18/11/2012 - 15:54h “Las recetas que se están aplicando en Europa llevarán a una recesión brutal”

Dilma Rousseff | Presidenta de Brasil

Juan Luis Cebrián conversa con la jefa de Estado brasileña, antigua guerrillera, torturada y encarcelada durante tres años por la dictadura.

La entrevista se realizó en Brasilia en vísperas de la Cumbre Iberoamericana de Cádiz

Juan Luis Cebrián 18 NOV 2012 – EL PAÍS

“Yo no creo que el problema de Europa sea su modelo de Estado de bienestar. El problema es que se han aplicado soluciones inadecuadas para la crisis y el resultado es un empobrecimiento de las clases medias. A este paso se producirá una recesión generalizada”.

Me hubiera gustado comenzar la conversación por hablar de su pasado político, que transcurrió entre responsabilidades logísticas en la guerrilla armada, o preguntarle antes que nada por los desafíos que Brasil afronta, pero ella ha entrado en la sala como un torbellino dispuesta a despedazar las claves de la crisis europea, que amenaza con impactar en el desarrollo de los países emergentes. “Nosotros ya hemos vivido esto. El Fondo Monetario Internacional nos impuso un proceso que llamaron de ajuste, ahora lo dicen austeridad. Había que cortar todos los gastos, los corrientes y los de inversión. Aseguraban que así llegaríamos a un alto grado de eficiencia, los salarios bajarían y se adecuarían los impuestos. Ese modelo llevó a la quiebra de casi toda Latinoamérica en los años ochenta. Las políticas de ajuste por sí mismas no resuelven nada si no hay inversión, estímulos al crecimiento. Y si todo el mundo restringe gastos a la vez, la inversión no llegará”. Lo dice con convicción, alzando las manos en expresivo gesto que indica el camino a seguir, es todo su cuerpo el que protesta por lo que está pasando al otro lado del Atlántico y pienso que si no existiera ya en la Historia una Dama de Hierro quizá alguien se habría atrevido a sugerir este apodo para ella. La prensa internacional considera a Dilma Rousseff, 36ª presidente de la República Federativa del Brasil, una de las tres mujeres más poderosas del mundo, junto con Angela Merkel y la secretaria de Estado norteamericana, Hillary Clinton. A Clinton le quedan dos meses en el cargo, con lo que el triunvirato puede verse pronto reducido a un duelo de titanes. ¿Le ha dicho ya a la canciller alemana cuáles son sus puntos de vista sobre la política que ella está imponiendo en Europa? “Se lo he dicho en todas las reuniones del G-20. Europa pasa por algo que ya conocimos en América Latina. Hay una crisis fiscal, una crisis de competitividad y una crisis bancaria. Y las recetas que se están aplicando llevarán a una recesión brutal. Sin inversión será imposible salir de la crisis. Por supuesto hay que pagar las deudas, la consolidación fiscal es necesaria, pero se precisa tiempo para que los países lo hagan en condiciones sociales menos graves. No solo por una cuestión ética, sino también por exigencias propiamente económicas. El euro es un proyecto inacabado y si Europa quiere resolver sus problemas tiene que completarlo, mediante la supervisión y la unión bancaria. En realidad el euro no es una moneda única hoy. El mercado distingue entre el euro español, el euro italiano, francés, griego o alemán. El BCE tiene que ser el prestamista de ultimo recurso, pero no solo: hace falta que exista un mercado de títulos, un mercado de deuda, como en el resto de los países. La moneda única europea es una de las mayores conquistas de la Humanidad, precisamente en un continente tan castigado por las guerras y las disputas internas. Se trata de un fenómeno económico, social, cultural y político que significa un avance formidable, pero de momento está incompleto. No puede seguir así si queremos vencer a la crisis. Es el tiempo de construir los consensos, y para ello es importante que exista un liderazgo”.

Las políticas de ajuste no resuelven nada, si no hay también inversión

No es precisamente liderazgo lo que falta en Brasil. Las encuestas atribuyen a Dilma Rousseff más de un 70% de popularidad, porcentaje aún mayor del que gozaba su predecesor en el cargo y mentor en su carrera política, Lula da Silva. La continuidad básica de una política económica que dura ya casi dos décadas (desde que Fernando Henrique Cardoso emprendiera su amplio programa de modernización) ha convertido a Brasil en la quinta economía del mundo y hoy es un interlocutor imprescindible en cualquier escenario internacional. La llegada de Lula a la presidencia supuso todo un terremoto. Las clases bajas experimentaron un sentimiento de autoestima como nunca habían tenido hasta entonces al ver que un obrero ocupaba la presidencia de la República. Era todo un símbolo de la nueva política de inclusión social que anunciaba ya el proyecto estrella de Rousseff: hacer de Brasil un país de clases medias, no solo en lo que se refiere a los estándares de vida, sino sobre todo en lo que concierne al nivel educativo de la población.

Dilma no tiene el carisma de Lula, pero brilla por sí misma por su eficacia y su convicción política. Se incorporó al PT, el partido del Gobierno, años más tarde de su fundación, tras haber militado en el socialismo de Lionel Brizola y, antes, en dos organizaciones marxistas que promovían la lucha armada. Detenida y torturada por la dictadura militar, fue encarcelada durante tres años, y esa experiencia personal supone un plus de credibilidad a los ojos de todos los demócratas. Le comento que yo tuve oportunidad de vivir Mayo del 68 en París y soy uno de los huérfanos de aquella revolución. Los jóvenes españoles de la época seguíamos con admiración los procesos latinoamericanos, iluminados entonces por la esperanza más tarde frustrada del castrismo. Cuatro décadas después, muchos líderes de aquellos movimientos ocupan posiciones de poder en la economía, la política y la cultura y son objeto de protestas similares a las que ellos encabezaron. ¿Mereció la pena todo aquello?

“Necesariamente la gente evoluciona. Yo en diciembre de 1968 no andaba en política ni me había incorporado a la clandestinidad. Entonces sucedió lo que se conoce en Brasil como el golpe dentro del golpe: un endurecimiento de la dictadura militar. A partir de ese hecho, cualquiera de mi generación que tuviera la más mínima voluntad democrática era violentamente perseguido. De modo que desde mi punto de vista personal sí valió la pena, y mucho. Una parte de la juventud tuvo el gesto generoso de pensar que era su obligación luchar por su país, incluso incurriendo en algunos errores. Puede que aquellos métodos no condujeran a nada, no tuvieran futuro y constituyeran una visión equivocada sobre la salida de la dictadura. Pero en la gente anidaba un sentimiento de urgencia, creían que en Brasil no podría haber una reforma democrática, también por su visión pesimista sobre los dirigentes del país. Con los años he comprobado nuestro exceso de ingenuidad y romanticismo y nuestra falta de comprensión de la realidad. No percibíamos que esta era mucho más compleja, que podía haber diferentes soluciones de futuro. Mi estancia en la cárcel me ayudó a entender que el régimen militar no sobreviviría, porque no podía detener, torturar y matar a toda la juventud. El país había comenzado a transformarse y exigía un cambio. Enseguida comenzó la complejidad de la transición. A mí me detuvieron en 1970 y la apertura empezó en 1974, con el presidente Geisel. Se trataba de una apertura controlada, ‘lenta, gradual y segura’ en el idioma oficial; no era todavía la democracia, pero las condiciones habían cambiado. Entre 1970 y 1974 transcurrió la etapa más negra de la dictadura. Luego resultó evidente que no había solución a los problemas económicos y sociales sin democracia. Tal vez lo que diferencia a mi país de otros de América Latina es que nosotros tuvimos una fe sin restricciones en el valor de la democracia. Eso hizo que el proceso resultara menos duro”.

Se necesita tiempo para la consolidación fiscal en condiciones sociales menos graves

Sin embargo, la democracia está perdiendo prestigio en Occidente, le digo, sobre todo por su aparente incapacidad para responder a la crisis, para reformar el capitalismo. Existe en cambio una cierta admiración por el mandarinato chino, dada su eficacia en gestionar el crecimiento.

“Tal vez la mejor cosa de China es que sabe definir sus metas. No creo que nadie tenga que imitar a ningún país, pero se puede aprender de sus mejores prácticas. Yo, por ejemplo, pretendo hacer un plan a medio plazo. Para saber dónde quiero llegar tengo que iluminar también el presente, definir cuál debe ser mi tasa de inversión si quiero doblar la renta per capita de Brasil, y en cuanto tiempo. Tal vez podamos hacerlo en 12 o 15 años, mediante una política adecuada de inversión pública y privada… Naturalmente que se trata de proyecciones, luego la realidad es muchas veces diferente, pero si te marcas una meta lo importante es acercarte lo más posible a ella. Cuando la consigues del todo es porque la meta estaba mal definida”.

Esta cultura del esfuerzo desdice de los tópicos del Brasil de samba y carnaval que tanto daño han hecho a la imagen del país, de igual modo que en nuestro caso abundan las diatribas de los nórdicos contra los perezosos europeos del sur y los clichés de fiesta y siesta se imponen a la hora de caricaturizar a los españoles. “Eso de que en la zona euro los nórdicos trabajan mucho, gastan poco y son muy competitivos mientras los del sur son perezosos, se endeudan de más, gastan sin control y no contribuyen al euro, es una historia mal contada. Los países más avanzados de Europa se han beneficiado de un mercado de 600 millones de personas y de una zona monetaria única, con lo que mantuvieron tasas de cambio inferiores a las que les hubiera correspondido por sus superávits”. Rousseff maneja de memoria las cifras, los porcentajes y las magnitudes, conoce el lenguaje de los mercados y argumenta en su mismo idioma. Una cualidad extraña entre los políticos del momento, que se entregan en manos de tecnócratas y aplican las recetas de los expertos. Estos señalan por su parte que el crecimiento de Brasil se ha moderado y muchas voces alertan del contagio de la crisis en los países emergentes.

El euro es un proyecto inacabado: en realidad no es una moneda única

“La recesión europea está alargando los plazos para una mayor recuperación de las economías que no tienen problemas fiscales ni financieros, están en crecimiento positivo y practican políticas anticíclicas, como Brasil. Estamos haciendo de todo para impulsar de nuevo nuestro crecimiento, hemos reducido los costos de capital, los del trabajo también, y bajado muchos impuestos para impulsar el consumo”. ¿Es este un modelo a seguir? ¿Podríamos decir que responde a un estándar replicable por un cierto tipo de izquierda en América Latina? “Lejos de mí proponer ningún tipo de modelo, pero lo que en nuestro caso operó como elemento transformador fue comprobar cuando llegamos al Gobierno que había, ¿cómo decirlo?, determinados falsos dilemas, idénticos a los que hoy enfrenta Europa. Disyuntivas como controlar la inflación o impulsar el desarrollo, reducir el gasto público o invertir, desarrollar primero el país para luego distribuir rentas, luchar solo contra la pobreza o entrar de un salto en la economía del conocimiento, optar entre el mercado externo y el consumo interno. A mi ver, todas estas cosas deben abordarse simultáneamente. Distribuir renta, por ejemplo, es una exigencia moral, pero también una premisa para el crecimiento. De ahí la importancia de la política económica”.

En comentarios como este se basan los que atribuyen a Dilma ejercer un pragmatismo desideologizado. A mí no me lo parece. Creo más bien que su popularidad radica en el triunfo de la política, en el reconocimiento de que son las decisiones políticas las que determinan el devenir de la economía, los mercados incluidos. También en su capacidad de decidir, que ha hecho que la tilden de autoritaria.

Con mi estancia en la cárcel comprendí que el régimen militar desaparecería

“El trípode en el que hemos apoyado nuestra acción es bien simple: cuentas públicas austeras, inflación bajo control y acumulación de reservas en divisas para proteger nuestra moneda de la especulación, lo que fortalece nuestro sector externo. Pero al mismo tiempo nos pusimos a construir un mercado interno, sobre todo combatiendo un déficit habitacional formidable. Bajamos además los tipos de interés para evitar las inversiones extranjeras directas especulativas. Creamos así instrumentos de crédito que facilitaran el acceso a la vivienda a los poseedores de rentas medias y bajas. Vamos a entregar un millón de casas nuevas y vamos a contratar dos millones más. Hay quien dice que con esta política en Brasil se va a formar una burbuja, pero no corremos ningún riesgo al respecto”. ¿Ninguno? ¿No será que la gente no ve la burbuja cuando está dentro de ella? “Ningún riesgo. Estamos muy lejos de nada semejante. Ni siquiera tenemos un buchito de agua en el que pueda formarse una pompa de jabón”.

Pese al optimismo de esta narración, Brasil enfrenta serios problemas que impiden un crecimiento más rápido y equilibrado. El milagro de su economía se basa fundamentalmente en la exportación de materias primas, agroalimentarias y minerales. El país tiene deficiencias importantes en infraestructuras y suministro de energía, que la propia Dilma, como ministra del ramo durante el Gobierno de Lula, comenzó a paliar con su programa Luz para Todos. Los proyectos que tratan de dar respuesta a estas carencias, como las presas hidráulicas en el Amazonas, convocan la oposición de los ambientalistas y las tribus indígenas, apoyados en sus reivindicaciones por famosos como Sting o Sigourney Weaver. Otros países de la región, singularmente Perú, se han topado con similares obstáculos a la hora de explotar yacimientos auríferos, lo que demora enormemente los proyectos. “La única manera de abordar este tema es realizar audiencias públicas, tantas cuantas sean necesarias. Hicimos hasta 25 para las presas de San Antonio y Jirau. Pero organizar un diálogo no significa pasarse un siglo discutiendo. Los ciudadanos tienen que aceptar lo que es razonable, exigir que las empresas privadas cumplan con sus compromisos y, finalmente, asumir que llega un momento en que el propio debate se acaba. En las represas que he citado llegamos a debatir cómo y cuándo un pez podía pasar de un lado al otro del río. Además, después de ese proceso, quedan los recursos ante el ministerio público. De manera que cuando una presa comienza a construirse se han sorteado todas las barreras imaginables. Aquí no existe otra forma de hacer las cosas”.

Semejantes audiencias pueden durar hasta un año o año y medio, e incluso más, por culpa de la muy exigente y rígida burocracia brasileña, con lo que los viajeros extranjeros que llegan por estas fechas al país se sorprenden del retraso evidente en la construcción de infraestructuras necesarias para la celebración de la Copa del Mundo de Fútbol en 2014 y los Juegos Olímpicos de Río de Janeiro en 2016. La escasez y poca funcionalidad de los aeropuertos, la deficiente red de carreteras, la debilidad de la oferta hotelera, y el propio retraso en la construcción de instalaciones deportivas saltan a la vista. El Gobierno asegura no obstante que no hay que preocuparse: dos estadios nuevos van a inaugurarse el próximo diciembre en Fortaleza y Belo Horizonte, y este mismo mes se privatizará la gestión de algunos aeropuertos. Por lo demás, prepara licitaciones para la construcción de nuevas vías férreas, puertos y carreteras. “En este sector las empresas españolas son muy competitivas. OHL fue aquí una de las grandes pioneras en hacer autopistas, y a precios bien asequibles. A la Cumbre Iberoamericana de Cádiz voy a viajar con un grupo de inversores privados con los que eventualmente puedan asociarse los españoles y vamos a presentar un plan sobre inversiones disponibles en el área de infraestructuras”.

El trípode en el que hemos apoyado nuestra acción es simple: cuentas austeras, inflación baja y reservas en divisas

El otro gran desafío es la educación, en un país con más de un 10% de analfabetos funcionales entre la población por encima de los 15 años. “En mi proyecto de hacer de Brasil un país de clases medias, tengo que enfrentar simultáneamente la lucha contra la pobreza y garantizar padrones educativos similares a los del primer mundo. Todos los niños de Brasil van a tener un nivel mínimo de lectura y escritura y manejar operaciones matemáticas hasta determinado año. Después es preciso que tengan una educación a tiempo integral para que puedan ingresar en la escuela con un cierto nivel, de modo que estoy hablando de guarderías. No tengo dinero para financiar un plan así para todo el mundo, pero sí para la población más pobre. Para la clase media ya existen guarderías de buena calidad. Guarderías y preescolar: eso construye el futuro. Además nos inspiramos en algunos modelos alemanes, y nos estamos asociando con nuestra querida señora Merkel para establecer programas de enseñanza técnica profesional como alternativa a la universidad. En esta trabajamos por una universidad pública de excelencia, contratando profesores visitantes de nivel mundial. Hemos aprobado una ley que establece que el 50% de las becas para las universidades públicas sea para los alumnos de la escuela pública y para los de rentas más bajas y los negros. Porque ahora todos los alumnos de la enseñanza privada van a la universidad pública también”.

Infraestructuras y educación: un programa que recuerda como ningún otro a la escuela y despensa del regeneracionismo español. Pero también industria (“Brasil no puede ser un país de servicios”), desarrollo tecnológico, potenciación del sector automovilístico y sus empresas auxiliares, desarrollo siderúrgico y agroalimentario. Lleva dos años en el poder y dentro de dos podrá presentarse para un segundo mandato. ¿En seis años va a poder hacer todas esas cosas? “¿En cuántos años dice? No sé. Voy a dejar una buena contribución a ese programa. Lula estuvo dos legislaturas y me transmitió un gran legado. Yo pretendo hacer lo mismo con quien me suceda. Si van a ser cuatro u ocho años solo el pueblo brasileño lo sabe”.

Y en ese periodo, junto a las transformaciones económicas, ¿cambiará también el sistema político? ¿Cuál es el futuro de la democracia brasileña? Lula dijo que habían conseguido que Brasil fuera un país previsible. “No solo eso, nuestra democracia es también muy rica en términos de debate. Estamos acostumbrados a discutir en torno a una mesa, es todo un hábito entre nosotros. A Bill Clinton eso le llamó la atención. La democracia brasileña está acostumbrada a dialogar. En algunos países puede causar extrañeza o pavor que la presidente de la República converse con las centrales sindicales. Para nosotros es de lo más normal. A veces estamos de acuerdo y a veces no”. ¿Por qué no enseña eso a los españoles?, le pregunto. “Cada uno tiene su sistema, ¿no? Pero países complejos como los nuestros exigen diálogo y participación. La experiencia dicta que es bueno plantar cara a los conflictos”.

La mejor cosa que vemos en China es que sabe definir sus metas

Hablamos de los medios de comunicación, de las dificultades que los nuevos sistemas de opinión pública, las redes sociales, generan a quienes ocupan el poder. “Siempre he dicho que la prensa brasileña comete excesos, pero los prefiero al silencio de la dictadura. De cualquier manera en este país ya no existe algo que era tradicional entre nosotros: un formador de la opinión. Desde hace 10 años tomamos las decisiones políticas en función de lo que beneficia a los brasileños, no por preconceptos ideológicos o de cualquier otro tipo. El pueblo no se deja manipular en absoluto”. Después me recuerda que no tuvo el apoyo de la prensa ni los grandes medios durante la campaña presidencial, pero sin embargo logró un 56% de los votos en las elecciones.

Celebramos la entrevista el pasado lunes 12 de noviembre, el mismo día que fueron hechas públicas las penas de cárcel por corrupción contra José Dirceu, fundador junto con Lula del PT, primer jefe de Gabinete del anterior presidente, sustituido en el cargo precisamente por Dilma cuando se vio obligado a dimitir por el escándalo del llamado caso mensalao. Conocí la sentencia a la salida de mi encuentro con Rousseff, por lo que es más que probable que ella la conociera cuando hablaba conmigo. El juicio, en el que Dirceu asegura haber sido condenado sin pruebas, estuvo trufado de intereses políticos y de una abrumadora campaña mediática en contra de los acusados, cuyo objetivo indudable era salpicar la figura del propio Lula da Silva. “Pocos Gobiernos han hecho tanto por el control del gasto público como el del presidente Lula. Entonces abrimos el Portal de Transparencia, con todas las cuentas públicas al alcance de quien quiera consultarlas. También hicimos una Ley de Acceso a la Información que obliga a divulgar los salarios de los dirigentes. Estoy radicalmente a favor de combatir la corrupción, no solo por una cuestión ética, sino por un criterio político. Hablo ahora de la corrupción de los Gobiernos, no la de otro tipo como la de las empresas, que también existe. Un Gobierno es 10.000 veces más eficiente cuanto más controla, más fiscaliza y más impide. No hay términos medios en este aspecto, ni componendas de ninguna clase, lo que en Brasil se llama medio embarazos. Ha habido diversos procedimientos jurídicos en este terreno y como presidente de la República no puedo manifestarme sobre las decisiones del Tribunal Supremo Federal. Acato sus sentencias, no las discuto. Lo que no significa que nadie en este mundo de Dios esté por encima de los errores y las pasiones humanas”.

Las pasiones humanas y las políticas, le apunto.

“Tal vez estas sean de las mayores. Pertenecemos a una generación que ha vivido intensamente. Como me dijo el presidente Mujica de Uruguay: ‘Nuestra generación luchó mucho y vaya burradas que cometimos, ¿eh, Dilma?’ [El actual presidente uruguayo participó también en la guerrilla armada contra la dictadura de su país].

Es un hombre muy divertido. Siguió diciéndome que él había tenido la época de la política, la de la pasión, la de esto y aquello, la época del Gobierno…

—Pero cuando me convertí en presidente yo estaba en la época de las flores— añadió, porque él planta flores”.

Luego se levanta, entre tímida y divertida. Me tiende la mano y me dice a modo de despedida: “Esa es también mi época, estoy en la de las flores”.

27/07/2012 - 17:00h A presidente Dilma Rousseff e a ópera

sexta-feira, 27 de julho de 2012

ARTIGO DE ALI HASSAN AYACHE NO BLOG DE ÓPERA E BALLET.

Dilma (de costas) com a filha no "Royal Opera House", em Londres
Dilma Rousseff (de costas) com a filha Paula no Royal Opera House em Londres. Foto Lenadro Colon- Folhapress

A Presidente da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff está em visita oficial a Londres para acompanhar a abertura dos jogos olímpicos. Mas não é só o esporte ou política que interessam a presidente. No último dia 25 de Julho Dilma Rousseff assistiu ao espetáculo “Operalia”, organizado pelo tenor e ultimamente barítono Plácido Domingo, este visa à descoberta de novos talentos da ópera.

Quando o teatro londrino Royal Opera House soube que a reserva do camarote era para a presidente não cobrou a dolorosa. Olha que o valor da encrenca beirava aos R$ 2700, 00 (dois mil e setecentos reais) . A presidente esteve em companhia da filha Paula e a ministra Helena Chagas (comunicação social) e Marco Maia.

Outro camarote foi ocupado pelos ministros Aloizio Mercadante (Educação), Marco Antônio Raupp (Ciência e Tecnologia) e Antonio Patriota (Relações Exteriores) , nesse a dolorosa foi dividida entre eles.  “Cada um pagou o seu, foi o que a presidente mandou”, afirmou Mercadante. Espero que não tenha sido com cartão corporativo do governo.

O gosto da presidente por ópera já era de meu conhecimento , em uma conversa com o maestro Neschling, quando ainda era candidata a presidência , Dilma Rousseff desfilou sabedoria operística. Segundo uma nota publicada no blog do maestro em 29/06/2010 : “Estive ontem num jantar de um grupo de artistas e intelectuais com a Ministra Dilma Rousseff, candidata à Presidência da República. Fiquei impressionadíssimo com ela. Puxando a brasa para a nossa sardinha, descobri que Dilma é uma amantíssima da ópera e conhecedora real do repertório lírico. Conversamos sobre “Jenufa” de Janacek, “Peter Grimes” de Benjamin Britten, “Lady Macbeth de Minsk” de Shostakovitch e sobre o Don Giovanni que estou preparando no Teatro Colón. Falamos de algumas de suas ópera preferidas, entre elas Elektra e Salomé de Strauss e Dilma recitou na hora as primeiras frases do egípcio Narraboth, do início de Salomé. Comentou a impropriedade política do libreto quando comenta a conversa dos judeus, e concordamos que hoje em dia seria impossível musicar um libreto com essas características sem o ataque imediato dos politicamente corretos. No século XIX, porém, era possível fazer um comentário como este, sem que se pensasse imediatamente nas consequências trágicas do anti-semitismo político que se seguiria.”

Realmente temos uma presidente que entende e gosta de ópera, pelo relato apresentado acima percebemos que Dilma Rousseff tem conhecimento profundo sobre o assunto. Podem criticar seu governo, mas quando o assunto é cultura, de presidente nós estamos bem representados.

Ali Hassan Ayache

07/05/2012 - 08:13h Dilma cumprimenta Hollande e fala em aperto fiscal

Presidente lembra de promessas de políticas que favoreçam justiça, emprego e inclusão

06 de maio de 2012

Wilson Pedrosa/AE

Dilma disse em mensagem que acompanhou com interessa as propostas de Hollande para a crise - Wilson Pedrosa/AE

Dilma disse em mensagem que acompanhou com interessa as propostas de Hollande para a crise


Marta Salomon – O Estado SP

BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff defendeu que o aperto fiscal seja acompanhado por políticas de crescimento e inclusão social na França ao cumprimentar o novo presidente eleito, François Hollande, pela vitória. Em mensagem encaminhada neste domingo, 6, à noite, a presidente aproveitou para convidar o colega para a Rio+20, a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, em junho, no Rio de Janeiro. “Acompanhei com grande interesse suas propostas de vencer a crise que enfrenta a Europa com responsabilidade macroeconômica, mas, sobretudo, com políticas que favoreçam o crescimento, o emprego, a inclusão e a justiça social. Estou segura que poderemos compartilhar posições comuns nos foros internacionais – dentre eles o G20 – que permitam inverter as políticas recessivas, ainda hoje predominantes, e que, no passado, infelicitaram o Brasil e a maioria dos países da América Latina”, disse a presidente.

A seguir, a íntegra da mensagem:

Quero transmitir-lhe meus mais efusivos cumprimentos por sua eleição para a presidência da França. Acompanhei com grande interesse suas propostas de vencer a crise que enfrenta a Europa com responsabilidade macroeconômica, mas, sobretudo, com políticas que favoreçam o crescimento, o emprego, a inclusão e a justiça social. Estou segura que poderemos compartilhar posições comuns nos foros internacionais – dentre eles o G20 – que permitam inverter as políticas recessivas, ainda hoje predominantes, e que, no passado, infelicitaram o Brasil e a maioria dos países da América Latina. França e Brasil estão unidos por ambiciosos projetos bilaterais, como consequência da aliança estratégica que estabelecemos. Estou segura que daremos continuidade a essa cooperação nos próximos anos. Reiterando minha saudação por sua vitória, espero poder tê-lo entre nós, aqui no Brasil, em junho próximo, na Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Receba, prezado Presidente, meu apreço e simpatia,

Cordialmente,

Dilma Rousseff

Presidenta da República Federativa do Brasil

10/04/2012 - 09:23h Dilma cobra papel dos EUA contra ‘políticas monetárias expansionistas’

10 de abril de 2012

VERA ROSA / ENVIADA ESPECIAL, DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON – O Estado de S.Paulo

Na conversa de uma hora e meia com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na Casa Branca, a presidente Dilma Rousseff cobrou ontem mais responsabilidade do colega no enfrentamento da crise econômica mundial e isentou a China das consequências pela desvalorização artificial de sua moeda. Embora reconheça a retomada americana como fundamental para a economia global a médio prazo, a brasileira condenou a tática do país para estimular o mercado interno em prejuízo dos demais – em especial, dos emergentes.

“Precisamos ter clareza de que a responsabilidade de todos nós, nesse processo de contenção da crise, de retomada (do crescimento) é compartilhada”, afirmou Dilma, em entrevista sem a presença de Obama, no hotel em que está hospedada. “Ninguém pode falar: ‘Não, eu não tenho responsabilidade, não tenho nada com isso. Não é bem assim.”

Dilma já havia adotado o tom crítico ao papel de seus anfitriões na economia global ainda na Casa Branca, logo após a conversa com Obama. “Essas políticas monetárias, solitárias no que se refere às políticas fiscais, levam à valorização das moedas dos países emergentes, levando ao comprometimento do crescimento desses países”, afirmou a presidente.

Na entrevista coletiva, depois de deixar a Casa Branca, Dilma insistiu na tese. “Apostar só em políticas monetárias expansionistas leva a um verdadeiro tsunami monetário”, afirmou, repetindo expressão usada desde o encontro com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em março. Naquela ocasião, a chanceler alemã rebateu a crítica, condenando “medidas protecionistas unilaterais”.

‘Joãozinho’. Na entrevista coletiva, Dilma chegou a usar uma expressão mineira (Joãozinho do passo certo) ao comentar as relações bilaterais entre os dois principais países do continente. A presidente afirmou que ninguém é dono da verdade e que o Brasil não tem apenas divergências com os Estados Unidos. “Não podemos acreditar – principalmente nós, as duas maiores democracias do continente -, que todo mundo é Joãozinho do passo certo. Nós não somos Joãozinho do passo certo, nem do passo errado.”

A crítica ao modo como os países europeus e os Estados Unidos têm lidado com a crise econômica global vem sendo citada por Dilma em cada encontro do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do G20, grupo das economias avançadas e emergentes. Mas foi encorpada pelo apoio de todos os parceiros do Brasil na cúpula dos Brics, grupo do qual também fazem parte Rússia, Índia, China e África do Sul.

Isso explica em parte porque Dilma, embora tenha batido na tecla de que a resposta à instabilidade provocada pela manipulação cambial exige ação conjunta e imediata, eximiu a China desse processo. “Os Estados Unidos são um país diferente do resto do mundo. Eles emitem moeda”, argumentou Dilma, ao dizer que a contribuição da China seria diferente porque o país asiático atrelou sua moeda ao dólar.

A brasileira já havia dito ao colega americano que os efeitos da política monetária sobre a América Latina são uma preocupação na região, e o tema será tratado na Cúpula das Américas, no próximo fim de semana, em Cartagena (Colômbia).

Mais tarde, diante de empresários dos dois países, Dilma foi mais didática ao explicar o efeito das medidas monetárias dos EUA na valorização do real e exercitou seu estilo pragmático. “O governo brasileiro tem tomado e continuará tomando todas as medidas necessárias para neutralizar os efeitos nocivos do afrouxamento monetário dos países desenvolvidos”, afirmou a presidente, ao encerrar o seminário Parceria para o Século 21, promovido pela Câmara de Comércio dos EUA. “Nós temos reiterado que o Brasil repudia toda forma de protecionismo, especialmente essas medidas que se configuram como uma espécie de protecionismo cambial.”

Mesmo com as cobranças, a presidente afirmou que a conversa a portas fechadas com o americano, seguida de almoço na Casa Branca, foi “muito positiva”. E acentuou que a retomada da economia americana é imprescindível para a melhoria da perspectiva mundial a médio prazo.

Na parte pública do encontro, porém, nenhum dos dois líderes deu sinal de sincero entrosamento. Dilma mostrava-se tensa, com papéis à mão, e desconfortável. Falou à imprensa durante quase 21 minutos – três vezes mais que o tempo gasto por Obama em sua declaração. Por acordo entre o Palácio do Planalto e a Casa Branca, os jornalistas não puderam fazer perguntas. Por sua vez, nenhum dos presidentes tocou em temas sensíveis, como o pleito do Brasil por uma vaga no Conselho de Segurança da ONU.

No fim do dia, Dilma jantou na embaixada brasileira com personalidades como as ex-secretárias de Estado Madeleine Albright (Bill Clinton) e Condoleezza Rice (George W. Bush) e o ex-presidente Jimmy Carter.

05/04/2012 - 08:45h Dilma atinge 77% de aprovação

Por Raquel Ulhôa | VALOR

De Brasília

A aprovação pessoal da presidente Dilma Rousseff aumentou cinco pontos percentuais desde dezembro de 2011 e alcançou recorde (77%), segundo pesquisa realizada pelo Ibope para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), no mês de março. Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva tinham, nessa fase dos seus primeiros mandatos, 60% e 54%, respectivamente.

O percentual de entrevistados que consideram o governo Dilma “ótimo” e “bom” (56%) manteve-se no mesmo nível de dezembro, mas o percentual é bem maior que o dos antecessores FHC (41%) e Lula (34%), no mesmo período.

Na avaliação da atuação do governo, a política de juros é a mais mal avaliada, mantendo-se praticamente no mesmo índice de desaprovação de dezembro (de 66% para 65%, portanto dentro da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos). Também são mal avaliadas as áreas da saúde (63% de desaprovação) e segurança pública (61%). O maior crescimento no percentual de aprovação foi registrado para as ações relativas ao meio ambiente. Também são bem avaliadas as áreas de combate à fome e à pobreza e ao desemprego. São sinais de alerta os índices de que 50% desconfiam da maneira como a presidente combate a inflação e a forte rejeição da população ao aumento de impostos.

O fato de a popularidade de Dilma ter crescido mais do que a aprovação do governo pode ser explicado, segundo o gerente-executivo de Políticas Econômicas da CNI, Flávio Castelo Branco, à “postura firme” com que a presidente agiu em relação à sua base aliada no Congresso e às denúncias de irregularidades do seu governo, trocando ministros envolvidos. “Isso mostra, talvez, uma separação da percepção da população em relação a essas características pessoais, vistas como positivas.”

Um dado favorável a Dilma é o crescimento das notícias positivas relacionadas ao governo que foram citadas espontaneamente pelo entrevistados. Houve redução expressiva na lembrança de notícias sobre corrupção: foram lembrados por 28% em dezembro e agora, por 5%.

As notícias mais lembradas referem-se a programas sociais e ações voltadas para as mulheres e as viagens internacionais da presidente – principalmente Cuba e Alemanha. O período de entrevistas coincidiu com as comemorações do Dia da Mulher e com viagens presidenciais.

A pesquisa mostra haver aumentado também a confiança da população na presidente Dilma, de 68% em dezembro para 72%. A aprovação de sua maneira de governar é maior no Nordeste (82%), mas houve crescimento também na região Sudeste (69% para 75%). A aprovação do estilo Dilma de governar diminui entre os entrevistados com maior grau de instrução.

Para Castelo Branco, a popularidade recorde da presidente Dilma Rousseff dá a ela “capital político com densidade para enfrentar questões legislativas de natureza complexas”, que exigem grande apoio parlamentar, como reformas no sistema tributário.

Ele cita o exemplo do projeto de resolução do Senado número 72, que reduz e uniformiza as alíquotas do ICMS em operações interestaduais sobre importação – uma reivindicação do setor produtivo. “O projeto pode ser um exemplo. Apenas de fortes resistências de caráter federativo, o Executivo está sendo bastante enfático na defesa da proposta”, diz ele.

A pesquisa CNI/Ibope foi realizada de 16 a 19 de março de 2012, com 2.002 pessoas sendo entrevistadas, em 142 municípios de todo o país. Para Castelo Branco, as variáveis econômicas são as mais levadas em conta pela população, na avaliação do governo. Ele lembra que, apesar de alguns problemas recentes nessa área, houve, por outro lado, no período entrevistado, aumento do salário mínimo e o desemprego baixo.

O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), atribuiu o resultado a “sobras de momentos anteriores onde a economia andou bem e onde o emprego existiu”. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que a pesquisa reflete “um dado de momento” e que, posteriormente, a população cobrará resultados “concretos” em áreas sensíveis, como saúde, infraestrutura e segurança pública. Já o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), disse que “há muita generosidade” por parte da população em relação ao primeiro ano de mandato. Para ele, foi dado “um voto de confiança” à presidente, mas, a partir do segundo ano, “virá uma avaliação de maior profundidade”. (Colaboraram Raymundo Costa e Bruno Peres)

Corrupção perde força entre os temas mais lembrados

Por Cristiane Agostine | VALOR

De São Paulo

Os programas sociais e as ações do governo voltados para as mulheres foram os assuntos mais lembrados pela população sobre o governo Dilma Rousseff, segundo pesquisa realizada pelo Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada ontem. Em dezembro de 2011, a corrupção era o assunto mais citado pelos entrevistados sobre a gestão Dilma.

Naquela rodada da pesquisa, em dezembro, 28% citaram alguma notícia sobre corrupção no governo federal. Em 2011, primeiro ano do mandato de Dilma, sete ministros deixaram o governo, seis sob suspeita de irregularidades. Neste levantamento, o percentual de entrevistados que citaram o problema caiu a 5%, mesmo com a queda de Mário Negromonte (PP) do Ministério das Cidades, em fevereiro, sob suspeita de favorecimento político.

A pesquisa CNI/ Ibope traz dois temas positivos como os mais lembrados pela população sobre a gestão da presidente. Os programas sociais para as mulheres foram citados por 9% dos entrevistados e as viagens de Dilma, por 7%.

Segundo análise feita pela CNI, houve o “crescimento das notícias positivas” sobre o governo federal, fato que ajuda a “justificar o crescimento da popularidade da presidente”.

Ao comentar o assunto mais lembrado pelos entrevistados – as ações sociais voltadas para as mulheres -, o gerente-executivo de Políticas Econômicas da CNI, Flávio Castelo Branco, citou ações da presidente em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, em 08 de março. A pesquisa Ibope foi realizada na semana posterior, entre os dias 16 e 19.

Por ocasião do dia das mulheres, Dilma fez um pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, no qual destacou “a importância da mulher nos programas sociais”. A presidente destacou que 93% dos cartões do Bolsa Família estão em nome de mulheres – mais de 19 milhões de mulheres – e 47% dos contratos da primeira etapa do Minha Casa, Minha Vida foram assinados por mulheres. Dilma falou de um programa do governo federal voltado para a formação profissional e tecnológica para a inserção de mulheres no mercado de trabalho; do Rede Cegonha, que já atendeu 930 mil gestantes e reforçou a promessa de construir seis mil novas creches e pré-escolas até 2014.

Apesar da mudança da percepção dos entrevistados sobre a corrupção no governo federal, a pesquisa mostra que a substituição de ministros está entre os assuntos mais lembrados. Dos ouvidos pelo Ibope, 4% lembraram da substituição no Ministro da Pesca e outros 4% da troca no comando do Ministério do Desenvolvimento Agrário. As mudanças nas duas Pastas, no entanto, não estão vinculadas diretamente a denúncias de corrupção.

04/04/2012 - 20:11h Em encontro, Dilma defende novas usinas hidrelétricas

04 de abril de 2012

JOÃO DOMINGOS E RAFAEL MORAES MOURA – Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff aproveitou uma reunião com os integrantes do Fórum do Clima, no Palácio do Planalto, para avisar de vez a grupos ambientalistas que lutam contra a construção de usinas hidrelétricas na Amazônia que o governo não mudará seu projeto de aumento da oferta de energia e de desenvolvimento da região. Ela chegou a dizer que essas pessoas contrárias à construção das hidrelétricas vivem em um estado de “fantasia”.

Ao se referir à participação do Brasil na Rio+20, a conferência das Nações Unidas que será realizada em junho, no Rio de Janeiro, Dilma lembrou aos que estavam na reunião que o mundo real não trata de tema “absurdamente etéreo ou fantasioso”. Dilma disse que o Brasil vai trabalhar, sim, pelo desenvolvimento sustentável, para tirar as pessoas da pobreza, para encontrar formas de conciliar o progresso com o respeito ao meio ambiente.

“Ninguém numa conferência dessas também aceita, me desculpem, discutir a fantasia. Ela não tem espaço, a fantasia. Não estou falando da utopia, essa pode ter, estou falando da fantasia”, afirmou Dilma. Pouco antes, ao se pronunciar no Fórum do Clima, a representante das ONGs, Sílvia Alcântara, acusara o governo de estar promovendo um retrocesso na questão ambiental e de, com o pré-sal, estar levando o Brasil a ocupar o terceiro lugar entre os países que mais emitem gases de efeito estufa já em 2020. Em um pequeno pedaço de papel, Dilma anotou tudo o que a ambientalista falou.

Sem se referir diretamente ao que Sílvia havia falado, Dilma defendeu a energia de fontes hidráulicas e desdenhou da energia eólica e solar, ambas defendidas pelos grupos mais radicais como alternativa às hidrelétricas. Disse que,como presidente, tem de explicar como as pessoas vão comer, ter acesso à água e energia. “Eu não posso falar: ”Olha, é possível só com eólica iluminar o planeta. Não é. Só com solar? De maneira nenhuma”.

A presidente disse que foi à Espanha, país citado sempre como referência no aproveitamento da energia eólica, e viu que há oito meses as pás de vento não funcionavam. “Não havia vento”, disse ela. “Eu, quando comecei a mexer com esse negócio de energia, cheguei a contar vento. Isso foi no Rio Grande do Sul”. Para Dilma, a energia eólica deve servir como uma espécie de reservatório para a energia de fonte hidráulica, quando houver escassez de chuvas. “Reservatório de água a gente faz. Mas não faz reservatório de vento”, disse a presidente. “Deus nos ouça que a eólica consiga ser reservatório de hidrelétrica no Brasil. Deus nos ouça. Vamos ter de suar a camiseta tecnicamente, não é falta de vontade política, é tecnicamente”.

A respeito da participação do Brasil na Rio+20, a presidente afirmou que o País pretende exercer um papel de líder na conferência. “Encontrar um caminho comum é um processo difícil. Desta vez, eu acho que temos uma missão até mais difícil, que é propor um novo paradigma de crescimento”. Para Dilma, na Rio + 20 todos os temas vão se encontrar: “Mudança de clima, biodiversidade, redução da pobreza, direito a energia, melhores condições de vida, enfim, como é o futuro do mundo, é isso que vamos discutir na Rio+20. É um ponto de partida mais do que ponto de chegada. Desta vez temos de mudar o patamar da discussão. Nós acumulamos muitas coisas, acumulamos em todas as conferências do clima, em todas as discussões sobre florestas, água. Agora vamos ter de discutir isso na ótica das populações, dos governos, das comunidades científicas, dos organismos da sociedade civil, organizados ou não”.

04/04/2012 - 13:01h Firmeza e estilo explicam aprovação de Dilma, avalia CNI

04 de abril de 2012

RICARDO BRITO E ANDREA JUBÉ VIANNA – Agência Estado

O gerente de Políticas Econômicas da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, atribuiu à “firmeza” na condução de conflitos com ministros e a base aliada e a um “estilo próprio de governar” o crescimento na aprovação pessoal da presidente Dilma Rousseff. A pesquisa CNI/Ibope divulgada hoje mostrou que a aprovação pessoal de Dilma cresceu de 72% para 77%.

Castelo Branco avalia que o “estilo Dilma de governar” descola-se do próprio governo, cuja avaliação manteve-se estável, com 56% de conceitos “ótimo” e “bom”, enquanto sua avaliação pessoal cresceu. “A leitura é que ela transmite para a população uma personalidade própria, com característica diferente em relação ao seu antecessor”.

Para o analista da CNI, o resultado da pesquisa reflete a “faxina” comandada pela presidente, na substituição de ministros que estavam em pastas alvos de denúncias da imprensa. Segundo ele, a “firmeza” demonstrada por Dilma na substituição de ministros passou aos entrevistados “maior controle sobre os problemas das pastas” e “mais presença na administração”.

A pesquisa mostrou que o índice de aprovação pessoal da presidente subiu de 72% para 77% em relação a dezembro. A aprovação pessoal dela atingiu 82% na Região Nordeste. Também subiu na Região Sudeste, de 69% para 75%.

04/04/2012 - 12:51h Governo Dilma atinge 77% de aprovação

Andre Dusek/AE

Governo Dilma é considerado 'ótimo' ou 'bom' por 56% dos brasileiros - Andre Dusek/AE

Governo Dilma agrada 77% dos brasileiros, aponta CNI/Ibope
Estatística alcançada pela presidente subiu 5 pontos percentuais em relação ao último levantamento
04 de abril de 2012

estadão.com.br

SÃO PAULO – A popularidade da presidente Dilma Rousseff bateu os 77%, segundo apontou a pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quarta-feira, 4. O levantamento mostrou que o índice de satisfação com o governo subiu 5 pontos percentuais em relação à última pesquisa, que mediu 72% de aprovação. A avaliação foi classificada como “ótima” ou “boa” por 56% dos brasileiros, mesmo resultado obtido na pesquisa anterior, em que Dilma bateu o recorde histórico da pesquisa CNI/Ibope para o primeiro ano de mandato.

A confiança dos brasileiros na presidente também oscilou: saltou de 68% para 72%, conforme apontou a pesquisa CNI/Ibope.

A pesquisa revelou também que mais da metade da população – 60% – considera que o governo Dilma está sendo igual ao do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

As notícias mais lembradas pelos pesquisados sobre o governo foram sobre políticas para as mulheres e viagens da presidente. Dos outros temas pesquisados pela CNI Ibope, o combate à fome, meio ambiente e combate ao desemprego apresentaram maiores percentuais de aprovação. As contrapartidas ocorreram nas áreas de impostos (com 65% de reprovação), saúde (com 63%) e a segurança pública (com 61%), pontos com as piores avaliações, segundo apontou o levantamento.

Comparativamente, a pesquisa constatou também que o governo de Dilma tem popularidade maior que a dos seus antecessores Lula e Fernando Henrique Cardoso no primeiro ano de mandato.

A pesquisa foi realizada entre 16 e 19 de março, com 2.002 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais e para menos.

28/01/2012 - 10:32h A Dilma da Dilma

Quais os planos e o que representa a ida para o comando da Petrobras de Maria das Graças Foster, engenheira de reconhecida capacidade técnica, que, há 32 anos na gigante do setor energético, conquistou a admiração da presidenta da República

Adriana Nicacio e Izabelle Torres – ISTOÉ

chamada.jpg
ENÉRGICA
Dona de perfil técnico, Graça Foster assume a
Petrobras com perspectivas de choque de gestão

Em 22 de dezembro de 2011, uma rápida visita da presidenta Dilma Rousseff ao seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, selou o futuro da Petrobras. No encontro em São Paulo, Dilma entregou a Lula um Papai Noel feito de material reciclado, presente enviado por catadores de lixo do Estado, e avisou: “Presidente, vou trocar o Gabrielli.” Se no início do mandato de Dilma ele pediu que mantivesse José Sérgio Gabrielli na presidência da Petrobras, desta vez Lula decidiu não interferir. E não precisou perguntar quem seria o substituto. Desde que foi eleita, Dilma sonhava em colocar a engenheira química Maria das Graças Foster no comando da terceira maior empresa de energia do mundo, mas não sabia como nomeá-la sem se desgastar com Lula. Tomou a decisão em outubro quando levou Graça Foster em sua pequena comitiva na viagem afetiva à Bulgária, terra dos Rousseffs. E comunicou a Lula que a troca seria anunciada em janeiro, durante a minirreforma ministerial. Dilma explicou ao ex-presidente que confia na competência de Graça, atual diretora de gás e energia da companhia, para realizar as metas de produção de combustíveis e de exploração do pré-sal, um fator importantíssimo para o desenvolvimento do País.

Em suma, ela põe a mão no fogo pela competência administrativa de Graça Foster. Um mês depois do encontro com Lula, Dilma autorizou que seus assessores vazassem sua decisão. Os efeitos foram imediatos. O mercado presenciou uma alta no valor das ações da estatal, como não se via havia dois anos. E o mundo político presenciou a mais nova demonstração de que a presidenta está disposta a prezar o perfil técnico nas nomeações do primeiro escalão, deixando em segundo plano as interferências partidárias.

São vários os significados da nomeação de Graça Foster na gigante do setor energético. O principal deles é um maior alinhamento com o Palácio do Planalto e Dilma Rousseff. Graça Foster é amiga da presidenta. As duas se conheceram em 1995, ao se unirem contra a política de privatização do governador do Rio Grande do Sul, Antonio Brito, do PMDB. Anos mais tarde, Dilma era secretária de Energia do governo Olívio Dutra e negociou com Graça Foster, gerente da Petrobras, a construção de um oleoduto no sul do Estado. O zelo e a intransigência da engenheira despertaram a admiração da presidenta, que considera Graça, na Petrobras há 32 anos, um dos melhores quadros técnicos da estatal. De fato, a engenheira conhece como poucos a rotina da empresa e, muitas vezes, em caso de dúvida sobre um número ou uma decisão vai buscar informações pessoalmente nas plataformas. Sua dedicação rendeu R$ 2,6 bilhões em lucro para a estatal até setembro de 2011. O resultado da diretoria de gás e energia só não foi melhor do que o da tradicional diretoria de exploração e produção. Outro exemplo de sua dedicação quase integral à estatal: há cinco anos ela não tira férias.“Graça não só trabalha muito como cobra que todos trabalhem muito”, afirma um dos seus assessores mais próximos. Por isso, no setor de energia, Graça é vista como uma cópia autêntica da presidenta da República, principalmente pela rara disposição para o trabalho e o pavio curto diante de erros de seus auxiliares.

img.jpg
Ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli vai ocupar uma
secretaria na Bahia, de olho nas eleições estaduais de 2014

Quem acompanha a engenheira de perto sabe que quando ela diz que poderia morrer pela Petrobras não está fazendo pura retórica. Espalhou-se pela estatal que das três estrelas tatuadas no antebraço direito de Graça duas representam seus dois filhos e a terceira, a Petrobras. Ela, de fato, é osso duro de roer quando está em jogo o interesse da empresa. Esse é outro significado de sua nomeação. Atendendo aos anseios do Palácio do Planalto, a empresa irá respirar trabalho e será intransigente na defesa dos seus interesses, dizem auxiliares do governo. Espera-se uma gestão eminentemente técnica. O antecessor, Sérgio Gabrielli, apesar dos elogios à sua gestão feitos por integrantes do governo durante a despedida, sempre teve no horizonte claros objetivos políticos. Tanto que, depois de sete anos na presidência da Petrobras, Gabrielli agora investirá num projeto político. Ligado ao PT e ao ex-ministro José Dirceu, ele vai ocupar uma secretaria no governo da Bahia, de onde pretende se cacifar para disputar as eleições estaduais em 2014. Graça, não. Ela é Petrobras Esporte Clube. Entre tantos exemplos, até hoje se comenta a briga de Graça Foster com a Associação Brasileira das Distribuidoras de Gás (Abegás), em abril de 2010, por causa do preço do gás natural. O insumo é cerca de três vezes mais alto no Brasil do que nos Estados Unidos, o que Graça considera um absurdo. O clima de tensão chegou a tal ponto que, por determinação de Graça, a Gaspetro, subsidiária da Petrobras, deixou a associação, apesar de dominar 45% do mercado de gás. A futura presidente da estatal disse, à época, que ficaria ao lado de quem produz, carrega e transporta gás. “Não das distribuidoras que vendem gás”, concluiu. Agora, com Graça Foster à frente da Petrobras, o mercado espera uma nova política para o preço do gás natural.

O nome de Graça Foster será oficializado na próxima reunião do conselho de administração da Petrobras, em 9 de fevereiro. Até lá, ela prefere não fazer comentários sobre sua gestão. Mas ISTOÉ apurou com pessoas próximas a ela quais são os seus principais planos. É quase certo que, com aval de Dilma, fará um choque de gestão na estrutura e no preço dos contratos. Quando assumir a presidência da estatal no dia 14 de fevereiro, nenhuma diretoria continuará a funcionar como um feudo autônomo. Sua ideia é centralizar todas as atividades. Poucos diretores devem permanecer no cargo. Uma das exceções será o diretor de abastecimento, Paulo Roberto Costa. O presidente da Petrobras Distribuidora, José Lima Neto, que tem trajetória muito parecida com a de Graça, deverá ser remanejado para a diretoria de exploração e produção. Para a diretoria de gás e energia, o mais cotado é seu braço direito, Ênio Barreto. Mas o atual presidente da Petrobras Uruguai, Irani Varella, deve retornar ao Brasil para ocupar um cargo de destaque, que pode ser tanto o de Graça quanto a presidência da Petrobras Distribuidora. Na nova gestão, volta à cena José Eduardo Dutra, que presidiu a estatal entre 2003 e 2005. Para abrigar Dutra, deve ser criada uma diretoria corporativa.

O principal desafio de Graça será aumentar a produção petrolífera, que caiu 0,9% no ano passado. Além disso, todos os olhos estão voltados para a meta de dobrar a produção até 2020 e também para a exploração comercial do pré-sal. O diretor da Coppe/UFRJ, professor Luiz Pinguelli Rosa, lembra que em 2010 a Petrobras fez a maior oferta de ações de sua história e se capitalizou em US$ 70 bilhões exatamente para explorar as imensas reservas no pré-sal. Segundo ele, toda a ansiedade é natural, mas o processo exige tempo, investimento e tecnologia. “Graça é rigorosa e preparada. Fez pós-graduação em engenharia nuclear aqui na Coppe. Ela vai dar conta da missão”, afirma. Outra missão da nova comandante da Petrobras será acelerar o plano de investimentos da estatal que prevê 688 projetos, num total de US$ 224,7 bilhões, até 2015. A Petrobras exerce papel fundamental no PAC, com cerca de 40% dos investimentos.

img1.jpg

26/01/2012 - 21:51h Propostas para Europa são ‘receitas fracassadas’, diz Dilma

26 de janeiro de 2012

ANA FLOR – REUTERS – AGÊNCIA ESTADO

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira que “receitas fracassadas” já impostas à América Latina nos anos 1980 e 1990 estão novamente sendo propostas para solucionar a atual crise da dívida na Europa.

Em discurso no Fórum Social Temático, uma versão local do Fórum Social Mundial, ela disse que não ficou satisfeita com o resultado da reunião do G20 em novembro, em Cannes, na França, e que a tarefa atual da sociedade é “desencadear um movimento de renovação de ideias e novos processos absolutamente necessários para enfrentar os dias difíceis”.

“Confesso que não fiquei satisfeita com os resultados… Não é fácil produzir novas ideias e alternativas quando estamos dominados por preconceitos políticos e ideológicos”, afirmou a presidente.

“Conhecemos bem essa história … impingiram aos países da América Latina o modelo conservador que levou nosso país à estagnação, à perda de espaço democrático e soberano, aprofundando a pobreza, o desemprego e a exclusão social. Hoje, essas receitas fracassadas estão sendo propostas novamente na Europa”, disse a presidente.

Em um ginásio ocupado pela militância de partidos e organizações sociais, o discurso da presidente foi recebido com aplausos. Ela citou os movimentos de protesto e de ocupação que surgiram nos últimos anos na Europa e nos Estados Unidos como “sintomas importantes” da dissonância entre governos e seus povos.

“O mundo pós-neoliberalismo não pode ser o da pós-democracia”, disse.

26/01/2012 - 20:30h Para Dilma, brasileiro está ‘vacinado contra neoliberalismo’, mas não é mais possível adotar um discurso anticapitalista

26 de janeiro de 2012

REUTERS – AGÊNCIA ESTADO

A presidente Dilma Rousseff avaliou nesta quinta-feira que a população brasileira está “vacinada” contra o neoliberalismo e disse a um grupo de organizadores do Fórum Social Mundial (FSM) que não é mais possível adotar um discurso anticapitalista.

Em evento fechado com cerca de 80 pessoas, entre elas integrantes da sociedade civil que participarão da conferência Rio+20, marcada para junho no Rio de Janeiro, Dilma defendeu ainda que a parcela não-governamental do evento tenha o lema “Um Outro Mundo é Possível”, que desde 2001 é o lema do FSM.

“Ela (Dilma) garantiu que o povo brasileiro está vacinado contra o neoliberalismo. Mas eu não estou tão certo (que o povo está vacinado)”, disse o sociólogo português e professor da Universidade de Coimbra, Boaventura de Sousa Santos, integrante da organização internacional do evento.

As declarações da presidente foram relatadas aos jornalistas também pelo teólogo Leonardo Boff e pelo empresário Oded Grajew.

Segundo os relatos, a presidente defendeu diante do grupo que não é mais possível adotar um discurso anticapitalista, pois ele “não dura cinco segundos”.

“Não adianta ser anticapitalista. Precisamos de alternativas”, teria dito a presidente, de acordo com os relatos.

Dilma segue ainda nesta quinta-feira para um encontro aberto com todos os participantes do Fórum no ginásio Gigantinho, em Porto Alegre. A presidente retorna ainda na noite desta quinta-feira a Brasília.

(Reportagem de Ana Flor)

31/12/2011 - 17:57h Ollanta Humala y Dilma Roussef, personalidades del año 2011

SEGÚN ENCUESTA DEL GRUPO DE DIARIOS DE AMÉRICA (GDA)

Ollanta Humala, figura clave en América Latina

Comparte el primer lugar del sondeo con presidenta Dilma Rousseff

Estudio toma opiniones de directivos y editores de once periódicos

Los presidentes del Perú, Ollanta Humala Tasso, y de Brasil, Dilma Rousseff, respectivamente, son los personajes más relevantes de América Latina en 2011, según una encuesta del Grupo de Diarios de América (GDA), que reúne a once importantes diarios de la región.

El estudio incluye las opiniones y respuestas de los principales directivos periodísticos de estos medios de comunicación, tomadas entre noviembre y diciembre de este año.

Humala y Rousseff empataron, con 22 votos cada uno, en la categoría Personajes más Relevantes para Latinoamérica. El primero, porque “cambió su imagen y logró acceder a la presidencia del Perú”; y la segunda, porque “salió a combatir de frente la corrupción”, según publicó ayer La Nación de Argentina.

Ambos dignatarios, que comparten una buena relación y afinidad, iniciaron sus gobiernos en 2011 y tienen aún un amplio mandato por delante.

Otras personalidadesEn el segundo lugar, por el personaje más relevante de la región, se dio otro empate, esta vez entre la presidenta de Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, y el dignatario colombiano, Juan Manuel Santos.

Luego, en la tercera ubicación –según los directivos de los diarios del GDA– figura la lideresa estudiantil chilena Camila Vallejo.A escala mundial, la encuesta ubica a la canciller alemana, Angela Merkel, como la personalidad más relevante, por su importante rol en los esfuerzos para superar la crisis de la eurozona.

Aparece también el presidente de Estados Unidos, Barack Obama, quien “tras un intenso año de crisis económica mundial luchará para lograr la reelección en noviembre de 2012″.

En tercer lugar, figura el egipcio Wael Ghonim, ciberactivista y joven ejecutivo de Google, quien “se transformó en uno de los impulsores de la revuelta que derrocó a Hosni Mubarak, en Egipto”.

Apoyo social

En Andahuaylas, el Presidente Humala se desplazó ayer a la cancha de fútbol de Cuncataca, donde se desarrolló una campaña de ayuda social.

Allí, Ollanta Humala visitó los módulos instalados por representantes y servidores de los ministerios de Salud, Trabajo, Defensa, Interior, Justicia, Agricultura, Vivienda, Construcción y Saneamiento, del Ambiente y Cultura.Asimismo, Transportes y Comunicaciones, de la Mujer y Desarrollo Social y el Ministerio de Desarrollo e Inclusión Social, el Reniec y Defensa Civil.

Reacciones

Juan Varilias Velásquez. Presidente de Adex
“El buen manejo económico y el impulso a las reformas sociales explican el reconocimiento al presidente Ollanta Humala como personaje más relevante de América Latina en 2011. Su estilo de gobierno –caracterizado por la continuidad del modelo económico, las reformas sociales y el cumplimiento de promesas– es bien recibido en los ámbitos local e internacional. Lo interesante es que está cumpliendo lo ofrecido.

“Jorge Bayona Medina. Embajador del Perú en Brasilia 

“El balance de la relación bilateral entre el Perú y Brasil durante este año es muy positivo. Entre tanto, las perspectivas para la cooperación y el intercambio bilateral en 2012 son de las mejores. Los presidentes Dilma Rousseff y Ollanta Humala se han reunido hasta en tres oportunidades en los últimos meses, lo que demuestra la afinidad existente entre ellos y el reconocimiento de la importancia de la agenda bilateral.”

Fecha:31/12/2011

16/12/2011 - 12:14h Aprovação do governo Dilma sobe para 56%, diz CNI/Ibope. Para 57% da população governo Dilma é igual ao de Lula

BRASÍLIA – A aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff subiu de 51% em julho para 56% entre setembro e dezembro, segundo pesquisa do Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada há pouco.

Com o aumento de cinco pontos percentuais, o resultado é o mesmo de março, a melhor avaliação do governo apurada pelo levantamento.

Dos entrevistados, 9% classificaram o governo como ruim ou péssimo, taxa dois pontos percentuais abaixo da última sondagem, em setembro.

A avaliação positiva da presidente também cresceu. Em dezembro, chegou a 72% ante 71% apurados em setembro. Em março, Dilma havia recebido a melhor avaliação positiva, com 73% de aprovação.

A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais. O levantamento foi realizado entre os dias 2 a 5 de dezembro com 2.002 pessoas em 142 municípios.

(Thiago Resende/Valor)

CNI/Ibope: Governo Dilma é igual ao de Lula para 57% da população

Por Thiago Resende | Valor

BRASÍLIA – O governo da presidente Dilma Rousseff é considerado igual ao do ex-presidente Lula para 57% da população, segundo pesquisa do Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta sexta-feira. O índice é 2 pontos percentuais superior ao registrado em setembro.

A parcela de entrevistados que avalia a gestão Dilma melhor que a de Lula recuou no período para 12%, ante 15% de setembro. É o melhor resultado neste primeiro ano da presidente.

Os que consideram o governo Dilma pior ao de Lula, porém, aumentou de 26% para 28%, em dezembro.

(Thiago Resende/Valor)

03/12/2011 - 15:19h Foto mostra Dilma Rousseff durante interrrogatório em 1970


Aos 22 anos, futura presidente estava sendo questionada sobre a participação na luta armada

Estadão.com.br

Foto inédita mostra a presidente Dilma Rousseff durante um interrrogatório em novembro de 1970, na sede da Auditoria Militar, no Rio de Janeiro. Na época, Dilma tinha 22 anos de idade.

As pessoas que escondem o rosto, ao fundo, são os oficiais que questionavam a então guerrilheira sobre sua participação na luta armada que ocorria no País.

Fotografia faz parte do livro A vida quer coragem, que será lançado neste mês pelo pelo jornalista Ricardo Amaral.

29/11/2011 - 17:23h LIVRO REFAZ AÇÃO DE DILMA NO ‘ROUBO DO COFRE’

Obra narra episódio célebre da guerrilha

29 de novembro de 2011

GABRIEL MANZANO – O Estado de S.Paulo

Duas moças bem arrumadas entram no Copacabana Palace, vão ao guichê de câmbio, trocam US$ 1 mil e desaparecem. Uma hora depois, as duas – as guerrilheiras Dilma Vana Rousseff e Maria Auxiliadora, da VAR-Palmares – comemoram com seus companheiros, em um apartamento perto dali, o sucesso da operação. Os US$ 1 mil eram só o tira-gosto de uma fortuna de US$ 2,59 milhões (hoje, cerca de R$ 28 milhões) capturados, na véspera, de uma casa no bairro de Santa Teresa. Dinheiro guardado em um enorme baú de 150 quilos, o célebre “cofre do Adhemar” – cujo roubo foi festejado pelo grupo como “a maior vitória da esquerda armada contra o capitalismo no continente”.

O episódio é uma das muitas histórias dos tempos de Wanda da hoje presidente da República: o período entre 1968, quando aderiu à resistência à ditadura, e 1973, ano em que deixou a prisão em São Paulo, sepultou o codinome e foi estudar economia em Porto Alegre. É um dos bons capítulos do livro O Cofre do Dr. Rui, recém-lançado pelo jornalista e escritor Tom Cardoso. “Dr. Rui” era o apelido de Ana Capriglione, amante de Adhemar de Barros, governador paulista que, diz a lenda, encheu o baú praticando o “rouba mas faz”.

“O que eu tento, no livro, é mostrar o papel real de cada um e o destino do dinheiro”, avisa o autor. E o papel real de Dilma, ouvidos mais de 30 depoimentos, fica mais claro. Segundo o livro, não partiram dela nem a ideia do roubo nem da organização do ataque. Dilma sequer teria participado do grupo de 11 pessoas que, sob o comando de Juarez de Brito, o Juvenal, invadiu em julho de 1969 a casa do irmão de Ana Capriglione para pegar o famoso cofre. “Mas Wanda tinha, sim, grande importância no grupo. Cuidava de planejar, distribuir armas e munição, documentos. Tomou conta de várias malas com os dólares e ajudou a definir sua distribuição”, explica Cardoso.

A militante já era famosa pelas broncas e pela coragem. Defendia a ala “massista”, que sonhava organizar as massas e vivia às turras com os “foquistas”, a turma pesada de Carlos Lamarca, ansiosa por iniciar logo a luta armada. Em um congresso em Teresópolis, ela surpreendeu os camaradas ao encarar o poderoso Lamarca “chamando a atenção para a fragilidade de suas ideias”, segundo Cardoso. Lamarca a apelidara de Mônica, “porque era dentuça e mandona”, como a personagem dos quadrinhos. Ela deu o troco compondo um plágio de País Tropical, de Jorge Ben: “Este é um congresso tropical / Abençoado por Lenin / E confuso por natureza… / Em agosto (em agosto) / Tem Juvenal (tem Juvenal) / E também um capitão chamado Lamarca…”

Mas O Cofre não é um livro sobre Dilma: ela aparece porque estava no caminho da história. O eixo principal das 170 páginas é o tortuoso sumiço do dinheiro pelo qual grupelhos internos pelejavam, às vezes armados e gritando uns com outros. Ao final, o que vem à luz é a rápida caminhada da esquerda armada rumo ao seu fim. Que o autor não cravou em 1971, com a morte de Lamarca, mas em 1985, quando o militante Gustavo Schiller pulou de um oitavo andar em Copacabana. Schiller era o jovem carioca que, nos idos de 1969, havia contado a alguns amigos que no porão de sua própria casa, em Santa Teresa, havia um cofre abarrotado de dólares.

03/11/2011 - 21:49h Em Cannes, Dilma defende ‘bolsa família’ global

Presidente sugere que medida, uma antiga proposta da OIT, seria um caminho possível para o combate às crises econômicas
03 de novembro de 2011

Rogerio Wasserman, da BBC Brasil – CANNES – Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta quinta-feira, 3, durante a reunião de cúpula do G20 em Cannes, na França, uma antiga proposta da OIT (Organização Internacional do Trabalho) para estabelecer uma espécie de programa de renda mínima global, em moldes semelhantes ao programa brasileiro do Bolsa Família.

Dilma disse que “o Brasil tem uma experiência exitosa de enfrentar a crise com inclusão social e geração de empregos” e sugeriu que esse seria um caminho possível para o combate às crises econômicas. “A inclusão de 40 milhões de pessoas na classe média foi não somente um impositivo moral, mas também uma questão de eficiência econômica”, afirmou.

Segundo ela, é por essa razão que o país “apoia a tese da OIT de que um piso único de renda global não é filantropia, mas é uma rede de proteção mundial fundamental para enfrentar a crise e que tem um efeito inequívoco contra a crise”.

De acordo com a OIT, a proposta oficialmente chamada de Piso de Poteção Social “prevê que cada país deveria incluir na oferta de serviços básicos de saúde, independentemente de contribuição, o pagamento de um benefício básico para famílias com crianças – a exemplo do que o governo brasileiro garante com o pagamento do Bolsa Família, benefícios assistenciais para pobres e desempregados e a manutenção das políticas de garantia de renda para idosos, viúvos, órfãos e inválidos”.

Taxa sobre operações financeiras

A proposta da OIT já havia sido endossada pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, anfitrião do encontro, no início do ano.

A presidente brasileira disse ainda em seu discurso que apoia outra proposta defendida pela França, da criação de uma taxa global sobre operações financeiras para bancar programas sociais, desde que ela venha em conjunto com a aprovação da proposta do piso global.

“O Brasil não se opõe a uma taxa financeira mundial se isso (a proposta da OIT) for consenso entre os países a favor da ampliação dos investimentos sociais”, afirmou Dilma.

Em um pronunciamento após o encontro, Sarkozy, na condição de presidente de turno do G20, se disse animado com o apoio declarado à proposta da taxa financeira global e citou especificamente os apoios manifestados por Dilma e pela presidente da Argentina, Cristina Kirchner, durante a reunião.

01/11/2011 - 23:01h Em acerto com Lula e Dilma, Marta desiste e Haddad será candidato do PT

Num roteiro combinado com a senadora, a presidente lhe pediu que se retirasse do páreo

01 de novembro de 2011

Julia Duailibi, Vera Rosa e Andrei Netto, enviado especial de O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO, BRASÍLIA e CANNES – Em ação conjunta com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente Dilma Rousseff pediu na segunda-feira, 31, à senadora Marta Suplicy (PT-SP) que abandone sua pré-candidatura à Prefeitura da capital paulista na eleição de 2012. A ação abre caminho para chancelar o ministro Fernando Haddad (Educação) como o candidato do PT na disputa.

Marta e Haddad, durante encontro em agosto - Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE Marta e Haddad, durante encontro em agosto

O encontro entre Marta e Dilma, e o respectivo pedido de desistência, foram divulgados pela própria Presidência da República em ato acertado com a senadora. O apelo feito por Dilma faz parte do roteiro combinado com Marta, que anuncia na quinta-feira, 3, em São Paulo a desistência da pré-candidatura à Prefeitura.

Acuada no PT pela operação de Lula a favor de Haddad, a ex-prefeita paulistana ficou sem respaldo interno para dar continuidade ao projeto de disputar prévias, marcadas para novembro.

O convite da Presidência a Marta para a conversa foi feito na segunda-feira. A reunião entre as duas acabou ocorrendo horas depois, no Aeroporto de Congonhas, dentro do avião presidencial. Depois do encontro, Dilma visitou Lula num hospital da capital, onde ele deu início a tratamento de saúde, e relatou a conversa ao ex-presidente. À noite, embarcou para Cannes, onde participa de reunião do G-20.

“Dilma fez um apelo, afinada com o presidente Lula, para que Marta desista da candidatura”, divulgou na terça-feira, 1º, em Cannes, a ministra da Secretaria de Comunicação Social, Helena Chagas.

Lula e Dilma já haviam conversado sobre a necessidade de buscar uma saída para Marta durante viagem para Manaus, no último dia 24. Embora tenha boa inserção na base do PT e lidere as pesquisas de intenção de voto, Marta amarga um isolamento gradual entre os parlamentares e dirigentes do partido desde que perdeu a eleição para a Prefeitura paulistana em 2008.

A situação piorou com a operação de Lula pró-Haddad, que culminou no apoio de 60% do partido à pré-candidatura do ministro. As prévias tornaram-se, então, uma operação de risco para a ex-prefeita, e o lema no PT foi buscar uma “saída honrosa”.

O vazamento pela Presidência do pedido de desistência feito à senadora atende tanto aos anseios do governo quanto aos da própria Marta, que preparou o caminho para a desistência.

Ministério. Agora a negociação passa por acomodar a senadora em um local de prestígio. Os petistas dizem que Dilma não sinalizou com nenhum cargo, mas teria feito projeções para o futuro. Marta ambiciona o Ministério da Educação. Segundo integrantes do partido, ela pode ser indicada para a Cultura, numa eventual reforma ministerial no ano que vem, ou conseguir o apoio do governo num voo mais alto, como disputar a presidência do Senado – hoje ela ocupa a vice.

Desde que ouviu de Lula que seria melhor desistir da candidatura em agosto, Marta já dava sinais de que não se manteria no páreo. “Não dá para enfrentar o Lula”, disse a interlocutores.

Assim como a articulação para a desistência de Marta, o ex-presidente também montou operação para os demais pré-candidatos, os deputados Jilmar Tatto e Carlos Zarattini e o senador Eduardo Suplicy, saíssem da disputa. No PT, avalia-se ser mais fácil a desistência de Zarattini e Tatto. O Estado apurou que o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), colabora com o ex-presidente na operação de convencimento de Tatto, que passa pela indicação para a liderança do PT na Câmara.

Os dois deputados, no entanto, negam que pretendam abrir mão das prévias. “Da minha parte, não muda nada. O processo para a liderança do partido é independente do processo de disputa na capital”, afirmou Tatto. “Vou manter minha candidatura. Vamos trabalhar pela unidade do partido. As prévias não colocam em risco a unidade”, disse Zarattini, que já apresentou a lista de apoios necessários para se inscrever na disputa.

Suplicy pode não abrir mão da eleição interna, como fez em outras ocasiões – ele disputou prévia com Lula para se candidatar a presidente em 2002, apesar dos apelos no partido para que desistisse. Sua candidatura, no entanto, encontra pouco respaldo.

O senador pediu aos filiados, ontem, que assinassem a lista de apoio a seu nome, para se inscrever na eleição interna. “Se você é filiado do PT em S. Paulo agradeço se puder me ligar nesta quarta-feira”, disse Suplicy, por meio do Twitter.

São necessárias 3.181 assinaturas de filiados para que uma pessoa possa se inscrever na prévia.

Eleitorado. Lula lançou a operação Haddad após avaliar que o ministro tem mais condições de conseguir votos do eleitor conservador paulistano, que resiste ao PT. O ex-presidente avalia que Marta não tem como ultrapassar os 30% de votos que o partido tem tradicionalmente na capital: ela começa com a intenção de votos alta, em razão do recall das últimas eleições, depois cai.

“Marta foi a melhor prefeita que São Paulo já teve. É uma das lideranças do PT, mas Dilma apelou para que ela permaneça como primeira vice-presidente do Senado, onde ela tem um papel muito importante para o governo”, disse Helena Chagas.

01/11/2011 - 11:04h A falta que Lula faz ao PT e ao governo

Por Raymundo Costa – VALOR

A doença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve reduzir consideravelmente o ritmo de uma agenda que estava adquirindo os contornos de sua antiga rotina em Brasília. Além das viagens internacionais, Lula estava profundamente envolvido na articulação entre os partidos da base aliada do governo e na escalação das candidaturas amigas às prefeituras das principais cidades do país, como São Paulo e Porto Alegre.

Lula trabalha para evitar a dispersão de aliados tradicionais do PT como PSB, PDT e PCdoB, com interesses regionais diferentes, e de recém-chegados, mesmo que sob a cobertura de “independentes”, como o PSD do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. O ex-presidente tratava dia e noite com os presidentes desses partidos, Eduardo Campos, Carlos Lupi e Renato Rabelo, respectivamente, além de Kassab. Ele deve diminuir o ritmo dessas articulações, segundo se espera no PT, mas também o acompanhamento e monitoramento das disputas internas no partido.

A campanha em que Lula mais se envolveu é a de São Paulo. O ex-presidente apoia a candidatura do ministro da Educação, Fernando Haddad, um nome sem experiência política anterior, que depende da ajuda de Lula para se viabilizar eleitoralmente, mas já consolidado como pré-candidato. Apesar dos boatos em contrário, ainda ontem a senadora Marta Suplicy insistia em que será candidata às previas do partido, no final deste mês. Seus aliados já começaram a recolher as assinaturas necessárias (cerca de 3,3 mil) para a formalização da candidatura, até o dia 7.

Dilma conta com Lula no “Ministério das Eleições”

Segundo a avaliação de petistas, o problema de Haddad hoje não é a eventual ausência de Lula do processo, mas a disposição de Marta em efetivamente ser candidata a prefeita.

Marta teria todas as condições de bater Haddad na prévia, de acordo com avaliações mais independentes do PT paulista, apesar do apoio de Lula ao ministro. O problema é que ela deixou de transmitir segurança em suas intenções. Marta participa dos debates que antecedem a prévia, mas pouco conversa com outros líderes partidários, inclusive antigos aliados hoje pré-candidatos contra ela nas prévias, como Jilmar Tatto e Zarattini Jr. Os dois, a exemplo de Haddad, antigos colaboradores de Marta quando ela era prefeita de São Paulo (2001-2005).

Marta parece ausente do processo, num momento em que precisaria demonstrar que quer ser candidata, mesmo com a opinião contrária de Lula. Ela já poderia, inclusive, ter procurado conversar com Lula. Há petistas em São Paulo segundo os quais não há como Lula deixar de apoiar a candidatura de Marta Suplicy, caso ela saia vencedora da prévia partidária (algo sobre o que Marta não parece estar convencida).

Marta, por enquanto, mantém-se no páreo, talvez à espera da “contagem das garrafas” do primeiro turno da prévia partidária. Essa seria a hora de procurar candidatos a alianças.

A doença de Lula – um câncer de laringe diagnosticado precocemente – e as limitações que ela deve impor ao ex-presidente, nos próximos meses não tem como ser ignorada nas avaliações de conjuntura. O ex-presidente é figura fundamental nas articulações políticas em curso no país, sejam para as eleições ou a estabilidade do governo Dilma Rousseff. Na campanha municipal, dois exemplos demonstram o poder do ex-presidente de influenciar os rumos do partido do que presidente honorificamente: as campanhas de Porto Alegre (RS) e de Curitiba (PR).

O presidente do PDT e atual ministro do Trabalho, Carlos Lupi, quer o apoio do PT à candidatura à reeleição do prefeito José Fortunati. O PCdoB também cobra dos petistas apoio à candidatura da deputada federal Manuela D’Ávila, bem cotada nas pesquisas de opinião. Alas do PT defendem o lançamento de candidatura própria, para tentar resgatar a história do partido em uma cidade que governou por 16 anos (1989-2005). Lula articula para o PT não ter candidato e apoiar um dos dois aliados.

A coligação mais provável é com Fortunati. O PDT quer amarrar no mesmo pacote a candidatura do ex-deputado Gustavo Fruet à prefeitura de Curitiba. Na CPI do Mensalão, Fruet, que trocou o PSDB pelo PDT, foi um inquiridor implacável. Mas Lula costuma ser pragmático quando estão em jogo seus interesses eleitorais. O duro é convencer o PT de que essas alianças são favoráveis ao partido.

Com o Eduardo Campos, governador de Pernambuco e presidente do PSB, as conversas são basicamente sobre as eleições nas capitais do Nordeste. Campos é potencial candidato a vice-presidente numa chapa do PT em 2014. Lula só está incomodado com o PSB de São Paulo, que aderiu no município a Gilberto Kassab, no Estado ao governador Geraldo Alckmin e, nacionalmente, ao PT. Mas também conversa com Kassab, que não quer briga com o ex-presidente.

No Palácio do Planalto repetia-se, até sexta-feira, que não há risco de a presidente Dilma Rousseff ser multada pela Justiça Eleitoral em 2012. Nem ela nem Lula, ao contrário do que ocorreu na eleição presidencial. Ela porque não gosta do trabalho de tecer composições partidárias para a formação de chapas.

No máximo, Dilma se dispõe a gravar programas para o horário eleitoral dos candidatos do PT e da base aliada. De preferência, no Palácio da Alvorada.

A despreocupação de Lula com o TSE deve-se ao fato de não ter mais as amarras impostas pelo cargo de presidente da República. Como presidente de honra do PT, sua margem de manobra eleitoral se ampliou consideravelmente. Para Dilma é um conforto ter Lula articulando e fazendo campanha. No Palácio do Planalto chegou-se a cunhar um termo para o papel a ser desempenhado por ele em 2012: “Ministro das Eleições”.

Avaliações feitas no PT levam em conta que o ex-presidente será a partir de agora notícia obrigatória, mas com exposição pessoal menor, ou seja, menos imagens na mídia. Espera-se um retorno “triunfal” de Lula, entre março e abril, curado e na condição de quem outra vez venceu a adversidade. Mais forte ainda do que em janeiro de 2011, quando deixou a Presidência da República com popularidade recorde na história do país.

Raymundo Costa é repórter especial de Política, em Brasília. Escreve às terças-feiras

E-mail raymundo.costa@valor.com.br

30/09/2011 - 17:39h Com maior aprovação no Sul, governo Dilma é ótimo ou bom para 51%

Andrea Jubé, da Agência Estado

O governo Dilma Rousseff foi avaliado como ótimo ou bom por 51% dos entrevistados, de acordo com a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) encomendada ao Ibope e divulgada nesta sexta-feira, 30. O levantamento anterior, de julho, indicava aprovação de 48%. A melhoria na avaliação cresceu mais entre os eleitores da região Sul, que teve os maiores índices de ótimo ou bom, de 57%.

No Nordesde, o índice ficou em 52%, a frente ainda, embora dentro da margem de erro, do Sudeste, com 50%. Na pesquisa anterior, a aprovação no Sul era de 45%. Já no Nordeste, a aprovação era maior, de 52%. O Ibope realizou 2.002 entrevistas em 141 municípios entre os dias 16 a 20 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos. Em relação à pesquisa feita em março, a avaliação positiva do governo Dilma caiu cinco pontos porcentuais, de 56% para 51%.

A fatia dos entrevistados que consideram o governo ruim ou péssimo oscilou dentro da margem de erro da pesquisa, de 12% para 11%, em relação à rodada anterior, divulgada em julho. O governo é melhor avaliado entre os entrevistados com mais de 50 anos, faixa em que 55% consideram-no ótimo ou bom. “Quanto menor o nível de renda familiar do entrevistado, melhor a avaliação do governo Dilma”, diz a análise da pesquisa.

Dilma. A aprovação pessoal da presidente Dilma também cresceu e passou de 67% para 71% em relação à rodada anterior, divulgada em julho. A desaprovação da presidente caiu quatro pontos porcentuais, de 25% em julho para 21%, na pesquisa divulgada hoje. Segundo a CNI/Ibope, Dilma é melhor avaliada entre os entrevistados de 50 anos ou mais (75% de aprovação) e entre aqueles que cursaram somente até a quarta série do ensino fundamental (77%). Para o gerente de Pesquisas da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, “faxina” contra a corrupção promovida pelo governo federal contribuiu para a alta de popularidade da presidente.

Atualizado às 14h52

23/09/2011 - 11:44h O cálculo político do risco

Por Maria Cristina Fernandes – VALOR

“; Permitam-me dizer”. A presidente Dilma Rousseff pedia licença aos seus ouvintes na assembleia anual das Nações Unidas para a contundência da afirmação que se seguiria: os líderes dos países desenvolvidos ainda não encontraram uma solução para a crise “por falta de recursos políticos e clareza de ideias”.

Dias antes, num seminário de militantes de esquerda em São Paulo, um dos economistas mais influentes que orbitam o Palácio do Planalto, em linguagem que julgou mais afeita à plateia, e sem aposto, fez mais ou menos a mesma provocação: “O mundo é governado por idiotas”.

À Assembleia da ONU Dilma se disse portadora de uma clarividência – a de que a crise financeira exige uma coordenação política dos instrumentos fiscais e monetários -, mas reconheceu que a aposta que fez no Brasil tem limites se a governança mundial não aprofundar a regulamentação do sistema financeiro. Ou, como diria seu amigo economista, se os ricos não deixarem de fazer idiotices.

Dilma tenta legitimar mandato que ainda é creditado a Lula

O discurso de Dilma, mais do que momento simbólico de sua investidura na Presidência, revela a aposta de altíssimo risco que a presidente fez ao impor mudanças aos rumos das políticas fiscal e monetária.

Se bem-sucedida, a política iniciada com vistas a tirar o país da condição de imbatível campeão mundial dos juros altos, só guarda relação em impacto para a economia brasileira com o Plano Real.

A estabilidade da moeda apoiou-se nos juros, na abertura da economia e no controle dos gastos públicos para combater a inflação. À crescente autonomia do Banco Central para perseguir a meta de inflação seguiu-se o esvaziamento, na mesma medida, do raio de ação de partidos, governadores, industriais, sindicalistas.

A eleição de Luiz Inácio Lula da Silva deu-se sob o pacto de que uma renda mais bem distribuída não colocaria em risco a centralidade da meta de inflação. Com um mandato sob ameaça pelo mensalão, Lula afrouxou os nós da política e começou a dar mais gás ao crescimento e à geração de emprego. Como tinha facilidade em açambarcar sua audiência, manteve os ruídos sob controle. Veio a crise de 2008, e a política de redução de juros que havia sido posta em curso foi revertida.

Ao tentar mudar o paradigma da economia brasileira e realizar aquilo o que Lula não foi capaz, Dilma tenta legitimar um mandato cuja conquista é creditada na conta de seu antecessor.

Lula parece sincero nas reiteradas afirmações de que deseja a reeleição de sua sucessora. Nenhum presidente saiu do governo de maneira tão consagradora. A história pode até não se repetir como farsa, mas até Lula teria dificuldade em se superar.

O problema é que os aliados governistas legados por Lula não se cansam de demonstrar sua autonomia em relação à eleição de 2014. Não bastassem os saudosistas do lulismo que tomam conta do PT, do PMDB e adjacências, a população quando consultada (pesquisa do Instituto Análise no Valor de 20/9) também é, por folgada maioria, favorável a que o ex-presidente tome o lugar de Dilma na disputa.

A sucessão está, sim, longe demais para prognósticos tão definitivos. Mas os saudosistas têm a seu favor a mística de Lula que o tempo custa a apagar. É a expectativa de poder que alimenta a política. E Lula é uma reserva garantida para essas expectativas.

Dilma só será páreo para o mito se seu governo for capaz de liberar para investimentos maciços na grande chaga social brasileira – educação e saúde – os recursos hoje canalizados para o serviço da dívida. Não por acaso se costuma considerar como as grandes armadilhas de seu governo a emenda que fixa os percentuais mínimos de gastos na saúde e a política nacional que eleva as despesas com educação, ambas em tramitação no Congresso.

Há muitos adversários com quem ainda resta combinar para que a aposta de alto risco de Dilma dê certo. A volatilidade cambial que tomou conta do mercado é apenas a evidência mais imediata de que além de “idiotas”, o mundo é governado por interesses. Ao demonstrar que o Banco Central é independente do mercado, sinaliza-se que o compromisso da atual política monetária com o crescimento pode ter uma rentabilidade menos imediata para o capital especulativo que vinha sendo atraído para o país.

Por outro lado, apostas do governo como a política industrial não têm tido apoio suficiente para contrabalancear o equilíbrio do poder. A opção deste governo pelo fortalecimento da indústria nacional se traduz numa cesta que soma BNDES, os incentivos do “Brasil Maior” e um Plano Plurianual que assume a meta de internacionalizar 30 empresas manufatureiras. Aposta-se que a política industria é o eixo para o fortalecimento do mercado interno e do desenvolvimento tecnológico de uma maneira ainda mais aguda do que já vinha ocorrendo no governo Lula.

São opções que distanciam Dilma do que foi o governo Fernando Henrique. Parece paradoxal que busque se aproximar politicamente do ex-presidente tucano. Mas não o faz apenas porque reconheça seu papel na história. Para a mudança de paradigma que realizou na economia, Fernando Henrique montou uma coalizão política que foi rearranjada, sob o comando do PT, pelo governo lulista.

Para dar conta do risco que resolveu tomar, Dilma terá que dar conta de todas as frentes que abriu: a valorização do salário mínimo, a ampliação dos programas sociais e a vasta gama de incentivos fiscais.

Precisará rearranjar também a base política que a elegeu, incorporando setores da sociedade que votaram no PSDB. Um câmbio apreciado e medidas como a elevação do IPI para carros com baixo índice de nacionalização podem vir a lhe custar o apoio de parte da classe média tucana e daquela que ascendeu no governo Lula e que, por isso, votou em sua candidata.

Numa passagem do discurso que escreveu para a história, a presidente diz que coragem, em português, é uma palavra feminina. É dela que precisará para enfrentar a guerra, outra palavra feminina, que decidiu travar sem que esteja claro, no momento, quem são seus aliados – vocábulo masculino.

Maria Cristina Fernandes é editora de Política. Escreve às sextas-feiras

E-mail mcristina.fernandes@valor.com.br

23/09/2011 - 09:45h Saída para crise não é recessão, afirma Dilma

VALOR

De São Paulo

A presidente Dilma Rousseff disse ontem, em Nova York, que não dá para sair da crise “produzindo recessão” e que não “é possível mais dar respostas antigas e ultrapassadas” para problemas novos. A afirmação foi feita durante entrevista de 35 minutos, concedida no último dia de visita aos Estados Unidos. Na quarta-feira, a presidente discursou na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Dilma voltou a cobrar medidas dos países ricos para conter a crise e disse que o Brasil deve participar das discussões para encontrar soluções para as turbulências, mas sem participar das operações de socorro financeiro.

” Não acredito, de maneira alguma, que se saia da crise produzindo recessão. Acho que não se sai, até porque vi, recentemente, uma declaração do Fundo Monetário Internacional, que dizia que o risco na economia internacional é de uma espiral recessiva”, disse a presidente. ” Quando você reduz o crescimento, você reduz a capacidade da economia pagar suas dívidas. Você aumenta a dívida, aumenta o déficit e exige mais recessão. Essa é a típica espiral recessiva em que está imersa a Grécia”, afirmou a presidente.

Sobre a participação do país na solução da crise global, Dilma disse que é importante, nesse momento, participar do diagnóstico da situação. “Nós estamos prontos a participar do diagnóstico. Nós estamos prontos também a dar a nossa contribuição, desde que ela seja uma contribuição que faça parte de um processo de solução do problema macroeconômico”, disse.

A presidente buscou, entretanto, deixar claro também que “o governo brasileiro não acha que nós solucionaremos o problema europeu colocando dinheiro das nossas reservas no Fundo de Estabilização, porque não é esse o problema. Nós não achamos que a questão é falta de dinheiro. Achamos que a questão é falta de recursos políticos, como disse no meu discurso. Não de recursos financeiros.”

“Agora, acredito que vai ser necessário desvalorizar as dívidas existentes”, afirmou a presidente. “O Brasil está numa situação tranquila, nós não podemos ficar pregando receituários para o mundo, nós queremos é participar, assumir nossas responsabilidades.”

Durante a entrevista, Dilma também falou sobre a posição brasileira em relação à guerra cambial. Segunda ela, “a guerra cambial se dá, e se dará” enquanto não houver uma articulação macroeconômica, que faça com que as medidas econômicas tomadas por um país levem em conta o impacto delas sobre os vizinhos.

Segundo Dilma, mesmo entendendo a importância da expansão da política monetária e da política de juro zero para alguns países, esse fato cria uma competitividade indevida para as economias desses países “porque cria uma valorização das moedas dos países, que não fizeram isso, extremamente adversa”.

Para a presidente, “temos uma valorização do real que não é uma valorização sistêmica, mas é operada por fatores que não são aqueles baseados no mercado, mas sim baseados na política. Enquanto houver esse tipo de conduta, você estará em um processo de guerra fiscal”.

Sobre a reação brasileira à atual volatilidade dos mercados, afirmou que ” a nossa atitude é de calma, tranquilidade e de estabilizar todo o processo. Tanto o ministro Tombini, como o ministro Guido, estão tomando as providências cabíveis. Não estamos tomando ainda nenhuma medida unusual. São as mesmas medidas de sempre: os swaps e, eventualmente, também ainda não compramos dólares, assim, em quantidade, porque não há problema no mercado spot, e acredito que as coisas vão se ajustar.”

Segundo a presidente, o país está “completamente pronto” e monitora a economia interna e a internacional diariamente. Mas fez questão de ressaltar que ” não somos responsáveis pela crise”. Mas também, segundo Dilma, não é possível dizer que o país não sofra as consequências indiretas da crise. “Sofremos. Primeiro, porque o mercado internacional se reduz, na medida em que as economias desenvolvidas diminuem o tamanho de seus mercados, na medida em que há desemprego, na medida em que há contração da demanda.

Para a presidente brasileira, é ” é importantíssimo que a prioridade seja dada para a solução da crise soberana, que se constitua um processo de resgate ordenado da Grécia, que se delimite os efeitos e as consequências da situação grega, impedindo que ela afete outras economias e, portanto, a partir daí, que ela tenha efeito de afetar outras mais ainda.” (Com agências noticiosas)

21/09/2011 - 20:01h Integra do discurso da presidenta Dilma Rousseff na abertura dos trabalhos da ONU

http://delubio.com.br/blog/wp-content/uploads/2011/09/dilma.jpg

Senhor presidente da Assembleia Geral, Nassir Abdulaziz Al-Nasser,

Senhor secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon,

Senhoras e senhores chefes de Estado e de Governo,

Senhoras e senhores,

Pela primeira vez, na história das Nações Unidas, uma voz feminina inaugura o Debate Geral. É a voz da democracia e da igualdade se ampliando nesta tribuna que tem o compromisso de ser a mais representativa do mundo.

É com humildade pessoal, mas com justificado orgulho de mulher, que vivo este momento histórico.

Divido esta emoção com mais da metade dos seres humanos deste Planeta, que, como eu, nasceram mulher, e que, com tenacidade, estão ocupando o lugar que merecem no mundo. Tenho certeza, senhoras e senhores, de que este será o século das mulheres.

Na língua portuguesa, palavras como vida, alma e esperança pertencem ao gênero feminino. E são também femininas duas outras palavras muito especiais para mim: coragem e sinceridade. Pois é com coragem e sinceridade que quero lhes falar no dia de hoje.

Senhor Presidente,

O mundo vive um momento extremamente delicado e, ao mesmo tempo, uma grande oportunidade histórica. Enfrentamos uma crise econômica que, se não debelada, pode se transformar em uma grave ruptura política e social. Uma ruptura sem precedentes, capaz de provocar sérios desequilíbrios na convivência entre as pessoas e as nações.

Mais que nunca, o destino do mundo está nas mãos de todos os seus governantes, sem exceção. Ou nos unimos todos e saímos, juntos, vencedores ou sairemos todos derrotados.

Agora, menos importante é saber quais foram os causadores da situação que enfrentamos, até porque isto já está suficientemente claro. Importa, sim, encontrarmos soluções coletivas, rápidas e verdadeiras.

Essa crise é séria demais para que seja administrada apenas por uns poucos países. Seus governos e bancos centrais continuam com a responsabilidade maior na condução do processo, mas como todos os países sofrem as conseqüências da crise, todos têm o direito de participar das soluções.

Não é por falta de recursos financeiros que os líderes dos países desenvolvidos ainda não encontraram uma solução para a crise. É, permitam-me dizer, por falta de recursos políticos e algumas vezes, de clareza de ideias.

Uma parte do mundo não encontrou ainda o equilíbrio entre ajustes fiscais apropriados e estímulos fiscais corretos e precisos para a demanda e o crescimento. Ficam presos na armadilha que não separa interesses partidários daqueles interesses legítimos da sociedade.

O desafio colocado pela crise é substituir teorias defasadas, de um mundo velho, por novas formulações para um mundo novo. Enquanto muitos governos se encolhem, a face mais amarga da crise – a do desemprego – se amplia. Já temos 205 milhões de desempregados no mundo. 44 milhões na Europa. 14 milhões nos Estados Unidos. É vital combater essa praga e impedir que se alastre para outras regiões do Planeta.

Nós, mulheres, sabemos, mais que ninguém, que o desemprego não é apenas uma estatística. Golpeia as famílias, nossos filhos e nossos maridos. Tira a esperança e deixa a violência e a dor.

Senhor Presidente,

É significativo que seja a presidenta de um país emergente, um país que vive praticamente um ambiente de pleno emprego, que venha falar, aqui, hoje, com cores tão vívidas, dessa tragédia que assola, em especial, os países desenvolvidos.

Como outros países emergentes, o Brasil tem sido, até agora, menos afetado pela crise mundial. Mas sabemos que nossa capacidade de resistência não é ilimitada. Queremos – e podemos – ajudar, enquanto há tempo, os países onde a crise já é aguda.

Um novo tipo de cooperação, entre países emergentes e países desenvolvidos, é a oportunidade histórica para redefinir, de forma solidária e responsável, os compromissos que regem as relações internacionais.

O mundo se defronta com uma crise que é ao mesmo tempo econômica, de governança e de coordenação política.

Não haverá a retomada da confiança e do crescimento enquanto não se intensificarem os esforços de coordenação entre os países integrantes da ONU e as demais instituições multilaterais, como o G-20, o Fundo Monetário, o Banco Mundial e outros organismos. A ONU e essas organizações precisam emitir, com a máxima urgência, sinais claros de coesão política e de coordenação macroeconômica.

As políticas fiscais e monetárias, por exemplo, devem ser objeto de avaliação mútua, de forma a impedir efeitos indesejáveis sobre os outros países, evitando reações defensivas que, por sua vez, levam a um círculo vicioso.

Já a solução do problema da dívida deve ser combinada com o crescimento econômico. Há sinais evidentes de que várias economias avançadas se encontram no limiar da recessão, o que dificultará, sobremaneira, a resolução dos problemas fiscais.

Está claro que a prioridade da economia mundial, neste momento, deve ser solucionar o problema dos países em crise de dívida soberana e reverter o presente quadro recessivo. Os países mais desenvolvidos precisam praticar políticas coordenadas de estímulo às economias extremamente debilitadas pela crise. Os países emergentes podem ajudar.

Países altamente superavitários devem estimular seus mercados internos e, quando for o caso, flexibilizar suas políticas cambiais, de maneira a cooperar para o reequilíbrio da demanda global.

Urge aprofundar a regulamentação do sistema financeiro e controlar essa fonte inesgotável de instabilidade. É preciso impor controles à guerra cambial, com a adoção de regimes de câmbio flutuante. Trata-se, senhoras e senhores, de impedir a manipulação do câmbio tanto por políticas monetárias excessivamente expansionistas como pelo artifício do câmbio fixo.

A reforma das instituições financeiras multilaterais deve, sem sombra de dúvida, prosseguir, aumentando a participação dos países emergentes, principais responsáveis pelo crescimento da economia mundial.

O protecionismo e todas as formas de manipulação comercial devem ser combatidos, pois conferem maior competitividade de maneira espúria e fraudulenta.

Senhor Presidente,

O Brasil está fazendo a sua parte. Com sacrifício, mas com discernimento, mantemos os gastos do governo sob rigoroso controle, a ponto de gerar vultoso superávit nas contas públicas, sem que isso comprometa o êxito das políticas sociais, nem nosso ritmo de investimento e de crescimento.

Estamos tomando precauções adicionais para reforçar nossa capacidade de resistência à crise, fortalecendo nosso mercado interno com políticas de distribuição de renda e inovação tecnológica.

Há pelo menos três anos, senhor Presidente, o Brasil repete, nesta mesma tribuna, que é preciso combater as causas, e não só as consequências da instabilidade global.

Temos insistido na interrelação entre desenvolvimento, paz e segurança; e que as políticas de desenvolvimento sejam, cada vez mais, associadas às estratégias do Conselho de Segurança na busca por uma paz sustentável.

É assim que agimos em nosso compromisso com o Haiti e com a Guiné-Bissau. Na liderança da Minustah, temos promovido, desde 2004, no Haiti, projetos humanitários, que integram segurança e desenvolvimento. Com profundo respeito à soberania haitiana, o Brasil tem o orgulho de cooperar para a consolidação da democracia naquele país.

Estamos aptos a prestar também uma contribuição solidária, aos países irmãos do mundo em desenvolvimento, em matéria de segurança alimentar, tecnologia agrícola, geração de energia limpa e renovável e no combate à pobreza e à fome.

Senhor Presidente,

Desde o final de 2010, assistimos a uma sucessão de manifestações populares que se convencionou denominar “Primavera Árabe”. O Brasil é pátria de adoção de muitos imigrantes daquela parte do mundo. Os brasileiros se solidarizam com a busca de um ideal que não pertence a nenhuma cultura, porque é universal: a liberdade.

É preciso que as nações aqui reunidas encontrem uma forma legítima e eficaz de ajudar as sociedades que clamam por reforma, sem retirar de seus cidadãos a condução do processo.

Repudiamos com veemência as repressões brutais que vitimam populações civis. Estamos convencidos de que, para a comunidade internacional, o recurso à força deve ser sempre a última alternativa. A busca da paz e da segurança no mundo não pode limitar-se a intervenções em situações extremas.

Apoiamos o Secretário-Geral no seu esforço de engajar as Nações Unidas na prevenção de conflitos, por meio do exercício incansável da democracia e da promoção do desenvolvimento.

O mundo sofre, hoje, as dolorosas consequências de intervenções que agravaram os conflitos, possibilitando a infiltração do terrorismo onde ele não existia, inaugurando novos ciclos de violência, multiplicando os números de vítimas civis.

Muito se fala sobre a responsabilidade de proteger; pouco se fala sobre a responsabilidade ao proteger. São conceitos que precisamos amadurecer juntos. Para isso, a atuação do Conselho de Segurança é essencial, e ela será tão mais acertada quanto mais legítimas forem suas decisões. E a legitimidade do próprio Conselho depende, cada dia mais, de sua reforma.

Senhor Presidente,

A cada ano que passa, mais urgente se faz uma solução para a falta de representatividade do Conselho de Segurança, o que corrói sua eficácia. O ex-presidente Joseph Deiss recordou-me um fato impressionante: o debate em torno da reforma do Conselho já entra em seu 18º ano. Não é possível, senhor Presidente, protelar mais.

O mundo precisa de um Conselho de Segurança que venha a refletir a realidade contemporânea; um Conselho que incorpore novos membros permanentes e não-permanentes, em especial representantes dos países em desenvolvimento.

O Brasil está pronto a assumir suas responsabilidades como membro permanente do Conselho. Vivemos em paz com nossos vizinhos há mais de 140 anos. Temos promovido com eles bem-sucedidos processos de integração e de cooperação. Abdicamos, por compromisso constitucional, do uso da energia nuclear para fins que não sejam pacíficos. Tenho orgulho de dizer que o Brasil é um vetor de paz, estabilidade e prosperidade em sua região, e até mesmo fora dela.

No Conselho de Direitos Humanos, atuamos inspirados por nossa própria história de superação. Queremos para os outros países o que queremos para nós mesmos.

O autoritarismo, a xenofobia, a miséria, a pena capital, a discriminação, todos são algozes dos direitos humanos. Há violações em todos os países, sem exceção. Reconheçamos esta realidade e aceitemos, todos, as críticas. Devemos nos beneficiar delas e criticar, sem meias-palavras, os casos flagrantes de violação, onde quer que ocorram.

Senhor Presidente,

Quero estender ao Sudão do Sul as boas vindas à nossa família de nações. O Brasil está pronto a cooperar com o mais jovem membro das Nações Unidas e contribuir para seu desenvolvimento soberano.

Mas lamento ainda não poder saudar, desta tribuna, o ingresso pleno da Palestina na Organização das Nações Unidas. O Brasil já reconhece o Estado palestino como tal, nas fronteiras de 1967, de forma consistente com as resoluções das Nações Unidas. Assim como a maioria dos países nesta Assembléia, acreditamos que é chegado o momento de termos a Palestina aqui representada a pleno título.

O reconhecimento ao direito legítimo do povo palestino à soberania e à autodeterminação amplia as possibilidades de uma paz duradoura no Oriente Médio. Apenas uma Palestina livre e soberana poderá atender aos legítimos anseios de Israel por paz com seus vizinhos, segurança em suas fronteiras e estabilidade política em seu entorno regional.

Venho de um país onde descendentes de árabes e judeus são compatriotas e convivem em harmonia – como deve ser.

Senhor Presidente,

O Brasil defende um acordo global, abrangente e ambicioso para combater a mudança do clima no marco das Nações Unidas. Para tanto, é preciso que os países assumam as responsabilidades que lhes cabem.

Apresentamos uma proposta concreta, voluntária e significativa de redução [de emissões], durante a Cúpula de Copenhague, em 2009. Esperamos poder avançar já na reunião de Durban, apoiando os países em desenvolvimento nos seus esforços de redução de emissões e garantindo que os países desenvolvidos cumprirão suas obrigações, com novas metas no Protocolo de Quioto, para além de 2012.

Teremos a honra de sediar a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, em junho do ano que vem. Juntamente com o Secretário-Geral Ban Ki-moon, reitero aqui o convite para que todos os Chefes de Estado e de Governo compareçam.

Senhor Presidente e minhas companheiras mulheres de todo mundo,

O Brasil descobriu que a melhor política de desenvolvimento é o combate à pobreza. E que uma verdadeira política de direitos humanos tem por base a diminuição da desigualdade e da discriminação entre as pessoas, entre as regiões e entre os gêneros.

O Brasil avançou política, econômica e socialmente sem comprometer sequer uma das liberdades democráticas. Cumprimos quase todos os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, antes 2015. Saíram da pobreza e ascenderam para a classe média no meu país quase 40 milhões de brasileiras e brasileiros. Tenho plena convicção de que cumpriremos nossa meta de, até o final do meu governo, erradicar a pobreza extrema no Brasil.

No meu país, a mulher tem sido fundamental na superação das desigualdades sociais. Nossos programas de distribuição de renda têm nas mães a figura central. São elas que cuidam dos recursos que permitem às famílias investir na saúde e na educação de seus filhos.

Mas o meu país, como todos os países do mundo, ainda precisa fazer muito mais pela valorização e afirmação da mulher. Ao falar disso, cumprimento o secretário-geral Ban Ki-moon pela prioridade que tem conferido às mulheres em sua gestão à frente das Nações Unidas.

Saúdo, em especial, a criação da ONU Mulher e sua diretora-executiva, Michelle Bachelet.

Senhor Presidente,

Além do meu querido Brasil, sinto-me, aqui, representando todas as mulheres do mundo. As mulheres anônimas, aquelas que passam fome e não podem dar de comer aos seus filhos; aquelas que padecem de doenças e não podem se tratar; aquelas que sofrem violência e são discriminadas no emprego, na sociedade e na vida familiar; aquelas cujo trabalho no lar cria as gerações futuras.

Junto minha voz às vozes das mulheres que ousaram lutar, que ousaram participar da vida política e da vida profissional, e conquistaram o espaço de poder que me permite estar aqui hoje.

Como mulher que sofreu tortura no cárcere, sei como são importantes os valores da democracia, da justiça, dos direitos humanos e da liberdade.

E é com a esperança de que estes valores continuem inspirando o trabalho desta Casa das Nações que tenho a honra de iniciar o Debate Geral da 66ª Assembleia Geral da ONU.

Muito obrigada.

21/09/2011 - 12:24h Na ONU, Dilma alerta sobre crise e defende Estado palestino


Primeira mulher a falar na abertura da Assembleia da ONU, presidente cobra união no combate à crise econômica.

Agência Estado

21 de setembro de 2 011 | 12h 04

No primeiro discurso de uma mulher na abertura da Assembleia Geral da ONU, a presidente Dilma Rousseff cobrou nesta quarta-feira união dos países no combate à crise econômica internacional e “lamentou” ainda não poder saudar a presença de um Estado palestino nas Nações Unidas.

A presidente brasileira declarou que o mundo vive um “momento delicado e uma oportunidade histórica”, que pode derivar em “graves rupturas políticas e sociais sem precedentes” por conta da crise econômica.

“Ou nos unimos (para combatê-la) ou sairemos todos derrotados. A crise é série demais para ser administrada por poucos”, disse Dilma, pedindo ajustes fiscais nas nações afetadas por crises da dívida, combate ao protecionismo, e, em aparente referência à China, estímulo aos mercados internos de países superavitários e fim da guerra cambial – ou seja, de reduções artificiais do câmbio para beneficiar exportações.

“A reforma das instituições financeiras multilaterais deve prosseguir, aumentando a participação dos países emergentes”, prosseguiu a presidente, repetindo uma cobrança brasileira por mais voz ativa em órgãos como o FMI.

A presidente também pleiteou mudanças no Conselho de Segurança da ONU, do qual o Brasil historicamente aspira se tornar membro permanente, com direito a veto. Para a presidente, o CS na forma como está perde “legitimidade”.

Ao dar as boas-vindas na ONU ao Sudão do Sul, nação oficialmente criada neste ano, Dilma disse que lamentava “ainda não poder saudar o ingresso da Palestina” no organismo multilateral.

“Acreditamos que chegou o momento de ter a Palestina (como Estado independente) e reconhecer seu direito legítimo à soberania”, declarou. “Só a Palestina livre poderá atender aos anseios de Israel por segurança.”

As declarações de Dilma ocorrem às vésperas da possível formalização do pedido da Autoridade Palestina pelo reconhecimento da ONU ao Estado palestino.

O pedido, a ser feito pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, durante a Assembleia Geral, enfrenta forte resistência de Israel e dos Estados Unidos, que prometem vetá-lo no Conselho de Segurança, alegando que a independência só pode vir com negociações com os israelenses.

Primavera Árabe

Dilma também saudou em seu discurso os protestos da Primavera Árabe, dizendo que o Brasil “se solidariza com a busca pela liberdade”.

Mas a presidente criticou interferências “com o uso da força” em países atravessando revoltas populares e repressão governamental – em nova mostra da oposição do governo brasileiro à ação militar da Otan (aliança militar ocidental) na Líbia, feita com base em uma resolução aprovada na ONU.

Na opinião de Dilma, “é preciso que as nações encontrem uma forma legítima de ajudar (os países em convulsão)”.

“Estamos convencidos de que o uso da força é a última alternativa. A busca pela paz não pode se limitar a intervenções em situações extremas”.

Por fim, Dilma também disse que tem “orgulho de viver um momento histórico” de ser a primeira mulher a discursar na abertura da Assembleia Geral da ONU – pronunciamento este que desde 1947 fica a cargo do presidente brasileiro.

“Sinto-me representando todas as mulheres”, declarou a presidente, dizendo que a voz feminina é “a voz da democracia e da igualdade”

03/09/2011 - 11:53h Dilma diz que erros e acertos são seus e de Lula, que pede 8 anos para a petista

Ed Ferreira/AE
Amizade profunda. Dilma com Lula, no 4º Congresso do PT; José Dirceu, ao fundo, foi aplaudido de pé por petistas ao chegar ao local da reunião em Brasília - Ed Ferreira/AE
Amizade profunda. Dilma com Lula, no 4º Congresso do PT; José Dirceu, ao fundo, foi aplaudido de pé por petistas ao chegar ao local da reunião em Brasília


03 de setembro de 2011

Wilson Tosta / ENVIADO ESPECIAL A BRASÍLIA, Eugênia Lopes e Vera Rosa / BRASÍLIA – O Estado de S.Paulo

Com discursos recheados de críticas à imprensa, a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriram ontem o 4.º Congresso Nacional tentando aplacar o desconforto do PT com ações da atual chefe do governo – como a demissão de ministros acusados de corrupção. A “faxina” de Dilma deixou setores do PT desconfortáveis, pois dirigentes avaliam que as medidas embutem na Era Lula a pecha de “corrupto”.

Pela primeira vez, o ex-presidente admitiu indiretamente que não sairá candidato à sucessão de Dilma, em 2014. Ao defender o atual governo, Lula argumentou que “oito meses de governo é muito pouco para quem vai governar esse País por oito anos”. Foi um claro recado a petistas que já defendem a volta de Lula em 2014. “É apenas 10% que você vai ter para fazer esse País ser maior, ser melhor, mais democrático. Ninguém pode cobrar de você, Dilma, o que você não teve tempo de fazer”, disse.

Dilma, por sua vez, descartou totalmente a possibilidade de divergências com Lula. “Como é que eu posso estar em conflito comigo mesma?”, disse. Afirmou que os erros e acertos da gestão passada são seus próprios erros e acertos, pois ela integrou o governo passado.

Ovacionado pela plateia de cerca de mil militantes e autoridades do governo, Lula criticou a imprensa e adversários do PT que, segundo ele, chegaram a prever o fim do partido em 2005 – ano em que foi descoberto e esquema do mensalão. O ex-presidente, no entanto, citar o escândalo do mensalão.

“Estou muito orgulhoso de viver este momento. Lembrem-se que alguns diziam cinco anos atrás que nosso partido ia acabar, que nós não íamos conseguir nem eleger o síndico do prédio. E hoje qualquer pesquisa que se faz sobre partido político, para desgraça de nossos adversários, este é o principal partido desse País”, afirmou Lula.

Herança. Em pronunciamento de cerca de 40 minutos, Dilma reafirmou o caráter de continuidade de seu governo, disse que o que lhe permite “avançar” é a experiência acumulada na gestão anterior, que comparou a camadas do solo que sustentam uma pedra, e fez questão de ressaltar sua condição de ex-ministra do governo Lula.

“Não é herança, porque ajudei a construir esta pedra. Eu estava lá. Os erros e acertos dela (da gestão anterior) são os meus erros e meus acertos”, disse Dilma, sob aplausos. “Vejo muitas vezes na imprensa dizerem, ou tentarem dizer, porque dizer explicitamente é muito difícil, dizer que me elegi presidente baseada na trajetória deste partido, baseada no sucesso do governo do presidente Lula, tenho uma herança que não é bendita”, declarou. “Essa tentativa solerte, essa tentativa às vezes envergonhada e insinuada, tenta toldar uma das maiores conquistas que tivemos nos últimos anos. Nós mudamos a forma de o Brasil se desenvolver.”

Num claro momento de fragilidade política de Dilma, o ex-presidente Lula reiterou confiança no atual governo: “Não tem mar revolto, não tem vendaval, não tem furacão, não tem vulcão que você não possa vencer. Conte conosco”, afirmou.

A presidente afirmou ainda que o crescimento do País só tem força por causa do “legado” deixado por Lula. “Nós mudamos o Brasil. Portanto, nossa herança é daqueles que transformaram o Brasil pela primeira vez em muitos e muitos anos. Outros tentaram. De uma forma ou de outra foram interrompidos. Ou se mataram ou foram apeados do poder”, declarou, em aparente referência os presidentes Getúlio Vargas (que se matou em 1954, sob pressão da oposição) e João Goulart (derrubado por um golpe militar em 1964)”.

“Mudamos a lógica de crescimento do País. E se ele hoje tem a força que tem é porque nós temos essa herança esse legado e não é um legado só dos oito anos do governo do presidente Lula, mas responsabilidade que cada um de nós no governo carrega todos os dias”, disse Dilma.

“Nossos” erros e acertos

DILMA ROUSSEFF
PRESIDENTE DA REPÚBLICA

“Não é herança, porque eu ajudei a construir esta pedra. Eu estava lá. Os erros e acertos dela (da gestão Luiz Inácio Lula da Silva) são os meus erros e meus acertos (…) Nós mudamos a forma de o Brasil se desenvolver”

01/09/2011 - 10:01h Dilma e tucanos: do flerte à cartelização

Por Cristian Klein – VALOR

A aproximação do PSDB – ou pelo menos de uma importante ala dos tucanos – com a presidente Dilma Rousseff é, atualmente, um dos movimentos mais intrigantes do cenário político brasileiro.

É de se estranhar, para quem já está acostumado à polarização entre PT e PSDB, os afagos e demonstrações de admiração e respeito mútuo protagonizados nos últimos tempos por Dilma e os principais caciques tucanos.

A seguida troca de gentilezas entre Dilma e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso parecia algo relativamente circunscrito ao campo pessoal ou, digamos, a uma “atitude republicana”.

Primeiro, veio o convite para o jantar com o presidente americano Barack Obama. Depois, as palavras afetuosas em carta que felicitava Fernando Henrique por seus 80 anos.

Oposição é oferecida. Mas também está sendo envolvida

O carinho público, segundo interlocutores, chegou a provocar ciúme no padrinho político e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teria pedido para Dilma “não exagerar”. Lula, em oito anos de governo, construiu sua imagem em oposição à do antecessor. Como se FHC fosse um vilão.

Dilma, acostumada mais à frieza dos gabinetes do Estado que ao calor dos palanques, tem trilhado um caminho menos maniqueísta.

Na esteira das amabilidades com Fernando Henrique, a presidente atraiu também outros grãos-tucanos, o que provoca suspeitas de um movimento de significado político maior.

Sua presença, no Palácio dos Bandeirantes, ninho tucano, ao lado dos governadores paulista Geraldo Alckmin e mineiro Antonio Anastasia, e de FHC, para o lançamento integrado do plano Brasil Sem Miséria, despertou muita atenção.

Para completar, nesta semana, o senador Aécio Neves embarcou no clima de cordialidade. Um dos principais nomes da oposição à Presidência, Aécio concordou com FHC e disse que é hora de “buscar convergências” e defendeu um “pacto de governabilidade” para realizar reformas e apoiar a ação de Dilma contra os focos de corrupção no governo federal.

Pelo inusitado da proposta, o deputado federal Roberto Freire, presidente do PPS, aliado dos tucanos, reagiu à altura de sua surpresa. Afirmou que a sugestão de Aécio e FHC é um equívoco que “beira ao adesismo” e expõe a oposição ao ridículo. “É difícil acreditar!”, espantou-se.

De fato, é de se perguntar como a oposição, em vez de desempenhar seu papel crítico em relação a um governo do qual não participa, abdica de sua função em nome da suposta necessidade de um “pacto de governabilidade”.

Pactos de governabilidade costumam ser firmados em situações muito raras, de crise ou de reconstrução institucional. É o caso clássico do Pacto de Moncloa, em 1977, que reuniu de direitistas a comunistas durante a redemocratização da Espanha. Ou de momentos como a formação do governo Itamar Franco, após o impeachment de Fernando Collor, em 1992.

Nada parecido está em andamento. Pelo contrário. Desde que os sucessivos escândalos começaram a estourar – Palocci, ministérios dos Transportes (Alfredo Nascimento), Agricultura (Wagner Rossi) – Dilma Rousseff, curiosamente, tem sido mais aplaudida do que bombardeada.

Sintetizou em vacina o que sempre foi veneno na boca da oposição. Não há mar de lama; há faxina. Ameaças de retirada de apoio parlamentar, como a do PR, cujo ministro Alfredo Nascimento foi demitido, não se concretizam. Em nenhum momento, a governabilidade esteve ameaçada.

Faz sentido, dessa maneira, a crítica de Freire, de que a oposição, ao não ser chamada pelo governo para participar, incorre no “erro de se oferecer”.

A oposição é oferecida. Mas também pode estar sendo envolvida pela presidente Dilma. Para a cientista política Maria do Socorro Braga, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), apelos à distensão já estavam presentes no primeiro discurso oficial, na posse.

“É uma estratégia da equipe dela, de construir um perfil que tem várias características distintas às de Lula. E Dilma está colhendo os frutos, ao obter mais penetração nas camadas médias, o que Lula não conseguia, até por um preconceito de classe”, diz a pesquisadora.

Com esse apoio e a iniciativa de Dilma de se aproximar, a oposição – ela mesma muito dividida – estaria constrangida a se erguer como um obstáculo, afirma Maria do Socorro.

Os benefícios da cooperação seriam muito mais evidentes para a presidente do que para seus adversários. “Ao se aproximar de setores da oposição, Dilma tenta reduzir a força de alguns partidos da base, como o PMDB, que tentam colocá-la contra a parede em troca de cargos no governo”, argumenta.

O cientista político Jairo Nicolau, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp/Uerj), vê no “gesto incomum” da oposição um desdobramento de seu comportamento “errático”, de quem não tem uma agenda para o país. “Me assusta a ausência de um pacote mínimo de propostas. A oposição se acomodou e parece totalmente dependente de fatores exógenos, como uma grande crise política ou econômica mundial, para ter um discurso e ganhar força”.

Detalhe: enorme crise política (o mensalão, em 2005) e outra financeira internacional (iniciada em setembro de 2008) não foram capazes de favorecê-la nas eleições presidenciais de 2006 e 2010.

Jairo Nicolau não acredita que o flerte possa desmontar a polarização entre PT e PSDB, uma vez que ela criou antipatias e rivalidades pessoais que não se apagam “da noite para o dia”. O pesquisador, no entanto, lembra que, desde a Constituinte, há muitos pontos em comum entre petistas e tucanos, embora a aproximação pareça estapafúrdia. “O sistema partidário brasileiro se armou entre esses dois polos. Mas, a rigor, não é a distinção mais forte. Certamente, o PP, oriundo do PDS, tem menos a ver com o PT do que o PSDB”.

Outra possível explicação estaria na tendência internacional de cartelização dos partidos, cada vez mais voltados para os recursos do Estado e para a diminuição de riscos na competição política. “Há claramente um processo desse tipo. Há dois polos, mas as diferenças são mais carregadas nas tintas do que substantivas. Só se discutem programas (como o Prouni) e não políticas (como a educacional)”, diz.

Cristian Klein é repórter de Política. Escreve mensalmente às quintas-feiras

E-mail cristian.klein@valor.com.br