31/01/2012 - 22:00h Boa noite

Hommage a Henry Purcell ~ Ode for the Birthday of Queen Mary

La Fenice
Conducted by Jean Tubery

31/01/2012 - 19:21h Aida

Aida – direção Franco Zeffirelli

Regente: Riccardo Chailly

Violeta Urmana
Roberto Alagna

Luciana Savignano, Roberto Bolle, Myrna Kamara

31/01/2012 - 18:02h Boy and Girl

http://leclownlyrique.files.wordpress.com/2012/01/lou-bernstein-1950.jpg

Lou Bernstein, 1950

31/01/2012 - 17:00h Carta de amor

JORGE SOUSA BRAGA – Poesia & Lda.

CARTA DE AMOR

(A Eugénio de Andrade)

Un día de estos
te voy a matar
Una mañana cualquiera en la que estés (como de costumbre)
midiendo el empalme de las flores
allí en el Jardín de San Lázaro
un tiro de pistola y…
No te voy a dar tiempo siquiera a que te fijes en mi rostro
Puedes invocar a Safo, Kavafis o San Juan de la Cruz
a todos los poetas celestiales
que ninguno vendrá en tu ayuda
Comprometidos definitivamente tus planes de eternidad
Adiós pues mares de septiembre y dunas de Fão
Un día de estos te voy a matar…
Una certera bala de polen
justo en el corazón

§

MUJER

Mitad mujer mitad pájaro
Mitad anémona mitad niebla
Mitad agua mitad amargura
Mitad silencio mitad concha
Mitad mañana mitad fuego
Mitad jade mitad tarde
Mitad mujer mitad sueño.

31/01/2012 - 11:23h Perú: La meta es reducir la pobreza extrema al 5% hasta el 2016

La ministra de Desarrollo e Inclusión Social (Midis), Carolina Trivelli, anunció ayer que la meta de su portafolio es rebajar la pobreza extrema de 8.3% al 5% en todo el país, al finalizar la presente administración gubernamental, en el 2016.

Señaló el compromiso en un diálogo con la prensa referido a la rendición de cuentas de sus primeros 100 días de gestión.

Aseguró además que para el 2016 la exclusión social se habrá reducido de 50,7 a 23,8% y la desnutrición crónica infantil a 10%.

“La inclusión social es una situación en la que todos los ciudadanos y ciudadanas en todo el territorio pueden acceder a los servicios públicos de carácter universal y además deben contribuir al desarrollo nacional”, indicó.

DIAGNÓSTICO
Trivelli remarcó que detectó varios problemas en la gestión y articulación de los programas sociales. “Cada programa focaliza de manera distinta y esto genera muchos problemas, porque en algunos casos no atendemos a todas las personas que deberíamos atender o atendemos a personas que no deberíamos atender”, sostuvo.

Agregó que encontró una debilidad en el “enfoque de trabajo territorial en las zonas rurales”. “Hay una distancia entre los objetivos de cada programa y las acciones que debemos trabajar”, subrayó.

Además, “no existe una articulación de todos los programas, porque cada programa trabaja como una isla”, lo que plantea la necesidad de articularlos.

POLÍTICAS
La ministra dijo que su despacho trabajará de manera coordinada con los gobiernos regionales y locales, para lograr sus objetivos en las zonas de extrema pobreza.

“Para ello, hemos decidido profesionalizar la gestión, imponer criterios de calidad de las prestaciones sociales, asegurar que las prestaciones se adecuen a las características de los usuarios y mejorar los programas sociales”, remarcó.

ESTRATEGIA
Trivelli dijo que trabajará sobre dos áreas centrales relacionadas con la solución de la pobreza extrema y con el desarrollo de los beneficiarios. “Esto se realizará a través de tres ejes de corto, mediano y largo plazo”, dijo.

Las acciones de corto plazo tienen que ver con el alivio temporal de la pobreza, los objetivos de mediano plazo son generar oportunidades y las metas de largo plazo se enfocan en mejorar la calidad de vida de las siguientes generaciones.

En ese sentido, Trivelli resaltó el papel del Fondo de Cooperación para el Desarrollo Social (Foncodes) como un programa social generador de oportunidades económicas y fortalecer las capacidades de la población rural en extrema pobreza.

METAS AL 2012
Juntos: Beneficiar a 742 mil hogares.

Cunamás: Atender a partir de marzo a más de 16 mil niños menores de tres años en las zonas rurales y mejorar los servicios de wawasis.

Pensión 65: Atender a 150 mil ancianos en zonas de extrema pobreza.

Foncodes: Generar oportunidades económicas en 18 provincias pobres del país mediante 284 proyectos de inversión.

Pronaa: Beneficiar con desayunos y almuerzos a tres millones de niños de 3 a 12 años y atender a 935 mil menores de 6 a 36 meses de edad.

Llamil Vásquez
Redacción

31/01/2012 - 11:15h Perú: Hoy se movilizan en respaldo a Susana Villarán

Martes, 31 de enero de 2012

Denuncia. Dirigentes populares aseguran que detrás de intentos revocadores hay oscuros intereses políticos y económicos.
Denuncia. Dirigentes populares aseguran que detrás de intentos revocadores hay oscuros intereses políticos y económicos.

iniciativa. Diversas organizaciones sociales y gremios como la CGTP y el Sutep se manifestarán esta tarde en contra de intento para revocar a alcaldesa de Lima.

Jorge Loayza -La República

Una manifestación a modo de desagravio a la gestión de la alcaldesa de Lima Susana Villarán anunciaron para hoy los representantes de la Coordinadora Ciudadana por Lima, quienes de esta manera demostrarán su rechazo al intento de revocatoria de la autoridad capitalina.

La iniciativa corresponde a organizaciones sociales como la Coordinadora del Vaso de Leche, Movimiento de los Sin Techo, Coordinadora Amplia de Juventudes, Sindicato Nacional de Trabajadoras del Hogar, además de grupos representantes de asentamientos humanos y pequeños empresarios. También participarán la Confederación General de Trabajadores (CGTP) y el Sutep.

En su pronunciamiento, la Coordinadora Ciudadana por Lima reconoció a la revocatoria como un derecho legítimo y democrático, pero –indicó– que debe ser usado en casos flagrantes de corrupción, incapacidad moral o de incumplimiento de plan de gobierno.

“Denunciamos que detrás de la actual campaña por revocar a la alcaldesa de Lima se esconden oscuros intereses económicos de aquellos que por muchos años han usado los recursos públicos para beneficio propio”, señalaron los dirigentes del mencionado frente en un documento público.

También denunció una campaña de mentira impulsada por los promotores de la revocatoria.

Ivonne Tapia, en nombre de la Coordinadora del Vaso de Leche, afirmó que el intento de revocatoria no tiene sentido, pues no hay causa que la justifique.

En tanto, la presidenta de la CGTP, Carmela Sifuentes, señaló que con la movilización se busca defender el voto de los ciudadanos que eligieron a Susana Villarán como alcaldesa.

“Como organización sindical, la CGTP apoya esta gestión de la alcaldesa Villarán y participaremos en la marcha porque queremos un cambio con transparencia”, refirió.

Por su parte, Rosario Farfán, del Movimiento de los Sin Techo, manifestó que en la movilización participarán ciudadanos de los distritos populares de la capital.

“De concretarse la revocatoria, se quedarían paralizadas muchas obras”, apuntó.

Claves

firmas. En conferencia de prensa, uno de los promotores de la revocatoria de Susana Villarán, el abogado Marco Tulio Gutiérrez, señaló que a la fecha han recolectado 86,182 firmas; y que se propuso completar las 400 mil firmas que necesita para las próximas seis semanas.

acuerdo. Gutiérrez presentó como socio de su propósito al pastor José Linares Cerón, representante de la organización religiosa Coalición Internacional Pro Famliia (Ciprofam).

31/01/2012 - 10:55h Perú: La izquierda en riesgo de ponerse ‘iba’

Martes, 31 de enero de 2012

Augusto Álvarez Rodrich – La República

El deterioro de su relación con Ollanta Humala.

La ‘izquierda’ peruana está por perder la oportunidad histórica de contribuir a hacer un buen gobierno con el mandato del presidente Ollanta Humala e, incluso, de entregárselo en bandeja a la ‘derecha’.
Para empezar, ‘la izquierda’ es una simplificación burda de un sector muy amplio en cuanto a visiones, ideologías y posiciones. Algo parecido a lo que ocurre en ‘la derecha’.

Teniendo eso en cuenta, por ‘izquierda’ se quiere aludir en esta columna al grupo diverso de personas de ese lado del espectro político que, de distintas maneras, y desde diferentes momentos, trabajó para la candidatura de Ollanta Humala.

Algunos desde 2006 –en la campaña presidencial de ese año– y que se fueron agrupando y convocando a más gente alrededor de Ciudadanos por el Cambio; hasta los que, como Javier Diez Canseco, entre otros, que se fueron sumando al combo de Gana Perú, el cual resultó ganador cinco años después de un modo bastante inesperado incluso para sus propios fundadores y conductores.

Desde poco antes de eso, la relación entre esa izquierda y Humala se fue modificando, tanto en su condición de candidato entre las dos vueltas, como de presidente electo, y presidente. Esa historia es bien conocida.

El asunto es que hoy esa relación está muy deteriorada. Desde esa izquierda sostienen que Humala se ha derechizado. Desde Palacio, que esa izquierda no supo adaptarse al papel de gobernante en vez de su tradicional ubicación de opositora.

La verdad quizá esté al medio. La congresista Rosa Mavila dice que Humala está como el marido que botó a su mujer de la casa porque se consiguió otra. Y Mirko Lauer apuntó hace poco que hoy la relación es de separación de cuerpos sin divorcio formal.

La cosa es que ese arrejuntamiento no pinta bien pues la pareja que tenemos en el diván ya no se percibe con un futuro común. La izquierda ha anunciado que hará una oposición desde adentro pero eso solo vislumbra un rumbo achorado de colisión.

Antes que el juego del presidente Humala, en esta columna interesa el de la izquierda, la cual no ha sido, lamentablemente, capaz de incorporar –en los hechos y no solo en el discurso– la importancia de la inversión privada, pensando, tontamente, que eso es de la derecha, algo tan brutal como cuando esta cree que los derechos humanos son propiedad de la izquierda. Y los tambores de guerra que ya se escuchan llevan a advertir un tono crecientemente achorado.

Así, la izquierda enfrenta el riesgo de volverse IBA: bruta y achorada.

Mala suerte la del Perú, en todo caso, por tener que moverse, con frecuencia, entre una derecha y una izquierda que suelen caer en la tentación de volverse brutas y achoradas.

31/01/2012 - 10:32h Perú: Región Cajamarca solo usa 
el 20% del agua que posee

Construcción de presa de Chonta garantizaría el agua para la capital. Según Autoridad Nacional del Agua, la minería solo usa 1,78% del recurso

Por: Karla Bardales Farro – EL COMERCIO

Martes 31 de Enero del 2012

Cajamarca –como muchas regiones del país– tiene un ciclo marcado de lluvias seguido por varios meses de sequía. Si a esta situación se le suma el crecimiento acelerado y desordenado de la capital, se tiene como resultado una falta de provisión de agua permanente no solo para la ciudad, sino también para los agricultores de la región.

Algunas autoridades y dirigentes cajamarquinos canalizan ese descontento de la población y por ello se escuchan reiterados pedidos para defender las fuentes de agua de la región. Pero, según el Ejecutivo, no es tan cierto que a Cajamarca le falte agua, solo que no está aprovechando toda el agua que posee.

La Autoridad Nacional del Agua (ANA) señala que las diferentes fuentes de agua de Cajamarca podrían acumular en total 10.460 millones de metros cúbicos del recurso, pero solo se utilizan 2.113 millones.

A fin de solucionar el fuerte racionamiento de agua que por temporadas padece la ciudad de Cajamarca, la ANA elaboró el expediente técnico para la construcción de la presa de Chonta. La obra está destinada a captar 40 millones de metros cúbicos y beneficiará a 61.785 pobladores.

El ingeniero Jorge Luis Montenegro, director de Estudios de Proyectos Hidráulicos de la ANA, afirma que existe un gran desconocimiento sobre el uso del agua en la región.

“La población cree que debe competir con las grandes industrias por el recurso cuando la minería solo utiliza el 1,78% del agua que posee Cajamarca. Pero más alarmante es que para uso doméstico solo se destina el 0,20%, por ello la población siente la escasez”, señaló.

La construcción de la presa es una de las obras a las que se comprometió el Ejecutivo en Cajamarca luego de su reunión con alcaldes y autoridades locales. El costo del proyecto es de 344 millones de soles.

MÁS AGUA PARA LA REGIÓN

La presa de Chonta no es el único proyecto que tiene en cartera la ANA en la región. Se han avanzado también los estudios de por lo menos seis proyectos de irrigación y la construcción de reservorios que garanticen el agua para los agricultores.

Montenegro señala que falta voluntad política de las autoridades regionales y locales para dar mayor impulso a la construcción de los reservorios y canales de irrigación, pero advirtió que son obras que no pueden seguir encarpetadas.

SEPA MÁS
“No hay obras de agua y desagüe”
Proyectos paralizados
El ex presidente de la región Cajamarca Jesús Coronel criticó la lentitud de la actual gestión regional para ejecutar proyectos en beneficio de la población. Aseguró que hay al menos 11 proyectos paralizados, entre ellos varios sobre agua potable y alcantarillado, como la implementación de un laboratorio para el análisis de la calidad del agua.

Análisis de agua

“No se ha inaugurado ningún sistema de agua y alcantarillado, ni siquiera de las provincias más pequeñas. El Hospital Regional debió inaugurarse en abril del 2011, pero no se ve en funcionamiento la obra. El Laboratorio del Agua quedó en infraestructura y faltaba solamente implementarlo, equiparlo y contratar el personal, pero sigue abandonado”, detalló.

31/01/2012 - 10:00h Planeta pré-sal


Petrobrás financia pesquisas em cinco universidades para reduzir a margem de erro na exploração de petróleo na costa brasileira

31 de janeiro de 2012

Leonardo Soares/AE

Os alunos da Poli Guilherme e Ana no TPN, laboratório financiado pela Galileu - Leonardo Soares/AE

Os alunos da Poli Guilherme e Ana no TPN, laboratório financiado pela Galileu


Carlos Lordelo, do Estadão.edu

Qual a melhor maneira de transportar o gás natural produzido nos campos do pré-sal para o continente? Como perfurar um poço de petróleo a sete quilômetros de profundidade sem que as brocas sejam danificadas? É possível garantir a estabilidade de tubulações em condições extremas de pressão?

Não se trata de questões de vestibular ou de provas de Engenharia. É que, antes de se lançar ao mar na atividade de exploração de petróleo e gás, a Petrobrás realiza milhares de simulações computacionais para responder a perguntas como essas. A avaliação de diferentes cenários permite à estatal reduzir a possibilidade de erros numa operação em que qualquer falha pode significar desastres ambientais e até mortes.

Nessa tentativa de planejar o futuro, a empresa conta com uma infraestrutura própria de pesquisas e também financia laboratórios de escolas de Engenharia do País. A iniciativa ganhou reforço em 2006 com a criação da Rede Galileu, um consórcio de faculdades conectado por um parque de computadores capaz de fazer 140 trilhões de operações por segundo (teraflops).

Só para fazer uma comparação, enquanto um cluster de 20 teraflops roda 30 mil simulações em três meses, um PC comum levaria pelo menos 15 anos.

Integram a rede USP, ITA, PUC-Rio e as Federais de Alagoas e do Rio de Janeiro. Ao todo, a Petrobrás repassou R$ 32 milhões para essas universidades construírem novas sedes para os laboratórios – até o momento, só ficaram prontas as da USP e da Ufal. A estatal investiu outros R$ 20 milhões na compra dos clusters e todos, exceto o do ITA, já estão em funcionamento.

Mais oito instituições completam o projeto como satélites e receberam R$ 21 milhões para efetuar melhorias na estrutura física.

Os dados que chegam aos laboratórios são coletados pelos funcionários de campo da Petrobrás. As simulações mais sofisticadas rodam nos clusters, enquanto os pesquisadores se reúnem em salas de visualização para checar a representação precisa dos diferentes cenários em programas de realidade virtual.

Estão à frente do projeto alunos da graduação ao pós-doutorado, sob a supervisão de professores. A remuneração desse pessoal varia: há desde bolsistas das próprias universidades até pesquisadores contratados pela estatal que recebem por meio de fundações de apoio. Sem contar o ITA, cujos laboratório e cluster ainda não foram entregues, a Petrobrás já destinou R$ 40 milhões para custear as pesquisas. Novos contratos devem ser assinados neste ano.

“A rede permite que se mobilize toda a capacidade da engenharia nacional com rapidez”, afirma Luiz Augusto Levy, gerente de Métodos Científicos do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (Cenpes) da Petrobrás. Segundo ele, em termos de simulação computacional, o País está pronto para encarar os desafios da exploração do pré-sal.

O Cenpes é vizinho do principal nó da Galileu, o Instituto de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da UFRJ, na Ilha do Fundão. Tradicional parceiro da Petrobrás, o Coppe opera o maior cluster do projeto, de 80 teraflops – os outros três aglomerados de computadores têm 20 teraflops cada. Até o fim do ano, os dois laboratórios do instituto financiados pela estatal deverão ser entregues.

Na PUC-Rio, onde há 50 anos foi instalado o primeiro supercomputador do Brasil, os benefícios de integrar a rede vão além das melhorias na infraestrutura. Segundo o professor Marcelo Gattass, responsável pelo cluster da universidade, desvelou-se um novo rumo para as pesquisas desenvolvidas na pós-graduação. “Os alunos passaram a ter uma formação mais próxima do que é usado na prática.”

Se no Rio o ponto forte das universidades é a simulação computacional, a USP se destaca na rede pelos trabalhos em Engenharia Oceânica. “A intenção da Petrobrás é que exista transferência de tecnologia entre os participantes da Galileu”, diz o professor da Poli Kazuo Nishimoto, coordenador do Tanque de Provas Numérico (TPN). O laboratório nasceu em 2002 com 100 metros quadrados e hoje, no novo prédio, ocupa um espaço 17 vezes maior.

A moderna sala de visualização do TPN chamou a atenção da aluna de Engenharia Mecânica Ana Grassi, de 22 anos, quando ela esteve no laboratório pela primeira vez. A convite de um professor, a estudante do 5.º ano da Poli faz estágio no local há um ano. “Trabalhar aqui foi bom porque descobri uma nova área, a naval, da qual acabei gostando bastante”, conta. No momento, ela está desenvolvendo um projeto que simula o transporte de etanol por um comboio de barcos pela Hidrovia Tietê-Paraná. Ana diz que vai usar o que aprendeu no estágio em seu TCC e pensa em fazer mestrado para aprofundar os conhecimentos no software que utiliza no TPN.

Já Guilherme Goraieb, de 22, não pretende seguir a carreira acadêmica. Aluno do 5.º ano de Engenharia Naval, ele quer aproveitar o aquecimento do mercado para se lançar consultor da indústria offshore. “No estágio, aprendi a trabalhar com softwares diferentes dos que usamos em sala de aula”, afirma o estudante, que faz iniciação científica no TPN desde julho. Guilherme já projetou 11 navios em 3D para avaliar a estabilidade deles em diversas condições de carregamento. “Quis a vaga por ser uma oportunidade de lidar com uma coisa prática e conhecer melhor a área.”

31/01/2012 - 08:56h Empreiteira brasileira constrói novo porto em Cuba e gera 8 mil empregos

A presidente Dilma Rousseff é recebida pelo ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodrigues Parillas, ao desembarcar no aeroporto de Havana


Por Raymundo Costa | VALOR

De Havana

Num país em que o Estado é o principal empregador, a construção do porto de Mariel por uma construtora brasileira deve gerar aproximadamente 8.000 empregos diretos e indiretos em Cuba. A presidente Dilma Rousseff visitará hoje à tarde o canteiro de obras da construtora Norberto Odebrecht, distante cerca de 50 quilômetros da capital cubana.

Dilma chegou a Havana ontem no fim da tarde. Ao desembarcar, vestia um terninho preto e aparentava bom humor. Foi recebida pelo chanceler cubano Bruno Rodrigues Parillas e seguiu direto para o hotel, onde fica hospedada até amanhã, quando segue para o Haiti. Não havia compromisso oficial marcado para a noite. A agenda oficial começa hoje, mas há expectativa de um encontro, a qualquer momento, com Fidel Castro.

Atualmente, a Odebrecht já emprega 2.700 cubanos. Até 2014, prazo estipulado para a conclusão das obras do porto, deve chegar a 8.000 postos de trabalhos criados – 3.000 diretos e 5.000 indiretos. É uma ajuda importante no processo de abertura da economia cubana, onde o Estado era até bem pouco tempo o único empregador.

Até os taxis que circulam por Havana são de propriedade do Estado. Os motoristas recebem mensalmente 20 pesos conversíveis (cada peso conversível vale US$ 0,82). Ao fim de cada jornada de trabalho, entregam 78 pesos conversíveis para o Estado, mas ficam com o que faturarem a mais.

Recentemente foi permitida a circulação de táxis particulares, os cocotáxis (motocicleta com formato de um coco) e bicitáxis (como o nome diz, bicicletas adaptadas para transportar dois passageiros.

O porto de Mariel, importante para o futuro da economia cubana, será um terminal internacional de contêineres e serão investidos, em quatro anos, aproximadamente US$ 957 milhões – US$ 682 milhões financiados pelo governo brasileiro e o restante pelo governo cubano. As obras foram iniciadas no primeiro trimestre de 2010.

O projeto prevê a construção de 18 km de rodovias e quase 13 km de vias ferroviárias. Será realizada também a reabilitação de mais de 30 km de estradas, além da dragagem do canal de entrada e da bacia de manobras do futuro terminal. Também serão construídos 700 metros de cais para o terminal de contêineres, um centro de carga e pátios, redes de abastecimento de água e tratamento de resíduos, além de toda infraestrutura para o fornecimento de energia elétrica.

Odebrecht fecha acordo para produzir açúcar no país

Por Reuters, de São Paulo

O grupo Odebrecht prevê produzir açúcar em Cuba, informou ontem a empresa. Esse será o primeiro investimento de capital estrangeiro no setor no país. A Companhia de Obras em Infraestrutura (COI), subsidiária da Odebrecht em Cuba, deverá assinar com o estatal Grupo de Administração Empresarial do Açúcar (Azcuba) um contrato de administração produtiva da usina 5 de Septiembre, na província de Cienfuegos.

“O acordo, com período de dez anos, tem como objetivo incrementar a produção de açúcar e capacidade de moagem e ajuda na revitalização do setor”, afirmou a Odebrecht, por meio da assessoria de imprensa. O projeto abriria ao capital estrangeiro um setor sem recursos no país, cuja produção caiu fortemente, de 8 milhões de toneladas, na década de 1970, para apenas 1,2 milhão de toneladas na safra passada. A atual safra do Centro-Sul do Brasil, que está na etapa final, registra moagem de 492 milhões de toneladas de cana.

A entrada da Odebrecht na modernização da decadente indústria açucareira cubana ampliaria o papel da empresa na modernização da infraestrutura da ilha. O conglomerado, por meio do seu braço para o setor de bioenergia, é um dos principais produtores de etanol do Brasil, com capacidade de processamento de 40 milhões de toneladas de cana em 2012.

A Odebrecht não forneceu mais detalhes sobre o projeto. Um executivo brasileiro do setor, contudo, disse que o contrato poderia ser assinado durante a visita da presidente Dilma Rousseff à ilha. Cuba permitiu há mais de uma década a entrada do capital estrangeiro para o desenvolvimento de indústrias estratégicas como o turismo e, recentemente, a do petróleo.

Empresas privadas de outros países levaram anos negociando a entrada no setor de açúcar de Cuba, nacionalizado pouco depois da revolução liderada por Fidel Castro, em 1959. A abertura ocorre depois de profunda reestruturação na indústria, como parte dos esforços do presidente Raúl Castro de modernizar a economia do país.

Segundo um executivo da indústria brasileira de açúcar com conhecimento do projeto, a Odebrecht também produzirá etanol e energia a partir de biomassa em Cuba. “Cuba está se abrindo à possibilidade de produzir etanol acompanhado de geração de energia, e a Odebrecht vai montar uma destilaria”, disse.

“É um projeto similar ao que a Odebrecht está desenvolvendo em Angola”, acrescentou a fonte, em alusão à joint venture de US$ 258 milhões com a petroleira angolana Sonagol para produzir 260 mil toneladas de açúcar, 30 milhões de litros de etanol e 45 megawatts de energia elétrica.

A produção de etanol em grande escala em Cuba, no entanto, vai contra o que já disse o ex-presidente Fidel Castro, um feroz crítico da agroenergia, por sua concorrência com a produção de alimentos. Alguns especialistas acreditam que Cuba poderá ter ressuscitada a indústria de açúcar e poderia se converter no terceiro maior produtor do biocombustível do mundo, atrás de Estados Unidos e Brasil.

31/01/2012 - 08:37h Aliados cobram de prefeito apoio do PSD

31 de janeiro de 2012

CHRISTIANE SAMARCO, JOÃO DOMINGO / BRASÍLIA – O Estado de S.Paulo

Depois de contar com a ajuda preciosa de governadores e líderes políticos de vários partidos para construir seu PSD ao longo do ano passado, 2012 chega para o prefeito de São Paulo e presidente da nova legenda, Gilberto Kassab, como a hora do acerto de contas. O pagamento pela boa vontade dos aliados virá nas eleições municipais, com o PSD dando apoio aos candidatos dos padrinhos que o ajudaram.

Será assim na Bahia do governador petista Jacques Wagner, que cedeu ao partido de Kassab até seu vice Otto Alencar. Lá, o PSD vai trabalhar pelo petista Nelson Pelegrino a prefeito de Salvador. No Rio, a gratidão ao apoio sem exigências do governador Sérgio Cabral (PMDB) virá na campanha da reeleição do prefeito Eduardo Paes (PMDB).

A situação se repete em Pernambuco, onde a ordem é seguir as instruções do governador Eduardo Campos (PSB). Igualmente no Ceará, onde o governador socialista Cid Gomes ajudou a montar o PSD. Na verdade, a operação cearense foi comandada pelo irmão do governador e ex-candidato a presidente Ciro Gomes, que sangrou o PSDB do ex-aliado Tasso Jereissati para engordar a nova legenda.

A extensa lista de credores também inclui o PSDB. No Pará, o maior aliado de Kassab na construção do PSD foi o governador tucano Simão Jatene. No Paraná do governador Beto Richa, o partido nasceu como força política auxiliar do PSDB.

Em Minas Gerais, a sigla já surgiu abrigada no secretariado do governo Antonio Anastasia, quando o secretário de Gestão Metropolitana Alexandre Silveira trocou o PPS pelo PSD.

A exceção ao quadro geral é São Paulo, onde Kassab acumula o comando do PSD nacional, com o estadual e o municipal. É em território paulista que ele tem de garantir, desde já, sua sobrevivência política em 2014.

Um de seus aliados diz que foi diante da dificuldade de obter espaço no projeto futuro do tucanato que ele fez aceno ao PT. A expectativa é de amarrar o quanto antes a vaga ao Senado por São Paulo.

Voo solo. Os casos em que o PSD estará solto para construir o projeto eleitoral que bem entender são raros, como no Amazonas e em Santa Catarina, únicos Estados comandados por governadores do PSD, Omar Aziz e Raimundo Colombo, respectivamente. A regra também vale para o Rio Grande do Sul, onde a legenda se formou sem o apoio de nenhuma liderança gaúcha importante.

Se o partido ganhar na Justiça o direito de levar os votos e o tempo de propaganda gratuita no rádio e na televisão dos que migraram de outras legendas, o projeto é lançar a candidatura do deputado federal Danrlei de Deus em Porto Alegre.

31/01/2012 - 08:24h Kassab reafirma que prioridade do PSD é a candidatura própria em SP

Por Raphael Di Cunto | VALOR

De São Paulo

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), reafirmou ontem que a prioridade do PSD é ter candidato próprio para sua sucessão, o vice-governador Guilherme Afif Domingos, e que o apoio ao PT é apenas uma alternativa. “Vamos conversar com os presidentes de outros partidos porque em uma cidade como São Paulo é muito difícil de ganhar sem alianças”, disse.

Kassab reuniu-se com os diretórios municipal e estadual do PSD de São Paulo, que deram liberdade para ele articular sozinho os acordos, sem passar pelo resto do partido. O prefeito, que é presidente municipal, estadual e nacional da legenda, diz que pediu afastamento das direções municipal e estadual – embora o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda o registre como presidente das três instâncias.

Segundo participantes da reunião, o único tema do encontro foi liberar o prefeito para as articulações. Kassab deixou claro, ao falar com a imprensa na saída, que só compõe com os tucanos se eles decidirem apoiar Afif – o prefeito dá publicamente como descartada a chance de o único candidato do PSDB que ele aceita apoiar, ex-governador José Serra, concorrer.

Orientados pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), os tucanos resistem à ideia e articulam um candidato próprio por meio de prévias, mas ainda não deram resposta. A demora fez o prefeito oferecer apoio ao PT, que lhe faz oposição na cidade e que tem como candidato o ex-ministro da Educação Fernando Haddad, gesto visto como uma forma de pressionar o PSDB a aceitar o acordo.

O prefeito diz que a diferença entre as conversas com o PSDB, de quem ele exige ter a cabeça de chapa, e o PT, para quem ele aceita indicar o vice, é que os petistas não teriam nenhuma dívida com ele. “Deixamos claro que queremos manter a aliança com o PSDB, que já vem de muitos anos, inclusive com nosso apoio a eleição do Alckmin em 2010, mas com a candidatura própria do vice-governador Guilherme Afif Domingos”, afirmou. “Com o PT, é uma relação nova, então temos que chegar de braços abertos”, disse.

30/01/2012 - 22:00h Boa noite

• The Borgia dynasty

00:00 • Bartomeu Càrceres: Villance
05:00 • Garcilaso de la Vega: Églogue III

La Capella Reial de Catalunya:

Montserrat Figueras, soprano
Adriana Fernàndez, soprano
Pascal Bertin, countertenor
David Sagastume, countertenor
Lluis Vilamaio, tenor
Francesc Garrigosa, tenor
Furio Zanasi, barytone
Daniele Carnovich, bass

Narrators:

Josep Piera: Valencian / Catalan
Francisco Rosas: Castilian
Daniele Carnovich: Italian

Hespèrion XXI:

Jordi Savall, Andrew Lawrence-King, Dimitri Psonis, Sergi Casademunt, Fahmi Alqhai, Philippe Pierlot, Xavier Diaz-Latorre, Pierre Hamon, Nedyalko Nedyalkov, Jean-Pierre Canihac, Béatrice Delpierre, Daniel Lasalle, Josep Borras, Michael Behringer, Pedro Estevan.

Conducted by Jordi Savall

30/01/2012 - 19:32h Índios reacendem conflito por rodovia na Amazônia boliviana

30 de janeiro de 2012

CARLOS QUIROGA – REUTERS – AGÊNCIA ESTADO

A chegada a La Paz de uma segunda marcha indígena em pouco mais de três meses reavivou, nesta segunda-feira, o conflito causado por um projeto rodoviário na Amazônia boliviana, suspenso após um protesto semelhante em 2011, e revelou divisões numa das principais bases de apoio ao governo do presidente Evo Morales.

A nova marcha tem objetivos opostos à da primeira, que levou Morales a suspender a construção de uma rodovia de 306 quilômetros e 420 milhões de dólares, financiada pelo Brasil, que atravessaria o Território Indígena e Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis).

“Viemos exigir que se anule essa lei que declara o Tipnis intocável, porque ela nos prejudica e não foi consultada com as bases”, disse Gumercindo Pradel, líder da marcha que entrou em La Paz com quase mil pessoas, após percorrer cerca de 600 quilômetros em 45 dias.

Mas o líder indígena da primeira marcha, Adolfo Chávez, disse à rádio estatal Pátria Nueva que a lei de proteção do Tipnis “não será revisada de maneira alguma”, e anunciou que iniciará imediatamente uma campanha de defesa da lei junto às comunidades indígenas do parque.

Líderes parlamentares prometeram tentar mediar um acordo entre os grupos indígenas divergentes.

Pradel questionou a liderança de Chávez, que na semana passada estabeleceu um surpreendente acordo político com o político direitista Rubén Costas, governador da região de Santa Cruz (leste).

No ano passado, ativistas contrários ao projeto rodoviário na Amazônia boliviana – incluindo indígenas, ONGs, e políticos de oposição – se mobilizaram contra o suposto risco ambiental que a rodovia representaria para o Tipnis, que tem 1,2 milhão de hectares.

Seguindo o discurso do governo, Pradel disse que o dano ecológico da rodovia será “mínimo e insignificante em comparação aos benefícios”.

Desde a promulgação da lei de defesa do Tipnis, a obra rodoviária avança apenas nos seus trechos fora do parque, mas está paralisada na sua parte central, de 177 quilômetros, que deveria passar dentro da reserva.

A construção da rodovia foi encomendada à empreiteira brasileira OAS, e é parte de um ambicioso projeto de infraestrutura que Morales prometeu para o seu segundo mandato, do qual ele já cumpriu dois dos cinco anos.

30/01/2012 - 19:15h Cavalleria Rusticana


Pietro Mascagni – Cavalleria Rusticana

Waltraud Meier
Jose Cura
dir. Liliana Cavani
cond. Riccardo Muti

30/01/2012 - 17:00h Amanhecer, pedradas, condição, experiência e regresso

Giorgio Caproni – Poesia & Lda.

AMANHECER

Meu amor, nos vapores dum café
ao amanhecer, meu amor que inverno
longo e que calafrio estar à tua espera! Cá
aonde o mármore do sangue é gelo, e sabe
a frescura até o olho, agora no ermo
ruído além da geada eu que elétrico
ouço, abrindo e fechando eternamente
as portas desertas?… Amor, está parado
o meu pulso: e se o copo no fragor
subtil tem um tremor nos dentes, talvez
seja o eco dessas rodas. Mas tu, amor,
não me digas que agora em vez de ti está o sol
brotando, não me digas que daquelas portas,
eu cá, com teus passos, já estou a aguardar pela morte.

(de «Il passaggio d’Enea», 1956)

PEDRADAS

Também eu tentei falar.
Sem talvez saber a língua.
Todas as frases erradas.
Em resposta: só pedradas.

CONDIÇÃO

Um homem só,
fechado no seu quarto.
Com todas as suas razões.
Com todos seus erros.
Só, nesse quarto vazio,
e falando. Aos mortos.

EXPERIÊNCIA

Todos os lugares que vi,
que visitei,
agora sei – estou certo:
nunca lá me encontrei.

REGRESSO

Voltei a esse lugar
onde nunca tinha estado.
Do que não foi, nada mudado.
Sobre a mesa (de oleado
aos quadrados) meio vazio
encontrei o mesmo copo
nunca cheio. Tudo
permanece tal e qual
eu o não tinha deixado.

30/01/2012 - 11:19h Perú: El Congreso contempla dar beneficios tributarios a mypes por generar empleo


Comisión de Producción y Produce impulsan proyecto de ley consensuado para inclusión de las mypes, el que ya contaría con apoyo del MEF y será presentado hoy.

MIGUEL JUAPE P., mjuape@diariogestion.com.pe – LUIS HIDALGO SUÁREZ, lhidalgos@diariogestion.com.pe -  GESTIÓN

Los intentos de los últimos gobiernos por lograr desarrollar y formalizar a las micro y pequeñas empresas (mypes) del país no han dado los resultados que se esperaban.

Un proyecto que propone una “Ley de Fomento y de Promoción de la Empresa Inclusiva”, que es impulsado desde el Ministerio de la Producción (Produce) y también la Comisión de Producción del Congreso de la República, propone otorgar a estas empresas facilidades y beneficios, entre ellos, incentivos tributarios para facilitar su acceso y permanencia en el mercado.

Ángel Neyra, presidente de la referida comisión legislativa, informó a Gestión que el proyecto de ley será presentado hoy. La propuesta contaría con la aprobación del Ministerio de Economía y Finanzas (MEF).

“Buscamos una ley para ayudar a que el mercado incluya al sector informal, para lo cual se otorgarán ciertos beneficios tributarios, como una nueva forma para calcular el Impuesto a la Renta (IR), u otorgar un crédito fiscal en el pago de este impuesto, considerando el número de trabajadores que la mype incorpore en la planilla (ver tabla)”, detalló.

En su opinión, los trabajadores (la CGTP) “estarán de acuerdo (con la ley) y habrá más formalización y oportunidad para crear sindicatos formales, que también deben dar valor a la producción, pues el objetivo debe ser el ascenso, crecimiento y superación de las mypes, estableciendo cadenas de exportación”.

Neyra detalló que el proyecto también plantea beneficios laborales, mediante un régimen que permitirá a las mypes otorgar beneficios sociales a sus trabajadores, menores a los del régimen general y similares a los que ya otorga la Ley Mype vigente (50% de gratificaciones y CTS, y 15 días de vacaciones por año).

Régimen especial

De acuerdo al proyecto de ley, se establecería un régimen tributario especial para las mypes que, entre otros, contempla un crédito fiscal del 10% adicional, en el caso del IGV, para las empresas que hayan pagado efectivamente este impuesto.

En cuanto al IR, se plantea una tasa del 1.5% de los ingresos netos mensuales con carácter cancelatorio y con beneficios adicionales como el crédito fiscal antes señalado (por aumento de planilla laboral formal), pero también por reinversión en bienes de capital: 5% de crédito fiscal por compra de maquinaria y equipo nuevo.

El proyecto de ley consensuado, que se presentaría hoy en la Comisión de Producción, recoge los planteamientos de los proyectos presentados por Neyra y por Daniel Abugattás, ambos de Gana Perú, y los de Produce. Según Neyra, solo faltan consensuar algunos puntos con el MEF en el tema tributario, que espera se logre esta semana.

“El Ministerio de Economía ha proporcionado muchos aportes en otros articulados, cosas que no le parecían en un primer momento, pero han señalado una salida”, dijo.

Según la ley vigente, para ser calificadas como mypes, las empresas deben tener dos características concurrentes: generar ventas anuales no mayores de 150 unidades impositivas tributarias (UIT, que ahora equivale a S/. 3,650) y contar con un máximo de diez trabajadores. Para ser pequeña empresa las ventas anuales deben ser de entre 150 UIT y 1,700 UIT, y contar con un número de trabajadores no menor de 11 ni mayor de 100.

otrosí digo

Las mypes son el 95% de las empresas

Cifras al 2010. La microempresa representa el 94.6% del empresariado nacional, la pequeña empresa el 4.6% (55,534 empresas), según Produce. Las mypes con ventas menores a 13 UIT son el 73.5% (881,298 empresas) y en el extremo superior las mypes con ventas superiores a 850 y menores o iguales a 1,700 UIT, son el 0.6% (7,132 empresas).

el dato

Pocas son industrias. La mayoría de las mypes,

(84.6%) están en el sector terciario de la economía (47.2%, en comercio y 37% en servicios). En manufactura está el 10.3%, 2.8% en construcción, 1.9% en agro, 0.5% en minería y 0.3% en pesca.

Apunte

¿Por qué dar más incentivos?

El proyecto para formalizar a las mypes es una solución parcial y de corto plazo. Los informales difícilmente renuncian a su alta rentabilidad y bajos niveles de riesgo por incentivos tributarios y laborales. Además, la Ley 1086 y su Reglamento (DS 008-2008-TR) ya ofrecen un régimen especial para promover la formalización. El Estado tiene que emprender, en forma paralela, procesos de fiscalización selectivos y erradicar los mercados negros.

En el país hay un aproximado de 1 millón 800 mil empresas informales, que generan competencia desleal y es una de las causas de la alta tasa de mortalidad empresarial, como lo revela Global Entrepreneurship Monitor. Otro dato, según Doing Business Report 2012, en Australia crear una nueva empresa toma dos días, en el Perú se requieren 26. También hay que simplificar los trámites.

Franklin Duarte

Pontificia Universidad Católica

30/01/2012 - 10:52h Perú: ¿Trabajo y bienestar?

La inversión y la economía han crecido sostenidamente en los últimos 20 años. Sin embargo, el empleo y bienestar no lo han hecho en igual medida

Lunes, 30 de Enero del 2012

Edición Impresa

Por: Luis Davelouis Lengua – El Comercio

Lunes 30 de Enero del 2012

Siendo optimistas, la historia económica del Perú ha sido un éxito en los últimos 20 años: crecimiento promedio anual ininterrumpido a tasas de 5,5% y caída de la tasa de pobreza desde casi 55% a algo más de 35%. Y la historia es todavía más brillante si uno mira las cifras de reservas internacionales, de deuda soberana sobre el PBI, de crecimiento de las exportaciones, de empleo, inflación e inversión privada.

Son 20 años de expansión en los que ciudades como Ica, Trujillo, Piura o Chiclayo alcanzaron el pleno empleo y, sin embargo, las variables que miden el bienestar no están necesariamente en línea con las cifras arriba expuestas.

No vamos a entrar en debates filosóficos sobre lo que es o no bienestar, porque ello puede resultar absolutamente subjetivo. Hablemos de cosas tangibles: posibilidad de acceder a un seguro de salud, a servicios financieros, a una pensión y a seguridad. Eso, sin mencionar que el Perú sigue teniendo el nivel educativo más bajo de la región.

Por ejemplo, tras 20 años, la bancarización –medida como porcentaje del PBI o de personas que utilizan los servicios de alguna institución financiera–, sigue entre 25% y 30%. En el Perú hay solo 25 oficinas que ofrecen servicios financieros por cada 100.000 adultos, mientras que en Uruguay hay 34 y en Chile 62.

Según las cifras de la Superintendencia de Banca, Seguros y AFP, las primas totales de los seguros representan el 1,55% del PBI (a marzo del 2011), cuando al cierre de diciembre representaban el 1,23% del PBI. El avance no ha sido sustancial. Es todavía más escaso si lo medimos en número de personas que tienen un seguro de salud privado: en esos mismos cuatro años el número de personas que contrató un seguro privado de salud creció 35%, pero aún así solo se llega a 542.000.

El número de personas que no tiene cobertura de pensiones (público o privado) como porcentaje de la PEA, no llegaba al 47% en el 2011 cuando en el 2005 era de 34,5% y los cotizantes (los que efectivamente pagan sus aportes), pasaron de 13,1% en el 2005 a 20,19%, solo 7,09 puntos porcentuales más en casi seis años. Como se mire, el avance es pobre si consideramos que en ese mismo lapso el PBI creció 40,16%. ¿Cómo es eso consistente con la bonanza que atravesamos?

Hay más. Las cifras de delincuencia se han incrementado. A priori, uno podría aducir que es lógico: a mayor bonanza, es ‘más negocio’ ser ladrón o secuestrador porque ‘el mercado’ de potenciales víctimas crece. Hace un par de años, en una CADE, un empresario nos decía: “si la gente está trabajando, ya no se dedica a delinquir porque no tiene tiempo”.

¿Pero qué ha pasado con la ciudades que tienen pleno empleo? La tendencia es la misma que en el resto del país. Si todos están trabajando, ¿quiénes roban entonces? Peor aun, según la ONG Ciudad Nuestra, la tasa de homicidios se ha incrementado en 120% entre el 2005 y el 2009; aunque los delitos contra el patrimonio continúan representando más de las dos terceras partes del total.

LOS PORQUÉS
“Como yo lo veo, eso tiene una explicación”, sostiene el economista de la Universidad del Pacífico, Gustavo Yamada. “Lo primero que uno quiere es chamba, luego una mejora de sueldos que se logra a medida que aumenta la productividad de trabajadores y empresa, después salud, y muy por detrás lo demás como vacaciones o pensión pues, en realidad, muchos trabajadores prefieren que les paguen un poco más hoy, a que les descuenten por AFP”.

¿Tiene sentido? El economista Eduardo Morón, también de la U. del Pacífico, comenta el retraso en los indicadores de ‘bienestar’ (a falta de un mejor nombre), tienen que ver con la rigidez del mercado laboral peruano, en el que es más duro y caro formalizarse. Menciona que los contratos a plazo fijo, que no generan derechos laborales (como el CAS en el Estado), están de moda, los cuales no implican empleo permanente.

Ello explicaría, en parte, por qué las personas no tienen AFP y los salarios no se incrementan en la misma proporción en que lo hacen las utilidades de las empresas (como porcentaje de los costos, los sueldos pasaron de representar el 40% al 19%). Mención aparte merece (no lo tocaremos aquí) cómo es que hoy las personas trabajan muchas más horas a la semana y ganan menos en términos relativos.

En cuanto a la seguridad, el sociólogo Carlos Basombrío afirma convencido de que no existe una relación directa entre seguridad y crecimiento económico, pues aquella tiene que ver con la gestión del Estado y su estrategia para combatir la delincuencia. Según cifras del World Economic Forum, la policía chilena está en el puesto 10 de credibilidad, mientras que la peruana está en el puesto 121 de 132 economías.

En todo caso, según estos tres especialistas, la falta de correlación entre las variables no es culpa del modelo económico sino del Estado, primero en forma de distorsiones normativas (rigidez de las normas laborales) y gestión deficiente de la redistribución y de la institucionalidad.

Tras 20 años de éxito, es duro mirar estas cifras. Entonces, ¿qué es lo que vamos a hacer diferente?

30/01/2012 - 10:00h Brasil está em forma para enfrentar crise e ter juros menores, diz Viñals

Para Vinãls, diretor da área monetária do FMI, “a crise não é um problema europeu, mas um problema global”


Por Alex Ribeiro | VALOR

De Washington

O melhor que o Brasil pode fazer para se proteger de um eventual agravamento da crise da Europa é ajudar a reforçar o caixa do Fundo Monetário Internacional (FMI) para evitar o contágio da economia mundial, afirma o diretor do Departamento Monetário e Mercados de Capitais do organismo, José Viñals.

“O melhor é evitar que esses choques ocorram”, afirmou Viñals, que recebeu o Valor em seu escritório em Washington na semana passada. “Talvez o melhor investimento que todo o mundo pode fazer é colocar em prática um escudo global.”

O FMI está passando o chapéu entre os seus principais acionistas para arrecadar US$ 500 bilhões, dobrando o seu poder de fogo para combater uma possível piora no ambiente financeiro global. O Brasil está inclinado a contribuir, mas os Estados Unidos, principal sócio do Fundo, resistem. Na sexta-feira, o secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, indicou pela primeira vez que pode mudar de opinião.

O presidente americano, Barack Obama, disputa a reeleição neste ano, e os candidatos de oposição têm afirmado que a Europa é rica o suficiente para resolver os seus próprios problemas. “Esse não é um problema europeu, é um problema global”, afirma Viñals.

“A Europa resolveu fazer um escudo de € 500 bilhões. Achamos no FMI que deveria ser sensivelmente maior”

Viñals é o chefe do departamento do FMI encarregado de apontar os riscos financeiros que ameaçam a economia mundial. Na semana passada, um relatório do Fundo alertou que, apesar da recente melhora nos mercados, os problemas fundamentais que afetam a Europa não foram resolvidos. Se os governos não agirem, diz o documento, o mundo irá caminhar para um novo mergulho recessivo. Depois de expandir fortemente o crédito nos últimos anos, os países emergentes correm o risco de um pouso forçado de suas economias.

Ninguém será poupado se o pior acontecer, afirma Viñals. Mas ele pondera que, com US$ 350 bilhões em reservas internacionais, espaço para baixar juros e bancos líquidos e bem capitalizados, o Brasil está “numa boa posição para enfrentar os impactos negativos”.

Viñals, um espanhol com doutorado pela Universidade de Harvard com longa carreira no banco central de seu país, não quis comentar se o Brasil está certo em baixar os juros agora. Mas fez muitos elogios à atuação do Banco Central. “As pessoas no Banco Central são muito sensatas, elas refletem muito bem antes de decidir”, afirmou. “Em geral, o reequilíbrio da política macroeconômica no Brasil é razoável, com contenção fiscal que abre espaço para uma política monetária menos restritiva.”

Valor: Os mercados se acalmaram um pouco nas últimas semanas. Por que o FMI está tão preocupado?

José Viñals : Não podemos ser complacentes, pois os problemas não foram completamente corrigidos. Foram feitas muitas coisas, mas ainda falta o antibiótico certo para curar a doença que atinge a economia mundial, cujo epicentro está na área do euro. Os mercados são temperamentais, hoje eles parecem muito bons, mas amanhã, não. Estamos chamando a atenção para as economias avançadas, em especial a da Europa, adotarem medidas para deixar os mercados mais confiantes em adquirir e manter em carteira ativos da zona do euro, tanto soberanos quanto emitidos por bancos. Também estamos dizendo para os países emergentes não ficarem superconfiantes, para se manterem alertas para responder adequadamente. Os países emergentes se mantiveram resilientes aos problemas na zona do euro até agora. Mas não dá para descartar que, se eles não forem resolvidos em tempo, poderá haver uma escalada. Se isso acontecer, o mundo todo será atingido.

Valor: Essa recente queda nos juros dos papéis europeus não seria um bom sinal?

Viñals : O Banco Central Europeu (BCE) está oferecendo linhas de liquidez de três anos, que têm sido cruciais para evitar o pior. O mercado interbancário na Europa não está funcionando, os bancos não estão emprestando uns aos outros. Somente os melhores nomes no mercado bancário conseguem emitir papéis de dívida. Isso não é normal.

Valor: Então o BCE estaria dando o remédio para febre, não para a doença?

Viñals : Diria que você está dando algum remédio para evitar o colapso, mas esse colapso é reflexo de outros problemas subjacentes que precisam ser tratados. Podemos evitar o colapso. Mas não podemos dizer que está tudo bem. O BCE também tem atuado nos mercados de dívida soberana. Isso não é algo natural. Alguma coisa está muito errada quando é preciso dar esse apoio extraordinário para dois segmentos tão importantes, o mercado de dívida soberana e o mercado de captação dos bancos. O ponto fundamental é não se enganar pela recente melhora nas condições de mercado, porque, em grande medida, ela reflete as medidas extraordinárias tomadas pelo BCE.

Valor: Por que o FMI quer aumentar os recursos dos fundos de socorro da Europa? Quanto seria suficiente?

Viñals : É como se alguém estivesse colocando o dinheiro na mesa e dizendo: “Não se preocupe, estou aqui caso algo ruim aconteça”. Isso é algo que dá confiança aos investidores. Mas, para tanto, é preciso colocar o dinheiro na mesa. É preciso colocar a quantia para lidar com o problema que você tem. Até agora, os planos dos europeus para construir esse escudo não convenceram os mercados. Primeiro porque o ritmo era muito lento. Segundo, porque a quantia não era percebida como suficiente e porque havia limites sobre como o dinheiro pode ser usado. É preciso de um escudo maior e o uso mais flexível desses recursos. A Europa resolveu fazer um escudo de €500 bilhões. Achamos no FMI é que ele deve ser mais alto. Não necessariamente dobrando o escudo, mas sensivelmente maior do que €500 bilhões.

Valor: Isso resolve o problema?

Viñals : Também precisamos de um escudo em termos mundiais. Há o risco de a crise da Europa se espalhar para outras regiões. A instituição que existe para lidar com esses problemas em nível global é o FMI, por isso dissemos que precisamos aumentar significativamente nossa capacidade para emprestar. Precisamos de US$ 500 bilhões, além do que já temos. Estamos em processo de conversar com os nossos principais acionistas para levantar essa quantia.

Valor: A Europa não é rica o suficiente para resolver os seus próprios problemas?

Viñals : Esse não é um problema europeu, é um problema potencial global. Pode afetar todo mundo. É interesse de todos estabilizar a situação, criando um escudo global. O FMI lida com todos os seus Estados membros. Agora iríamos discriminá-los, ajudando de acordo com o nível de renda? Seria uma assimetria, com o FMI ajudando alguns, e outros não. Se os países têm a obrigação de obedecer às regras que estabelecemos, eles também têm o direito de vir ao FMI, desde que as regras sejam obedecidas.

Valor: Por que o FMI está tão preocupado com os bancos europeus?

Viñals : Numa crise grande como essa, os bancos são atingidos, e eles precisam se curar. Existem algumas formas de curar os bancos que são mais amigáveis à economia real do que outras. A desalavancagem atual preocupa porque leva a uma redução do crédito, que por sua vez prejudica a economia, que prejudica ainda mais os bancos. Temos um ciclo vicioso. É preciso que os bancos se desalavanquem não tanto pela redução de crédito, mas tendo mais capital. Estamos dizendo: façam a desalavancagem boa, aumentando capital.

Valor: E como fazer isso?

Viñals : Primeiro, é preciso ter diretrizes sobre como os bancos devem melhorar seu índice de capitalização. É preciso dizer para eles aumentarem o volume de capital em vez de diminuir o crédito. Nos casos em que os bancos não conseguem aumentar capital com seu próprio esforço, o governo deve ajudar. Esse é um bom investimento. Investir um dólar agora, por meio de aumento de dívida pública, para fortalecer o capital de um banco poupa o gasto de cinco dólares mais tarde, quando os bancos tiverem um problema mais sério. Há casos em que os governos estão numa posição fiscal muito difícil, sem margem de manobra para se endividar. Estamos propondo que usem recursos de fundos europeus nesses casos para que esses países não precisem aumentar ainda mais as suas dívidas. Essa é a forma de romper o vínculo entre os riscos bancários e risco soberano em nível nacional.

Valor: Falta coordenação entre a política fiscal de diferentes países?

Viñals : Os temas fiscais são difíceis porque os países precisam pôr as finanças em ordem, mas de um jeito que não machuque a economia, que já está bastante fraca em muitos casos. A coordenação é muito importante. Se as economias avançadas caminharem todas ao mesmo tempo para consolidação fiscal, vai tirar força da demanda e impor um sofrimento a si mesmos. Uma maneira é ter uma demanda maior vindo de países emergentes. Dessa forma, os países avançados que estão pisando no freio com a consolidação fiscal podem exportar mais para o resto do mundo. Por isso é importante o processo no FMI e no G-20 para reverter os desequilíbrios globais.

Valor: Há um sentimento de que o Brasil é quem mais perde com a consolidação fiscal nas economias avançadas…

Viñals : Perde? Vocês são os grandes vencedores!

Valor: A combinação de consolidação fiscal e expansão monetária dos países avançados contribui para a valorização do real. Não há como ter estímulo fiscal em vez de monetário?

Viñals : É muito perigoso estimular com instrumentos fiscais justamente agora que as dívidas públicas estão tão altas. O que estamos dizendo é algo diferente. O processo de consolidação fiscal de longo prazo – e essa é a âncora – deve acontecer de forma suave, levando em conta o estado da economia. Não estamos dizendo que devemos ter expansão fiscal indiscriminada em economias avançadas. Isso poderia causar dificuldades tremendas com os mercados. Talvez haja países com algum espaço, como a Alemanha, para uma política fiscal um pouco mais amigável. Mas muitos outros países precisam sair de uma situação de dívidas públicas altas.

Valor: O FMI afirma no seu relatório de estabilidade que há o risco de um pouso forçado das economias emergentes, sobretudo onde o crédito cresceu muito. O Brasil preocupa?

Viñals : O Brasil acumulou importantes colchões de política econômica, com reservas internacionais de US$ 350 bilhões e bancos líquidos e bem capitalizados. O Brasil tem espaço para ajustar a sua política monetária de uma forma anticíclica, se as circunstâncias exigirem. Tudo isso deixa o Brasil numa boa posição para enfrentar os impactos negativos de choques externos. Mas o melhor é evitar que esses choques ocorram. Talvez o melhor investimento que todo o mundo pode fazer é colocar em prática um escudo global. É uma forma de comprar um seguro e se proteger de coisas ruins, pois será menos provável que elas ocorram.

Valor: O Brasil acertou ao afrouxar a política monetária enquanto o FMI dizia para os países emergentes esperarem um pouco antes de agir?

Viñals : A política monetária é um processo muito sensato no Brasil. As pessoas no Banco Central são muito sensatas, elas refletem muito bem antes de decidir. Não comentamos as ações específicas de bancos centrais. Mas em geral o reequilíbrio da política macroeconômica no Brasil é razoável, com contenção fiscal que abre espaço para uma política monetária menos restritiva.

Valor: É hora de desfazer as medidas de controle de capitais?

Viñals : As autoridades brasileiras já reverteram alguns desses controles. É algo que faz sentido. Essas políticas devem ser usadas de uma forma anticíclica. Isso vale quando há muitos ingressos de capitais e vale também quando tem menos. Mas é bom lembrar que, no fim das contas, a melhor defesa contra fluxos de capitais – seja de saída ou de ingresso – é não apenas colocar controles. É ter margem de manobra para fazer o ajuste econômico certo, contribuindo para um fluxo de capitais mais ordenado em todas as direções. Por isso que no tempo de bonança nós dizemos que é preciso buscar as políticas econômicas e financeiras adequadas e usar as medidas de controle de capital como complemento.

30/01/2012 - 09:35h Depois de veto de Lula, aeroporto privado vira realidade com Dilma

Por Daniel Rittner e Fábio Pupo | VALOR

De Brasília e São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva abortou pessoalmente dois planos desenhados por seus auxiliares para abrir os aeroportos para a iniciativa privada. Em 2008, vetou estudos do BNDES para uma eventual privatização da Infraero, sugerida por empresários à então ministra Dilma Rousseff. Em 2009, o governo trabalhou firmemente no projeto de concessão do Galeão e de Viracopos, mas Lula vetou de novo a continuidade das discussões.

“Ele garantiu que honraria o compromisso de não fazer privatizações”, recorda um ex-assessor que convivia com o petista no Palácio do Planalto, relativizando a magnitude dos leilões de rodovias federais realizados em sua gestão. Lula não queria perder o eixo do discurso explorado com insistência pelo PT nas últimas campanhas presidenciais: o “sucesso” das intervenções estatais contra o “liberalismo” tucano.

Nos primeiros meses de seu mandato, sob o fantasma de um vexame na Copa do Mundo de 2014 e buscando destravar investimentos necessários para atender a um crescimento da aviação comercial, que atingiu estratosféricos 118% nos últimos oito anos, Dilma decidiu romper um paradigma no PT e comprar a briga com os sindicatos. O resultado será transferir para a gestão privada dois dos aeroportos mais lucrativos do país – Guarulhos e Campinas -, além de Brasília, em leilão marcado para o próximo dia 6.

Segundo o governo, a escolha desses terminais para a concessão ocorreu por concentrarem a maior necessidade de investimentos para os próximos 30 anos para acompanhar a demanda. Hoje, os três aeroportos juntos movimentam 30% dos passageiros, 57% das cargas e 19% das aeronaves do sistema brasileiro.

“Ao fim desse processo, teremos quatro grandes operadoras aeroportuárias concorrendo entre si”, explica Marcelo Guaranys, presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) – incluindo na conta a Infraero e ressaltando a regra que permite ao mesmo grupo privado arrematar somente uma concessão.

Influi, nos números, o peso gigantesco do aeroporto de Guarulhos, o mais lucrativo de todos. Ele integra o conjunto de apenas sete terminais lucrativos, de um total de 66 controlados pela Infraero. Considerando custos com depreciação, Guarulhos está no topo do ranking, com resultado líquido aproximado de R$ 190 milhões por ano. Campinas está em quarto lugar – depois de Congonhas e de Curitiba -, com R$ 17,9 milhões. Entre os 59 que dão resultado negativo, está o de Brasília – prejuízo anual de R$ 4,5 milhões.

Por isso, a Anac chegou a conceber um modelo em que aeroportos poderiam ser concedidos em bloco, reunindo lucrativos e deficitários em um mesmo grupo. Avaliava-se que alguns terminais menores, que hoje operam no vermelho, como Florianópolis, poderiam ser rentáveis com um “choque de gestão” da iniciativa privada. No fim, prevaleceu um formato pelo qual operadores privados assumirão os aeroportos mais estratégicos do país.

Guarulhos, o mais superlotado de toda a rede da Infraero, é a principal porta de entrada e saída do país e tenta há quase dez anos tirar do papel seu terceiro terminal de passageiros. Brasília, que também opera acima de sua capacidade, tornou-se um dos maiores centros de distribuição de voos domésticos. Viracopos, aposta do governo para o futuro da aviação brasileira, se transformará no maior aeroporto da América Latina em 2023.

Os vencedores do leilão precisarão entregar as obras da primeira fase dos contratos de concessão em 18 meses, o que inclui novos terminais de passageiros e pátios de aeronaves. “É um cronograma arriscado. Certamente precisaremos executar as obras em três turnos”, afirma um alto executivo de uma construtora que participará do leilão.

O dilema das grandes empresas pode ser resumido da seguinte forma: as equipes de engenharia temem enfrentar problemas que ameacem o calendário – e gerem multas de R$ 150 milhões -, enquanto as áreas de novos negócios das empreiteiras veem boas perspectivas de retorno, se o desafio das primeiras obras for superado.

Dilma cercou-se de cuidados, políticos e técnicos, para levar adiante as concessões. Juntou uma equipe de tecnocratas conhecidos no governo pela obsessão por detalhes para tocar o plano. Nenhum deles tem carreira política. O time é encabeçado por um ex-diretor de infraestrutura do BNDES (o ministro Wagner Bittencourt), um ex-diretor do Banco Central (Gustavo do Vale, presidente da Infraero) e um economista de 34 anos, tido por colegas do Planalto como “jovem brilhante” (Guaranys).

Politicamente, o governo tomou o cuidado de banir o termo privatização de declarações públicas ou mesmo de conversas entre assessores. A ideia é enfatizar a diferença com as concessões feitas no governo Fernando Henrique Cardoso, como as de telefonia e as de ferrovias, frisando a participação de 49% da Infraero nas futuras operações de Guarulhos, Campinas e Brasília.

Outra precaução foi conceder uma série de benefícios aos empregados da Infraero. Quem migrar para as concessionárias privadas terá cinco anos de estabilidade e indenização de 1,2 salário por ano trabalhado na estatal.

Até o fim de março, o governo pretende concluir um plano de outorgas, que definirá quais aeroportos serão mantidos pela Infraero e aqueles que serão repassados a governos estaduais ou ao setor privado. É provável que o Galeão (RJ) e Confins (MG) estejam na segunda rodada de concessões, que dificilmente sairá em 2012.

Alexandre de Barros, um ex-diretor da Anac que agora dá aulas de engenharia de transportes na Universidade de Calgary (Canadá), vê um cenário de intensa competição, no médio prazo, entre cinco potenciais aeroportos privados. Brasília e Confins deverão concorrer como “hubs” de voos domésticos. Além de disputar os passageiros nacionais, os aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Galeão vão competir fortemente também pelos voos internacionais, acredita Barros.

Experiência internacional indica aumento das tarifas aeroportuárias

De Brasília

A privatização de aeroportos em outros países reúne uma coleção de experiências que guardam poucas semelhanças entre si. Há casos de venda em definitivo dos ativos (Reino Unido), de contratos de aluguel de terminais inteiros pelas companhias aéreas para gestão própria (Estados Unidos e Canadá), de concessão de toda a rede de aeroportos a uma única operadora (Argentina) e de divisão do sistema em grupos que juntam instalações rentáveis e deficitárias (México).

O modelo brasileiro não é inspirado em nenhum outro caso em particular, mas se aproxima da experiência australiana, na prática. A Austrália concedeu cada um de seus grandes aeroportos – Sidney, Melbourne e Brisbane – a empresas diferentes, que competem entre si por tráfego e para atrair bases operacionais das companhias aéreas, como centros de distribuição de passageiros em conexão. Há uma renegociação tarifária a cada cinco anos, como no Brasil, onde está prevista a aplicação de um “fator-X” para capturar os ganhos de produtividade em benefício dos passageiros. Entre as renegociações, as tarifas australianas são reajustadas de acordo com a inflação, mas é aplicado um desconto equivalente ao percentual de aumento esperado da demanda para cada um dos aeroportos.

Independentemente do modelo seguido, quase todas as experiências levaram ao mesmo lugar: aumento das tarifas aeroportuárias, segundo um estudo feito pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata). A entidade, que representa companhias aéreas de todo o planeta, checou a situação de 12 aeroportos internacionais concedidos à iniciativa privada.

O aeroporto de Atenas, por exemplo, erguido por conta da Olimpíada de 2004, chegou a ter um aumento de nada menos que 500% em sua tarifa em relação àquela cobrada pelo aeroporto antigo. No Peru, o aeroporto de Lima foi concedido sob a condição de que a concessionária pagasse royalties de 46% sobre sua receita bruta. O resultado foi o aumento de tarifas para o consumidor e para empresas aéreas.

“A experiência internacional demonstra que não existe uma receita de bolo para a concessão, mas algumas propostas do modelo brasileiro nos preocupam, como a cobrança de taxas sobre a receita de fontes não tarifárias, como os espaços comerciais do aeroporto e o arrendamento das áreas de dutos para abastecimento dos aviões”, afirma Carlos Ebner, diretor da Iata no Brasil.

O arrendamento das áreas de combustível, segundo ele, costuma figurar como uma importante fonte de receita complementar do concessionário. Hoje a taxa cobrada da companhia aérea é de 1,1% do volume de combustível comprado. “O que nos preocupa é que isso não é regulado, como acontece com as taxas de embarque, por exemplo. Qualquer movimento de preço nesse tipo de serviço afeta as companhias aéreas, que automaticamente repassam o aumento para o preço das passagens aéreas.”

O aprendizado de algumas concessões internacionais, segundo Ebner, também já demonstrou que o sucesso delas está diretamente ligado à capacidade de o concessionário usar parte de sua receita comercial para reduzir o preço das tarifas cobradas pelo aeroporto. “É isso o que torna um aeroporto mais competitivo, mas no modelo brasileiro há o problema de subsídio cruzado”, comenta Ebner. “A receita comercial deve ir para um fundo nacional da aviação civil, ou seja, o dinheiro não volta para a melhoria daquele aeroporto, mas é distribuído entre vários.”

Nos Estados Unidos, onde quase todos os grandes aeroportos são estatais, há acordos com empresas aéreas para a administração de terminais. Isso faz com que companhias como American, United, Delta e Continental tenham bases operacionais em determinadas cidades. Investimentos em ampliação da infraestrutura, no entanto, costumam ser feitos com dinheiro público.

“A diferença com o Brasil é que, nos Estados Unidos, não há lei de licitações nem concursos públicos. Isso dá, naturalmente, muito mais agilidade para acompanhar a demanda por investimento”, diz Alexandre de Barros, professor de engenharia de transportes na Universidade de Calgary e ex-diretor da Anac. Da rede de aeroportos americanos, 33% são operados por autoridades municipais, como Atlanta; 30% por uma autoridade aeroportuária, com representantes de várias instâncias, como Washington; e 6% são geridos por consórcios intermunicipais, como Dallas/Forth Worth, transformado em base de operações da American Airlines.

A divisão da rede de aeroportos por grupos, com terminais rentáveis e deficitários em lotes iguais, foi uma opção estudada pelo governo brasileiro. O objetivo desse modelo, adotado no México, é evitar que apenas aeroportos lucrativos despertem interesse do setor privado e instalações menores deixem de receber investimentos. No caso mexicano, houve divisão em quatro grupos e só o aeroporto da capital, por onde passam 30% de todos os passageiros, continua sendo gerido pelo Estado. Outros 34 aeroportos foram distribuídos em três lotes, concedidos por 50 anos – renováveis por outros 50 – entre 1998 e 2000, com um terminal-âncora por grupo (com 5 milhões de passageiros/ano).

“A lição que podemos tirar do México é que os concessionários concentram seus investimentos nos aeroportos principais. Por mais que a regulação econômica crie incentivos para evitar isso, a tendência do investidor é procurar brechas no contrato para aplicar recursos no aeroporto que realmente lhe dá lucro”, reconhece Alexandre de Barros. (DR e AB)

30/01/2012 - 08:36h Para tucanos, prévia vai revelar filiado autêntico


Reportagem do ‘Estado’ de ontem mostrou que militantes desconhecem a sigla ou foram cadastrados ao participar de programa estadual Vivaleite

30 de janeiro de 2012

JULIA DUAILIBI E DANIEL BRAMATTI – O Estado de S.Paulo

Os pré-candidatos do PSDB disseram ontem que as prévias para escolher o candidato do partido à Prefeitura de São Paulo servirão para chegar aos “verdadeiros” militantes tucanos. O “Estado” mostrou ontem haver filiados que desconhecem o partido ou que se cadastraram na sigla em locais credenciados pelo governo estadual para distribuir leite.

“As prévias têm, sobretudo, o papel de revigorar o partido na base e identificar o militante que está verdadeiramente identificado com os princípios do PSDB”, disse o secretário Andrea Matarazzo (Cultura). “Um dos motivos da prévia é tirar a poeira do PSDB”, afirmou o deputado Ricardo Tripoli. A disputa entre os tucanos está marcada para o dia 4 de março. Amanhã é a data limite para inscrição nas prévias, segundo resolução do partido.

Eleitores disseram ao Estado ter se filiado ao PSDB por meio de entidades que distribuem leite pelo programa Vivaleite, da Secretaria estadual do Desenvolvimento Social. Na zona leste, maior reduto de “filiados” tucanos, duas dessas entidades, a Aqualiprof e a Assocam, são presididas por tucanos. Segundo a secretaria, cada uma distribui leite para cerca de 200 famílias.

Na capital paulista, 1.842 entidades estão habilitadas pelo governo para fazer a distribuição – 922 na região leste.

O presidente do PT municipal, Antonio Donato, criticou o que chamou o uso da máquina pública para beneficiar o PSDB. “A utilização da máquina por meio do Vivaleite fortalece o PSDB e foge de qualquer padrão republicano”, disse o petista.

A Secretaria de Desenvolvimento Social disse, em nota, ser proibido pelas regras do programa condicionar a participação no Vivaleite à “filiação ou participação político-partidária”.

Nas duas zonas eleitorais da zona leste onde o Estado entrevistou integrantes da “base” do PSDB, há predominância de mulheres entre os filiados ao partido. Na zona 398 (Vila Jacuí), elas são 59% dos tucanos, e na zona 352 (Itaim Paulista), 56%. São regiões de baixa renda, alvo de programas sociais como o Vivaleite, cuja clientela é majoritariamente feminina – as mães retiram o leite em nome das crianças.

Já nas duas zonas eleitorais nas quais o PSDB teve mais votos em 2010, a 5.ª (Jardim Paulista) e a 258.ª (Indianópolis) e onde os moradores têm alta renda e não dependem de programas governamentais, as mulheres são minoria entre os filiados – 32% e 43%, respectivamente.

O Vivaleite tem uma capilaridade maior no Estado que o Renda Cidadã, principal iniciativa de transferência direta de renda da gestão do tucano Geraldo Alckmin. O governo distribui 126 milhões de litros de leite por ano para 700 mil famílias em todo Estado. O Renda Cidadã concede R$ 80 para 210 mil famílias.

30/01/2012 - 08:20h Para pesquisadores, menor desemprego já reflete mudanças demográficas

Por Sergio Lamucci | VALOR

De São Paulo

A queda da taxa de desemprego em 2011 se deveu em grande parte à força da ocupação no setor de serviços e na construção civil, mesmo num cenário de fraco crescimento da economia, mas também refletiu um fator mais estrutural – as mudanças demográficas que já afetam o mercado de trabalho brasileiro. A população em idade ativa (PIA) cresce cada vez mais devagar, moderando o ritmo de expansão da oferta de trabalho e, com isso, colaborando para reduzir a desocupação. O desemprego fechou o ano passado em 6% nas seis principais regiões metropolitanas do país, o nível mais baixo da série iniciada em 2002, segundo números do IBGE.

Assessor da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e professor da Universidade de Brasília (UnB), Jorge Arbache tem chamado a atenção para a importância dos efeitos das mudanças demográficas sobre o emprego e a renda. A PIA, diz ele, é o fator mais importante para determinar a oferta de trabalho. Uma PIA que cresce menos tende a reduzir o ritmo de expansão da chamada população economicamente ativa (PEA), o grupo formado pelas pessoas empregadas e pelas que estão em busca de ocupação.

Em 2011, a PIA cresceu 1,26% nas seis principais regiões metropolitanas, taxa idêntica à do ano anterior. Em 2007, ela tinha crescido 1,73%. Segundo Arbache, a expectativa é que a população em idade ativa pare de crescer entre 2020 e 2022, passando então a encolher. Quando isso ocorrer, o impacto sobre a oferta de trabalho será muito mais intenso.

No ano passado, a PEA teve um aumento de 1,2%, inferior à alta de 2,1% registrada pelo nível de emprego. A tendência de fraco crescimento da população em idade ativa ajuda a explicar o avanço modesto da PEA, avalia o economista Sérgio Mendonça, do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Arbache ressalva que, no curto prazo, a PEA “pode variar em razão de incentivos, como o aumento ou queda dos salários reais” – ou seja, não segue automaticamente os movimentos da PIA.

Para Mendonça, a força do mercado de trabalho nos últimos anos, com alta de salários e aumento da formalização, tem levado mais gente a retardar a entrada no mercado de trabalho. Numa família em que os pais têm um emprego com rendimento melhor e contam com a segurança da formalidade, a tendência é que os filhos fiquem mais tempo estudando, sem buscar emprego e, com isso, aliviam a pressão sobre a PEA, acredita ele. É uma avaliação compartilhada pelo economista Fabio Romão, da LCA Consultores, para quem uma situação favorável em termos de renda pode desestimular a busca de ocupação dos filhos para reforçar o orçamento familiar.

Arbache aponta dois outros fatores que tendem a diminuir o potencial de expansão da população economicamente ativa: a taxa de participação das mulheres no mercado de trabalho já é elevada e não há mais uma grande migração da zona rural para as cidades.

Para ele, os analistas têm subestimado o impacto das mudanças demográficas já em curso no país. “A taxa de fecundidade no Brasil caiu de três para dois filhos por mulher em apenas 18 anos, de 1988 a 2005, enquanto em muitos países europeus essa mudança se deu em cerca de 60 anos ou mais”. Trata-se de um fenômeno importante, com efeitos significativos sobre o ritmo de expansão da população em idade ativa, afirma Arbache.

No curto prazo, diz ele, a redução do ritmo da oferta de trabalho ajuda a transmitir uma sensação de bem estar, por ajudar a reduzir o desemprego. No longo, implica em desafios difíceis, por elevar o custo do trabalho, minando a competitividade internacional do país, além de ter efeitos sobre a Previdência. Para lidar com esses problemas, avalia Arbache, será fundamental trabalhar para elevar a produtividade.

Os especialistas ressaltam também o papel essencial dos fatores conjunturais para a queda do desemprego de 6,7% em 2010 para 6% em 2011 – menos da metade dos 12,3% de 2003. O Produto Interno Bruto (PIB) deve ter crescido menos de 3% no ano passado, mas os serviços ainda tiveram um bom desempenho, o que explica o aumento expressivo da ocupação no setor. No segmento de serviços às empresas, o nível de emprego aumentou 6,4% em 2011, um alta mais forte que os já significativos 4,5% do ano anterior.

Arbache diz que o “crescente protagonismo dos serviços na economia”, num momento em que a indústria patina, foi decisivo para a ocupação crescer a um ritmo ainda razoável. Mendonça observa que a construção civil também ajudou – números do IBGE mostram uma alta de 3,9% do nível de emprego no setor no ano passado. Para comparar, o crescimento na indústria de transformação foi de apenas 1,2%.

O professor Claudio Salm, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), diz que a força dos serviços e da construção derrubou o desemprego em 2011, mas ele não acredita que o mesmo pode ocorrer se a economia crescer menos de 3,5% a 4% em 2012. Ele diz que, na primeira metade de 2011, a economia ainda teve um crescimento razoável (de 3,8% em relação ao mesmo período de 2010), e que a desaceleração mais forte ocorreu apenas no segundo semestre. Neste ano, o desemprego tende a subir se o PIB tiver mais uma expansão modesta, na casa de 3%, acredita Salm.

Mendonça e Romão discordam, apostando em nova queda da desocupação em 2012. Para o primeiro, um motivo importante é que não haverá uma grande pressão da oferta de trabalho, em parte pela questão demográfica e em parte porque a condição favorável de emprego e renda tende a fazer com muitas famílias retardem a entrada dos filhos no mercado de trabalho. Romão acredita que a PEA vai crescer 1,6% em 2012, acima do 1,2% deste ano, mas ainda assim menos que o 1,8% estimado para a ocupação. A atividade econômica deve ganhar força no segundo trimestre, decolando especialmente depois de julho, contribuindo para que setores como a indústria e o comércio gerem um volume maior de empregos.

29/01/2012 - 22:00h Boa noite


Jordi Savall – yo me enamore de un ayre

Ken Zuckerman on the Sarod

from the “musique pour la paix” concert

29/01/2012 - 21:16h Las ideas y el caos

Domingo, 29 de enero de 2012

Mario Vargas Llosa – LA REPÚBLICA

Quienes creen que la historia de América Latina es una obra maestra de la sinrazón, un producto del puro instinto y de la fuerza bruta, deberían leer el reciente libro del historiador mexicano Enrique Krauze, Redentores. Ideas y poder en América Latina (Debate, 2011). Este ambicioso y audaz ensayo quiere mostrar, a través de perfiles biográficos de doce latinoamericanos de diversa vocación –políticos, revolucionarios, escritores, dictadores– que la evolución de América Latina no es un caos, resultante de las pasiones y los apetitos desbocados, sino una compleja trama movida por ideas y convicciones que, aunque a menudo disimuladas detrás de desplantes, matonerías y retóricas rimbombantes y huecas, le dan a aquella sentido, coherencia y racionalidad.

Como los autores de las dos obras capitales que le sirven de modelo, Russian Thinkers, de Isaiah Berlin, y To the Finland Station, de Edmund Wilson, Enrique Krauze cree firmemente que las ideas hacen siempre la historia y explican todos los grandes hechos –repugnantes o admirables, generosos o mezquinos, liberadores o esclavizantes– que constituyen el devenir de todas las sociedades y naciones.

Aunque rigurosamente trabados entre sí, los capítulos del libro son de dimensión y profundidad variada y entre el riquísimo y exhaustivo dedicado a Octavio Paz –un libro dentro del libro, en verdad– y los más breves y someros consagrados, por ejemplo, a José Martí y a Eva Perón, hay diferencias acusadas. Pero todos están escritos con desenvoltura, astucia y felicidad y se leen con la expectativa y la excitación de las mejores novelas. Redentores es una obra clave de nuestros días, una de las empresas intelectuales más audaces concebidas en el ámbito intelectual y político latinoamericano, y, por su rigor y erudición y la originalidad de sus análisis, un aporte valiosísimo para entender la actualidad y las perspectivas inmediatas de ese continente que creíamos de las oportunidades perdidas pero que, según la tesis más polémica de Krauze, ya no lo es más, pues ha entrado por fin, en medio del tumulto que es todavía su fachada, en un rumbo de verdadero progreso.

El optimismo que transpira el libro no peca de ingenuo, está fundado en datos, indicios y razonamientos persuasivos. Debo confesar que, en mi caso, ha servido para derribar desconfianzas y escepticismos que alentaba hacia algunos países, sumidos en problemas que me parecían obstáculos insalvables para que en ellos echaran raíces en un futuro próximo instituciones y costumbres democráticas sobre bases estables. Desde luego, Krauze es muy consciente de la enorme diversidad existente entre la veintena de países de América Latina y de la imposibilidad de que todos ellos progresen al mismo ritmo y de la misma manera. Es también muy lúcido sobre los desafíos mayores para la democratización que representan el narcotráfico y su inmenso poderío económico y el crecimiento desaforado de la delincuencia y la corrupción que en gran parte es su consecuencia. Lo que señala es una tendencia general a la que, unos más rápido y otros con retardo, todos se van sumando, algunos con entusiasmo y lucidez y los demás a regañadientes y hasta sin darse cuenta cabal del proceso modernizador en el que están inmersos.

Según Krauze no es casual que en la América Latina de nuestros días no haya sino una sola dictadura de tipo clásico, la de la Cuba castrista, una semidictadura demagógica y corrupta, la Venezuela de Hugo Chávez, y un par de democracias populistas y secuestradas por caudillos como la Bolivia de Evo Morales y la Nicaragua de Daniel Ortega, en tanto que todos los otros países, no importa cuán imperfectas sean todavía sus instituciones, parecen haber optado de manera resuelta por Estados de Derecho basados en la democracia política y economías de mercado. Más importante todavía: el modelo socialista autoritario que en los años sesenta y setenta reclutaba a todas las vanguardias políticas del continente y era el santo y seña de sus juventudes, está hoy prácticamente en ruinas, condenado a una marginalidad que se sigue encogiendo y que alientan apenas grupos y grupúsculos huérfanos de calor popular, en tanto que una nueva izquierda, como la que gobernó en Chile con la Unidad Popular y que gobierna ahora en países como Brasil, Uruguay, El Salvador y Perú, ha dejado atrás sus viejos sueños colectivistas y estatistas y optado por el pragmatismo democrático y de economías abiertas de la social democracia europea.

El camino para llegar hasta aquí –a la modernidad y el realismo políticos– ha sido largo, sangriento, de confusión y delirio ideológicos, sueños utópicos de redención social a través de la violencia, la guerra civil, dictaduras atroces, democracias paralizadas por la ineptitud y la venalidad de sus líderes, burócratas y parlamentarios, y Enrique Krauze lo traza en síntesis brillantes y elocuentes a través de los perfiles biográficos. Por momentos, como en las páginas dedicadas a José Vasconcelos, a Evita Perón, al Che Guevara y al Subcomandante Marcos, el libro alcanza vuelos épicos, relata deslumbrantes peripecias aventureras que parecen provenir más de las fantasías locas del realismo mágico que de una realidad documentada. Los repetidos fracasos, las enormes desigualdades económicas y sociales, el sufrimiento que las repetidas desventuras políticas han ido sembrando por todo el continente, poco a poco han ido empujando a las sociedades latinoamericanas hacia el realismo, es decir, hacia los consensos democráticos, el primero, el de coexistir en la diversidad política sin entrematarse, acatando los veredictos electorales, la renovación periódica de los gobiernos, el respeto a la libertad de expresión y al derecho de crítica, la aceptación de la propiedad, de la empresa privada y del mercado como mecanismos indispensables del desarrollo económico. Todo ello ha ido imponiéndose poco a poco, por la fuerza de las cosas, a través de la evolución de una derecha y una izquierda que, no sin reticencias y traspiés, han ido renunciando a sus viejas obsesiones excluyentes y violentistas, y cambiando de métodos.

Desde luego que nada de esto es irreversible. Enrique Krauze no cree que la historia tenga leyes inflexibles a las que los pueblos estén sometidos como los astros a la ley de gravedad, sino que aquella fluctúa, avanza o retrocede y a veces gira sobre sí misma de manera tautológica. Pero las conclusiones de su libro son elocuentes y estimulantes: comparada, no con el ideal, sino con su pasado mediato e inmediato, América Latina ha progresado de manera notable. Si sus economías van creciendo y han resistido mejor la crisis financiera que causa estragos en Estados Unidos y en Europa es porque ahora es más libre que en el pasado y porque la cultura de la libertad ha ido impregnando tanto su realidad política como la social y la económica. Nada indica que en el futuro inmediato esta tendencia vaya a cambiar. Todo lo contrario. Habría que ser ciego porfiado en materias ideológicas para creer que todavía la Cuba totalitaria, donde siguen muriendo los disidentes perseguidos por la policía política, o la Venezuela arruinada y enconada por las malas artes de Hugo Chávez, pudieran ser el modelo hacia el cual se encamina el resto del continente. Es evidente que esos regímenes representan anacronismos en proceso de desintegración –muy lenta, por desgracia– en un contexto en el que lo que se va imponiendo de manera inequívoca es el modelo democrático liberal.

Como soy uno de los doce protagonistas de Redentores, y Krauze me dedica un generoso ensayo, he tenido dudas hamletianas antes de reseñarlo. Sé de sobra las suspicacias que este artículo puede despertar. Pero lo hago porque, como todavía las ideas que su autor defiende tienen tanta dificultad para ser reconocidas y aceptadas en el medio intelectual latinoamericano –paradójicamente más retrógrado que el político y el económico–, me temo que no tenga la difusión que se merece y sea víctima de la discriminación y censura que aún practica el establishment cultural, controlado por un progresismo de pacotilla. Krauze tiene el coraje de proclamarse un liberal en un medio donde todavía esta parece una mala palabra, asociada a las ideas de explotación y egoísmo capitalista, y otro de los grandes méritos de su ensayo es devolver a aquella su prístino sentido de defensor y amante de la libertad como valor supremo, pero de ninguna manera disociada de la justicia y de la convicción de que ésta, en el dominio social, sólo puede significar la creación de una sociedad donde haya igualdad de oportunidades para todos. En este sentido, tiene muchísima razón cuando sostiene que el liberalismo está más cerca de la social democracia que del conservadurismo, y que, buena parte del proceso de modernización de América Latina se debe a que, sin que nadie lo quisiera ni advirtiera, ambas tendencias se han ido acercando y confundiendo en la realidad, empujando de este modo la civilización y haciendo retroceder la barbarie. Su libro es un hito decisivo en este proceso civilizador.

Londres, enero de 2012

29/01/2012 - 19:21h Pagliacci


Leoncavallo – Pagliacci – 1998

Placido Domingo (Canio).
Svetla Vassileva (Nedda).
Juan Pons (Tonio).
Pietro Spagnoli (Peppe).
Francesco Piccoli (Silvio).

Dir.: R. Muti
Teatro Comunale di Bologna, 1998