29/02/2012 - 22:00h Boa noite


Zigeunerweisen op.20 de Pablo de Sarasate – Sarah Chang

29/02/2012 - 19:11h Dueto de amor


Love duet Manon Lescaut de Puccini – Renata Scotto e Placido Domingo

29/02/2012 - 13:15h La crucial relación de largo plazo entre Perú y Ecuador

Miercoles, 29 de febrero de 2012

Más allá de toda discrepancia

Augusto Álvarez Rodrich – La República

Hoy que se reúnen en Chiclayo, por quinta vez, los presidentes del Perú y Ecuador, con sus respectivos gabinetes, es otra oportunidad para recordar que el fortalecimiento de esta relación bilateral constituye una de las claves de la política exterior de los últimos tres lustros, la cual significa, por varios motivos, uno de sus mayores éxitos.

La construcción de una solución al antiguo e histórico diferendo limítrofe entre Ecuador y Perú fue iniciativa de Alberto Fujimori casi desde que empezó su gobierno, en 1990.

Recuerdo una entrevista que le hice, como parte del panel de Enfoque de los Sábados de RPP, hacia 1991, en que le pregunté si era cierto que planeaba una visita oficial a Quito.

Al aire, su respuesta fue una evasiva pero off the record, culminada la entrevista, nos contó a Denis Vargas y a mí que, a pesar de que le habían dicho que un presidente peruano nunca iba a Ecuador, él era consciente de que el diferendo debía resolverse pues demandaba recursos excesivos para armas que sería mejor dedicarlos a la pobreza, y que eso requería un acercamiento presidencial.

Incluso, siempre en el contexto de los comentarios post entrevista que quedan en la reserva hasta que pasa un tiempo prudencial en el que su revelación ya no produce daño, Fujimori especuló con una solución al problema limítrofe que pasaba por una suerte de canje territorial.

Años después, en 1998, y un conflicto armado de por medio, se firmó el acuerdo de paz que constituyó uno de los logros más trascendentes de Fujimori y que, sin perjuicio de los graves delitos de su administración, debe ser reconocido sin menoscabo.

Pero lo mejor aún estaba por venir. El cambio que se produjo a partir de entonces entre ambos países, con base en el reconocimiento de una historia y cultura comunes, y de dos pueblos hermanos que se confunden uno con el otro, fue significativo.

Una anécdota: en 1999 viajé a Quito a un partido de fútbol clasificatorio para el mundial, y recuerdo la emoción que me produjo, mientras ingresaba con la barra peruana al estadio Olímpico Atahualpa, ser recibido entre aplausos insólitos en una oportunidad en que la hostilidad hacia el visitante es la regla en todo lugar.

Luego, los presidentes Alejandro Toledo y Alan García realizaron grandes esfuerzos por cultivar la relación bilateral con Ecuador, al margen del tipo de gobierno y de su enfoque, forjando una vinculación sólida que esté más allá de toda discrepancia .

Como, por ejemplo, el atropello del presidente Rafael Correa a la prensa ecuatoriana, el cual debe ser repudiado en el Perú pero desde la sociedad civil y el periodismo, mas no desde el gobierno, cuyo foco debe estar en los intereses cruciales de largo plazo del Estado peruano.

29/02/2012 - 13:08h Banco brasileño dispuesto a financiar tren de Brasil a Perú

El BNDES financiaría los estudios de perfil, factibilidad, impacto ambiental y el expediente técnico del proyecto.

ELÍAS GARCÍA – GESTIÓN

egarcia@gestion.com.pe

El Banco de Desarrollo del Brasil (BNDES) expresó su disposición a invertir en el proyecto para desarrollar una red ferroviaria que conecte el estado brasileño de Mato Grosso con Pucallpa, en Perú, lo que permitirá abrir una nueva ruta para el transporte de soya y otros productos del vecino país hacia el mercado asiático, y a la vez facilitar el transporte de minerales que exporta nuestro país.

Así lo informó el presidente del Gobierno Regional de Ucayali, Jorge Velásquez, tras reunirse en la víspera con el Embajador de Brasil en el Perú, Carlos Lazary Texeira. Precisó que esta disposición del BNDES surgió, luego que los habitantes de los estados de Acre, Rondonia y Mato Grosso (Brasil), pidieran a su gobierno que financie la citada red ferroviaria. Agregó que la referida entidad bancaria, dedicada a financiar proyectos de infraestructura en su país, está dispuesta a invertir a fondo perdido, en los estudios de perfil, de factibilidad, de impacto ambiental y en el expediente técnico del referido proyecto, aunque evitó mencionar el monto que el banco estaría dispuesto a invertir en esa iniciativa.

Además, indicó que el camino para este proyecto ya había sido allanado en vista de que el Senado de Brasil ha declarado de necesidad pública y de interés nacional la interconexión ferroviaria desde el Brasil hasta la costa peruana, y que lo hiciera propio el Congreso en el Perú.

En cuanto a la conexión de salida de la mercancía que llegue por tren desde Brasil hasta Pucallpa y de allí a la costa peruana, si bien el proyecto original prevé su transbordo por carretera hasta Piura -y su embarque por puertos en esa región- señaló que la otra alternativa podría ser llevar la carga por carretera desde Pucallpa hasta el puerto de Chimbote.

“Si se concreta el apoyo del banco, tendríamos ya un expediente técnico elaborado, con lo cual sería más factible dar en concesión el proyecto, de tal forma que la empresa privada, en alianza con el Estado, pueda invertir para llevar a cabo la obra”, aseveró.

29/02/2012 - 11:23h Reconga

Mirko Lauer – La República

La aparición de los peritos ha relanzado las noticias sobre el conflicto en torno a Conga. ¿Qué ha cambiado? Algunas cosas aparentemente nada. Gregorio Santos sigue atrincherado en sus posiciones desautorizadoras de la posibilidad misma del proyecto. El gobierno central mantiene su confianza en una salida técnica a los impases y en la influencia que tendrá su plan de desarrollo en la zona, que discretamente ha sido puesto en marcha.

Es posible imaginar dos veredictos de los peritos. Uno en que la zona es efectivamente declarada no explotable, lo cual daría al gobierno un argumento para desentenderse del proyecto. Otro en que se encuentra una salida ecológicamente sostenible que supondría un incremento de los costos de la empresa promotora. Esto estaría sometido tanto a la aceptación de Yanacocha como de las partes comprometidas con el proyecto en la población.

Cuando apareció la opción del peritaje fue sobre todo un aplacador de ánimos encrespados. Ahora, si los peritos dan alguna forma de luz verde, podría terminar siendo la antesala de una nueva prueba de fuerza. El gobierno podría aplicar la ley reforzada por el argumento técnico o usar el argumento para ir a una consulta más amplia que la masa crítica de la agitación de hace un par de meses. En ambos casos algo de conflicto en las calles parece inevitable.

Mientras tanto otras posiciones, todas oficiosas, se han movido por su cuenta planteando alternativas técnicas para mitigar la contaminación en la zona retirando el mineral hacia otros lugares. Esto va desde un mineroducto para todo el distrito minero, hasta un tren de carga y pasajeros Cajamarca-Piura. Poco más al norte, China Railway está asociada a un parecido proyecto cobre-ferrocarril en Ecuador, que se pondría en marcha en el 2013.

Mientras tanto sigue la lucha por la conciencia de la gente. Los sectores y personajes que lideraron la protesta la vez pasada no han propuesto nada nuevo, al parecer convencidos de su capacidad de volver a bloquear el avance del proyecto cuando llegue el momento. Algunos incluso piensan que la posición se ha fortalecido desde entonces. Por su parte la gran minería en general ha incrementado su presupuesto para publicidad.

En términos estrictamente estratégicos, el gobierno ha avanzado su ficha mucho más que la protesta cajamarquina. Lo ha logrado con ofertas como el plan de desarrollo, que es la ampliación del tema hacia toda la problemática cajamarquina, y el peritaje. El intento de los rivales de encender la pradera con el tema del agua fue anegado por las lluvias, y además volvió un tema específico de la población en un tema de maniobra política clásico.

29/02/2012 - 11:15h Perú: Recrudece el conflicto por el agua en Cajamarca

Santos insiste en boicotear el peritaje de Conga

Presidente regional afirma que peritos solo buscan limpiar imagen de minera Yanacocha. Los tres especialistas extranjeros visitarán hoy las lagunas involucradas en el proyecto minero. La ONG Grufides, de Marco Arana, realiza peritaje paralelo que dará a conocer en 15 días

Por: Manuel Marticorena Solís / Mario Mejía Huaraca – EL COMERCIO

Miércoles 29 de Febrero del 2012

Los tres peritos internacionales que evaluarán el estudio de impacto ambiental (EIA) del proyecto minero Conga llegaron ayer a Cajamarca y entre hoy y el viernes visitarán el área donde se pretende desarrollar el proyecto. Este, como se sabe, ha sido cuestionado porque supuestamente causará un fuerte impacto ambiental, especialmente en cuatro lagunas: Azul, El Perol, Chilca y Mala, cuyas aguas serían transvasadas a tres represas.

Ante este arribo, el presidente regional, Gregorio Santos, encabezó una marcha al mediodía a la laguna El Perol, donde rompió el cordón policial que resguardaba la zona del proyecto de la minera Yanacocha. Hubo un enfrentamiento que no pasó a mayores.

El presidente del Frente de Defensa Ambiental de Cajamarca, Wilfredo Saavedra, denunció que unos comuneros habían alertado que maquinaria pesada trabajaba en el área. “Se encuentran preparando el terreno para las operaciones. Esto es un claro incumplimiento de la minera con el pueblo de Cajamarca, pues en noviembre se anunció la paralización del proyecto. Esto va a originar una respuesta de los frentes de defensa. Hoy nos reuniremos para ver qué acciones tomar”, dijo.

La cara opuesta fue una reunión de autoridades, profesionales, docentes y representantes de varias instituciones cajamarquinas que entregarán un informe sobre la situación hídrica de la región a los peritos de Conga.

“[El peritaje] es la única manera de encontrarle una salida a este proceso. Es lamentable que [Santos y Saavedra] no hayan asistido porque en esta reunión también pudieron decir que están en contra del peritaje”, indicó el gobernador de Cajamarca, Ever Hernández.

Telmo Rojas, de la ONG Cuencas, consideró que la cita fue positiva por el intercambio de ideas.

NO ES VINCULANTE
En Lima, una fuente del Ministerio del Ambiente advirtió que el informe de los peritos será un insumo a través del cual todas las partes interesadas deberán hallar las mejores alternativas de solución al conflicto de Conga.

“El Estado tomará una decisión luego del peritaje que hemos anunciado. Este trabajo será revisado por tres sectores: Agricultura (a través de la Autoridad Nacional del Agua-ANA), Energía Minas y el Ministerio del Ambiente”, apuntó la fuente.

Los resultados del peritaje serán de conocimiento público y no habrá ninguna restricción sobre las recomendaciones por señalar.

Según el gerente general de Newmont Sudamérica (accionista principal de Yanacocha), Carlos Santa Cruz, se tiene la disposición de adoptar las medidas que enriquezcan y mejoren su EIA.

Sin embargo, explicó que no cree que el peritaje pida la anulación del proyecto, pues indicó que el EIA es un trabajo sólido en el que han participado más de mil profesionales. “Tenemos mucha confianza en que los aportes del peritaje van a mejorar nuestro EIA. Como toda obra hecha por el ser humano, hay cosas que se pueden mejorar”, señaló.

El proyecto Conga comprende un área de dos mil hectáreas ubicadas entre las provincias de Cajamarca, Chota y Hualgayoc.

ASPECTOS POLÍTICOS
El ex ministro del Ambiente Ricardo Giesecke comentó a este Diario que el asunto del agua es un tema técnico más de los muchos que deben resolverse para solucionar el problema de Conga. “También tiene que ver con las creencias de la población. No he visto que ningún perito tenga una especialización en conflictos que ayude a resolver un problema muy complejo que va más allá de un peritaje sobre el agua”, remarcó.

Ricardo Morel, director del Instituto de Desarrollo Social, señaló que con el peritaje se está intentando dar solución técnica a un problema político. Explicó que el peritaje no ayudaría a resolver un aspecto que hasta el momento no se ha logrado: tender puentes entre el Ejecutivo y el Gobierno Regional de Cajamarca para dar una salida conjunta al problema.

“Se pueden ensayar varias salidas, como intentar que el gobierno regional tenga en el futuro una participación en los estudios de impacto ambiental o tenga la posibilidad de coparticipar en la fiscalización ambiental minera, para que se sientan que son tomados en cuenta”, sugirió.

El peritaje que se realizará en Conga será el primero que se aplicará al sector minero. Morel explica que lo que pase con este proyecto podría determinar el modo de resolución de los futuros conflictos mineros.

Leopoldo Monzón, gerente de Proyectos y Estudios Mineros, indicó que al considerar los estándares aplicados en el sector, es poco probable que los peritos hallen irregularidades en el EIA de Conga, por lo que problema se encuentra más en el aspecto social.

Consideró que de no hallarse una solución al problema, Yanacocha tendría la posibilidad de acudir a un arbitraje internacional para solicitar una indemnización que podría costarle una fortuna incalculable al país.

EN PUNTOS
Varias voces, como la del ex ministro de Energía y Minas Carlos Herrera Descalzi, consideran que es más conveniente que en el Caso Conga se haga una auditoría ambiental antes que un peritaje internacional. ¿En qué se diferencian?

Auditoría ambiental
La auditoría ambiental implicaría la revisión del EIA de acuerdo con las normas de nuestro país. Si se identificaran fallas, la empresa tendría la obligación de corregirlas. La auditoría sí es vinculante.

Peritaje internacional
El peritaje implica la revisión del estudio de impacto ambiental y si este cumple con los estándares ambientales internacionales. No es vinculante porque no se ajusta específicamente a las normas locales en carácter ambiental.

EMPRESAS FORÁNEAS TRAJERON US$7.659 MILLONES

Inversión extranjera marca récord, pero conflictos la amenazan

El 47% de ejecutivos dice que expectativas caerán si se detiene Conga. Según Apoyo, conflictividad social preocupa más que economía mundial

Por: Ricardo Serra Fuertes – El Comercio

Miércoles 29 de Febrero del 2012

La inversión directa extranjera (IDE) en el Perú llegó a un récord histórico en el 2011, pero el que se mantenga la tendencia dependerá en gran parte de la conflictividad social en el país y en particular de cómo se resuelva el problema del proyecto minero Conga.

El Banco Central de Reserva del Perú informó ayer que la IDE subió a US$7.659 millones en el 2011, mayor en US$331 millones con respecto al año previo, un aumento equivalente al 4,5%.

El resultado del año pasado estuvo explicado principalmente por una mayor reinversión de las utilidades de las empresas extranjeras en el país por US$4.986 millones y un aumento de los préstamos de las matrices por US$2.403 millones.

En el cuarto trimestre del 2011, la IDE ascendió a US$1.987 millones, resultado explicado por una mayor reinversión (US$1.469 millones), préstamos netos con la matriz (US$410 millones) y aportes y otras operaciones de capital (US$109 millones), informó el BCR.

“Este dato de IDE refleja que la confianza en los fundamentos de la economía peruana continúa y ratifica el crecimiento para los próximos años. Por eso, los flujos de inversión continúan entrando al país”, comenta Juan Carlos Odar, analista del Departamento de Estudios Económicos del Banco de Crédito.

INCERTIDUMBRE
César Peñaranda, director ejecutivo del Instituto de Economía y Desarrollo Empresarial de la Cámara de Comercio de Lima (CCL), comenta que la incertidumbre electoral del 2011 impactó en la IDE, pero no con una gran repercusión.

Odar, del BCP, refiere que en el tercer trimestre del 2011 hubo una menor velocidad de la IDE, pero en el cuarto trimestre retomó su dinamismo.

“Pero ese dinamismo no alcanzó los resultados de la primera mitad del 2011. Hubo una recuperación de la confianza de la economía peruana en un contexto en que en el resto del mundo las cosas se complicaron un poco. Eso hace que los flujos de inversión no hayan sido de niveles tan altos como en la primera mitad del año”, explica el analista del BCP.

Si bien el monto de IDE alcanzado en el 2011 es alto, este podría ser mayor, señala Peñaranda. “El Perú tiene oportunidades de inversión para superar ese nivel”, indica el ejecutivo de la CCL.

Por ejemplo –explica–, el Perú tiene un alto déficit en infraestructura que para cerrarlo se deberían invertir US$55.000 millones en 10 años. Así, en ese rubro serían unos US$5.500 millones al año, a lo que se sumaría la inversión de otros sectores, como la minería.

EXPECTATIVAS SAE
El nivel de la IDE podría volver a tropezar este año debido a problemas sociales. Según un sondeo del Servicio de Asesoría Empresarial (SAE) de Apoyo Consultoría realizado en febrero, la mayor conflictividad social y el deterioro de la economía internacional son las principales preocupaciones para el entorno de negocios en el 2012.

Además, el sondeo (a ejecutivos de las más de 260 empresas clientes del SAE) mostró que la mayoría de empresas opina que las expectativas de inversión se verían afectadas en caso no se reanude la construcción del proyecto Conga durante este año (ver infografía).

En el sondeo de enero, dos de cada tres ejecutivos esperaban que el proyecto Conga se reanude este año, lo que reflejaba una confianza elevada en la capacidad del gobierno para resolver el conflicto.

“Si no se apoya a la inversión como en los últimos años, eso [Conga] podría ser transmitido como un mensaje negativo para otros proyectos”, opina Odar.

Peñaranda comenta que el proyecto Conga puede ser un hito positivo o negativo para las inversiones, dependiendo de si se consolida o no.

LAS CIFRAS
6,1%
Aumentó la demanda interna en el 2011, según el Instituto Nacional de Estadística e Informática. Las exportaciones crecieron 9,8%.

US$1.144
Millones fue la IDE en el 2001. Hace 21 años (en 1991) el monto fue negativo en US$7 millones, y hace 31 años (en 1981) fue de US$125 millones, según el BCR.

29/02/2012 - 10:54h PSDB racha, governo SP vence, e prévia será feita só dia 25


Em reunião tensa, integrantes da Executiva do partido aprovaram por maioria apertada o adiamento da escolha interna em três semanas; outros pré-candidatos reclamaram da mudança

29 de fevereiro de 2012

Bruno Boghossian, Julia Duailibi e Gustavo Uribe – O Estado SP

Dividida, após a entrada do ex-governador José Serra na disputa pela Prefeitura de São Paulo, a direção do PSDB decidiu na noite dessa terça-feira, 28, ao fim de uma discussão tensa, adiar as prévias do partido para 25 de março – três semanas após a data original. Quando os integrantes da executiva estavam próximos de um consenso em torno do dia 11, Serra propôs um novo adiamento presidente local da sigla, Julio Semeghini. Em meio a bate-boca entre membros do grupo, o ex-governador, apoiado pelo Palácio dos Bandeirantes, venceu por 10 votos a 8.

A reunião durou 2h30. Em uma primeira votação, 14 dos 18 integrantes aprovaram o adiamento por uma semana. Em seguida, o líder do PSDB na Câmara, Floriano Pesaro, propôs a transferência para 25, como queria Serra. Nesse momento, o grupo rachou. A oposição era capitaneada pelos outros dois pré-candidatos, José Aníbal e Ricardo Tripoli. “Estávamos caminhando para um consenso em relação ao dia 11, mas alguns celulares tocaram e o resultado foi esse”, disse Tripoli, ao deixar o encontro.

Além de Serra, defendia o adiamento para 25 o grupo do secretário de Cultura, Andrea Matarazzo, que abriu mão da disputa para apoiar o ex-governador.

“Temos que dar oportunidade para que todos discutam (a entrada de Serra)”, justificou o presidente municipal Julio Semeghini. “Não foi possível construir um consenso”.

Mais cedo, o partido aprovou por unanimidade o pedido de entrada de José Serra na disputa, por meio de uma carta.

O Estado apurou que Serra teria dito nessa terça a Semeghini que poderia sair da disputa “do mesmo jeito que entrou”, se fosse mantido o prazo do dia 4. Políticos próximos a Serra minimizaram o mal-estar, dizendo que, para o ex-governador, “tanto fazia” fazer a prévia no dia 11 ou no 25 de março. Circulou, ainda, a notícia de que Aníbal teria ameaçado deixar a disputa e levar o caso à convenção. Ele negou.

29/02/2012 - 10:38h ‘Economia brasileira cresce abaixo do potencial desde o 3º tri’

Tombini: Ao crescer abaixo do potencial, atividade pode ser estimulada sem gerar aumento de preços


Por Murilo Rodrigues Alves e João Villaverde | VALOR

De Brasília

A uma semana da reunião em que o Banco Central (BC) definirá a nova Selic, o presidente da instituição, Alexandre Tombini, deu ontem ao mercado a mais clara sinalização do que baliza as últimas decisões da diretoria do BC. Em depoimento no Senado, Tombini afirmou que a economia está crescendo abaixo do seu potencial desde o terceiro trimestre de 2011. Em seguida, arrematou: “Não é por outra razão que o BC vem ajustando a Selic”, afirmou.

De acordo com Tombini, a atividade está se recuperando do crescimento zero registrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no terceiro trimestre do ano passado, sem, no entanto, acelerar a inflação. Pelo contrário – o Brasil vive desde outubro do ano passado um “processo de desinflação forte”, disse, levando em consideração o IPCA acumulado nos últimos 12 meses.

Desde 31 de agosto, quando o BC iniciou o afrouxamento, que já reduziu em Selic em dois pontos percentuais, o presidente do BC tem reiterado que a inflação iria convergir para o centro da meta de 4,5%. Ontem, no entanto, Tombini deixou claro que o manejo da política monetária leva em conta também o ritmo da economia. Ao crescer abaixo do potencial, portanto, a atividade pode ser estimulada sem gerar aumento de preços.

Os economistas divergem quanto ao Produto Interno Bruto (PIB) potencial do Brasil – ou seja, aquele crescimento econômico que é possível obter sem inflação. Para parte relevante do mercado, um avanço do PIB entre 3,5% e 4% seria o potencial da economia hoje, isto é, o máximo que a atividade pode crescer sem pressão sobre os preços. Outros acham que há possibilidade de crescer até 4,5%. Tombini não informou qual seria o PIB potencial estimado pelo BC, mas por dois momentos repetiu que desde o terceiro trimestre a economia cresce abaixo do seu potencial.

O dado oficial do PIB para o quarto trimestre será divulgado pelo IBGE nos próximos dias. O Índice da Atividade Econômica (IBC-Br) calculado mensalmente pelo BC, aponta para um avanço de 0,5%, feito o ajuste sazonal, entre o terceiro e o quarto trimestre. No terceiro, o IBGE já divulgou que o crescimento foi nulo na comparação com o segundo trimestre.

Para Tombini, a economia brasileira está acelerando e o segundo semestre ano vai registrar um ritmo mais forte que o primeiro. Isso ocorrerá especialmente devido ao incremento nos investimentos, algo que, como disse Tombini no Senado, “tem tido muita ênfase no governo em 2012″. O avanço da economia, no entanto, não vai inviabilizar a convergência do IPCA para a meta, afirmou.

“Nossa perspectiva é de que a economia cresça mais no segundo semestre, ao mesmo tempo em que a inflação continua em sua trajetória de convergência à meta”, disse Tombini na audiência realizada pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). “O Brasil vai crescer mais em 2012 do que cresceu em 2011, sem dúvida.”

A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) será na semana que vem. A maioria dos analistas do mercado entende que o Copom deve voltar a cortar a Selic, atualmente em 10,5% ao ano, em 0,5 ponto percentual. Na ata da última reunião do Copom, em janeiro, o BC deixou claro que há condições para a Selic atingir o patamar de um dígito neste ano.

29/02/2012 - 08:26h Consumo de famílias deve crescer 13,5 % este ano

Estudo do Ibope revela que desembolso de famílias com cesta de 22 produtos e serviços pode chegar a R$ 1,3 trilhão, após ter crescido 10,5% em 2011
28 de fevereiro de 2012

Márcia De Chiara, de O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – O consumo deve continuar a ser o motor da economia em 2012. A expectativa é de que os brasileiros gastem neste ano R$ 1,3 trilhão com uma cesta de 21 famílias de produtos e serviços que representam 30% do Produto Interno Bruto (PIB). A cifra é 13,5% maior que a obtida em 2011, segundo as projeções feitas com base no banco de dados Pyxis Consumo, do Ibope Inteligência. Em 2011, o crescimento do consumo foi de 10,5%.

O pano de fundo para sustentar esse ritmo acelerado de crescimento, diz o diretor do Ibope Inteligência, Antônio Carlos Ruótolo, é a manutenção do pleno emprego, os ganhos de renda e a ascensão da população para a classe C, a nova classe média. Ele diz que este último fator já teve mais importância na ida dos brasileiros às compras e hoje a confiança na manutenção do emprego e a alta na renda pesam mais.

“A próxima revolução do consumo deve ocorrer dentro de dois a três anos, quando a classe C ascender para a classe B”, prevê o especialista. Ele explica que as projeções atuais foram feitas usando dados primários de pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atualizados com informações de empresas e outras bases de dados, como análises setoriais.

Cigarros. A radiografia do consumo exibida pela pesquisa revela dados surpreendentes. A classe C, por exemplo, com renda média familiar de R$ 1.570, segundo critérios da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (Abep), responde pela metade das vendas de cigarros de todo o território nacional.

Entre os dez grupos de produtos e serviços mais importantes para o consumo dessas famílias, nove são de itens básicos, carnes e derivados, produtos de mercearia, matinais e outros alimentos. Apenas a compra de telefones celulares está fora desse rol. “Isso mostra que a classe C não está consumindo produtos sofisticados”, ressalta Ruótulo.

Já a classe A, com renda média mensal familiar de R$ 10,4 mil, compra um de cada quatro automóveis vendidos no País e consome 25,7% dos produtos financeiros, que incluem financiamentos, previdência e seguros.

De acordo com a pesquisa, quase 60% das compras de combustíveis e de produtos ligados à educação são feitas pela classe B, que tem renda média de R$ 3,8 mil. Também o gasto com produtos financeiros desse estrato social é significativo. Essa classe responde pela metade do desembolso com serviços financeiros no País, que inclui juros de financiamentos, por exemplo.

Motor. Outro indicador de consumo, o Índice de Poder de Compra, calculado pela Tendências Consultoria Integrada, aponta para a mesma direção do estudo do Ibope Inteligência. Isto é, o indicador aponta um aumento de 5,2% neste ano.

Trata-se de uma taxa de crescimento ligeiramente acima da projeção feita para a massa de renda efetivamente recebida pelo trabalho, medida pelo IBGE, projetada para este ano em 4,8%. A projeção do Índice de Poder de Compra também supera a estimativa para o crescimento do PIB em 2012, que é de 3,2%. Em outros anos, o consumo já cresceu acima do PIB, lembra Ruótulo, do Ibope Inteligência.

28/02/2012 - 22:00h Boa noite


J.Heifetz – Scottish Fantasy de Bruch

28/02/2012 - 19:27h Già nella notte densa


Placido Domingo e Kiri Te Kanawa – Già nella notte densa de Otelo

28/02/2012 - 10:20h “La popularidad de Ollanta Humala está sobre una montaña rusa”

Martes, 28 de febrero de 2012

Sobre la montaña

Mirko Lauer – La República

El crecimiento de 15%, hasta 75%, en la aprobación a Ollanta Humala en el sector A tolera varias lecturas. Una obvia es que los ricos sienten que está gobernando para ellos. Otra es que lo ven mejor que el resto del abecedario porque tienen menos que reclamar. Otra es que lo apoyan para reforzar sus políticas más continuistas.

Pero el apoyo de los otros cuatro sectores no es desdeñable. Son cifras que no se veían en muchos años. De diciembre a la fecha Humala ha subido no menos de 8% en todos los estratos sociales, instalándose cómodamente por encima del 50%. No es el 60%+ de setiembre pasado, pero sí buena nota para un semestre que ha conocido escándalos y conflictos.

Sin embargo los gráficos muestran que esa . Hay algo así como un 20% donde no hay ni la sombra de un cheque en blanco, sino marcación estricta. Puede pensarse que este segmento es el que más claramente va aprobando y desaprobando caso por caso. Son indecisos que inclinan la balanza.

Lo que más se ha escuchado hasta ahora para explicar esta situación es un análisis de clase, con los diversos estratos comentando la fiesta según les va, o creen que les puede ir, en ella. El peso de los intereses es innegable, pero no ayuda a entender el fondo del asunto, que es la alta aprobación de todos los sectores.

El abanico de otros análisis es amplio, e incluye cosas como un estilo personal parco, ciertas medidas tomadas con eficiencia, un clima de ejercicio de una autoridad no estridente, o la dedicación a cumplir promesas electorales hasta donde es posible. Son en el fondo formas de análisis por el lado del estilo de gobierno.

Uno de los problemas con las buenas cifras de aprobación es mantenerlas. Pues la percepción cambia con cada medida importante que sale del Ejecutivo. La captura de “Artemio” ha sido una bonanza. Pero la reciente alza de ciertos combustibles va a dejarse sentir, a pesar de que vino después de la baja del balón de gas.

El otro de los problemas con esas buenas cifras es usarlas. Más de un político se ha empantanada por no afectar su popularidad. La resistencia a tomar medidas de ajuste es el caso más conocido, pero no es sino una variante en las mil formas de la inacción contraproducente. Son confusiones de la prudencia o la cautela con la procrastinación.

Parte de lo que viene manteniendo alta la popularidad presidencial es el compás de espera frente a algunas iniciativas claves que todavía no han sido tomadas. Las hay en el escenario de los conflictos, en el de la producción y el de la seguridad. No necesariamente serían medidas impopulares, pero un estadista debe correr ese tipo de riesgo.

28/02/2012 - 09:46h Para FHC, disputa em SP ‘revitaliza’ Serra e não o tira do páreo presidencial

Ex-presidente acha correta decisão do tucano de candidatar-se à Prefeitura; ‘Não significa que ele não possa ser outra coisa’

28 de fevereiro de 2012

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK – O Estado de S.Paulo

A candidatura de José Serra à Prefeitura de São Paulo permitirá a ele “voltar à cena política com força” e foi a decisão mais adequada para o ex-governador e para o PSDB, afirmou ontem o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em entrevista exclusiva ao Estado. “Dá a chance para o partido ganhar e dá a ele uma revitalização política”, analisou o ex-presidente.

Segundo FHC, a eleição para prefeito não significa que o ex-governador abandona o projeto de disputar a Presidência no futuro. “Política é uma coisa muito dinâmica. Tem sempre a cláusula de prudência. Política não é uma coisa em que os horizontes se fecham”, disse, ao comentar sobre a possibilidade de o tucano, mais uma vez, deixar um cargo para se candidatar a outro, como aconteceu quando era prefeito e governador de São Paulo.

O ex-presidente falou com o Estado em Nova York, onde lidera uma comitiva de 12 CEOs de empresas brasileiras ligadas à Comunitas, entidade criada por Ruth Cardoso para incentivar o investimento social corporativo.

O anúncio da candidatura de José Serra à Prefeitura não esvazia as prévias do PSDB?

Não estou no Brasil e não acompanhei de perto esta evolução. Quem está coordenando é o governador Geraldo Alckmin. Agora, o peso eleitoral do Serra é de tal magnitude que eu acho que o partido vai se ajustar à realidade política.

Mas não faltam caras novas no PSDB? Afinal, há anos Serra e o Alckmin se revezam em candidaturas em São Paulo. O PT tenta essa renovação agora com Fernando Haddad.

As prévias foram uma tentativa nesta direção. Mas quando você tem alguém com a densidade política do Serra, que se disponha a ser candidato a prefeito, do ponto de vista do PSDB há uma importância estratégica porque existe realmente viabilidade de ganhar São Paulo.

O sr. mencionou que o senador Aécio Neves (MG) é o candidato óbvio do PSDB para 2014.

Foi uma pergunta feita pela revista The Economist: quem é o candidato óbvio? Eu respondi que o Serra vai sair candidato, não vai desistir. E eles perguntaram quem seria o outro. É o Aécio. É uma coisa que todo o mundo sabe. São os dois que estão despontando com mais força.

Mas com o Serra se candidatando a prefeito…

Abre espaço para uma outra candidatura para presidente. Agora, sempre tem que colocar aquela cláusula de prudência. A política é muito dinâmica. O Serra pode ganhar ou pode perder. Nos dois casos, o fato de ele ser candidato agora reforça a presença dele como um líder. Todo líder político, enquanto quiser se manter ativo na política, tem de ter a expectativa de poder. Tem que ser candidato. Eu, por exemplo, quando deixei a Presidência, disse que não seria mais candidato a nada e não fui. Disse que estava saindo de cena. No começo, as pessoas não acreditaram. Como não sou ingênuo, ao tomar esta decisão, estava mesmo saindo de cena. Para quem não tomou esta decisão ainda, a melhor coisa a fazer é se candidatar. Você pode se candidatar em vários níveis. O Serra, ao tomar a decisão de se candidatar (para a Prefeitura), volta à cena política com força. Onde ele é necessitado neste momento? Onde o partido o vê com bons olhos neste momento? É aí (na Prefeitura). Isso significa que amanhã ele não pode ser outra coisa? Não.

Mas não pega mal para o Serra, que já foi prefeito uma vez e saiu para se candidatar (o tucano deixou a Prefeitura em 2006, para disputar a Presidência, e o governo do Estado, em 2010, para mais uma vez entrar na disputa presidencial)?

Ele vai tomar as precauções devidas porque ele tem de ganhar a eleição. Provavelmente ele vai reafirmar a disposição dele (de permanecer na Prefeitura). Mas não vi, não falei com ele. Política não é uma coisa em que o horizonte se fecha. De repente, o que estava fechado se abre. Acho que a decisão do Serra foi a mais adequada neste momento para ele e para o partido. Dá a chance para o partido ganhar e dá a ele uma revitalização política.

Mas para a Presidência, o Serra e o Aécio continuam sendo os dois nomes fortes do PSDB?

Eu acho que sim.


Tucano anuncia candidatura no Twitter; PSDB tenta adiar prévia

Serra deve enviar hoje carta ao diretório da sigla; executiva municipal quer postergar disputa interna para o dia 11 de março
28 de fevereiro de 2012

BRUNO BOGHOSSIAN, JULIA DUAILIBI, GUSTAVO URIBE / AGÊNCIA ESTADO – O Estado de S.Paulo

O ex-governador José Serra confirmou ontem querer ser candidato a prefeito de São Paulo. “Hoje (ontem) comunicarei por escrito à direção do PSDB de São Paulo minha disposição de disputar a Prefeitura”, escreveu no Twitter. Segundo a direção do PSDB municipal, a carta deve ser enviada apenas hoje.

Serra também anunciou apoio à prévia do partido para escolher o nome que disputará a eleição. Ele disse que sempre foi favorável ao processo interno. “E delas pretendo agora participar.”

Embora tenha usado o verbo “pretender”, o PSDB dá sua participação como certa, caso os outros concorrentes, o secretário José Aníbal (Energia) e o deputado Ricardo Tripoli, não desistam da prévia.

A decisão do tucano, antecipada pelo estadao.com.br na sexta-feira, deflagrou uma operação da direção do PSDB para postergar a eleição interna, marcada para domingo. Ontem, o presidente do PSDB paulistano, Julio Semeghini, entrou em contato com Aníbal e Tripoli, para pedir que aceitassem postergar a prévia em, pelo menos, uma semana.

A questão será debatida hoje em reunião da executiva municipal, para a qual Serra foi convidado. A tendência é que os tucanos ligados a ele e ao governador Geraldo Alckmin consigam aprovar o adiamento da prévia, já que têm a maioria dos 16 votos.

Um dos argumentos usados para convencer os tucanos ligados a Tripoli e Aníbal, que têm pelo menos sete votos na executiva, será o de que Serra participaria de dois debates. Ontem, no último encontro da série programada no ano passado, a proposta de adiamento foi rechaçada pelos pré-candidatos. “Podemos fazer um debate com Serra na quarta ou quinta desta semana”, afirmou Aníbal.

Nos últimos dois dias, os outros dois pré-candidatos, os secretários Andrea Matarazzo (Cultura) e Bruno Covas (Meio Ambiente), abriram mão da disputa interna. Depois que Serra mandar por escrito a carta informando querer participar da prévia, será feita a inscrição pela executiva, fora do prazo – a data final para isso era 14 de fevereiro.

Para Alckmin, a mudança na data é “irrelevante”. “Se é dia 4, se é dia 11, uma semana pra frente ou não, é irrelevante. A prévia existe se houver mais de um pré-candidato. A data é acessória.”

Vice. Ontem mesmo Serra manteve as articulações políticas em reuniões mantidas à noite, em seu escritório. O ex-governador já sonda os aliados sobre a indicação do vice. A chapa “puro-sangue”, defendida como forma de compor com os tucanos que abriram mão da prévia, tem sido bombardeada por aliados que também pleiteiam o cargo.

A dobradinha do PSDB, dizem os que são contra a puro-sangue, daria motivos para adversários alegarem que Serra não pretende cumprir os quatro anos de mandato, caso vença – em 2006, ele deixou a Prefeitura para disputar o governo estadual.

O PSD, do prefeito Gilberto Kassab, quer indicar o vice. O mais cotado é o secretário municipal de Educação, Alexandre Schneider. O DEM pleiteia a mesma indicação, alegando que era o acordo com Alckmin antes da entrada de Serra. O PPS, da pré-candidata Soninha Francine, também está no radar.

O vice-governador, Guilherme Afif Domingos (PSD), ressaltou que seu partido tem bons nomes para o posto. “Temos quadros que fizeram parte da administração Serra, mas não estamos colocando isso como condição”, salientou.

Além da questão da vice, os possíveis aliados de Serra questionam as vantagens de uma coligação na chapa proporcional com o PSD, que tem 11 vereadores. DEM e PSDB temem que a aliança com o partido de Kassab dificulte a ampliação de suas bancadas – ou até a manutenção do atual número. Ontem à noite, um grupo de vereadores tucanos anunciou apoio a Serra. “Viemos mostrar que 6 dos 8 vereadores estão com Serra”, disse o líder da bancada, Floriano Pesaro. O grupo é o mesmo que apoiava Matarazzo. / COLABOROU ROLDÃO ARRUDA

28/02/2012 - 09:34h PT redefine aliança e estratégia eleitorais

Rui Falcão: “O governador Eduardo Campos já se comprometeu a tratar São Paulo quase [como] que um compromisso pessoal dele com o [ex] presidente Lula”


Por Cristian Klein e Cristiane Agostine | VALOR

De São Paulo

As primeiras reações do PT à entrada do ex-governador José Serra (PSDB) na disputa pela Prefeitura de São Paulo foram de confiança, reavaliação de estratégia e subida no tom das críticas à administração do prefeito Gilberto Kassab (PSD), que, agora, deverá se aliar aos tucanos e não mais à candidatura petista do ex-ministro da Educação Fernando Haddad.

Mesmo com dificuldade de firmar alianças com legendas que lhe dão sustentação no governo federal, o PT espera o apoio de partidos como o PCdoB, o PDT e especialmente o PSB. Em entrevista à imprensa ontem, na sede do partido em São Paulo, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, líder do PSB, teria firmado uma espécie de “compromisso pessoal” com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que sua sigla apoiasse a candidatura Haddad, em São Paulo, independentemente de outras negociações no restante do país.

“O governador Eduardo Campos já se comprometeu a tratar São Paulo fora de qualquer outro tipo de tratativa. Quase que um compromisso pessoal dele com o [ex-] presidente Lula”, disse Falcão, ao negar que a eventual retirada do apoio do PT à reeleição do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), possa levar a uma retaliação de Campos em São Paulo.

O apoio seria importante pois o PSB paulista, dirigido pelo secretário estadual de Turismo, Márcio França, está próximo do governador Geraldo Alckmin e já deu declarações de que o partido tenderia a se coligar com o PSDB. Segurar o PSB poderia conter um clima de revoada e impedir que outra legenda da base federal, o PDT, também aliado de Alckmin, confirme sua presença na coligação tucana.

Falcão afirmou que uma quebra deste suposto compromisso do PSB não significaria uma traição aos petistas e a Lula. Mas, num recado indireto, disse que o “PT mantém coerência nas suas alianças”. O dirigente afirmou que a entrada de Serra no cenário pode até facilitar a vitória petista, ao mencionar a taxa de rejeição do ex-governador, e a possibilidade de o PT aglutinar as legendas da base federal uma vez que o tucano – que concorreu e perdeu duas eleições à Presidência contra o PT – aumentará o potencial de nacionalização da disputa.

Com Serra, o PT também parece ter mudado seu discurso em relação à melhor estratégia para voltar à Prefeitura de São Paulo. Se até agora, a legenda tentava persuadir o PMDB para que desistisse de lançar o deputado federal Gabriel Chalita à disputa, para compor uma chapa forte, encabeçada pelos dois partidos com maior tempo no horário eleitoral gratuito, a sigla já aponta vantagens na existência da candidatura pemedebista.

Ontem, Fernando Haddad disse que, em princípio, não insistirá na aliança com o PMDB no primeiro turno e aposta em Chalita para tirar votos de José Serra.

“Tenho algumas dúvidas se é preciso unificar o campo progressista na cidade de São Paulo. Tenho dúvidas a respeito disso. Não vejo como um problema mais de uma candidatura de partidos da base aliada”, afirmou. Segundo o petista, o PT não deve pressionar o presidente nacional licenciado do PMDB e vice-presidente da República, Michel Temer, a retirar a candidatura de Chalita em São Paulo.

Na análise de petistas, Chalita ajudaria a tirar votos do PSDB, por ter um eleitorado semelhante ao dos tucanos.

O PT já trabalha com um cenário eleitoral com dois turnos e espera o apoio do PMDB no segundo. “Pode haver um acordo [no primeiro turno]? Pode. Mas não vejo como uma condição sem a qual nós não possamos nos apresentar corretamente. Nós vamos ter um tempo [de televisão] satisfatório para apresentar nossas propostas”, comentou Haddad, ao visitar bairros da zona norte da capital.

O PT tem direito a pouco mais de quatro minutos no horário eleitoral gratuito. A aliança com o PMDB poderia render mais quatro minutos no tempo de televisão, o que ajudaria o pré-candidato petista – pouco conhecido pela população – em uma disputa contra Serra, ex-prefeito e ex-governador.

Haddad disse que não se surpreendeu com a entrada de Serra no cenário eleitoral em São Paulo e comentou que, das seis eleições do século XXI, o tucano irá para sua quinta disputa. “Qual a surpresa?”, questionou, ao falar sobre o tucano. O petista comentou que o ex-presidente Lula viu “com tranquilidade” a pré-candidatura de Serra.

Haddad reforçou que a candidatura Serra e a aproximação de Kassab ao tucano o deixarão à vontade para intensificar as críticas à gestão municipal. “Fico mais tranquilo porque vou poder representar melhor as ideias que acredito”, comentou. “Temos que apresentar propostas de mudança”, disse.

A elevação do tom oposicionista já começou. Rui Falcão disse que, apesar da disputa em São Paulo ser marcada pela nacionalização do debate, Serra e Kassab terão de responder pelas questões locais, pela “política higienista”, pela “cidade devastada”, com crise na saúde, com um “déficit abissal” de mais de 100 mil crianças fora da creche, e os problemas de mobilidade urbana e reajuste de tarifa de transporte público acima da inflação.

27/02/2012 - 22:00h Boa noite


Paganini – Concerto N° 5 – Sergei Krylov (violino), Yuri Bashmet (regente)

27/02/2012 - 21:12h Tristesse de la Lune – Tristeza da lua – Tristeza de la luna

Charles Baudelaire

Português

Divaga em meio à noite a lua preguiçosa;
Como uma bela, entre coxins e devaneios,
Que afaga com a mão discreta e vaporosa,
Antes de adormecer, o contorno dos seios.

No dorso de cetim das tenras avalanchas,
Morrendo, ela se entrega a longos estertores,
E os olhos vai pousando sobre as níveas manchas
Que no azul desabrocham como estranhas flores.

Se às vezes neste globo, ébria de ócio e prazer,
Deixa ela uma furtiva lágrima escorrer
Um poeta caridoso, ao sono pouco afeito,

No côncavo das mãos torna essa gota rala,
De irisados reflexos como um grão de opala,
E bem longe do sol a acolhe no peito.

Español

Esta noche la luna sueña con más pereza,
Igual a una beldad que sobre muchos cojines
Con mano ligera y de abandono acaricia
La forma de sus senos antes de dormirse.

Sobre el dorso de seda de suaves avalanchas,
Muriente, se entrega a prolongados éxtasis,
Y pasea su mirada sobre visiones blancas
Que ascienden al azul, igual que floraciones.

Cuando algunas veces sobre esta forma, en su languidez ociosa,
Deja rodar una lágrima furtiva,
Un piadoso poeta, enemigo del ensueño,

Acoge esta pálida lágrima en el cuenco de su mano
Como un pedazo de ópalo de irisados reflejos.
Y en su corazón la guarda, lejos de los ojos del sol

français

Ce soir, la lune rêve avec plus de paresse ;
Ainsi qu’une beauté, sur de nombreux coussins,
Qui d’une main distraite et légère caresse
Avant de s’endormir le contour de ses seins,

Sur le dos satiné des molles avalanches,
Mourante, elle se livre aux longues pâmoisons,
Et promène ses yeux sur les visions blanches
Qui montent dans l’azur comme des floraisons.

Quand parfois sur ce globe, en sa langueur oisive,
Elle laisse filer une larme furtive,
Un poète pieux, ennemi du sommeil,

Dans le creux de sa main prend cette larme pâle,
Aux reflets irisés comme un fragment d’opale,
Et la met dans son coeur loin des yeux du soleil.

27/02/2012 - 19:30h Bella figlia dell’amore


Bella Figlia Dell’Amore – Sutherland e Pavarotti – Rigoletto Quartet

27/02/2012 - 12:17h Perú: Un feliz 75%

Lunes, 27 de febrero de 2012

Rosa Maria Palacios – La República

¡Quién te viera y quién te ve! Según IPSOS Apoyo, el NSE A aprueba la gestión de Ollanta Humala con un histórico 75%. Un salto de quince puntos en un mes. ¿Qué pasó aquí?

Hace unos pocos meses, entre abril y junio pasados, durante el desarrollo de la segunda vuelta electoral, ese mismo grupo puso sus esperanzas, entusiasmo, y por qué no decirlo, su pasión y desesperación en desacreditar a como diera lugar a Ollanta Humala y ensalzar las virtudes de una candidata que -como dijo Julio Cotler- representaba lo peor de la historia política peruana.

El NSE A no escatimó recursos. Confiep produjo y colocó spots en televisión, supuestamente institucionales, que no eran más que piezas de propaganda fujimorista encubierta malamente. Algunos medios perdieron el norte (otros nunca lo tuvieron) y dejaron de hacer periodismo para pasar al proselitismo desembozado. Quien no se sumaba, pagaba las consecuencias. Y algunos, las pagamos. Con mucho gusto, además.

Pero creo que lo peor fue la gente, esa que representa al sector supuestamente más educado del país y que suele tratar con bastante prepotencia a quien se interponga en sus deseos. Tengo apasionados correos electrónicos que hoy avergonzarían a sus autores si se hicieran públicos. Estoy segura que ellos están dentro del 75% que hoy aplaude feliz a Humala. Como estoy segura que lo están las encantadoras señoras que me pedían que “por mis hijos” hiciera campaña por Keiko o que “por lo menos”, como me dijo otro “no le reste”. “Si no quieres sumar, bueno, pero no restes” fue una de las muchas infelices frases que recibí de los que me reclamaban por no hacer los que “socialmente” me correspondía.

Restar era revisar los planes de gobierno de ambos candidatos y confrontarlos con sus voceros. No tuve el honor de poder hacerlo con ninguno de los dos candidatos porque huyeron de mí como de la viruela. Razón tenían ambos. Defender ese par de documentos mamarrachentos era de valientes o de suicidas. Restar, era recordar gestiones de gobierno con resultados poco democráticos. Restar era desechar los chismes baratos que fascinan en estos frívolos círculos, como la casa de Casuarinas de dos millones de dólares o los vestidos que ya se llevaban por docenas para la señora. Restar era traer abajo denuncias fabricadas, me imagino con gran esfuerzo, por agentes que se presentaban como fuente prístina y eran, desde lejos, operadores directos del fujimorismo. Porque hay que decirlo, de esos hubo más.

Restar era demandar credenciales democráticas. Porque, vale la pena recordarlo, nuestro NSE A puede haber tenido más oportunidades en la vida pero en educación democrática como que no se gradúo con honores ¿no? Los insultos que tuvieron que aguantar Mario Vargas Llosa y su familia, por defender un principio democrático no vinieron de los más pobres del país. Vinieron del NSE A que hoy, en un 75% feliz, coincide con su antes odiado escritor.

¿Qué pasó aquí? Lo de siempre. Si se mira bien, nada nuevo, en realidad. “Humala cambió” sentencian sus nuevos clientes. Puede ser. Pero ¿quién cambió más?

27/02/2012 - 12:13h Ollanta Humala es aprobado por 59%, según encuesta Ipsos Apoyo para El Comercio. Expertos opinan

ENCUESTA DE EL COMERCIO

Expertos opinan sobre repunte de Humala

Respaldo del sector A pasa del 60% al 75%
Lunes 27 de Febrero del 2012

El Comercio

Ante la última encuesta de Ipsos Apoyo que le otorga al presidente Ollanta Humala 59% de aprobación, los analistas destacaron la contribución del nivel socioeconómico A a su popularidad.

En efecto, mientras el mes pasado Humala era aceptado por el 60% del sector A, ahora cuenta con el respaldo del 75% de este grupo. Cabe señalar que en el sector E lo apoya el 56% .

Para el analista político Carlos Reyna, la popularidad de Humala en los estratos más altos se debe a que ha tomado las decisiones que el sector A esperaba.

Entre los factores que refuerzan la imagen del mandatario, el analista mencionó la captura del terrorista Florindo Eleuterio Flores Hala, ‘Artemio’, la designación de Óscar Valdés como primer ministro y la continuación de la política económica del gobierno anterior.

“Con el proyecto Conga quiere mandar señales a la inversión extranjera y al estrato A le parece una maravilla. Además ha sido mucho más enérgico que Alan García y Alejandro Toledo frente a los conflictos sociales”, explicó.

Pero el hecho de mantener la misma política económica ha repercutido de forma inversa en el nivel E, según Reyna, que percibe que las políticas dirigidas a los sectores populares no se han diferenciado de las aplicadas por gobiernos anteriores.

Además, el analista Carlomagno Salcedo destaca el estilo parco y discreto del presidente, que compensa con una imagen de eficiencia.

Sin embargo, Salcedo advierte que la carencia de un partido que le permita establecer canales de comunicación con los movimientos sociales es la situación que perjudica su imagen en el sector E.

“Va a recuperar la confianza en este estrato en la medida que avance su agenda de inclusión social”, explicó.

Según el ministro de la Producción, José Urquizo, los integrantes del Gabinete se encuentran trabajando para responder a las expectativas de la población de los grupos más desfavorecidos.

Para el ministro de Salud, Alberto Tejada, trabajar la inclusión social con los más olvidados era algo pendiente en la política de la gestión actual.

“Pero el gobierno pretende luchar por los más pobres, repartir mejor la riqueza y el capital”, aseguró el funcionario.

27/02/2012 - 12:04h Para fortalecer Haddad, PT deve procurar apoio do PMDB em São Paulo


Para deputado petista Jilmar Tatto, entrada de Serra na disputa obriga partido a garantir o apoio dos peemedebistas, além de PR, PSB e PC do B

27 de fevereiro de 2012

Vera Rosa, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – Sem nenhuma dúvida de que o ex-governador José Serra (PSDB) será candidato à Prefeitura de São Paulo, o novo líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), não faz rodeios: acha que seu partido corre o risco de perder a eleição na maior cidade do País, caso não se alie ao PMDB no primeiro turno. Ex-secretário municipal na gestão Marta Suplicy (2001-2004), ele teme a reedição do fiasco ocorrido há quase oito anos, quando o PT rejeitou o PMDB na chapa e foi derrotado.

“O PT precisa parar de brincar de fazer política. Se há um movimento de rearticulação das forças conservadoras do lado de lá, temos de nos unir do lado de cá e procurar o PMDB”, diz Tatto, um dos entusiastas da parceria com o prefeito Gilberto Kassab (PSD).

Apesar de apoiar a candidatura do ex-ministro Fernando Haddad, o deputado chega a afirmar que, para não ser arrogante, a direção do PT deve se sentar à mesa com os partidos da base aliada do governo Dilma Rousseff e discutir até mesmo a cabeça da chapa. “Eu defendo o PMDB para vice de Haddad, mas isso não pode ser colocado como precondição”, ressalva. “Não podemos sair divididos nessa campanha. Isso é de uma miopia política muito grande.” Na avaliação de Tatto, que desistiu de disputar prévia no PT, o deputado Gabriel Chalita (SP), pré-candidato do PMDB, “não é um nome ruim”.

O prefeito Gilberto Kassab apoiará a candidatura de José Serra (PSDB). A situação fica mais difícil Fernando Haddad?
O que está existindo mais uma vez, na cidade de São Paulo, é a união das forças conservadoras. Então, não podemos ficar paralisados. Por que não repetir, na capital, a parceria entre o PT e o PMDB, que deu certo em âmbito nacional? Isso dá tempo de TV, dá musculatura e mostra para o eleitorado que não estamos para brincadeira.

Mas o PMDB lançou o deputado Gabriel Chalita. Como atrair o PMDB para a chapa de Haddad?
Temos de chamar à responsabilidade todos os que apostam na mudança de São Paulo e elaborar um programa unindo o PT, o PMDB e os outros partidos aliados do governo Dilma, como o PR, o PSB e o PC do B. O PT precisa parar de brincar de fazer política. Se há um movimento de rearticulação das forças conservadoras do lado de lá, temos de nos unir do lado de cá e procurar o PMDB.

Com que proposta?
A questão da vice ou da cabeça de chapa tem de estar colocada para verificar quem tem maior viabilidade.

O sr. está dizendo que Haddad pode abrir mão da candidatura para o PMDB?
Eu estou convencido de que o melhor é o PT na cabeça de chapa e o PMDB para vice, mas isso não pode ser precondição. Não podemos ser arrogantes. O PT já definiu o Haddad, o PMDB já definiu o Chalita e o PC do B, o Netinho (vereador Netinho de Paula). O importante é que Lula, a presidenta Dilma, (o vice-presidente Michel) Temer e outras lideranças abram o diálogo para buscar a unidade.

Haddad corre o risco de perder a eleição sem o PSD de Kassab e se não tiver o apoio do PMDB?
Em eleição não se pode brincar. Eu lembro que quando a Marta (Suplicy, hoje senadora) era prefeita e saiu candidata à reeleição, em 2004, o PMDB queria a vice. Por erro nosso ou não, o fato é que o PMDB não esteve conosco e perdemos a eleição.

O sr. teme que isso se repita?
Não podemos correr o risco de o PT ficar isolado em São Paulo. O PT tem 30% na cidade e há uma parcela do eleitorado com dificuldade em votar no partido. Precisamos de alianças.

O presidente do PT, Rui Falcão, disse ao ‘Estado’ que Chalita não será vice de Haddad, mesmo se o PMDB entrar na aliança.
Eu não falei em Chalita. Falo em um nome do PMDB por ser o segundo maior partido do País. Se o PMDB fizer esse gesto de abrir mão de uma candidatura, nós temos de aceitar quem o partido indicar.

Mas, na sua opinião, esse nome seria Chalita?
No PT, os contrários à parceria dizem que ele tem perfil semelhante ao de Haddad por ser da área de educação. Não é um nome ruim. É que a força não está no Chalita. A força está no PMDB, e não tem esse negócio de perfil. Quem acha que Haddad vai pegar um voto acima daquilo que é o histórico do PT está enganado. Agora, não podemos sair divididos na campanha. Isso é miopia política. Uma coisa é ter a base dividida lá em Cochinchina da Serra. Outra, em São Paulo, centro das forças atrasadas, retrógradas, de direita.

O sr. foi um dos defensores da aliança do PT com o PSD de Kassab, que dividiu o seu partido. Como é que agora o sr. fala em força de direita e retrógrada?
Eu sempre defendi o seguinte: se o Kassab quiser nos apoiar, será bem-vindo. Não podemos ser arrogantes de recusar apoio. Se uma parte da elite e uma parte da direita quiserem vir para o nosso lado, o problema é do lado que saiu, não é nosso. Significa que estão concordando com o nosso projeto, com a nossa hegemonia.

O presidente do PSDB, Sérgio Guerra, afirma que o objetivo de Lula é transformar o PT em partido único e que Serra representa a resistência a essa hegemonia.
É uma bobagem, um discurso atrasado. O PT defende a pluralidade partidária, a democracia e faz a disputa política. O que falta à oposição é um projeto de País. Eles estão sem rumo.

A senadora Marta Suplicy não entrou na campanha de Haddad, alegando que não pode correr o risco de acordar “de mãos dadas com Kassab”.
Pelo jeito, Marta não vai precisar acordar de mãos dadas com Kassab nem terá mais motivos para não entrar na campanha.

O PR e o PDT condicionam o apoio a Haddad à reforma ministerial. Haverá trocas nos ministérios para que esses partidos entrem na campanha?
Acho que sim. O PR está apoiando Dilma desde o primeiro momento, tem força no Parlamento e é muito leal a nosso projeto. O PDT, por sua vez, é um aliado histórico. Temos de cuidar com carinho do PR e do PDT. Quem tem a hegemonia do projeto precisa ser generoso e tenho certeza de que a presidenta está vendo essa questão com um olhar bastante atento.

É o “é dando que se recebe”?
Não estou condicionando nada. Acho que temos de acertar com eles (PR e PDT) no âmbito federal, independentemente de São Paulo. Se isso ajuda na composição política, melhor.

Kassab deve compor o ministério de Dilma no ano que vem?
Depende. Se o movimento dele for de nos apoiar, de estar junto com o nosso projeto e se houver um distanciamento dessas forças conservadoras, nada mais justo o PSD estar (no ministério). Agora, não adianta pôr no ministério e depois, em 2014, apoiar o Serra, o Alckmin, o Aécio. Isso não pode. O Kassab vai ser candidato ao governo de SP apoiando o Serra agora? A política é a arte de fazer escolhas. Às vezes, você está numa encruzilhada. Pode seguir reto, virar à esquerda ou à direita. Pelo jeito, ele está querendo virar à direita. Terá de arcar com as consequências.

27/02/2012 - 11:55h No Twitter, Serra anuncia que disputará candidatura à Prefeitura de SP. Dois pré-candidatos desistem em favor de Serra, mas prévia do PSDB é mantida

Depois de suspense, ex-governador afirma que comunicará ao partido disposição de participar das eleições e defende realização das prévias tucanas
27 de fevereiro de 2012

do estadão.com.br

O ex-governador José Serra anunciou na manhã desta segunda-feira, 27, que pretende participar das eleições pela Prefeitura de São Paulo e que disputará as prévias do PSDB que definirá o candidato tucano. Pelo Twitter, Serra disse ser “favorável” à escolha interna.

“Hoje [segunda] comunicarei por escrito à direção do PSDB de São Paulo minha disposição de disputar a prefeitura de SP”, disse o ex-governador em seu perfil no Twitter. Serra ainda não havia se pronunciado oficialmente sobre sua intenção de disputar as eleições. “Sempre fui favorável às prévias para a escolha do candidato a prefeito do PSDB. E delas pretendo agora participar”, completou.

Inicialmente, quatro pré-candidatos participavam das prévias, mas dois deles retiraram o nome da eleição interna quando o ex-governador sinalizou que participaria do processo. Ficarão de fora os secretários estaduais Andrea Matarazzo (Cultura) e Bruno Covas (Meio Ambiente), que deve anunciar a decisão nesta segunda. Os outros dois, secretário estadual de Energia, José Aníbal, e o deputado federal Ricardo Tripoli, afirmam que vão disputar as prévias.

Nos próximos dias, a Executiva Municipal do PSDB em São Paulo irá se reunir para definir a entrada do ex-governador no processo de prévias. A proposta inicial, defendida pelos líderes do PSDB da capital paulista, é de que o processo seja remarcado para 11 de março, o que daria mais tempo para Serra arregimentar apoio junto à militância partidária.

A mudança da data das prévias é possível em virtude de uma resolução do Diretório Estadual do PSDB que aponta que o processo interno deve ser realizado até 31 de março.

Debate. Apesar das desistências, o debate entre os pré-candidatos do PSDB com a militância marcado para esta noite está mantido. Ainda continuam na disputa o secretário estadual de Energia, José Aníbal, e o deputado federal Ricardo Tripoli. / Com informações de Gustavo Uribe, da Agência Estado

Dois pré-candidatos desistem em favor de Serra, mas prévia do PSDB é mantida

Matarazzo anunciou renúncia da pré-candidatura nesse domingo e Bruno Covas fará o mesmo nesta segunda; Aníbal e Tripoli dizem que ex-governador terá de passar pela disputa interna da sigla
27 de fevereiro de 2012

Julia Duailibi e Fausto Macedo, de O Estado de S.Paulo

A decisão de José Serra de entrar na disputa pela Prefeitura de São Paulo forçou a intervenção do governador Geraldo Alckmin (PSDB) que, nesse domingo, 26, reuniu-se com nomes da sigla inscritos para a prévia, marcada e mantida para o próximo 4 de março, para informá-los sobre a entrada tardia do ex-governador no páreo e negociar desistências das pré-candidaturas. A primeira baixa foi do secretário estadual da Cultura, Andrea Matarazzo, que renunciou nesse domingo à pré-candidatura. Bruno Covas, secretário do Meio Ambiente, repete o script nesta segunda, 27. Mas o secretário José Aníbal (Energia) e o deputado estadual Ricardo Tripoli disseram a Alckmin que não desistem e não aceitaram mudar a data da consulta interna.

Alckmin chamou Aníbal e Tripoli para uma conversa no Palácio dos Bandeirantes domingo, ainda pela manhã. Sondou-os sobre a possibilidade de postergar a eleição interna – o grupo serrista quer mais tempo para aglutinar apoios em torno do nome do ex-governador. Serra disse a Alckmin que entraria na disputa na sexta-feira e deve fazer o anúncio oficialmente nesta segunda. A aproximação do PSD, criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, ao PT foi fundamental para aumentar a pressão sobre o tucano. A única hipótese de Kassab desistir da aliança com os petistas seria a candidatura de Serra.

Aníbal e Tripoli disseram a Alckmin que aceitavam a entrada de Serra na corrida, mesmo fora da data de inscrição da prévia – o prazo terminou no dia 14 de fevereiro. Os dois não recuaram e argumentaram a Alckmin que o ex-governador tem de se submeter ao pleito interno no próximo domingo e também comparecer hoje à noite ao debate do partido, o último programado. A cúpula tucana tentava ontem adiar o debate, o que provocou a reação dos pré-candidatos.

“As prévias estão garantidas no dia 4 de março, conforme combinado em novembro”, declarou Aníbal. “Lamento a saída dos outros dois. Mas acho muito bom que o Serra vá se inscrever. O processo segue.” Tripoli, por seu lado, deixou claro que não abre mão da disputa. “A militância continua proprietária do processo. Portanto continuo candidato.”

Coube a Alckmin dizer aos dois pré-candidatos que Covas e Matarazzo desistiriam das pré-candidaturas. Na conversa, o governador disse também que, diferentemente de 2004, quando entrou em campo para desmarcar a pré-convenção então agendada para que Serra disputasse a Prefeitura, desta vez não pediria aos postulantes que não concorram.

Ritual da renúncia. Às 17h35 de ontem, em uma sala acanhada no centro da cidade, depois de sete meses de campanha, “sempre de paletó, gravata e abotoaduras” – paramentos que ontem não exibia -, Matarazzo anunciou sua renúncia a um reduzido grupo de correligionários, a quem citou quase todos pelo nome e deles recebeu aplausos.

O secretário da Cultura revelou-se um dedicado cabo eleitoral de Serra. “Aqui abro mão da minha candidatura e peço ao meu grupo que substitua meu nome pelo nome de José Serra nessas prévias. O processo eleitoral das prévias continua, o que muda é apenas o nome. Abro mão do meu lugar e faço isso com orgulho, por alguém que é exemplo de homem público.”

Matarazzo afirmou que Alckmin não lhe pediu “nem que entrasse (na prévia) nem que saísse”. E que “não vai postular” nada, ante a indagação se almeja a vaga de vice do ex-governador caso o PSDB opte por uma chapa “puro-sangue”. Ele foi categórico ao comentar seu gesto, a uma semana das prévias. “Tem uma coisa que é da minha formação: a questão da precedência e da hierarquia. Vocês não verão nunca eu disputando uma eleição com o Serra. Somos do mesmo grupo político. O Serra sempre estará mais credenciado do que eu.”

Domingo à noite, Covas comunicou a decisão à militância, mas evitou a imprensa. Hoje ele anuncia a desistência. / COLABOROU LUIZ GUILHERME GERBELLI

27/02/2012 - 11:46h Luz para Todos fará 400 mil novas ligações até 2014, diz Dilma

27 de fevereiro de 2012

REUTERS – AGÊNCIA ESTADO

O programa do governo federal Luz para Todos fará mais 400 mil novas ligações elétricas até 2014, afirmou a presidente Dilma Rousseff em programa de rádio veiculado nesta segunda-feira.

De acordo com a presidente, o programa de universalização de energia elétrica já beneficiou cerca de 12 milhões de pessoas desde a sua criação, no final de 2003.

“Já fizemos muito, mas agora ainda temos um desafio grande, que é o de levar energia elétrica, luz elétrica para as pessoas que moram em lugares de acesso mais difícil, em áreas isoladas, no meio da floresta e em serras e ilhas”, disse Dilma em seu programa de rádio semanal “Café com a Presidenta”.

“Para atender a esses brasileiros, o Luz para Todos vai fazer mais 400 mil novas ligações de luz elétrica até 2014″, acrescentou.

A presidente disse que o programa passou a utilizar postes de fibra de vidro, mais leves e fáceis de transportar que os de concreto, para levar energia a locais mais isolados e de difícil acesso.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

27/02/2012 - 09:08h “É possível levar energia renovável para todos”

Connie Hedegaard: “Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente para repensar o jeito como fazemos as coisas”


Por Daniela Chiaretti | VALOR

De Nairóbi, Quênia

Pragmática, a dinamarquesa Connie Hedegaard, é uma mulher que acredita em metas. A comissária europeia para ação climática, famosa por seu protagonismo na conferência do clima de Copenhague, em 2009, e também em Durban, na África do Sul, em 2011, chega ao Brasil hoje convencida de que tornar concreta a meta de dar acesso universal a energia renovável, em 2030, poderia ser um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODG) a ser imediatamente implementado ao fim da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, em junho, no Rio.

Para a ex-ministra do meio ambiente, de cooperação, e de clima e energia da Dinamarca, não é preciso esperar pelo detalhamento de todas as outras áreas – que podem tratar de temas tão diversos como água, oceanos ou consumo – para dar a partida aos ODG. “O objetivo da energia poderia começar já”, defende. “É muito importante que miremos coisas tangíveis e que tenham resultado a curto prazo.”

Nesta entrevista, concedida em Nairóbi, no Quênia, onde participou das comemorações do 40º aniversário do Pnuma, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, ela evitou falar sobre as mudanças na governança institucional ambiental e de desenvolvimento sustentável que a Rio+20 pode produzir. O tema é controverso. A Europa quer que o Pnuma se transforme em uma agência ambiental da ONU. O Brasil quer fortalecer o Pnuma, mas aposta na criação de um órgão de desenvolvimento sustentável.

“Temos de responder, no dia seguinte à conferência, à pergunta: o que a Rio+20 mudou na vida dos cidadãos?”

Connie Hedegaard tem encontros em Brasília com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e uma agenda que termina em São Paulo e mistura clima e Rio+20. Ela participou do Painel de Alto Nível sobre Sustentabilidade Global da ONU e tem, na cabeça, visão de longo prazo para o crescimento dos países fundamentada na economia verde. “Se a Rio+20 mudar este paradigma, será um grande ganho”, diz. A seguir, trechos da entrevista:

Valor: Qual o perfil da sua visita ao Brasil? Mais mudança climática ou mais Rio+20?

Connie Hedegaard: É uma agenda mista. Fiz parte do painel das Nações Unidas sobre desenvolvimento sustentável junto com a ministra Izabella Teixeira, e, claro, temos ambas interesse na agenda climática. Em Durban, o Brasil e a Europa tiveram uma cooperação muito construtiva. Espero que possamos avançar na agenda do clima para a próxima reunião, no Qatar. E agora, tão perto da Rio+20, é natural que discutamos alguns temas da conferência.

Valor: A senhora diz que a Rio+20 não é uma árvore de Natal. O que quer dizer?

Hedegaard: É que todos vêm com todos os seus desejos para a conferência. Mas deveríamos ter em mente que muita gente lá fora pensa que estes são tempos muito desafiadores. As pessoas percebem que a economia, os mercados, os bancos estão globalizados, e temos que mostrar que o globalizado sistema político multilateral pode dar algumas respostas claras. Acho que um dos desafios da Rio+20 não é escrever um monte de declarações, mas temos que ser capazes de, no dia seguinte à conferência, responder à pergunta: o que a Rio+20 mudou na vida dos cidadãos?

Valor: A senhora tem algum exemplo do que poderia ser decidido no Rio, em junho?

Hedegaard: Saliento a meta de acesso a energia sustentável para todos. Isso é algo muito concreto. Se há uma lição que aprendemos na Europa é que ajuda muito ter metas porque faz com que os governos tenham foco. Metas também fazem com que os investidores se mexam em determinadas áreas, se souberem quais são os objetivos e se tiverem alguma previsão. Acredito que há muitos investidores lá fora que gostariam de investir em energia. Mas eles têm que ter indicações claras de que isso é para valer. A sociedade global está levando a sério essas metas? O que significa dar acesso à energia sustentável para todos, em 2030? É sobre conseguir mais eficiência energética? Como podemos medir isso? Podemos fazer uma enorme diferença se decidirmos que, agora, vamos estabelecer estes padrões.

Valor: No final da Rio+20, o que terá sido um bom resultado, na sua opinião?

Hedegaard: Acredito que um bom resultado será se o mundo puder abraçar o conceito de economia verde. Conseguindo isso, a conferência do Rio poderia marcar uma real mudança de paradigma. Seria o momento em que as pessoas e os governos entenderiam que não podemos continuar fazendo as coisas como sempre, o que se chama “business as usual”. Não é assim que tornaremos as economias sustentáveis, não se criarão sociedades sustentáveis. Temos que mudar a maneira em que percebemos o crescimento e mudar para uma maneira mais eficiente de usar a energia e os recursos naturais. Se a Rio+20 puder marcar esta mudança, penso que terá sido um ganho muito grande.

Valor: A Rio+20 não irá produzir tratados internacionais com força legal. Isso é um problema?

“É importante se ter uma estratégia coerente para combater a mudança climática”

Hedegaard: Quando foram estabelecidos os Objetivos do Milênio, dez anos atrás, perguntei ao então primeiro ministro de Moçambique o que estas metas significavam para o seu governo. Ele respondeu que representavam um incrível estímulo para que pudessem definir os processos e os caminhos de desenvolvimento do país. Os objetivos do milênio significam acesso à água, maior participação das mulheres, educação, e isso faz diferença. É o mundo querendo medir se está se mexendo na direção certa ou não. Basicamente é a mesma coisa que podemos fazer com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável na Rio+20. E, claro, se falarmos, vamos adotar a meta do acesso à energia renovável, teremos que encontrar uma metodologia que mostre como chegaremos a isso.

Valor: Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODG) que podem ser adotados na Rio+20 seriam um avanço nesta direção?

Hedegaard: A Europa pensa que os ODG podem ser algo muito bom. Agora, um dos desafios da Rio+20 é ver se a comunidade internacional está pronta para definir quais são estes objetivos.

Valor: Como assim?

Hedegaard: Dizer quais são os objetivos, quais as áreas e quais as metas. Uma área em que o trabalho preparatório já foi extremamente feito, dentro do sistema das Nações Unidas, é energia. Então, de um lado, poderíamos indicar que queremos ODGs neste e naquele campo, mas se tivermos alguma área mais específica, ou que está mais pronta, por que não começar com este setor imediatamente? Por que temos que esperar para conseguir detalhar outras áreas para implementar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável? Somos muito favoráveis ao que o mundo promova estas metas, só acho que não precisamos ter cada uma delas muito detalhada e definida já no Rio. Talvez, na conferência, os temas possam ser identificados e começar um processo.

Valor: Os assuntos poderiam ser definidos no Rio. Mas o que mais?

Hedegaard: Por exemplo, uma meta poderia ser sobre pesca sustentável. O que isso significa, como podemos detalhar o objetivo e como chegar a ele. Mas se não tivermos condições de fazer tudo nos mínimos detalhes no Rio, deveríamos dizer: este é o prazo final, é o que politicamente queremos fazer e aí voltamos e vemos como a meta poderia ficar. O que digo é que, por exemplo, no campo de energia sustentável nós já temos todos os detalhes.

Valor: Seria um começo, a meta da energia sustentável?

Hedegaard: Sim, poderia começar já, e fazer isso não estaria em contradição com as outras metas. Seria apenas para termos uma ação orientada. E poderia começar no dia seguinte ao término da Rio+20. Ministros brasileiros, comissários europeus, todos nós poderíamos nos perguntar que diferença a Rio+20 pode fazer para o mundo. É muito importante que miremos coisas tangíveis e que tenham resultado a curto prazo.

Valor: O que a senhora poderia dizer sobre a opinião da União Europeia sobre governança?

Hedegaard: Bem, só posso repetir o que Janez Potócnik, comissário da União Europeia para Ambiente, disse sobre isso (em coletiva de imprensa em Nairóbi Potócnik defendeu o fortalecimento do Pnuma e disse que “há desejo de mudanças”, mas não se prolongou no tema).

Valor: Como trazer chefes de Estado para o Rio?

Hedegaard: Não tenho comentários. Este é um assunto do governo brasileiro.

Valor: O que esperar da próxima reunião do clima, no Qatar?

Hedegaard: A reunião no Qatar tem que preparar um plano de trabalho muito claro.

Valor: A União Europeia foi protagonista na última conferência climática, em Durban. Como avançar nas negociações?

Hedegaard: Nossa estratégia funcionou. Usamos o fato de que estávamos prontos para aceitar um segundo período de compromissos do Protocolo de Kyoto, assumindo que éramos os únicos países do mundo prontos para isso. Dissemos “ok, vamos deixar o sistema vivo, mas só se outros nos disserem quando o resto do mundo subirá a bordo com algum acordo realmente global.” Foi onde chegamos em Durban graças à cooperação dos países africanos e dos países menos desenvolvidos do mundo. Mais de cem países falaram muito claramente para as economias emergentes e aos Estados Unidos: temos que ter agora um sistema global verdadeiro.

Valor: Foi assim que se chegou à promessa de se chegar a um acordo climático global em 2015?

Hedegaard: Alguns países disseram “ok, mas vamos terminar em 2016 ou 2017 e não deveríamos começar este ano.” Falamos: “Claro que temos que começar este ano!” Como podemos explicar para qualquer cidadão que a mudança climática é urgente, mas que não vamos começar nada até o ano que vem? Temos que terminar em 2015 porque se há algo que aprendemos neste processo é que ele nunca surpreende com decisões que acontecem mais rápidas do que você imaginou. Sempre leva muito tempo até que se possa concordar com algo e ver aquilo começando a funcionar.

Valor: Então, para se ter um acordo climático global em 2015, o que tem que acontecer no Qatar?

Hedegaard: Em Durban acertamos que temos que terminar as negociações do novo tratado em 2015. Teremos novos elementos sobre a mesa, um novo relatório do IPCC (o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, que reúne os novos estudos científicos sobre o assunto) que será lançado em 2014. E então teremos 4 ou 5 anos para que os países ratifiquem e implementem o acordo e o novo regime comece a operar. Isso leva tempo.

Valor: Qatar é o início disso?

Hedegaard: Qatar é sobre um programa de trabalho bem específico: quem faz o quê dentro de qual prazo. Como estruturamos, o que tem que ser feito politicamente, e por aí vai. Temos que trabalhar de trás para a frente. Pensando que temos de terminar com um acordo global na CoP de 2015, então, que tipo de conhecimento precisamos agora, quais os caminhos, working shops, grupos de trabalho e assim por diante para assegurar que no final de 2015 teremos o acordo. No Qatar também vamos ter que ter avanços no Fundo Verde, o dinheiro terá que começar a fluir.

Valor: E as metas do segundo período de compromisso de Kyoto…

Hedegaard: Sim, vamos submetê-las antes de 1º de maio, o prazo final acertado em Durban.

Valor: Perguntaram como o mundo dos negócios está reagindo à mudança climática e à economia de baixo carbono. A senhora mencionou o que está acontecendo na Tailândia. Pode explicar?

Hedegaard: A Tailândia divulgou números mostrando que nos últimos quatro meses de 2011, perdeu 9% de seu PIB por causa das inundações. Então, se você é uma empresa na Tailândia, você definitivamente aprendeu que continuar a fazer como sempre fez, “business as usual”, é algo que pode custar muito. São riscos muito perigosos para os negócios. É por isso, também, que é tão importante ter uma estratégia coerente para combater a mudança climática.

Valor: Mesmo com a crise econômica global, as emissões de gases-estufa ainda estão crescendo. Isso não preocupa?

Hedegaard: Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente para repensar o jeito como fazemos as coisas. Estou certa que, muitas empresas e muitos CEOs no mundo todo, durante esta crise, estão olhando para suas contas, vendo quanta energia gastam para fazer seus produtos, quanto aço precisam, quanto consomem de matérias-primas. Porque se uma coisa é certa sobre o futuro, é que estamos em um mundo em que há mais gente, e mais gente virando classe média e com mais possibilidade de consumo, então está claro que a demanda por matérias-primas e por energia irá crescer. Isso significa que os preços irão aumentar e que eficiência energética e eficiência no uso de recursos naturais, serão parâmetros competitivos. Acho que esta lógica está sendo aceita por mais e mais empresários e pelo poder público. Na Europa, agora, estamos falando muito mais sobre eficiência energética nos nossos prédios, na nossa infraestrutura, em como nos tornarmos mais eficientes em termos energéticos. Acho que esta é a mudança de paradigma que espero que a Rio+20 realmente consiga alcançar.

A jornalista viajou a Nairóbi a convite do Pnuma

27/02/2012 - 08:44h Aumento de preços pressiona Petrobras

Por Cláudia Schüffner | VALOR

Do Rio

O embargo da União Europeia ao petróleo iraniano como represália ao programa nuclear daquele país vai pôr mais pressão sobre os preços da gasolina e diesel comercializados pela Petrobras no Brasil. Tanto o petróleo tipo Brent, usado como referência na Europa, como o WTI, do mercado americano, estão subindo rapidamente. O Brent chegou a ser cotado a US$ 125 na sexta-feira e os contratos para entrega em maio fecharam o dia cotados em US$ 124,48 o barril depois que a Agência Internacional de Energia Atômica divulgou um relatório mostrando um aumento do programa nuclear do Irã e da produção de urânio enriquecido.

No ano, a alta do Brent já chega a 16,48%, ante 12,03% nos últimos 12 meses. Em euro, a cotação na sexta também foi a maior desde julho de 2008. A nova crise internacional do petróleo ocorre em um momento em que a Petrobras está com preços defasados e aumentou importações, pagando em dólar e a preços internacionais pelos derivados trazidos do exterior para suprir o mercado interno.

Essa combinação de fatos aumentou o processo de sangria das receitas da companhia e deve ficar mais crítica com a nova alta dos preços internacionais. A estatal vinha deixando de elevar suas receitas por não vender derivados no Brasil pelos preços que obteria se fossem oferecidos no mercado internacional. Mas, com a retomada de pesadas importações, o impacto dos subsídios passou a ser sentido direto no caixa.

Os resultados da atual política de preços são difíceis de mensurar, pois a Petrobras não divulga detalhes de sua política comercial. Mas não faltam projeções. O Centro Brasileiro de Infra Estrutura (CBIE) calcula que a estatal teve prejuízo de R$ 3,7 bilhões somente com importações de gasolina e diesel em 2011, valor que pode subir para R$ 6,1 bilhões em 2012. O economista Adriano Pires destaca que o impacto pode ser maior, já que os cálculos foram feitos tomando como base a cotação de US$ 100 o barril de petróleo, com o câmbio a R$ 1,80 e sem considerar reajustes de preços no mercado doméstico.

“Estamos prevendo um crescimento de 20% das vendas, inferior aos 24% de 2011, e crescimento de 240% nas importações em 2012, o que é conservador, já que em 2011, em relação ao ano anterior, elas cresceram 300%. O problema da Petrobras é que sua capacidade de refino bateu no teto e qualquer crescimento adicional será por meio de importações até que as novas refinarias fiquem prontas”, afirma Pires, para quem as perdas totais da Petrobras este ano podem ficar entre R$ 12 bilhões e R$ 15 bilhões.

Um relatório do Bank of America (Bofa) Merrill Lynch, divulgado na sexta-feira, lembra que se o petróleo continuar subindo poderá prejudicar a meta do Brasil de obter um superávit primário de 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012. Isso porque há riscos ascendentes de uma transmissão dos preços dos combustíveis para a inflação. O analista Marcos Buscaglia, autor do relatório, vê poucos mecanismos para controlar um eventual aumento dos preços. E cita apenas duas possibilidades: a redução da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) ou da mudança do percentual de mistura de etanol na gasolina, ressaltando que elas podem prejudicar a meta de inflação.

A estimativa do Bofa é que os preços da gasolina no Brasil estão com 15% de defasagem em relação aos preços internacionais, enquanto no diesel é de 13%. Esse “desconto” é maior do que a defasagem de 5% e 3%, respectivamente, que existia em março de 2011.

O cenário global pode piorar a partir de 1º de julho, quando entra em vigor o embargo que pode reduzir entre 500 mil e 700 mil barris ao dia – as estimativas variam – as importações dos países membros da União Europeia originárias do Irã. Adicionalmente, os Estados Unidos ameaçam com sanções a quem furar o embargo, o que deve reduzir as compras da India.

Na Zona do Euro, o Deutsche Bank aponta que as maiores reduções das importações serão da Itália (190 mil barris), Espanha (160 mil) e Grécia (120 mil). Esses países já começaram a cortar importações do Irã, que foi substituído pela Arábia Saudita, maior produtor do mundo. O reino saudita tem capacidade ociosa de produção de 2 milhões de barris ao dia, o equivalente à capacidade de produção da Petrobras.

Greg Priddy, diretor global da área de petróleo da consultoria Eurasia Group destaca que nos últimos dois meses houve alta de 300 mil barris nas exportações de petróleo leve da África em direção à China, enquanto, em fevereiro, o Irã exportou 400 mil barris a menos. Ele chama a atenção para o fato de a China ter motivações comerciais para a medida, pois a trading estatal Unipec estava em renegociação do contrato de venda a termo entre os dois países concluído semana passada. Agora, segundo Priddy, a expectativa é de que o Irã tente cooptar compradores, reduzindo seus preços. Para o mercado, essa nova tensão está longe de um desfecho.

27/02/2012 - 08:30h Alta do petróleo já ameaça economia global

Por Javier Blas | Financial Times – VALOR

“Até recentemente eu começava as minhas manhãs verificando o rendimento dos bônus italianos”, diz Ed Yardeni, que trabalha como estrategista financeiro em Wall Street. Não é mais assim. Agora, ele verifica primeiro o preço do petróleo Brent.

Na semana passada, quando os preços do petróleo subiram para mais de US$ 125 por barril, maior patamar desde a guerra civil na Líbia em 2011, a atenção dos investidores mudou nitidamente de direção: da crise na Grécia para a ameaça representada pelo petróleo mais caro.

Se continuar em alta – e a Vitol, maior comercializadora de petróleo independente do mundo, já alertou para a possibilidade de a cotação atingir US$ 150 – então, qualquer perspectiva imediata de recuperação econômica, especialmente na Europa, ela provavelmente perderá força.

Há vários motivos para a alta d preço do petróleo, sendo que o mais importante é a tensão cada vez maior em relação ao programa nuclear iraniano.

As sanções planejadas pela União Europeia (UE) e as ameaças do Irã, de cortar o fornecimento a alguns países europeus, vêm preocupando os operadores do mercado de petróleo.

O petróleo do tipo Brent chegou a recorde, em euros e em libras, na semana passada. Na sexta, atingiu o maior valor em nove meses, de US$ 125,32, impulsionado por um informe da agência de supervisão nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) apontando um grande aumento na produção de urânio de alto grau de enriquecimento pelo Irã.

“O petróleo encaminha-se para um ponto crucial”, afirma Michael Lewis, chefe de análise de commodities no Deutsche Bank, em Londres.

O aumento nos preços do petróleo, justamente quando os EUA começam a dar sinais de sair do atoleiro econômico, é ameaçador para a economia mundial. Quase todas as recessões anteriores dos EUA foram precedidas por grandes aumentos no custo das fontes de energia. O valor da gasolina nos EUA aproxima-se da marca psicológica dos US$ 4 por galão (3,785 litros), nível que provavelmente enfraquecerá a confiança dos consumidores.

Para o economista James Hamilton, da Universidade da Califórnia, em San Diego, que estudou o impacto do preço do petróleo na atividade econômica, “todas as 11 recessões do pós-guerra [nos EUA], menos uma, estiveram associadas a aumentos no preço do petróleo, com a única exceção sendo a de 1960″.

A Europa poderia sofrer impacto maior que os EUA. Apesar de todos os esforços das refinarias da região para assegurar fornecimentos alternativos, a alta desta semana afetará países como Grécia, Itália e Espanha, cujas economias já estão fragilizadas.

Didier Houssin, diretor de mercados de energia e de segurança energética da Agência Internacional de Energia (AIE), o órgão dos países ocidentais de supervisão do setor, disse em conferência nesta semana que os preços elevados do petróleo já agem como um freio ao crescimento econômico.

O “fardo do petróleo”, que indica o custo do produto em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), está perto dos níveis de 2008, quando o petróleo chegou ao recorde, em dólares, de US$ 147.

O Deutsche Bank estima que, mesmo se os preços do petróleo continuarem no nível atual pelo resto do ano, esse indicador aumentará para 5,5%, acima dos 4,8% verificados em 2008 e o maior nível desde 1983.

A alta acentuada do petróleo decorre dos vários casos de interrupção no fornecimento, assim como dos temores quanto ao impacto que as sanções europeias e americanas terão nas exportações iranianas.

A forte demanda por petróleo na Ásia, particularmente no Japão, aumentou ainda mais a tensão no mercado.

Colin Fenton, chefe de análise de commodities no JPMorgan, em Nova York, diz que a onda de valorização é “guiada pela economia e tem raízes reais”. A parcela no preço resultante dos temores com o Irã representa apenas “alguns dólares por barril”, diz.

O Sudão do Sul parou de extrair cerca de 300 mil barris por dia de petróleo com baixo índice de enxofre, um dos mais cobiçados. Inquietações políticas e greves reduziram a produção em cerca de 250 mil barris diários no Iêmen. A Líbia está extraindo cerca de 1 milhão de barris por dia, o que ainda está bem abaixo do patamar pré-guerra civil, de 1,6 milhão de barris. Na Síria, a produção caiu cerca de 150 mil a 200 mil barris por dia, afetada pela agitação política no país.

Essas interrupções no fornecimento pressionaram o mercado físico – em que as entregas realmente ocorrem e não se negocia o petróleo apenas como investimento – a ponto de surpreender executivos de tradings de commodities na Suíça e muitos analistas experientes.

Paul Tossetti, da empresa de consultoria PFC Energy, em Washington, diz que o mercado físico está “apertado e parece que poderia ficar mais apertado”.

O envelhecimento da infraestrutura e dos campos petrolíferos também influencia a alta. A produção de petróleo no Mar do Norte está em queda, e a da Venezuela também vem caindo de forma acentuada.

A demanda na Ásia cresceu, em grande parte porque as geradoras de energia no Japão recorreram ao petróleo como alternativa à energia atômica, depois do terremoto e do tsunami de 2011 e do desastre nuclear na usina de Fukushima.

O analista David Wech, da empresa de consultoria JBC Energy, afirma que o Japão consumiu um total de 635 mil barris diários de petróleo e derivados para gerar de energia em janeiro, mais que o dobro em comparação com um ano atrás.

A AIE, por sua vez, estima que o consumo mundial de petróleo aumentará 830 mil barris diários neste ano, acima da alta de 740 mil barris verificada em 2011.

“Permanece a perspectiva de duas velocidades”, destacou a AIE em seu informe mensal mais recente, no qual antecipa “crescimento robusto na demanda por petróleo” nos países emergentes e continuidade do declínio do consumo na maioria dos países desenvolvidos.

Caso o petróleo encaminhe-se aos US$ 150 por barril, a elevação poderia ter vida curta, se houver repetição do verificado em 2008, quando a recessão levou de novo os preços para baixo. Isso, contudo, serviria de pouco consolo.