20/03/2013 - 13:45h 17 de marzo: una victoria contundente

Fernando Villarán

No deja de sorprender la política peruana o, mejor, contemporánea. Los derrotados en la consulta popular del pasado domingo son los que realizan el análisis de la misma. Y, por supuesto, resulta que los ganadores se convierten en los derrotados y los derrotados en ganadores. Los mismos medios, periodistas y analistas que han estado apoyando y animando la campaña del SI y que han atacado, sin piedad, a la alcaldesa y su gestión desde hace más de 2 años, son ahora los que hacen el balance de la batalla. Es como si el 3 de setiembre de 1945 hubiesen sido los alemanes, japoneses e italianos los encargados de dar la «versión oficial» de la segunda guerra mundial. El mundo al revés.

Vayamos a sus argumentos:

1. «Es una victoria ajustada, casi la mitad de los limeños revocaron a la alcaldesa, es un llamado de atención». En las últimas elecciones el presidente Ollanta Humala le ganó a Keiko Fujimori por un margen de tres puntos porcentuales, exactamente los mismos con los que ha triunfado el NO el domingo, y que se sepa nadie anda dudando de la legitimidad de su mandato. La mitad de los presidentes en el mundo son elegidos con márgenes menores a estos, lo que no debilita en lo más mínimo su autoridad y su gobierno.

2. «Han sido revocados varios regidores lo que es un drástico castigo a la izquierda que maneja la Municipalidad de Lima. Una victoria pírrica. Una dulce derrota». En toda batalla hay muertos y heridos. Para comenzar es un absurdo desconocer la voluntad del pueblo que votó por el NO en la persona de la alcaldesa, y que no marcó el NO en el resto de la cédula, teniendo en cuenta que en la elección de octubre de 2010 se votó en bloque por todos ellos. Pero aun si fueran revocados, afirmar que este es el resultado principal de la consulta del domingo es como decir que los alemanes ganaron en Normandía porque murieron más aliados que ellos. Aunque con un costo alto, fue una resonante victoria para los aliados. Felizmente, en el caso de los regidores, como Eduardo Zegarra y Marisa Glave, por ejemplo, podrán continuar aportando desde otras responsabilidades en la MML.

3. «La salida de los regidores representa la derrota del NO». Se debe tener muy en claro que lo que estuvo en juego el domingo, no fue la revocación de unos pocos regidores. Siempre estuvo en juego el control de la segunda plaza ejecutiva del Estado peruano, la MML, que concentra el 50% del PBI Nacional y un tercio de la población del país. Lo que vimos en este proceso fue el intento de asaltar el poder de la MML utilizando el mecanismo de la revocatoria (hoy considerado obsoleto por muchos). Pero como hemos comprobado, el asalto fracasó, la alcaldesa y sus aliados lograron resistir el ataque y conservaron el poder. Por eso es un absurdo hablar de victoria a medias; en la política y en la guerra esto no existe, o se conquista el territorio desalojando al enemigo, o uno se queda sin nada. Las victorias son al 100% y las derrotas también. Y esto es lo que ha ocurrido en Lima.

4. «La alianza entre Fuerza Social y el PPC es antinatural y se va a romper de inmediato». Adicionalmente a controlar el territorio que es la primera fuente del poder, la clave en política reside en aumentar ese poder mediante la acumulación de fuerzas, y esto lo ha conseguido de manera clara y contundente Susana Villarán. De la agrupación de unos pocos pequeños partidos de izquierda, con los que empezó en enero de 2011, ha logrado forjar una sólida alianza, nada menos que con el Partido Popular Cristiano (PPC), su rival en las elecciones de 2010, pero también con Perú Posible, el Partido Nacionalista de Lima, Acción Popular y Somos Perú. Una confluencia de fuerzas pocas veces vista en la política peruana. Es decir, no solo conserva el poder, sino que lo acrecienta y fortalece, lo que significa que este frente puede obtener más victorias y más poder político. Esto es lo que les quita el sueño a los derrotados el domingo pasado: una sólida alianza política que no solo continúe ganando elecciones sino que sobre todo transforme la manera de administrar el Estado y ejercer la política. La transparencia y la honestidad son como la luz del sol de la que huyen los vampiros de la política.

5. Hace dos mil quinientos años, Sun Tzu dijo: «La división es la estrategia más eficaz para derrotar al enemigo». Y en esto los derrotados del domingo pasado se han puesto a trabajar desde al primer día, dicen: «Los traidores fueron los del PPC que marcaron el SI a los regidores de Fuerza Social. La alcaldesa se peleó con Marisa Glave porque es demasiado radical. PPK fue el culpable de marcar SI a los regidores radicales. Todos los partidos de la izquierda democrática rechazan al Movimiento Nueva Izquierda (Patria Roja). La CONFIEP se retracta en su apoyo al NO por temor a las declaraciones de un influyente minero». En un país con una fuerte tradición de división y enfrentamiento, tal como nos lo ha recordado varias veces María Rostworowsky, esta estrategia es ciertamente la más eficaz; no hay que hacer mayor esfuerzo para dividir a los peruanos. En esto la izquierda es la campeona, desde que llegó a su punto más alto bajo el liderazgo de Barrantes Lingán en los 80, no ha parado de dividirse por quítame estas pajas. Por eso, quizás el mayor esfuerzo sea mantener la unidad alcanzada en el frente por el NO. Sólo esto cambiaría la historia de la política peruana.

6. «Esta es una contienda electoral vecinal, solo circunscrita a Lima». Esto es falso, pues en realidad se trata de la primera batalla por el poder nacional en el 2016. Es teniendo eso en mente que los partidos y actores han tomado sus decisiones. Solidaridad Nacional (SN) quiso recuperar el municipio de Lima por medios vedados y antidemocráticos, sin esperar al 2014, después de su estrepitoso fracaso en las elecciones presidenciales del 2011. El APRA apoya a Castañeda para golpear a la izquierda (su enemigo de toda la vida), utilizar a Lima como plataforma para su propia candidatura presidencial y reactivar su partido muy debilitado por la debacle electoral de 2011 para el congreso. El fujimorismo se mantuvo oficialmente al margen, aunque varias de sus principales dirigentes participaron en la campaña del SI. Todos han jugado sus fichas pensando en el 2016, la diferencia es que algunos han perdido y ven alejarse sus objetivos.

Lo más patético de todo esto es que los ganadores comiencen a aceptar y creer los argumentos de los derrotados. Está bien ser magnánimos en la victoria (cosa que estoy seguro no hubiera ocurrido si fuera el caso contrario; no me imagino qué habrían dicho los líderes del SI y sus medios si hubieran triunfado), pero otra cosa muy diferente es dejarse apabullar. Aparte de la tarea central de mantener la unidad del frente del NO y de seguir golpeando a la corrupción (la gran derrotada), es preciso continuar dando la batalla ideológica. Hay que seguir las enseñanzas de Manuel Castells que hace algunos años dijo que en la era digital, las batallas por el poder son batallas culturales.

18/03/2013 - 10:13h Heduardicidios en Lima

Heduardicidios Perú 21

17/03/2013 - 22:31h La campaña por la revocatoria (II)

Anuncias, luego existes
Alexander Chiu Werner

17/03/2013 – Gestión

Lo que parecía poco probable, sucedió. La campaña por el NO, a vista de todas las encuestadoras, cumplió su objetivo y logró que Susana Villarán no sea revocada de la alcaldía. En este segundo post, una reflexión y ampliación del análisis publicitario realizado un mes atrás sobre el mismo tema.

054-revocatoria.jpgComunicación integrada

Lo primero que hay que destacar es la importancia vital de tener un plan de comunicación -incluso diría un plan de marketing- detrás, y el NO lo tuvo. Se evidenció un análisis FODA que se tradujo en casi ninguna ‘metida de pata’, la despersonificación de la campaña (estrategia de producto), el trabajo de canalización efectiva de la comunicación a través de los paneles, afiches, memes, visitas y caravanas en sectores populares con representantes de todas las bancadas que apoyaban la moción (estrategia de distribución), la visión de resaltar el costo que implicararía las consecuencias de que la revocatoria prospere (estrategia de precio), y toda la comunicación integrada que significó promocionar el NO y persuadir a los limeños por esta opción.

A esta planeación, ejecución y coordinación de todo lo que comunica en una mezcla de marketing (comercial, político o social) se le denomina Comunicaciones Integradas de Marketing (CIM), y en la política esto es esencial. La comunicación que recae en los voceros o representantes de una postura política nunca deberían ser incoherentes con la propaganda (el SÍ tuvo serios problemas con sus voceros), el mensaje de que era una campaña humilde y sin presupuesto caía por su propio peso, el origen popular y social de la revocatoria se diluyó en los últimos días con los destapes de los intereses personales detrás de ella, entre otros.

La comunicación integrada también se reflejó en una unidad del mensaje de carácter textual, gráfico y semiótico, característica básica cuando se piensa una campaña publicitaria como lo que realmente es: una serie de mensajes publicitarios coordinados que comunican un mismo mensaje de manera coherente e integrada. Un mensaje claro se traduce en entendimiento que a su vez genera mejor recordación un posicionamiento más firme y conduce finalmente a un comportamiento que, en este caso, fue el acto de votar.

Publicidad 3.0

No me cansaré de repetirlo: los consumidores de hoy eligen productos y empresas (o ideas) que satisfacen sus necesidades más profundas de comunidad e idealismo; por lo tanto, las empresas e ideas de hoy deben crear productos, servicios y culturas que inspiren, incluyan y reflejen los valores de los consumidores. En las dos campañas políticas exitosas asesoradas por Luis Favre se ha corroborado esta idea: El 2011, Ollanta Humala pasó de la confrontación a la conciliación y ganó las elecciones presidenciales, y hoy Susana Villarán apostó por mensajes de unidad e integración y terminó salvándose de ser revocada.

El SÍ apostó por lo que históricamente funcionó en muchas campañas: además de la alimentación de la indignación por la incapacidad de la autoridad, buscó la capitalización del miedo. La eficacia de esta estrategia no es gratuita: en el 2003 una empresa estadounidense realizó un estudio de los cerebros humanos a través de una resonancia magnética funcional para determinar los efectos de ver campañas políticas que hacían referencia al 11 de setiembre y a una explosión nuclear. Los resultados fueron que dicha publicidad desencadenaba una actividad generalizada a nivel de la amígdala, una región del cerebro que gobierna, entre otras cosas, el miedo, la ansiedad y el pavor. Su conclusión fue que jugar con el miedo de los votantes es clave para asegurar el triunfo de un político (un ejemplo peruano también es la campaña fallida de 1990 de FREDEMO).

El timing

Nunca antes el ‘timing’ jugó un papel tan medular en una campaña política. Tan importante como qué decir es cuándo decirlo, y las últimas acciones del NO (como el apoyo público y activo de Lourdes Flores y el PPC) no daban tiempo a su contrincante de reaccionar. Del otro lado, el SÍ cometió los peores errores en el peor momento: el desliz machista de Marco Tulio, la aparición de Castañeda como promotor de la revocatoria, su fallida participación en el debate, entre otros. La reciente declaración de Villarán en la que menciona que se tomará una semana de vacaciones es un terrible ejemplo de mal uso del timing que, suerte para ella, lo dijo cuando la votación había culminado.

Concuerdo además con un comentario del reconocido publicista Robby Ralston (realizador de, entre otras, la exitosa campaña de Rímac Seguros): en el verano la gente está en otro ‘mood’, menos propenso a consumir mensajes negativos sino más felices y alegres.

Tres cerebros del ser humano

Por último, algo innovador fue la aplicación en la campaña del SÍ de un concepto muy importante utilizado en el neuromarketing: la identificación y la preparación de mensajes para los tres cerebros del ser humano que son el reptil, el límbico y el neocórtex. Mientras que el reptil responde a estímulos de supervivencia (temor al caos que generaría la posibilidad de tener hasta cuatro alcaldes en dos años), el límbico responde a las emociones (sentimientos de unidad, integración y conexión emocional con los personajes públicos que apoyaron la campaña) y el neocórtex al raciocinio y a la reflexión (gastos innecesarios, inversiones paralizadas, tiempo perdido). Como resultado, el mensaje atacó por los tres frentes que podrían influir en el cambio de comportamiento del electorado.

Todas estos puntos, además de los descritos en el post anterior, acumularon la probabilidad de éxito de una campaña que, reconozco, no pensé que iba a tener el éxito que finalmente se tradujo en la victoria electoral.

¿Y tú qué piensas sobre la etapa final de la campaña por la revocatoria desde el aspecto publicitario?

["Anuncias, luego existes" se publica todos los lunes.]

15/03/2013 - 21:05h Revocatoria: “La estrategia del NO fue arrastrar al SÍ a un nuevo escenario de debate”

Viernes, 15 de marzo del 2013 – Gestión (Perú)

Análisis. El gerente de Asuntos Públicos de Llorente & Cuenca, Rubén Caro, explicó el uso del “cambio de ‘frame’ o de encuadre” en la campaña. Con la asesoría brasileña, el SÍ dejó de lado la discusión alrededor de la “ineficiencia”, la llevó a un terreno visual, y se amparó en figuras mediáticas y en las redes sociales para ganar terreno.

En medio de la avalancha mediática que impide un análisis más profundo sobre lo que realmente marcan las tendencias en el proceso de revocatoria, el gerente de Asuntos Públicos de Llorente & Cuenca, Rubén Caro, estableció dos escenarios y modelos distintos en las campañas publicitarias del Sí y el NO, en un careo que podría dividirse en dos momentos.
Primer round
Cano narró que todo comenzó con el discurso del Grupo del SÍ o los revocadores, que eligieron un modelo tradicional, con mensajes bastante claros y menos pulcros, centrados en la capacidad de gestión de Susana Villarán. En otras palabras, su intención convenía en restarle popularidad a la alcaldesa, relacionando su imagen con elementos negativos, pues la naturaleza de una revocatoria es cuestionar el poder.
“El bando del SÍ tiene estrategias de comunicación utilizados en campañas electorales anteriores y se establece con varias banderas ideológicas, que prioriza la efectividad antes que las formas”, analizó Cano.
En cambio, el Grupo del NO o los antirevocadores -agregó el experto- entraron a tallar con un modelo más sofisticado y cuidado en sus formas, pero sobre todo trazando un nuevo escenario de debate. Al inicio, no se quisieron enfrentar con los dimes y diretes de los revocadores, sino optaron por el desarrollo de conceptos: “No a la violencia”, “No al atraso” o “No al caos”. Es decir, el Grupo del NO dejó de jugar en la cancha del Sí y los arrastró a su campo de acción.
“Este punto de inflexión está marcado por la llegada de los asesores brasileros. Es clarísimo lo que llamaríamos el cambio de ‘frame’ o de encuadre en una campaña. Entonces, ya no se discute sobre los temas de la gestión municipal, sino se lleva el debate a otra arena de mensajes. Esa es una estrategia para no ‘pelear’ en el mismo escenario que te han impuesto”, explicó.
Segundo round
El momento siguiente estuvo marcado por el Grupo del NO, pues comenzó a enfrentar o responder a las críticas de los revocadores, una vez que ya los tenía en su cancha, no solo a ellos, sino también a la opinión pública.
“El siguiente paso fue aclarar la información de fondo. De un momento en que se decía que la alcadesa era una ineficiente, se pasó a un segundo nivel donde se mostraron los números y las obras para reforzar el quiebre de escenario”, sostuvo.
Y explicó esa estrategía de manera más gráfica: “Es como en el fútbol: de un partido en el que estás perdiendo y encima estás de visita, lo que haces es sacas a tu equipo y ponerlo de local. Encima traes al otro equipo a tu cancha, y ahí empiezas a aclarar los temas que te habían impuesto anteriormente”.
Por puntos
Cano argumentó que el Grupo del No prefirió el lenguaje visual, mientras el Grupo del SÍ hizo énfasis en el lenguaje oral. En ese aspecto, también son notorio dos estilos de comunicación:
“Los del SÍ han valorado más el mensaje repetitivo de falta de gestión e ineficiencia, mientras el NO ha lanzado mensajes positivos y ha limpiado un poco de manera visual el escenario, con rostros reconocibles a través de figuras mediáticas. Se podría decir que el NO se ha enfocado mucho más en el tema visual. Y eso responde a su mensaje que es bastante homogéneo, porque la campaña entera parece un mensaje en sí mismo”.
El ejecutivo de Llorente & Cuenca también enfatizó en la importancia de Internet en la revocatoria, puesto que en Lima tiene una población de 10 millones de habitantes con una penetración de Internet de más del 90%. Y, en este punto, se refirió al uso de las redes sociales.
“Ambos bandos han aprovechado el Internet. Y los memes es como si encendieras una chispa y después se produjera un incendio. Y lo interesante es que lo genera la misma gente, se apropia del mensaje y le da la forma que quiere. Eso amplifica el mensaje en una forma exponencial. No se podría decir que un bando ha utilizado mejor o peor las redes, cada uno lo ha hecho a su estilo”, explicó.

19/02/2013 - 16:58h El Circo

El_circo_Carlin

11/02/2013 - 15:09h Meme

Domingo, 10 de febrero de 2013

La República

El meme está de moda. Dicen que definirlo es como tratar de explicar la gracia de un chiste, y eso puede resultar más aburrido que esperar que Míster Comunicore tararee la canción “Mi primer millón”. La palabra meme, que Richard Damkins acuñó en su libro El gen egoísta en 1976 y que nuestros cibernautas ven hoy como “la unidad mínima cultural transmisible”, se define como frases, conductas o melodías populares que se propagan a través de la imitación. No hay ninguna versión de referencia. Su repetición es lo que le da sentido.

Y los memes se metieron a ritmo de carnaval a la campaña contra la revocatoria tras el anuncio de la madre de Ivo Dutra. La alegría de los simpatizantes de la tía Susana se liberó en una gran ola en las redes sociales, que llegó hasta la televisión y los medios impresos. Y la refrescante ola empezó a cambiar el ánimo de la población, regresaron las sonrisas y las cifras pro revocatoria empiezan a caer sin nada que lo impida, hasta ahora.

Para muchos peruanos, los desconocidos memes son el tema de conversación en cada reunión. Comenzó de manera silenciosa y de pronto empezó a replicarse a una velocidad de vértigo. Una corriente masiva, viral. Un fenómeno que no les cuesta un sol a los del NO.

Así en los últimos días hemos visto memes de los más creativos, como la foto del perro “puñete” gritando: “NO, Kenji, noooo!”. O el de nuestra ex mundialista y hoy exitosa entrenadora de vóley Natalia Málaga que suelta un contundente “NO, carajo”. O el que le han puesto, con toda maldad, a Fabiola Morales: “NO la ve”.

Memes creativos y contundentes. De eso se trata. Explicar en síntesis un idea que luego se irá replicando de un internauta a otro, variando la frase y hasta cambiando la imagen. De los memes no se salvan Alan García, que con un diario en la mano que publica su bofetada a un trabajador de Essalud dice “NO lo lean”, o Alejandro Toledo: “Vomos sosoNO”. Y la pareja presidencial tiene uno de los mejores: Nadine… “NO, habla con mi espalda”.

Porque, claro, ¿qué habría después de la revocatoria, elecciones en unos meses? Para tener un nuevo alcalde solo por un año, ¿y luego nuevas elecciones? ¿Se imaginan que Lima pueda avanzar durante ese periodo? Claro que no: serían un par de años tirados por la borda.

Y lo peor de todo es que ocurre en un momento de auge que exige la mayor concentración y esfuerzo de nuestras autoridades.

Ahora bien, si existieran razones o argumentos para ello, ni modo, ¿pero existen? ¿Que la tía haya desafiado a la naturaleza en el Rímac y en La Herradura por entregarnos mejores espacios a los limeños con falta de suerte es una razón? No lo creemos. Pueden hacerla aparecer menos eficiente que su antecesor pero de lo que no cabe duda es de su honestidad. Y si esto no lo convence, imagínese a Marcoturbio instalado en el sillón de Nicolás de Ribera, el Viejo, el primer alcalde de Lima en 1535.

*Meme. Es un concepto que se transmite de persona a persona a través de la Internet. Puede adoptar la forma de una imagen , hipervínculo, video, página web, hashtag, una palabra o frase.

30/08/2012 - 11:01h Em Angola, marqueteiro do PT busca reeleição de líder há 33 anos no poder


Publicitário João Santana produz campanha eleitoral do presidente José Eduardo dos Santos, do MPLA; eleições estão marcadas para esta sexta-feira.

30 de agosto de 2012

BBC Brasil – Agência Estado

Numa movimentada avenida de Luanda, capital de Angola, um brasileiro segura o trânsito para que um trio elétrico ilustrado com fotos do presidente angolano, José Eduardo dos Santos, possa manobrar. A poucos metros dali, outro brasileiro, braços tatuados e barba por fazer, dá instruções a três jovens angolanos que tocam violão sentados numa praça: “Atenção, pessoal, já vamos começar a gravar!”

Outros três brasileiros acionam as câmeras no instante em que o trio elétrico passa por baixo de um outdoor de Dos Santos, no poder desde 1979 e que nesta sexta-feira concorrerá às eleições para um novo mandato de cinco anos. Enquanto os jovens cantam uma música que venera o líder, ao fundo quatro retratos do presidente compõem o cenário.

Os responsáveis pela gravação, presenciada pela BBC Brasil na última segunda-feira, integram a numerosa equipe que o publicitário João Santana montou para produzir a campanha eleitoral do MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola), partido que governa o país rico em petróleo no sudoeste africano desde sua independência, em 1975.

Principal marqueteiro do PT – comandou as últimas campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff à Presidência, além de assessorá-los em seus governos -, Santana tem internacionalizado sua atuação nos últimos anos. Ele está à frente da campanha para a reeleição do presidente Hugo Chávez na Venezuela e atuou nas últimas disputas presidenciais em El Salvador e na República Dominicana – venceu ambas.

No Brasil, atualmente chefia outras duas campanhas: as dos petistas Fernando Haddad e Patrus Ananias às prefeituras de São Paulo e Belo Horizonte, respectivamente.

Em Angola, o marqueteiro participa da terceira eleição da história do país. A disputa será entre nove partidos, que montaram listas fechadas de candidatos. O primeiro da lista do partido mais votado se tornará presidente, e a proporção dos votos determinará a composição da Assembleia Nacional.

Cabeça de lista do MPLA, Dos Santos terá a chance de ser eleito pela primeira vez, já que no único pleito presidencial prévio, em 1992, a disputa foi suspensa antes da conclusão. Ele disputaria o segundo turno com o então líder da Unita (União Nacional para a Independência Total de Angola), Jonas Savimbi. No entanto, a retomada da guerra civil às vésperas da votação suspendeu o processo e arrastou o conflito até 2002, quando Savimbi morreu e as duas siglas assinaram a paz.

Longa preparação

Embora a propaganda política obrigatória nas rádios e TVs só tenha começado em 31 de julho, boa parte da equipe brasileira está em Angola desde fevereiro. Nos últimos meses, com a chegada de reforços para a reta final da campanha, o grupo passou a somar em torno de 120 pessoas (dos quais cerca de 75 brasileiros), segundo estimativa de integrantes angolanos.

Como na equipe que filmava o trio elétrico em Luanda, os brasileiros executam todas as funções que exigem maior perícia técnica: comandam as câmeras, conduzem os cinegrafistas sobre trilhos, editam e finalizam os vídeos, dirigem os atores angolanos e redigem os textos lidos por eles. Mas não aparecem em momento algum nos programas.

A orientação é camuflar ao máximo a presença brasileira – caso exposta, ela poderia alimentar críticas de que o governo privilegia trabalhadores estrangeiros, tema bastante sensível no país. Todas as várias tentativas da BBC Brasil de contatar a chefia da campanha foram rechaçadas.

Pessoas próximas à cúpula do MPLA calculam que a propaganda custou cerca de US$ 75 milhões, valor elevado inclusive para uma disputa presidencial no Brasil, país de dimensões continentais e com população dez vezes maior que a angolana (o PT declarou ter gasto a mesma quantia na campanha de Dilma em 2010).

O preço estimado da campanha em Angola soa ainda mais alto se considerado que o programa do MPLA ocupa somente cinco minutos na TV e dez minutos no rádio por dia – os outros oito partidos concorrentes têm direito a tempo igual.

Ainda assim, a legislação angolana não impõe limites aos gastos dos partidos e os exime de revelar a quantia arrecadada e seus doadores. Somente repasses de órgãos públicos, governos e ONGs estrangeiras são vedados.

Hospedagem

Durante os quase seis meses de produção, os brasileiros chefiados por Santana se hospedaram em dois dos hotéis mais caros de Luanda – o cinco estrelas HCTA (diária de US$ 575 para quartos individuais) e o Alvalade (US$ 407).

Nas viagens pelo interior do país, a equipe usou aviões. Vinhetas, jingles, cenas de obras e retratos de angolanos ocupam a maior parte dos programas, que contam ainda com fotografias tiradas pelo premiado fotógrafo Juca Varella, ex-editor de “O Estado de São Paulo”.

Apesar da tentativa de camuflar a presença brasileira, a campanha reciclou alguns programas do PT. No plano de governo do MPLA, o projeto de estímulo ao empreendedorismo foi batizado de “Meu Negócio, Minha Vida” – referência ao “Minha Casa, Minha Vida” dos governos Lula e Dilma.

Há ainda menção a um programa nos moldes do Bolsa Família, que prevê pagamentos a famílias pobres desde que elas cumpram contrapartidas.

A opulência da campanha do MPLA contrasta com a fraca publicidade dos outros partidos, que contaram cada um com financiamento público de US$ 700 mil para as eleições. Em programas televisivos simples, seus candidatos fazem promessas e atacam o longo mandato do presidente angolano. Na África, esse mandato só é menor do que o do líder da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema, que chegou ao poder um mês antes que o angolano.

Os oposicionistas também afirmam que os órgãos de comunicação estatais angolanos – que no país têm peso muito maior que os meios privados – desequilibram a campanha ao apoiar abertamente o MPLA. Único diário de alcance nacional, o “Jornal de Angola” estampou na terça-feira grande foto do candidato do MPLA com a seguinte legenda: “no coração do povo já é presidente”.

A diferença na exposição dos vários candidatos também é gritante nas ruas de Luanda. Pôsteres, bandeiras do MPLA e outdoors de Dos Santos (com o slogan “Angola a crescer mais e distribuir melhor”, cunhado por Santana) espalham-se por toda a cidade e quase escondem a publicidade das demais siglas.

No centro da capital, os sinais da oposição basicamente se resumem a algumas bandeiras da Unita e a cartazes da Casa-CE (Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral).

Não é a primeira vez que brasileiros comandam a campanha do MPLA. Nas eleições de 1992, o jornalista Ricardo Noblat chefiou a propaganda do partido, a cargo da agência baiana Propeg. Em 2008, a tarefa coube ao jornalista da TV Globo Carlos Monforte, também à frente de uma equipe da Propeg.

Pessoas próximas à cúpula do MPLA atribuem a contratação de Santana a uma indicação do ex-presidente Lula, que esteve em Angola em julho de 2011. Na ocasião, ele foi recebido pelo presidente angolano e visitou obras de empreiteiras brasileiras.

27/08/2012 - 10:25h Cresce oposição a mineradoras no Peru

Por Robert Kozak | The Wall Street Journal, de Conga, Peru | VALOR

Alguns dos maiores depósitos de ouro e cobre do mundo encontram-se sob o terreno acidentado dessa região andina, mas os planos de uma empresa dos Estados Unidos para explorá-los enfrentam forte oposição de agricultores, políticos e grupos ambientalistas locais.

Por dois anos, milhares de pessoas têm realizado manifestações, bloqueado estradas e, ocasionalmente, liderado protestos violentos no norte do Peru. Cinco manifestantes morreram em julho, durante confrontos com a polícia.

Agora, a Newmont Mining Corp., com sede em Denver, no Colorado, diz que os protestos ameaçam seu investimento de US$ 5 bilhões, um dos maiores da história do Peru. Os enormes caminhões de mineração da Newmont ainda não conseguiram chegar ao local, chamado Minas Conga, embora a empresa já tenha investido centenas de milhões de dólares no projeto localizado quase 4.000 metros acima do nível do mar.

“Neste momento, não vemos o ambiente ideal [para uma operação bem-sucedida] em Conga”, disse numa entrevista Richard O’Brien, diretor-presidente da Newmont. “Precisamos de uma mudança significativa para que isso aconteça.”

A disputa está emergindo como um teste para o presidente do Peru, Ollanta Humala, que fez campanha contra o projeto, mas tornou-se seu defensor depois de vencer as eleições no ano passado. A mudança reflete modificações mais amplas em seu estilo de governo, de populista a pragmático, dizem analistas. As revoltas populares contra o projeto levaram o presidente a demitir dois primeiros-ministros e reformular seu gabinete.

O boom da mineração é uma das principais razões pelas quais a economia do Peru cresceu a um ritmo anual médio de 6,5% nos últimos dez anos, uma das expansões mais impressionantes entre países da América Latina. A renda per capita aqui triplicou no período. Autoridades do governo dizem que cerca de US$ 50 bilhões em projetos de mineração estão previstos para os próximos anos.

Agora, o aumento da oposição à mineração ameaça arruinar grandes investimentos e desacelerar o crescimento.

No sul do Peru, os ativistas têm explorado as preocupações sobre a poluição e outros problemas para impedir a instalação de uma grande mina de cobre planejada pela peruana Southern Copper Corporation, uma afiliada do Grupo México, um empresa mexicana. Protestos em 2011 levaram o governo a cancelar a autorização para um projeto de prata liderado pela Bear Creek Mining Corp., do Canadá.

As disputas ilustram as crescentes dificuldades que as mineradoras enfrentam com projetos de grande escala em toda a América do Sul. Projetos no Equador, Bolívia e Venezuela sofreram atrasos ou expropriações definitivas por governos socialistas nos últimos anos.

Até recentemente, o Peru foi uma exceção.

“Sempre houve problemas sociais em todo o setor de mineração no Peru, mas a forma como a questão foi ’sequestrada’ por causas radicais e populistas está prejudicando a imagem do Peru como destino de investimento em mineração”, disse Luis Zapata, diretor para a América Latina do banco canadense de investimentos Canaccord Genuity.

A Newmont, a segunda maior mineradora de ouro do mundo, vem extraindo o metal no norte do Peru desde 1993, depois de criar a Minera Yanacocha com a empresa local Compañía de Minas Buenaventura SAA.

A mina Yanacocha tem dado bons resultados para a Newmont. A Yanacocha produziu 3,3 milhões de onças de metal em 2005, tornando-se a maior mina de ouro do mundo naquele ano. Mas a produção caiu para cerca de 1,4 milhão de onças este ano e as operações poderiam deixar de existir em cinco anos. O esgotamento dos depósitos e os altos preços dos metais levaram a Newmont a planejar a Minas Conga na mesma região.

A Newmont já enfrentou contratempos no Peru antes. Um vazamento de mercúrio em 2000 manchou a reputação da Minera Yanacocha e da Newmont. Protestos devido a temores de contaminação das águas subterrâneas, em 2004, puseram fim nos planos de expansão da mina Yanacocha.

O’Brien, da Newmont, reconheceu que sua empresa deu seus tropeções. “Nos 20 anos da relação entre a Yanacocha e Cajamarca, houve bons momentos e houve momentos em que poderíamos ter feito um trabalho melhor”, disse.

A população de Cajamarca explodiu recentemente, ampliando a desigualdade econômica e desafiando a infraestrutura antiquada.

“Adeus, Newmont”, dizem pichações num muro ao lado de uma estrada que leva ao local do projeto, cerca de 650 quilômetros ao norte de Lima, a capital. “Ollanta traidor “, diz outra.

Em 2010, o governo do Peru, aprovou o estudo de impacto ambiental para a Minas Conga. Mas os opositores têm se concentrado em quatro lagos nas montanhas que a empresa pretende drenar ou usar no projeto. Eles dizem que isso poderia afetar o abastecimento de água do vale.

27/08/2012 - 09:29h Múltis brasileiras mais globais

Desde o início da crise, em agosto de 2007, companhias nacionais investiram US$ 99 bilhões na compra de empresas no exterior
27 de agosto de 2012

Naiana Oscar e Marina Gazzoni – O Estado de S.Paulo

Gurus da autoajuda empresarial gostam de citar o ex-presidente americano John Kennedy em momentos difíceis. Em 1959, ele fez uma declaração que, apesar de equivocada, popularizou uma máxima sobre “crises”. Em chinês, disse o presidente, essa palavra é formada por dois caracteres – um representa “perigo” e o outro “oportunidade”.

Na prática, essa não é uma afirmação que vale para todos os casos em tempos de recessão. Mas, para as multinacionais brasileiras, até que é bem apropriada. Apesar das dificuldades, elas conseguiram se tornar mais globais, aproveitando o momento em que os empresários estrangeiros estavam com a corda no pescoço por causa da crise para acelerar as aquisições.

De 2007 até junho deste ano, as multinacionais verde-amarelas investiram US$ 99 bilhões na compra (total ou parcial) de empresas no exterior. Esse valor é quase o dobro do que foi investido nas duas décadas que antecederam a crise. “Não podemos dizer que foi um período fácil para as empresas brasileiras. Não foi”, diz Sherban Leonardo Cretoiu, coordenador do Núcleo de Negócios Internacionais da Fundação Dom Cabral. “Mas, apesar das incertezas do mercado externo, as companhias conseguiram manter a expansão iniciada em 2005 e se tornaram mais internacionalizadas.”

Um exemplo emblemático do que foram esses cinco anos para as múltis brasileiras é o da fabricante de equipamentos Romi, sediada em Santa Bárbara D’Oeste, a 140 km de São Paulo. Em agosto de 2007, ela já se preparava para fazer sua primeira aquisição no exterior quando veio o primeiro soluço da crise: o banco francês BNP Paribas congelou os resgates em três fundos de investimento baseados em títulos hipotecários – era o “subprime”. “Nossa bola de cristal da época não mostrava que o mundo ia afundar”, diz o presidente da Romi, Livaldo Aguiar.

Mesmo assim, em maio de 2008, a companhia comprou a fabricante italiana de equipamentos Sandretto, por 5,5 milhões. “A Romi estava com ótimos resultados e a aquisição seria a porta de entrada para a Europa a um preço atraente”, conta Aguiar. Mas a crise derrubou o volume de pedidos e o alto custo trabalhista fez com que a primeira fábrica da Romi no exterior desse prejuízo (as perdas ainda não foram calculadas). Apesar do revés, Aguiar não desistiu do plano de expansão internacional, que visava reduzir a dependência da empresa do mercado brasileiro, onde está 75% da receita atual.

No fim de 2011, a Romi comprou também a alemã Burkhardt + Weber e já tem pedidos firmes para usar toda a capacidade da fábrica por um ano e meio. “Queríamos ter acesso a uma tecnologia mais avançada, e não apenas a um mercado”, afirma Aguiar. Hoje, a Romi já faz planos de equipar a fábrica do Brasil com as máquinas feitas pela subsidiária da Alemanha.

Desempenho. A Romi não foi a única a ter perdas no exterior. Levantamento recente da USP e da FGV com 95 multinacionais mostra que 80% delas não atingiram suas metas de faturamento e margem de lucro nos últimos anos. “É natural que empresas que estão no início do processo de internacionalização tenham um desempenho baixo”, diz Maria Tereza Leme Fleury, uma das autoras da pesquisa. “Mas a crise também influenciou.”

O momento de maior retração da expansão internacional foi 2009, quando mercados de todo o mundo entraram em compasso de espera até saber quanto faltava para chegar ao fundo do poço. No ano seguinte, os investimentos foram retomados. Agora, com mais turbulências na Europa, as multinacionais brasileiras fizeram nova parada técnica.

A compra de participações de empresas no exterior, que no primeiro semestre de 2010 movimentou US$ 14 bilhões, caiu para US$ 8,3 bilhões em 2012. “O medo do desconhecido fez com que elas colocassem novamente o pé no freio”, diz Luis Afonso Lima, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais (Sobeet).

Além disso, com o mercado ruim lá fora, as múltis estrangeiras têm apostado ainda mais fichas no Brasil. “É hora, portanto, de as brasileiras reservarem uma atenção maior para o mercado nacional”, afirma Luis Motta, sócio-líder de fusões e aquisições da KPMG.

A Petrobrás, que iniciou sua expansão fora do País nos anos 70 junto com gigantes como Odebrecht e Embraer, anunciou no ano passado que venderá ativos no exterior, como blocos de exploração e refinarias, para priorizar o pré-sal. “Essa, no entanto, é uma situação momentânea para boa parte das empresas brasileiras, porque a internacionalização é um caminho inevitável”, diz Lima, da Sobeet.

A última pesquisa da Fundação Dom Cabral sobre multinacionais brasileiras mostra que, embora 28% delas não queiram iniciar uma nova operação internacional no curto prazo, 60% planejam expandir atividades nos mercados em que já atuam.

Alguns fatores explicam por que é tão importante para as grandes companhias nacionais explorar o mercado externo. Primeiro: as empresas que querem crescer em seus segmentos precisam buscar novos mercados. “O Brasil é grande, mas o mundo é maior”, diz Alberto Mondelli, presidente da consultoria Mercer.

Para quem já é líder no mercado nacional, aumentar 1% ou 2% de participação custa mais do que começar do zero em outro país. Foi o que a fabricante de tubos e conexões Tigre, detentora de 50% do mercado no Brasil, pensou ao ir para os EUA em 2007. “Só agora tivemos um pequeno lucro, mas não vamos arredar o pé de lá, porque é o mercado onde podemos crescer”, diz Evaldo Dreher, presidente da companhia catarinense.

Para sobreviver à competição global, as multinacionais brasileiras não podem ignorar que suas principais concorrentes também são internacionais. É preciso olhar o mundo inteiro, para saber explorar as vantagens de cada país – como está fazendo a fabricante de motores elétricos WEG. Neste ano, a companhia passou a comprar componentes de fornecedores indianos para abastecer suas outras fábricas, incluindo a brasileira. Em 2011, também fez uma aquisição nos Estados Unidos para ter acesso a tecnologias para o setor de óleo e gás, com o objetivo de atender clientes como a Petrobrás e empresas do Oriente Médio.

Motivações. Ao mesmo tempo em que se tornam mais competitivas, as múltis conseguem reduzir os danos de uma possível recessão interna diversificando suas operações mundo a fora. Num período de crise como o dos últimos cinco anos, fica mais fácil fazer aquisições, já que o preço dos ativos no exterior despenca. Para quem precisa de escala para sobreviver é um bom impulso ao crescimento.

O caso do JBS, maior produtor de carne do mundo, é o que mais se destaca. Com nove aquisições em sequência a partir de 2007, a empresa viu o peso do mercado externo em seu faturamento saltar de 10% para 75% hoje.

Na mesma linha do JBS e com a mesma motivação de ganhar escala, a Stefanini, que atua na área de tecnologia de informação, chegou ao fim desses cinco anos com 71 escritórios em 29 países, responsáveis atualmente por 40% da receita do grupo. “Aproveitamos para assumir contratos de concorrentes com problemas financeiros”, conta o presidente da empresa, Marco Stefanini.

A estimativa da Sobeet é de que 900 empresas brasileiras estejam atuando no exterior – três vezes mais que há dez anos. A crise nos países desenvolvidos não é lá uma novidade para elas, já que por anos viveram num Brasil desfavorável aos negócios. A experiência aqui dentro ensinou que estar em vários mercados é uma proteção natural. “A capacidade de resistência é um ativo que a crise nos dá”, diz Stefanini. “O empresário sangra, mas vira o jogo.”

A fabricante de motores elétricos WEG vendeu mais no exterior do que no Brasil pela primeira vez no segundo trimestre deste ano. O real valorizado ajudou, mas a receita em dólar cresceu 17% ante o mesmo período de 2011. No mercado interno, a alta foi de 0,8%. A WEG está colhendo os frutos de uma estratégia de internacionalização que a tornou menos vulnerável à retração da indústria brasileira.

A empresa atende a maior parte do mercado externo via exportações – só 12% da produção está nas suas nove fábricas no exterior. Mas, aos poucos, o cenário deve mudar: a WEG quer produzir 25% no exterior até 2020.

A empresa é líder no mercado brasileiro de motores, mas estima ter cerca de 7% de participação na Europa e EUA. “Mesmo na crise, dá para crescer nessas regiões”, diz o presidente da WEG, Harry Schmelzer Junior. No Brasil, a empresa aposta na ampliação do portfólio. Em junho, comprou a paulista Stardur para reforçar a atuação de sua divisão de tintas industriais.

23/08/2012 - 10:49h Un 72% de peruanos respalda fortalecimiento de Petroperú

Miércoles, 22 de agosto del 2012

La aprobación más fuerte se dio entre los niveles socioeconómicos A y B, así como en el norte del país (77%), según encuesta de Ipsos Apoyo.

GESTIÓN

El 72% de peruanos está de acuerdo con el fortalecimiento de Petroperú, según una encuesta nacional realizada por Ipsos APOYO Opinión y Mercado, mientras que un 12% está en desacuerdo y un 16% no precisa.

El fortalecimiento de Petroperú pasa por desarrollar la modernización de la Refinería de Talara, la cual apunta a mejorar la calidad del aire y de los combustibles en el país, reduciendo el gasto de salud gracias a la reducción de la morbilidad y hasta la mortalidad causada por la contaminación ambiental.

Asimismo, supone el retorno de Petroperú a la explotación petrolera en aquellos pozos cuyo plazo de concesión está por vencerse en los próximos años.

La encuesta se realizó los días 15 al 17 de agosto y se encuestaron a 1,200 personas en todo el país

23/08/2012 - 09:42h BHP sinaliza tempos difíceis para o setor de mineração

Por Robb M. Stewart | The Wall Street Journal – VALOR

de Melbourne, Austrália

No mais claro sinal até agora de que o ciclo de alta das commodities está no fim, a BHP Billiton Ltd. informou que vai adiar ou reduzir projetos avaliados em mais de US$ 50 bilhões, num acentuado recuo de sua ambiciosa estratégia de expansão.

O plano da mineradora anglo-australiana de transformar seu depósito Olympic Dam na maior mina a céu aberto do mundo já foi atrapalhado pela alta nos custos de construção, queda no preço de commodities e pela alta do dólar australiano, afirmou a empresa. A BHP afirmou que vai procurar um projeto menos custoso para a mina australiana, da qual se espera a geração de bilhões de dólares para o país em impostos e a criação de milhares de empregos.

A BHP também divulgou uma queda de 35% no lucro, que ela afirmou ter sido prejudicado por fraqueza no mercado de commodities e pressões de custo.

A BHP e suas concorrentes têm priorizado a redução de custos e reconsiderado investimentos, conforme a demanda na China cai devido ao enfraquecimento da economia chinesa. Os preços para muitas commodities industriais estão no nível mais baixo em anos. A anglo-suíça Xstrata PLC já adiou o gasto de US$ 1 bilhão de um plano de investimento de capital de US$ 8,2 bilhões planejado para este ano. E a Anglo American PLC, com sede em Londres, informou no mês passado que estava adiando projetos para reduzir seus gastos de capital para este ano em US$ 500 milhões, para US$ 5,5 bilhões.

A BHP informou ontem que não vai aprovar nenhum grande projeto novo pelo menos até meados do ano que vem, retardando uma proposta mina de potassa no Canadá e planos de expandir as instalações portuárias de exportação de minério de ferro Port Hedland na Austrália. A empresa também postergou o desenvolvimento de um depósito de carvão australiano.

Acionistas têm exigido mais disciplina da BHP e outras empresas do setor porque os preços de commodities industriais têm despencado devido à redução do crescimento chinês e à crise de dívida soberana na Europa.

Executivos da BHP “tinham poucas alternativas. Eles tinham de fazer isso no ambiente atual”, disse Shaun Manuell, diretor de administração de recursos da firma Equity Trustees em Melbourne, que é investidora na BHP.

Há apenas um ano, a BHP estava destacando os prospectos de um investimento de US$ 80 bilhões para capitalizar a demanda asiática por materiais como carvão para alimentar termoelétricas e minério de ferro para fazer aço para construção. A companhia também gastou mais de US$ 12 bilhões em aquisições para ganhar exposição ao gás de xisto nos Estados Unidos.

Mas a corrida americana do gás de xisto produziu um excesso que tem depreciado o gás natural. Isso levou a BHP a fazer baixa contábil por imparidade de certos ativos, e levou seu diretor-presidente, Marius Kloppers, a abrir mão de seu bônus para este ano. Isso prejudicou ainda mais sua imagem entre investidores, depois que tentativas de comprar a também anglo-australiana Rio Tinto PLC e a canadense Potash Corp. of Saskatchewan Inc. deram em nada durante seus cinco anos no cargo.

A necessidade de conter a expansão será vista por alguns investidores como mais uma marca contra Kloppers, embora outros irão elogiar sua decisão de não comprometer grandes quantias de capital quando custos estão altos e o retorno de projetos tem caído, disse Robert Hook, um gerente de carteira da SG Hiscock & Co., que detém ações da BHP.

Ontem, Kloppers disse que a companhia continuará a investir em suas operações. E volumes, em commodities importantes, continuarão a subir conforme nova capacidade é desencadeada na mina de cobre Escondida, no Chile, poços no Golfo do México e em minas de carvão coque na Austrália, operações atingidas recentemente por greves, disse ele.

A BHP está seguindo adiante com 20 projetos para os quais já reservou US$ 22,8 bilhões e está gastando perto de US$ 1 bilhão por mês em suas operações de minério de ferro na Austrália, disse Kloppers.

O lucro líquido da companhia caiu para US$ 15,42 bilhões para os 12 meses encerrados em junho, depois de bater um recorde no ano fiscal de 2011 com US$ 23,65 bilhões. Os números mais recentes incluem gastos extraordinários com a Olympic Dam, os ativos de gás de xisto e com projetos de níquel na Austrália.

O faturamento subiu 0,7%, para US$ 72,23 bilhões, enquanto o fluxo de caixa operacional caiu 19%, para US$ 24,38 bilhões.

A BHP previu que a economia mundial vai se estabilizar no primeiro semestre do ano que vem e depois, melhorar, o que deve aumentar a demanda por commodities e os preços destas. Um aumento do investimento em ativos fixos na China vai sustentar a demanda e os preços de minério de ferro, um dos maiores fatores de lucro da BHP, afirmou a companhia.
(Colaborou Alex MacDonald, de Londres.)

17/08/2012 - 12:09h Mercado interno blinda a economia do Peru da crise

Por Fabio Murakawa | VALOR

De São Paulo

Impulsionado pelos setores construção, comércio e serviços, o Peru resiste à crise internacional e dá sinais de aceleração na economia. Anteontem, o Banco Central divulgou que o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 7,07% em junho sobre o mesmo mês do ano anterior, o maior nível em dez meses.

Ainda que o BC não tenha divulgado o dado trimestral consolidado – indicador mais confiável da expansão da economia – os números de julho dão mostras de que a demanda interna ainda tem força para sustentar o crescimento da economia do país, em meio às dificuldades internacionais. O PIB peruano é o que mais cresce na América do Sul e o segunda na América Latina, atrás apenas do Panamá.

“O Peru é um país que, apesar da crise, tem números muito sólidos. Em termos fiscais, monetários e cambiais, parece estar protegido no curto prazo ante a qualquer problema internacional”, diz Claudia Cooper, pesquisadora do Centro de Investigação da Universidade do Pacífico, de Lima. “Uma fatia enorme do crescimento do PIB é baseado em empresas pequenas, que não são tão sensíveis ao tema internacional e estão crescendo.”

Em junho, o setor de construção cresceu 20,56% no Peru. O PIB do setor de serviços subiu 7,79%; o do comércio, 6,69%, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Informática (Inei). “A evolução positiva da demanda

interna se reflete no aumento das vendas de imóveis, de 6,91%, do consumo do governo, de 10,51%, da importação de bens de consumo, de 24,56%, e da venda de carros leves, de 48,88%”, disse o instituto em nota. “Além disso, o investimento em construção cresceu 20,56%.”

Segundo o banco BBVA, alguns indicadores mostram que a economia peruana continuou acelerando no mês passado, o que deve resultar num número do PIB maior ainda para julho. No período, segundo o banco, a produção de energia elétrica cresceu 6,3%, e as importações subiram 23,8% ante julho de 2011. Em junho, a alta na produção elétrica foi de 5,1%, enquanto as importações caíram 1%.

“Somos um país que começa bem de baixo. Por isso, há muito espaço para crescer”, diz Cooper. “Na construção civil, por exemplo, muito do crescimento está no interior. Há muitas obras de infraestrutura também.”

Segundo o Inei, o repique da economia reduziu o desemprego em Lima de 7% para 6,2% no trimestre móvel entre maio e julho. O número de desempregados em Lima caiu em 31 mil pessoas, para 298,7 mil, diz o instituto.

Com desemprego baixo e o consumo em alta, a maior preocupação do governo é socorrer as exportações, mais vulneráveis à crise internacional. Desde setembro de 2011, foi liberado US$ 1,7 bilhão para estimular investimentos.

Para Carlos De los Ríos, do Instituto de Estudos Peruanos, os bons dados recentes podem não se sustentar no médio prazo “se o país não resolver problemas como a burocracia e o elevado conflito social”. “Esses são elementos que em algum momento devem pesar”, diz De los Ríos. “Daqui a cinco, dez anos, vamos enfrentar os primeiros freios.”

16/08/2012 - 10:34h Dentro de casa, um palco para a luta

Brasil se destaca no mapa dos conflitos da América Latina pelas greves no setor público

Por César Felício – VALOR

Há 66 anos, o então ditador da Bolívia Gualberto Villarroel foi retirado de dentro de seu esconderijo em um armário por manifestantes contra seu governo e atirado pela janela do Palácio Quemado, sede presidencial. Morto a tiros e pauladas, Villarroel teve seu cadáver içado pelo canhão de um tanque e foi pendurado em um poste no centro de La Paz.

O episódio único na história da América Latina é o exemplo mais extremo do grau de conflitividade social no continente e do poder desestabilizador que manifestações populares podem vir a ter.

Presidentes não costumam ser linchados nem na Bolívia e nem em qualquer parte do mundo, mas a institucionalidade no Brasil e nos países vizinhos nunca foi suficiente para que demandas estudantis, trabalhistas ou ambientalistas, entre outras, não levem a uma confrontação.

Natureza política da greve no Brasil vai se tornando evidente

No mapa dos conflitos sociais da América Latina, desenhado por uma pesquisa do PNUD, a Bolívia é a campeã em manifestações de caráter social, em um contexto de dezessete países. Com cerca de dez milhões de habitantes, teve 1,5 mil manifestações apenas no ano passado. É seguida de perto por Peru. No pelotão seguinte, estão, pela ordem, Argentina, Equador, Brasil e Uruguai.

A pesquisa do PNUD tenta vencer as inconsistências e a falta de padrão das estatísticas dos países na região para produzir um banco de dados permanente sobre o tema. O trabalho é comandado pela Fundação UNIR, uma ONG de La Paz.

Nos países andinos, os movimentos têm caráter territorial e a motivação está ligada a questões básicas da sobrevivência. Aumentos repentinos de preços de alimentos ou combustíveis, por exemplo, provocam explosões de descontentamento.

Ainda são minoritários, embora ganhem espaço, os protestos em torno do que o estudo chama de “demandas ampliadas”, ou reivindicações que visam ganhos de renda em uma sociedade onde a riqueza cresceu.

Na Argentina, o protesto clássico é o bloqueio de rodovias e ruas. Isso aconteceu 516 vezes apenas no primeiro semestre deste ano, de acordo com o levantamento do Centro de Estudos Nueva Mayoría. As ruas não são monopólio dos menos favorecidos. Fazendeiros interromperam a circulação nas estradas doze vezes este ano e a classe média portenha promoveu 25 panelaços para demonstrar seus sentimentos em relação à presidente Cristina Kirchner.

Brasil e, em certa medida, o Uruguai, possuem outro perfil. Greves respondem por mais de 60% dos protestos. Tratam-se de dois países onde a luta social se trava pelas tais “demandas ampliadas”. E neste contexto, as paralisações no setor público predominam. No caso brasileiro, de acordo com o levantamento feito pelo DIEESE, em 2010 houve 446 paralisações, sendo 60% do funcionalismo. O setor público respondeu por 85% das horas paradas no período.

Fora do restrito círculo institucional, em que se disputa poder nas eleições municipais e no Congresso, a greve dos servidores que já se arrasta há dois meses é a arena preferencial do confronto político. Tanto dentro do meio sindical como em relação ao poder público. Trata-se de um embate que não ultrapassa determinados limites.

“No Brasil, a violência social está concentrada nas questões de posse da terra, onde a conflitividade é maior do que em outros países do continente. O conflito sindical de agora pode levar a uma mudança da equação política com que Dilma Rousseff se sustenta, caso o PT não esteja mais servindo como amortecedor político, mas é evidente que não coloca em cheque a governabilidade” comentou o coordenador da pesquisa do PNUD, o boliviano Fernando Calderón.

A dimensão central da greve atual é política. O PT como instância mediadora parece ter sido decisivo para a relativa paz que se viveu entre o Estado e seus funcionários na década passada. O presidente do Sindifisco, Pedro de la Rue, um dos negociadores da greve, não esconde a saudade em relação ao governo Lula. “A administração passada dava mais perspectiva de negociação, porque existiam interlocutores que não eram oficiais, mas que tinham influência real. A mudança de comportamento deles levou à nossa mudança”, comentou.

A perda de influência da elite política oriunda do meio sindical no centro do poder veio acompanhada do enfraquecimento do PT e da CUT em suas bases. Carregando as centrais sindicais nas costas, o sindicalismo do poder público parece ter se cansado da falta de mando político. “A oposição dentro dos sindicatos dos servidores cresce a cada dia e esta divisão aumenta a radicalização”, comenta o sociólogo Rudá Ricci, do Instituto Cultiva de Belo Horizonte. Pressionadas por baixo e pouco ouvidas acima, as centrais aumentam o tom.

A crise torna-se mais aguda dado o cenário econômico que instala um debate sobre qual o tamanho que o gasto público pode ter. Diminui o espaço para concessões, como lembrou o Fernando Henrique Cardoso, em um gesto solidário curiosamente acompanhado por Lula no dia seguinte.

Logo em seu primeiro ano do governo, FHC enfrentou simultaneamente um confronto com os petroleiros e uma greve do setor de telecomunicações. Pediam reajuste mensal de salários. A greve foi declarada abusiva pelo TST um mês depois de iniciada, mas antes disso o Exército ocupou quatro refinarias. As multas aplicadas contra as entidades dos petroleiros debilitaram o movimento por algum tempo.

Se Dilma e Fernando Henrique se aproximam pelo discurso e pelas dificuldades econômicas que atravessaram no início de suas administrações, se distanciam no lastro popular. A presidente conta com 62% de aprovação na última pesquisa Datafolha, resultado seis pontos superior ao total de votos que recebeu no segundo turno da eleição de 2010. A ironia, como observou Ricci, é que essa aceitação explica a tensão política atual. Com a oposição esmaecida, o governo enfrenta dentro do seu território a disputa pelo poder mais acirrada.

César Felício é correspondente em Buenos Aires. Escreve mensalmente às quintas-feiras

E-mail: cesar.felicio@valor.com.br

16/08/2012 - 10:16h Cristina Kirchner adota estilo ’stand up’ de discurso e surpreende argentinos


Presidente argentina consolida cadeias nacionais de televisão como principal forma de comunicação.

16 de agosto de 2012

BBC Brasil – Agência Estado

A presidente Cristina Kirchner adotou um estilo de fazer discursos que vem sendo chamado de “stand up” na Argentina, consolidando as cadeias nacionais de televisão como sua principal forma de comunicação e surpreendendo os argentinos.

O novo estilo da presidente, reeleita em 2011, tem sido motivo de comentários na imprensa local e entre diplomatas que já deixaram a carreira.

“Votei na presidente na sua primeira eleição, mas não na segunda. Agora, porém, não perco nenhum de seus discursos em rede nacional. É a única forma de saber o que ela, portanto todo o governo, está pensando”, disse um ex-embaixador argentino sob a condição do anonimato.

A definição “stand up” foi destacada, esta semana, em um artigo da ensaísta Beatriz Sarlo, publicado no jornal La Nación, e em um artigo do colunista Roberto García, publicado no jornal Perfil. A expressão também tem sido usada nos bastidores do mundo empresarial e dos analistas econômicos, segundo contaram à BBC Brasil um analista do comércio bilateral e um ex-embaixador argentino nas Nações Unidas.

Um analista econômico que pediu para não ser identificado disse que pede aos assistentes que gravem e anotem o que diz a presidente. “Ela é praticamente a única que fala publicamente. Ninguém do governo dá entrevistas ou recebe a oposição. Então, é essencial saber o que ela está dizendo”, afirmou.

Cristina não costuma conceder entrevistas à imprensa, e seus discursos passaram a ser, no entendimento dos analistas, a principal fonte de informações sobre seu governo.

Polêmica

O estilo mais descontraído nos discursos da presidente tem sido observado principalmente nos últimos meses. Nas falas, ela aborda desde questões cotidianas como internacionais.

“Se o Brasil for mal, a Argentina irá mal. Mas se a Argentina for mal, o Brasil irá pior ainda, porque tem (com a Argentina) um de seus principais superávits comerciais”, afirmou na ultima segunda-feira, num discurso transmitido pelo canal oficial de TV.

No entanto, declarações da presidente têm gerado polêmica por serem definidas como “politicamente incorretas”, como analisou Sarlo. “A presidente usou a palavra ‘mota’ para se referir ao cabelo e a origem étnica do comandante (presidente) Chávez”, escreveu.

“Mota” (equivalente a cabelo Bombril) é definição usada popularmente, mas pouco simpática, para definir o cabelo dos que têm raízes negras.

Em outro discurso, no mês passado, no lançamento da nova cédula de cem pesos, com o rosto da ex-primeira dama Eva Perón, Cristina disse que o “Estado não é mongo”.

Mongo é o termo politicamente incorreto usado pelos argentinos para se referir a portadores da Síndrome de Down. A declaração foi comentada nas redes sociais e seu discurso reproduzido no Youtube com o título:”"Cristina usa ‘mongo’ como sinônimo de estúpido”.

Na segunda, ao discursar sobre a saúde da economia mundial, ela criticou os que falsificam números públicos. E disse: “Se é para falsificar, falsifiquemos todos”.

Em junho, a presidente se referiu a um argentino como “amarrete” (pão duro) porque ele quis comprar dez dólares para cada neto e, como foi impedido pela AFIP (Administração Federal de Ingressos Públicos, a Receita Federal argentina), decidiu apelar à Justiça.

“É um vovozinho meio pão duro. Ele quis presentear os dois netos com 45 ou 49 pesos (equivalente na época a dez dólares). Eu teria feito um esforço maior”, disse a presidente, em rede nacional.

O advogado Julio César Duran, o avô citado pela presidente, disse à imprensa local que se sentia mal com a definição de pão duro. “Eu sou um avô que quis comprar dólares para os netos. É o que posso comprar. Agora todos vão me chamar de pão duro”, reclamou em entrevista à rádio Mitre, de Buenos Aires.

Fisco

Em outra rede nacional, a presidente citou o nome de um empresário do setor imobiliário que tinha dado entrevista ao jornal Clarin, opositor ao governo, dizendo que as vendas tinham caído a partir do controle de dólares, no fim do ano passado.

A presidente revelou, na cadeia nacional de rádio e de televisão, que ele tinha dívidas com o fisco. “Li domingo uma matéria em um jornal que vocês já sabem qual é (Clarin) na qual um senhor de uma conhecida imobiliária dizia que agora não entra ninguém na sua loja por causa do dólar. Liguei para o presidente da AFIP e ele me disse que esta firma não apresentava declaração de impostos desde 2007″, disse Cristina.

Os que participaram da cerimônia a aplaudiram diante das câmeras. “Cristina acusou de evasão fiscal um empresário do setor imobiliário que criticou o controle ao dólar”, informou a rádio Cadena 3, da província de Córdoba.

Deputados da oposição e representantes das imobiliárias declararam “solidariedade” ao empresário acusado e sua imobiliária foi suspensa por falta de pagamento de impostos, segundo a imprensa local.

Em um comunicado, a Adepa (Associação de Entidades Periodistas Argentinas, que reúne as empresas de jornais) disse que “o exercício da liberdade de expressão está sujeito à represália estatal com fim de estigmatizar e silenciar, o que está cada vez mais frequente”.

Na semana passada, Cristina sugeriu que um jornalista de economia do Clarin tinha publicado que o presidente da YPF teria ameaçado renunciar, mas a informação não era verdadeira e estaria ligada, de acordo com a presidente, ao fato de familiares do jornalista terem tido contratos suspeitos suspensos pela empresa.

Cristina disse que deveria ser criada “uma lei de ética pública” para os jornalistas. Ela afirmou que usa as redes nacionais porque de outra forma “ninguém saberia” o que ocorre.

Medição

O novo estilo de Cristina já foi comparado ao do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Segundo cálculos da ONG venezuelana “Monitoreo Ciudadano”, que criou o “cadenometro” (forma de medir as cadeias nacionais), Chávez teria realizado mais de 50 redes nacionais este ano.

As cadeias nacionais são frequentes também no Equador e na Colômbia e, em menor medida, no Chile e no Brasil, no governo da presidente Dilma Rousseff. Num dos mais recentes, no dia das mães, a presidente lançou o programa “Brasil carinhoso”.

Nos primeiros oito meses deste ano, Cristina realizou 13 discursos em redes nacionais, superando os cerca de 11 convocados em 2010 e em 2011.

O cientista político Rosendo Fraga, do Centro de Estudos Nova Maioria, disse que Cristina “não está imitando o Alô Presidente, de Hugo Chávez”, mas ressalvou: “À medida que o modelo cristinista se parece mais ao modelo de Chávez, a forma com a qual se comunicam também se parece, e essa semelhança aumentou nos últimos meses”, disse.

15/08/2012 - 13:34h Perú registró en junio su mayor crecimiento en 10 meses

La construcción volvió a ser el sector de más dinamismo. (Foto: USI)

La construcción volvió a ser el sector de más dinamismo. (Foto: USI)

Gestión

Miércoles, 15 de agosto del 2012


La economía peruana se expandió un 7.07% en el sexto mes del año. Los sectores que más impulsaron el PIB fueron la construcción, que se aceleró un 20.56%, y el comercio, que repuntó un 6.69%, informó el INEI .

Lima (Reuters).- La economía peruana registró en junio su mayor crecimiento en 10 meses, al repuntar un 7.07% interanual impulsada una vez más por la construcción, el comercio y los servicios, según cifras divulgadas el miércoles por el Gobierno y que superaron las previsiones de analistas.

Con este resultado, el Producto Interno Bruto (PIB) del país acumula una expansión del 6.11% interanual en el primer semestre, consolidándose como una de las economías de mayor crecimiento en Latinoamérica a pesar de la incertidumbre en el mundo desarrollado.

Para junio, los analistas habían proyectado una expansión interanual del 6.55%, de acuerdo a la mediana arrojada por un sondeo de Reuters. La cifra de ese mes es la más alta desde el 7.63% registrado en agosto del 2011.

“El resultado de la actividad económica fue determinado por el dinamismo tanto de la demanda interna como la externa de productos no tradicionales”, explicó el Gobierno.

Los sectores que más impulsaron el PIB de junio fueron el de la construcción, que se aceleró un 20.56%, y el de comercio -el segundo de mayor ponderación en la elaboración del indicador-, que repuntó un 6.69%, según los datos.

El sector servicios, por su parte, creció un 7.79% interanual en junio, dijo el Instituto Nacional de Estadística e Informática (INEI). Asimismo, los sectores primarios mostraron una recuperación, reflejaron las cifras.

El rubro de minería e hidrocarburos creció un 4.76% interanual en junio, mientras que el agropecuario se expandió un 8.10%.

Perú es el segundo productor mundial de cobre y plata y el sexto de oro. La actividad minera es clave para la economía del país dado que representa el 60 por ciento de los ingresos por exportación.

El sector pesquero creció un 17.91% en junio frente al mismo mes del año pasado, agregó el INEI. El sector manufacturero, el de mayor peso en el indicador, permaneció rezagado nuevamente, al crecer escasamente un 1.31% en junio.

Vea el Infome Técnico completo del INEI aquí.

14/08/2012 - 10:27h Entrevista del presidente de Petroperú

“En setiembre se sabrá el costo total para modernizar Refinería de Talara”

Martes, 14 de agosto de 2012
Evaluación. Campodónico resalta logros de la estatal.
Evaluación. Campodónico resalta logros de la estatal.
Humberto Campodónico Sánchez. Actual Presidente de Petróleos del Perú (Petroperú).

Carlos Bessombes/La República

Tras un año de gestión, el titular de Petroperú resalta los principales avances de la estatal y los pendientes que están por consolidarse en los próximos meses. Dice que la salida a la Bolsa limeña se dará cuando se avance la modernización en la refinería de Talara y se vuelva con fuerza a la explotación y exploración petrolera.

-¿En qué ha avanzado Petroperú en este primer año bajo su gestión?

En una serie de aspectos relacionados al avance de la Refinería de Talara. Hemos logrado tener ya firmado el mandato con el banco francés Société Générale para que pueda estructurar el financiamiento de este proyecto. En estos momentos estamos terminando ya el afinamiento del modelo económico financiero, a cargo de Cofide, que va a permitir que se determine la viabilidad del proyecto; en otras palabras, si es que el flujo de fondos de Petroperú puede o no financiar este proyecto.

-¿Y tiene algún resultado previo sobre este afinamiento?

En estos primeros afinamientos, que tienen que ver con estimaciones de demanda y de precios, el flujo sale positivo. Si eso saliera negativo evidentemente habría un problema. La idea es no hacer una cosa que salga a la loca o sacar el proyecto de cualquier manera. Ese aspecto además le da seguridad y deja de lado preocupaciones sobre que Petroperú no lo podía financiar.

-¿Y en qué parte va todo lo que es la ingeniería del proyecto?

Desde el punto de vista de la ingeniería ya se está en un 95% de avance. Ya se terminó, por parte de Técnicas Reunidas de España, todo lo que tiene que ver con el diseño de ingeniería, y esto va a permitir que la ingeniería que inicialmente era de clase 4 hoy sea de clase 2, es decir una ingeniería mucho mejor, lo cual le da mucho más seguridad al conjunto.

-¿Qué es es lo que está faltando entonces?

Lo que falta, y en lo que se viene trabajando, es la valorización de esa ingeniería para poder tener una idea ya definitiva del costo final del proyecto. Eso en este momento se está trabajando y debe estar listo  en setiembre.

-¿En qué otros proyectos han avanzado?

En este lapso también se ha podido calificar como empresa petrolera debido a que hoy se cumplen una serie de requisitos. Eso nos permite retornar al Upstream (explotación petrolera). Hemos avanzado también en todo lo que respecta al buen gobierno corporativo y responsabilidad social. Queremos presentarnos a bolsa cuando estén definidos los dos proyectos más importantes de PetroPerú que son el de Talara y la vuelta a la explotación petrolera.

-¿Qué pasó con la participacón del Estado en el Gasoducto Surandino?

Nuestra participación en este proyecto no se va a realizar porque dependíamos del aporte del Estado. Nosotros participábamos como agente del Estado pero no con nuestro flujo de caja sino con aquellos recursos que decidiera el Estado. Para eso hicimos un convenio con la CAF para hacer la diligencia debida con la empresa Kuntur. Finalmente el gobierno, a través de los estudios del MEF y Cofide, ha decidido no hacer este crédito puente.

-¿Y qué se ha avanzado la masificación de gas natural?

Se ha avanzado con los gasoductos virtuales que son parte importante de los programas sociales para masificar el gas natural en el sur peruano. Este gas es básicamente para uso doméstico y para las pequeñas industrias, no para las grandes industrias porque sería insuficiente.

Pendientes

-¿Cuáles considera son los temas pendientes o próximos a trabajarse?

Si bien ha pasado un año, uno de los puntos en que no hemos podido avanzar sustantivamente es en el hecho de concretar la vuelta de Petroperú a estos lotes de explotación petrolera que está revirtiendo al Estado, sobre todo el Lote 1-AB y los lotes en el noroeste.

-¿Qué ha sucedido?

Aquí a pesar de todos los esfuerzos todavía no hemos logrado que fundamentalmente Perupetro establezca una definición sobre cómo esto se va a hacer. Estamos en conversaciones muy detalladas y ya casi finales con ellos para que se defina el mecanismo de acuerdo a la legislación de Perupetro que permita que se dé el mecanismo de licitación u otro, en el cual ya Petroperú pueda satisfacer esta aspiración.

14/08/2012 - 10:17h Perú: El riesgo de creer que el estado soy yo

Martes, 14 de agosto de 2012

Ágil, en forma, sin soroche y cerca de la gente pobre.

Augusto Álvarez Rodrich – La República

Está bien que la pareja presidencial –el binomio que hoy gobierna el Perú– insista en la importancia de tener un Estado ágil y cercano a los pobres, pero mejor sería que empiece a dar los pasos para conseguirlo.

El presidente Ollanta Humala empezó apenas acabaron las fiestas patrias cuando fue a Virú, La Libertad, para declarar la viabilidad de la tercera etapa de Chavimochic.

Una versión periodística sostiene que el presidente regional José Murgía recordó que dicha obra venía del gobierno aprista, lo que podría no haberle gustado mucho a Humala y, entonces, en su discurso en la plaza, hizo un comentario que todos pensaron que iba para Alan García.

“El Estado no puede ser panzón, obeso, tiene que saber trepar cerros, no tenerle miedo al soroche, pasar los andes, llegar a la selva y a la sierra. Ese es el Estado, ágil, atlético que necesitamos”, dijo el presidente Humala el primero de agosto.

Y, luego, explicó el sentido de su comentario diciendo que el estilo de su gobierno es diferente al de las administraciones previas pues pretende terminar con la desigualdad, lo cual demanda que el Estado deba estar siempre en forma para llegar a los lugares más alejados.

En la misma dirección, este domingo la primera dama Nadine Heredia fue a Huancavelica en el marco de la campaña ‘Prepárate para el frío’, con el fin de entregar frazadas en una ceremonia transmitida por una hora por el canal del Estado.

Ahí, en la plaza de armas de Acostambo, provincia de Tayacaja –una de las más pobres del país–, Nadine Heredia proclamó que “el Estado está acá, ya venció el soroche”.

Dicho comentario vino acompañado de la instalación de módulos del Reniec y de los ministerios de Agricultura, Mujer, Salud y Educación, en el contexto de un discurso cuyo tema medular fue la ampliación indispensable de la presencia del Estado en el interior del país.

Todos esos buenos deseos están muy bien, pero es evidente que la pretensión de poner en forma al Estado, para que no sea panzón, requiere mucho pero mucho más que simples expresiones de buena intención, así como no se puede ser ingenuo de creer que este va a acercarse a los ciudadanos de las zonas más pobres del país simplemente porque viajan hacia allá, por un día, el presidente o la primera dama.

Poner a dieta al Estado y prepararlo para que esté cerca de la gente pobre necesita reformas profundas y líderes con punche asignados específicamente a esa tarea.

No tener ese Estado puede ser un gran obstáculo para cumplir con la inclusión social y la reducción de pobreza propuesta por el gobierno del presidente Ollanta Humala.

13/08/2012 - 09:12h Briga política deixa Buenos Aires sem metrô

Cristina e prefeito da capital não se entendem e greve dos metroviários entra em seu décimo dia causando muita dor de cabeça para os argentinos
13 de agosto de 2012

ARIEL PALACIOS , CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES – O Estado de S.Paulo

A greve do metrô de Buenos Aires completa hoje dez dias, deixando cerca de 1 milhão de pessoas sem transporte na maior cidade da Argentina. Em razão da paralisação, o caos tem tomado conta da cidade, com o trânsito da capital entrando em colapso. Além das reivindicações salariais, a crise é causada pela briga entre a presidente Cristina Kirchner e Mauricio Macri, prefeito portenho, que tem aspirações presidenciais para 2015.

Os sindicalistas afirmam que a paralisação é por “tempo indeterminado”, enquanto Macri admite que a greve pode durar ainda “várias semanas”. “A duração da greve dependerá da presidente Cristina. Ela já decidiu que não haverá metrô”, disse Macri. Segundo ele, os sindicalistas do metrô, que se reuniram com Cristina na Casa Rosada, são kirchneristas.

O governo está retaliando as críticas de Macri com uma série de publicidades na TV direcionadas contra o prefeito. O clima de tensão, afirmam os assessores de Macri, pode se estender até 2015, quando haverá novas eleições presidenciais.

“Há muito tempo que essa briga não tem a ver com o metrô. Já virou um assunto 100% político. Ela não quer um acordo. Ela deseja submeter. É uma questão de valores. Está em jogo a liberdade, o pluralismo e a possibilidade de divergir. A presidente quer levar o país a um modelo chavista”, acusa Macri.

Reeleição. Segundo o prefeito, a presidente está por trás de uma reforma constitucional para permitir sua reeleição indefinida, como ocorre na Venezuela. Mais magro, exibindo profundas olheiras, Macri diz que se “enganou” ao acreditar que seria possível negociar de forma racional com o governo Kirchner.

Há poucos dias, os sindicalistas pediram 28% de aumento salarial, mas obtiveram 23%. No entanto, quando o acordo estava quase fechado, uma dissidência colocou o pacto à pique ao insistir nos 28%.

O imbróglio vem desde 1989, quando o então presidente Carlos Menem decidiu privatizar o metrô. O serviço passou a ser administrado pela empresa Metrovías a partir de 1994, que venceu a licitação feita pelo Estado. No entanto, a cidade ficou com a propriedade das linhas, suas instalações e material de transporte. Além disso, o governo da capital ficou a cargo das obras para a expansão do metrô.

Nos últimos anos Macri pediu ao governo a transferência do controle do metrô para a cidade. Em janeiro, o governo federal e a prefeitura assinaram uma ata de entendimento. No entanto, o prefeito foi pego de surpresa pela decisão de Cristina de reduzir os subsídios fornecidos ao metrô, fato que levaria a cidade a graves problemas financeiros.

Popularidade. Sem os subsídios, afirma Macri, o preço da passagem subiria em mais de 100%. O prefeito afirma que não pode assumir um metrô “falido”. O ministro do Interior e Transporte, Florêncio Randazzo, respondeu, garantindo que Buenos Aires tem dinheiro para assumir o serviço.

Os analistas políticos dizem que os portenhos ficaram “reféns” da disputa entre Cristina e Macri. Embalada pela crise do metrô, as pesquisas de opinião indicam uma queda da popularidade de ambos.

13/08/2012 - 08:48h Baixo crescimento no Brasil é um ciclo, não tendência

Simon Dawson/Bloomberg / Simon Dawson/Bloomberg
O’Neill: “Eu gosto de Rússia, Turquia, Brasil, China e Coreia. E, razoavelmente atrativa, Índia e depois Indonésia”


Por Silvia Rosa | VALOR

De São Paulo

Uma década depois de ter criado o termo Bric para o grupo de países que inclui Brasil, Rússia, Índia e China, o economista e presidente da Goldman Sachs Asset Management, Jim O’Neill continua otimista com essas economias, apesar do fluxo para os fundos dedicados a tais mercados estar negativo em US$ 689,25 milhões no ano até 1º de agosto, de acordo com dados da consultoria EPFR Global. O’Neill acredita que ao longo da década esses países vão contribuir mais para o PIB global do que os Estados Unidos e Europa juntos.

Na avaliação do gestor, o México chamado recentemente pelo “Financial Times” de “novo Brasil”, já não está mais interessante em termos de preço e vê mais oportunidades em emergentes como Rússia, Brasil, Turquia, China e Coreia.

A seguir, a entrevista concedida por O’Neill ao Valor por e-mail.

Valor: Como está a alocação nos mercados emergentes comparado com o ano passado?

Jim O’Neill : A Goldman Sachs Asset Management planeja lançar um fundo global que permitiria aplicar em diferentes classes de ativos. Nos fundos de ações dedicados a mercados emergentes nós temos visto contínua entrada de recursos, e algumas saídas na carteira com foco nos países do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China).

Valor: Em seu último livro, “O mapa do crescimento”, além dos países do Bric, o senhor menciona mais quatro economias – Coreia do Sul, Indonésia, México e Turquia – que compõem o grupo chamado de mercados de crescimento. Em quais países o senhor vê mais oportunidades para investir em ações?

O’Neill : Isso depende das perspectivas econômicas e dos preços prevalecentes. Em oposição a esses dois critérios, em termos de atratividade eu gosto de Rússia, Turquia, Brasil, China e Coreia. E, razoavelmente atrativa, eu diria a Índia e depois a Indonésia. Nos preços atuais, o mercado do México já não está mais tão atrativo.

Valor: Com quais países do Bric o senhor está mais otimista?

O’Neill : Eu permaneço fundamentalmente animado com os quatro. Depois, e coletivamente, a história dos Bric é a maior história econômica da década. Ao longo da década, eles vão contribuir mais para o PIB global do que os Estados Unidos e Europa juntos e até 2015 o PIB desses países deve superar o dos Estados Unidos.

Valor: A bolsa da Turquia lidera a valorização entre os mercados de ações de emergentes, com alta de 25,96% em moeda local. Por que esse país tem atraído os investidores?

O’Neill : A Turquia é um país excepcionalmente interessante, por três razões até o momento. Primeiro porque é um tipo de modelo para o qual muitos aspirantes e países do Oriente Médio que estão passando por mudança devem visar. Segundo, ele está muito bem posicionado em termos de potenciais laços comerciais decorrentes de futuras mudanças em toda região do Oriente Médio. Terceiro, ele tem uma excelente demografia. Tudo isto atribuído contra um pano de fundo de baixa taxa de juros nos países do G-7, faz da Turquia muito atraente.

Valor: Quais são as principais preocupações em relação à economia brasileira?

O’Neill : Eu acho que as pessoas estão muito negativas sobre a tendência para o Brasil no médio prazo. Isso é muito interessante, e por alguma extensão, engraçado, o quão rapidamente o consenso do mercado presume que a evolução do crescimento recente vai persistir. Então, por exemplo, depois do milagre do crescimento de 7,5% em 2010, as pessoas pensam que isso persistiria. Agora, dado os desapontamentos em 2011 e 2012, as pessoas estão preocupadas que o crescimento será ao redor de 2% a 3% no futuro. Isso não é novo. Por anos, de 2001 a 2003, o Brasil cresceu menos de 2%, e depois isso de repente saltou para acima de 5% por dois anos. Os investidores e analistas precisam distinguir entre tendência de crescimento e ciclo. Eu acho que o Brasil provavelmente crescerá ao redor de 4% a 5% na média na década, e no próximo ano certamente será melhor que isso. O Brasil tem sofrido com a valorização do real nos anos recentes bem como o excesso de liderança do governo na economia como outros desafios competitivos, mas algumas dessas evoluções adversas estão mudando.

10/08/2012 - 11:05h Clima ressuscita risco de inflação global de alimentos

Por Liam Pleven | The Wall Street Journal | Valor

Uma onda de tempo ruim – seca nos Estados Unidos, verão quente demais na Rússia, muita chuva no Brasil – está prejudicando a cadeia de produção de alimentos e aumentando preços ao redor do mundo. A FAO, órgão das Nações Unidas para alimentos e agricultura, anunciou ontem que seu índice para preços de alimentos subiu 6% no mês passado, a maior alta desde novembro de 2009. O índice, que mede os preços de exportação de alimentos, está 10% abaixo de seu recorde de fevereiro de 2011.

Os preços do milho, trigo e soja subiram no mercado futuro ontem, apontando para o risco de novos aumentos de preço de alimentos. A alta de 1% do milho o deixa em alta de 47% desde 31 de maio, antes da seca nos EUA, enquanto os preços da soja subiram 4% ontem e estão 26% mais altos no mesmo período. As altas refletem danos causados por clima seco e quente na região produtora nos EUA, onde se esperavam boas safras de milho e soja, fundamentais para a alimentação de gado que podem elevar os preços de carne e laticínios. Traders de commodities e observadores do mercado esperam que o Usda, como é conhecido o ministério de Agricultura dos EUA, corte suas estimativas de colheita para ambas as culturas em seu relatório mensal de hoje.

A seca piorou semana passada em importantes regiões produtoras de milho e soja dos EUA, segundo um mapa da seca divulgado pelo Centro Nacional de Alívio da Seca da Universidade de Nebraska em conjunto com agências do governo. “O mercado está olhando para a frente e está bem ciente dos problemas por todo o mundo”, disse Concepcion Calpe, economista sênior da FAO. “Os próximos meses terão muita volatilidade.” O clima quente na ex-União Soviética também está elevando o preço do trigo, enquanto as chuvas no Brasil prejudicaram a safra de cana-de-açúcar, segundo a organização. Os preços do arroz, contudo, quase não se mexeram e o suprimento mundial está bom, aliviando o impacto sobre os pobres, para quem arroz é um alimento básico. Os problemas atuais aumentam a necessidade de produção alta em grandes países exportadores do Hemisfério Sul, como Argentina, Austrália e Brasil, onde agricultores estão se preparando para plantar a próxima safra dentro de alguns meses. “Toda a atenção vai se voltar para as lavouras que estão vindo”, disse Calpe.

Membros de organizações internacionais, incluindo o Banco Mundial e o Programa Mundial de Alimentos da ONU, temem que governos reajam à escassez de alimentos limitando exportações ou acumulando estoques, o que pressionaria ainda mais os preços. Sob essas circunstâncias, “você tem um problema muito, muito maior”, disse Arif Husain, representante do Programa Mundial de Alimentos. Recentes altas de preço também foram causadas por problemas climáticos e agravadas por restrições comerciais, dizem analistas.

Em 2010, por exemplo, uma onda de calor na Rússia levou o governo a proibir exportações de trigo, enquanto uma alta mundial de preços em 2007 e 2008 levou a manifestações violentas em vários países. Investidores estão de olho no risco de novas intervenções de governos. “Quando isso começar, vai ser bem contagioso”, disse Jeremy Grantham, estrategista- chefe de investimentos da GMO LLC, que administra US$ 100 bilhões em ativos. Preços de exportações não se traduzem diretamente em preços no varejo, que também dependem de outros fatores, como subsídios locais e as margens dos processadores de alimentos.

Mas analistas esperam que o problema chegue ao bolso do consumidor, inclusive os da nova classe média de mercados emergentes, onde o consumo de carne tem crescido. Alimentos mais caros poderiam também prejudicar países como o Brasil, a China e a Índia, que já estão com a economia em marcha lenta. “Esses países vão ter de lidar com um PIB menor e [preços de] alimentos maiores”, disse Sean Darby, estrategista-chefe de ações mundiais da Jefferies & Co. Turbulência nos mercados de grãos poderiam beneficiar grandes fornecedores de commodities.

Sergio Rial, diretorfinanceiro da gigante de grãos Cargill Inc., disse que a seca “provavelmente” aumentaria os lucros no curto prazo à medida que a empresa use seu alcance mundial para comprar grãos na América do Sul. No longo prazo, a Cargill pode ter um volume menor no processamento de grãos se os preços mais altos reduzirem as compras, além de custos inflacionados em seu vasto negócio de processamento de carne. Mas o dólar também tem subido recentemente, o que poderia aumentar a conta de compradores de fora dos EUA que usam suas moedas locais para comprar milho americano. Os EUA são o maior produtor e exportador mundial do grão. Países que dependem de milho e soja importados estão propensos a ser afetados pela seca nos EUA.

A China é um grande importador de soja, usada para alimentar porcos, a fonte de proteína animal favorita do país. O México, por sua vez, é um grande importador de milho. “Estamos relativamente preocupados” quanto ao impacto da seca americana, disse uma autoridade mexicana, observando ao mesmo tempo que a produção de milho no México deve aumentar este ano. O Departamento de Agricultura dos EUA, equivalente a um ministério, divulgou na semana passada que compradores mexicanos haviam adquirido 1,5 milhão de toneladas de milho americano. Não está claro quem foram os compradores. Ontem, o governo brasileiro também aumentou sua previsão para a safra de milho. Agências de assistência social poderiam ser prejudicadas porque o custo do alimento que elas distribuem poderia aumentar ao mesmo tempo em que mais pessoas precisam dele. “Vamos ser atingidos em ambos os lados”, disse Husain, da Programa Mundial de Alimentos.

Se os alimentos que o programa costuma fornecer aumentarem de preço em 10%, os custos da agência subiriam em US$ 200 milhões, disse ele. (Colaboraram Doug Cameron e Owen Fletcher).

10/08/2012 - 10:49h Perú: ¿Tiene Patria Roja la sartén por el mango?

Mirko Lauer – La República

Viernes, 10 de agosto de 2012

La versión estándar es que el anterior gabinete salió sobre todo como consecuencia de un fracaso en resolver Conga. El actual gabinete está cerca de la misma situación. La política del diálogo y los dos sacerdotes han chocado contra la tozudez de Gregorio Santos, y la situación ha vuelto al punto de partida, con dos bandos irreductibles.

La ingeniería civil preliminar de Conga sigue adelante con discreción. Lo mismo pasa con las movilizaciones antiConga. La novedad es que en algunas percepciones Patria Roja ha pasado a ser un actor importantísimo en los dramas conexos de Conga, la minería cajamarquina, el avance del Movadef y las perspectivas de una epidemia de protestas.

Una idea es que un acuerdo con Patria Roja resolvería Conga y estabilizaría la política. Pero otra idea es que el gobierno no tiene capacidad o, por motivos desconocidos, interés en calmar las aguas de la política. Dos situaciones que cubren el espectro que va desde una tragedia de errores gubernamentales a alguna forma de conspiración.

El sentido común dicta que el gobierno no tiene el menor interés en desestabilizarse a sí mismo, y que el gabinete Jiménez es un sincero esfuerzo por resolver las cosas. Pero el nuevo gabinete rápido ha descubierto que está atracado en Cajamarca, donde no hay perspectivas de diálogo, y que el público está esperando algo.

Según las encuestas, un deseo de que Santos dialogue. Pero hoy el gobierno no tiene manera de obligar a Santos a dialogar. Más aún, si Santos llega a dialogar, puede terminar políticamente liquidado por los dirigentes locales ubicados a su izquierda. De modo que un acuerdo con Patria Roja no sería una solución automática, sino solo la formación de un frente.

Si se llega a la conclusión de que un frente así es necesario, eso significaría que el gobierno está contemplando un horizonte de problemas para la gobernabilidad más vasto que Conga. Se le podría definir como la pérdida de las bases sociales que votaron por Ollanta Humala, y que ahora están camino de volverse fedayines del antisistema.

Pero por el momento el frente es una entelequia, y el gobierno quiere resolver Conga sin nuevos elementos. Es obvio que el gambito de los dos sacerdotes, la bandera del diálogo y la prolongación del estado de emergencia no son nuevos elementos. Un nuevo elemento sería la pérdida de capacidad de movilización del antiConga, si se pudiera demostrar.

Vemos, pues, que hasta el momento el premierato de Juan Jiménez está entre varias espadas y la pared. Los facilitadores eclesiales piden, al igual que Santos, levantar el estado de emergencia para dar paso a alguna forma de diálogo, pero este ha sido renovado y ha producido un nuevo anuncio de huelga.

10/08/2012 - 09:21h Desigualdade é raiz da crise, diz Stiglitz

Por Matthew Craft | Associated Press | VALOR

Richard Drew/AP / Richard Drew/AP
Para Joseph Stiglitz, os EUA poderiam ter uma economia mais eficiente e estável se sua sociedade fosse mais igual


O que há de errado com a economia americana? O crescimento segue aos trancos e barrancos. O desemprego está acima de 8% há três anos e meio. Cortes nos impostos e nas taxas de juro não têm funcionado, pelo menos não o suficiente. Para Joseph Stiglitz, vencedor de um prêmio Nobel de Economia, o estranho comportamento da economia pode ser atribuído ao crescente fosso entre americanos ricos e todos os demais.

Em seu novo livro, “O Preço da Desigualdade”, ele estabelece um nexo entre o crescente endividamento dos que tomam empréstimos educacionais, a bolha imobiliária e muitos outros problemas do país e maior desigualdade.

Quando os ricos continuam ficando mais ricos, diz ele, os custos se acumulam. Por exemplo, é mais fácil escapar da pobreza no Reino Unido e no Canadá do que nos EUA. “As pessoas na base da pirâmide têm menor probabilidade de realizar seu potencial”, afirma.

Leia trechos da entrevista:

Valor: Os protestos do movimento “Ocupar Wall Street” já não são mais notícia, mas o senhor argumenta que a desigualdade de renda é mais importante do que nunca. Como assim?

Joseph Stiglitz: Porque ela está piorando. Veja os mais recentes números do Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA). A riqueza mediana caiu 40% entre 2007 e 2010, levando-a de volta a onde estava no início dos anos 90. Durante duas décadas, todo o crescimento da riqueza no país, que foi enorme, foi para as pessoas bem no topo (da pirâmide). Podem ter sido duas décadas prósperas. Mas não compartilhamos, todos nós, dessa prosperidade. A crise financeira tornou isso realmente bem fácil de entender. A desigualdade sempre foi justificada com o argumento de que aqueles no topo – “os criadores de emprego” – contribuíram mais para a economia.

Depois vieram 2008 e 2009, e vimos esses sujeitos que colocaram a economia à beira da ruína levar centenas de milhões de dólares para casa. E não era possível justificar isso em termos de contribuição para a sociedade. O mito tinha sido vendido para as pessoas, e, de repente, ficou evidente para todos que não passava de uma mentira.

Mitt Romney qualificou as preocupações com a desigualdade de “política de invejosos”. Bem, isso está errado. Inveja seria dizer: “Ele está ganhando bem mais do que eu. Eu tenho inveja disso’. O que dizemos é: “Por que ele está ganhando tanto dinheiro, se ele nos trouxe para a beira da ruína?” E os que trabalharam duro são aqueles que foram arruinados. É uma questão de igualitarismo.

Valor: O objetivo dos mercados não é ser justo. Enquanto houver mercados, haverá vencedores e perdedores. O que há de errado nisso?

Stiglitz: Não estou defendendo a eliminação da desigualdade. Mas o extremo a que chegamos é muito ruim. Em particular, a forma como ela é produzida. Poderíamos ter uma sociedade mais igual e uma economia mais eficiente, mais estável, com maior crescimento. É essa, realmente, a questão. Mesmo se você não tiver quaisquer valores morais e quiser apenas maximizar o crescimento do PIB, esse nível de desigualdade será danoso. Não se trata apenas de injustiça. A questão é que estamos pagando um preço alto. A história que nos contaram é que a desigualdade era boa para nossa economia. Eu estou contando uma história diferente, que esse nível de desigualdade é ruim para nossa economia.

Valor: O senhor argumenta que isso está fazendo nossa economia crescer mais lentamente e vincula isso aos que querem viver de renda. Esse é um conceito de economista. Poderia explicar em termos leigos?

Stiglitz: Algumas pessoas obtêm renda de seu trabalho e algumas pessoas têm renda apenas porque são donas de um recurso. A renda delas não é resultado de esforço. Elas estão recebendo uma fatia maior do bolo, em vez de fazer o bolo crescer. Na verdade, eles estão fazendo o bolo ficar menor.

Valor: É como, por exemplo, eu instalar uma cobrança de pedágio num cruzamento movimentado e recolher todo o dinheiro para mim.

Stiglitz: Isso mesmo. Você apenas recolhe o dinheiro. Você não está agregando nada.

Valor: Onde o senhor vê isso nos EUA? Poderia apontar para alguns exemplos?

Stiglitz: Nós vemos isso no caso das companhias nos setores de petróleo e de recursos naturais e suas licenças para exploração mineral e madeireira. Os bancos se envolveram na concessão de empréstimos predatórios. Recentemente, as empresas Visa e MasterCard firmaram acordos aceitando pagar US$ 7 bilhões por comportamento anticoncorrencial. Elas cobravam dos comerciantes mais dinheiro, porque detêm poder monopolista.

Valor: O crescimento econômico está esfriando novamente. O desemprego parece emperrado acima de 8%. Isso é consequência de dívidas elevadas ou de gastos mais lentos?

Stiglitz: O problema fundamental não é a dívida pública. Ao longo dos últimos anos, o déficit orçamentário foi resultado de crescimento baixo. Se nos concentrarmos em crescer, teremos crescimento, e nosso déficit cairá. Se nos concentrarmos apenas no déficit, não iremos a lugar nenhum.

Essa fetichização do déficit está matando nossa economia. E isso está ligado à desigualdade. Se assumirmos medidas de austeridade, isso produzirá maior desemprego e alargará a desigualdade. Os salários caem, a demanda agregada cai, a riqueza diminui.

Todos os donos de imóveis endividados em nível superior ao próprio valor de suas casas não conseguem consumir. Nós demos dinheiro para socorrer o sistema bancário, mas não demos dinheiro para essas pessoas superendividadas. Elas não têm como gastar. É isso que nos está fazendo afundar. São os gastos domésticos.

Valor: E as pessoas que têm dinheiro para gastar, diz o senhor, gastam menos de cada dólar de sua renda. As pessoas no topo da escala de renda poupam quase um quarto de sua renda. As pessoas nos estratos mais baixos gastam cada centavo. É por isso que as reduções tributárias parecem ter pouco efeito sobre os gastos?

Stiglitz: Exatamente. Quando você redistribui dinheiro de baixo para cima, isso enfraquece a economia. E toda essa conversa sobre os investimentos dos mais ricos no país é besteira. Não, eles não investem aqui. Eles estão em busca de onde podem obter retornos mais elevados, e estão procurando no mundo inteiro. Por isso, estão investindo na China e no Brasil e na América Latina, nos mercados emergentes; não nos EUA. (Tradução de Sergio Blum)

10/08/2012 - 08:59h OCDE prevê países parados; Brasil é exceção

10 de agosto de 2012

NOVA YORK – O Estado de S.Paulo

A maior parte das grandes economias deverá perder força nos próximos meses, e somente o Brasil e, possivelmente, o Reino Unido, vão registrar um aumento moderado, de acordo com os indicadores antecedentes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

A OCDE disse que o indicador antecedente dos 34 membros da organização caiu para 100,3 em junho, de 100,4 em maio, sugerindo “uma desaceleração da atividade econômica”.

O indicador antecedente para as economias em desenvolvimento também recuou, sinalizando “desacelerações” – ou crescimento abaixo da tendência da taxa de longo prazo, para a China, Índia e Rússia.

Entre o grupo da sete maiores economias desenvolvidas, o Reino Unido foi o único país a registrar uma alta em seu indicador antecedente, uma performace que, segundo a OCDE, “mostra sinais iniciais de uma recuperação da atividade econômica”. Junto com a Itália, o Reino Unido foi a economia mais lenta entre os países do G-7 (grupo que reúne as sete maiores economias do planeta) nos últimos três trimestres.

Outra exceção para a tendência geral de queda foi o Brasil, que obteve indicador antecedente de 99 em junho, mesma leitura de maio, após registrar um aumento constante desde o início do ano. A OCDE disse que isso era um sinal de que o crescimento da economia vai aumentar, mas com menos intensidade do que tinha sido previsto.

Entre as economias desenvolvidas, a zona do euro continua a ser o principal foco de enfraquecimento. Mas os indicadores antecedentes para os EUA e o Japão também diminuíram. / DOW JONES NEWSWIRES

08/08/2012 - 18:00h Aos pés do Montserrat, o azeite milenar que valoriza seu terroir

Cristina Müller
Plantações de oliveiras ao redor da pequena cidade de Cabacés, aos pés do Montserrat


Por Cristina Müller | VALOR

De Cabacés, Espanha

Fernando Miró é encantador de oliveiras. Mais do que produtor de azeite, convive entre 45 hectares de oliveiras ao pé do Montserrat, na Comarca do Priorat, ao sul da Catalunha. Ele extrai ouro líquido das olivas, que distribui para os mercados de azeite gourmet do mundo.

Espalhadas aleatoriamente sobre terras e muros de pedra cultivados e construídos desde a antiguidade, o moinho de Fernando, o Miró Cubells, tem pelo menos 300 oliveiras de mais de mil anos. No alto do morro, mantêm-se firmes e aliadas, ano após ano, as oliveiras e a família Miró Cubells – autóctones da Catalunha, na terra há mais de dez gerações -, sobrevivendo aos extremos de secura e calor dos verões da serra e aos invernos gélidos.

“Essas árvores estarão aqui bem depois que os meus netos já não estiverem”, disse Miró, à sombra de uma oliveira de 1,5 mil anos. “Elas contam a história dos tempos que já passaram e dos tempos que virão, nos lembram a nosso impermanência na terra”, reflete ele.

Cristina Müller
Cristina Mülle – rO produtor Fernando Miró, do moinho Miró Cubells

Há sete anos em operação, com uma produção de anual de apenas 25 mil litros de azeite – a € 15 o litro para o consumidor na prateleira -, as quatro variedades de azeite extravirgem biológico Miró Cubells satisfazem um nicho no mercado gourmet. Como ele, há centenas de pequenos produtores espalhados por toda a Espanha, Itália, Grécia, Portugal e França, batalhando para demonstrar ao consumidor que vale à pena investir num bom azeite à mesa, de origem conhecida.

Travam-se juntas a batalha por um lugar no mercado contra óleos de mesa mais comuns e a questão da certificação de origem dos azeites que entram no mercado. Pequenos produtores convivem com uma diretriz europeia que determina ser apenas necessário identificar o produto antes da exportação como sendo “originário” da União Europeia. Por esse motivo, quem tem maior poder de venda ganha.

“Temos que admirar os italianos, que são mesmo os melhores em marketing e vendas: conseguem emplacar qualquer produto alimentício com o nome das suas marcas”, reflete Antoni Rey, produtor do Oliflix, um moinho de produção artesanal de azeite extravirgem de primeira pressão fria, no vilarejo de Flix, a uma hora do Priorato, do outro lado do vale do rio Ebro. Assim como Miró, Rey toca o negócio com seus filhos.

Cristina Müller
Cristina Müller – Detalhe da cidade catalã

Produzindo 70 mil litros de azeite extravirgem de primeira pressão fria por ano, passando as olivas manualmente por um moinho de pedra antiga, na sede do século XVIII, Rey tem uma filosofia de produção um pouco diferente de Miró. Ao contrário do colega, compra olivas de várias partes da Espanha e almeja algum volume para incrementar a receita familiar. Em comum, os moinhos têm a produção artesanal e biológica do azeite e a noção de que o consumidor deveria saber mais detalhes de onde e como é feito o azeite que tem à mesa.

A preocupação do pequeno produtor espanhol é devida. Maior produtor do mundo de azeite, com 1,56 milhão de toneladas/ano na safra de 2011/12, cerca da metade das 890 mil toneladas do azeite espanhol exportadas terminam nos tonéis italianos, identificadas à venda como “Made in Italy”, sendo a Itália o maior exportador mundial do produto e os Estados Unidos os maiores consumidores.

Essa absorção dos diversos azeites leva à perda da identidade do azeite, a assinatura individual de cada produtor no momento do feitio e em sequência a qualidade, segundo Miró e Rey.

Cristina Müller
Cristina Müller – Detalhe da cidade catalã

Acrescenta-se a essa problemática a estimativa de que pelo menos 30% dos azeites exportados da Europa levam uma porcentagem de outros tipos de óleo. Já praticada durante o período greco-romano, há evidência arqueológica de medidas contra fraude, vistas em marcas de origem e datas de produção nas ânforas de azeite desenterradas por arqueólogos na Grécia e na Itália.

Nigel Kennel, especialista em história antiga na Escola Americana de Estudos Clássicos, em Atenas, revela que entre outros, os “Apícius” – uma coleção de receitas de cozinha da Roma Antiga datada do século IV – já fornecem boa receita para transformar azeite barato espanhol em azeite extravirgem de origem Ístria, utilizando ervas e raízes.

Paralelo ao consumo per capita hoje, no século I AC, registros históricos indicam que em algumas regiões do Império Romano, consumia-se até 50 litros de azeite por família por ano. Ou seja, gastava-se com azeite proporcionalmente ao que se gasta com gasolina hoje, diz Kennel.

“Não é só uma questão de preço ou origem”, comenta Miró. “O azeite de oliva tem propriedades que por excelência distinguem-se de outros óleos alimentícios. Se o consumidor começa a usar o azeite para frituras e como se fosse óleo de girassol, perde-se o propósito de um produto que faz parte de uma cultura milenar de alimentação comprovada como de alta qualidade para a saúde da espécie humana”, explica, referindo-se à cozinha mediterrânea.

O catalão Fernando Miró, um “encantador de azeites”

O azeite Miró Cubells é de origem controlada, estabelecido na Comarca do Priorato, onde o clima continental do vale do rio Ebro, influenciado pelo mar Mediterrâneo, a pouco mais de 100 quilômetros de distância, gera microclimas entre os rochedos, terra seca e bosques, dispersos em colinas e pequenos vales, que propiciam o cultivo de boas variedades de olivas, algumas delas bastante raras.

É o caso do óleo Negret. Extraído das olivas negret, vindas das oliveiras mais antigas, esse azeite é de textura suave e, no paladar, passa por um picante, seguido de um leve aroma de tomate e finalmente um bocado de pimenta. Para degustá-lo, Miró deita um dedo do azeite em um pequeno copo azul de bordas fechadas. Segura o copinho entre as mãos esquentando bem o azeite e, de uma vez só, engole tudo para que bata no fundo da garganta. Faz um barulho de final de milk shake tomado no canudo e dá uma tossida.

Toda essa cena teatral tem um sentido maior. “Assim se pode sorver melhor o azeite”, diz Fernando Miró. Ele explica tudo em catalão aos visitantes, que seguem o gesto e surpreendem-se com a variedade de sabores encontrados na pequena amostra oferecida pelo produtor.

Esse azeite faz parte de um pacote, o Arrels, de três tipos: Arbequina, Rojal e Negret, em tons de ouro e de diferentes aromas.

Produzindo apenas 25 mil litros por ano, Miró é um produtor de pequeno porte que não tem nenhum interesse em crescer mais, em expandir demasiadamente suas atividades. Ele explica que, para manter tanto a identidade quanto a cultura do azeite, o produtor precisa conhecer intimamente suas árvores. Miró não põe muita fé em vastas plantações, que não consideram a individualidade das árvores.

Trabalhando com os filhos e a mulher, suas vendas para os principais mercados – a Suíça, a Alemanha, a França e os Estados Unidos – têm se desenvolvido bastante bem, diz ele, e mostrado bons resultados.

Os olhos dele brilham também ao falar da filosofia que vem batalhando para imprimir na sua empresa familiar.

“Nosso objetivo aqui é ter o melhor azeite, que faz parte da nossa cultura e faz um bem enorme à saúde”, conta ele enquanto caminha orgulhoso, mostrando o impecável moinho e os tonéis de azeite que ainda estão para serem engarrafados.

E ele também parte para o ataque contra a cultura do “azeite fácil”, produzido em larga escala e sem a preocupação com o que provoca na ponta final do consumo. “Essas grandes empresas azeiteiras que existem por aí fazem muito mal ao consumidor, porque lhes vendem um azeite que não tem o mesmo valor nutritivo e que não respeitam o meio ambiente – essas milhares de árvores plantadas em fileira, isso não é natural”, sacode a cabeça o homem que defende a individualidade de suas árvores. (CM)

Quando o homem faz a diferença na produção

De Cabacés, Espanha

O azeite é feito a partir da moagem do fruto da oliveira, chamado oliva. Esse fruto pode ser transformado também em azeitonas e a maioria dos moinhos produz além do azeite a sua variedade de azeitonas. Os melhores azeites são feitos a mão, artesanalmente, mais ou menos como se faz suco de frutas. A oliva é jogada a granel numa trituradora hidráulica, de onde passa por uma centrífuga e depois para a decantagem, até extrair-se o óleo.

Mas, de fato, o processo começa no cultivo das oliveiras, cujo manejo adequado torna-se essencial para controlar tanto a produtividade quanto a qualidade da oliva e consequentemente do azeite. Trata-se de uma ciência pouco exata, onde o cultivador de olivas controla essencialmente a quantidade de água disponível à oliveira, para que ela produza frutos mais ou menos gordos, ou para que passe o ano sem produzir, descansando, para produzir dobrado no próximo ano.

São cerca de 700 variedades de oliva, a mais famosa sendo a arbequina. Sua colheita é feita no momento em que começam a mudar de cor do verde para o negro ou, às vezes, ao avermelhado escuro. Geralmente o melhor método de colheita é manual, para minimizar a oxidação e as reações enzimáticas, que podem provocar odores indigestos ao azeite.

São as olivas que dão os gostos ao azeite, onde nascem e onde convivem, eventualmente voltam à tona no paladar, lembrando que as oliveiras são plantadas às vezes com um pomar de peras, às vezes com uma plantação de bananas, por exemplo.

A assinatura do azeite é dada durante o momento em que a pasta da oliva passa da centrífuga para a decantagem. É o azeiteiro que controla o tempo de decantagem, a espessura e até a cor do produto final. Há de fato três tipos de azeite reconhecidos no mercado: o azeite extravirgem, azeite virgem e o lampante, este último utilizado para a manufatura de sabões, velas e coisas do tipo – não é permitido vendê-lo como alimento. Existe ainda o azeite extravirgem de primeira pressão fria, o mais rústico de todos, mas esse cai na primeira categoria. (CM)


Consumo sobe, mas uso é equivocado

De Cabacés, Espanha

Em dez anos o consumo do azeite cresceu mais de 35% somente na Europa, responsável por 80% da sua produção mundial. Nos EUA o consumo cresceu em 100% nos últimos dez anos e, em países como o Brasil, até 60%. Mas nem por isso o consumidor sabe como usá-lo, muitas vezes simplesmente substituindo o óleo para frituras normal pelo azeite, sem se beneficiar do produto para a saúde.

Atentos às questões levantadas pelos pequenos produtores, o Conselho Oleícola Internacional (COI), com sede em Madri, está lançando este ano campanhas a favor do azeite na China, no Brasil e na Índia, considerados os maiores mercados em potencial para o produto. Em terceiro lugar no ranking de importadores de azeite mundial, com cerca 8,5% do total, o Brasil já detém uma faixa significativa do mercado de azeite.

Um dos desafios em colocar o azeite nesses países é o ainda baixo poder aquisitivo da população, de certa forma incompatível com o alto custo de produção do azeite extravirgem. Mas, segundo o diretor-executivo do COI, Jean-Louis Barjol, trata-se de um desafio facilmente contornável, uma vez que as classes média e alta vêm crescendo rapidamente, com mais instrução e a consequente atenção à saúde e à alimentação.

“Há todo o tipo de azeite disponível no mercado para todos os gostos, o importante será o consumidor entender o que está comprando, como usá-lo da melhor maneira possível e assim poder apreciar e fazer parte da cultura milenar do azeite”, explica Barjol.

Observa-se no metiê de azeite que o excesso de estoques na Europa nos últimos dois anos, provocado por incentivos agrícolas ao produto pela União Europeia, tem levado à vertiginosa queda de preços. Sem que haja qualquer alívio nos custos operacionais para o pequeno e médio produtor, o azeite custa hoje cerca de US$ 2,30 a tonelada, de US$ 2,85 a tonelada há um ano. É o preço mais baixo em nove anos, segundo a Bloomberg.

Como paliativo, a União Europeia comprará até o final deste verão europeu cerca de US$ 24 milhões para sustentar o mercado pelo menos até que outras vendas possam ser feitas para outros mercados. Esse tipo de ajuda, além da falta de garantia da origem e qualidade do produto, tem levado países como o Brasil a questionar a política azeiteira europeia.

Em 1º de agosto, para mal estar de muitos exportadores europeus, o Brasil introduziu diretriz para o exame arbitrário do azeite que entra no país, de forma a identificar não só a sua origem, mas também a sua qualidade. A diretriz brasileira não será novidade para o produtor europeu, já que a própria UE exige extensos testes de controle de qualidade, requisito para o rótulo europeu na embalagem.

Há quem acredite que a motivação do Brasil nada tenha a ver com o consumidor. Segundo o site dos produtores espanhóis, o país – ou pelo menos o Mercosul – ambiciona tornar-se produtor mundial e começa a adotar medidas protecionistas.

Barjol afirma não acreditar nessa tese. Ele lembra que a bacia do Mediterrâneo é responsável por 97% da produção mundial de azeites e 94% das exportações.

“Portanto não há ainda competição por parte dos novatos,” diz Barjol. “Mas, do ponto de vista das importações, os novos mercados são de enorme valor para o exportador, já que tendem a superar o mercado europeu, principalmente em um momento de crise econômica”, analisa.

Otimista, Barjol prevê que o mercado de azeite crescerá a um ritmo de 2% a 3% ao ano nos próximos dez anos, abrindo espaço até para produtores locais sem fazer ondas na Europa.

08/08/2012 - 10:00h Obama perde apoio de grandes empresas

Por Stephanie Kirchgaessner | Financial Times | VALOR

Nove meses após assumir a Presidência, Barack Obama organizou um almoço fechado para os executivos-chefes de algumas das maiores empresas dos Estados Unidos, Amazon e Kraft entre elas. O verão de 2009 havia sido duro. As batalhas envolvendo a remuneração corporativa e os planos da Casa Branca de reorganizar o sistema de saúde e o setor de energia haviam formado uma impressão entre os líderes empresariais de que ele era “antibusiness”.

O esforço do presidente para reparar relações desgastadas falhou. Menos de um ano depois, enquanto tentava fazer a América corporativa ajudar a resgatar a economia de sua pior recessão desde a Grande Depressão, a Casa Branca revelou sua frustração. “Os riscos são grandes demais para que trabalhemos uns contra os outros”, escreveu Valerie Jarrett, conselheira de Obama, à Câmara do Comércio, um grande lobby empresarial. “[A retórica empresarial] não reconhece as medidas que esta administração vem tomando para atender os objetivos compartilhados.”

De lá para cá – após uma onda reguladora que incluiu a lei Dodd-Frank, para o mercado financeiro, e a promoção pelo presidente do plano Buffett, que estabeleceria um imposto mínimo de 30% para quem ganha mais de US$ 1 milhão por ano -, as diferenças só aumentaram.

Enquanto isso, o candidato republicano à Presidência, Mitt Romney – cofundador da Bain Capital de Boston -, está fazendo campanha para as eleições de novembro com base em sua experiência corporativa e promete tornar a vida mais fácil para as companhias, grandes e pequenas.

Essas visões conflitantes para a América corporativa coincidem com uma nova campanha de desregulamentação do sistema financeiro que permitiria a empresas e sindicatos, doar, em certas circunstâncias quantias ilimitadas de dinheiro para apoiar políticos – um ato que até agora favoreceu os republicanos.

No longo prazo, a agenda do vencedor vai moldar a política fiscal, com possíveis repercussões para uma economia mundial que tenta evitar mergulhar de volta na recessão, assim como para o ambiente regulador.

Instituições de Wall Street e executivos votaram em massa em Obama nas eleições de 2008, mas eles o trocaram por Romney em 2012. No começo de maio, executivos do setor financeiro haviam doado para Romney três vezes mais recursos de campanha do que para Obama, segundo o Center for Responsive Politics, um grupo de pesquisas de Washington.

John Engler, presidente da Business Roundtable, um grupo lobista que defende os interesses de executivos-chefes de empresas, diz: “Há uma crença entre muitos na comunidade empresarial de que a administração Obama não tem uma grande afeição pelos empresários e pelas empresas… de que uma administração Romney seria mais neutra e respeitaria mais o papel do livre mercado na determinação de investimentos bem-sucedidos”.

No mês passado, o candidato republicano atacou Obama por afirmar: “Se você tem um negócio, você não o construiu, alguma outra pessoa fez isso acontecer”. O presidente observou que a declaração enfatizou a importância da educação e da infraestrutura bancadas pelo governo para o crescimento, mas seu rival disse que se tratava de um “insulto a todos os empresários e inovadores da América”.

Na verdade, o apoio de Obama a investimentos de infraestrutura tem o apoio de muitos na América corporativa. Se Romney vencer, provavelmente haverá uma certa objeção aos grandes cortes nos gastos reservados para a melhoria de rodovias e aeroportos propostos pelos republicanos no Congresso.

A redução do déficit é a questão “mais importante” que o próximo presidente vai enfrenta, afirma Roger Altman, presidente do conselho de administração do banco de investimentos Evercore, que foi vice-secretário do Tesouro na administração Clinton. O plano de Obama – uma mistura de aumento de impostos e corte nos gastos – “é muito mais realista do que aquele colocado na mesa por Romney”, afirma ele. Mas a maioria dos setores favorece a plataforma republicana de impostos menores e menos regulamentação.

Os apoiadores de Romney veem a eleição como uma chance de introduzir uma era de cooperação com o governo, especialmente em termos regulatórios. “Há uma sensação entre os diretores com quem tenho conversado, de que existe uma demanda reprimida, um desejo das empresas por muitos gastos e investimentos, se todos acharem que os sinais estiverem claros – e de que se você arriscar capital, o jogo não mudará para você no período de um ano”, diz Engler.

“A agenda de desregulamentação gradativa de Romney poderá ter alguns benefícios de curto prazo”, afirma Jared Bernstein, ex-economista-chefe do vice-presidente Joe Biden, “mas historicamente isso tem sido uma receita de formação e estouro de bolhas, além de enfraquecer significativamente a classe média”. De sua parte, Obama afirma que as políticas de impostos baixos e regulamentação leve propostas por Romney são aquelas que “em primeiro lugar causaram a bagunça financeira”.

O presidente tem aliados no Vale do Silício e alguns em Wall Street. Ele também é visto no geral como defensor do setor industrial. Jeff Immelt, presidente-executivo da General Electric (GE), vem trabalhando com ele em políticas para melhorar o nível de emprego através do Conselho de Empregos – embora o órgão tenha se tornado alvo de um joguete político quando surgiu a informação de que ele não se reúne há seis meses. Ele tem apoiadores em Detroit, onde é creditado por ter revitalizado a indústria automobilística com um socorro financeiro à General Motors (GM). Romney tem dito que não teria feito tal resgate.

Nenhum setor tem mais a perder que o da saúde, que representa um sexto da atividade econômica dos Estados Unidos, conforme medido pelo PIB. Se for reeleito, Obama continuará implementando a lei da saúde de 2010, ampliando o seguro para que ele cubra mais de 25 milhões de americanos, enquanto que Romney, na Presidência, tentaria desmantelar a lei. Ela vem recebendo um grande apoio dos setores hospitalar e farmacêutico, mas enfrenta a oposição do setor de seguros, embora as posições ainda possam mudar até as eleições em novembro.

Mas é na questão dos impostos que as empresas sentirão o resultado de maneira mais direta. Os dois candidatos concordam que os altos impostos pagos pelas empresas e muitas brechas colocam as empresas americanas em desvantagem – e, seja quem for o vencedor, uma reorganização está praticamente garantida. Os detalhes, porém, serão em grande parte determinados pelo próximo presidente.

“Há um consenso geral sobre a direção que se deve tomar”, afirma Chris Krueger, analista da Guggenheim Partners, uma companhia de serviços financeiros de Washington, “mas ninguém tem certeza do caminho que será tomado”.