre os adversários ignorados por Paes, dois já foram oficialmente anunciados: Marcelo Freixo (PSOL) e Rodrigo Maia (DEM). O PSDB ainda vai definir entre o deputado federal Otávio Leite e a vereadora Andrea Gouvêa Vieira – com mais chances para o primeiro.O ex-jogador e deputado federal Romário (PSB) chegou a anunciar sua intenção de disputar a prefeitura, mas o partido está comprometido com a reeleição de Paes. O PPS ainda discute se lança candidato próprio, que seria o ator e deputado federal Stepan Nercessian, ou se adere à campanha do peemedebista.Onda. Confirmado na disputa, Freixo vem embalado com os 177 mil votos que o reelegeram para a Assembleia Legislativa (Alerj) e pode protagonizar nova edição da onda eleitoral que colocou Fernando Gabeira (PV) no segundo turno em 2008 e que fez Marina Silva (então no PV) ficar em segundo lugar na capital e no Estado na eleição presidencial do ano passado. No discurso, Freixo já parece afinado com os dois.”A grande aliança que eu quero fazer é com a sociedade civil organizada. Acho que o Eduardo ter uma aliança com 18 partidos não é um problema para mim. Isso é um problema para ele, que vai ter que lotear o governo e atender os setores mais conservadores e corruptos. Esse projeto de poder não me interessa”, disse o deputado do PSOL, que ganhou notoriedade ao comandar a CPI das Milícias na Alerj e ao inspirar o personagem Diogo Fraga no filme Tropa de Elite 2. José Padilha, diretor da obra, comandará os programas eleitorais de Freixo.

Deputado federal e filho de Cesar Maia, que deve se lançar a vereador, Rodrigo Maia conta com o apoio do PR do ex-governador e deputado federal Anthony Garotinho. Filha do ex-governador, a deputada estadual Clarissa Garotinho pode integrar a chapa como vice. Ex-adversários, com altos índices de rejeição ao final de seus mandatos e alvos de ataques recíprocos por anos, Maia e Garotinho uniram forças contra os agora inimigos comuns: Cabral e Paes.”O acordo entre os partido está consolidado. Só falta definir se a Clarissa será a vice, o que tenho a convicção que será importante”, disse Rodrigo. “A situação do Eduardo não é confortável. Seus índices são positivos, mas longe de ser ideais. A saúde, seu carro-chefe de campanha, está muito ruim e a avaliação de Cabral está caindo”, afirmou o candidato do DEM.

Gabeira. Personagem central da campanha de 2008, quando foi derrotado porl Paes no segundo turno por apenas 55 mil votos, Gabeira não pretende disputar nada no ano que vem. Ele chegou a cogitar uma candidatura à Câmara dos Vereadores, mas desistiu. Defende agora uma aliança com Freixo. O PV, no entanto, articula a candidatura da também deputada estadual Aspásia Camargo.”Vou esperar uma mudança na situação política do Brasil”, disse Gabeira. “Enquanto não houver disposição da sociedade de participar efetivamente das campanhas, as máquinas políticas vão predominar”, justificou.

Aliança. Entre os partidos coligados a Paes, coube ao PT indicar o candidato a vice, o vereador Adilson Pires. O partido já participa da administração municipal, controlando as secretarias de Habitação e de Desenvolvimento Econômico Solidário. Mas há dissidências. O deputado federal Alessandro Molon já se colocou contra a aliança e articula um movimento interno de resistência à reeleição do prefeito.

O PSD também está na aliança. Um jantar realizado no dia 12 reuniu as lideranças locais dos dois partidos e contou com a participação do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que confirmou o apoio a Paes ano que vem.Terceiro colocado nas eleições de 2008, o senador Marcelo Crivella e o seu PRB, com influência forte no eleitorado evangélico, também vão apoiar a reeleição. Paes ainda conta com o apoio de PP, PTB, PSB, PDT, PCdoB, PSC e outras oito legendas menos expressivas. / COLABOROU WILSON TOSTA

30/12/2011 - 15:02h Seguro-desemprego é reajustado em 14,13%

Codefat informa que o novo valor passa a vigorar em 1º de janeiro

Rosana de Cassia, da Agência Estado

BRASÍLIA – O valor do seguro-desemprego foi reajustado em 14,1284%. A resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) foi publicada hoje, no Diário Oficial da União. O novo valor passa a vigorar em 1º de janeiro. Veja a íntegra:

CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 685, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011

Dispõe sobre o reajuste do valor do benefício Seguro-desemprego.O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador – CODEFAT, no uso das atribuições que lhe confere o inciso IX do Artigo 19 da Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990, resolve:

Art. 1º A partir de 1º de janeiro de 2012, o valor do benefício do Seguro-Desemprego terá como base de cálculo a aplicação do percentual de reajuste de 14,1284%.

Parágrafo único. Para cálculo do valor do benefício do Seguro- Desemprego, segundo as faixas salariais a que se refere o artigo 5º, da Lei nº 7.998/1990, e observando o estabelecido no § 2º do mencionado artigo, serão aplicados os seguintes critérios:I – Quando a média dos 3 (três) últimos salários anteriores à dispensa for de até R$ 1.026,77 (um mil, vinte e seis reais e setenta e sete centavos), o valor da parcela será o resultado da média salarial multiplicado pelo fator 0,8 (oito décimos);
II – Quando a média dos 3 (três) últimos salários anteriores à dispensa for compreendida entre R$ 1.026,78 (um mil, vinte e seis reais e setenta e oito centavos) e R$ 1.711,45 (um mil, setecentos e onze reais e quarenta e cinco centavos), aplicar-se-á o fator 0,8 (oito décimos) até o limite do inciso anterior e, no que exceder, o fator 0,5 (cinco décimos). O valor da parcela será a soma desses dois valores;
III – Quando a média dos 3 (três) últimos salários anteriores à dispensa for superior a R$ 1.711,45 (um mil, setecentos e onze reais e quarenta e cinco centavos), o valor da parcela será, invariavelmente, R$ 1.163,76 (um mil, cento e sessenta e três reais e setenta e seisCentavos).

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se a Resolução nº 663, de 28 de fevereiro de 2011, deste Conselho.

LUIGI NESEVice-Presidente do Conselho

29/12/2011 - 22:00h Boa noite


Itzhak Perlman and The City of Praga Philharmonic Orchestra at Santiago, Chile on 18th nov, 2010.

29/12/2011 - 17:04h Brasil cresce com realismo

29 de dezembro de 2011

ALBERTO TAMER – O Estado de S.Paulo

Apesar do recuo nos últimos meses, a economia brasileira encerra o ano bem, muito bem mesmo. Cresceu menos, vai ficar só em torno de 3%, porque tinha crescido muito em 2010, mas termina o ano inteira, como registram os indicadores econômicos divulgados ontem pelo Banco Central. São todos positivos, mesmo com a inflação batendo no teto da meta, mas sob controle.É a sexta no mundo. O PIB brasileiro passou o do Reino Unido e pode alcançar a França, não porque cresceu muito, mas porque eles estagnaram a caminho de uma recessão que todos os institutos de pesquisa e até o Fundo Monetário Internacional (FMI) admitem como inevitável. O Brasil avança 3%, eles recuam 0,6%. Deve passar a França em 2012, deixando para trás os dois países mais desenvolvidos da Europa, depois da Alemanha. Esse fato é importante e não pode ser subestimado. Não é apenas simbólico. É a constatação de uma nova realidade, reconhecida pelo FMI, que deve se confirmar em 2012 porque as medidas de incentivo à demanda já estão sendo aplicadas há mais de um ano no Brasil – que decidiu crescer por dentro. Está explorando e fortalecendo o próprio mercado. As medidas deram certo – em 2008, o consumidor reagiu rapidamente, e não há razão para não acreditar que não darão certo agora. A verdade é que nós acertamos, e eles erraram. Não só isso, continuam errando. Isso já havia ocorrido em 2008 e repete-se agora, agravado pelo peso de uma dívida soberana média na Europa de 100% em contraste com a nossa de 36,6%. A deles, incluindo a dos Estados Unidos, aumenta e a nossa recua. Era de 42% em 2009.Ajuda e muito. Não é um resultado apenas simbólico. Isso melhora ainda mais a imagem do Brasil, no cenário internacional, facilita a atração de capital externo, que foge dos países em crise e estão vindo para o Brasil. No ano que termina foram US$ 62 bilhões só de investimentos diretos. Mais significativo ainda é que a tendência na Europa, no Japão, nas chamadas economias centrais, é de que a economia continue desacelerando em 2012, enquanto no Brasil, na pior das hipóteses, voltará a crescer 3%. Se as medidas de incentivos forem ampliadas e intensificadas, como o governo anuncia agora, pode chegar a 4%. O próprio FMI admite que a União Europeia não terá um ano, mais uma década perdida. Vamos subir mais algumas escalas na lista das maiores economias mundiais, atrás dos Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França, que gatinha. É isso. É um fato.Sem festa. O governo e os economistas brasileiros receberam o resultado com realismo, sem festa nem oba-oba. Ninguém saiu em Brasília dizendo “Isto sim é que é país”. Ou dizendo que o Brasil não é mais o país do carnaval. E ao que se saiba, não há ainda em formação, no Rio, nenhum bloco do “Somos o Sexto”a desfilar ao lado do bloco do Lula. O ministro Guido Mantega foi sóbrio. Louvou o avanço, disse que subimos também porque eles desceram, é inevitável que passemos a França – a diferença agora é de US$ 300 milhões – porque o país está se retraindo e caminhando para a recessão. Mas, com extremo realismo, Mantega afirmou que as diferenças econômicas e sociais entre eles e o Brasil são enormes. O Reino Unido tem um PIB per capita de US$ 39,6 mil e o Brasil apenas US$ 13 mil; o nosso cresceu mais, 3,8%, o deles apenas 1,1%. Mas “necessitamos ainda de fortes investimentos sociais e econômicos para consolidar um padrão de vida próximo dos europeus”. E com ainda mais realismo: “Isso deve acontecer em 10 ou 20 anos”. Temos a obrigação de continuar crescendo mais do que os outros para criar emprego e aumentar a renda da população. A boa notícia é que o governo admite que há sérios desafios. Vai subir na escala da economia mundial, mas é preciso mais. Não é porque eles estão mal que sozinhos estaremos melhor.

Feliz 2012! Aos leitores que me acompanharam neste ano e aos que acompanham a coluna nos 18 anos de existência que completará em 2012, um ano-novo em que os sonhos e as esperanças se realizem. Temos de confiar.

29/12/2011 - 16:34h Aprovação de presidente chileno atinge recorde de baixa-pesquisa

REUTERS – Agência Estado

A aprovação dos chilenos ao presidente Sebastián Piñera caiu para 23 por cento, um novo mínimo para um mandatário do país desde a volta da democracia em 1990, enquanto a desaprovação subiu com força, segundo uma sondagem de um respeitado centro de estudos.O resultado divulgado na quinta-feira pelo Centro de Estudos Públicos (CEP) mostrou que o apoio ao mandatário de centro-direita diminuiu 3 pontos percentuais em comparação com a medição de junho-julho.

A desaprovação ao mandatário, por sua vez, subiu de 53 por cento para 62 por cento, em um ano marcado por grandes manifestações em favor de uma reforma no sistema educacional.Piñera, bilionário com uma fortuna avaliada em 2,2 bilhões de dólares, ganhou as eleições com mais de 51 por cento dos votos no início de 2010.

Desde a volta da democracia em 1990, o nível mais baixo na gestão de um governo tinha sido o do democrata-cristão Eduardo Frei, com 28 por cento de apoio em 1999, numa época em que a economia era golpeada pelo impacto da crise asiática.Fortes manifestações estudantis pedindo melhoras no sistema público de ensino contribuíram para a queda sustentada na aceitação de Piñera e da gestão de seu governo, embora a economia tenha crescido mais de 6 por cento este ano.

Entre as personalidades políticas mais importantes da coalizão governista, o ministro das Obras Públicas, Laurence Golborne, lidera a avaliação com 66 por cento, abaixo dos 81 por cento alcançados por ele depois de protagonizar o resgate dos 33 mineiros soterrados no ano passado.

Na oposição, a ex-presidente de centro-esquerda Michelle Bachelet aparece com 82 por cento de avaliação positiva.O CEP é uma fundação privada que recebe recursos de particulares e de empresas chilenas, e conta com o apoio de instituições estrangeiras como a norte-americana National Endowment for Democracy (NED).(Reportagem de Felipe Iturrieta) 

NOTÍCIAS RELACIONADAS:

28/12/2011 - 22:00h Boa noite


José Carreras – Una furtiva lagrima

28/12/2011 - 16:54h Um país quase sério

Rolf Kuntz – O Estado de S.Paulo

A notícia é melhor do que muitos avaliam. Segundo uma opinião corrente, o Brasil ganha posições entre as maiores economias em parte por mérito próprio e em parte por causa da crise na Europa e nos Estados Unidos. Esse julgamento despreza um fato muito importante: haver enfrentado a crise com menos danos que outros grandes países talvez seja o maior de todos os méritos. Erros políticos em série levaram o mundo desenvolvido à catástrofe iniciada em 2007, com o estouro da bolha financeira, e agravada a partir do ano passado, com o risco de calote soberano. Até os maiores defensores da política brasileira esquecem com frequência outro detalhe. Em 2008-2009, muitos governos arrebentaram suas contas para impedir uma quebradeira maior de bancos e de grandes indústrias. Grupos importantes foram praticamente estatizados. Até o governo do presidente George W. Bush engavetou por algum tempo a cartilha republicana para envolver o Tesouro nas operações de socorro. No Brasil, a política anticrise foi bem mais limitada e, apesar de algum desarranjo no Orçamento, as consequências fiscais foram muito menos graves.

A crise foi mais que uma simples marola, mas a recuperação foi rápida e as sequelas foram muito menos graves que no mundo rico. Três fatores beneficiaram o Brasil. O primeiro foi a solidez da maior parte do sistema financeiro. As condições de segurança haviam sido reforçadas a partir de algumas grandes quebras no começo dos anos 90. O País adotou padrões mais severos que as normas de Basileia. Em vários países do mundo rico, essas normas nem eram aplicadas integralmente em 2007. Além disso, todos os segmentos do mercado são há muito tempo cobertos, no Brasil, pelos esquemas de supervisão.

O segundo fator foi a razoável condição das contas públicas. Mesmo sem austeridade, o governo pôde agir sem comprometer gravemente as finanças federais. O endividamento aumentou, mas de forma administrável, e o rápido crescimento da receita pública, a partir de 2010, deu ao Tesouro maior segurança. Mas o crescimento dependerá, nos próximos anos, de uma gestão melhor do dinheiro público.

O terceiro fator foi a combinação das políticas de câmbio, de acumulação de reservas e de metas de inflação. O Banco Central pôde agir com rapidez, ampliando a oferta de dólares e ao mesmo tempo facilitando o crédito.

Sem esses fatores, o País teria menos fôlego para crescer durante a crise mundial. Talvez tivesse crescido, mas ao custo de um sério desarranjo nas contas públicas, de pressões inflacionárias muito maiores e de um desequilíbrio muito mais perigoso no balanço de pagamentos (hoje em situação nada brilhante, mas administrável). A seriedade, embora incompleta, foi premiada.

Outros sul-americanos, com destaque para Chile, Colômbia e Peru, também passaram pela crise com desempenho econômico bem satisfatório e isso foi possível, em primeiro lugar, graças à adoção de políticas macroeconômicas mais sérias a partir dos anos 80 e 90. A experiência dos últimos quatro mais uma vez desmentiu os defensores das políticas voluntaristas e irresponsáveis.

Na última década a economia brasileira pôde crescer sem atolar nas crises fiscais e cambiais tão comuns na maior parte do segundo pós-guerra. A indústria havia começado o esforço de modernização e de expansão da capacidade instalada na fase da abertura econômica, há 20 anos. No agronegócio a transformação havia começado bem antes. A economia brasileira, enfim, alcançou um tamanho compatível com as dimensões e com a riqueza natural do País. Mas falta fazer muito para garantir a continuação do crescimento e a manutenção das posições alcançadas.O Brasil continua diplomando uns 30 mil engenheiros por ano, enquanto a China forma entre 400 mil e 500 mil. A Índia, cerca de 200 mil. Indústrias têm dificuldade para treinar mão de obra porque faltam qualificações mínimas ao pessoal disponível no mercado. Só 26,3% dos adolescentes diplomados no ensino fundamental em 2009 aprenderam o suficiente de português e apenas 14,8% mostraram conhecimento adequado de matemática, segundo um teste oficial. Além disso, cerca de 20% dos brasileiros com idade igual ou superior a 15 anos são analfabetos funcionais.Dificilmente haverá melhora nessas proporções, se o ensino continuar tão ruim quanto é hoje. O padrão “os menino pega os peixe” pode ser aceitável para o Ministério da Educação do Brasil, mas certamente não é para as autoridades educacionais da China, da Coreia, da Indonésia e de outros emergentes em rápido crescimento – incluídos alguns latinos, como a Colômbia. O emprego dos brasileiros dependerá cada vez mais de sua capacidade de competir com os trabalhadores desses países. O sexto lugar entre as maiores economias é uma boa conquista, mas falta executar uma pauta enorme. Ao festejar a notícia com moderação, o ministro da Fazenda mostrou realismo.

27/12/2011 - 22:00h Boa noite


Moses Variations de Paganini – Gary Karr

27/12/2011 - 15:22h Brasil vai ser a 5° economia do mundo antes de 2015, dize Guido Mantega

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado

SÃO PAULO – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira, 27, que em menos de quatro anos o Brasil será a quinta maior economia do mundo, em termos de Produto Interno Bruto (PIB), superando a França. “O FMI prevê que o Brasil será a quinta economia em 2015, mas acredito que isso ocorrerá antes”, disse.

26/12/2011 - 22:00h Boa noite


Rinat Ibragimov, principal double bass of the London Symphony Orchestra together with Catherine Edwards, performs Jan Křtitel Vaňhal’s Double Bass Concerto, originally written in Es Major but performed here a semitone lower.

25/12/2011 - 22:00h Boa noite


Mendelssohn-Violin Concerto in e minor op. 64

Isaac Stern: violin-Philadelphia Orchestra-Eugene Ormandy: conductor-1958 (The second recording of this concerto by Stern and Ormandy)

24/12/2011 - 23:56h Felizes festas

Felices fiestas
Joyeuses fêtes
Happy christmas

23/12/2011 - 22:00h Boa noite


Flower duet – Anna Netrebko & Elina Garanca (Lakmé de Delibes)

23/12/2011 - 19:29h Lippen


Anna Netrebko & Placido Domingo – Lippen Schweigen

23/12/2011 - 13:24h Sem monopólio há 14 anos, Petrobras tem 90% do setor

Das 152 descobertas de óleo e gás economicamente viáveis desde 1999, 92 foram feitas em campos operados pela estatal. A empresa fará 83,3% do investimento do setor petrolífero até 2015

Fim do monopólio ficou só no papel
Por Cláudia Schüffner | Valor

Do Rio

A indefinição sobre novas rodadas da ANP traz incertezas sobre o modelo de funcionamento do setor de petróleo no país nas próximas décadas e, ao mesmo tempo, chama a atenção para o domínio absoluto que a Petrobras detém no mercado brasileiro, quatorze anos depois da quebra do monopólio, em 1997. Domínio que deve ser mantido por muitos outros anos. A estatal concentrou as importantes descobertas dos últimos anos e é responsável por quase 90% da produção atual.

Desde 1999, foram comunicadas à ANP 1201 notificações de descobertas de hidrocarbonetos (petróleo e gás), mas apenas 152 delas foram declaradas comerciais, o que significa que apenas 15% das descobertas receberão investimentos que vão resultar em nova produção de óleo e gás. E muitas foram feitas em campos terrestres, que apesar da importância microeconômica, agregam pouco à produção do país, com exceções importantes como as descobertas de reservas de gás em terra pela Petrobras no Solimões e da OGX no Parnaíba.

Das 152 descobertas, 92 foram feitas em campos operados pela estatal. Se contabilizados apenas os campos marítimos, foram 49 descobertas no período, sendo 39 em áreas que tinham a Petrobras como operadora. Nas outras 10 descobertas, as operadoras eram Shell (Ostra, Abalone, Nautilus, Argonauta, Atlanta e Oliva), BP (Polvo), Statoil (Peregrino) e El Paso.

A consequência do domínio da Petrobras é que, mesmo após a abertura, a estatal se mantém líder absoluta da produção do país e também é responsável por grande parte das novas reservas descobertas, com exceção das feitas pelas brasileiras OGX e HRT, que descobriram importantes áreas com gás em terra.

Não por acaso, a estatal também é a responsável pelo maior volume de investimentos nos próximos anos. Planeja investir US$ 215 bilhões no país até 2015, o que representa 83,3% do total de recursos que o setor de petróleo e gás vai receber, que soma US$ 258 bilhões. Segundo cálculos do IBP, as outras companhias, juntas, vão investir US$ 43 bilhões no período, sendo US$ 30 bilhões em exploração e produção.

Hoje, as estrangeiras com maior representação são responsáveis, como operadoras, pela produção de 216 mil barris de óleo e gás por dia, menos de 10% da produção do país, que foi de 2,5 milhões de barris de óleo equivalente (boe) em outubro.

Os maiores volumes, depois da Petrobras com 2,291 milhões de boe, são da Chevron (75.667 barris em Frade), Statoil (51.763 boe em Peregrino) Shell (com 43.916 boe em Ostra), e BP (com 20.700 boe em Polvo). No sexto lugar aparece a angolana Sonangol, com 843 barris por dia.

Só três companhias – Chevron, Statoil e Shell – aparecem como operadoras dos 20 maiores campos com maior produção de óleo e gás, enquanto a Petrobras ocupa as 30 posições existentes na lista global dos poços mais produtivos, liderados por um poço no campo de Lula, antigo Tupi, de onde são extraídos 27,6 mil barris de petróleo por dia.

A falta de espaço decorrente da falta de novas licitações preocupa as companhias que operam no Brasil desde a abertura, tanto nacionais como estrangeiras. “Não há justificativa para o governo continuar protelando a licitação de novas áreas. Sem dúvida o monopólio está voltando a todo vapor”, avalia Wagner Freire, ex-diretor da Braspetro e da Petrobras.

O momento atual do mercado brasileiro também pode ser visto de outro modo: pela participação acionária de cada empresa nos barris produzidos nos campos onde são sócias, independente de quem é o operador. Na lista de distribuição que mostra com quem fica a parte não-Petrobras da produção, a chinesa Sinochem Petróleo, que não produz nada no país, tem direito a uma fatia diária de 20.705 barris de óleo equivalente (boe). Nessa lista, a chinesa ocupa a quinta posição, à frente da BG Brasil (16.730 boe), BP (12.420 boe), Repsol (8.949 boe) e a indiana ONGC, com 7.477 barris, só para citar algumas em ordem aleatória.

Outra forma de olhar o futuro do setor no Brasil é pela entrada de outras grandes estatais interessadas em ter acesso garantido às novas reservas de petróleo do país. A chinesa Sinochem tornou-se sócia da Statoil no campo de Peregrino e o apetite chinês foi comprovado depois pela Sinopec, que já desembolsou até agora US$ 12,3 bilhões para entrar no pré-sal da bacia de Santos. Ela pagou US$ 7,1 bilhões por 40% dos ativos da Repsol Brasil e em seguida foram outros US$ 4,8 bilhões por 30% da Galp no país, assumindo ainda uma dívida de US$ 400 milhões. Desde setembro o mercado menciona negociações, não confirmadas, com o grupo BG. Da forma como esses negócios foram feitos, a Petrobras não teve chances de exercer seu direito de preferência, já que não houve venda dos ativos, mas sim aumentos privados de capital após os ativos brasileiros serem separados e agrupados em novas empresas cujas ações foram adquiridas diretamente pela chinesa.

Com forte presença de estatais asiáticas com grandes estoques de dinheiro, o Brasil pode se tornar um país que terá a Petrobras produzindo para outras estatais levarem o petróleo. O modelo também poderá se repetir nos campos do pré-sal que serão objeto de contratos de partilha de produção. “Mesmo no modelo do pré-sal, a Petrobras vai precisar de sócios que façam investimentos. Então, para empresas que estão operando aqui, a atração de novas rodadas é importante. Do contrário, daqui há pouco só vai ficar a Sinopec. A Petrobras produzindo e a Sinopec comprando o óleo. Ela tem dinheiro e ficaria muito confortável. Mas isso seria bom para a Petrobras e para o Brasil? A Petrobras precisa de sócios capitalizados e esse é o cuidado que se tem com a continuidade das empresas que estão atuando aqui”, diz um defensor que prefere não ter seu nome revelado.

23/12/2011 - 13:12h Vaga com carteira assinada bate recorde

Carlos Giffoni | Valor

De São Paulo

O mercado de trabalho brasileiro nunca esteve tão maduro e diversificado. Ainda há espaço para avanços, principalmente no setor terciário, onde a informalidade é maior. Mas os números mostram um cenário inédito no país. Em novembro deste ano, a taxa de formalização alcançou 53,4% da população ocupada, de acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mesmo mês, a taxa de desocupação chegou ao menor nível já registrado: 5,2%.

Isso mostra que o desemprego caiu sem que as pessoas ocupassem vagas informais. A carteira assinada é o primeiro passo para que o trabalhador seja mais valorizado. A isso se somam os benefícios garantidos por lei e, vez ou outra, até mesmo bônus e participação nos lucros e resultados da empresa, que são acordados nas convenções coletivas de algumas categorias. No acumulado de 12 meses que se encerram em outubro de 2011, 70,6% da população ocupada eram contribuintes da Previdência Social. Há cinco anos, o índice era 10% menor (63% da população ocupada), segundo o IBGE.

O grau de maturidade do mercado de trabalho brasileiro não deve dar espaço a uma formalização ainda mais acelerada nos próximos anos. Analistas dizem, inclusive, que a taxa de desemprego em 5,2% é muito baixa, o que pode atrapalhar o crescimento do país, uma vez que o avanço da população economicamente ativa ocorre em maior velocidade que o da geração de empregos.

Ampliar imagem

  

O aumento real de 26,21% do rendimento médio da população ocupada no Brasil entre novembro de 2003 e novembro de 2011 é reflexo direto desse processo de formalização. De acordo com o IBGE, hoje está em R$ 1.623,40, o equivalente a três salários mínimos. Mas não é apenas no formato de salário que o trabalhador com carteira assinada recebe mais. “Há uma série de benefícios no emprego formal que não estão aparentes no salário, como o direito a férias, ao fundo de garantia, ao aviso prévio, ao seguro-desemprego e de saúde, subsídios para o transporte e alimentação. São itens que não entram em forma de dinheiro no bolso do trabalhador, mas que diminuem os seus gastos”, diz Carlos Aguiar, gerente da consultoria Millennium RH.

Marcelo Neri, diretor do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV), lembra que esse aumento na remuneração dos trabalhadores está valendo mais em 2011. Segundo ele, os domicílios brasileiros ficaram 10% menores na última década. Isso quer dizer que há menos pessoas sendo sustentadas por um mesmo salário – que cresceu nesse período.

“O salário cresceu, o emprego cresceu, mas o poder de compra do trabalhador cresceu ainda mais com a expansão do crédito e dos benefícios sociais”, diz Neri. Para ele, a formalização do mercado de trabalho brasileiro ajuda a garantir a disponibilidade de crédito para o consumidor, que hoje pode dar garantias maiores de que vai quitar suas dívidas.

A construção civil se destaca quanto à formalização. Entre 2003 e 2011, o índice de pessoas com carteira assinada passou de 25,5% para 39,9% – o que foi acompanhado de um aumento no salário médio. Somente nos últimos 12 meses, houve um aumento real de 3,4%. “Como falta mão de obra especializada, as empresas do setor têm adotado o sistema de produtividade como forma de remuneração variável. Um trabalhador pode ganhar até 30% a mais do salário em um mês dependendo de quanto ele produzir”, diz Ana Carolina Huss, diretora de recursos humanos da Direcional Engenharia, construtora com investimentos no programa Minha Casa, Minha Vida.

No setor privado, o percentual da população ocupada com carteira assinada passou de 39,5% para 48,9% entre os meses de novembro de 2003 e 2011. Ao mesmo tempo, a remuneração média real cresceu 13,89% nesse período e era de R$ 1.499,60 em novembro deste ano. Os sem carteira, que antes eram 14% da população ocupada, agora são 10,3%. Neste grupo, a remuneração média real cresceu ainda mais na comparação com novembro de 2003: 32,36%, para R$ 1.129,90. Isso é explicado principalmente pela valorização do salário mínimo, que atinge fortemente o emprego informal no país.

O perfil do empregado também mudou. De 2003 para cá, aumentou 40,6% o número de funcionários que trabalham entre 40 e 44 horas por semana. Já os que trabalham entre 45 e 48 horas semanais aumentaram 12,31%, enquanto aqueles que trabalham mais de 49 horas diminuíram 13%. “Se eu mantenho o salário e trabalho menos horas, isso quer dizer que tive um ganho real de remuneração por hora trabalhada. Além de ganhar tempo para o lazer. A redução da jornada reflete no orçamento doméstico”, afirma Neri.

Esse conjunto de alterações nos últimos anos refletiu diretamente na composição da sociedade brasileira. Cerca de 30 milhões de pessoas foram incorporadas à classe média. “A formalização no mercado de trabalho é um dos principais fatores, se não o principal, de formação da atual classe média brasileira”, diz Ana Maria Castelo, coordenadora de projetos da FGV. “O grande desafio é aumentar a produtividade do nosso trabalhador, qualificando a mão de obra disponível.

23/12/2011 - 08:30h Desemprego cai de 5,8% para 5,2% nas capitais

Por Alicia Martins e Marta Nogueira | VALOR

De São Paulo e do Rio

Mesmo com a decepcionante geração de postos de trabalho formais no mês de novembro, a taxa de desemprego das seis maiores regiões metropolitanas do país surpreendeu economistas ao recuar de 5,8% para 5,2% entre outubro e o mês passado, menor nível para qualquer mês da série calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 2002. O resultado se descolou do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que mostrou saldo líquido de 42,7 mil vagas com carteira assinada em novembro, pior resultado para este mês desde 2008, ano em que a crise afetou severamente o mercado de trabalho doméstico.

O rendimento médio real habitual das pessoas empregadas foi de R$ 1.623,40 em novembro, valor mais alto para mês este mês desde o início da série histórica da PME, registrando aumento de 0,7% sobre novembro de 2010. É uma recuperação em relação ao mês anterior, quando tinha ocorrido queda de 0,3% em relação ao mesmo mês de 2010, mas, como nota o economista Fabio Romão, da LCA Consultores, é um resultado inferior ao da média de 2011 até outubro, de 2,9%.

Ampliar imagem
  

Para o IBGE, o resultado de novembro tem um componente atípico. “Não é comum ter uma taxa de desocupação em novembro inferior à registrada em dezembro do ano anterior”, diz o gerente da PME, Cimar Azeredo, lembrando que, em dezembro de 2010, o desempenho estava em 5,3%. “O que favoreceu a taxa menor foi o componente de fim de ano, causado pelas festas.”

Segundo analistas consultados pelo Valor, a diferença entre Caged e PME ocorre principalmente devido à abrangência menor da pesquisa do IBGE, que pode sugerir um melhor desempenho do emprego nas metrópoles brasileiras. Isso não colocaria em xeque, portanto, a avaliação de que o mercado de trabalho está perdendo fôlego, como resposta defasada à desaceleração da atividade econômica. O Caged, por outro lado, é um cadastro obrigatório para todas as empresas do país e, por isso, dá uma dimensão maior da geração de vagas, ainda que, ao contrário da PME, não registre criação de empregos sem carteira.

Esse é outro motivo da divergência entre Caged e PME, afirma Romão, ao observar que, entre outubro e novembro, o emprego sem carteira cresceu 1%, acima da média de 0,6% da ocupação total e o dobro do que o emprego com carteira, que avançou 0,5%.

A composição da criação de empregos em novembro casa com a análise de Romão: a construção civil foi o setor que mais atraiu novas ocupações no mês, com geração de 73 mil vagas, aumento de 4,3% em relação a outubro. Na comparação com novembro de 2010, a construção cresceu 8,8%. Na indústria, segmento da economia com maior formalização, os números da PME vieram alinhados ao Caged, com o corte de 37 mil empregos no período, queda de 1% frente ao mês anterior e de 1,4% na comparação com novembro de 2010.

Para Mauro Schneider, economista-chefe da BanifInvest, os números fracos do Caged também podem refletir o esgotamento da formalização do emprego, que aumentou muito nos últimos anos e pode ter atingido seu limite. “À medida que a economia e o mercado de trabalho vão se formalizando, a criação de vagas com carteira vai perdendo força.”

Esse não é o cenário de Alessandra Ribeiro, da Tendências Consultoria, para quem ainda há espaço para formalização na economia brasileira. “Não dá para afirmar que chegamos a um limite. O movimento de formalização ainda tem espaço, porque muitas empresas estão se programando para abrir capital.”

Segundo ela, não é possível concluir que o emprego está se desacelerando com base nos dados da PME, tendência que, no entanto, pode ser observada no Caged. “Outras regiões metropolitanas estão mostrando desaceleração, que a PME não consegue capturar. O Caged é uma pesquisa mais ampla, ainda que só contabilize empregos formais.”

Para Schneider, “o Caged e a PME estão medindo a temperatura de um mesmo paciente”. Como Romão, ele sustenta que o desaquecimento do mercado de trabalho pode ser medido pela perda de ímpeto da ocupação na pesquisa do IBGE. Em 2010, a população ocupada cresceu 3,5% na média do ano, na comparação com 2009. Para 2011, Romão projeta avanço menor, de 2%. Em novembro, a ocupação avançou 1,9% em relação a igual mês de 2010. “Não é um grande resultado.”

Para dezembro, a expectativa dos analistas é que o desemprego ceda ainda mais, podendo ficar abaixo de 5%. Para o ano que vem, no entanto, a aposta mais comum é de aumento gradual na taxa de desocupação. “Acredito que esse novo piso da taxa não se sustentará nos próximos meses, que voltará para a banda dos 6%. Esperamos taxa de desemprego média de 6,2% para 2012″, projeta Fabio Ramos, da Quest Investimentos, contra taxa média de 6% neste ano.

As estimativas da Tendências, no entanto, contam com uma taxa de desocupação média de 5,8% em 2012, abaixo dos 6% previstos para este ano. “O nosso cenário não contempla uma ruptura lá fora. Assim, a crise externa tende a se amenizar e o mercado de trabalho segue relativamente bem.”

Mesmo com a desaceleração doméstica em 2011 e a crise externa, que deve persistir, os economistas contam com um desempenho favorável da renda real dos trabalhadores no ano que vem, que virá na esteira do aumento do salário mínimo – indexador de um quarto dos salários pesquisados pela PME – e de uma inflação menor.

22/12/2011 - 22:00h Boa noite


Cinema Paradiso – Yo Yo Ma

22/12/2011 - 19:25h Perhaps love


Perhaps Love – John Denver e Placido Domingo

22/12/2011 - 18:22h Entrevista de Nadine Heredia, primera dama del Perú

Personajes :::: La vida de Nadine Heredia, Primera Dama de la Nación, va a mil por hora y pareciera que los timbres de su celular le marcan el ritmo cardiaco.

Al Ritmo de Nadine

11 imágenes disponibles

Ver galería

Dice que ha engordado un kilo y medio por tantos panetones y chocolatadas que ha consumido en las últimas semanas.


La última vez que nos sentamos a conversar largo con Nadine Heredia (35) fue en febrero de este año. Entonces la situación era completamente diferente. Su hijo Samin cumplía un mes de nacido, ella aún daba de lactar y la campaña presidencial andaba a todo furor, aunque en aquel momento solo contaban con un 5% de la intención de voto. Las niñas Illary y Nayra jugaban a ser actrices frente a nuestro lente y tanto Nadine como el entorno más cercano del hoy Presidente lo llamaban “Comandante”.

Luego de 10 meses mucha agua ha pasado bajo el puente, arrastrando triunfos y derrotas, trazando metas y cumpliendo sueños. Ollanta Humala llegó a la Presidencia de la República con la importante presencia e indiscutible protagonismo de su esposa.

Pero si hay dos cosas que no han cambiado desde entonces en la vida de Nadine son su evidente e incondicional apoyo a Humala y su dependencia total del BlackBerry. Tiene dos de ellos a su lado, encendidos las 24 horas del día y cuyos timbres “tins” y “tons” suenan como ensayo de orquesta juvenil, incluso a la hora del almuerzo.

–¿Sus hijas no se quejan de su dependencia del BlackBerry?
–No, no se quejan, porque cuando estoy en la casa ellas casi siempre están durmiendo. ¿No ve que llego tarde? Pero si los sábados y domingos me ven con el teléfono me lo quitan, pero para jugar o cambiarle el fondo de pantalla.

–Usted twittea como loca…
–No tanto, a veces nomás.

–Pero un tweet suyo se potencia al 80 mil por ciento ante las pocas palabras de su esposo.
–Sí, puede ser. Pero no es que esté todo el día en el Twitter.
Son las 2 pm y caminamos hacia la puerta de la residencia en Palacio de Gobierno. El día está soleado y no se percibe el barullo del Centro de Lima. El personal es muy amable, se abre la puerta y como para foto de postal están la señora Humala con el pequeño Samin en brazos y el árbol de Navidad como fondo. Tal como sucedió meses atrás, Nadine nos saluda con naturalidad y una gran sonrisa. Estimula a Samin a balbucear unas palabritas y acepta que los acompañemos al cuarto de juegos en el segundo piso. Luego la fotografiamos en la piscina con el niño (esta fue construida durante el primer gobierno de Alan García). En el proceso, se detiene varias veces para atender mensajes de texto y hablar por teléfono. Sin duda, la vida de esta joven Primera Dama va a gran velocidad: sufre de migrañas y duerme poco.

–¿Es insomne?
–No lo reconozco como insomnio, o sea, no me genera ningún problema porque no me siento cansada durante el día. Duermo lo que mi cuerpo me pide, aunque con cuatro o cinco horas estoy bien. Y si me siento un poquito agotada me tomo un café y listo.

–¿Trae a Samin a Palacio todos los días?
–Sí, casi todos los días, excepto la semana pasada que estuvo con fiebre. Entonces lo dejé en casa, donde lo cuida mi mamá.

–¿Por qué no viven en Palacio?
–Primero, porque el colegio está lejos y tendría que levantarme muy temprano (ríe). Y segundo, porque este ambiente es un cuento de hadas para los niños. Ollanta y yo tenemos los pies bien puestos sobre la tierra y poseemos la madurez necesaria para no creer que esto va a ser duradero.

–¿No quieren que sus hijas crezcan como princesitas?
–Exacto. No vaya a ser que se les cruce por la cabeza algo así. Aquí se les cae algo al suelo y allí hay alguien para recogerles las cosas. Ellas tienen que sufrirla y deben saber que lo que logren en la vida será por sus propios medios y no porque su papá es Presidente de la República.

–Es Primera Dama de la Nación, pero no tiene despacho. ¿Cómo trabaja?
–Mire, no existe despacho desde que lo cerró García en su mandato y nosotros no lo pensamos crear. Yo no tengo ninguna función pública, pero sí una gran voluntad para que este gobierno logre que la mayoría de peruanos goce de una mejor calidad de vida. ¿Qué hago yo? Articulo con gente de la sociedad civil y con la cooperación internacional para que los programas de gobierno puedan potenciarse, visibilizarse y fortalecerse.

–Usted tiene una vena política muy marcada y la acusan de excesivo protagonismo. ¿Le cuesta frenarse en ese campo?
–Es parte de la identidad, y la identidad la forman las diferentes relaciones que uno tiene en su vida y en sus diversos roles. Yo no le voy a mentir, ni le voy a decir que no tengo ese lado político porque obviamente todos lo saben. He tenido un cargo en el partido, el cual hemos fundado con Ollanta, lo hemos hecho y él ha llegado a la Presidencia con una campaña donde yo también he participado. Pero ahora me toca otro rol y me ubico en él. Ya no soy la política, ni soy más dirigente del partido nacionalista. Soy esposa del Presidente de la República y Primera dama de la Nación, ese es mi sitio.

–Soprendió verla en el centro de la foto protocolar durante la juramentación del nuevo gabinete.
–Yo estuve allí porque soy la esposa del Presidente.

–Pero eso nunca antes se había visto. Además, usted resaltaba porque estaba vestida de rojo en medio de una cantidad de ternos oscuros…
–No, no era rojo, ¡era fucsia! (ríe). Mire, yo trato de que esas cosas siempre las decida protocolo, y protocolo me señaló claramente que ese era mi lugar.

–¿Cómo se ha sentido en Palacio el remezón luego del sorpresivo cambio de gabinete?
–No, en realidad este es un cambio que ya el Presidente estaba pensando hacer. No nos ha cogido para nada de sorpresa, es una transición bastante calmada, en realidad.

–Usted enfatiza mucho que es el soporte emocional del Presidente, pero para muchos es bastante más que eso. ¿Cómo es su relación con los demás ministros?
–Con todos los ministros llevo una relación recontra cordial y conversamos en algunas oportunidades.

–¿Con Lerner?
–¡Ah, bestial! Hemos estado hablando, de repente para ir juntos al próximo partido de Alianza Lima. Son relaciones de amistad que no se van a perder porque ya no estén en el gobierno. Somos amigos de la familia desde el 95. Él y todos los ministros entienden muy bien que el Presidente tiene, en cualquier momento, la potestad de decirles “hasta aquí nomás, voy a hacer un cambio”.

–Me he dado cuenta que cuando habla de su esposo en el plano familiar se refiere a él como Ollanta, y cuando habla de él en el plano laboral dice “el Presidente”.
–Sí, sí, totalmente (ríe). Es que tiene que ser así. Cuando hablo de Ollanta en la chamba es el “señor Presidente”.

–Eso es disciplina total.
–Sí, siempre digo “el señor Presidente ha dicho esto o aquello”. Es una forma de darle autoridad, sobre todo cuando hablas con otra persona.

UNA FAMILIA CASI NORMAL

Pregunto en qué sala de Palacio estamos y Nadine me dice “en la rosada”, aunque sus asesores le corrigen que es “la doradita”. Samin ya se fue a dormir, las niñas aún están en casa y su teléfono no para de sonar. En eso, la puerta del fondo de la habitación se abre con fuerza y, pocos segundos después, entra el Presidente Humala. Le pregunto cómo me lo va a presentar, si como Ollanta o como el Presidente. Ella ríe y me dice: “Le presento a Ollanta”. Él viste jeans y mangas de camisa blanca, saluda cordialmente, intercambian pocas palabras y se va de la habitación.

–¿Sus hijas no reclaman que les dediquen más tiempo?
–Sí, reclaman tiempo como creo que lo hacen todos los niños, y tratamos de que esos tiempos también sean ocupados por espacios familiares. Mi mamá vive al lado y siempre está presente, pero si no es ella son mis hermanos o mis primas.

–¿Cómo cambió la dinámica familiar?
–Bueno, creo que están pasando más sábados y domingos acá porque no tenemos mucho tiempo para salir. Invitan a sus amiguitas para bañarse en la piscina y les he habilitado un cuarto arriba para que puedan ver películas con un proyector.

–¿Dónde compra las películas? ¿Polvos?
–(Ríe)… No, aquí atrás nomás, pero no son de estreno… (sigue riendo).

–Y con el Presidente Humala ¿se dan sus escapadas?
–Sí, de vez en cuando nos vamos al cine o a cenar por allí.

–A un cine ‘caleta’, supongo.
–No, siempre vamos a los que quedan cerca de la casa, a Caminos del Inca o a Larcomar. Si terminamos de trabajar temprano vamos a eso de las ocho de la noche, y si no ya después de las once.

–¿No tiene ese sentimiento de culpa de perderse momentos importantes en la vida de sus hijos? ¿O es de carácter fuerte?
–Yo me perdí el momento en que Nayra pasó de usar pañales a bacín, pero mi mamá y mi papá fueron mi soporte. Sin embargo, ella tiene un carácter bastante fuerte e incluso cuando ya no quiere saber nada me agarra de la mano, me lleva a la puerta y me dice chau: “Ya, mamá, vete a trabajar”.

Flor, la mamá de Nadine, tiene 58 años, solo 10 más que su esposo. Su papá falleció hace tres años y tiene dos hermanos hombres. Illary (9), Nayra (7) y Samin (10 meses) son sus hijos con Ollanta. Ella lleva a las niñas al colegio Hiram Bingham todas las mañanas. Es el único momento garantizado que está con ellas, y a Samin lo ve tan solo unos minutos al día. Almuerza con el Presidente diariamente en Palacio de Gobierno, a no ser que haya una actividad que lo impida. Además, los miércoles por la noche juega vóley con las mamás del colegio de sus hijas.

–¿A quién le tienen más ley las niñas en casa, a usted o a Ollanta?
–¿A quién?… A mi mamá. Como yo no paro tanto con ellas, les permito muchas cosas cuando las veo, pero mi mamá no.

SOLOS, NO

–El 25 de mayo es su cumpleaños, igual que Keiko Fujimori. Ella ha dicho que sería interesante ir a una contienda electoral con usted, pero que usted no puede. ¿Qué dice?
–Sí, Keiko es un año mayor que yo. La verdad es que no me he puesto a pensar en eso, no está en mis planes.

–¿Su opinión sobre el indulto a Fujimori?
–No, a estas alturas mi posición personal influye de cualquier manera en la posición del gobierno.

–Hay nombres importantes que se han ido apartando del núcleo de soporte del Presidente. Lerner, Tapia, Chehade, Burneo… ¿No se están quedando solos?
–Solos, no. El Presidente toma la decisión que cree conveniente para afinar el rumbo de la política que él ha trazado. Los que ahora no están, seguirán colaborando con el gobierno.

–¿Qué pasó con Favre? ¿Lo metieron en un baúl y no se le vio más?
–Está de viaje. Él no para en el Perú, tiene más cosas que hacer en el mundo. Se le ha dado demasiado peso cuando él es un asesor de comunicaciones, de marketing si quiere, nada más.

CAMPANA SOBRE CAMPANAS

El espíritu navideño se siente en Palacio y la empresa Wayra ha sido la encargada de la decoración. Los cinco miembros de la familia tienen una bota llena de dulces con su nombre y esta cuelga en la chimenea del salón Túpac Amaru. Será la primera Navidad en el gobierno de la familia Humala – Heredia.

–Estamos a vísperas de la Navidad y el país está preocupado, ¿qué le dice?
–Que aquí no se trata de que el gobierno va a hacer magia; si todos nos damos la mano, vamos a lograrlo. Que sepan que ni Ollanta Humala ni Nadine Heredia trabajan por intereses personales ni de grupos económicos, sino simplemente pensando en el pueblo. Tenemos una historia de vida que nos lleva a tener esa sensibilidad e identificación con la gente.

–¿Qué harán por Nochebuena?
–Lo mismo de todos los años. Primero estamos con mi mamá, luego pasamos las 12 en casa de Ollanta y después regresamos a mi casa con mis hermanos.

–¿Nunca la han pasado los Humala con los Heredia juntos?
–No, porque ellos son muchísimos. Son siete y con hijos.

–Dicen que en diciembre del 2012 se acaba el mundo… ¿Cuáles son sus prioridades?
–¡Pucha! Querer mucho a mi familia, pues.

–O sea, ¿adiós Palacio?
–¡Sí, claro! (ríe)… ¡Me voy a estar con mi familia, si ya no va a haber política que funcione!

–En cinco años, ¿cómo estaremos?
–Si Dios quiere y el pueblo sigue apoyando al Presidente, creo que vamos a tener un país menos desigual y con mayor respeto entre todos.

–¿En ese tiempo?
–Pero es el comienzo, pues. Hay que sentar bases.

Nos despedimos. Como campanas navideñas, “tin”, “ton” siguen sonando los teléfonos.(Entrevista: Drusila Zileri
fotos: Víctor Ch. Vargas)

Fotos: Víctor Ch. Vargas. Producción: Nicole Bahamonde y Talía López de Romaña para In Style. Maquillaje: Marianne Doehler (993464416). Peinado: María Jesús Romero Spiers (991553831 / 123*1742). Vestuario: Malika (Av. Conquistadores 895, San Isidro); Claudia Jiménez (Boulevard Jockey Plaza/Av. Conquistadores 585, San Isidro); Lorena Pestana Joyería Orgánica (General Borgoño 770, Miraflores/ www.lorenapestana.pe/ Teléfono 448 4033); Almudena Miliani (Av. Conquistadores 157, San Isidro). Los niños visten ropa de Tommy Hilfiger (Boulevard Jockey Plaza).